Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Arquitetura romana

192 views

Published on

Características, tecnologia, exemplos práticos e animações videográficas.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Arquitetura romana

  1. 1. M2 A cultura do Senado – A lei e a ordem do Império HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES ARQUITETURA ROMANA Entre o belo e o útil 1
  2. 2. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 2 https://bit.ly/2CKaq1x, https://bit.ly/2CLwTva, consultado a 02/01/2019 Arquiteto romano - I a.C. Obra "De Architectura" (10 volumes, aprox. 27 a 16 a.C.), único tratado europeu do período grego-romano que chegou aos nossos dias e serviu de fonte de inspiração a diversos textos sobre Arquitetura e Urbanismo, Hidráulica, Engenharia, desde o Renascimento. Os seus padrões de proporções e os seus princípios conceituais - "utilitas" (utilidade), "venustas" (beleza) e "firmitas" (solidez) -, inauguraram a base da Arquitetura Clássica MARCOS VITRÚVIO POLIÃO O ARQUITETO DE REFERÊNCIA INTEMPORAL
  3. 3. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 3 https://bit.ly/2CKaq1x, https://bit.ly/2CLwTva, consultado a 02/01/2019 “Comecei a escrever este tratado De Architectura para ti, porque verifiquei que edificaste e edificas no momento presente muitos monumentos, e no futuro te preocuparás com os edifícios públicos e privados, para que sejam entregues à memória dos vindouros como testemunho dos feitos notáveis.” (Vitrúvio, De Architectura, I, ao Imperador Octávio Augusto)
  4. 4. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 4 Reflete o caráter conquistador, eclético e utilitário dos romanos  Funcionalismo – serve uma função  Pragmatismo –tem sempre um sentido prático e utilitário para satisfazer necessidades  Racionalismo – uso do espírito racional, apoiado na matemática e geometria  Monumentalidade – a grandeza das suas construções e grandiosidade das suas obras de arte  Apologética – faz o elogio da civilização romana, mostrando a sua grandiosidade  Beleza – euritmia: harmonia ou proporção entre as partes e o todo. CARACTERÍSTICAS GERAIS
  5. 5. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 5 INFLUÊNCIAS ETRUSCAS Emprego do arco de volta perfeita Emprego da abóbada Templo elevado num pódio proeminente Cella como espaço único Construções de pontes, túneis, esgotos e estradas Paredes de tijolo cru
  6. 6. Marzabotto (Bolonha, Itália) Cidade etrusca, fundada no século VI a. C. O plano urbanístico da cidade é semelhante ao esquema grego hipodâmico e segue os princípios religiosos e o ritualismo etruscos; as casas eram retangulares e tinham um vestíbulo. Ruínas de um templo M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA INFLUÊNCIAS ETRUSCAS
  7. 7. Templo de Júpiter Capitolino, 509 a. C., maquete, planta e alçados frontal e lateral (reconstituição de um templo etrusco feita de acordo com a descrição de Vitrúvio). Possuía três celas, pois era dedicado a uma tríade de deuses: Júpiter, Juno e Minerva. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA INFLUÊNCIAS ETRUSCAS
  8. 8. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 8 INFLUÊNCIAS HELENÍSTICAS Utilização das plantas retangulares e circulares dos templos. Utilização da ordens gregas. Plano hipodâmico nas cidades.
  9. 9. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 9 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO TRADICIONAIS  Pedra, mármore, madeira, tijolo. INOVADORES  Opus caementicium (argamassa de cal, areia, materiais cerâmicos, calcário, cascalho e pozolana –material vulcânico – obtinham uma pasta moldável semelhante ao atual cimento ou betão) permite maior rapidez e economia  Revestimentos exteriores (paramentos):  Almofadados de pedra, tijolo, placas de mármore policromado, estuques, ladrilhos  Revestimentos interiores: mármores, mosaicos, estuques pintados.
  10. 10. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 10 EXEMPLOS DE DIFERENTES OPUS OPUS INCERTUM Construção feita com cimento e pedras irregularmente facetadas Revestimento com a técnica opus incertum no Templo dedicado a Lovis Anxur em Terracina, Itália https://bit.ly/2GSTSIq, consultado a 27/12/2018
  11. 11. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 11 EXEMPLOS DE DIFERENTES OPUS OPUS RECTICULATUM Construção de cimento alternando com blocos de pedra arranjadas diagonalmente como numa rede Pompeia https://bit.ly/2BImjTW, consultado a 27/12/2018
  12. 12. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 12 EXEMPLOS DE DIFERENTES OPUS OPUS QUADRATUM Construção feita com pedra talhadas em paralelepípedos, trabalhados nos seis lados Ponte de Alcântara, Cáceres, Espanha https://bit.ly/2BKeGvX, consultado a 27/12/2018
  13. 13. A. Opus caementicium revestido com paramento de opus reticulatum B. Almofadados de pedra – opus quadratum C. Almofadados em tijolo D. Paramento em mármore policromo – opus tectorium E. Revestimento em ladrilho cozido – opus testaceum A B C D E M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA TIPOS DE OPUS
  14. 14. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 14 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: O ARCO ROMANO “A mais importante característica da arquitetura romana é, porém, o uso dos arcos. Essa invenção teve reduzida ou nula importância das edificações gregas, embora possivelmente não fosse desconhecida dos arquitetos gregos. Construir um arco com pedras em forma de cunha é uma dificílima façanha de engenharia. Uma vez dominada essa arte, o construtor pode utilizá-la para projetos cada vez mais ousados. Pode multiplicar os pilares de uma ponte ou de um aqueduto, ou até fazer uso desse recurso para construir um teto abobadado. “ GOMBRICH, E.H. A História da Arte, Lisboa, Público, 2005, pág. 119
  15. 15. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 15 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: O ARCO ROMANO 1. CHAVE: Bloco superior ou aduela de topo que “fecha” ou trava a estrutura e pode ser decorada. 2. ADUELA: Bloco em cunha que compõe a zona curva do arco. 3. EXTRADORSO: Face exterior e convexa do arco. 4. IMPOSTA: Bloco superior do pilar que separa o pé- direito do bloco de onde começa a curva, a aduela de arranque. 5. INTRADORSO: Face interior e côncava do arco. 6. FLECHA: Dimensão que se prolonga desde a linha de arranque (delimitada pela imposta e pela aduela de arranque) até à face interior da chave. Esta área pode ser tapada dando lugar a um tímpano. 7. LUZ: Vão, largura do arco, geralmente maior que a sua profundidade. A relação entre a flecha e a luz é geralmente traduzida numa fração (ex: 1/2, 1/3, etc.) 8. CONTRAFORTE: Muro que suporta a impulsão do arco. Caso não exista uma parede esta impulsão pode ser recolhida por outro arco lateral e assim sucessivamente (arcada).https://goo.gl/fxRsNz consultado a 02/01/2019 1 2 3 4 5 6 7 8
  16. 16. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 16 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS  Uso do arco de volta perfeita (herança etrusca) O Arco etrusco ou Arco de Augusto ou Portão de Augusto é um dos oito portões da muralha etrusca da Perusia ou Perugia. https://bit.ly/2F4ASFo ttps://bit.ly/2VoI5oz, consultado a 02/01/2019
  17. 17. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 17 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: CIMBRE E COFRAGEM https://bit.ly/2VrDMsS, https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/downloadFile/563568428729156/6g_tecnicas_reforco_pb.pdf consultado a 02/01/2019 CIMBRE Armação provisória em madeira que sustenta as aduelas até que o arco da abóbada seja fechado COFRAGEM Molde de madeira onde é seco e moldado o cimento/betão destinado às placas e pilares
  18. 18. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 18 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: ABÓBADAS https://bit.ly/2AucA3B, https://concretoemcurva.com/2016/03/02/arquitetura-romana-ii/ consultado a 02/01/2019 Construção em forma de arco com a qual se cobrem espaços compreendidos entre muros, pilares ou colunas. Compõe-se de peças lavradas em pedra especialmente para este fim, aduelas, ou de tijolos apoiados sobre uma estrutura provisória de madeira, o cimbre.
  19. 19. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 19 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: ABÓBADAS https://bit.ly/2AucA3B, https://concretoemcurva.com/2016/03/02/arquitetura-romana-ii/ consultado a 02/01/2019 ABÓBADA DE BERÇO Exerce uma pressão contínua, centrífuga e de cima para baixo, sobre toda a parede de suporte ABÓBADA DE ARESTAS Cruzamento perpendicular de 2 abóbadas de berço, com a mesma abertura. É nos cantos que se concentra o sistema de suporte (pilares com contrafortes adossados), libertando-se as paredes.
  20. 20. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 20 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA SISTEMAS CONSTRUTIVOS: CÚPULAS https://bit.ly/1nszAH8 consultado a 02/01/2019 Abóbada hemisférica semelhante a uma taça invertida. O invólucro exterior chama-se zimbório.
  21. 21. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 21 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA https://bit.ly/1nszAH8 consultado a 02/01/2019 DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA  Conhecimentos de orografia (nuances do relevo)  Conhecimentos de topografia (acidentes geográficos)  Técnicas de terraplenagem, cofragem e cimbres (estruturas para suster e moldar)  Processos de embasamento e de suporte  Sistema de forças e de descargas  Mais solidez e mais economia de meios, materiais e mão de obra
  22. 22. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 22 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA https://bit.ly/2F4r3qc, https://bit.ly/2s59iPC, https://bit.ly/2mjge6S, consultado a 02/01/2019 DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA GNOMON OU GROMA Para estabelecer ângulos e linhas retas Como funciona?
  23. 23. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 23 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA https://bit.ly/2Tp8txu, consultado a 02/01/2019 DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA GRAMPOS DE METAL Fortalece juntas entre blocos de pedras
  24. 24. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 24 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA BARROQUISMO NA DECORAÇÃO  Exagero ornamental  Uso das ordens arquitetónicas como decoração  Criação de duas ordens arquitetónicas: toscana e compósita  Combinação de várias ordens no mesmo edifício
  25. 25. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 25 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA AS CINCO ORDENS ARQUITETÓNICAS CLASSIFICAR E ORDENAR A B C D E DÓRICA JÓNICA CORÍNTIA TOSCANA COMPÓSITA https://bit.ly/2Vnlrgh, consultado a 02/01/2019
  26. 26. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 26 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA AS NOVAS ORDENS ARQUITETÓNICAS: TOSCANA Primeira das ordens clássicas desenvolvida em Roma. Simplificação da ordem dórica. Criada na Toscana, de onde deriva seu nome. A simplicidade da deste tipo de coluna a torna elegível em lugares onde o ornamento seria supérfluo. Para Vitrúvio, é “adequada para fortificações e prisões”.Utilização de pilares em ordem toscana no Convento de São Paulo (1618), Inglaterra. https://bit.ly/2QkjXzR, consultado a 02/01/2019
  27. 27. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA 27 ESPECIFICIDADE DA ARQUITETURA ROMANA AS NOVAS ORDENS ARQUITETÓNICAS: COMPÓSITA Desenvolvida a partir da mistura das ordens clássicas jónica e coríntia. Estilo que insere ao mesmo tempo no capitel as volutas do jónico e as folhas de acanto do coríntio. É normalmente encontrada em edifícios onde a força, a elegância e a beleza são mostradas. https://bit.ly/2s3PtIJ, consultado a 02/01/2019 Capitel de pilar de ordem compósita, acervo do Museu do Palatino. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.
  28. 28. A arquitetura romana, sendo uma arte eclética, pois recebeu múltiplas influências, soube também criar uma linguagem própria através da utilização de novos materiais, de revolucionários sistemas construtivos, de inovadoras técnicas de “engenharia” e do exagero decorativo.
  29. 29. Modalidades Tipos de edifícios Arquitetura religiosa Templos, altares e santuários Arquitetura pública Termas, basílicas, teatros e pontes Arquitetura privada Villae, domus e insulae Arquitetura comemorativa Colunas e arcos de triunfo M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA ROMANA
  30. 30. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA 30 TRABALHOS PRÁTICOS APRESENTADOS PELOS ALUNOS
  31. 31. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 31 EDIFÍCIOS COMEMORATIVOS RELIGIOSOS  Destinados ao culto (e comemoração) dos Deuses e do imperador.  Desempenham simultaneamente funções religiosas, políticas e sociais.  Distinguem-se os templos, santuários e aras ou altares.  Localizados nos locais mais importantes das cidades.
  32. 32. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 32 TEMPLOS  Local de culto, é onde a influência grega é mais notória.  Originalidade: edifícios mais altos e mais imponentes com o podium (pódio - estrado em pedra) onde estes assentavam.  Planta retangular.  Um só cella.  Caráter frontal – fachada assinalada pelo pórtico e pelas escadarias de acesso.  Acesso pelo pórtico e escadaria.  Sem peristilo.  Pseudoperípteros.
  33. 33. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 33 TEMPLO DE FORTUNA VIRILIS; II a.C. https://bit.ly/2TmYGXZ, consultado a 02/01/2019
  34. 34. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 34 TEMPLO - PANTEÃO DE ROMA, c. 118-128 https://bit.ly/2TmYGXZ, consultado a 02/01/2019  O Panteão (do grego antigo “Pan: todos” e “Theon: os deuses  Encomendador: Imperador Adriano  Dedicado aos deuses da Terra (cella circular) e aos deuses do Céu (cúpula)  Cúpula em betão com 5 fiadas de caixotões (Apolodoro de Damasco) embebida nas robustas paredes  Pórtico reaproveitado das Termas de Agripa aí existentes  Cella única, circular; cúpula de betão  Revestimento com mármores polícromos  Globo celeste assentando sobre a Terra
  35. 35. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 35 TEMPLO - PANTEÃO DE ROMA, c. 118-128 https://bit.ly/2IFcRDV, consultado a 02/01/2019
  36. 36. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 36 TEMPLO - PANTEÃO DE ROMA, c. 118-128 https://bit.ly/2R5Gt4H, consultado a 02/01/2019
  37. 37. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 37 TEMPLO - PANTEÃO DE ROMA, c. 118-128 https://bit.ly/2R5Gt4H, consultado a 02/01/2019
  38. 38. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 38 TEMPLO - PANTEÃO DE ROMA, c. 118-128 https://bit.ly/2R5Gt4H, consultado a 02/01/2019
  39. 39. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 39 ALTARES OU ARAS  Normalmente pequenos altares em forma de mesa  Encontravam-se por todo o império  Locais de oferendas e sacrifícios Altar romano em casa de Pompeia https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  40. 40. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 40 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2R5Gt4H, https://pt.wikipedia.org/wiki/Ara_Pacis, consultado a 02/01/2019  Pequeno templo paralelepipédico sobre um pódio  Rodeado por um muro decorado com relevos  Interior com motivos vegetalistas  Exterior procissão com Augusto como protagonista
  41. 41. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 41 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  42. 42. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 42 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  43. 43. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 43 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  44. 44. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 44 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  45. 45. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 45 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  46. 46. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 46 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  47. 47. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 47 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  48. 48. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 48 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  49. 49. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 49 ARA PACIS DE AUGUSTO, Roma, 13-9 a. C. https://bit.ly/2GRXfQa, consultado a 02/01/2019
  50. 50. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA RELIGIOSA 50 SANTUÁRIO FORTUNA PRIMIGÉNIA, PALESTRINA, 82 a.C. https://bit.ly/2CS4Zh1, consultado a 06/01/2019 Complexo religioso que mistura as influências etruscas e gregas Erigido em homenagem à deusa Fortuna (sorte) Construído com opus incertum.
  51. 51. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA 51 AQUEDUTO-PONTE DO GARD, FRANÇA, I a.C. https://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_do_Gard, consultado a 06/01/2019 49 m de altura, 275 m de comprimento. A distribuição dos arcos: nível inferior: 7 arcos, 142 m de comprimento, 6 m de espessura, 22 m de altura nível médio: 11 arcos, 242 m de comprimento, 4 m de espessura, 20 m de altura nível superior: 35 arcos, 275 m de comprimento, 3 m de espessura, 7 m de altura
  52. 52. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA 52 AQUEDUTO DE SEGÓVIA, ESPANHA, I a.C. https://pt.wikipedia.org/wiki/Ponte_do_Gard, consultado a 06/01/2019 49 m de altura, 275 m de comprimento. A distribuição dos arcos: nível inferior: 7 arcos, 142 m de comprimento, 6 m de espessura, 22 m de altura nível médio: 11 arcos, 242 m de comprimento, 4 m de espessura, 20 m de altura nível superior: 35 arcos, 275 m de comprimento, 3 m de espessura, 7 m de altura
  53. 53. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA 53 BASÍLICA DE MAXÊNCIO, ROMA, 308 https://pt.wikipedia.org/wiki/Bas%C3%ADlica_de_Max%C3%AAncio, consultado a 06/01/2019 Arcadas, varandas, colunas… Funções: cortes de justiça, local de negócios, ponto de encontro. A partir do imperador Constantino passa a modelo para a construção das primeiras grandes igrejas. O termo "basílica" passou a designar unicamente grandes igrejas ou catedrais, um sentido preservado até os dias de hoje na língua portuguesa. Basílica em Leptis Magna Basílica em Pompeia
  54. 54. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 54 TEATRO DE MARCELO, ROMA, I a.C. https://revistadehistoria.es/el-teatro-marcelo/, consultado a 06/01/2019 Realização de espetáculos de teatro e música. 111 metros de diâmetro e era o maior e mais importante teatro da antiga Roma até a construção do Coliseu Capacidade para 11 000 a 20 000 espetadores. Construído com opus reticulatum e revestido por mármore branco. Ornamentação com um padrão de colunas embutidas das antigas ordens gregas: dórica no topo e jónica no meio.
  55. 55. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 55 ANFITEATRO FLAVIANO OU COLISEU DE ROMA, séc. I https://pt.wikipedia.org/wiki/Coliseu, consultado a 06/01/2019 50 mil e 80 mil espectadores, com audiência média de 65 mil pessoas. Função: combates de gladiadores, simulações de batalhas marítimas, caçadas, execuções, encenações de batalhas famosas e dramas baseados na mitologia clássica. Encomendadores: imperadores Vespasiano em 72 e Tito em 80. Construção: mármore, pedra travertina, ladrilho e opus caementincium Planta elíptica com 190 metros por 155 metros.
  56. 56. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 56 ANFITEATRO FLAVIANO OU COLISEU DE ROMA, séc. I https://pt.wikipedia.org/wiki/Coliseu, consultado a 06/01/2019 A fachada com arcadas decoradas com colunas dóricas, jónicas e coríntias. Assentos em mármore. Cavea, escadaria ou arquibancada, dividia-se em três partes, de acordo com as classes sociais: o pódio, para as classes altas; as maeniana, para classe média; e os portici, ou pórticos, construídos em madeira, para a plebe e as mulheres. O pulvinar, a tribuna imperial, encontrava-se situada no pódio e era balizada pelos assentos reservados aos senadores e magistrados.
  57. 57. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 57 ANFITEATRO FLAVIANO OU COLISEU DE ROMA, séc. I A fachada com arcadas decoradas com colunas dóricas, jónicas e coríntias. Assentos em mármore.
  58. 58. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 58 ESTÁDIO – CIRCO MÁXIMO, ROMA https://pt.wikipedia.org/wiki/Circo_M%C3%A1ximo, consultado a 06/01/2019 621 metros de comprimento e 118 metros de largura ; 150 000 espetadores Arena dedicada aos jogos públicos realizados nos principais festivais religiosos
  59. 59. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 59 TERMAS DE CARACALA, ROMA, 212-217 Equipamento importante e popular Abarcava várias atividades de lazer, a cultura e a diversão. Função balnear, com bibliotecas, teatros, lojas, espaços para reuniões, ginásios e áreas com fontes, jardins e esculturas onde se ouvia música, poesia ou tratava de negócios. As termas eram públicas e gratuitas.
  60. 60. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PÚBLICA DE LAZER 60 TERMAS DE CARACALA, ROMA, 212-217 Utilizado o opus caementicium e o revestimento em pedra Complexidade técnica com sucessivas abóbadas de berço Podiam acolher mais de 1600 pessoas de um único sexo. Área coberta de mais de 13 hectares com caldarium, tepidarium, frigidarium natatio
  61. 61. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 61 COLUNA DE TRAJANO, ROMA, 112-114 Localização: Fórum de Trajano Encomendador: imperador Trajano Artista que concebe: Apolodoro de Damasco Construção: mármore de Paros, num fuste de 17 tambores esculpidos em relevos; 40 mt altura; 3 mt diâmetro Objetivo: engrandecer Roma Funções: funerárias e comemorativas NUNES, Paulo Simões, História da Cultura e das Artes, 10, Porto Editora (guiões de exploração fornecidos ao professor https://pt.wikipedia.org/wiki/Coluna_de_Trajano, consultado a 06/01/2019
  62. 62. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 62 COLUNA DE TRAJANO, ROMA, 112-114 Análise formal Levanta-se sobre um embasamento (com as cinzas do Imperador) decorado com uma série de armas e adereços militares, a que se segue um plinto decorado com louros, depois o fuste e o capitel numa altura total de 38 metros. Era rematada com uma águia, substituída posteriormente por uma estátua do Imperador. (Em 1587 colocada a estátua de S. Pedro). O acesso ao topo feito por escada em caracol interior, iluminada por pequenas fenestrações. NUNES, Paulo Simões, História da Cultura e das Artes, 10, Porto Editora (guiões de exploração fornecidos ao professor https://pt.wikipedia.org/wiki/Circo_M%C3%A1ximo, consultado a 06/01/2019
  63. 63. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 63 COLUNA DE TRAJANO, ROMA, 112-114 Análise temática e significados Relevo histórico comemorativo das campanhas vitoriosas de Trajano na Dácia (atual Roménia, Moldávia…) (101-102 e 105-107), um monumento de clara propaganda política do Imperador que, ao longo da Coluna, surge representado mais de 60 vezes. O longo friso de 200 metros apresenta vários episódios como batalhas, assaltos, pilhagens e acampamentos militares, entre outros, integrando cerca de 2500 figuras com expressões e atitudes individualizadas, representadas com enorme realismo. NUNES, Paulo Simões, História da Cultura e das Artes, 10, Porto Editora (guiões de exploração fornecidos ao professor https://pt.wikipedia.org/wiki/Trajano ,consultado a 06/01/2019
  64. 64. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 64 COLUNA DE TRAJANO, ROMA, 112-114 Análise temática e significados Permite conhecimento das sucessivas operações que as tropas tiveram que concretizar, desde a construção de pontes de barcos até à batalha. As figuras têm um tratamento anatómico correto e realismo que pretende acentuar as distintas atitudes das personagens em função da ação que se desenvolve, isto é, sem idealizações nem arquétipos de qualquer ordem. Apenas o Imperador surge representado numa escala ligeiramente superior, numa hierarquização que permite facilmente identificá-lo e, assim, contribuir para a exaltação da sua glória e imortalização. NUNES, Paulo Simões, História da Cultura e das Artes, 10, Porto Editora (guiões de exploração fornecidos ao professor https://bit.ly/2AAhZpV,consultado a 06/01/2019
  65. 65. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 65 COLUNA DE TRAJANO, ROMA, 112-114 Análise temática e significados Friso em espiral foi um enquadramento novo para a narrativa histórica exigindo do escultor: descrição visual explícita devido à ausência de inscrições explicativas; coerência interna de cada cena de forma a manter a continuidade visual; relevos suaves a fim de evitar excessivas sombras que dificultariam a leitura das cenas. Precioso documento visual acerca de aspetos da vida material na Roma do século II. Protótipo que viria a ter continuidade noutras obras posteriores como, por exemplo, a Coluna de Marco Aurélio ou, mais recentemente, a Coluna da Place Vendome, em Paris. NUNES, Paulo Simões, História da Cultura e das Artes, 10, Porto Editora (guiões de exploração fornecidos ao professor https://bit.ly/2saXknL,consultado a 06/01/2019
  66. 66. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA COMEMORATIVA 66 ARCO DE CONSTANTINO, ROMA, 315 Encomendador: Senado Romano Objetivo: comemorar a vitória do imperador Constantino sobre Maxêncio na Batalha da Ponte Mílvia em 312. Função: comemorativa Análise formal 21 metros de altura, 25,9 de largura e 7,4 de profundidade. Há três arcos de passagem, o central com 11,5 metros de altura e 6,5 de largura e os laterais com 7,4 metros de altura e 3,4 metros de largura cada um. Ricamente decorado e incorpora partes elementos decorativos de monumentos mais antigos. https://pt.wikipedia.org/wiki/Arco_de_Constantino , consultado a 06/01/2019
  67. 67. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PRIVADA 67 CASA DOS VETTI, POMPEIA Domus Pertencia a Aulo Vettio Restituto e a Aulo Vettio Conviva Peristilo de colunas dóricas Excelentes afrescos https://pt.wikipedia.org/wiki/Casa_dos_Vettii, consultado a 06/01/2019
  68. 68. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PRIVADA 68 CASA DOS VETTI, POMPEIA https://bit.ly/2LSios9 consultado a 06/01/2019
  69. 69. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PRIVADA 69 VILLA DE ADRIANO, TIVOLI, séc. II Complexo palaciano construído para o imperador Adriano
  70. 70. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PRIVADA 70 VILLA – CERRO DA VILA, VILAMOURA
  71. 71. M2 - A cultura do Senado ARQUITETURA PRIVADA 71 INSULAE Os romanos mais pobres viviam numa espécie de prédios que tinham entre 5 a 6 andares. Diz-se que pareciam ilhas e por isso deu-se o nome a estas casas de insulae. Esses andares estavam construídos em ruas estreitas. O andar inferior das ínsulae possuía lojas para a venda de produtos. No interior destas casas o mobiliário era pobre e em número muito reduzido. Existiam apenas uma ou duas camas, um banco ou uma cadeira. Nestes prédios não existia água, essencial para cozinhar e para a higiene pessoal, nem instalações sanitárias. As necessidades eram feitas em latrinas e nas termas públicas. https://bit.ly/2CRWpPk, consultado a 06/01/2019
  72. 72. HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES Arquitetura romana 72 Professora Cristina Barcoso Lourenço maria.barcoso@agr-tc.pt historia.cultura.artes.faro@gmail.com FB: https://www.facebook.com/HCA.AETC/ Consultas: https://pt.slideshare.net/bolotinha73/mdulo-2-arquitetura-romana?qid=3777fd1f-6255-4c88-8497-9321bb0ff333&v=&b=&from_search=3 https://pt.slideshare.net/abaj/arquitetura-romana-i Powerpoint do manual da Porto Editora Definições usadas adaptadas de SILVA, Jorge Henrique Pais da; CALADO, Margarida – Dicionário de termos de arte e arquitetura, Lisboa, Editorial Presença, 2005 M2 A cultura do Senado – A lei e a ordem do Império

×