Metodologia do estudo

9,515 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,515
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
180
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Metodologia do estudo

  1. 1. FICHA TÉCNICA Governador Eduardo Braga Vice-Governador Omar Aziz Reitor Lourenço dos Santos Pereira Braga Vice-Reitor Carlos Eduardo S. Gonçalves Pró-Reitor de Planej. e Administração Antônio Dias Couto Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários Ademar R. M. Teixeira Pró-Reitor de Ensino de Graduação Carlos Eduardo S. Gonçalves Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Walmir de Albuquerque BarbosaCoordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado) Carlos Alberto Farias Jennings NUPROM Núcleo de Produção de Material Coordenador Geral João Batista Gomes Projeto Gráfico Mário Lima Editoração Eletrônica Helcio Ferreira Junior Horácio Martins Mário Lima Revisão Técnico-gramatical João Batista Gomes Metodologia do estudo. M593 Metodologia do estudo. / Walmir de Albuquerque Barbosa... [et al]. – Manaus/AM: UEA, 2006. – (Licenciatura em Matemática. 1. Período). 77 p.: il. ; 30 cm. inclui bibliografia e anexo 1. Metodologia. I. Barbosa, Walmir de Albuquerque... [et al]. II.Título. CDU (1997): 001.8 CDD (19.ed.): 001.4
  2. 2. SUMÁRIOPalavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07Unidade I – Universidade e Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09TEMA 01 – Função Científica e Social da Universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11TEMA 02 – Conhecimento e Fontes de Informação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12TEMA 03 – A Pesquisa e sua formulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13TEMA 04 – Desafios e Possibilidades da Universidade Brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15Unidade II – Conhecimento e leitura na universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17TEMA 05 – Tipos de Conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19TEMA 06 – A Leitura como processo de apreensão do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20TEMA 07 – Modalidades de Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21TEMA 08 – Técnicas de Leitura – Documentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21Unidade III – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23TEMA 09 – Dimensão Biológica do Processo de Aprendizagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25TEMA 10 – Fases da Memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25TEMA 11 – A Estrutura do Arquivo Cerebral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26TEMA 12 – Tipos de Memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26TEMA 13 – Transtorno da Matemática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28TEMA 14 – Amnésia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28Unidade IV – Metodologia do estudo na universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31TEMA 15 – O que é estudar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33TEMA 16 – A Diversidade do Conhecimento: Disciplinaridade, Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade . 35TEMA 17 – Fontes de Consulta Usuais e Disponíveis na Universidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38Unidade V – Produção do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43TEMA 18 – Método de Investigação Científica – A Singularidade,a Abrangência do Conceito, A Classificação e a Aplicabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45TEMA 19 – A Pesquisa como investimento de produção do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48TEMA 20 – Tipologia da Pesquisa e Formato de Estudos Científicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50TEMA 21 – A Monografia de Fim de Curso e a Escolha do Tema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51TEMA 22 – O Projeto de Pesquisa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52Unidade VI – Técnicas para difusão e divulgação do conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55TEMA 23 – Seminário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59TEMA 24 – Painel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59TEMA 25 – Mesa Redonda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60TEMA 26 – Fórum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60TEMA 27 – Congressos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61TEMA 28 – Palestra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61TEMA 29 – Artigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62TEMA 30 – Relatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
  3. 3. PERFIL DOS AUTORES Walmir de Albuquerque Barbosa Doutor em Ciência da Comunicação – USP. Ierecê Barbosa Doutora em Educação – UFRN. Pérsida da Silva Ribeiro MikiMestra em Ciências do Meio Ambiente e Sustentabilidade no Amazonas – UFAM. Edilza Laray de Jesus Mestra em Educação Ambiental – FURG (Fundação Universidade do Rio Grande).
  4. 4. PALAVRA DO REITORA Licenciatura Plena em Matemática pelo Sistema Presencial Mediado vem reforçar o compromisso doGoverno e da Universidade do Estado do Amazonas de avançar com ousadia na área do ensino que val-oriza os meios tecnológicos. Os recursos utilizados para tal (livro didático, tv e web) são reforçados pela pre-sença de Profes-sores Assistentes para garantir a qualidade necessária e otimizar os efeitos positivos advin-dos dessa ousadia.O grande potencial tecnológico que caracteriza a UEA tem de ser utilizado para a formação de professores,especialmente daqueles que se encontram no interior do Estado, fazendo-os permanecer no seu local deorigem, dando-lhes formação à altura das necessidades regionais e criando condições dignas de trabalho.Toda a experiência significativa acumulada em outros projetos vai contribuir para que o curso de Matemáticacumpra a contento o papel de formar professores com visão diferenciada, colocando em prática uma didáti-ca eficiente, centrada nas necessidades imediatas do homem e do meio que o circunda.As estratégias de ensino-aprendizagem devem ser focadas no aluno. Em função dele é que se lança mãode todos os recursos inovadores, estimulando-o à pesquisa e à conquista de uma vida melhor. Assim, a UEAcumpre a tarefa de formar profissionais autônomos e disciplinados, aptos a absorver e a praticar uma políti-ca educacional que elevará o Estado do Amazonas à posição de vanguarda no âmbito do ensino que ultra-passa as barreiras da sala de aula. Lourenço dos Santos Pereira Braga Reitor da Universidade do Estado do Amazonas
  5. 5. UNIDADE IUniversidade e Pesquisa
  6. 6. Metodologia do Estudo – Universidade e Pesquisa dades logo após a sua chegada, ainda no século XVI, a exemplo da Universidade de São Marcos no TEMA 01 Peru. Os primeiros cursos avulsos de Direito, Me- dicina e Engenharia só foram criados no Brasil FUNÇÃO CIENTÍFICA E SOCIAL depois de 1808, com a vinda da Família Real e DA UNIVERSIDADE a elevação do Brasil à categoria de Reino UnidoA Universidade é uma instituição tradicional, e seu à Portugal e Algarve. Já a primeira Universidadehistórico tem raízes na Idade Média, por volta do Brasileira vai nascer em Manaus, Amazonas, emséculo XII, quando se fundaram as primeiras esco- 1909, a Universidade Livre de Manaus, seguida dalas superiores com as características que se asse- Universidade do Paraná, Universidade de Minasmelham às que ainda hoje marcam e definem esse Gerais e Universidade do Brasil, hoje Universidadetipo de instituição: centro de saber fundado na li- Federal do Rio de Janeiro.berdade de investigação, na transmissão do co- A Universidade exerce várias funções, dentre elasnhecimento e na busca incessante de universaliza- a de produzir conhecimento, de forma a promoverção do conhecimento produzido. o desenvolvimento da cultura, da ciência, da tec-Nos primórdios (por volta do século XIII), existiam nologia e do próprio ser social através do ensino,dois tipos de Universidade: Universitas magistro- pesquisa e extensão (LUCKESI, p.1995). Não ad-rum, cujo exemplo era a de Paris, sob a autoridade mitimos que ela se transforme numa ilha produto-da Igreja Católica; e a Universitas scholarium, com ra de conhecimento voltada para si, tendo em vistafundação laica, assumida por estudantes ou mo- que os alunos, professores e técnicos são pessoasnarcas sob as responsabilidade do Estado. Com o que vivem contextualizadas num tempo e num es-tempo, sobretudo com o fortalecimento da Igreja paço onde acontece a educação, a política, a his-Católica, essa influência atingiu todo o sistema de tória, a economia, com todos os problemas advin-ensino e somente mais tarde é que as Univer- dos da complexidade sociocultural e ambiental.sidades conquistaram a autonomia. Mesmo sub- Nesse sentido, além de buscar soluções para osmissas a qualquer tipo de autoridade, sempre se problemas presentes por meio da pesquisa, elaorganizaram na forma de corporações de saber – deve procurar estar um passo à frente do seu tem-a comunidade universitária – com ritos e costumes po, trabalhando no sentido de traduzir os conheci-próprios e, em algumas, até formas de defesa con- mentos em qualidade de vida.tra a comunidade externa. Daí sobreviver até hoje Como espaço de produção, reprodução e sociali-a idéia de Comunidade Universitária em oposição zação do conhecimento, o saber nela elaborado éà sociedade abrangente; a idéia de extensão uni- utilizado socialmente em processos econômicos,versitária para designar as ações extramuros da políticos e culturais ou pelo domínio social e tecno-universidade. lógico de certos segmentos sobre as sociedades ePara nós, brasileiros, a maior referência como ber- sobre a natureza, daí destacarmos a função cientí-ço de universidade é a Universidade de Coimbra, fica e social da Universidade. Porém é na tensãoem Portugal, nascida no fim do século XIII, onde entre sua vocação social e científica que ela seestudaram muitos brasileiros, desde os tempos do transforma, transformando a sociedade. E é a par-Brasil Colônia, gerando entre nós uma tradição ba- tir da realidade concreta que podemos considerarcharelesca que dura até hoje, mais ligada às clas- os seus atuais desafios.ses dominantes, às elites econômicas e políticas Segundo Boff (1997), o desafio que se levanta àsdo País, em todos os tempos. Universidades de forma urgente é a sua contri-No Brasil, o governo colonial proibiu os estudos buição efetiva na construção do Brasil como naçãosuperiores sob a alegação de concorrência e tam- soberana, repensada nos quadros da nova cons-bém temeroso da contribuição do ensino superior ciência planetária e do destino comum do sistema-para a formação de pessoas que pudessem criti- terra, sendo co-parteiras de uma cidadania nova, acamente promover um possível desejo libertário. co-cidadania que articula o cidadão com o estado,Ao contrário disso, nas colônias espanholas, os o cidadão com o outro, o nacional com o mundial,jesuítas conseguiram fundar as primeiras universi- a cidadania brasileira com a cidadania terrena, aju- 11
  7. 7. UEA – Licenciatura em Matemáticadando, assim, a moldar o devenir humano. Buar- preciso que o universo inteiro se arme para es-que (1994) afirma que a universidade tem um magá-lo: um vapor, uma gota de água, bastampapel permanente: gerar saber de nível superior para matá-lo. Mas, mesmo que o universo o es-para viabilizar o funcionamento da sociedade. Es- magasse, o homem seria ainda mais nobre dose papel se manifesta de forma diferente, con- que quem o mata, porque sabe que morre e aforme o tipo de sociedade que se deseja. vantagem que o universo tem sobre ele; o uni- Nos Estados Unidos, a universidade desempe- verso desconhece tudo isso.” (Pascal). nhou uma função-chave na construção da so- Somos seres que fazemos questionamentos exis- ciedade de consumo, na defesa da potência tenciais, e buscamos, historicamente, interpretar a econômica e militar norte-americana. Na África nós mesmos e ao mundo em que vivemos, atri- do Sul, a universidade branca serviu, compe- buindo-lhes significados. As representações signi- tentemente, para viabilizar a elevação do nível ficativas da realidade são chamadas de conhe- de vida dos brancos e manter o sistema do cimento. Luckesi et al (1995) ressaltam que o apartheid funcionando. Em países da Europa, as universidades são instrumentos de dinâmica da conhecimento é o entendimento do mundo que economia. Por meio do mercado, elas conse- se transforma em suporte poderoso da condução guem oferecer mão-de-obra e pesquisas para da ação, que ocorre no constante processo ação- consumidores e empresas. Em Cuba, com prio- reflexão, reflexão-ação, concordando com Freire ridades definidas pelo Estado, a universidade (1983). tem por papel solucionar os problemas de edu- O conhecimento é resultante da própria vivência e cação e saúde das massas, produzir conheci- apresenta-se como representação da realidade. mento para uma nação acuada. No Brasil, como De acordo com Lakatos e Marconi (2002), pode certamente na Rússia de hoje, a universidade ser classificado em diversos tipos co-mo o mítico, não dispõe de um projeto, nem de prioridades o popular, o religioso e o científico. definidas pela sociedade (BUARQUE, 1994, p.217).A partir deste quadro geral, podemos avaliar osdesafios que se colocam às Universidades. Elasnão podem ser reduzidas a macroaparelhos de re-produção da sociedade discricionária e a fábricasformadoras de quadros para o funcionamento dosistema imperante. Boff (1997) ressalta: “[...] nanossa história pátria, foram sempre também umlaboratório do pensamento contestatório e libertá-rio.” Isso constitui sua missão histórica permanen-te que deve ser atualizada hoje de forma urgente,dada a urgência de buscarmos a resolução dos O conhecimento científico é o que é produzido pela investigação científica, através de seus métodos. Sur-problemas sociais, culturais, econômicos, políti- ge não apenas da necessidade de encontrar soluçõescos, etc. para problemas de ordem prática da vida diária, mas do desejo de fornecer explicações sistemáticas que possam ser testadas e criticadas por meio de provas empíricas. TEMA 02 A investigação científica inicia-se quando desco- brimos que os conhecimentos existentes, originá- CONHECIMENTO E FONTES rios quer do senso comum, quer do científico, são DE INFORMAÇÃO insuficientes para explicar os problemas surgidos. “O pensamento faz a grandeza do homem. (...) O conhecimento prévio que nos lança a um pro- O homem não passa de um caniço, o mais fraco blema pode ser tanto do conhecimento ordinário da natureza, mas é um caniço pensante. Não é quanto do científico. 12
  8. 8. Metodologia do Estudo – Universidade e PesquisaQuando o homem sai de uma posição meramente reções e aperfeiçoamentos, muitas vezes, induzin-passiva, de testemunha dos fenômenos, sem po- do ao erro, às fraudes, à ignorância e ao compor-der de ação ou controle dos mesmos, para uma tamento intolerante. É, portanto, errôneo acharatitude racionalista e lógica, que busca entender que a dogmatização de um conhecimento é supe-o mundo por meio de questionamentos, é que sur- rior só porque é imutável.ge a necessidade de se propor um conjunto de O verdadeiro espírito científico consiste, justamen-métodos que funcionem como uma ferramenta te, em não dogmatizar os resultados de uma pes-adequada para essa investigação e compreensão quisa, mas em tratá-los como eternas hipótesesdo mundo que o cerca. O homem quer ir além da que merecem constante investigação. Ter espíritorealidade imediatamente percebida e lançar prin- científico é estar, sobretudo, numa busca perma-cípios explicativos que sirvam de base para a or- nente da verdade, com consciência da necessi-ganização e a classificação que caracterizam o dade dessa busca, expondo as suas hipóteses àconhecimento. constante crítica, livre de crenças e dos interessesPor meio desses métodos, obtêm-se enunciados, pessoais, das conclusões precipitadas e dos pre-teorias, leis, que explicam as condições que deter- conceitos. Muito embora não se possam alcançarminam a ocorrência dos fatos e dos fenômenos todas as respostas, o esforço por conhecer e aassociados a um problema, sendo possível fazer busca da verdade continuam a ser as razões maispredições sobre esses fenômenos e construir um fortes da investigação científica.corpo de novos enunciados, quiçá novas leis e Para fins didáticos, podemos dizer que há quatroteorias, fundamentados na verificação dessas pre- tipos básicos de conhecimento: popular (sensodições e na correspondência desses enunciados comum), religioso (teológico), filosófico e cientí-com a realidade fenomenal. fico, como serão detalhados posteriormente.O método científico permite a construção concei-tual de imagens da realidade que sejam verdadei-ras e impessoais, passíveis de serem submetidas atestes de falseabilidade. TEMA 03A exigência do confronto da teoria com os dadosempíricos deve poder ser submetida a testes, em A PESQUISA E SUA FORMULAÇÃOqualquer época e lugar, e por qualquer pessoa,pois uma explicação é algo sempre incompleto, Para Santos (2002, p. 17), “pesquisar é o exercíciosuscetível de um outro questionamento, podendo intencional da atividade intelectual, visando melho-levar-nos à elaboração de uma nova teoria, que rar as condições práticas de existência”. O autornão só explique, mas corrija a anterior. É justamen- assinala que é devido à necessidade humana dete por estar submetida a constantes retomadas de conhecer que a história avança. Pesquisa significarevisões críticas, que uma teoria científica é aper- alguma forma produtiva de conhecimento, traduzi-feiçoada e corrigida, garantindo seu enriqueci- da na capacidade de digerir criticamente, impri-mento e sua confiabilidade. A ciência vale-se da mindo ao conhecimento absorvido interpretaçãocrítica persistente que persegue a localização dos própria capaz de orientar a intervenção histórica.erros, por meio de procedimentos rigorosos de Também não se reduz à construção absolutamen-testagem que a própria comunidade científica rea- te original de conhecimento, mas já existe no usovalia e aperfeiçoa constantemente. Esse método produtivo de conhecimento disponível, desde quecrítico de constante localização de dificuldades, crítico e autocrítico.contradições e erros de uma teoria garante à ciên- A pesquisa científica, tal qual se pratica hoje,cia confiabilidade e autocrítica. A autocrítica siste- estruturou-se como base na organização e namática da ciência proporciona a reformulação das sistematização que alguns cientistas fizeram pa-teorias e evita os dogmatismos. ra solucionar os problemas que decidiram en-O espírito dogmático bloqueia a crítica por se jul- frentar. O sucesso dessas práticas de procura egar auto-suficiente e clarividente na sua compreen- recolha de informações, os modos que se pro-são do mundo, e acaba por impedir eventuais cor- puseram para resolver os problemas garantiram 13
  9. 9. UEA – Licenciatura em Matemática alguns processos que se tornaram exemplares Além das características acima citadas, destaca- e eficazes. Esses autores introduziram meios mos também a capacidade de o matemático anali- práticos e técnicas criativas na solução dos pro- sar, formular e gerir políticas públicas e sociais em blemas que deram uma coerência e uma con- conformidade com as características do local. Sua sistência cada vez maiores a essa prática, sob área de atuação vai desde a participação em con- o nome de pesquisa (CASTANHO; CASTANHO, 2001, selhos deliberativos e comunitários, em órgãos p. 105). governamentais e organizações não-governamen- tais, assessoria parlamentar, comunitária até osO conceito de pesquisa é polêmico. Primeiro, dis- institutos de pesquisa de opinião.tingue-se nele dupla face: a face científica em que Pesquisa é o mesmo que busca ou procura. Pes-aparece a produção criativa de conhecimento; a quisar, portanto, é buscar ou procurar respostaface educativa engloba a capacidade de ques- para alguma coisa. Em se tratando de Ciênciastionar a realidade, aplicar conhecimento e inter- Exatas, a pesquisa é a busca de solução a umvir na prática. Segundo, pesquisa não se reduz a problema que alguém queira saber a resposta.produtos e a momentos, mas seria atitude básica e Não parece correto dizer que se faz ciência, mascotidiana de questionamento crítico e autocrítico que se produz ciência através de uma pesquisa.diante da realidade. Pesquisa é, portanto, o caminho para se chegar àA pesquisa atende pelo menos a dois objetivos, o ciência, ao conhecimento.científico e o educativo. Trabalhada como objeti- Quanto aos tipos de pesquisa, Santos (2002) defi-vo científico, constitui o instrumento indispensável ne-se desta forma:para a construção técnica do conhecimento. Como objetivo de educar, ela orienta, abre as portas pa- ! Pesquisa Exploratória – Visa criar maior familiari- dade em relação a um fato ou fenômeno. É quasera uma compreensão de mundo e fortalece o edu- sempre feita como levantamento bibliográfico, entre-cando para saber relacionar-se com o seu mundo vistas com profissionais que estudam/atuam na área,e com o seu tempo. Qualquer profissional deve ter visita a web sites, etc.consciência desses dois objetivos da pesquisa, Exemplo: Saber o perfil do educador no Estado dosobretudo se ele visa ao domínio produtivo do Amazonas.conhecimento e ao exercício da cidadania, que ! Pesquisa Experimental – É toda pesquisa que envol-não se reduzem a exercícios políticos e a cultivo ve algum tipo de experimento.de ideologias preferenciais. Cidadania também, Exemplo: Pinga-se uma gota de ácido numa placa dena Universidade, pode significar política mediada metal para observar o resultado.pela produção científica. Sendo assim, a Universi- ! Pesquisa Social – É toda pesquisa que busca res-dade torna-se o lugar, por excelência, da criação postas de um grupo social.e produção do conhecimento, problematizando a Exemplo: Saber quais os hábitos alimentares de umasociedade que a sustenta e tendo na pesquisa um comunidade específica.dos instrumentos que deve estar presentes no ! Pesquisa Histórica – É toda pesquisa que estuda oprocesso de ensino-aprendizagem. passado.Mas qual a importância de se fazer pesquisa no Exemplo: Saber os fatores que desencadearam aCurso de Matemática? O educador ou matemático Cabanagem.devem propor alternativas de intervenção planeja- ! Pesquisa Teórica – É toda pesquisa que analisa umada e estratégica na realidade social, mas antes de determinada teoria.qualquer intervenção, precisa conhecer cientifica- Exemplo: Saber o que é a Neutralidade Científica.mente a realidade onde pretende intervir. Neces-sita acompanhar, analisar, conhecer movimentos e Conhecemos os tipos de pesquisa. Agora é neces-associações, o comportamento e os ideais de gru- sário definir os instrumentos para se chegar a umapos, verificando a reação pública a essas tendên- resposta mais precisa, por meio da escolha docias e, muitas vezes estimulando-a. Além dessas melhor caminho. O instrumento ideal deverá serfunções, o matemático deve ter efetiva participa- estipulado pelo pesquisador para se atingir osção em projetos sociais, cabendo a ele analisar a resultados ideais. Num exemplo grosseiro, não sesociedade da qual faz parte, de forma mais exata. poderia procurar um tesouro numa praia cavando 14
  10. 10. Metodologia do Estudo – Universidade e Pesquisaum buraco com uma picareta: precisar-se-ia de é, estritamente, inovação como processo; distouma pá. Da mesma forma não se poderia fazer um resulta que formação científica e permanenteburaco no cimento com uma pá: precisar-se-ia de coincidem, baseadas na capacidade de produ-uma picareta. Por isso, a importância de se definir ção criativa, ou no aprender a aprender. A merao tipo de pesquisa e da escolha do método a ser absorção de conhecimento não realiza a eman-utilizado. Bastos e Keller (1999) observam que pa- cipação, porque não passa de insumo neces-ra repensar o mundo (ou fazer pesquisa), a esco- sário (CAMPOS, 1999, p.4).lha do método é de suma importância. A Universidade é instituição indispensável para oOs caminhos consistem basicamente em: desenvolvimento humano sustentável do país, lu-a) Pesquisa de campo – Visa dirimir dúvidas, ou obter gar privilegiado onde a sociedade e a economia informações e conhecimentos no local que expresse, discutem e constroem chances de futuro, celeiro com maior proximidade, a realidade investigada. da educação que pode humanizar a técnica. Porb) Pesquisa de laboratório – Visa ao domínio do conta disso, não se justifica universidade e muito controle sobre o fenômeno estudado, exigindo local menos pública e gratuita, para apenas transmitir apropriado – laboratório – e instrumentação especial. mecanicamente. Sua função é promover a ciência,c) Pesquisa bibliográfica – Visa ao exame ou à consul- a tecnologia e principalmente a promoção dos ta de livros ou de documentação escrita que se faz seres humanos. sobre determinado assunto. Sabemos que, no Brasil, em nível federal, cerca de 70% dos recursos públicos alocados à educação destinam-se ao custeio do ensino superior, porém, levando-se em conta a totalidade dos recursos TEMA 04 gastos em educação (federal, estadual e municipal juntos), menos de 20% vão para o ensino superior. DESAFIOS E POSSIBILIDADES Há consenso de que esses recursos destinados ao DA UNIVERSIDADE BRASILEIRA ensino superior e à pesquisa científica estão muito aquém das reais necessidades de trabalhar ensi-A crise que assola as sociedades manifesta-se nas no, pesquisa e extensão.múltiplas dimensões: política, cultural, administrati- As agruras por que passa a Universidade Brasileirava e organizacional. Nas Universidades, os proble- decorrem, em grande parte, da falta de ummas organizacionais estão ligados à estrutura e ao entendimento a que se deve chegar sobre o seufuncionamento. Os currículos são atomizados, e verdadeiro papel. Servimos, em grande parte, aos estudantes adquirem formação fragmentada, uma elite que se reproduz e que pouco se alargaprovocada pelo sistema de matrículas por disci- com processo de inclusão dos muitos que ficam, aplinas, o que aponta para a tendência à formação cada ano, fora do sistema. Acredita-se que, com aunilateral desprovida de uma visão de conjunto do universalização do Ensino Médio, as exigências docurso e principalmente da sociedade nacional e mercado, as exigências de qualidade e as novasglobal, com conseqüências imediata na práxis visões sobre a competência, Estado e Sociedadesocial. terão que negociar um novo pacto, uma reformaA pesquisa poderia ocupar o centro do desafio total do sistema, o que já foi feito em vários países,educacional em termos de inovação a serviço do pois não se concebe mais o desenvolvimento so-homem, como princípio científico e educativo, em cial, econômico e cultural sem um sistema univer-particular, no caso da Universidade, pois domínio sitário sólido.científico e tecnológico é a vantagem comparativa Um projeto de democracia social implica vencerdiferencial, no atual contexto econômico e político. desafios. O primeiro deles é a criação de uma A formação básica qualitativa e a produção cien- aliança entre a inteligência acadêmica e a popu- tífica e tecnológica são fatores que melhor lação que está à margem do processo social na garantem a estratégia de desenvolvimento busca de saberes diversos. Em segundo lugar, humano próprio, moderno, sustentável. Ciência desta aliança reforça-se a necessidade da ligação não é estoque de conhecimentos repassados; orgânica daqueles que manejam o saber específi- 15
  11. 11. UEA – Licenciatura em Matemáticaco com os movimentos sociais emergentes, imbuí-dos da responsabilidade de participar da discus-são daquilo que interessa à coletividade e constru-ir coletivamente uma perspectiva de Brasil feito portodos. 16
  12. 12. UNIDADE IIConhecimento e leitura na universidade
  13. 13. Metodologia do Estudo – Conhecimento e leitura na universidade desenvolvimento de técnicas podem reformular o acervo de teoria existente, portanto nem sem- TEMA 05 pre a verdade de ontem é a de hoje. O conheci- mento científico é um eterno construtor. TIPOS DE CONHECIMENTO 2. Conhecimento Filosófico1. Conhecimento Científico Segundo Marconi e Lakatos (2000) o conheci- A produção do conhecimento está ligada a três mento filosófico tem algumas características referenciais: específicas. a) concepção dialética da realidade; a) É valorativo – Seu ponto de partida consiste em b) processo do pensar reflexivo; hipóteses que não poderão ser submetidas à c) problematização. observação. As hipóteses filosóficas baseiam-se Problematizar é muito mais profundo do que a na experiência, portanto este conhecimento emer- ge da experiência e não da experimentação. simples formulação do problema de pesquisa, porque leva a pessoa a questionar. São tantas b) Não é verificável – Os enunciados das hipóteses filosóficas, ao contrário do que ocorre no campo as interrogações: O quê? Como? Por quê? Para da ciência, não podem ser refutados nem confir- quê? Onde? Quando? Quantos? Quais? Assim, mados. problematizar é interrogar o mundo, a realidade c) É racional – consiste num conjunto de enunciados em que o pesquisador está inserido, ele próprio logicamente correlacionados. e mais especificamente o seu objeto de estudo. d) Tem organização sistemática – Há coerências Problematizar, enfim, é interrogar, e só o ser entre as hipóteses e os enunciados. humano é capaz de fazê-lo. e) É exato – Seus postulados e suas hipóteses não Segundo Bunge (1965) somente o homem in- são submetidos ao decisivo teste da observação venta problemas novos: é o único ser proble- (experimentação). matizador, o único que pode sentir a necessi- dade e o gosto de acrescentar dificuldades às 3. Conhecimento de senso comum que já se apresentam no meio natural ou no O senso comum também é conhecido como meio social. O homem é um ser de criação, de conhecimento popular. Geralmente, ele é trans- produção, de evolução, de questionamentos. mitido de geração a geração, por meio da edu- Em sua trajetória de vida, ele tem que interpretar cação informal, baseado em imitação e expe- a si e ao mundo em que vive, atribuindo-lhes riência pessoal; portanto, empírico e despro- significado. Cria representações significativas vido de conhecimento técnico. Podemos citar, da realidade, as quais denominamos conheci- como exemplo, o conhecimento de um barco mento. Dependendo da forma pela qual se che- popular. Na construção, são aplicados conheci- ga a essa representação, o conhecimento pode mentos adquiridos por tradição oral, tais como: ser classificado em diversos tipos (filosófico, mí- a madeira mais apropriada, a largura, a altura tico, dogmático, etc). Já o conhecimento cientí- e o peso do motor para que ele agüente os ban- fico é aquele que é produzido pela investigação zeiros, etc. Ou seja, ele é construído no “olhô- científica. Portanto, ele é FACTUAL porque lida metro”, portanto, de forma empírica. Mas, nem com ocorrências ou fatos reais. É SISTEMÁ- por isso deixa de ter o seu valor, até porque TICO, pois ordena logicamente as idéias (teoria) muito dos conhecimentos ali aplicados são e não conhecimentos dispersos e desconexos. baseados em observações, e a ciência não é, Possui a característica da VERIFICABILIDADE, como muitos pensam, o único caminho de aces- de modo que, as afirmações (hipóteses) que so ao conhecimento e à verdade. Um mesmo não podem ser comprovadas não pertencem ao objeto pode ser matéria de observação tanto âmbito da ciência. Constitui-se em conhecimen- para o cientista quanto para o um cidadão to FALÍVEL, em virtude de não ser definitivo, comum; o que leva um ao conhecimento cientí- absoluto ou final e, por este motivo, APROXI- fico e outro ao conhecimento popular é a forma MADAMENTE EXATO: novas proposições e o de observação. 19
  14. 14. UEA – Licenciatura em Matemática O conhecimento baseado no senso comum tem Para que se produza conhecimento, é necessária algumas características básicas: uma sólida base de leitura. O hábito do estudo de- a) É superficial – Conforma-se com a aparência, não ve ser incutido desde cedo no estudante, pois para busca o que se oculta por trás das coisas. desenvolver o espírito científico é importante que b) É sensitivo – Ou seja, referente a vivências, esta- esse hábito já esteja consolidado. Aprender a ler dos de ânimo e de emoções do cotidiano. exige uma postura crítica, sistemática, reflexiva, além de disciplina intelectual. É interessante ter c) É subjetivo – O próprio sujeito organiza suas ex- periências. em mente que ler é uma prática básica, essencial, para aprender e produzir. d) É assistemático – Está organizado com base nas experiências e não na sistematização das idéias A leitura propicia: a ampliação do conhecimento, a e/ou na forma de adquiri-las, muito menos na ten- obtenção de informações básicas e específicas, a tativa de validá-las; abertura de novos horizontes, a sistematização do e) É acrítico – Não há preocupação com a veracida- pensamento, o enriquecimento do vocabulário, o de dos fatos e sim com a funcionalidade. melhor entendimento das idéias dos autores, além, é claro, de uma constante atualização. Uma boa4. Conhecimento religioso leitura é sempre bem-vinda. Assim sendo, a pri- meira etapa que um estudante universitário precisa O conhecimento religioso, também conhecido vencer é conhecer e utilizar procedimentos ade- como teológico, apóia-se em teses que contêm quados de leitura. Quais são eles? proposições sagradas, ou seja, VALORATIVAS, que por terem sido reveladas pelo sobrenatural O tempo: (INSPIRACIONAL), tais verdades são conside- ! Planeje seu tempo. Essa é a forma correta de ganhar radas EXATAS. É um conhecimento que tem mais tempo para a leitura. SISTEMATIZAÇÃO, pois seus relatos têm iní- ! Programe a utilização de períodos vazios em sua cio, meio e fim, ou seja: introdução, desenvolvi- atividade. mento e conclusão, ou melhor, já que estamos ! Substitua o horário de uma ou mais atividades não referindo-nos ao conhecimento religioso: ori- essenciais, dilatando o tempo destinado à leitura. gem, significado, finalidade e destino. Suas evi- ! Não estabeleça períodos muito longos para a leitura, dências NÃO SÃO VERIFICÁVEIS, pois são sem pausa para descanso. obras do Criador Divino e, portanto, necessitam O propósito: de crença, de fé, perante o conhecimento reve- lado. Toda leitura tem um propósito, podendo ser: ! o da investigação; ! o da comparação; ! o da crítica; TEMA 06 ! o da verificação; ! o da ampliação do conhecimento. A LEITURA COMO PROCESSO DE Os tipos de leitura: APREENSÃO DO CONHECIMENTO ! Verbal – Que pode ser informativa, seletiva (tambémA Universidade diferencia-se das demais institui- conhecida como analítica ou formativa) e técnica.ções de ensino pelas suas características específi- ! Icônica – Que consiste na decodificação de índices,cas: indissociabilidade entre a pesquisa, o ensino símbolos e ícones.e a extensão. Universidade que não tem pesquisa ! Gestual – Que consiste em decodificar a linguagemnão produz conhecimento, não responde aos de- dos gestos. Ex.: a linguagem dos surdos-mudos.safios do contexto em que está inserida, não pode ! Casual – É bem espontânea. Ex.: a leitura de anún-ser considerada uma Universidade, mas apenas cios, cartazes, outdoors, placas de trânsito.um estabelecimento de ensino superior. Portanto ! Sonora – Que consiste em decodificar os sons queproduzir conhecimento é condição sine qua non comunicam algo, tais como: uma buzina, uma sirena,para a consolidação de uma Universidade. um apito, o som do triângulo do cascalheiro. 20
  15. 15. Metodologia do Estudo – Conhecimento e leitura na universidade Do ponto de vista técnico e enquanto método pes- TEMA 07 soal de estudo, pode-se falar em três formas de documentação: MODALIDADES DE LEITURA ! a temática; ! a bibliográfica;Os tipos de leitura têm estreita ligação com a fina- ! a geral.lidade. Eis as modalidades de leitura:a) Silenciosa – Individual ou coletiva, podendo ter As grandes aliadas da documentação são as técni- tempo delimitado. cas de leitura; sem elas, corremos o risco de con-b) Oral – Podendo ser individual, coletiva ou em mu- siderar que tudo é relevante e documentar sem tirão. critérios de seletividade. As principais técnicas dec) Especializada – Pode ser uma leitura política, semi- leitura são: ológica, social, médica, etc. ! sublinhar;d) De estudo – visa à aquisição de conhecimento; ! esquematizar;e) Distração – Leitura de revistas, romances. ! fichar;f) Dinâmica – Modalidade avançada para se ler rápido, ! resumir. ganhando tempo. 1. Sublinhar É a técnica indispensável para elaborar esque- mas, resumos e ressaltar as idéias importantes TEMA 08 de um texto. O requisito fundamental para apli- car a técnica de sublinhar é a compreensão do TÉCNICAS DE LEITURA – DOCUMENTAÇÃO assunto. Não se deve sublinhar parágrafos ou frases inteiras, mas apenas palavras chaves ouAs técnicas de leitura são importantíssimas no frases significativas.processo de estudo e pesquisa. É válido frisar quea leitura é uma das maneiras mais utilizadas para Para a utilização adequada dessa técnica deconhecer a realidade. Ao ler, a pessoa tem a pos- leitura, é importante observar alguns pontos:sibilidade de conhecer o mundo. Portanto o gosto a) Não sublinhar durante a primeira leitura.pela leitura é fundamental para a formação de b) É necessário que se tenha um primeiro contatoespírito científico. Para produzir conhecimento, vo- com a leitura, fazendo-se um sinal à margem.cê tem de ter um ponto de partida; a leitura docu- c) Quando for feita a segunda leitura, buscar a idéiamentada pode ser ou sugerir esse ponto. Daí a im- principal, os detalhes significativos, os conceitos,portância da documentação, do fichamento como as classificações, etc.formas de organizar aquilo que foi selecionado pe- Observação – Sublinhe apenas o que for rele-las técnicas de leitura. A prática da documentação vante, de maneira que, ao reler o que foi desta-pessoal deve, pois, tornar-se uma constante na cado, a idéia principal tenha sido delimitada cor-vida do estudante. Para isso, é preciso convencer- retamente.se da sua necessidade e utilidade, colocá-la comointegrante do processo de estudo, criando um 2. Esquematizarconjunto de técnicas para organizá-las. O esquema é uma representação sintética doA documentação de tudo que for julgado impor- texto através de:tante e útil em função dos estudos e do trabalho GRÁFICOSprofissional deve ser feita sobre fichas. O tomarnotas em cadernos é desaconselhável devido à CÓDIGOSsua pouca funcionalidade. PALAVRAS 21
  16. 16. UEA – Licenciatura em Matemática Não há fórmulas mágicas para um bom que consiste em: esquema, mas um pouco de criatividade e a) Estabelecer a unidade de leitura. organização são bem-vindas. O esquema b) Destacar as idéias principais. deve ser organizado dentro de uma c) Destacar os pormenores importantes. seqüência lógica, onde aparecem: e) Elaborar um esquema utilizando sinais (chaves, As idéias principais. colchetes, etc). O inter-relacionamento de fatos e idéias. Utilizando as técnicas de sublinhar, esque- matizar, fichar e resumir, o aluno está pre- A elaboração de um bom esquema exige a par- parado para fazer uma leitura analítica. ticipação ativa do leitor na assimilação do con- teúdo, levando-o, também, a uma avaliação do texto. Embora não haja um modelo de esquema padrão, pode-se avaliar um esquema por meio de algumas características básicas: FIDELIDADE AO TEXTO ESTRUTURA LÓGICA UTILIDADE CUNHO PESSOAL ADEQUAÇÃO AO ASSUNTO3. Fichar É uma forma de facilitar o trabalho de pesquisa, colocando ordem às informações obtidas. À me- dida que o pesquisador tem em mãos as fontes de referência, deve transcrever os dados em fi- chas, de forma sistematizada, com o máximo de exatidão e cuidado. O fichamento traz diversas vantagens: a) Oportuniza a informação precisa na hora exata. b) Permite o manuseio, a remoção ou o acréscimo de informação. c) Ocupa pouco espaço e são de fácil transporte. d) Permite analisar o material selecionado. e) Identifica a obra. f) Facilita as citações. g) Favorece as críticas consolidadas nos autores.4. Resumir O resumo é uma condensação do texto. Ele apresenta as idéias essenciais e pode, também, trazer a interpretação do leitor, desde que este o faça separadamente. O objetivo do resumo é abreviar as idéias do autor, sem, contudo, a con- cisão de um esquema. Entretanto pode-se jun- tar o resumo e o esquema, tendo como resulta- do uma técnica mista: o resumo esquemático, 22
  17. 17. UNIDADE IIIAs dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática
  18. 18. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemáticaA aprendizagem é um processo e, como tal, vai-se hoje, amanhã), a consciência da duração, da con-consolidando aos poucos, relacionando suas di- tinuidade. A memória acaba sendo o sentimentomensões, que não são estanques. Elas coincidem do eu que dura, que permanece, enquanto tudono ato de aprender, como se fossem vários cami- em volta se modifica, e o próprio eu se transforma.nhos que se cruzam, se perpassam, se misturam É por isso que a doença de Alzheimer é terrível. Elae, finalmente, tornam-se um só. Esses caminhos é degenerativa. Aos poucos, o indivíduo vai desa-são as denominadas dimensões da aprendiza- parecendo, ficando encarcerado, preso na memó-gem: a biológica, a cognitiva e a social. Tais di- ria. Existe e não existe. Acha-se representado pelamensões acabam corroborando com o conceito presença física, mas perde-se na ausência psíqui-de que o homem é uma estrutura biopsicossocial, ca, perde a consciência do eu. Entretanto o poderque funciona integralmente no processo de apren- da mente é ainda um grande mistério. O filme Umadizagem. A separação das dimensões é apenas Mente Brilhante conta a história de um físicoum recurso didático para melhor entendê-las. inteligentíssimo que venceu a esquizofrenia uti- lizando-se da lógica matemática, desafiando a Medicina com seus tratamentos convencionais. TEMA 09 DIMENSÃO BIOLÓGICA DO TEMA 10 PROCESSO DE APRENDIZAGEM FASES DA MEMÓRIASegundo Barbosa (2005) a dimensão biológica es- O fenômeno da memória caracteriza-se por quatrotá ligada às estruturas internas, às formas hereditá- fases sucessivas:rias programadas para a sobrevivência como o atode sugar, que é um reflexo instintivo, à capacidade 1. Fixação – É a impressão produzida no indivíduode reter informações, ou seja, a memória. Aqui re- pelas percepções, emoções, etc.side um grande equívoco, pois decorar não é sa- 2. Conservação – Quando são registrados os fa-ber. Muitos professores obrigam, sob a pressão da tos vivenciados e informações recebidas.nota, num ato de terrorismo pedagógico, os alu- 3. Evocação – Quando o indivíduo traz ao planonos a decorar páginas e mais páginas de livros, da consciência os fatos registrados e conserva-para recitar depois na sala. Puro verbalismo. A me- dos; são as lembranças.mória só tem valor quando guarda não apenas asformas das palavras, mas seu sentido, a sua com- 4. Esquecimento – Consiste em abandonar aspreensão. A memória é a faculdade de conservar, lembranças, transferi-las do consciente para oreproduzir e reconhecer os estados de consciên- inconsciente. Esquecê-las, como se costumacia anteriores, relacionando-os com as nossas ex- falar. Em verdade, o esquecimento, sem causasperiências passadas. Um dos aspectos mais signi- patológicas, não existe nas fases que antece-ficativos da memória é a sua capacidade de rela- dem o envelhecimento. O que acontece é quecionar os fatos. Além de reter a informação, o indi- os fatos velhos vão cedendo lugar aos novos, evíduo conserva-a, recupera-a quando dela neces- o indivíduo pensa que esqueceu. Mas ele estásita e ainda sabe localizá-la numa espécie de lá, bem arquivado. Basta qualquer fato ou infor-quadro geral. Ele lembra do fato, como ele ocor- mação que possa fazer uma conexão com oreu, quais as circunstâncias que o cercaram e qual fato, aparentemente esquecido, para ele vir àa impressão que o fato causou ao seu eu. Ou seja, tona, com todas as cores e nuanças que a eleele se lembra das coisas em relação a ele ou dele pertencem e com as quais foi registrado e con-em relação às coisas. Sem memória, não haveria servado. O esquecimento propriamente ditopersonalidade, ciência, tecnologia, progresso. A ocorre no processo de envelhecimento, o acer-memória é tão importante que dá ao indivíduo a vo léxico cerebral é perdido de forma lenta econsciência de que ele é ele mesmo. É ela que gradativa. As últimas palavras e signos aprendi-proporciona ao indivíduo a idéia de tempo (ontem, dos são os primeiros a serem esquecidos e o 25
  19. 19. UEA – Licenciatura em Matemática inverso também é verdadeiro. Tal degeneraliza- das umas ás outras. Por isso, é mais fácil guardar ção senil do cérebro ocasiona uma atrofia corti- um fato na memória estruturando-o a outros ante- cal difusa perfeitamente observável em exames riores. Este recurso é denominado de “mnemotéc- de laboratório, tais como tomografia e ressonân- nica” ou “recurso mnemônico”. Se se quer gravar cia magnética. os verbos que dobram a vogal quando fazem o plural, pode-se estruturá-los numa frase codifica-A memória também tem as suas “leis”. Ela é uma da: Leda crer e ver. Quando se lembra dessafaculdade natural, o indivíduo não precisa apren- frase, recordam-se as formas dos verbos ler, dar,der a “guardar de memória”. Basta aguçar a per- crer e ver, ou seja, lêem, dêem, crêem e vêem. Ocepção. Entretanto algumas condições facilitam o processo de aprendizagem ganhou concretude. Oregistro, são as denominadas “leis da memória” mesmo ocorre com os números. Pode-se associarque são: o número do telefone de um amigo, ou seja, 3236! A repetição – Guardamos uma informação ou um 12 06, o prefixo já está memorizado, pois é o fato qualquer tão melhor quanto mais vezes o repeti- mesmo de todos os telefones. O número doze (12) mos. É por isso que quem estudou a tabuada na pode ser associado a uma dúzia de latas empi- infância não esquece as quatro operações e tem habilidades com os números. É rápido no raciocínio lhadas em um parque de diversões que deveriam matemático, respondendo, muitas vezes, por auto- ser derrubadas por uma bola, que no caso repre- matismo, pois sabe decorado que 6 x 5 = 30. senta o zero (0); ao jogar, a metade foi derrubada:! A atenção – Um fenômeno fixa-se na memória de um seis (6); com isso, estãofixados o 12 e o 06. Vejam indivíduo tão mais depressa quanto maior for a aten- como é fácil preparar um cenário para a memória ção que ele dispensa ao tal fenômeno. É importante visualizar os fatos e associá-los aos números que que o professor incentive os alunos a prestar atenção queremos memorizar. aos cálculos e às operações matemáticas para que eles percebam como se processa a logicidade des- sas operações.! A emoção – Despertada quando o indivíduo vivencia TEMA 12 um fato; é, sem dúvida, importante para a fixação do fato na memória. A lógica matemática pode ser asso- TIPOS DE MEMÓRIA ciada à emoção, e para isso o professor precisa usar a criatividade, utilizando histórias que registrem como É importante que todos aqueles envolvidos no as operações matemáticas são importantes para a processo educativo conheçam, também, os tip- nossa vida. os de memória. Conhecendo-os, podem explorar! O interesse – Se o indivíduo se interessa pela infor- aquele ou aqueles com que se têm mais afinidade mação, pelo fato, a probabilidade de registrá-los em e que proporcionam melhor fixação. São eles: detalhes é acentuada. Nessa questão, é fundamental 1. visual; que o professor estimule os alunos a ter interesse 2. auditiva; pela disciplina. A matemática precisa deixar de ser o 3. motora; bicho-papão da matriz curricular, pois ela está pre- 4. afetiva; sente em nossa vida, e precisamos dela para viver melhor. 5. locativa; 6. nominativa; 7. gustativa; 8. tátil; TEMA 11 9. olfativa. Vejamos cada um. A ESTRUTURA DO ARQUIVO CEREBRAL 1. O visual é aquele tipo de memória queOs fenômenos psíquicos estão estruturados em retém com facilidade as coisas que vê. Os fision-nossa consciência. Não existem, em nossa mente, omistas têm memória visual, lembram facil-gavetas ou arquivos classificatórios típicos de es- mente das feições dos outros, da forma da sen-critórios. As informações estão estruturadas, liga- tença mate-mática. 26
  20. 20. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemática2. A memória do tipo auditiva guarda principal- 6. O tipo nominativo é aquele relacionado à facili- mente os sons. Indivíduos que, ao ouvirem uma dade de guardar nomes. Este tipo é comum na frase, uma aula ou uma conversa e, na primeira criança que repete os nomes das coisas. Dizem oportunidade, repetem o conteúdo inteiro têm que Camões possuía uma memória nominativa memória auditiva. Os músicos também têm es- acentuadíssima, tanto que, quando escreveu Os sa memória bem acentuada. No caso de me- Lusíadas, expôs centenas de nomes mitológicos morização de operações lógicas é recomendá- sem consultar livros, pois ele os conhecia de vel explicar várias vezes, usando vocabulário cor, do tempo em que estudou em Portugal. claro e procurando observar se os alunos ou- Quem tem esse tipo de memória bem desen- vem bem e têm conhecimento do vocabulário volvido terá facilidade para assimilar fórmulas, técnico que é utilizado pelo professor. É salutar localizar determinado problema desenvolvido solicitar que os alunos expliquem o que assimi- pelo autor em um livro didático, indo, inclusive, laram com as suas próprias palavras, pois o pro- direto à página onde se encontra o registro. fessor pode avaliar como o conteúdo foi assimi- 7. A memória gustativa está relacionada com a fi- lado, e os alunos ouvem a sua própria voz e a xação do gosto que os alimentos têm. Se eu dos pares, ressignificando a explicação dada penso em um tacacá, posso ficar “com água na pelo professor. boca”, ou seja, a memória gustativa acessou o3. O tipo motor é responsável pelos movimentos, arquivo mental do gosto saboroso do tacacá. pelos atos. Ou seja, depois que o indivíduo exe- Temos registro do que é doce, salgado, picante, amargo, etc. No caso do ensino da Matemática, cuta aquela tarefa, faz quantas vezes forem ne- o professor pode usar frutas para explicar, por cessárias, pois registrou a seqüência dos movi- exemplo, a teoria dos conjuntos e depois para mentos. O dançarino, os operários e os artesãos ajudar na fixação, convidar as crianças a provar conhecem bem esse tipo de memória. Os exer- os frutos e relatar suas experiências gustativas, cícios de “resolver problemas” são auxiliares fazendo sempre a ponte com a disciplina: se para facilitar esse tipo de memória. Paulo comeu seis tucumãs, podemos também4. A memória afetiva está ligada à facilidade de dizer que ele comeu meia dúzia. guardar fatos emotivos, tanto positivos quanto 8. A memória tátil está relacionada ao o ato de negativos. O “guardar mágoas” insere-se aqui. pegar nas coisas para sentir a sua consistência, A relação de afeto que o professor tem com a textura, etc. A criança adora pegar nas coisas. Aí matemática, também. O professor precisa gos- vem o adulto e diz: não mexa! E ela pára, olha tar do que faz e passar isso para os alunos. e, daqui a pouco, torna a mexer. A memória tátil Muitas vezes, o aluno não gosta de uma disci- é muito utilizada na infância e pouco explorada plina porque transfere a antipatia que sente pelo pelos pais e professores. Conceitos como quen- professor para a disciplina que ele leciona. O te, frio, mole, duro, gelatinoso, fino, grosso, liso, terrorismo pedagógico traz conseqüências áspero, macio, dentre outros, poderiam ser mais funestas; um clima harmônico em sala de aula explorados, utilizando-se experiências que for- favorece a fixação da aprendizagem. talecessem a memória tátil. O professor pode5. A memória locativa é aquela que registra os fazer uso de material de sucata para dar concre- lugares das coisas. Para eu me lembrar de um tude às suas aulas, estimulando a aprendiza- aluno devo antes me lembrar do lugar onde ele gem através da memória tátil. O Lego é um se senta na sala de aula. De uma citação que li excelente brinquedo pedagógico que fortalece no livro, eu me lembro primeiro do lugar onde o pensamento lógico, por meio da estimulação ela estava. No início, meio e fim do livro. Em da memória tátil. cima, em baixo ou no meio da página; à direita 9. Há, ainda, a memória olfativa, que reconhece e ou à esquerda. Aí fica fácil localizar. Nas ope- seleciona os aromas. Esse tipo de memória é rações concretas, o lugar dos elementos, ou a acentuadíssimo em peritos e especialistas em ordem dos fatores não altera o produto. Mas bebidas e perfumes. No caso da Matemática, outras alterações podem ser observadas como ela pode servir para fixar – e até classificar e no caso do uso de expoentes e outros elemen- quantificar – o próprio material de sucata pelos tos matemáticos que têm lugar cativo. seus respectivos odores. 27
  21. 21. UEA – Licenciatura em MatemáticaPercebe-se o quanto a memória é importante para 4. Diversas habilidades podem ficar prejudicadas coma aprendizagem e o quanto a dimensão biológica esse Transtorno, tais como: as habilidades lingüísti-é determinante no processo de reter as informa- cas (compreensão e nomeação de termos, opera-ções e aplicá-las quando se precisa. O grande pro- ções ou conceitos matemáticos e transposição de problemas escritos em símbolos matemáticos), per-blema é o uso inadequado da memória. Quando o ceptuais (reconhecimento de símbolos numéricos ouindivíduo decora o que lê, em vez de raciocinar a aritméticos, ou agrupamento de objetos em conjun-respeito, ele cai no verbalismo. Como já foi men- tos), de atenção (copiar números ou cifras, observarcionado, decorar não é saber, e o valor da me- sinais de operação) e matemáticas (dar seqüência amória não está em guardar somente a forma de etapas matemáticas, contar objetos e aprender a mul-palavras, mas também o seu conteúdo, o seu sig- tiplicar).nificado no contexto social.Com os avanços das pesquisas no âmbito da psi-copedagogia, hoje temos conhecimento de algunstranstornos e dificuldades que envolvem o apren- TEMA 14dizado da Matemática e que necessitam não só daajuda do professor da disciplina, mas também de AMNÉSIAtratamento com pessoal especializado. É o casodo Transtorno da Matemática que será abordado Vale ressaltar que a perda da memória é um dosbrevemente neste material com a finalidade de graves problemas para a aprendizagem, e não de-alertar os docentes e mostrar-lhes que as fronteiras vemos confundir esquecimento com amnésia. Odas metodologias não são tão delimitadas como esquecimento, como já falamos anteriormente, éimaginamos ser, pois necessita de um olhar mais um processo natural, uma espécie de esvaziamen-ampliado dos que dela fazem uso como instru- to dos nossos arquivos, para ceder lugar a novosmento não apenas facilitador da aprendizagem, registros. Temos a impressão de que apagamos,mas também alavancador da construção do co- deletamos a informação, mas ela está lá, arquiva-nhecimento. da no pré-consciente ou inconsciente. Basta uma palavra chave, uma música, um cheiro, enfim, alguma coisa que funcione como o “abrir arquivo”, e a informação ressurge. TEMA 13 Já a amnésia é patológica e varia conforme sua extensão, podendo ser geral (quando o indivíduo TRANSTORNO DA MATEMÁTICA esquece todos os fatos de sua vida) e parcial (quando o indivíduo esquece determinados acon-É também conhecido como Discalculia. Não é rela- tecimentos e lembra outros).cionado à ausência de habilidades matemáticas Existem outras classificações de amnésia segundobásicas, como contagem, mas à forma com que a a sua duração. A retrógrada, quando o indivíduocriança faz associações, analogias com o contexto esquece todo o seu passado. A amnésia lacunar,em que está inserida. O Transtorno da Matemática, quando apenas parte da vida é esquecida. Ocor-segundo o DSM-IV, é caracterizado por: re, principalmente, com fases traumatizantes da1. A capacidade matemática para realização de ope- existência do indivíduo, daí os desmemoriados de ração aritmética, cálculo e raciocínio matemático guerra, que não lembram o que ocorreu nos cam- encontra-se substancialmente inferior à média espe- rada para a idade cronológica, capacidade intelec- pos de batalha; fica uma lacuna, um espaço em tual e nível de escolaridade do indivíduo. branco na memória, quebrando a continuidade das lembranças. Isso ocorre devido à dor psíquica,2. As dificuldades da capacidade matemática apresen- tadas pelo indivíduo trazem prejuízos significativos causada pelas lembranças, ser tão grande que se em tarefas da vida diária que exigem tal habilidade; torna insuportável.3. Em caso de presença de algum déficit sensorial, as A amnésia acidental é um outro tipo e ocorre de- dificuldades matemáticas excedem aquelas conside- vido a acidentes com traumatismo craniano ou pe- radas mais comuns. la dor psíquica que, em níveis insuportáveis, acaba 28
  22. 22. Metodologia do Estudo – As dimensões da aprendizagem e o ensino da matemáticapor acionar os mecanismos de defesa do indiví-duo. Apagam-se as lembranças para apagar a dor.Há um outro tipo de amnésia considerada natural,devido ao envelhecimento do cérebro. É comum oidoso esquecer os fatos recentes, a memória ante-róloga é prejudicada. Daí porque o passado é exal-tado (No meu tempo...).Finalmente, vale trazer à tona o conceito poucodiscutido da paramnésia – espécie de pseudome-mória. O indivíduo lembra-se de fatos que, na real-idade, nunca vivenciou. Vê um objeto novo, eparece-lhe que já o tinha registrado na memória.Vê as pessoas desconhecidas e tem a sensaçãode que já as conhece de longos tempos. É adenominada ilusão do “já visto” ou “fenômeno dojá visto”. A paramnésia é polêmica devido à falta,ainda, de uma explicação científica para tal, sendoclassificada como patológica por alguns teóricos ecomo “lembranças de vidas passadas” pelosadeptos da parapsicologia. 29
  23. 23. UNIDADE IVMetodologia do estudo na universidade
  24. 24. Metodologia do Estudo – Metodologia do estudo na universidade devem ser considerados na organização do estu- do, para a construção de hábitos positivos de es- TEMA 15 tudo. Dentre os elementos condicionantes do estudo, destacam-se: tempo, material, local ou O QUE É ESTUDAR ambiente e a organização para a aula, que inclui aEstudar pressupõe uma ação, individual ou em preparação, a postura do estudante durante a aulagrupo, de inter-relação com o conhecimento pro- e a revisão da aula. Outro elemento a ser consider-duzido pela humanidade. Envolve, ainda, análise ado é o trabalho em grupo.crítica da realidade, buscando, muitas vezes, com-preendê-la, desmistificá-la ou modificá-la. Tenta- Será que você que entrou agora na UEA sabese, assim, encontrar soluções para os problemas orientar os seus estudos particulares? Sabesociais enfrentados, criando e reinventando cien- como participar ativa e produtivamente dastificamente o mundo. aulas? Enfim, sabe com adquirir autonomia no seu estudo? Sabe como trabalhar em equipe?Essa ação requer uma aplicabilidade da inteligên-cia, construída por processos de reflexões de en-frentamento com o mundo, que se convergem na 1. Planejamento e tempopostura crítica do estudante, no que diz respeito àhumildade, ao diálogo com o conhecimento pro- Alguns alunos consideram inócuo pensar noduzido e seus autores, à tomada de consciência planejamento do tempo com tantos afazeresenquanto sujeito do ato de estudar e à responsa- pessoais e de trabalho. Justificam esse pensa-bilidade com a aplicabilidade do conhecimento mento com a dificuldade de planejar suas pró-aprendido (FREIRE, 1987). Como processo intermi- prias vidas, a partir de um mundo globalizadonável, estudar caracteriza-se ainda pela seriedade onde o ser humano tem de dar contar de múlti-e curiosidade de quem estuda, na socialização do plas atividades no seu cotidiano. No entanto oconhecimento, numa troca dialógica do aprendiza- planejamento do próprio tempo e de suas ativi-do, trabalho este nada fácil (FREIRE, 2001). dades é essencial para destacar o que é priori- tário, além de servir de auxílio no limite das suas Estudar corresponde a trabalhar. É trabalho possibilidades, inclusive para que outras pes- duro, penoso e exaustivo. Exige empenho res- soas respeitem o tempo destinado ao estudo. ponsável e dedicação generosa. Conseqüen- temente, pressupõe sacrifícios e escolhas Se você não consegue planejar o seu tempo conscientes. Quem de fato quer estudar deve de estudo e de pesquisa, nenhuma Metodo- estabelecer uma hierarquia de valores em sua logia do Trabalho será suficiente para a sua vida (MATOS, 2001, p.15). aprendizagem. Nesse sentido, há dois espa- ços de tempo necessários: o de freqüência àsQuando o estudo é realizado na Universidade, de- aulas e o de estudos particulares (RUIZ, 1996).vem-se considerar alguns elementos na sua orga-nização, pois fazer um curso superior não é sim- O primeiro passo consciente no planejamentoplesmente ouvir as aulas, anotá-las e reproduzi-las do tempo é separar as atividades essenciais dasem testes e provas. Na Universidade, é primordial atividades não-essenciais. Para isso, é precisoinstrumentar-se para o Trabalho Científico. Isso sig- que você reconheça as suas atividades cotidi-nifica que terá feito um bom curso superior não anas, por meio da sistematização de uma agen-aquele que foi capaz de repetir o que aprendeu, da diária, para que você possa analisar as suasmas que, diante de problemas completamente prioridades no que diz respeito ao estudo.novos da realidade (vida), tiver nível e método para Outro item importante é o tempo a ser reserva-empreender um estudo sério e profundo sobre do ao estudo. “Toma-se por regra que o total deesses problemas. horas reservado ao estudo não seja inferior aoA construção de uma responsabilidade e autodis- conjunto de tempo de aula, que significa con-ciplina em relação aos estudos é uma tarefa de difí- cretamente ter cada dia pelo menos três horascil realização; por isso, há alguns elementos que dedicadas ao trabalho intelectual” (MATOS, 2001, 33
  25. 25. UEA – Licenciatura em Matemática p.22). Já João Álvaro Ruiz (1996) estabelece o O silêncio é precioso; aconselha-se não ligar tempo mínimo para os estudos particulares de a TV ou aparelhos sonoros, pois isso ajuda a 30 minutos diários, tendo em média 3 horas e obter uma boa concentração ao estudar. En- meia por semana. De qualquer forma, é impre- fim, cada um deve averiguar suas próprias scindível que haja pequenos intervalos entre 5 a condições de concentração para criar uma 15 minutos em cada hora de estudos intensivos, “[...] ‘zona de silêncio’ que o capacite para para relaxar a mente e haver maior rendimento o trabalho intelectual” (MATOS, 2001, p. 17). no aprendizado. 4. Preparando, vivenciando e revisando a aula O tempo de estudo serve para: A aula sempre é vista no momento de sua reali- a) Rever os assuntos trabalhados na aula pelo pro- zação com o professor. A princípio, o aluno pen- fessor. sa que deve apenas concentrar-se neste mo- b) Preparar-se para as próximas aulas, com autono- mia de pesquisa em determinados temas. mento, quando muito revisando o assunto antes c) Realizar pequenos trabalhos, como esquemas, ou de um exercício de verificação. Este entendi- trabalhos mais elaborados, como resenhas e mo- mento restrito sobre a aula limita a ação do es- nografias. tudante. Nessa relação com o tempo, é importante que o É lógico que o tempo em que o aluno assiste à aluno conheça o seu limite quanto à sua capaci- aula é precioso e vital, devendo ser intensa- dade de concentração e de aprendizagem, pois mente aproveitado, tendo em vista os hábitos as sugestões existentes não se generalizam em positivos a serem cultivados. regras para todos os casos. Postura do aluno na sala de aula:2. Organizando o material ou instrumental de a) Manter-se em silêncio, sobretudo o silêncio inte- estudo rior. Não basta ter tempo de estudo, é preciso orga- b) Aguçar a sua atenção, esforçando-se para reter as nizar o material destinado a estudar. Primeiro, é informações, mediante o exercício da compreen- necessário ter objetividade ao estudar. Muitos são e reflexão. alunos se perdem na seleção do material para c) Anotar os dados relevantes e as idéias centrais das estudar um determinado assunto, ou ainda que- temáticas da aula. rem estudar vários assuntos ao mesmo tempo, d) Dialogar e questionar as dúvidas, as premissas e o que causa uma desorganização e perda de as inserções colocadas pelo professor. tempo. Deve-se selecionar somente o impres- Antes da aula, há o momento de sua prepa- cindível: nada de revistinhas, bugingangas, ali- ração, quando o aluno deve pesquisar sobre o mentos, principalmente se forem líquidos, ou assunto a ser trabalhado na aula, pois este con- quaisquer outros objetos que distraiam a mente. teúdo a ser desenvolvido é o ponto de partida Sempre é importante um bom dicionário, papel, para o estudo. Ao pesquisar sobre o assunto fichas, caderno, lápis, borracha, caneta, marca- que ainda será objeto de discussão da aula, o dor de texto, régua, cola, clipes, grampeador, aluno pode não apenas notar as suas dúvidas etc. acerca do tema, mas abrir um espaço maior Quanto aos livros ou textos, estes devem ser para um aprofundamento por meio do debate previamente selecionados de acordo com o com o professor em sala de aula. Quando o assunto a ser aprofundado para que não haja aluno não realiza essa pesquisa preliminar, confusão no momento do estudo. recebe, com maior passividade, as informações3. Determinando o local ou ambiente de estudo do professor, ou ainda, quando manifesta dúvi- As condições ambientais podem servir como es- das, expõe-na, em sua maioria, no nível de tímulo para o estudante quando o espaço é tran- senso comum. qüilo, silencioso e privativo. O lugar deve ser Outro fator importante a favor da preparação sossegado, bem arejado, iluminado (seja de dia prévia para a aula é o conjunto de relações que ou de noite). são estabelecidas com as informações novas. 34

×