Capoeira Forum

5,429 views

Published on

Published in: Sports, Business
1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
5,429
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
131
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Capoeira Forum

  1. 1. Carlos Roberto Galvão • Funcionário Público – desde 1994 • Professor de Educação Física (Graduação em 2008 – UNIAMERICA) • Pós Graduação - Psicomotricidade CAPOEIRA • Professor de Capoeira – Formado em 10/11/2006 – Na Associação de Capoeira Camboatá – Porto Alegre – RS • Coordenador do Projeto – CAPOEIRA NA ESCOLA - Escola Municipal Altair Ferraz (Zizo) - Escola Municipal Belvedere • Coordenador Regional da Escola de Capoeira Camboatá - Medianeira - Pr - São Miguel - Pr - Foz do Iguaçu - Pr Cursos - 48 horas de Capoeira – Londrina (Mestre Fran) Capoeira Maculele 1995 - Oficina de Berimbau – Foz do Iguaçu – (Mestre Azulão) Capoeira Maculele 1995 - Capoeira Hoje – Rio de Janeiro (Mestre Décio) Capoeira Cordão de Conta 1996 - Ginga Maculele – Londrina (Mestre Fran) Capoeira Maculele 1996 - Encontro Capoeira Camboatá – Porto Alegre – RS 2004 * Maurão – SP * Catitu – SP * King – SP • Capacitação e Aperfeiçoamento – Capoeira Camboatá – Porto Alegre RS – 2003 (Mestre Tucano) • Capoeira Angola – Bahia 2003 (Mestre Renê) • Aprenda a História Brincando – Capoeira Mediangira – 1996 • VII Seminário de Capoeira Camboatá – Porto Alegre – 2006 (mestre Tucano)
  2. 2. HISTÓRIA DA CAPOEIRA A capoeira constituiu-se numa atividade em que o jogo, a luta e a dança se interagem numa relação recíproca. Ela é ao mesmo tempo luta, dança e jogo, embora seu participante seja definido como jogador e não lutador ou dançarino. O jogo da capoeira requer uma constante negociação gestual, onde cada jogador é desafiado pela imprevisibilidade dos golpes que são mediados pela ginga num jogo malicioso e mandingueiro, os movimentos corporais parecem ser impercebíveis aos próprios executores que muitas vezes não se dão conta do que foram capazes de improvisar.
  3. 3. A dança e o jogo se expressam na capoeira onde o corpo todo se embala ao som de berimbaus, pandeiros, atabaque, cantos e palmas de mão que são elementos fundamentais na hora de se colocar em pratica o que se aprendeu durante os treinos.
  4. 4. A capoeira é uma construção social que extrapola sentidos específicos, esporte, luta, dança, e folclore, manifestação cultural de um povo, mas que não se distancia da sua essência que a compõe “o movimento”, fator da maior relevância desenvolvida para ser uma defesa, foi ensinada em cativos por aqueles que foram capturados e voltavam aos engenhos. Para não levantar suspeitas, esta luta foi disfarçada em dança com palma de mão e cantiga. Ela vem contribuir com relação a estes aspectos, promovendo integração, inclusão, e respeito ao próximo, agregando valores éticos e humanos. Diversos fatores foram desenvolvidos com sua prática tornando a capoeira uma atividade satisfatória e prazerosa para os seus participantes
  5. 5. O SIGNIFICADO DA PALAVRA “CAPOEIRA” Seguindo a concepção de que os negros lutavam contra seus opressores geralmente nas matas, reporta-se daí a origem do vocábulo "capoeira", que para alguns pesquisadores vem da língua indígena Tupi Guarani "caá" - mato e "puera" - que foi mato, originando os termos "capuera, capuíra, capoêra e capoeira" (SANTOS, 1990; CAPOEIRA, 1997; ADORNO, 1999). Para Bennúdez (2004) a palavra vem de Kapu 'era, que significa mato ralo. Já Capoeira (1997) citando o Visconde de Beaurepaire descreve o tupi "co-puera" - roça velha, além de José de Alencar, que propunha o tupi "caa-apuam-era", ilha de mato já cortado.
  6. 6. A origem da palavra capoeira, assim o local de seu surgimento, são ainda motivos de discussão. Durante muitos anos, o foco de diversas linhas de pesquisa direcionou-se a entender como essa prática foi estabelecida no Brasil, aparecendo controvérsias a respeito da sua origem (CAPOEIRA, 1997).
  7. 7. O que se sabe com certeza, é que essa manifestação foi solidificando-se, ao longo do tempo, e se espalhando, cada vez mais, já que os negros que conseguiam fugir formavam Quilombos (acampamentos), agrupando-se e fortificando-se, buscando reproduzir os costumes da terra natal.
  8. 8. O quilombo mais povoado e mais conhecido foi o de Palmares, devido à resistência imposta por seu povo que durou 97 anos, servindo de exemplo para o surgimento de novos Quilombos espalhados pelo Brasil. Seus líderes, Ganga Zumba e Zumbi foram transformados em heróis e a data de 20 de novembro, marcada pela morte de Zumbi, é hoje intitulada o "(Dia da Consciência Negra no Brasil)”.
  9. 9. Após a abolição da escravatura em 1888, muitos negros foram obrigados a sair das fazendas, direcionando-se em grandes grupos para as cidades, vendo-se nas ruas sem emprego, moradia e alimentação. Como não tinham outros meios para sobreviver, começaram a saquear e roubar, utilizando a capoeira como ferramenta de auxilio. Assim, começou um processo de degradação da capoeira, onde os capoeiristas passaram a serem vistos como vadios e delinqüentes.
  10. 10. Até que, em 1890, a capoeira foi considerada "fora da lei" pelo antigo Código Penal da República e seus adeptos sujeitos a detenção de dois a seis meses. Santos (1990) comenta que esse fato fez com que a capoeira fosse praticada às escondidas tornando-se mais civilizada na percepção das classes dominantes e contribuísse para sua ascensão. Durante anos, a capoeira foi perseguida e discriminada, porém, duas personalidades da Bahia foram extremamente importantes para a valorização dessa arte. Um deles, Vicente Ferreira Pastinha, conhecido como Mestre Pastinha, foi o principal nome da capoeira Angola, um estilo de capoeira tradicional praticada até então, e o outro, Manoel dos Reis Machado, o Mestre Bimba, que da mistura do Batuque (uma antiga luta existente na Bahia) com a capoeira Angola acrescida de mais alguns golpes, cria a Capoeira Regional, inicialmente, chamada de Luta Regional Baiana.
  11. 11. Vicente Ferreira PASTINHA
  12. 12. Até hoje esses dois Mestres são lembrados como exemplos de perseverança e valentia, São vistos como pessoas que acreditaram na capoeira como arte transformadora, tendo seus ensinamentos transmitidos por seus discípulos a fim de resgatar a verdadeira identidade da capoeira. Durante o século XVI, Portugal enviou escravos para a América do Sul, provenientes da África Ocidental. O Brasil foi o maior receptor da migração de escravos, com 42% de todos os escravos enviados através do Atlântico. Os seguintes povos foram os que mais frequentemente eram vendidos no Brasil: grupo sudanês, composto principalmente pelos povos Iorubá e Daomé, o grupo guineo-sudanês dos povos Malesi e Hausa, e o grupo banto (incluindo os kongos, os Kimbundos e os Kasanjes) de Angola, Congo e Moçambique.
  13. 13. Os negros trouxeram consigo para o Novo Mundo as suas tradições culturais e religião. A homogeneização dos povos africanos sob a opressão da escravatura foi o catalisador da capoeira. A capoeira foi desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos seus opressores, praticar em segredo a sua arte, transmitir a sua cultura e melhorar o seu moral. Há registros da prática da capoeira nos séculos XVIII e XIX nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro, e Recife, porém durante anos a capoeira foi considerada subversiva, sua prática era proibida e duramente reprimida. Devido a essa repressão, a capoeira praticamente se extinguiu no Rio de Janeiro, onde os grupos de capoeiristas eram conhecidos como maltas, e em Recife, onde segundo alguns a capoeira deu origem à dança do frevo conhecido como o passo.
  14. 14. Em 1932, Mestre Bimba fundou a primeira academia de capoeira do Brasil em Salvador. Mestre Bimba acrescentou movimentos de artes marciais e desenvolveu um treinamento sistemático para a capoeira, estilo que passou a ser conhecido como Regional. Em contraponto, Mestre Pastinha pregava a tradição da capoeira com um jogo matreiro, de disfarce e ludibriação, estilo que passou a ser conhecido como Angola. Da dedicação desses dois grandes mestres, a capoeira deixou de ser marginalizada, e se espalhou da Bahia para todos os estados brasileiros
  15. 15. MAS!!! E A ORIGEM DA CAPOEIRA? Teriam os escravos trazido da África a capoeira ou teriam criado aqui no Brasil? Esta é uma dúvida que até hoje divide folcloristas, etnógrafos e estudiosos no assunto. Não temos registro da existência da capoeira ou qualquer outra forma similar à capoeira no continente africano. Em 1966, Inezil Penna Marinho esteve em Angola pesquisando uma possível origem da capoeira, chegando à conclusão que ela era inteiramente desconhecida lá, quer entre os eruditos, quer entre os nativos, a cujas festas religiosas e danças guerreiras assistiu.
  16. 16. Logicamente foi no Brasil que a capoeira teve suas raízes formadas. Nas práticas religiosas a que os africanos se entregavam, as danças litúrgicas, ao som de instrumentos de percussão, desempenhavam papel de grande relevância, pois o ritmo bárbaro exacerbava-lhes a gesticulação, exagerava-lhes os saltos, exercitava-os na ginga do corpo, dotando-os de extraordinária mobilidade, excepcional destreza, surpreendente velocidade de movimentos. E é a estes rituais religiosos, que pesquisadores atribuem o surgimento da capoeiragem.
  17. 17. MITO! Capoeira - Arte Marcial Brasileira Por ocasião da Guerra do Paraguai, muitos capoeiras foram enviados para a frente de batalha, lá se fizeram heróis, portadores de grande sangue frio, coragem e audácia (tendo-se em conta que a maioria dos combates exigiam muitos confrontos corpo à corpo). Porém, a luta da Capoeira não acontece com objetivo de competição entre os camaradas. Quando o jogo degenera em luta explícita, já não ocorre a Capoeira. O objetivo da luta é tornar o capoeira senhor de si mesmo e integrado
  18. 18. O Surgimento O surgimento da Capoeira no Brasil foi devido às condições em que os escravos eram obrigados a viver, condições que muitas vezes os levavam a morte. A cultura africana sofre modificações face à nova realidade e toda a revolta de um povo vai se moldando a ânsia de liberdade surge então a capoeira uma luta em forma de dança que tornou realidade um sonho chamado de liberdade.
  19. 19. A Luta A Capoeira é uma luta de defesa e ataque, em que os praticantes usam os pés e a cabeça sendo as mãos de menor uso, mas nunca de menor importância tanto para o ataque como na defesa. Os europeus acostumados a lutar com as mãos não tinham a menor chance contra os negros e perdiam fácil . Os senhores de engenhos proibiram então a prática dessa luta entre os escravos, sofrendo pressão da Polícia Imperial e Milícia Republicana, Os negros, porém acharam uma solução: disfarçaram a Capoeira colocando mímicas e danças acompanhadas de músicas. Quando o feitor passava pelos negros "Brincando de Angola" batia palmas , apreciava , achavam bonito sem saber que ales estavam praticando a já proibida capoeira. Assim disfarçada em divertimento a capoeira sobreviveu até os dias de hoje.
  20. 20. Na Verdade o que é Capoeira??? Já dizia o Mestre Pastinha, "Capoeira Angola é, antes de tudo, luta e luta violenta." É importante que esse aspecto seja ressaltado, já que o consenso atual entre os leigos e as pessoas que a praticam de forma equivocada, e considerar a Capoeira uma forma de dança ou simplesmente folclore para turista ver. É claro que entre os praticantes sérios, em seus treinos, os golpes são apenas simulados e a Capoeira torna-se um exercício físico e mental. violência dos seus golpes, no entanto, não deixa espaço para meio termo; ou joga-se Capoeira 'para valer', com as suas sérias conseqüências ou apenas simula-se um jogo. A possibilidade de enquadrá-la em regras esportivas é inexistente; quem assim o faz não conhece de fato a Capoeira.
  21. 21. O Jogo "Capoeira é um diálogo de corpos, eu venço quando o meu parceiro não tem mais respostas para as minhas perguntas" - Mestre Moraes. O jogo da Capoeira na forma amistosa, ou seja, na roda é verdadeiramente um diálogo de corpos. Dois capoeiristas partem do "pé" do Berimbau e iniciam um lento balé de perguntas e respostas corporais, até que um terceiro 'compre o jogo' e assim desenvolve-se sucessivamente até que todos entrem na roda.
  22. 22. A Malícia Elemento básico da Capoeira Angola, a malícia a torna ainda mais perigosa. Essa malandragem que faz que vai e não vai, retira-se e volta rapidamente; essa ginga de corpo que engana o adversário, faz o diferencial da Capoeira em relação às outras artes marciais. Essa é uma característica que não se aprende apenas treinando.
  23. 23. Os Golpes A Capoeira (de Angola) tem um número relativamente pequeno de golpes que podem, no entanto, atingir uma harmoniosa complexidade através de suas variações. Assim como a música tem apenas sete notas. Os seus principais golpes são: Cabeçada, Rasteira, Rabo de Arraia, Chapa de Frente, Chapa de Costas, Meia Lua e Cutilada de Mão.
  24. 24. A Música A Capoeira é a única modalidade de luta marcial que se faz acompanhada por instrumentos musicais. Isso se deve basicamente às suas origens entre os escravos, que dessa forma disfarçavam a prática da luta numa espécie de dança, enganando os senhores de engenho e os capitães-do-mato. No início esse acompanhamento era feito apenas com palmas e toques de tambores. Posteriormente foi introduzido o Berimbau instrumento composto de uma haste tensionada por um arame, tendo por caixa de ressonância uma cabaça cortada. O som é obtido percutindo-se uma haste no arame; pode-se variar o som abafando-se som da cabaça e (ou) encostando uma moeda de cobre no arame; complementa o instrumento o caxixi, uma cestinha de vime com sementes secas no seu interior.
  25. 25. O Berimbau, um instrumento usado inicialmente por vendedores ambulantes para atrair fregueses, tornou-se instrumento símbolo da Capoeira, conduzindo o jogo com o seu timbre peculiar. Os ritmos são em compasso binário e os andamentos - lento moderado e rápido são indicados pelos toques doBerimbau Numa roda de angoleiros o conjunto rítmico completo é composto por: três berimbaus (um grave - Gunga; um médio e um agudo - Viola); dois pandeiros; um reco-reco; um agogô e um atabaque. A parte musical tem ainda músicas que são cantadas e repetidas em coro por todos na roda. Um bom Capoeirista tem obrigação de saber tocar e cantar os temas da Capoeira.
  26. 26. As variações do toque do berimbau As variações musicais do berimbau são os vários toques executados pelo tocador para definir o tipo de jogo que será feito na roda. Um bom capoeirista deve, ou melhor, tem obrigação, saber o maior número de toques, bem como o significado e o tipo de jogo praticado em cada um desses toques. Os toques mais conhecidos são: - Angola - São Bento Grande - São Bento Pequeno - Angolinha - Iúna - Lamento - Amazonas - Cavalaria - Santa Maria - Benguela - Idalina - Maculelê - Samba de Roda - Samba de Angola - São Bento Grande de Bimba - Samango - Valsa - Samba de Enredo - São Bento Corrido - Choro Para cada toque, um tipo de jogo
  27. 27. Estes são os toques mais usados, cada um deles tem um siginificado. Vejamos: 1) TOQUE DE ANGOLA: É o toque específico do jogo de Angola. É um toque lento, cadenciado, bem batido no atabaque, tem um sentido triste. É feito para o jogo de dentro, jogo baixo, perigoso, rente ao chão, bem devagar. 2)ANGOLINHA: É uma variação pouco mais rápida do toque de angola, serve para aumentar o ritmo quando vai mudar o jogo. 3)SÃO BENTO PEQUENO: É o toque para jogo solto, ligeiro, ágil, jogo de exibição técnica. Também conhecida como ANGOLA INVERTIDA.
  28. 28. 4)SÃO BENTO GRANDE: É o toque mais original da capoeira Regional. É muito usado em apresentações públicas, rodas de rua, batizados e outros eventos e também nas rodas técnicas das academias para testar o nível de agilidade dos alunos. 5)TOQUE DE IÚNA: É usado apenas para o jogo dos mestres. Neste toque, aluno é platéia, não joga nem bate palmas, jogam apenas os mestres e contra-mestres e algum instrutor, professor ou aluno graduado se, por ventura, seu mestre autorizar e lhe ce der a vez de jogar. No toque de Iúna não há canto. 6)LAMENTO: É o toque fúnebre da capoeira. Usado apenas em funerais de mestres.

×