Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cria - Valor compartilhado

6,938 views

Published on

Apresentação da Cria Global sobre o conceito de Valor Compartilhado

Published in: Education

Cria - Valor compartilhado

  1. 1. Negócios de Valor Compartilhado
  2. 2. Contexto
  3. 3. vivemos em tempos de alta incerteza e mudanças rápidas A população global está crescendo e vai chegar a 9,5 bilhões de pessoas em 2050. A chamada base da pirâmide vai compor dois-terços disso. Nossa espécie já utiliza mais de 1,5 vezes os recursos que a natureza consegue regenerar anualmente. A tecnologia cresce exponencialmente, rompendo algumas indústrias e criando outras que não existiam. Com a sociedade e economia cada vez mais em rede, novos valores e níveis de consciência estão emergindo.
  4. 4. Os negócios, muitas vezes, vistos como propulsores dos problemas sociais, começam a se questionar sobre o seu real papel na sociedade. Como deve ser o novo modelo de negócios sustentável e compatível com a necessidade de cuidar do planeta e das pessoas? Esse novo modelo de negócios é o que chamamos de valor compartilhado.
  5. 5. O que é valor compartilhado?
  6. 6. VALOR COMPARTILHADO Existem vários conceitos e autores que definem a nova forma sustentável de pensar e fazer negócios, como por exemplo: Capitalismo Consciente, The Natural Step, Valor Compartilhado e outros. Para esclarecer o tema de forma didática, optou-se pelo conceito de VALOR COMPARTILHADO. O termo “Valor Compartilhado” foi criado por Michael Porter e Mark R. Kramer em 2006 e introduzido através da Harvard Business Review. Valor compartilhado não é responsabilidade social, filantropia ou sustentabilidade, mas uma nova forma de obter sucesso econômico, compreendendo que o êxito da empresa depende do sucesso e sustentabilidade da sociedade e dos recursos naturais. É preciso reconectar o sucesso da empresa ao progresso social. Acreditamos que essa abordagem representa o próximo nível dentro de uma perspectiva evolutiva dos negócios.
  7. 7. VALOR COMPARTILHADO “O lucro que envolve um propósito social é uma forma superior de capitalismo - forma que permitirá a sociedade avançar mais rapidamente e, as empresas, crescer ainda mais.” MICHAEL PORTER Benefícios econômicos + Benefícios sociais + Benefícios ambientais Custos econômicos + Custos sociais + Custos ambientais >1
  8. 8. EVOLUÇÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE NOS NEGÓCIOS O valor compartilhado define um novo conceito de sustentabilidade nos negócios que repensa o que é responsabilidade social corporativa. A visão de geração de valor nos negócios além do valor financeiro tem evoluído nos últimos anos: 1.Filantropia e caridade • Doação de dinheiro, tempo e expertise • Pouco impacto estratégico e operacional 2.RSE como gestão de risco • Cumprimento de normas • Pouco impacto estratégico, médio impacto operacional 3.RSE como sustentabilidade • Redução de prejuízo • Impacto estratégico e operacional 4.Négocios de valor compartilhado • Inovação e criação de valor • Alto impacto estratégico, novo paradigma operacional
  9. 9. MATRIZ DOS NEGÓCIOS DO FUTURO gerar valor para shareholders BUSINESS AS USUAL OPORTUNISMO Sustentabilidade + inovação core business: venda de produto/serviço core business: resolver um problema social VALOR COMPARTILHADO SOCIAL BUSINESS gerar valor para stakeholders
  10. 10. MATRIZ DOS NEGÓCIOS DO FUTURO gerar valor para shareholders Banco que oferece microcréditos a pequenas empresas e empréstimos para a base da pirâmide com altas taxas de juros. Venda do produto com lucro para acionistas. core business: venda de produto/serviço core business: resolver um problema social Empresa produtora de roupas e artigos esportivos alinhados com a conservação e proteção ambiental. Usam o negócio para inspirar e gerar impacto positivo para o meio ambiente. Negócio social para melhorar a qualidade de vida de pessoas que não têm acesso a energia. através da produção e distribuição de produtos que geram energia solar. gerar valor para stakeholders
  11. 11. Criação de estratégia de valor compartilhado
  12. 12. CRIAÇÃO DE ESTRATÉGIA DE VALOR COMPARTILHADO desafios e oportunidades As competências essenciais são os valores e ativos da empresa que a torna única competências essenciais Os desafios e oportunidades de negócios necessidades Necessidades dos diversos stakeholders que a empresa se relaciona (clientes, fornecedores, funcionários, sociedade). No encontro da competências essenciais da empresa, as necessidades dos stakeholders e os desafios de negócios, surge a estratégia de valor compartilhado.
  13. 13. CRIAÇÃO DE ESTRATÉGIA DE VALOR COMPARTILHADO As empresas podem gerar valor compartilhado em diversos formatos de iniciativas. Desde a criação de campanhas, passando por mudanças operacionais, até a criação de novos negócios. A ideia é ajudar a organizar as iniciativas existentes dentro de uma estratégia única de valor compartilhado e na identificação de áreas de oportunidades neste contexto.
  14. 14. CRIAÇÃO DE ESTRATÉGIA DE VALOR COMPARTILHADO As iniciativas podem ser organizadas, por exemplo, por tipo: MOBILIZAR A SOCIEDADE Campanha Social ou Educacional RESOLVER UM PROBLEMA SOCIAL Campanha Causa Negócio Social Mobilização de pessoas em pós de uma causa/ ação NÍVEL DE ALINHAMENTO REQUERIDO COM O CORE BUSINESS INVESTIMENTO SOCIAL Programa sem fins lucrativos para resolver problema social Operação Valor Compartilhado Negócio Valor Compartilhado DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO Sensibilização do público sobre um problema social Programa Social PROMOVER RELAÇÕES BENÉFICAS MULTILATERAIS Negócio com baixa renda que busca resolver problema social NÍVEL DE ALINHAMENTO REQUERIDO COM O CORE BUSINESS VALOR COMPARTILHADO Oportunidades benéficas multilaterais dentro dos processos Novo negócio com maior valor possível para todos os envolvidos NÍVEL DE ALINHAMENTO REQUERIDO COM O CORE BUSINESS
  15. 15. INVESTIMENTO SOCIAL E VALOR COMPARTILHADO E EXEMPLOS DE CASES Investimentos sociais são impulsionadores para a criação de negócios de valor compartilhado. Deve-se alinhar o core business com as iniciativas de investimento social. INVESTIMENTO SOCIAL VALOR COMPARTILHADO CAMPANHA SOCIAL: Girl Efect NEGÓCIO SOCIAL: Coletivo Nike criou a campanha Girl Effect que proporciona educação, acesso a saúde e uma nova perspectiva de vida para meninas adolescentes, através de uma plataforma online para doações e um movimento de conscientização. (h p://www.girleffect.org/) Projeto da Coca-Cola que capacita jovens das classes C e D para o mercado de trabalho. Além de empoderar os jovens, a iniciativa melhora a eficiência de cadeia de valor da empresa, pois oferece oportunidade de contratação no sistema Coca-Cola e em varejistas. (h p://www.coletivococacola.com.br) CAMPANHA CAUSA: Starbucks Red A iniciativa Starbucks que destina parte dos fundos da compra de produtos e da compra através de um cartão especial para combater o HIV na África. (h p://www.starbucks.com/responsibility/community/starbucks-red) PROBLEMA SOCIAL: Starbucks Youth Action Grants Através da Starbucks Foundation, o programa investe dinheiro para estimular os jovens a criarem soluções positivas para os desafios das suas comunidades locais. (h p://www.starbucks.ca/responsibility/community/youth-action) OPERAÇÃO VALOR COMPARTILHADO: Nike Environmental Design Tools A Nike desenvolveu uma ferramenta que disponibiliza informações e métodos para auxiliar os designers a desenvolver roupas e sapatos sustentáveis. A proposta é minimizar os impactos negativos no meio ambiente. (h p://www.nikebiz.com/Default.aspx) NEGÓCIO VALOR COMPARTILHADO: The GreenXChange Iniciativa liderada pela Nike em que 10 empresas, entre elas Yahoo e Bestbuy que compartilham a propriedade intelectual de tecnologias sustentáveis através de um plataforma online. (h p:// www.greenxchange.cc)
  16. 16. Dimensões de valor compartilhado
  17. 17. DIMENSÕES DE VALOR COMPARTILHADO Existem 3 dimensões de valor compartilhado: PRODUTO E MERCADO PRODUTIVIDADE DA CADEIA DE VALOR DESENVOLVIMENTO LOCAL Desenhar produtos, serviços e modelos de negócios que atendem a sociedade de forma mais abrangente Redefinir a produtividade da cadeia de valor através de inovações sociais e/ou ambientais Desenvolvimento saudável dos negócios gerando melhores condições sociais para a comunidade a sua volta • Abrir novos mercados • Identificar espaços de impacto • Trabalho colaborativo das positivo social/ ambiental na cadeia de fornecimento visando o aumento da produtividade empresas para gerar o desenvolvimento local de comunidades e do meio ambiente atendendo necessidades não atendidas em comunidades desasistidas • Novos modelos de distribuição e marketing • Aumento da energia entre empresa e sua cadeia de valor
  18. 18. Cases categorizados por nível de valor compartilhado
  19. 19. PRODUTO E MERCADO Bike Rio Bicicletas como novo modal de transporte É um projeto sustentável da Prefeitura do Rio em parceria com o Banco Itaú e o sistema de bicicletas de SAMBA, o qual disponibiliza bicicletas em vários pontos da cidade. A iniciativa tem 4 objetivos: introduzir a bicicleta como modal de transporte público saudável e não poluente, incentivar a prática de hábitos saudáveis da população, reduzir o engarrafamento e poluição nas áreas centrais e promover a humanização do centro humano e o senso de responsabilidade social das pessoas. O projeto conta com mais de 60 estações e 600 bicicletas distribuídas pela cidade. http://www.mobilicidade.com.br/bikerio.asp
  20. 20. PRODUTO E MERCADO Embrace Bolsa incubadora para proteger bêbes em regiões sem acesso a saúde Em parceira com a GE, a Embrace desenvolveu um produto inovador para bebês prematuros e recém nascidos abaixo do peso, em comunidades de países em desenvolvimento onde a população não tem acesso aos avanços médicos. O problema é que os recém-nascidos sem os cuidados necessários sofrem hipotermia e acabam morrendo. Para solucionar este problema, a Embrace criou uma “bolsa incubadora” similar a um saco de dormir que custa muito mais barato do que outras soluções e funciona sem fornecimento contínuo de eletricidade. http://embraceglobal.org/
  21. 21. PRODUTO E MERCADO Natura Sou Linha de produtos sustentáveis e com preços acessíveis A nova linha de produtos Natura representa uma nova forma de pensar em sustentabilidade e consumo consciente, cujo objetivo é apresentar cosméticos de preço acessível com o mínimo de impacto ambiental. Os novos produtos baseiam-se em um processo de produção eficiente, com foco em redução de desperdício, menos gasto com energia e a utilização de apenas ingredientes fundamentais para a essência do produto (produção sem excessos). Além disso, o objetivo da nova linha é ter produtos acessíveis aos consumidores. As embalagens tem 70% a menos de plástico, emitem 60% menos de gases poluentes e são recicláveis. http://www.natura.com.br/nossasmarcas/sou
  22. 22. PRODUTO E MERCADO Grameen Danone Foods Iogurte com alto valor nutricional para combate da desnutrição Uma join venture criada em 2006 pelo Grameen Bank e a Danone com os objetivos de reduzir a desnutrição infantil em Bangladesh, reduzir a pobreza e melhorar as condições de vida da comunidade (através da criação de empregos e capacitação), preservar recursos não renováveis e promover um modelo auto-sustentável. O projeto produz iogurte com alto valor nutricional e com um preço acessível. A iniciativa gera empregos para as mulheres da comunidade, elas vendem o iogurte da Danone, o que potencializa a economia local e gera melhores oportunidades de vida. Vale destacar que a embalagem do iogurte é biodegradável, o que é mais sustentável e ainda, não necessita de refrigeração. http://www.danone.com/en/what-s-new/focus-4.html
  23. 23. PRODUTIVIDADE DA CADEIA DE VALOR BMW "Today for tomorrow”- Programa compatível com a nova realidade demográfica Em 2017, a média de idade dos trabalhadores será igual a 47 anos, 6 anos a mais do a média atual. O objetivo do programa é garantir através de pequenas mudanças que as condições de trabalho estejam adequadas com a faixa etária dos colaboradores. As mudanças envolvem técnicas como design ergonômico, diversificação das atividades, redução de força física, utilização de novos materiais. Com isso, os trabalhadores têm uma vida mais saudável e ainda, são mais produtivos (7% de crescimento de produtividade). Além disso, o programa conta com a presença de preparadores físicos na fábrica para ensinar exercícios físicos e fornecer dicas de saúde aos colaboradores. http://www.bmwgroup.com/e/0_0_www_bmwgroup_com/verantwortung/whats_next/demografischer_wandel.html
  24. 24. PRODUTIVIDADE DA CADEIA DE VALOR Mars Inovação em práticas agrícolas para aumento da produtividade e empoderamento dos agricultores A Mars, um dos maiores produtores de chocolate do mundo e a FSG, consultoria especializada em valor compartilhado desenvolveram uma estratégia sustentável para a revitalização do setor do cacau na Costa do Marfim. A solução visava beneficiar a empresa, os agricultores da comunidade local e o meio ambiente, através de inovações em ciências agrícolas e transferência de tecnologias-chave para o aumento da produtividade. http://www.fsg.org/tabid/192/ArticleId/467/Default.aspx?srpush=true A empresa ganhou produtividade e qualidade, o que gerou o empoderamento dos agricultores da comunidades rurais para melhores condições de vida. Além disso, através da utilização de boas práticas de gestão ambiental, houve o aumento da fertilidade do solo nas áreas de cultivo, reduzindo a expansão da produção em áreas de proteção ambiental.
  25. 25. PRODUTIVIDADE DA CADEIA DE VALOR Nestlé até você Capacitação de microdistribuidores e revendedoras Nestlé Em 2006, a Nestlé criou o sistema de venda porta a porta para ampliar os seus canais de venda, permitir o acesso da população de baixa renda ao consumo de alimentos com qualidade nutricional superior. Além disso, o sistema dinamiza a economia, pois gera renda e fornece capacitação para microdistribuidores e revendedores, o que amplia as oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional. O programa tem sido ainda um parceiro nas políticas públicas de erradicação da pobreza no Brasil, pois atua em territórios com baixos índices de desenvolvimento humano. O programa já conta com mais de 235 microdistribuidores e 7.700 revendedoras autônomas https://www.nestle.com.br/portalnestle/nestleatevoce/Default.aspx
  26. 26. PRODUTIVIDADE DA CADEIA DE VALOR ColaLife Transporte de medicamentos via distribuição de canais Coca-Cola A distribuição da Coca-cola alcança todos os lugares, até mesmo onde os medicamentos essenciais dificilmente chegam, como em comunidades rurais dos países em desenvolvimento. Nessas comunidades, muitas crianças morrem por falta de medicamentos. Os custos de transporte dos medicamentos são muito altos. O projeto ColaLife utiliza a cadeia de fornecimento da Coca-Cola para a distribuição de produtos que salvam vidas. Para isso, foi desenvolvida uma embalagem adaptável para os espaços não utilizados da caixa que carrega a bebida. http://www.colalife.org/about/
  27. 27. DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE LOCAL Coletivo Floresta Empoderamento das comunidades extrativistas do Amazonas Recentemente, a Coca-Cola Brasil lançou a nova bebida Del Valle Reserva Açaí + Banana e ao mesmo tempo, criou um projeto inovador para desenvolver a cadeia de valor do açaí produzido pelas comunidades extrativistas do Amazonas. O projeto Coletivo Floresta é uma parceria da Coca-Cola Brasil com o Estado do Amazonas e tem 3 frentes principais: estimular o empoderamento das comunidades, fornecer assistência técnica e promover o acesso a uma cadeia de preço justo. No primeiro ano, a expectativa é impactar diretamente 600 famílias extrativistas e, indiretamente, 1.200, em cerca de 50 comunidades. http://www.cocacolabrasil.com.br/imprensa/release/coca-cola-lanca-bebida-deacai-com-banana-que-traz-projeto-inovador-de-transformacao-social/ “Este é um projeto de valor compartilhado. Ao desenvolvermos a região e incluirmos o produto em nosso portfólio, vamos conseguir atingir dois objetivos: gerar lucro e transformação social, além de entregar para nossos consumidores um produto de alta qualidade”, afirma a diretora de Negócios Sociais, Claudia Lorenzo.
  28. 28. DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE LOCAL Clean Team Acesso ao saneamento básico em comunidades carentes A IDEO e a Unilever se juntaram para garantir o acesso a esgoto para as comunidades desassistidas dos países em desenvolvimento. A solução foi um projeto de banheiro útil, barato e higiênico para melhorar as condições de vida e de saúde para a baixa renda. A privada contém um químico que faz a biodigestão dos resíduos com um depositório removível, um coletor da comunidade passa coletando os resíduos que são armazenados em um depósito na vizinhança, um caminhão coleta a vácuo os resíduos e os resíduos são usados para gerar eletricidade para a comunidade. Além do produto, o projeto promoveu o desenvolvimento da comunidade local através da promoção do saneamento básico e da geração de energia. https://www.ideo.org/projects/clean-team/completed
  29. 29. DESENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE LOCAL Grundfos Lifelink Acesso a água potável para a base da pirâmide Mais de 1 bilhão de pessoas enfrentam diariamente o desafio do acesso a água limpa e potável. A Grundfos, principais fabricantes de bomba de água no mundo decidiu utilizar as suas competências essenciais para fornecer soluções através do projeto Grundfos Lifelink. A iniciativa desenvolveu um novo modelo de negócios sustentável que distribui água potável para pequenas comunidades em áreas rurais ao redor do mundo. O projeto avalia as fontes de água natural de cada comunidade, assim como a sua perspectiva financeira e social, desenvolve relações de parceria local, conecta com bancos e fundos locais para o financiamento, oferece um serviço local de assistência do sistema de água e gerenciamento contínuo. Além disso, o projeto educa as comunidades sobre questões de higiene e saúde em prol da prevenção de doenças. http://www.grundfoslifelink.com/
  30. 30. Em que nível de valor compartilhado a sua empresa está?
  31. 31. DIFERENTES VISÕES DE VALOR COMPARTILHADO NAS EMPRESAS Nas empresas, existem diferentes visões de valor compartilhado: VISIONÁRIOS CEOS Apresentam um discurso voltado para a oportunidade de transformar os negócios e criar valor compartilhado em toda a empresa http://www.sharedvalue.org UNIDADE DE NOVOS NEGÓCIOS Vêem a oportunidade de enfrentar os desafios de negócios específicos com valor compartilhado e estão pensando sobre isso com uma lente mais especializada e fechada RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA Vêem a oportunidade de complementar a tradicional RSC com valor compartilhado e estão pensando sobre isso em todo o amplo conjunto de pontos de contato de empresas com a sociedade, lente mais aberta
  32. 32. DIFERENTES VISÕES DE VALOR COMPARTILHADO NAS EMPRESAS Para criar valor compartilhado, é preciso unir as diferentes visões e motivações! UNIDADE DE NOVOS NEGÓCIOS VISIONÁRIOS CEOS http://www.sharedvalue.org RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA
  33. 33. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA INICIATIVA DE VALOR COMPARTILHADO Valor Compartilhado pode surgir de uma iniciativa filantrópica ou do core business. A sua origem influenciará na priorização dos critérios. Normalmente, os critérios são priorizados dessa forma: CRITÉRIOS PRIORITÁRIOS Gerar Impacto Social CRITÉRIOS SECUNDÁRIOS Engajar funcionários e stakeholders Ganhar potencial de escala Gerar Valor Financeiro Ser Factível: possível da empresa alcançar Gerar oportunidades de parcerias Gerar impacto reputacional para a empresa Estabelecer a empresa como líder Nível de risco envolvido http://www.sharedvalue.org
  34. 34. COMO CONSTRUIR UMA CULTURA DE VALOR COMPARTILHADO? Cultura que sufoca o valor compartilhado Focada para o interno Focada no presente Independente Cultura que permite o valor compartilhado Focada para o externo Orientada para o futuro Conectada e Colaborativa Estável Flexível Orientada para a tarefa Orientada para resultados Como você enxerga a cultura da sua empresa? Ela é orientada para a criação de valor compartilhado? http://www.sharedvalue.org
  35. 35. INGREDIENTES FUNDAMENTAIS PARA CRIAR UM NEGÓCIO DE VALOR COMPARTILHADO 1. Competências essenciais Valorize o propósito do seu negócio, os valores e ativos fundamentais, que os diferenciam dos demais. 2. Identificar áreas de oportunidades Identifique necessidades específicas que permitam soluções escaláveis. 3. Co-criação Integre parceiros e co-criem possíveis soluções nos desafios sociais e de inovação. 4. Estrutura Construa uma equipe sólida e uma estrutura de financiamento. 5. Cultura em toda a organização Dissemine a cultura de valor compartilhado em todas as linhas da organização.
  36. 36. No futuro, não haverá um setor sustentável. Tudo será sustentável ou não existirá. DAVE COBBAN DIRETOR DE MOBILIZAÇÃO DO CONSUMIDOR, NIKE
  37. 37. obrigado cria@criaglobal.com facebook.com/criaglobal

×