Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Surdez Profunda

10,784 views

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
  • Be the first to comment

Surdez Profunda

  1. 2. PUC - Rio Especialização Tecnologias em Educação - 2009/2010 Tutora: Izabella Saadi Cerutti Leal Reis Cursistas:Marilanda Janine de Oliveira Marilene Morais Mota Marques Marília Soares Pereira Nunes
  2. 3. “ Línguas dependem do cérebro humano, não do ouvido.”
  3. 4. Surdez profunda : o aluno apresenta uma perda auditiva acima de 91 dB, não percebe nem identifica a voz humana, impedindo que adquira a linguagem oral. Escuta apenas os sons graves que transmitem vibração (trovão, helicóptero). Anacusia : é a falta total de audição, deve ser trabalhado e estimulado o mais precocemente possível, tendo como conduta pedagógica o mesmo da surdez profunda .
  4. 5. Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS É o idioma utilizado pelos surdos. Língua de modalidade gestual-visual (porque utiliza a visão para captar a mensagem e movimentos das mãos e expressões corporal e facial para se comunicar) que possui estrutura e gramática própria, tendo a mesma denominação e status da língua oral-auditiva (sistema fonológico representado pelos fonemas de uma língua, concretizados pela articulação dos sons da fala). A Língua de Sinais não é uma língua universal. Procedimento Educacional
  5. 6. Em abril de 2002, o Brasil reconhece a Língua Brasileira de Sinais pela lei nº10.436/2002 que determina a inclusão da LIBRAS como conteúdo curricular nos Cursos de Formação de Professores, de Educação Especial e de Fonoaudiólogia Reconhecimento da Libras
  6. 7. DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei n o 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
  7. 8. <ul><li>Alunos com deficiência auditiva </li></ul><ul><li>Possíveis sinais de DA: </li></ul><ul><li>Demora para falar e troca fonemas também na escrita; </li></ul><ul><li>Não responde a voz normal; </li></ul><ul><li>Não atende de costas; </li></ul><ul><li>Fala muito alta ou muito baixa; </li></ul><ul><li>Vira a cabeça para ouvir </li></ul><ul><li>Olha para os lábios e não para os olhos; </li></ul>Importante:
  8. 9. ADAPTAÇÕES DE ACESSO AO CURRÍCULO <ul><li>Materiais e equipamentos específicos: </li></ul><ul><li>prótese auditiva, </li></ul><ul><li>treinadores de fala, </li></ul><ul><li>tablado, </li></ul><ul><li>softwares educativos específicos ; </li></ul><ul><li>textos escritos complementados com elementos que favoreçam a sua compreensão: linguagem gestual, língua de sinais e outros; </li></ul><ul><li>sistema alternativo de comunicação adaptado às possibilidades do aluno: leitura orofacial, linguagem gestual e de sinais; </li></ul><ul><li>salas-ambiente para treinamento auditivo, de fala, rítmico etc.; </li></ul><ul><li>posicionamento do aluno na sala de tal modo que possa ver os movimentos orofaciais do professor e dos colegas; </li></ul><ul><li>material visual e outros de apoio, para favorecer a apreensão das informações expostas verbalmente; </li></ul>
  9. 10. 7 Passos para inclusão do aluno com surdez profunda   1º passo: Família aceitar a inclusão 2º passo: Escola e sociedade aceitar a inclusão e capacitar os professores. 3º passo: Professor regente aceitar a criança na turma como integrante do grupo. 4º passo: Professor de apoio e fonodiólogo para acompanhar a criança. 5º passo: Professor buscar estratégias diferenciadas, trabalhos em grupos é uma boa estratégia 6º passo: Utilizar os recursos tecnológicos 7º passo: Aluno portador de surdez profunda terá um excelente resultado se for tratado como qualquer outro cidadão.    
  10. 11. “ Preparação prévia como professor para iniciar o processo educacional com aluno que tem surdez profunda, conhecendo apenas libras para comunicação, não sendo oralizado nem conhecendo português.”
  11. 12. *Conhecer a surdez: anatomia e funcionamento do sistema auditivo; *Conhecer a Língua Brasileira de Sinais; *Ter em mãos dicionário ilustrado de libras; Sensibilizar o professor para a experiência com a surdez; *Estar em sintonia com o intérprete e o professor de recursos e o professor surdo no que tange a aplicação dos conteúdos e de aulas bem como a elaboração de provas;
  12. 13. Adaptações do aluno em sala : *Acompanhamento de um intérprete; *Riqueza de materiais e recursos visuais ( imagéticos) para possibilitar a abstração dos significados. *Conscientização dos colegas em relação ao respeito de suas individualidades. * Instalação de artefatos tecnológicos necessários: *Sala com imagens visuais de todo tipo de referências que possam colaborar no aprendizado; *Alfabeto manual; *Mímica e dramatização; *Vídeo/ TV/ retroprojetor, computador, slides; *Softwares educativos; *Língua Portuguesa oral/ leitura labial; *Língua Portuguesa escrita ( palavras chave);
  13. 14. Ações de acolhimento coletivos que incluam os demais alunos e outros atores da escola: *Informar a comunidade escolar sobre a diferença relativa à surdez, suas especificidades e a língua de sinais; *Refletir sobre a necessidade de utilizar a língua de sinais no processo educacional e buscar formas para sua aquisição e desenvolvimento pelos demais alunos e profissionais da escola, a partir de suas relações com associações de surdos ou outras referências comunitárias;  * Desenvolvimento de atividades visando integração com os outros alunos *Trabalhos em grupos para estimular a cooperação e comunicação entre os alunos.
  14. 15. Solução para entraves ao desenvolvimento didático devido a deficiência <ul><li>Atendimento em período contrário ao da escolarização para desenvolver a modalidade oral da língua portuguesa: </li></ul><ul><li>Utilização da escrita na interação simultânea professor/ aluno ( conversação); </li></ul><ul><li>Escolha prévia de textos de acordo com a competência lingüística dos educandos; </li></ul><ul><li>Exploração do vocabulário e da estrutura do texto (decodificação de vocábulos desconhecidos, por meio de emprego de associações e analogias); </li></ul><ul><li>Interpretação de textos por meio de material plástico ( desenho, pintura e murais) ou cênico ( dramatização e mínica); </li></ul><ul><li>Adequação de conteúdos e objetivos; </li></ul><ul><li>Avaliação diferenciada, considerando-se a interferência de aspectos estruturais da língua de sinais. </li></ul>
  15. 16. Execução de exercícios e provas <ul><li>Planejar atividades amplas, que tenham diferentes graus de dificuldade e que permitam diferentes possibilidades de execução e expressão; </li></ul><ul><li>Propor várias atividades para trabalhar um mesmo conteúdo; </li></ul><ul><li>Criação de um glossário ilustrado com termos específicos </li></ul><ul><li>para ampliação do vocabulário de Português </li></ul><ul><li>Utilizar metodologias que incluam atividades de diferentes tipos, como pesquisas, projetos, oficinas, visitas, etc.; </li></ul><ul><li>Organizar o tempo das atividades propostas, levando-se em conta que atividades exclusivamente verbais tomarão mais tempo de alunos surdos; </li></ul><ul><li>Alterar objetivos que exijam percepção auditiva; </li></ul><ul><li>Utilizar diferentes procedimentos de avaliação que se adaptem aos diferentes estilos e possibilidades de expressão dos alunos. </li></ul><ul><li>Algumas áreas necessitarão de adaptações curriculares. </li></ul>
  16. 17. Avaliação do aluno Os resultados de provas periódicas classificatórias não devem ser supervalorizadas, o que deve prevalecer são as observações diárias de caráter diagnóstico. Em relação a avaliação formal certos cuidados na elaboração e aplicação devem ser tomados.Conteúdos devem estar adequados ao que foi trabalhado durante as aulas de português escrito, as questões devem estar relacionadas umas as outras , delineando um contexto lógico em toda a prova.
  17. 18. Softwares brasileiros ajudam surdos a seguir músicas Os programas trabalham com estímulos visuais e táteis, e podem ser utilizados no computador ou em celulares. BPM e VPM. O BPM Counter dá dicas de ritmo a partir de oito quadrados negros dispostos na tela do computador. Em uma música acelerada, os quadrados se colorem de vermelho para marcar batidas. Se o ritmo for lento, quadrados azuis se alternam no monitor. O deficiente pode, então, seguir a repetição deles com movimentos de pés ou mãos, por exemplo. Para as pistas de dança Com ele, a velocidade do ritmo é &quot;traduzida&quot; ao celular. A portabilidade, principal característica deste software, promete dar grande liberdade a deficientes que queiram dançar em uma festa. Atualmente, a maneira mais comum de perceber músicas sem a audição é estar em contato com as caixas de som, o que isola a pessoa do grupo e da pista de dança. O time está aprimorando a interface dos dois softwares para incluir avatares de símbolos da Libras (Língua Brasileira de Sinais), para aumentar a acessibilidade das ferramentas.
  18. 19. Software “Free” Bilíngue usado para ensinar deficientes auditivos Coelho e Olga Freitas, professora da Escola Classe 308 Sul, do governo do Distrito Federal , criaram um software livre bilíngüe - em Libras e em português - que pode melhorar a inclusão desses brasileiros num universo de simplicidades, como o acesso à literatura e ao cinema. O programa está disponível na internet, de forma gratuita. Nele, os professores encontram aulas prontas que podem ser copiadas e dadas nas escolas para os alunos surdos. “Ele pode ser usado com aqueles que dominam a língua dos sinais, para ensiná-los a reconhecer a Língua Portuguesa”, explica Coelho. Outra característica do software é a possibilidade de os professores criarem aulas, deixando-as disponíveis na página para outros profissionais. Coelho esclarece que esse é um dos principais objetivos do site: criar um ambiente de troca de informações. “A idéia é que os professores possam utilizar o software para preparar suas aulas, e depois compartilhá-las.”
  19. 20. Bibliografia e Webliografia DAMÁZIO, Mirlene Ferreira Macedo. Atendimento Educacional Especializado- Pessoa com Surdez . Brasília/DF :SEESP/SEED/MEC. 2007 ARANHA, Maria Salete Fábio. Saberes e práticas da Inclusão. Desenvolvendo competências para o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos . Brasília/ DF :SEESP/MEC. 2005 http://www.fe.unb.br/educaesp/conhecendonee/auditivo.htm http://noticias.terra.com.br/interna/0,,OI3856437-EI11491,00.html http://www.crmariocovas.sp.gov.br/noticia.php?it=8874

×