Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Plano real

535 views

Published on

Desdobramentos do Plano Real

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Plano real

  1. 1. ECONOMIA BRASILEIRA PÓS-ESTABILIZAÇÃO: FHC E LULA Fim de 1993: Implementação do Plano Real (mais engenhoso de combate à inflação). Apesar das várias crises internacionais, da crise cambial de 98/99 e da mudança do regime de política econômica, o Plano Real conseguiu reduzir a inflação e mantê-la sob controle durante bastante tempo. Mesmo com a mudança de governo (FHC para Lula) não pôs em risco a estabilidade. Embora ter alcançado o êxito, a crença de que com a estabilização o país retomaria uma trajetória estável de crescimento econômico não conferiu-se. O sacrifício de crescimento devido a estratégia de estabilização provocou um aumento significativo do desemprego no país. As taxas de juros brasileiras permaneceram extremamente elevadas ao longo de todo este período, a carga tributária elevou-se de forma contínua, o investimento permaneceu em níveis satisfatórios, inviabilizando um crescimento econômico compatível com o que vem ocorrendo em outros países. PLANO REAL E O 1º MANDATO FHC O Plano Real pode ser visto como a adoção da proposta de reforma monetária. O plano não seria adotado de surpresa, mas sim gradualmente. Não recorreria a congelamento, mas a uma “substituição natural”da moeda. Havia uma preocupação com a correção dos desequilíbrios existentes na economia. O Plano Real dividiu o ataque ao processo inflacionário e impediu que ocorressem altas inflações. Elementos principais desse ajuste: corte de despesas, elevação dos impostos e diminuição nas transferências do governo federal. - 1º ponto: Implantação do Plano de Ação Imediata (PAI) – visava o corte de gastos (desp. de investimento e pessoal); -2º ponto: Aumento da arrecadação: IPMF (Imposto Provisório sobre Movimentação Financeira). Alíquota de 0,25% Caráter temporário 3º ponto: Aprovação do Fundo Social de Emergência (FSE) – alimentado por 15% da arrecadação de todos os impostos. Sob estes recursos a União não cumpriria as vinculações de despesas determinadas na CF 88. Essas medidas não eram soluções definitivas, apenas serviriam como um fôlego fiscal. Assim, o governo deveria realizar os ajustes necessários. 1990 – o país apresentava significativos superávits primários e déficits operacionais relativamente baixos. Ocorreu a redução da razão da dívida pública /PIB. Imaginava-se que o Brasil valia um efeito-Tanzi inverso, pois ao invés de a inflação penalizar o desempenho fiscal deviso à menor indexação da receita em relação à despesa, ocorria o contrário, sendo a receita mais indexada que a despesa e, assim, a inflação favoreceria o ajuste fiscal. 1994 – 2ª Fase: Novo sistema de indexação – Visava simular os efeitos de uma hiperinflação - “substituição parcial da moeda” Introdução da URV (Unidade Real de Valor) – valor em cruzeiros reais seria corrigido diariamente pela taxa de inflação medida pelos principais índices. O valor da URV manteria uma paridade fixa de um para um com dólar (taxa de câmbio). A URV funcionava como unidade de conta, expressando o preço das mercadorias, mas as transações eram liquidadas em cruzeiro real, que mantinha a função de meio de troca.

×