Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Upcoming SlideShare
Literatura - intertextualidade - leitura
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

2

Share

Download to read offline

Realismo e Naturalismo

Download to read offline

Literatura: Realismo e Naturalismo

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all

Realismo e Naturalismo

  1. 1. Realismo e Naturalismo no Brasil Professora: Mª Cristina A. Biagio Pinturas de Jean François Millet
  2. 2. O Realismo surgiu como escola artístico-literária nas últimas décadas do século XIX. Apresentava uma nítida oposição aos valores cultivados pela estética romântica. Contexto: Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os escritores realistas empenharam-se em retratar o homem e a sociedade em conjunto. .
  3. 3. Tríade Machadiana: Memórias Póstumas de Brás Cubas Dom Casmurro Quincas Borba Realismo e Naturalismo no Brasil - Prosa Realismo Prosa Naturalismo Prosa Parnasianismo Poesia Final do Século XIX 1881 Memórias Póstumas de Brás Cubas Machado de Assis Tríade de Aluísio de Azevedo O mulato Casa de Pensão O Cortiço O Mulato, de Aluísio de Azevedo
  4. 4. Projeto Literário do RealismoProjeto Literário do Realismo Representação da realidade – denunciar aspectos negativos da sociedade Olhar mais racional, objetivo e crítico Temas de interesse coletivo: •Adultério •Opressão •Corrupção •Mazelas da sociedade
  5. 5. Influências: Determinismo: Hipollyte Taine •O homem é influenciado pelo meio, pela raça e pelo histórico. Positivismo: August Comte •Fato, razão, ciência, “ordem e progresso” (Lema da Bandeira) •Objetividade •Positivo útil, real, preciso. Evolucionismo – Charles Darwin •Origem das espécies – seleção natural; Socialismo – Karl Max e Engels •Análise crítica e científica do capitalismo; •Materialismo histórico.
  6. 6. Livros Realistas mais importantes – Tema: Adultério Na França: Madame Bovary, de Gustave Flaubert “Ofensa à moral pública”. Em Portugal: O primo Basílio, de Eça de Queirós “A destruição das ilusões românticas”. No Brasil: Dom Casmurro, de Machado de Assis.
  7. 7. Machado de Assis e sua obra: Um cético analisa a sociedade Duas fases: •Fase Romântica – As histórias de amor envolvem sempre dinheiro, família, casamento. Ressurreição (1872); A mão e a luva (1874), Helena (1876) e Iaiá Garcia (1878). •Fase Realista: Melancolia e sarcasmo Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881); Quincas Borba (1891); Dom Casmurro (1899); Esaú e Jacó (1904); Memorial de Aires (1908). Escreveu poemas, contos, crônicas e críticas literárias. •“Eu gosto de catar o mínimo e o escondido. Onde ninguém mete o nariz, aí entra o meu, com a curiosidade estreita e aguda que descobre o encoberto.”
  8. 8. Machado de Assis também não conseguiu agradar a todos “A obra do Sr. Machado de Assis é deficiente, senão falsa, no fundo, porque não enfrenta o verdadeiro problema que se propôs a resolver e só filosofou sobre caráteres de uma vulgaridade perfeita; é deficiente na forma, porque não há nitidez, não há desenho, mas bocejos, não há coloridos, mas pinceladas ao acaso.” Urbano Duarte - sobre o Livro Memórias Póstumas de Brás Cubas Felizmente... A crítica construtiva foi muito mais intensa. “O esplêndido achado do romance, serem memórias escritas por um morto, acrescenta um efeito adicional a esses cuidados reguladores com aquilo que o leitor pensa. [...] pedir ao leitor que tenha paciência com a tendência do narrador para a frivolidade é também uma manobra de sedução, tal como prometer emoções fortes e conhecimentos novos.” Susan Sontag (1933-2004) – escritora norte-americana
  9. 9. Machado de Assis • Memórias Póstumas de Brás Cubas - As afrontas de um “defunto autor”. • Dom Casmurro - Os mistérios da alma humana. “Olhos de cigana oblíqua e dissimulada.” •Quincas Borba – Teoria do Humanitismo - “...ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas.” Aluísio de Azevedo •O Cortiço - os mais variados tipos humanos: trabalhadores, prostitutas, lavadeiras, homossexuais. Palavras-chave para os livros
  10. 10. Diferenças entre o Realismo e o Naturalismo Realismo: Visão biológica do homem. Naturalismo: Visão Patológica do homem. Realismo Naturalismo Razão/Objetividade. Razão/Objetividade. Indivíduo. Coletivo. Análise Psicológica. Determinismo. Burguesia. Proletariado. Hipocrisia. Herói problemático – cheio de fraquezas, manias e incertezas. Narrativa lenta – descrição minuciosa. Despreocupação com a moral Temas de patologia social – o homem descrito como um animal. Narrativa lenta – descrição minuciosa.
  11. 11. Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas. Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada, sete horas de chumbo. […]. O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e rezingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sanguínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra. AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. 15. ed. São Paulo: Ática,1984. p. 28-29.
  12. 12. http://mundoestranho.abril.com.br/cultura/como-era-a-vizinhanca-do-livro- o-cortico/
  13. 13. Características de O Cortiço: •crítica ao capitalismo selvagem; •higienização dos centros urbanos ( separação entre ricos e pobres - o Rio de Janeiro era conhecido como “Porto Sujo” ou “Cidade da Morte”, um lugar evitado pelos viajantes – antes das reformas de Pereira Passos); •animalização versus humanização; (zoomorfização do homem – como “uma anta bravia” e antropomorfização – o cortiço “acordava”, “batia palmas”, “se espreguiçava.” •portugueses versus brasileiros ( os portugueses são superiores).
  14. 14. O Realismo na Pintura
  15. 15. "Oração ao Final do Dia" - Jean François Millet Pintor realista francês (1814-1875)
  16. 16. "O Semeador" - Jean François Millet Pintor realista francês (1814-1875)
  17. 17. Intertextualidade - "O Semeador" - Van Gogh – Expressionismo Pintor holandês (1853-1890)
  • marlymaria334

    Jun. 12, 2017
  • thiagomolick

    Sep. 12, 2015

Literatura: Realismo e Naturalismo

Views

Total views

4,464

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

792

Actions

Downloads

139

Shares

0

Comments

0

Likes

2

×