A revolução de 1383 85

30,041 views

Published on

Published in: Education
2 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
30,041
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
24,070
Actions
Shares
0
Downloads
175
Comments
2
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A revolução de 1383 85

  1. 1. 1383 – 1385 UM TEMPO DE REVOLUÇÃO
  2. 2. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 PROBLEMAS ECONÓMICOS Durante a segunda metade do século XIV, viveram-se em Portugal tempos muito difíceis. CAUSAS D. FERNANDO - Condições climatéricas desfavoráveis à agricultura; - Maus anos agrícolas e carestia de alimentos; - Fomes e alimentação deficiente; - Doenças (principalmente a PESTE NEGRA); - Deficientes condições de higiene
  3. 3. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 EFEITOS - Diminuição da população; - Falta de mão-de-obra; - Abandono dos campos; - Diminuição dos rendimentos do clero e da nobreza D. BEATRIZ CRISE POLÍTICA D. LEONOR TELES Para agravar a situação, D. Fernando envolveu-se em guerra com Castela. Derrotado, foi obrigado a assinar o Tratado de Salvaterra de Magos. Por ele, D. Beatriz casou-se com D. João, rei de Castela. Tal situação punha em causa a independência de Portugal. Para evitar esta situação, determinou-se que à morte de D. Fernando, quem governaria seria D. Leonor Teles, viúva de D. Fernando até lhe suceder filho de D. Beatriz.
  4. 4. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 Os problemas de sucessão ao trono provocaram uma grande divisão da sociedade portuguesa NOBREZA E CLERO POVO E BURGUESIA APOIAVAM D. BEATRIZ APOIAVAM D. JOÃO, MESTRE DE AVIS - Consideravam D. Beatriz como legítima sucessora do pai - A Burguesia desejava obter poder político - Pretendiam manter e reforçar os seus privilégios - O Povo desejava melhorar as suas condições de vida
  5. 5. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 Estes dois grupos entraram em confronto quando D. Beatriz foi aclamada como rainha. Em Lisboa, D. João, Mestre de Avis matou o Conde Andeiro e obrigou D. Leonor Teles a fugir para Castela. D. João foi aclamado “Regedor e Defensor do Reino”. Começou-se a preparar a resistência a uma invasão castelhana.
  6. 6. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 A RESISTÊNCIA À INVASÃO CASTELHANA Em 1384, o rei de Castela invade Portugal. Lisboa é cercada por terra e por mar. No entanto, esta 1ª invasão não tem sucesso. Quem comanda o exército português passa a ser D. NUNO ÁLVARES PEREIRA que derrota os castelhanos na batalha dos Atoleiros. Perante este clima de guerra entre os dois países, foi necessário escolher novo rei que governasse Portugal após a morte de D. Fernando. Uma vez que grande parte da população não aceitava D. Beatriz, foi necessário reunir Cortes para escolher o rei entre os vários candidatos. Foi assim que, nas Cortes de Coimbra, se aclamou D. JOÃO, MESTRE DE AVIS para rei de Portugal. Com este rei, iniciou-se a segunda dinastia em Portugal: a de AVIS.
  7. 7. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 A CONSOLIDAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA Apesar de se ter escolhido novo rei para Portugal, os Castelhanos não desistiram e voltaram a invadir o nosso país. Apesar de mais numeroso, o exército castelhano foi derrotado na BATALHA DE ALJUBARROTA, onde D. Nuno Álvares Pereira usou a táctica do quadrado.
  8. 8. A REVOLUÇÃO DE 1383/ 85 Após a sua aclamação, D. JOÃO I retirou privilégios e terras à nobreza e ao clero que apoiou D. Beatriz e recompensou o grupo social que o apoiou – a BURGUESIA. Desta forma, este grupo social conseguiu o poder político que tanto desejava. Para comemorar a vitória dos portugueses em Aljubarrota, D. João mandou construir, no estilo gótico, o MOSTEIRO DA BATALHA.

×