e-Readiness

3,880 views

Published on

Relatório Visa / e-Readiness

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,880
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,066
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

e-Readiness

  1. 1. Estudo sobre as condições para o e-commerce na regiãoE-READINESSna América Latina Contexto do comércio eletrônico regional continua melhorando. Em 2011, índice de e-readiness passou a 0,80, o que representa uma alta de 30% em relação a 2009.
  2. 2. O índice de e-readiness corresponde a um modelo de medição das variáveis de contexto que afetam diretamente o desenvolvimento do e-commerce ou ET OS RN AN . O ) O FIX TE S$ 35 ADcomércio eletrônico. AméricaEconomia Intelligence, IN (U 5- L H EF. RC DE E2 TA MI TEL AB ME s) PI OS TRpor encomenda da empresa de meios de õe DE CA R1 E RI EN ilh PO AS D UÁ ME ER (M P.pagamento Visa, apresenta a versão para o ano de PO US BP LU H ÍS P. LIN PO VO PA % % PI2011, que mostra a evolução desse indicador nos ARGENTINA 40,9 10.234,6 16,2 67,4 0,84 231,7últimos dois anos, nas principais economias latino- BOLÍVIA 10,6 2.152,6 14,6 18,7 0,35 79,8 BRASIL 194,9 12.043,7 17,3 43,0 1,84 220,6americanas, em relação a cinco grandes dimensões CHILE 17,4 13.657,6 14,2 42,0 0,57 194,8do e-readiness: volume de mercado, infraestrutura COLÔMBIA 46,1 7.061,6 16,0 47,3 0,77 154,8tecnológica, penetração do sistema bancário ou REPÚBLICA DOMINICANA 10,1 5.641,4 15,5 41,0 0,47 74,7bancarização, adoção de tecnologias por parte dos EQUADOR 15,0 4.358,1 15,5 32,7 0,47 128,9consumidores e poder de oferta local. GUATEMALA 14,7 3.179,6 14,3 15,5 0,37 105,5 HONDURAS 8,2 2.070,9 15,4 10,9 0,31 74,8 MÉXICO 109,7 10.394,8 16,6 29,4 1,17 179,4 Em termos gerais, é possível afirmar que os países NICARÁGUA 5,9 1.201,3 16,4 21,2 0,34 48,1latino-americanos pesquisados aumentaram sua PANAMÁ 3,6 8.656,0 15,3 42,4 0,45 151,1capacidade de transformar a internet em um canal PERU 30,0 5.936,3 16,2 29,5 0,58 98,3de vendas efetivo para chegar ao consumidor final. PORTO RICO 3,7 23.927,5 15,4 47,0 0,59 222,9Para compreender a evolução dessas variáveis de PARAGUAI 6,5 3.590,0 15,9 25,5 0,38 62,0 EL SALVADOR 5,9 3.832,5 14,7 16,7 0,32 167,0contexto e as falhas da região em relação a outros URUGUAI 3,4 14.194,5 14,2 55,1 0,53 286,4mercados, o índice de e-readiness considera os VENEZUELA 29,8 10.537,6 16,1 34,7 0,63 237,9Estados Unidos e a Espanha como referências. A ESPANHA 46,1 32.366,4 9,9 67,3 0,96 420,4maior novidade é que pela primeira vez um país ESTADOS UNIDOS 312,9 48.240,5 7,9 78,4 2,96 467,6latino-americano supera o benchmark escolhido: AMÉRICA LATINA 556,4 9.689,6 16,4 39,0 1,15 184,1 1.097,5o e-readiness do Brasil (1,24) é superior ao daEspanha (1,20). Em outras palavras, o Brasil tem O ecossistema em que se sustentava o e-commerce latino- americano em 2009 é muito diferente do cenário de 2011. Emum e-readiness 3% superior ao da Espanha, o que apenas dois anos, praticamente todos os indicadores de e-rea-representa um crescimento acelerado, uma vez que diness da região mostraram saltos significativos nas variáveis,em 2009 o indicador brasileiro era 5% inferior ao que melhoraram as condições para o comércio eletrônico.espanhol. Causa e efeito O Brasil não é o único país com alta taxa de Evolução do e-commerce (US$ Bi) e do índice decrescimento do e-readiness, com 31% de alta no e-readiness latino-americanosíndice, pois Equador (58%), Argentina (51%) e FOnte: AméricaEconomía IntelligenceUruguai (49%) também tiveram um aumento elevado. e-commerce e-readiness 70 0,90 Esse fenômeno impulsiona a média regional até 0,80 0,800,80, o que representa uma alta de 30% em relação 60 0,70a 2009, quando o índice latino-americano era de 50 0,62 0,70 43,20,62. Na prática isso significa que a região está 40 0,52 0,55 0,60 30,2mais bem preparada do que estava há dois anos, 0,47 0,50 30 0,42 21,7mas ainda está longe da consolidação que seria 0,35 0,38 0,40 15,6alcançada ao chegar ao índice 1, que corresponde 20 10,5 0,30 7,5ao valor de referência da Espanha na pesquisa de 10 3,0 4,8 0,20 1,62009. 0 0,10 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 20112 Estudo sobre as condições para o e-commerce na região
  3. 3. L VE MÓ R . * AB PO NE GA IT O I CA . LH GA AB A S NLI AR $) B. ÓG MI AR US LH T HA AL R O NE PO OL R D E JI TOS R1 A( AL MI ND 00 ER CN A RG PO ND R1 OS .0 S BA IC NT ES PO S VA PO TE R1 LA ÉD BA IT O TI C ÓG ST PO RI DE OR 1 M RA A B. CR PO DA 01 OL PR A B. D E MÁ PO ÉB EI RT ES O ÃO ID TU S2 ÇÃ AN CN HA DE E IS AN O D R ED OR FE H S UM ES TO AÇ RU 0 0 XÕ E ES IZ A TE AB EO 0 0 ÕES ÓV AD SD G R NT ÇÕ AU NS TR ST IN ÃO AR 1.0 NE M OD ME UT SA DE ÕE CO NE AS 1.0 RT AD AE F. OÇ CO MP NC AN GA RT DE EÇ PE E- CA IX FR LE RE AD BA CA CA PA CO % TR TE % IN E- 1.295,8 310,0 139,4 30,2 0,85 561,7 530,9 14.588 0,45 8,0 21,6 2.695 0,83 no 5 0,14 0,69 883,8 32,1 9,0 54,2 0,34 26,3 188,2 1.629 0,06 1,0 3,1 146 0,37 no 0 0,04 0,26 1.242,6 308,0 84,6 16,0 1,04 889,0 1.367,6 174.920 1,14 21,1 14,7 25.553 1,35 no 21 0,50 1,24 1.234,7 429,0 114,4 19,2 0,98 301,8 732,6 8.200 0,58 17,0 14,0 1.490 1,15 sí 8 0,60 0,80 1.003,2 127,0 106,5 25,6 0,68 208,2 358,5 9.500 0,23 3,7 4,0 998 0,27 no 3 0,11 0,48 857,3 26,8 37,6 17,9 0,67 186,9 320,5 2.073 0,18 7,7 8,6 698 0,68 no 1 0,00 0,46 1.056,6 153,8 42,3 24,9 0,61 147,5 200,3 3.349 0,14 9,5 5,2 238 0,54 no 0 0,04 0,42 1.259,9 28,3 17,6 39,6 0,47 149,7 130,2 2.427 0,14 1,3 4,2 258 0,58 sí 1 0,12 0,36 1.202,7 24,8 108,6 31,0 0,57 82,4 183,1 814 0,12 N.D. 2,1 94 0,41 no 1 0,12 0,35 861,9 215,0 107,9 24,9 0,71 152,5 764,2 36.448 0,27 7,3 6,5 6.137 0,70 no 23 0,34 0,69 713,2 73,0 8,1 22,0 0,51 127,8 130,6 629 0,11 0,7 2,1 39 0,22 no 1 0,12 0,30 1.614,2 32,7 40,5 11,7 0,94 166,9 587,4 1.185 0,67 2,1 5,6 340 0,45 no 1 0,12 0,61 989,4 154,0 30,4 36,9 0,51 230,2 329,5 5.042 0,23 2,3 5,3 611 0,42 sí 2 0,15 0,42 838,5 286,9 147,9 30,0 0,65 368,4 492,5 1.637 0,48 7,6 4,3 1.961 1,20 no 0 0,04 0,63 882,5 143,1 6,0 17,6 0,58 155,4 152,4 870 0,18 5,9 2,6 128 0,38 no 0 0,04 0,37 1.516,8 112,6 29,7 37,0 0,56 128,6 250,5 1.297 0,17 3,4 2,5 154 0,47 no 1 0,12 0,37 Nota: A tabela mostra os 1.362,5 189,4 174,3 19,2 0,98 653,4 444,1 1.040 0,66 17,4 11,8 273 0,91 no 0 0,04 0,71 quesitos e os principais 966,9 195,1 102,0 15,3 0,89 278,8 516,6 8.850 0,34 4,1 6,5 1.418 0,53 no 0 0,04 0,51 dados empregados para 1.265,9 528,9 240,6 15,5 1,33 907,8 602,5 57.243 0,94 30,3 23,7 11.895 1,65 sí - 1,16 1,20 construir o índice, mas não dá conta de toda a 1.046,9 1.058,0 274,0 55,0 1,54 1.558,4 1.665,1 521.000 1,90 64,9 88,0 194.300 4,15 sí - 2,53 2,48 informação empregada na5 229,1 87,5 26,9 0,82 461,9 803,4 274.499 0,58 11,3 10,1 43.231 0,86 - 68 0,30 0,80 elaboração do estudo. *: Só inclui plataformas do setor público O ritmo de crescimento foi marcado, principalmente, pelo Big bang quesito adoção tecnológica, que teve alta de 0,45 ponto Evolução do e-readiness latino-americano entre (113%), entre 2009 e 2011. Considerando o aumento no nú- 2009 e 2011 mero de compradores pela internet, nos volumes de compra FOnte: AméricaEconomía Intelligence e na penetração da banda larga móvel, a América Latina pas- 2011 Volume de Mercado sou de um subíndice de 0,41 em 2009 para 0,86 em 2011. No 2009 entanto, a brecha em relação aos países de referência aumen- tou, especialmente no caso dos Estados Unidos, em que o ní- vel cresceu de 2,25 para 4,15 nos últimos dois anos (por causa da alta penetração da banda larga, que passou de 14% a 60%, Infraestrutura Adoção e de um e-commerce móvel mais eficiente), e em menor esca- Tecnológica Tecnológica la, da Espanha, onde o índice passou de 1,0 para 1,65. Nesse indicador, os únicos países latino-americanos que ultrapassam o ponto de referência (ou seja, igualam ou superam a Espanha em 2009) são o Brasil (1,35), Chile (1,15) e Porto Rico (1,20). Países que têm em comum o fato de haver capitalizado a infraestrutura disponível para o e-commerce, com aumento significativo das vendas por este canal. Enquanto isso, os mais atrasados nessa área são a Nicará- Poder de Bancarização Oferta gua (0,22), Colômbia (0,27), Bolívia (0,37) e Paraguai (0,38). No caso da Nicarágua e da Colômbia, trata-se também dos pa- O aumento geral nesse quesito se explica, em termos ge- íses que menos cresceram no índice de e-readiness em toda a rais, pela incorporação da tecnologia de internet ao estilo de região, com alta de 0,07 ponto. vida dos latino-americanos que estão mais propensos a fazer Estudo sobre as condições para o e-commerce na região 3
  4. 4. compras online ou a adotar novas tecnologias, como a banda também aumentou em 75%, com a incorporação de mais 24larga móvel. Esta última, por exemplo, tem cinco vezes mais milhões de compradores, em grande parte por causa da aber-conexões do que em 2009, passando de 13 milhões para 69 tura de ofertas a novos públicos, como acontece com as em-milhões. A quantidade de clientes do comércio eletrônico presas de compras coletivas, o que também fez com que o tí-Censo online Internautas 2006Porcentagem da população com acesso à internet, 2006 e 2011 Internautas 2011Fonte: AméricaEconomia Intelligence90%80%70%60%50%40%30%20%10% 0 ha a a sil ile bia a r la s o a má ru o i r ai la s ua do do ura ido tin lívi an xic gu Ric gu ma zue an Pe Bra Ch lôm rag na ua lva nic ará en Mé Bo Un Uru nd Esp ate rto ne Pa Eq Sa Pa Arg mi Co Nic Ho os Ve Po Gu Do El ad Est ca bli pú Requete médio das vendas tenha caído de US$ 55 para US$ 49. rando as quantidades de linhas de telefonia fixa e móvel, Outro quesito que apresentou forte crescimento entre computadores pessoais e assinaturas de banda larga, e ou-2009 e 2011 foi o de infraestrutura tecnológica. Conside- tros fatores de logística, a América Latina aumentou sua ca- pacidade para 0,82, ou seja 0,23 ponto a mais do que emVelocidade máxima 2009, quando esse indicador ficou em 0,59, o que represen-Porcentagem da população com acesso a banda tou um aumento de 40%. De todo modo, os países de refe-larga, 2011 rência aumentaram a brecha em relação à região. Os EstadosFOnte: AméricaEconomía Intelligence Unidos passaram de 1,27 para 1,54 (21%) e a Espanha cres- 30% ceu de 1,00 para 1,33 (33%) nesse quesito. Os únicos países que mantiveram alto ritmo de crescimento nessa área foram 25% Uruguai e Panamá, com pontuações finais de 0,98 e 0,94, e altas de 41% e 52%, respectivamente, o que os coloca entre os países latino-americanos com melhor desempenho nes- 20% se item, ao lado do Brasil, que chega a 1,04, e o Chile, com 0,98. Ao mesmo tempo, alguns países praticamente não mos- 15% traram avanços nesse quesito, como Porto Rico e Venezuela, que cresceram apenas 0,01 ponto, ou El Salvador, com alta 10% de 0,02 ponto. Em termos gerais, parte desse aumento na América Lati- 5% na se explica pela maior penetração dos computadores e te- lefones móveis, com queda nas tarifas médias de internet e 0 aumento de uso. Desse modo, o número de usuários de inter- net na região cresceu 20%, chegando a representar 39% da ate r Bo na Bra a sil ca olô le mi ia Eq ana Ho mala Mé as ará o Pa ua má rto u Pa Rico Sa i Uru dor Ve guai Est Esp ela os ha s El agua Gu uado ido lívi Nic xic Po Per Do mb bli C Chi ur ti g ad an zu na lva nic en Un nd ne r Arg população latino-americana. No entanto, há grande diferença entre os países, pois enquanto Argentina e Uruguai possuem pú Re 67% e 55% de suas populações conectadas, Honduras, Gua-4 Estudo sobre as condições para o e-commerce na região
  5. 5. temala, El Salvador e Bolívia estão abaixo de 20%. cos países que se encontram entre os Estados Unidos (2,96) Ao mesmo tempo, a penetração dos celulares não aumen- e a Espanha (0,96). O resto dos países latino-americanos ficatou significativamente, pois já é uma das maiores do mundo, bem abaixo em volume de mercado do que a Espanha, sen-com 1,1 aparelho para cada latino-americano. Ainda assim, do que a Argentina é o país que mais se aproxima (0,84) eo número de computadores cresceu 30%, com 229 PCs para também o que mais cresceu, com alta de 29%, tornando-secada mil habitantes da região. o mercado mais conectado da região, com 27 milhões de in- Quanto à incorporação do indicador de logística, uma no- ternautas em uma população total de 41 milhões de pessoas.vidade em relação ao estudo anterior, essa variável significou Quanto à bancarização, um quesito que inclui variáveisuma ligeira redução nos aumentos provocados pelos fatores como quantidade de cartões de crédito e débito, e de caixasmencionados anteriormente. Esse indicador mede a quanti- automáticos, a América Latina continua apresentando umaCybercafé Hardware e cartões noCustos mensais de internet corrigidos pelo custo e-commercede vida (US$) Evolução do número de PCs, celulares e cartões deFOnte: AméricaEconomía Intelligence débito e crédito na região (em milhões). 50 FOnte: AméricaEconomía Intelligence Computadores Cartões de crédito 45 Celulares Cartões de débito 40 700 35 600 30 500 25 400 20 300 15 200 10 100 5 0 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Bo na Bra a sil ca olô le mi ia Eq ana ate or Ho mala M as ará o Pa gua má rto u Pa Rico Sa i Uru or Ve guai Est Esp uela os ha s El ragua ido lívi Nic éxic Po Per Do mb bli C Chi Gu uad d ur ti ad an na lva nic en Un z nd ne Arg grande brecha em relação aos países de referência da pesqui- sa. Enquanto a região tem uma média de 0,58 nesse subíndi- pú Redade de operadores logísticos, seu desempenho, tempo de ce, a Espanha fica em 0,94 e os Estados Unidos em 1,90. Umaentrega, estado dos pacotes entregados, preços de frete, va- grande diferença, mas que diminuiu em relação a 2009 (an-riedade de oferta e os canais de devolução. tes da crise financeira), quando esses países tiveram pontua- ção de 1,00 e 2,14, com quedas de 6% e 11% nesse quesito, respectivamente. TERRA FÉRTIL No entanto, esse quesito apresenta crescimento modera- do na região, que passou de 0,51 em 2009 para 0,58 em 2011 O volume de mercado como quesito de e-readiness mede (alta de 15%). A subida foi pela penetração dos plásticos. En-indicadores de população absoluta e entre 25 e 35 anos, PIB quanto os cartões de crédito cresceram de 369 a 462 paraper capita e quantidade de usuários de internet. Embora es- cada mil pessoas, os cartões de débito cresceram de 695 ases fatores apresentem crescimento mais moderado na re- 803. Chile é o país que mais cartões de débito tem, porém ogião, com aumento de 0,03 ponto (3%), também são os que seu subíndice diminuiu devido a uma mudança metodológicaapresentam maior pontuação em termos absolutos: 1,15. Tra- que deixou fora os cartões emitidos pelo varejo chileno, queta-se do quesito que mais se assemelha às linhas de base da representam 40% do mercado.Espanha como referência em 2009, e também a mais está- Sem considerar esse caso, todos os países tiveram aumen-vel, dado seus indicadores de população e crescimento eco- tos pouco significativos, sendo que o Brasil teve a maior altanômico. em pontos (0,17), o que representa um crescimento de 18% Desse modo, Brasil (1,84) e México (1,17) se destacam e no indicador de bancarização. Com isso, o país ultrapassa aaumentam significativamente a média regional, sendo os úni- Espanha nesse quesito (o que nesse estudo só mede cartões Estudo sobre as condições para o e-commerce na região 5
  6. 6. Prontos para decolar Comparações por paísEvolução do e-readiness da América Latina, Brasil: 1,24 OEstados Unidos e Espanha Espanha gigante sul-americano faz jus à sua condição, atingindo oFOnte: AméricaEconomía Intelligence Estados Unidos nível mais alto de e-readiness da América Latina, superan- América Latina 3,00 do pela primeira vez a Espanha, país de referência da pesqui- sa, em vários indicadores. No entanto, é simplesmente o ta- 2,50 manho de sua população e seu 2,00 crescimento econômico que mais Espanha Am.Lat. Brasil influenciam sua alta pontuação 2 1,50 geral, sem que se destaque a pro- 1,8 porção de internautas no total 1,6 1,4 1,00 da população (43%), mantendo- 1,2 se nesse caso abaixo da Espanha 1 0,50 0,8 (67,3%) e de vários países lati- 0,6 0 no-americanos, como a Argentina 0,4 (67,4%), Uruguai (55,1%), Colôm- 0,3 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 0,2e caixas eletrônicos), atingindo 1,14 na pontuação, e também bia (47,3%) e Porto Rico (47%). 0 Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSse distancia dos demais latino-americanos, praticamente do- Quanto à infraestrutura, apesar debrando o desempenho do segundo colocado, o Chile, que tem ter um preço de banda larga (US$0,58. 16 mensais) abaixo da média lati- Desse modo, o Brasil tem 88 9 cartões de crédito para cada no-americana (US$ 26), e com ummil habitantes, seguido pelo Uruguai, com 653 e no contras- custo de vida mais alto, a penetra-te com a média regional de 469, que inclui países pequenos ção desse serviço ainda é muitocomo Bolívia e Honduras, onde o número de cartões por mil ha- baixa, de apenas 84,6 conexões por mil habitantes, abaixo dabitantes é menor do que 100. Sendo assim, a região fica muito média regional de 87,5. No entanto, a introdução das variáveislonge dos 1.558 cartões de crédito por mil habitantes dos Esta- logísticas na pesquisa favoreceu a pontuação do país, já que odos Unidos, o que mostra o tamanho da brecha, especialmente Brasil tem uma boa rede de players no setor, com serviços queporque foi na variável cartões de crédito que a América Latina se caracterizam por entregas em bom estado, mesmo quandoapresentou o maior crescimento. ainda há tarefas pendentes na área de logística reversa, em tro- Finalmente, quanto ao poder de oferta local, que mede o cas e devoluções.esforço do Estado para o pagamento de impostos da venda on-line e a força do varejo, a região atinge um índice de 0,30. Nú- Chile: 0,80 Omero superior ao 0,22 que obteve em 2009, o que representa Chile avançou em matéria de conectividade, aumentandouma alta de 38% que se explica pelo fato de que sete novos paí- a proporção de usuários de internet de 33% em 2009 parases que não estavam na pesquisa de dois anos atrás começaram 42% da população total em 2011, sendo ao mesmo tempo oa ter seus números avaliados em 2011. Apesar disso, a América país com maior penetração de computadores da região, comLatina está muito abaixo dos Estados Unidos (2,53) e Espanha um indicador de 429 PCs para(1,16). Os únicos países que apresentam brechas menores são cada mil pessoas, próximos dos 1,8 Espanha Am.Lat. ChileChile (0,60 e com 0,69% dos contribuintes pagando impostos 529 alcançados pela Espanha. O 1,6online), Brasil (0,50) e, em menor escala, o México (0,34). O país também se destaca pelo es- 1,4restante, numa média simples tem pontuação de 0,08. forço das empresas online e do 1,2 1 Esse pode ser considerado o grande ponto fraco da região, setor público, que aprofundaram 0,8pois depende de alto investimento para desenvolver tributos a plataforma da cobrança de im- 0,6online e de varejistas com força em seus canais de pagamento 0,4 postos, o que impactou a capaci- 0,3eletrônicos, em especial nos países com economias pequenas. dade de adoção tecnológica dos 0,2No entanto, esse quesito pode melhorar significativamente nas chilenos: 17% deles possuem ban- 0 Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSpróximas versões do estudo, quando medirmos o impacto das da larga móvel, uma das porcen-compras coletivas e dos cupons de compra, que serviram de su- tagens mais altas da região, de-porte para pequenas e médias empresas, e para empreendedo- pois do Brasil (21,1%) e Uruguaires da região. (17,4%).6 Estudo sobre as condições para o e-commerce na região
  7. 7. No entanto, o Chile mantém certa rigidez em matéria bancária. México: 0,69 OEmbora tenha evoluído em relação a 2009, o número de car- gigante mexicano despertou, ao menos em matéria detões de crédito no país continua muito baixo em comparação conectividade. Embora a base de usuários não tenha au-com cartões de débito, com 2,4 desses para cada cartão de cré- mentado consideravelmente, isso aconteceu com a penetra-dito, enquanto a média latino-americana é de 1,7, o que preju- ção de banda larga (108 cone-dica as compras no estrangeiro. xões para cada mil habitantes em Espanha Am.Lat. México 2011, contra 93, em 2009) e com 1,8Uruguai: 0,71 o número de cartões bancários, 1,6 1,4O Uruguai divide vários traços de país desenvolvido em matéria de e-commerce,em quesitos como infraestru- que ainda se encontram abaixo 1,2 da média regional, mas tiveram 1 0,8 uma alta significativa nos últi- 0,6 Espanha Am.Lat. Uruguaitura (0,98) e adoção tecnológi- 1,8 mos dois anos. 0,4ca (0,91), no entanto, carece de 1,6 No entanto, o maior avanço foi 0,3 0,2uma oferta interna sólida. Em- 1,4 no comércio eletrônico em si, au- 0 1,2 Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSbora esse problema seja típi- 1 mentando de modo considerávelco de economias menores, cujo 0,8 o número de mexicanos que com- 0,6porte é visto como uma barrei- 0,4 pram pela internet. Em 2011, fo-ra para grandes investimentos 0,3 ram 7 milhões de consumidores,em canais online, o setor públi- 0,2 contra 4,7 milhões em 2009. Ao 0co tampouco tem atuado no de- mesmo tempo, as compras per capita anuais aumentaram de Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSsenvolvimento de sistemas de US$ 557 para US$ 867 no período.pagamento de impostos pela in- Esse avanço aconteceu pelo esforço de alguns varejistas,ternet. No entanto, já estão sur- que fizeram investimentos para abrir espaço no canal on-gindo novas alternativas adap- line, caso de redes como Liverpool e Palacio de Hierro, quetadas ao tamanho da economia agora contam com um tráfego web em relação a suas vendase das empresas do país. no mesmo nível dos varejistas chilenos, ou seja, de cerca de 200 visitantes para cada US$ 1 mil vendidos.Argentina: 0,69A Argentina compartilha de boa parte do perfil do Uru- guai, com a vantagem de um tamanho significativamentemaior. No entanto, falha no mesmo ponto que o país vizinho: Venezuela: 0,51 A Venezuela é um país que quer despertar. Com esfor- ços da parte do setor público para aumentar a penetra-não possui uma oferta online desenvolvida. Um contrassen- ção da banda larga, com baseso, quando se considera que há a mesma proporção de argen- em preços muito baixos (US$ Espanha Am.Lat. Venezuelatinos e espanhóis conectados (67%) e que o país conta com a 15 mensais, o mais baixo da re- 1,8maior porcentagem de e-consu- gião, atrás apenas do Panamá, 1,6midores da região (21%). Talvez 1,8 Espanha Am.Lat. Argentina com US$ 11), e uma população 1,4 1,2a chave esteja na adoção tecno- 1,6 que tem mostrado interesse no 1lógica, pois embora a Argenti- 1,4 canal online, já que mais de 0,8 1,2 0,6na atinja a marca de 0,83 pon- 1 20% dos internautas venezue- 0,4to, está abaixo de vários países 0,8 lanos compram por esse meio. 0,3latino-americanos: Brasil (1,35), 0,6 Ao mesmo tempo, as grandes 0,2 0 0,4Chile (1,15), Porto Rico (1,20) e 0,3 redes varejistas estão melho- Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSUruguai (0,91). Isso acontece, 0,2 rando sua oferta online. O pon- 0em parte, pela baixa adoção de to fraco da Venezuela é a ban- Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESSbanda larga móvel, que chega a carização, com indicadores de8%, abaixo da média regional de quantidade de cartões de crédi-11,3%. to e débito para cada mil habi- tantes (respectivamente 278,8 e 516,6) abaixo da média re- gional (461,9 e 803,4). Estudo sobre as condições para o e-commerce na região 7
  8. 8. Colômbia: 0,48 Peru: 0,42 A Colômbia era um dos países com maior projeção em termos de e-readiness na América Latina. No entanto, seu desenvol- vimento desde a última pesquisa foi P eru basicamente estagnou. Teve baixo crescimento nos in- dicadores de conectividade. Desse modo, o número de co- nexões de banda larga subiu ape- bem menor do que o esperado. Isso Espanha Am.Lat. Colômbia nas de 890 mil para 912 mil em Espanha Am.Lat. Peru se explica por um crescimento ape- 1,8 1,6 dois anos, e a proporção de in- 1,8 1,6 nas moderado em sua proporção 1,4 ternautas também avançou pou- 1,4 de usuários de internet (47,3% em 1,2 co, de 27,4% para 29,5%. Tam- 1,2 1 1 2011, contra 42% em 2009), uma tí- 0,8 bém não houve grande avanço na 0,8 mida tentativa por parte dos varejis- 0,6 adoção de novas tecnologias, pois 0,6 tas de ampliar a oferta online (o país 0,4 0,3 o Peru possui uma das menores 0,4 0,3 marcou 0,11 ponto no indicador de 0,2 proporção de população com ban- 0,2 poder de oferta local em 2011, con- 0 da larga móvel da região (2,3%) e 0 Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESS Volume de Mercado Infraestrutura Bancarização Adoção Tecnológica Poder de Oferta E-READINESS tra 0,10 em 2009). Além de um im- de e-consumidores (5%). E embo- pulso insuficiente do setor bancário ra as vendas online tenham mais Colombiano. Se em 2009 havia 329 que dobrado, chegando a US$ 611 cartões de débito por mil habitantes, milhões em 2011, contra US$ 276 em 2011, esse número havia cresci- milhões em 2009, o que acon- do para apenas 358, sendo que esse foi o indicador de bancariza- teceu foi um aumento no desembolso por parte dos mesmos ção em que a Colômbia mais cresceu. No entanto, o potencial se compradores e não uma alta no número de consumidores do mantém pelo lado da demanda, pois o e-commerce Colombiano varejo online. Talvez o único ponto de alto crescimento no país praticamente dobrou em dois anos, passando de US$ 435 milhões tenha sido o aumento no número de cartões de crédito, que para US$ 998 milhões em vendas, entre 2009 e 2011. passou de 160 para 230 a cada mil habitantes em dois anos. Metodologia Este índice reflete as condições que um país oferece para o desenvolvimento do comércio eletrônico. A pesquisa foi rea- lizada por meio da análise de 23 variáveis econômicas e tecnológicas selecionadas por sua relevância econométrica e pela importância dada por diferentes especialistas da indústria. Este ano, a pesquisa incorporou um indicador de logís- Publisher & Editor tica no quesito infraestrutura tecnológica, que mede a capacidade e a qualidade dos serviços de entrega dos produtos comercializados online. Para cada uma das variáveis trabalhou-se com dados desde 2001 até 2011, com os quais foi Elías Selman Carranza possível configurar uma base de população completa, que oferece mais solidez estatística. Como as unidades de medi- AméricaEconomía Intelligence da diferem entre os indicadores utilizados, os dados foram redimensionados usando como valor referencial 1,00 para Jaime Contreras S., Diretor cada resultado obtido pela Espanha em 2009, de modo que esse país e esse ano sirvam como um modelo de referência: Rodrigo Dorn, Chefe de Pesquisas um país terá pontuações maiores ou menores que 1,00 dependendo de como esteja em relação e em proporção ao indi- cador espanhol de 2009. As fontes para este estudo são: Banco Mundial, Cepal, Fundo Monetário Internacional, Cisco, Dalomy Switt, Pesquisadora 3G Americas, Alexa.com, as superintendências bancárias e financeiras de cada país, as autoridades tributárias pertinen- Design & Direção de Arte tes. Agradecemos às instituições que nos proporcionaram informações, aos líderes da indústria que colaboraram com Álvaro Araya Urquiza suas opiniões para a elaboração metodológica, e à empresa Visa, que promoveu a realização deste estudo. Texto e Edição Jornalística e-Readiness Andrés Almeida FargaVolume do mer- Infraestrutura Bancarização Adoção Poder da oferta cado tecnológica tecnológicaPopulação total Telefonia fixa Cartões de Banda larga Poder do varejo Pagamento de crédito móvel impostos onlinePopulação entre Telefonia móvel Cartões de débito e-consumidores Nº de varejistas 25 e 30 anos Nota: PIB per capita Computadores Caixas Compras pela Vendas online (%) O uso da informação deste estudo pessoais automáticos internet é de responsabilidade única e Usuários de Conexões de Presença exclusiva de seus usuários. Visa e internet (%) banda larga online AméricaEconomia não se respon- sabilizam pelo seu eventual uso Preço da banda Diversidade da como referência de comercialização, larga oferta marco legal, regulatório e outros. Preço da banda larga móvel Serviços logísticos 8 Estudo sobre as condições para o e-commerce na região

×