Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Critical Thinking in Portuguese Higher Education: a systematic literature review on pedagogical practices and interventions (Portuguese)

176 views

Published on

Presentation made by Gonçalo Cruz Matos from the University of Trás-os-Montes and Alto Douro (UTAD), Portugal, at the 4th National Congress of Pedagogical Practices in Higher Education (CNaPPES.17). The congress was held in Setúbal, Portugal, during the last 13rd and 14th of July 2017.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Critical Thinking in Portuguese Higher Education: a systematic literature review on pedagogical practices and interventions (Portuguese)

  1. 1. A Educação do Pensamento Crítico no Ensino Superior Português: uma revisão sistemática sobre práticas e intervenções pedagógicas Gonçalo Cruz14, Caroline Dominguez123 e Rita Payan-Carreira15 1UTAD – Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal 2CIDTFF – Centro de Investigação em Didática e Tecnologia na Formação de Formadores, Aveiro, Portugal 3CETRAD - Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento, Vila Real, Portugal 4INESC TEC - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, Porto, Portugal 5CECAV - Centro de Ciência Animal e Veterinária, Vila Real, Portugal
  2. 2. Contexto Número de Projeto: 2016-1-PT01-KA203-022808 Financiamento: Comissão Europeia Programa: Erasmus+ / KA2 Action – Strategic Partnerships Orçamento: 397 478,00€ Duração: 2016-2019 Coordenador: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal Parceiros: Universidad de Santiago de Compostela, Spain Universita Degli Studi Roma Tre, Italy University of Western Macedonia, Greece Technological Educational Institute of Thessaly, Greece University College Dublin, Ireland Katholieke Universiteit Leuven, Belgium UC Leuven, Belgium Siuolaikiniu Didaktiku Centras, Lithuania University of Economics, Prague, Czech Republic Academia de Studii Economice din Bucuresti, Romania
  3. 3. Objetivo Q1: Será que os docentes universitários estão a desenvolver nos seus alunos, de uma forma sistemática e intencional, competências e disposições de Pensamento Crítico (PCr)? Como? Que práticas estão a ser desenvolvidas?
  4. 4. Objetivo Q2: Será que as necessidades identificadas ao nível do PCr pelas organizações e empresas estão a ser atendidas nas Instituições de Ensino Superior (IES) portuguesas? De que forma?
  5. 5. Enquadramento Uso sistemático e intencional de diferentes mecanismos de pensamento para chegar a um melhor resultado (competências) + modo de ser/estar perante esse exercício (disposições) (Ennis, 1997; Facione, 2013)
  6. 6. Método (Bennet et al., 2005) B-On (n = 29) PubMed (n = 2) EBSCO (n = 1) Scopus (n= 13) Web of Science (n = 12) RCAAP (n = 14) Redalyc (n = 5) RACO (n = 1) SciELO (n = 2) Pesquisa manual (n = 7) Artigos para análise do título e resumo: n = 86 Artigos para análise do texto completo: n = 29 Artigos incluídos: n = 23 Artigos excluídos: - Estudos que não atenderam ao critério de qualidade n = 6 Artigos excluídos: - Duplicados n = 14 - Estudos sem intervenção n = 27 - Estudos sem revisão entre pares n = 6 - Estudos fora do contexto do Ensino Superior ou fora do âmbito do PCr n = 10
  7. 7. Resultados
  8. 8. Resultados
  9. 9. Resultados Competências/Disposições • A análise, a síntese e a avaliação (6); a explicação e o questionamento (3); a argumentação (3); a metacognição (1); a tomada de decisão (2); a resolução de problemas (3); a criatividade (1); e as competências interpessoais (4). • Apenas 4 intervenções tentam desenvolver disposições de PCr nos alunos de uma forma geral, sem identificar especificamente quais. • Os referenciais teóricos mais utilizados são: as habilidades e disposições de Ennis (1987) (9); os elementos de Paul & Elder (2003) (3); os elementos de Nosich (2011) (2); e a Taxonomia SOLO (1982) (1). Alguns estudos usam referenciais específicos de cada área de conhecimento, nomeadamente ao nível das ciências da saúde (2), e da engenharia (1).
  10. 10. Resultados Recursos Situações problema, cenários de intervenção, vídeos, casos clínicos, artigos, notícias, mapas concetuais, algoritmos de diagnóstico, ferramentas online, grelhas de análise e questionamento (FRISCO; Ennis, 1996), etc. Avaliação do desenvolvimento do PCr Baseada nas perceções de professores e alunos, na apreciação geral dos artefactos de aprendizagem e, sobretudo, em intervenções desenvolvidas durante curtos períodos de tempo (1 semestre). Poucos estudos mencionam o uso de um pré e pós-teste, como o CCTT – X (Ennis & Millman, 1985) (5) ou o Teste de Criatividade TAEC (de La Torre, 1991) (1). • Incremento na qualidade dos artefactos de aprendizagem (9); • Resultados positivos ao nível da satisfação e perceções dos alunos quanto à importância do PCr e ao papel do professor e dos colegas para tal (13); • Melhorias entre pré e pós-teste (5).
  11. 11. Resultados Barreiras • Pedagógicas: avaliação e gestão da aprendizagem; predisposição dos alunos; conhecimento didático-pedagógico; falta de recursos de aprendizagem; • Organizacionais: tempo limitado; carga de trabalho; tamanho das turmas;
  12. 12. Reflexões • CRESCIMENTO DE PRÁTICAS: prioridade institucional, cultura organizacional, etc. • ALINHAMENTO COM O MERCADO DE TRABALHO/SOCIEDADE: intencionalidade, importância das disposições, etc. • APRENDIZAGEM CENTRADA NO ALUNO: potencial da aprendizagem ativa e cooperativa no desenvolvimento do PCr, na motivação e satisfação dos alunos, etc. • PROFESSOR DECISIVO: papel facilitador, conhecimento didático-pedagógico. • ESTRATÉGIAS/SOLUÇÕES PARA ULTRAPASSAR BARREIRAS: tempo, carga de trabalho, tamanho das turmas, predisposição dos alunos, avaliação, etc. • TIPOS DE ESTUDOS E INTERVENÇÕES: estudos longitudinais (transferência), experimentais (grupos de controlo, tamanho do efeito, etc.).
  13. 13. Limitações do estudo a) Acesso a documentos e bases de dados;
  14. 14. Limitações do estudo b) Uso de palavras-chave;
  15. 15. Trabalho Futuro Nova revisão com o uso de mais palavras-chave (alargando o escopo do estudo)
  16. 16. Trabalho Futuro Entrevistas com docentes de diferentes IES portuguesas (em curso)
  17. 17. Trabalho Futuro Análise a nível europeu (setembro 2017)
  18. 18. Muito obrigado pela vossa atenção! Juntem-se a nós e participem nos nossos eventos! Site: crithinkedu.utad.pt E-mail: crithinkedu@utad.pt Facebook: facebook.com/crithinkedu Twitter: @crithinkedu_EU Slideshare: slideshare.net/crithinkedu Youtube: bit.ly/crithinkeduyoutube

×