Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Analise de poemas barrocos

13,876 views

Published on

  • Be the first to comment

Analise de poemas barrocos

  1. 1. www.cursoraizes.com.br UNIVERSIDADE TIRADENTES Tutora: Margarida Maria Bispo Disciplina: Literatura Brasileira IANÁLISES DE POESIAS DO ESTILO BARROCO Aluno: Willian Souza Santos TOBIAS BARRETO 2008 www.cursoraizes.com.br
  2. 2. www.cursoraizes.com.br O BARROCO: AMBIGÜIDADES E CONTRADIÇÕES O significado artístico do estilo Barroco está ligado a duas das maiores tradiçõesliterárias do mundo ocidental: a tradição clássica (humanista,racionalista, universalista) e atradição medieval (teocêntrica,sentimental, individualista). Ao longo do século XVII ocorre um conflito entre ambas as tradições, o qual pode serexplicado através de uma perspectiva histórica. A partir da terceira década do século XVI, aReforma liderada por Lutero desfez a unidade religiosa européia e abalou o poder da IgrejaCatólica. A reação da Contra-Reforma, por meio do Concílio de Trento (1545 a 1563),acentuou um embate ideológico que se estendeu por todo o século XVII, avançando, emalguns países, pelo século XVIII. Assim ao mesmo tempo em que assistimos à vitoria do capitalismo mercantil empaíses como Holanda, Inglaterra e França, em outros, como Espanha e Portugal, vemos a açãoda Igreja Católica buscando um retorno à religiosidade medieval. As contradições entre idéias antropocêntricos e teocêntricos podem explicar osurgimento do estilo barroco na Espanha, na Itália e Portugal. O Barroco seria, portanto, aexpressão, nas artes, da profunda crise ideológica e da multiplicidade de estados de espírito dohomem seiscentista, dividido entre a razão e a fé, entre a mentalidade em expansão (tradiçãoclássica) e os valores medievais defendidos pelo clero e pela nobreza. À primeira das tradições mencionadas, insere-se o viver voltado para a terra, o corpo,os prazeres e as paixões deste mundo, tanto quanto o viver inspirado nas verdades cientificas.Já a segunda caracteriza-se pelo viver voltado para o céu e para a consciência da precariedadede tudo o que existe, almejando a salvação da alma, a necessidade de Deus e da eternidade. Em consonância com este quadro, o estilo Barroco criou novas linguagens, novossignificados, sendo que à irregularidade, em contraposição à simetria e à regularidade doClassicismo, constitui a sua marca, expressando o pessimismo, o conflito, o desequilíbrioentre razão e emoção. Literariamente, seus grandes recursos estilísticos são a metáfora, que revela atendência barroca à ilusão e à descrição indireta; a antítese e o paradoxo, que exprimem acoexistência angustiada de idéias e sentimentos opostos e contraditórios; a hipérbole,expressão da perplexidade diante do mundo e da vida; e o hipérbato, que reflete a inversão dafrase e as contorções da alma. www.cursoraizes.com.br
  3. 3. www.cursoraizes.com.br O cultismo e o conceptismo constituem as duas tendências básicas do Barrocoespanhol. Embora sejam estilos diferentes, podem coexistir num mesmo autor ou até numamesma obra. Há casos em que a distinção entre eles é muito difícil, se não impossível. O cultismo ou gongorismo (tema inspirado no poeta barroco espanhol Luís deGóngora) consiste em uma hipertrofia da dimensão sensorial (sonoridade e imagens) da obraliterária, recorrendo exageradamente a metáforas, sinestesias, aliterações, hipérbatos,antíteses, trocadilhos, neologismos estranhos etc, e assim oferecendo-se como um espetáculopara os sentidos. Já o conceptismo ou quevedismo (termo inspirado no poeta barroco espanholAntônio de Quevedo) consiste na hipertrofia da dimensão conceitual da obra literária.Utilizando-se mais da razão que dos sentidos, o autor conceptista cria raciocínios engenhosos,num refinado jogo intelectual de paradoxos e sutilezas lógicas. www.cursoraizes.com.br
  4. 4. www.cursoraizes.com.brAn|jo |no| no|me An|ge|li|ca |na| ca|ra! E.R.10(6.10) AIsso| é| ser| flor|, e | An|jo| jun|ta|men|te E.R.10(6.10) BSer| An|gé|li|ca |flor|, e Anjo |Flo|ren|te E.R.10(6.10) BEm| quem| se| não |em |vós|, se| uni|for|ma|ra? E.R.10(6.10) AQuem| vi|ra |uma |tal | flor|, que a| mão| cor|ta|ra, E.R.10(6.10) ADe| ver|de| pé| da| ra|ma| flo|res|cen|te? E.R.10(6.10) BA| quem| um| An|jo| vi|ra| tão| lu|zen|te E.R.10(6.10) BQue| por| seu| De|us| o| não| ido|la|tra|ra E.R.10(6.10) ASe|, pois| co|mo An|jo| sois| dos| meus| al|ta|res E.R.10(6.10) CFô|reis| o| meu| cus|tó|dio e| mi|nha| guar|da, E.R.10(6.10) DLi|vra|ria eu|de dia|bó|li|cós| a|za|res. E.R.10(6.10) CMas| ve|jo| que| tão| be|la|, e| tão| ga|lhar|da, E.R.10(6.10) DPos|to| que os| An|jos| nun|ca| dão| pe|sa|res, E.R.10(6.10) CSois| An|jo|, que| me| ten|ta, e | não| me| guar|da. E.R.10(6.10) D Análise O eu - lírico descreve a mulher apresentando duas faces: de um lado a mulher pura,voltada completamente para os fins estabelecidos pela sociedade da época, ou seja, a mulherque segue os ensinamentos religiosos e de outro uma mulher sedutora que leva o homem aimaginar e conseqüentemente entregar-se ao prazer carnal.Neste soneto encontramos figuras de linguagem como Antítese na 1ª estrofe e Paradoxo naúltima estrofe. www.cursoraizes.com.br
  5. 5. www.cursoraizes.com.br Sonetos a D. Ângela de Souza ParedesRimaA Não| vi|ra em| mi|nha| vi|da a|for|mo|su|ra, E.R 10 (5,10)B Ou|via| fa|lar| ne|la| ca|da|dia, E.R 8 (4,8)B Ou|via|da| me in|ci|ta|va, e |me| mo|via E.R 9 (3 6,9)A A| que|rer| ver| tão| be|la ar|qui|te|tu|ra| E.R 10 (6,10)B On|tem| a| vi| por| mi|nha| des|ven|tu|ra E.R 10 (6,10)A Na| ca|ra|, no| bom| ar|, na| ga|lhar|dia E.R 9(3 6,9)A De uma| mu|lher|, que em| An|jo| se| men|tia; E.R 8 (4,8)B De um| sol| que| se| tra|já|va em| cria|tu|ra: E.R 9(3 6,9)C Ma|tem|-me|, dis|se eu, |ven|do a|bra|sar|-me, E.R 9(3 6,9)D Se es|ta a| cou|sa não é, | que en|ca|re|cer|-me E.R 9(3 6,9)C Sa|bia o| mun|do, e| tan|to e|xa|ge|rar|-me E.R 9(3 6,9)E O|lhos| meus|, dis|se en|tão| por| de|fen|der|-me, E.R 10 (6,10)F Se a| be|le|za heis| de| ver| pa|ra| ma|tar|-me, E.R 10 (5,10)E An|tes| o|lhos| ce|gueis|, do| que eu| per|der|-me E.R 10(6,10) Análise Neste soneto percebe-se que a mulher é um ser idealizado, pois é vista como um sersuperior, dotado de belezas absolutas e inacessíveis. Além disso, ela é vista como apersonificação do pecado e da perdição espiritual isso fica evidenciado na última estrofequando o eu - lírico dirige-se aos próprios olhos, dizendo preferir a cegueira à perdição e àmorte. Também, encontramos figuras de linguagem Antítese 2ª estrofe e Paradoxo na ultimaestrofe. www.cursoraizes.com.br
  6. 6. www.cursoraizes.com.br A Ilha MaréRimaA Quan|do ve|jo| de Ar|na|da o| ros|to a|ma|do (E.R 3, 6,9)B Ve|jo ao| céu e ao| jar|dim| ser| pa|re|a|do (E.R 3, 6,9)B Por|que| no as|som|bra|do| pri|mo|lu|zi|do (E.R 4, 8,10)A Tem| o| sol| em| seus| ol|lhos du|pli|ca|do (E.R 6,10)A Tem| o| pri|mei|ro a|nos| ar|vo|re|dos (E.R 4,9)A Sem|pre| ver|des| nos| ol|lhos|, sem|pre| le|dos (E.R 4, 8,10)B Tem| o| se|gun|do A, nos| a|res|pu|ros (E.R 4,9)B Na| tem|pe|rie| a|gra|da|veis| e| se|gu|ros (E.R 6,10)A Tem| o| ter|cei|ro A| nas| a|guas| fri|as (E.R 4,8)A Que| re|fres|cam| o| pei|to, e| são| sa|di|as (E.R 3, 6, 9,)B O|quar|to A| no a|çu|car| de| lei|to|so, (E.R 3, 6, 9,)B Que é| do| mun|do o| re|ga|lo| mais| mi|mo|so. (E.R 6,10) Análise “A Ilha Maré” tem como pano de fundo a natureza. Evidenciando a variedade dosmuitos produtos existentes no Brasil como frutas e verduras. Nesse caso vemos um pouco donacionalismo. Figuras de linguagem Nesta primeira análise do fragmento “A Ilha de Maré”, encontro nas estrofes. (Quandovejo de armado o rosto amado. Vejo ao céu e ao jardim ser parecido.) uma metáfora, quandoele compara o rosto amado ao jardim. Para ele o rosto amado era tão lindo como um jardimflorido, e tão belo quanto o céu azul. A principal característica do poema barroco é o uso de metáforas num vocabuláriotípico do estilo barroco. www.cursoraizes.com.br

×