Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Conto couto viana-versos-de-caracaca

12,132 views

Published on

Couto Viana

Published in: Education
  • Be the first to comment

Conto couto viana-versos-de-caracaca

  1. 1. :: A _N44 : _**1.; :1.nx . Ifxíxlxfil x*likav. e›*vazs'firrv . tlã x» x A MAÇA O AMARELO ziní-. V' . '_Vw, __1 › " à' SEMELHANÇA LITEXA
  2. 2. ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA VERSOS DE GACARACÃ Ilustrações de Juan Soutullo á Êxv 3a. * §2 Litexa Portugal 1984
  3. 3. Título_ VERSOS_ DE CACARACÁ Autor ANTÓNIO MANUEL couro VIANA Ilustrações JjUAN SOUTULLO Colecção CONTOS DE ONTEM PARA CRIANÇAS DE HOJE - Vol. VI Direcção Literária ARTUR LUCENA Capa JUAN SOUTULLO Direitos reservados para a língua portuguesa LITEXA PORTUGAL Fotocomposição CORSINO & NETO ~ Gabinete de Fotocomposição, Lda. Montagem SELETEXTO Impressão e Acabamento HUMBERTIPO w Artes Gráficas, Lda.
  4. 4. PARA OS MEUS NETOS JUAN GABRIEL E GABRIELA
  5. 5. O AUTOR: Nasceu em Viana do Castelo, em 1923. Poeta, dramaturgo, ensaísta, tradutor, actor, encenador e empresário teatral. Exerce presentemente as funções de pro- fessor de cena no Teatro Nacional de S. Carlos. Publicou até hoje quinze volumes de poesia, tendo sido galardoado com os Prémios Antero de Quental (em 1949 e 1959), Prémio Nacional de Poesia (1965) e Prémio da Academia das Ciências (1971). Editou também nove peças de teatro. Os seus principais ensaios literários estão reunidos nos livros: Coração Arquivista (1977) e As (Ejvocações Literárias (1980). Dirigiu com David Mourão-Ferreira e Luís de Macedo as folhas de poesia Távola Redonda ( 1950/ 54) e foi director da revista de cultura Graal (1956/57) e da revista infantil Camarada (1949/51). Traduzíu e adaptou algumas dezenas de obras de Lite- ratura Infantil e Juvenil. Está traduzido em espanhol por Angel Crespo e em inglês por Joan R. Longland. Assinam estudos sobre a sua poesia os críticos David Mourão-Ferreira, Artur Anselmo, Tomaz de Figueiredo, Eduíno de Jesus, Rodrigo Emílio, João Maia, Franco Nogueira e João Bigotte Chorão. Director da Companhia Nacional de Tea- tro (1961/65) e, desde 1956, da companhia de teatro infantil Teatro do Gerifalto, éum dos artistas e dramaturgos que mais tem contribuído para o teatro infantil em Por- tugal. Como encenador, foi distinguido com o Prémio da Critica (19609 e, por duas vezes, com o Prémio António Pinheiro (em 1962 e 1964). 1 DO AUTOR, PARA A INFÂNCIA: ERA UMA VEZ. .. UM DRAGÃO! (teatro) AUTO DAS 3 COSTUREIRAS (teatro) DO CIMO DESSE TELHADO, com Ricardo Alberty (teatro) UMA HISTÓRIA QUE EU CÁ sEI (teatro) O NATAL DOS BONECOS (teatro) O PRÍNCIPE ORELHUDO, com Fernando de Paços (teatro) VERSOS DE CACARACÃ (poesia)
  6. 6. l . .iria ( Se fosses. .. querias ser? Se fosses um cavalo, um cavalo de raça, achavas graça usar chapéu de plumas e um colar, ou achavas feio e preferias usar rédeas, freio e um selim de “cow-boy” com pregos a brilhar? Se fosses um rato, querias ser um rato da cidade, sempre com medo do gato e da grade traiçoeira da ratoeira, ou ser um rato da aldeia, levando para a toca os grãozinhos da ceia? Se fosses um leão, 5 ? . m a~w o, 0d ç r. .. L . I. r. . r n e a nú m C CE e a md. .m m mem e, p . m u n. . f. f. V , s o, qm m o m , u . miau a fm umm a m 0% m . m e a . ma. e wúdüa o, mm o go . ..m a a ç . n U Cb m t m S 0 ü a aM w d m. m Nm amam m . m. gr. a W em a . .ru C u r Õ a e Z amam» uma? . f . a . .xwisw IN. ? . .. ..sx v _ . m. .f , c s 13.o. _M_ . . . , , . : Let: z. . . Xxa c_ 7,/ › . a . . 93,. . r ai. .., » , JJ. .. ser s* e . x , huuuu / . al/ .Ír . .. A x. .. .a t , íxc t , pra tomares banho em dias de calor? ' dia**
  7. 7. Se fosses uma árvore, planfa vx . -. as . .u . m _na L. 7 _ae . Ide of». n , m c , ,a . m. ra. ,e T0 . .da mom 1mm . I O O &wmew ahoa a › hmaa m . mm npr0mO een a saca vdao tr¡ u d HCTÉT HOm OSC m dUO momü aV h derü m0a. n . .mnmíni uenmn e nr .1 rsee Smpe 0635C eu d mudem. m». am. amqmtrcl forümC O.1a . HC 0~aeru ee m HHÓPO SSaU ou soltarias o raio e o trov ão e farias chover, chover, chover? Se fosses um avião a voar, cantavas como um pássaro CQDÍOI', ias fazer o ninho entre a folhagem, debicavas os frutos do pomar, ou descías no campo de aterragem, pra meter gasolina no motor? . m, xàu, .. Íx , z. #Faxâx e n. hmm awm mmw u «l , mm 0a mcu . .HO 7 . mpw Pmm mma MOM mam SH. . a . mam 5.11 ear Snzw s» a a_ , É l a N / . h za a a M. K x. m s M «Bird ara , . Atuou. . . .u . mm m m. . N s, .A . , x, a a mm a . um »dana _ Maxx? , Í D. O e d e 12,3,. .. . .E t m1.. a S cx, o c a . . tn r a e . m APÓWÍE . . . 5.x 3 . a . mk . .L r. r. . . e ¡u n p u n m e F01 H e . Im . e, s. C b _ m u a R r a : u a, ... e . .I S a m . _m_ u s a P P , _És , o t r x r . Or0.%a%%cm0 / . J_ u. .. . a fo. . e a . mu. u . n a e . . . . . .L . .Mu . .u . N. G31 m u Tm, 2). . u . l Ú. . a . .U q , a . _ O b 9 t m u u _. .r. .l n S a , à _ e H w . m. no» e . m . m. a. . . . S a . ... .
  8. 8. 'VYfvJ-. Éà e . Ô ; z . , N s, *à* . "3 E se fosses criança (rapariga ou rapaz) , ô . É -' viverias no campo, livre e em paz, , 4) '_ ' subrrias às árvores frondosas _ ~_ __ e O ' pra descobrir os ninhos e os esquilos, caçarias os grilos, c cheirarias as rosas, ou terias vontade de viver numa casa da cidade, bem vestido e calçado, com um livro de estampas a teu lado? - Oh, que bom ser criança! Tanto faz que seja rapariga ou que seja rapaz!
  9. 9. u¡ 1. Primavera Na Primavera, rumo ao mercado, passa a rainha dos vendedores. o, d m O g H e Oq_ . .um uo mñ as . mia al. su au eII. ha -. .m ee r. .. à O C0 Leva no carro, bem recheado, as e a m m m 0.6 mam . no Pdá mh mto mam n mes, ooo Cmw &ñm t f . mas h. m.m m: , a Hmh. . . muo Ogã tkN 7 o, d a r b u e. . SS 0m o , ad . Je r. . mr. wa me nü 0a cd 5.a o . mk, e TP - “Comprem, que é tudo do vosso agrado! Dá vida aos olhos e boas 00/5!"
  10. 10. 2. Verão Mal o Verão chega, ao Sol que cresta, a vendedeira não se a trapalha: defende os olhos, nariz e testa com um doirado chapéu de palha. no carrinho, espalha, ent _ 1' ate fresco e beringela, melão, damasco, que óptimos são nas sobremesas e na panela. ão, E chama, alegre, os seus clientes que se amontoam, logo, ao redor: - “Comam damasco, metam-lhe os dentes, pois mata a sede, mais o calor! ”
  11. 11. x" É j _iOutono Pelo Outono, a vendedeir põe um xailinho, pois ela é o sabe ser essa a melhor maneira de não ter frio nem ser reumática. a1 E o carrinho, cada manhã cheio de aromas, corno um pomar, transporta ameixa, pêra, maça e uva preta, milho pra assar. E o brado, agora, com que alegria sobe nos ares; com que vigor! - “Quem comer uma maçã por dia não necessita mais do doutor! "
  12. 12. /Lc . 4. Inverno / l a neve e a chuva tão inclementes, a vendedeira usa cachecol, barrete e botas, grossas e quentes. z “Limões, laranjas e tangerinas! Não há prá gripe fruta tão boa! Comam-lhe e bebam-lhe as vitaminas! " L o S o 0 C a ü o ã . t o. n r. . e V n I o n E No carro, agora, só há limão, laranja, couve, castanha, ervilha, mas tão viçosos, tão lindos, tão apetitosos, que é maravilha! E, pelas ruas, ela apregoa:
  13. 13. Os dias da semana Vou passar na brincadeira segunda-feira. E vou divertir-me à farta na terça e quarta. Quinta e sexta vou gozar sem mais parar. Para acabar esta festa, só o sábado me resta. Quantas horas de alegria em cada dia! ll. Segunda, brinco sozinho. Terça-feira, acompanhado. Quarta, com o meu vizinho. Quinta, contigo a meu lado. Sexta, convido outro amigo que logo brinca comigo e no sábado também. ' , . Domingo, dá-me a preguiça, . i depois da missa, =, , e : ri - i e não brinco com ninguém. Deixa-me, enfim, descansar! Estarei pronto a brincar para a semana que vem.
  14. 14. Arre, burro! Quando a sua Veloz motorizada lhe demora a pegar e começa a tossir e a espirrar, o João não faz mais nada, o. r. r. u O m m e u b 9 . i a % RAW mam e › 0 a , g . .O a CO t. ee r. k . .mor m . .m em . w eo u, m0.. m dã Hi0. , a ue , m en . mümd mw m w~a gwfwegg a . É a nba CCD¡ memam ummo u e s enamosmmqümw hmndH O.1.m~%a0q . .O _EbccnizmxwVEwmk . , . wii . , s J __ , . s, Mkt. ? . . _za tam, 4.. ./. .! , a x4,
  15. 15. O marujo Manuel O barquito de papel . d u n m om r a na C . mm r. bm em un alo m” cn sempre a vogar, a vogar, cresceu e foi ter ao mar: é hoje um grande navio. : um CI. O; ,mm . ma b bm. mümOFaO muda uábomh elamsn C sb Cí. . %S CVM r%%cem C n 9 . laamxme mmmmod . nn ma aWeOad M dachr mwucm Owa/ &oa Nf» ri. . , atwümta . . . t. f_ , . . e
  16. 16. / / f/° O peixe risonho ' êS meninos vão ao mar (ora vejam que tolice! ) j @om desejos de pescar “t ' “yum peixe que lhes sorrisse. . 7 m peixe pescaram _ *gv , Q, O (tão gordo, assim, não havia! ) › V ' 0° e ao mar o deitaram, i pois não lhes sorria. Um peixe pescaram (tin o rabo como a enguia! ) -. o mar o deitaram, pois não lhes sorria. Um peixe pescaram (grandes olhos, grandes dentes e barbatanas valentes! ) porém, que arrelia! , ao mar o deitaram pois não/ riffs sorria. m peixe escaram que tinha o focinho em for = de espeto, de espada, de espinho, que a dos feria: Ao r ar o deitaram, 's não lhes sorria.
  17. 17. Por fim, vem o dia que o peixe pescado sorria. E logo é puxado com toda a energia, pelos três à porña. Chegado ao convés, ao ver-se de papo pró Sol 1 que feia careta o peixe lhes fez! E, sem hesitar, escapa ao anzol, mergulha no mar! Era uma vez três pescadores a chorar! .
  18. 18. . e, a , J . !x , f// n/(J S m O O h C n e m V a m C i. if# tudo está diferente: A! 4 o_ . r (e _ Q. . . zm a x. ,x É z . e / a e. t H 6 U O. . r. a O n a S r. O O . Hb mm , e a . .D O W mm g a e a 0V O v n 0 o , w e m S n. ._. .O á o . .JF. E . ./. ;l #fax . nxludy › E castanha a terra onde a pá se enterra. É castanha a folha que a chuva já molha. O avô Inverno chega das montanhas, com os bolsos repletos de castanhas, e vai sentar-se ao lume da lareira, fumando o seu cachimbo de madeira. . x, 0:11/ a; j. .Í ; ks . x wA fz. . / ra r. . . , . x_ ) m m z / . d . n na. a . a, t t O | ou. . . .f r. m. . a C . . / m e , m / , mk. . s C Í, . l d &wy k . . . . _xx / , a O 0 D. . u NC , yr fr. m m o a 7 a Í D. . , ;Í PF m m __. e . j E , vt o u
  19. 19. ;sl q r x . .as s ol , 1 iu , 0.. ..) . U4 f É. . . . e . Í . Ruela. .HP. c» _Ci . s, . .tt ir _ à a , J , T u aid , . , _ u . .. , ,e c. / I . Ali. .r, An . . V ~a . .mà amm b m lee bda C00 . much éebm a à? , m, msmo R caca PPP. o e 2 _Ím 'L - E porque é tão formosa esta rosa? 1: . l, u f. .. u. Í¡ w x . 9 . , , . w m s. a_ d a g m a . um Vm . .lua . ld , mm ma. qm T. 00 Po _d D. .
  20. 20. Ir_ L mami. , . IC O O p I m raÚãs na x OZOWcamO d . r . O . .DfnmC.1f. .. G3 F0 7 . .,/ , el. éSSeâhHe~O m are. 1.o od um gmwmi , . na 0mm qmõ. mââ. l. x S . 0 U f. v m rmtwoo 950mm , t , . A OWVSÚ. H%CMÊC. M v . m a ãlaean Sta .1 gh d. /3 00H eâurlaa , Qt/ CDI nqawmm Op. amar? a , X s CJ. AMBS . . x, .x x . 363 . a . as, i, N. , H 11X , ,x , . c. .. , . . , . cc . .hn z
  21. 21. 4. Verde des, paradas, r. e VS mm. .. gá , as a S1 au a mb . wü um om PH. . agitam asas esverdeadas, finas e frágeis. Verde rã de boca enorme fecha os olhos d°oíro e dorme. Ao lento sabor do vento a folha verde balança. Até onde o olhar se perde tudo é verde! E o verde é esperança.
  22. 22. 5. Preto No papel branco faço um desenho com certo engenho. Mas um borrão de tinta preta cai da caneta! É* ç) A minha mãe que vai dizer quando souber? L-i B. " «JF . X TITO da sacola a lousa da escola: Vou desenhar um fogão e enchê-lo de carvão; á na caixa, t o carvão que es preto como o grilo e a graxa. Lá fora chove. Que escuridão! Já não preciso da mão da ama: Não tenho medo. Não há Papão! Dou boas-noites. .. Vou para a cama. . a w. . . üvNwW Ju . z . ¡lili! ,
  23. 23. 6. Cinzento Osratinhos cinzentos passam a noite toda, barulhentos, numa dança de roda! Mas quem pode estar seguro? Anda ali perto o Miau e brilham com brilho mau os olhos dele no escuro. Da cor da cinza, o elefante como é bondoso! Só aterra w o / i a e Css . .. LOS w www r r .1 . . / x . xx/ C a mmb esm dot . .na amar nnsm , , mmod 3mm m. ; not o ads m . .u a0 qÉmC . G , . . ta, CMC
  24. 24. a . m Mu. N, ... a . M @ü . m. 09% . m . A, , .m m m. ó, um am am m. a e D. . V 9. l. O l. q n m 0 . V a m m o i , A rm mdeo c e x › . Xfx a C d É % C _l m . H m C d azul. . V V ÚOua Va Raüáa . s. . O E0 , a PIO Sr. nmVugn r. .t t h d e , ü aoC, . aa 0.a a. . a o Ê . l ea . C30 C O . JD. C oaut C x m . .mwoadmp 0 l.1 cw me. mn0 0d . .5/ x T S . GC . loaü n u X a 2.x¡ / x x 0a aaa ad e S.1 eir, hm / v./ ._. ^ a x». W oemouoo VZOC . um mmmamm mo . ., / , z 1:1 r f¡ r h . .Íâxxlxt/ .mmmmcumm mmmm um amam! ? a3 em _x_ wfiitalilñlw. 7_ MweOAcC Eàkn Fu QEüaNm V_
  25. 25. 8. Sobo azul dos céus, sobre o azul do mar, dizem adeus! adeus! as velas como lenços a acenar. A farda dos marinheiros S 0 . .n e l e 'OV : es «arm . mam 1m_ maa QVa an. . ama 29h. . 30V , CVC
  26. 26. 9. Branco A neve que cai do céu como brancas penas d'asas já pôs um branco chapéu no cocuruto das casas. E sobre a terra com frio estende um lençol macio. A neve é da cor da cal, das pombas do meu pombal e do sal, o rei da mesa. o, d . .a mu em r ua pb , e md Ca mm à BI véu de noivado.
  27. 27. Concerto de insectos o, O O a . ..amo m Í ? me OWMFO. % “STC . i ei mama mmü m. ? o . &mbm 09mm. e w . lom aIPIvO O00 Oba aao . mma l. u O d a. mama Mamma am». et l ouáo icmm ou» Aasln Eaat Mza tocando violino. ñ O "uma amta d . r dtd n a S . . f. .l . amam 1o. u. .wxmv . made . nzea @nem Mai, /Ç/ .. lllnb e u I . u f. colab II. .. S9 . um tl/ sii. , s, n r dPab aéla q . 0.1. O f. . ar. .NC a. ) a. à., ... kbx% . ..M % m O , e C . ala 1X um MM O , . à wmam uma. " mman S r. O bo . .l . & fumam smáñ anmm Mmat OcLa EPQS a
  28. 28. .m m z t s e a a m . o m a e P_ S g g o .1 . i. v. .u . o. . mam, a um. .m , O . C v! l sl. a mana . ..a . m atom mmâ v amd. a w m m k ma m . m n C oBn.1 ocma nn_ aota C nTm V d ü g e a m ah a O “h n u a C . . r. ull O boom aome mmmm mmym h 0.m m m. .. m n C V 3P. e mMoe oaw, üüo ooau C u bl . C th a M o . mh O. . O n e e o . m e G o ~m o n m ü a a a m h m . .D t O rwiv. S m mh C u s, s a w a e D. .m o anmo. oaÉm ec u oo . w gümh Mma m veúm. duwsam O a 83m". a _ . .u #amd O U a 2.1.: : G L V O C a O e e D. ..? T. . M J «Í 5.. . . . , Í, ! t Í . .ÍJnsuJw . ,. nx . , l z a . .J. .u. .,, .. . . I f z M. n.1,. r a 71V. . m. . e . m _. » h a/ . ma. ,, . 2, . x - . . a , r »ua _a É : nada . a r *v . JD. 399?. ; . .WQ . UÚÚÕIKF, ., t, »à tr. , v, ; ahi a. , _ç_ ? ao Lá vai o Mocho-Bufão, pelo anel esquecido, e encontra o gordo Leitão, com seu rabinho torcido. - “Dou~te tudo o que quiseres, oiro e prata, mel e vinho, no caso de me venderes . d. , , o duma h ›l . m admd b omwo a r. d r. C010 u d hr na e w ed. mP o Vovm d obem 1 . mas m . mowm Loeb a é oet o OLBa É bata¡ D? u. ,w. U o» vp» . ..um .90- , o . tc . n. . tenor . ,900 . A.U err. ? x10 P. 4109
  29. 29. Impertinências Um peixinho atrevido escondido num rochedo resolveu meter medo a um cação resmungão e de lá do rochedo (que acção má! ) fez com voz de trgvão: - “Ao, ão, ão! ” Mas, ai dele! o cação irritado diz-lhe então: - “Malcriadol Mais respeito, por favor! " Num tremor, contrafeito, enleado, o peixinho a corar baixa o olhar: - “Oh, perdão, . eu não torno a brincar! " , wmv » L4. í. - Confiante, importante, o cação segue adiante, a nadar no alto-mar. Vendo-o então já distante, o peixinho no rochedo sem ter medo vai, num pronto, põe-se a rir, põe-se a rir, como um tonto! E e' assim que tem fim v CSÍC conto. .. É! i 'J 0
  30. 30. , . . , . . ROI-ROI Rabina Vocês sabem quem é Rói-Rói Rabina? Nervosa, cobiçosa, pequenina, remexida, renhida, feminina. .. Vocês sabem quem é Rói-Rói Rabina? Ela bebe o azeite à lamparina, foge à raça felina que a extermina. .. Vocês sabem quem é Rói-Rói Rabina? Pêlo pardo, olho vivo, cauda fina, a vasta bigodeira que se empina. .. Mas, afinal, quem é Rói-Rói Rabina? A rata roedora que arruína o celeiro da tia Rosalina.
  31. 31. A confeitaria D. Ratininha sabe de cozinha, por isso abriu uma confeitaria no Bairro da Rataria. Tem pelas estantes, em frascos gigantes, licores de mil cores, Compotas, confeitos, torrões, rebuçados. .. E nos tabuleiros doces, bolos, tortas, muito apetitosos, muito apaladados. Todos os gulosos e os lambareiros da Rataria lá m f. g e 1I. a e d m a . l. h C
  32. 32. Uma nau maravilhosa Vi um dia no mar alto uma nau maravilhosa: todo d'oiro era o costado e as velas verde e rosa. ão ao convés com caramelos, confeitos, biscoitos, bombons, bolachas. vinte e quatro marinheiros: duas dúzias de ratinhos diligentes e ligeiros. Um pato almirante, à popa, de galões e barretina, comandava a nau doirada pelo mar de prata fina. Levava, por equípagem, abarrotava de caixas Desde o por
  33. 33. A maçã Na relva cheia de pó, Ó S e a mm um. q. CO pra t : a 0,6 mw mo ua . l% a CG. começa a chorar de pena. O galo do Catavento, temendo alguma desgraça, pára logo o movimento m! .ú a d S S a _ D. . a lr_ P. a a. . o d e m , w u . a O. . U da O Mufu u Omawép TUOS _ emma . . VSCa m. mama. w. .. e »Mm g uãCe QÇSt H u mes p É O. m C au p a e a md. m eae . GTÍO nMn: J eeee p gV oaeo mmsm aéü ÍCCO. . 3.135 omo mSan uog, e mm Dmo u VCM ~ “Eu tenho uma rica ideia! ” diz o galo (e bate as asas). “Dou-te esta noite boleia para veres gentes e casas". E assim fez. Voa da igreja, ¡ põe às costas a maçã tudo o que deseja- que vê até romper a manhã.
  34. 34. - “Olha outro galo tão lindo. a voar! " - “Maçã pateta! ” responde-lhe o galo, rindo. “Aquilo é uma borboleta! “Olha uma casa amarela! Desço até ela. Já est'! Espreita pela janela e diz-me o que vês por lá”. - "Vejo uvas numa taça" diz a maçã. “Por favor, chega-te mais à vidraça, pra eu espreitar melhor”. E a maçã pôde, assim, ver, sobre a toalha engomada, o garfo, a faca, a colher. Viu tudo e ficou cansada. O galo regressa à sua torre da igreja aldeã para, aí, contar à Lua a viagem da maçã. . ..nokia . s lt t. . x. i . . ; a , x 4. ; , xx, , .. . . . , a_ , . x . y/ .. . / , _ ». . ÍX/ a. mz, . . 7 -z. i . _ . a , Kai _x. .x . .a u. . . .x x . a. F , . ~ . x . m . .. x t w . .. . . / S . x / z. .. . E a maçã muito contente, diz, na relva, pra consigo: - “Vi o Mundo, finalmente! E o 'galo é meu amigo! "
  35. 35. semelhanças Podem chamanme ignorante ou pateta, mas eu acho o Elefante semelhante à Borboleta. Abram os olhos e verão como tenho razão! Quando a Borboleta esvoaça de flor em flor e o Elefante passa pela floresta, atento a algum rumor. .. (abram os olhos e verão que vão dar-me razão! ) ela de asas a abrir e a fechar, ele de orelhas a abanar, demonstram que entre os dois não há distância: em ambos vê-se a mesma habilidade, a mesma majestade e elegância.
  36. 36. Não é impressionante? Parece até afirmação correcta que tem asas o Elefante e orelhas a Borboleta! E não é isso apenas: o Elefante tem dentes que dir-se~iam parentes a das antenas 7 r da inquieta Borboleta. Mais: repararam já que um e outro têm tromba, esse nariz comprido sempre torcido e destorcido de cá para lá? Pois as minhas razões aqui estão dadas. Há só uma diferença, apenas uma: o Elefante pesa toneladas e a Borboleta tem um peso pluma. Vá lá, ainda mais este pormenor: l L. ^ g , . v¡ J o Elefante e cinzento t , , como o cimento t " . e a Borboleta ' , T , Â H tem toda a cor - A m1,* y da paleta #JÔ N ig, ... 'Bit' f¡ de um pintor. l iiplvíhñ) . , t p fa¡ Não, não chamem tolice *X ' 1 pá” x_ a _tudo quantp disse: _ _ k _ - , ¡_: !¡¡, ¡¡_'-Q›, .« -~ ~ afirmo que sao quase iguais b ~ tratava¡ estes dois animais. ! i 'a "Vini *i l j V Wi'. . = i j E quem pensar como eu decerto não se engana. / M V t, __'. _,", _ 7 Repito: não, não são invenções, fantasias. ; lj_ Afirmo até_à semana j à e- t_ * A» É q' dos nove dias. z xx " t i s. , t. . r “t K › ^
  37. 37. J» / M¡ u / /f/ , y a x . // a A! , I/ zx, 4 . _ Í, .í «Im , X R» z/ t B; 7.a, In fl. .., . xa x1 l . x Aki/ rali». xxx, .s, z J t , sk J . .M a - KC. _k , Wu . A. , . Í Oda¡ . as x a r. . 4 . . _r _ r 1 f: N¡ . _,034 , _ u. 1 x u , , 1 _ mw , o f: s. , p. !avi w/ ,z , , . w. , »fmz Mía : NM i i . , . a , a. ? / . ; no . u J ! ida 4,7 o r , Miu, . t M , . ..tm . im 1,. . , 1 . z, / f . v. . , il! .a à u HS - Ir wz/ .x r , . s ix. . / t. . , , , x, u, , x o 9.» a , / f. e 1 4 , e ; K . .a r. z . o a m . m m d s m a oa 01 M a m a M . zu M D. . a O L e e S O 1 d . H d . . . l. g a a . l . H o m e w m m m d e 1 t s r . a p . .I u g r 0.1 n s.1 o q na OL n Í. m r a a1 T. a ul. e a ; O . .l m ; na na m : a g a a . a t l 1 m n o r. a f n a . w ppm C .1 .1 ao L O m .1 S Çh m r. .L, I. .. C m C .1 . .gug me . haoomu udol O É . H n m a rn. .. JS . .I p a q O t a . e O O r. C a . .n n r. n. . Acs Pozcc . m. adam. ? e a Nanmmam . amam. U m F O u . m. o a. Z , e
  38. 38. Quem sou eu Sim, senhor! O meu corpo é aterrador, pesado como um penedo. .. o. d e ma, ma . mm mm Se e I; .. .mm . mim Sa, wa mu so OS como a casca das árvores e mais nada, que me dá força e vigor para enfrentar quem me afronte. Sim, senhor! Eu sou o Rinoceronte! a . w . . . , _ Ó . à. , a . .Q à . n i _ . o. _r m. . e . . z x . N . .a1 g ? Í _ i. : . i t. . . r . . _ l! uma x _ _
  39. 39. .. .EJ á é . m , . mo O . r. e, rS . w o , w . m . .Mud. , L ã os al o e” lV. OC .1 zdS a . ha SSÍC e dC É . la OaaO am . .lepã r , é pe um. ? s, ,ã Hüém oamd mrmd olme oümd . musa nvw uaa . meto . .ua e Qa . mao éEeC, Orn Onta mLMt rgdo vdm . heio moc uauà Him m eaanl . .lvmd oabe n0.. a O timm . wzucmm . mmum mm ad evwm ~a modo. mágu . .DOnmio CnICaO . ..Mame a1 Ch ef tae Oetã . O C V . mam Véow m , mim . mem . uumn . whufi , C no39 UOr. m MS doüs a adév kia ãea ao a Vre a , t . it aPc o r . ..OC e mVaC Dia . .iu C.1 wcom mnum oaim anco t aw . i , O Sonu SEwa. Coda . JEoe OÀEP
  40. 40. “Lá em cima há sempre muito frio” diz a mamã. “Queres um conselho? Para voares com o teu tio vai pôr o teu cachecol vermelho". O coelhinho, sem receio, a no avião se vai sentar “Oh, como é bom dar um passeio! Já vou subir! Já estou no ar! "Voar tão alto e tão depressa faz com que a minha mãe, na estrada, com a formiga se pareça. , agora, Ja nao vej " o nada! ” 'I E O tio diz: - “Olha um castelo, dentro de um grande pinhal verde”. - “Sim, vejo, vejo! Como é belo! Mas para trás logo se perde! ” subitamente, vê o mar e, sobre a água, muito azul, barcos à vela, a navegar. Depois, o tio volta ao sul: - "Vão sendo horas de ir pra casa, a tua mãe está em cuidado. Olha de cima dessa asa a tua casa, o verde prado”. E, mal acaba de descer, beija com amor, à mãe, que o diz o coelho: - “Quero ser, quando crescer, aviador! ”
  41. 41. Para cada um seu modo de Ver Diz o carneiro: e que não! Que saltos tão altos eu dou pelo prado, se a erva está tenra e o Sol é doirado! Diz o cavalo: Trabalho é cansaço no pino do Verão. Eu gosto do Sol, tão forte ' Diz a abelha: Que venham depressa o Verão e o calor, pra haver mel mais doce do pólen da flor! Diz o porco: Nos dias chuvosos escolho uma cama, bem rica e bem fofa, nos charcos de lama! Diz o rato: Com tempo de chuva, o gato (que bom! ) não sai da lareira, fazendo rom-rom!
  42. 42. /L a m m . IU . an m, 33 au nm / om 0.o a, m o / r b um. : S0 Ow m 0m. ora 5% m! , Ia. dm um m oé 54m . m amd f. n46 06 OU ç . I. me . na m. ” mg : a _É me mm ao ? m n, a. . e mc un sn . aá au , É . im m; oe me eo «JS mn 5 SU. . InHaC pah . asm. u 5,, ar s mo . LP. 010 . .H6 50 . m6 6h. . 3mm : and run. . 3m m3 56 v, a . .nr . .m0 se u , ad SC na 6 0 H na ,601 . .ü OMS MMM wca%. â Om a0 , nm . MP0 VÍO mar. «lr Ut 0V D n. . mb D. .. ba La . Vu a mao . Mam r Wxm . MAw PT] ce 3,0 e D aum oro s um c mma ac. .. 0.0 . MOM 0.0 . O. m ma. c D 06g te; .Im DV 33h40 . HEU . Z 000:” D¡ O . D1 6 on. . um] . É coco. . .U ÍC D r aam , , . ENG C
  43. 43. ALGUNS DOS VERSOS AQUI RECOLHIDOS NÃO PODEM CONSIDERAR-SE ORIGINAIS. MAS SIM VERSÕES MUITO LIVRES DE OBRAS ESTRAN- GEIRAS DEDICADAS A INFÂNCIA.
  44. 44. Índice SE FOSSES. .. QUERIAS SER? A VENDEDEIRA DAS QUATRO ESTAÇÕES l. Primavera 2. Verão 3. Outono 4. Inverno OS DIAS DA SEMANA ARRE, BURRO O MARUJO MANUEL O PEIXE RISONHO NOVE CORES Castanho Rosa Amarelo Verde Preto Cinzento Vermelho Azul 9. Branco CONCERTO DE INSECTOS o MOCHO E A GATINHA IMPERTINÊNCIAS RÓI-RÓI RABINA A CONFEITARIA UMA NAU MARAVILHOSA A MAÇÃ SEMELHANÇAS ORIGINALIDADES QUEM SOU EU o AVIÃO PARA CADA UM SEU MODO DE VER ? °>'. °“! ~"P': ^'Nt'*
  45. 45. 0,, L E: R_ A, Mm A, O 'A BMC-CAM HI Ill I ll l LITEXA O CASTANHO Wllilllllll

×