Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cravos

1,356 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Cravos

  1. 1. EB 2,3 do Caramulo 25 deAbril 1974 - 2009V iv e r e m L ib e r d a d eM a f a ld a S o f ia P e r e ir a C a r v a lh o 2 0 0 9 /2 0 10
  2. 2. Causas que levaram ao 25 de Abril A falta d e liberd ad e; Isolam ento internacional d o país; População d esgastad a pela guerra; Agravam ento d as cond i ções d e vid a; D escontentam ento d os m ilitares; Â nsia d e liberd ad e.
  3. 3. MFA O descontentamentoda população e,principalmente, aGuerra Colonial levam àformação do MFA(Movimento das ForçasArmadas) que planeoue executou a revoluçãode 25 de Abril 1974.
  4. 4. 24 de Abril de 197422.55 – os Emissores Associados de Lisboatransmitem a música “E depois do Adeus” de Paulode Carvalho que foi a senha para o início darevolução.
  5. 5. 25 de Abril00.20 – É transmitida pela Rádio Clube Português a música“ Grândola Vila Morena” de José Afonso. Esta música foi asenha para uma coluna da Escola Prática de Cavalaria deSantarém, dirigida por Salgueiro Maia se encaminhar parao Terreiro do Paço .G:Discurso Maia.mpeg
  6. 6. 6.00 – As forças daEscola Prática deCavalaria chegamao Terreiro doPaço. “ Estamosaqui para derrubaro governo”,resumiu o capitãoSalgueiro Maia comsimplicidade.
  7. 7. No meio do rio Tejo, embora ameaçadora, a fragata GagoCoutinho não chegou a disparar os tiros de canhão.G:Fragata.mpeg
  8. 8. 9.00 – Regista-se omomento mais tenso,quando as tropas deSalgueiro Maiatomam posiçãocontra umaCompanhia deInfantaria 1 epelotões da políciamilitar comandadospelo brigadeiroJunqueira Reis, quese aproximavam pelaavenida Ribeira dasNaus e Rua doArsenal.
  9. 9. Incapaz de fazerobedecer as suasordens, o brigadeiroJunqueira Reis disparauns tiros para o ar. Nãochega a haver confronto.G:Brigadeiro maior.mpeg
  10. 10. Controlada a situaçãono Terreiro do Paço,Salgueiro Maia sobepara o Largo doCarmo e comanda ocerco ao quartel-general na GNR, ondese abrigara oPresidente doConselho, MarceloCaetano
  11. 11. De megafone na mão, Salgueiro Maia dá o primeiro Ultimato.
  12. 12. No Carmo, os rebeldes contêm a multidão
  13. 13. A população exige o fim da PIDE (Polícia Política da Ditadura)concentrando-se junto à sua sede, no Chiado
  14. 14. Marcelo Caetanoexige a presençade António de Marcello Caetano ( 1894-1987)Spínola para “opoder não cair narua”. Nestaaltura, o Largo doCarmo era já ummar de gente àespera darendição.
  15. 15. 19.40 – Marcello Caetano abandona o quartel do Carmo dentro dechaimite depois de passar o poder a António de Spínola
  16. 16. Ali perto, na ruaAntónio MariaCardoso, a PIDE fariaas suas últimasvítimas ao dispararsobre a multidão Captura de um presumível Pideaglomerada em frenteà sua sede. Revolta da população contra os carros dos agentes da pide
  17. 17. A rendição sóaconteceria no dia26, sendo entãoretirados ossímbolos do regime.G:Carmo-PIDE-Spinola.mpeg
  18. 18. Ao fim do dia vários jornais ilustram uma nova página daHistória Portuguesa, pela primeira vez sem a censura do“lápis azul”.
  19. 19. Fim

×