Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Comportamento do consumidor

880 views

Published on

Aula sobre Comportamento do Consumidor ministrada para os cursos do PRONATEC de Agenciamento de Viagem e Eventos.

Published in: Business
  • Be the first to comment

Comportamento do consumidor

  1. 1. Comportamento do  Consumidor
  2. 2. “Na era do cliente, os consumidores querem voltar a ser clientes, para serem tratados como indivíduos, com suas necessidades entendidas e tratadas individualmente” -­ Bretzke
  3. 3. Cliente  potencial  – segundo  Kossen Suspect: Pessoas / empresas consideradas possíveis compradores do produto/serviço. Determina-­se pela segmentação de mercado;; Prospect: Pessoas/empresas que podem beneficiar-­se do produto/serviço e têm poder de decisão e financeiro;; Prospect qualificado: Quando o prospect manifesta interesse, solicitando literatura, pedindo visita, cadastrando-­se na internet.
  4. 4. Clientes prováveis: possíveis compradores (suspects);; Clientes potenciais: manifestam predisposição para comprar (prospect e prospect qualificado);; Experimentadores: realizam a primeira compra;; Clientes fiéis: repetem a compra, não concentram a maioria do volume de compras em uma marca específica;; Repetidores: concentram a maior parte das compras de produtos/serviços na mesma marca;; Advogados da marca: além de repetirem a compra, têm envolvimento emocional com a marca e indicam a outros. Também chamados de entusiastas da marca, produzem o efeito boca-­a-­boca, principal benefício do marketing de relacionamento. Escala  de  lealdade  – segundo  Kotler
  5. 5. Hierarquia  dos  clientes  – Schimid Nº  de  compras Tempo Suspect Prospect Cliente  de  primeira   compra Cliente  de   segunda  compra Advogado  da   marca
  6. 6. Compreendendo  o  Comportamento  do  Cliente Contribuição das ciências sociais -­ Economia produziu as primeiras teorias racionais;; o desenvolvimento teórico tem-­se observado no âmbito das ciências comportamentais;; -­ Não existe uma única teoria consistente, pois o comportamento do consumidor é reflexo da personalidade humana que tampouco é explicada à luz de uma teoria integrada e consistente. Psicologia   geral Indivíduo Sociologia Grupos  de   indivíduos Psicologia   social Indivíduos  em   grupos Antropologia Cultura  grupal
  7. 7. Fatores  que  influenciam  o  comportamento  de   compra  – Kotler Mercado de consumo: Mercado: nível de oferta, emprego, crédito, ação da concorrência;; Cultural: cultura, subcultura, classe social;; Social: grupos de referência, família, papéis e posições sociais;; Psicológico: motivação, percepção, aprendizado, crenças e atitudes;;
  8. 8. Fatores  que  influenciam  o  comportamento  de   compra  – Kotler Mercado de negócios: Mercado: nível de demanda, custo do dinheiro, poder de barganha dos fornecedores, política fiscal, disponibilidade de recursos, condições de fornecimento de tecnologia;; Organizacional: cultura corporativa, política, estrutura organizacional;; Social: autoridade, status, prestígio do cargo;; Psicológico: motivação, percepção, aprendizado, crenças e atitudes;;
  9. 9. O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor Fatores   culturais,   sociais,   biológicos,   pessoais  e   situacionais Reconhecimento  de   necessidade Busca  de  informação Avaliação  das   alternativas  do  produto Avaliação  das   alternativas  de  compra Decisão  de  compra Comportamento  pós-­ compra
  10. 10. 1 – Reconhecimento da necessidade;; 2 – Busca de informação;; 3 – Avaliação das alternativas de produto;; 4 – Avaliação das alternativas de compra;; 5 – Decisão de compra;; 6 – Comportamento pós-­compra. O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor
  11. 11. 1 – Reconhecimento da necessidade: Reposição: Baixo custo / frequência Funcional: Exigência específica / mais importante Emocional: Status/prestígio/conquisa O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor Fatores influenciadores: PSICOLOGIA SOCIOLOGIA ANTROPOLOGIA
  12. 12. 2 – Busca de informação: Fontes internas ou externas Lojas físicas, internet, catálogos, telefone, etc... O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor
  13. 13. 3 e 4 – Avaliação das alternativas de produto e de compra: O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor Características funcionais Satisfação emocional Benefícios  de uso  e  posse Satisfação
  14. 14. 5 – Decisão de compra: O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor Identificação  da   alternativa  preferida Intenção  de   compra Implementação  da   compra O  ato  da  compra  e  suas  subetapas
  15. 15. 6 – Comportamento pós-­compra O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor Busca  de  informação  adicional
  16. 16. O  processo  de  decisão  de  compra  do  consumidor BAIXO ALTO PASSIVO ATIVO ENVOLVIMENTO DO  CONSUMIDOR Tomada  de  decisão   do  consumidor FATORES PSICOLÓGICOS -­‐ Motivação -­‐ Percepção -­‐ Aprendizado -­‐ Atitudes -­‐ Processamento de informações FATORES SOCIOCULTURAIS -­‐ Cultura -­‐ Subcultura -­‐ Classe social -­‐ Grupos de referência -­‐ Família FATORES SITUACIONAIS -­‐ Ambiente físico -­‐ Ambiente social -­‐ Tempo -­‐ Razão da compra -­‐ Humores
  17. 17. Motivos  e  Necessidades  -­ Maslow A satisfação ou não dos consumidores nos diversos níveis da pirâmide poderiam explicar o comportamento dos clientes
  18. 18. A  psicologia  e  o  comportamento  de  compra Motivos e necessidades: -­ Hierarquia das necessidades de Maslow (fisiológicas, segurança, participação, estima e auto-­realização);; -­ Acréscimo da 6ª necessidade: auto transcendência, ou seja, necessidade de integrar-­se à comunidade humana ao invés de buscar apenas a satisfação das suas próprias necessidades;;
  19. 19. Teoria  psicanalítica Teoria de Freud envolvendo três componentes da personalidade: Id: Reino dos instintos, dos impulsos mais baixos;; Ego: Controlador dos impulsos, assegurando o comportamento socialmente desejado;; Superego: Censor do comportamento humano, avaliando, julgando e punindo a violação das normas de conduta;; Exemplo: algumas pessoas sentem-­se “culpada” em comprar a crédito – ação do superego
  20. 20. Teoria  psicanalítica A partir deste constructo, Freud distingue três tipos de personalidade: Erótica: Dominada pelo Id;; Narcisista: Preocupada com a afirmação do ego;; Obsessiva: Indivíduo dominado pelo superego;;
  21. 21. Teoria  psicanalítica Freud propôs adicionalmente: -­ Personalidade se forma durante a infância;; -­ Até os cinco anos, o indivíduo passa por três fases ou crises: oral, anal e fálica;; -­ Fases/crises são superadas de acordo com mecanismos colocados em ação;;
  22. 22. Contribuição  da  teoria  freudiana -­ Forças que moldam o comportamento de compra das pessoas são inconscientes;; -­ Dimensão simbólica da compra: produto é comprado pelo que faz e representa;; -­ No desenvolvimento de novos produtos, pode-­se definir que características irão satisfazer os clientes, de acordo com as características associadas a um dos estágios da personalidade;; Pessoa com sua fase criança bloqueada no estágio fálico tenderá a privilegiar embalagens e objetos em cone ou cilíndrico.
  23. 23. Limitações  da  teoria  freudiana -­ Conceitos e princípios não são passíveis de verificação empírica;; -­ Há evidências que a personalidade continua evoluindo após os cinco anos de idade;;
  24. 24. Cognição -­ Do Latim, cognotione: Ato de aprender a conhecer, conhecimento adquirido;; -­ Processo complexo que inclui percepção, memória e julgamento. Identifica-­se com intelecto e conhecimento. Abrange toda a diversidade de processos que geram conhecimento;;
  25. 25. Percepção  e  cognição -­ A partir da percepção, o indivíduo produz a seleção, organização e interpretação dos estímulos sensoriais que irão compor seu quadro cognitivo do mundo;; -­ O quadro cognitivo é distinto para cada indivíduo, pois é o resultado dos processos de percepção, julgamento e memória;; -­ Os estímulos do meio ambiente são percebidos de acordo com sua frequência (peças publicitárias são mostradas várias vezes num intervalo de tempo) e intensidade (nos intervalos comerciais de TV o som aumenta) a fim de que o estímulo seja percebido.
  26. 26. Percepção:  como  os  estímulos  são  guardados a) Similaridade: tendemos organizar estímulos semelhantes pertencentes à mesma categoria;; É o caso de comprarmos um produto de qualidade inferior devido a semelhança de embalagem com um produto superior.
  27. 27. Similiaridade
  28. 28. Similiaridade
  29. 29. Percepção:  como  os  estímulos  são  guardados b) Proximidade: tendemos a perceber coisas e objetos que se encontram próximos, formando um conjunto;; Produtos de marca conhecida ajuda a vender outro com a mesma marca quando são colocados próximos.
  30. 30. Proximidade
  31. 31. Percepção:  como  os  estímulos  são  guardados c) Continuidade: consumidores tendem a perceber os objetos como um todo, tendem a dar continuidade ao que está incompleto
  32. 32. Continuidade
  33. 33. Continuidade
  34. 34. Banalização  do  estímulo -­ Banalização do estímulo: uma estimulação contínua da mesma fonte, resulta numa diminuição da percepção;; -­ Hoje o cliente está tão exposto aos padrões repetitivos dos anúncios, que não presta mais atenção o que leva o anunciante a aumentar o número de repetições num círculo vicioso;;
  35. 35. Dissonância  cognitiva -­ Refere-­se ao estado psicologicamente incômodo que surge da incerteza do acerto na decisão da compra;; -­ Resultado inevitável de uma decisão, pois esta implica em escolhas. Ao escolher um produto/alternativa o consumidor pretere os demais;; Benefício   esperado Possível   dissonância Benefício   recebido
  36. 36. Dissonância  cognitiva:  como  evitar -­ É preciso que o cliente esteja plenamente satisfeito e consciente dos benefícios do produto/serviço;; Disponibilizar ampla informação relevante sobre o produto/serviço e seus benefícios. -­ Cuidar dos benefícios ofertados;; -­ Realizar pesquisa de satisfação para verificar se existe motivo real de insatisfação;;
  37. 37. DIAS, Sérgio Roberto. Gestão de Marketing. São Paulo: Saraiva, 2003. Cap. 3 KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas, 1998. Cap. 6 ROCHA, Angela. Marketing: teoria e prática no Brasil. São Paulo: Atlas, 1999. Cap. 3 Agradecimento e organização: Prof. Ana Beatriz T. Silveira Bibliografia  da  aula
  38. 38. Estudo  de  caso

×