Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

EDUCAÇÃO SUPERIOR CONTEMPORÂNEA:Contrastes, Inovações & Oportunidades

279 views

Published on

Prof. Mário Cesar Barreto Moraes, Dr.

Published in: Business
  • Hi there! Essay Help For Students | Discount 10% for your first order! - Check our website! https://vk.cc/80SakO
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

EDUCAÇÃO SUPERIOR CONTEMPORÂNEA:Contrastes, Inovações & Oportunidades

  1. 1. EDUCAÇÃO SUPERIOREDUCAÇÃO SUPERIOR CONTEMPORÂNEA:CONTEMPORÂNEA: Contrastes, Inovações & OportunidadesContrastes, Inovações & Oportunidades 2018 Prof. Mário Cesar Barreto Moraes, Dr.
  2. 2. REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO CONTEMPORÂNEA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR.
  3. 3.  CENÁRIOS  REGULAÇÃO – DESAFIOS & OPORTUNIDADES  DESEMPENHO – INDICADORES & ESTRATÉGIAS  DESAFIO DA SALA DE AULA  ESTRATÉGIA A DEFINIR
  4. 4. CENÁRIOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NACIONAL
  5. 5. 5 IES PÚBLICAS 296 UNIVERSIDADES 197 CENTROS UNIVERSITÁRIOS 166 PRIVADAS 2.111 IFs & CEFETs 40 FACULDADES 2.004
  6. 6. Instituições por Organização Acadêmica 2008/2018 8,1%/9,4% 86,4%/82,7% Universidades Centros Universitarios 5,5%/7,9% Faculdades
  7. 7. Instituições Públicas e Privadas 2008 / 2018 IES 10,5% / 14,0% Públicas 89,5% / 86,0% Privadas
  8. 8. Número de IES por Região Geográfica NORTE CENTRO OESTE SUL SUDESTE NORDESTE 5,9% 17,8% 48,9% 16,5% 10,9%
  9. 9. 9 EVOLUÇÃO DOS DOCENTES
  10. 10. 10 ANO DOCENTES TOTAL Sem Graduação Graduados Especia listas Mestres Doutores 1995 145.290 830 34.243 52.527 34.884 22.808 1999 173.836 62 27.824 60.164 50.849 34.837 2004 293.242 175 40.437 86.375 104.976 61.279 2009 340.817 174 27.921 99.406 123.466 89.850 2014 383.386 11 7.964 90.384 150.533 134.494 2015 388.004 12 6.571 85.331 154.012 142.078 2016 384.094 11 5.388 78.328 150.530 149.837 Fonte: Censo da Educação Superior, 1995, 2004 e 2016. Tabela 2 - Evolução do Quadro Docente – Qualificação de 1995 a 2015.
  11. 11. 11 EVOLUÇÃO DAS MATRÍCULAS
  12. 12. 12 EVOLUÇÃO DAS MATRÍCULAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO (Presencias e EaD) ANO TOTAL VARIAÇÃO 2005 4.567.798 8,16 % 2006 4.883.852 6,92 % 2007 5.250.147 7,50 % 2008 5.808.017 10,63 % 2009 5.945.021 2,36 % 2010 6.379.299 7,31 % 2011 6.739.689 5,64 % 2012 7.037.688 4,42 % 2013 7.305.977 3,81 % 2014 7.828.013 7,14 % 2015 8.027.297 2,55 % 2016 8.052.254 0,31 %
  13. 13. 13 CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA DE GRADUAÇÃO COM MAIOR NÚMERO DE MATRÍCULAS EM 2014 E EVOLUÇÃO ÁreasAnos 2015 2014 2013 2012 2011 Matrículas na Educação Superior P 6.633.545 6.486.171 6.152.405 5.923.838 5.746.762 EaD 1.393.752 1.341.842 1.153.572 1.113.850 992.927 Σ 8.027.297 7.828.013 7.305.977 7.037.688 6.739.689 (1) Direito1 P 852.703 812.897 769.173 736.586 722.800 EaD 508 557 716 685 244 Σ 853.211 813.454 769.889 737.271 723.044 (2) Administração2 P 585.609 623.373 643.048 668.985 702.587 EaD 181.250 178.563 157.066 164.057 140.210 Σ 766.859 801.936 800.114 833.042 843.197 Administração Pública3 14.173 12.939 12.169 12.121 8.592 EaD 49.050 48.411 40.715 36.074 38.711 Σ 63.223 61.350 52.884 48.195 46.763 (3) Pedagogia P 313.318 320.694 319.571 307.296 305.103 EaD 342.495 332.068 295.264 295.702 281.548 Σ 655.813 652.762 614.835 602.998 586.651 (4) Ciências Contábeis P 266.095 267.977 257.516 249.529 239.488 EaD 92.357 85.620 70.515 63.645 49.298 Σ 358.452 353.597 328.031 313.174 288.786
  14. 14. 14 CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA DE GRADUAÇÃO COM MAIOR NÚMERO DE MATRÍCULAS EM 2014 E EVOLUÇÃO ÁreasAnos 2015 2014 2013 2012 2011 (5) Engenharia Civil P 349.347 312.154 254.779 196.744 143.630 EaD 6.651 4.999 2.489 1.582 1.018 Σ 355.998 317.153 257.268 198.326 144.648 (6) Enfermagem1 P 259.986 248.594 227.823 233.926 248.594 EaD 1.229 933 692 788 933 Σ 261.215 249.527 228.515 234.714 249.527 (7) Psicologia2 P 223.490 207.070 179.892 162.280 147.270 EaD - - - - - Σ 223.490 207.070 179.892 162.280 147.270 (8) CST Gestão de Recursos Humanos P 90.761 94.524 96.717 92.580 82.301 EaD 87.062 88.292 75.366 65.173 47.310 Σ 187.823 182.816 172.083 158.293 129.611 (9) Serviço Social P 75.931 79.107 79.163 75.551 72.019 EaD 96.638 101.272 94.595 97.428 80.650 Σ 172.569 180.379 173.758 172.979 152.669 (10) Engenharia de Produção P 158.573 154.449 137.853 124.666 108.552 EaD 12.014 7.626 6.274 4.856 3.296 Σ 170.587 162.075 144.127 129.522 111.848
  15. 15. 15 CURSOS ANO DE 2015 CURSOS ANO DE 2014 CURSOS ANO DE 2010 Direito 852.703 Direito 812.897 Administração 705.690 Administração 585.609 Administração 623.373 Direito 694.447 Eng. Civil 349.347 Pedagogia 320.694 Pedagogia 297.581 Pedagogia 313.318 Engenharia Civil 312.154 Enfermagem 244.568 Ciências Contábeis 266.095 Ciências Contábeis 267.977 Ciências Contábeis 224.228 Enfermagem 259.986 Enfermagem 248.594 Psicologia 136.420 Psicologia 223.490 Psicologia 207.070 Formação Prof. Educ. Física 123.218 Arquitetura 162.389 Engenharia de Produção 154.449 Ciências da Computação 103.620 Eng. Produção 158.573 Arquitetura 144.920 Medicina 103.312 Fisioterapia 141.010 Fisioterapia 128.873 Farmácia 101.816
  16. 16. 16 CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES COM MAIOR NÚMERO DE MATRÍCULAS EM 2015 E EVOLUÇÃO Cursos/Modo 2015 2014 2013 2012 2011 2010 (1) Educação Física P 126.252 123.760 116.519 116.611 118.293 123.218 EaD 41.416 25.251 5.650 6.275 4.976 3.009 Σ 167.668 149.011 122.169 122.886 123.269 126.227 (2) História P 56.144 56.776 56.676 57.097 57.578 58.585 EaD 31.547 29.885 22.681 20.251 18.436 17.919 Σ 87.691 86.611 78.957 77.348 76.014 76.504 (3) Biologia P 67.129 69.163 69.429 71.673 76.045 77.818 EaD 16.185 19.131 16.851 16.042 15.912 19.087 Σ 83.314 88.294 86.280 87.715 91.957 96.905 (4) Matemática P 54.160 57.103 57.541 58.216 60.104 59.464 EaD 28.567 27.419 23.350 23.102 22.335 23.328 Σ 82.727 84.522 80.891 81.318 82.439 82.792 (5) Língua Portuguesa P 53.439 56.077 57.392 58.799 60.160 61.759 EaD 24.591 24.660 21.408 21.860 24.511 28.591 Σ 78.030 80.737 78.800 80.659 84.671 90.350
  17. 17. 17 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA – CSTs PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA COM MAIOR NÚMERO DE MATRÍCULAS EM 2015 E EVOLUÇÃO Cursos/Modo 2015 2014 2013 2012 2011 2010 (1) Gestão de Recursos Humanos P 90.761 94.524 96.717 92.580 82.301 69.627 EaD 87.062 88.292 75.366 65.173 47.310 35.486 Σ 177.823 182.816 172.083 158.293 129.611 105.113 (2) Empreendedorismo P 37.469 40.429 42.716 42.398 38.883 2.354 EaD 62.026 63.565 60.631 58.680 53.546 - Σ 99.495 103.994 103.347 101.078 92.429 2.354 (3) Logística P 56.498 60.267 61.199 61.128 56.969 50.872 EaD 35.834 36.358 29.591 27.640 20.574 19.051 Σ 92.332 96.625 90.790 88.768 77.543 69.923 (4) Análise e Desenvolvimento de Sistemas P 59.810 61.550 60.448 58.050 55.793 47.716 EaD 25.574 22.131 18.135 14.411 12.895 11.278 Σ 83.384 83.681 78.583 72.461 68.688 58.994 (5) Marketing e Propaganda P 28.287 30.570 33.531 34.179 35.002 3.077 EaD 19.712 20.121 19.028 18.067 14.828 16.056 Σ 47.999 50.691 52.559 52.246 49.830 19.133
  18. 18. ENADE Melhores Desempenhos
  19. 19. ADM - ENADE 2015: Melhores DesempenhosADM - ENADE 2015: Melhores Desempenhos (86:5)(86:5)ADM - ENADE 2015: Melhores DesempenhosADM - ENADE 2015: Melhores Desempenhos (86:5)(86:5) IES FG CE Cidade UF (1)ESEG-Escola Sup. Gestão (8 inscritos) 70,78 71,51 São Paulo SP (2) UNIFEI 71,55 67,07 Itajubá MG (3) UERGS (8 inscritos) 75,00 60,95 Porto Alegre RS (4) FGV-EAESP 69,38 62,52 São Paulo SP (5) FGV-EBAPE 69,84 61,61 Rio de Janeiro RJ (6) UNISOCIESC 69,74 60,94 Joinville SC (7) FACAMP 64,27 61,28 Campinas SP (8) FFIA 66,43 58,85 São Paulo SP (9) CEFET-MG 69,52 58,49 Belo Horizonte MG (10) UFMG 67,69 52,21 Belo Horizonte MG
  20. 20. ADM PÚB - ENADE 2015: Melhores DesempenhosADM PÚB - ENADE 2015: Melhores DesempenhosADM PÚB - ENADE 2015: Melhores DesempenhosADM PÚB - ENADE 2015: Melhores Desempenhos IES FG CE Cidade UF (1)ESC.GV.PROF.PAULO NEVES 77,68 79,11 Belo Horizonte MG (2) UFABC 76,48 70,92 São Bernardo SP (3) FGV-EAESP 70,78 67,51 São Paulo SP (4) UFSC 67,23 65,59 Santa Catarina SC (5) UFF 66,43 65,54 Volta Redonda RJ (6) UFF 71,80 63,11 Niterói RJ (7) IFB 69,27 63,95 Brasília DF (8) UNIFAL 66,88 64,57 Varginha MG (9) UFCE 67,91 62,58 Juazeiro CE (10) UFLA 66,05 61,57 Lavras MG
  21. 21. C.CONTÁB. - ENADE 2015: Melhores DesempenhosC.CONTÁB. - ENADE 2015: Melhores Desempenhos 1.044 Cursos Avaliados1.044 Cursos Avaliados C.CONTÁB. - ENADE 2015: Melhores DesempenhosC.CONTÁB. - ENADE 2015: Melhores Desempenhos 1.044 Cursos Avaliados1.044 Cursos Avaliados IES FG CE Cidade UF (1)UNIV. FED. DE SÃO PAULO 67,80 59,87 Osasco SP (2) FACULDADE FIPECAFI 66,60 57,45 São Paulo SP (3) FACULDADE LEGALE 65,54 63,79 São Paulo SP (4) UNIV. FED. DE GOIÁS 63,96 56,97 Goiânia GO (5) UNIV. FED. DE JUIZ DE FORA 63,94 59,69 Juiz de Fora MG (6) TREVISAN ESC.SUP.DE NEGÓC. 65,60 55,17 Rio de Janeiro RJ (7) FAC.ANÍSIO TEIXEIRA DE F.SANT. 60,23 62,65 Feira de Santana BA (8) UNIV.FED.DE MINAS GERAIS 64,29 54,45 Belo Horizonte MG (9) UNIVERSIDADE PAULISTA 58,06 58,82 Ribeirão Preto SP (10) FACULDADE IBMEC 61,51 54,93 Belo Horizonte MG
  22. 22. DIREITO - ENADE 2015: Melhores DesempenhosDIREITO - ENADE 2015: Melhores Desempenhos (58:5(58:5 1.066 CURSOS AVALIADOS1.066 CURSOS AVALIADOS DIREITO - ENADE 2015: Melhores DesempenhosDIREITO - ENADE 2015: Melhores Desempenhos (58:5(58:5 1.066 CURSOS AVALIADOS1.066 CURSOS AVALIADOS IES UF FG CE ENADE CONTÍNUO CONCEITO ENADE (1)UNIV.FED.RURAL DO SEMI ÁRIDO RN 78,77 63,65 5,0000 5 (2) UNIV.FED. DE JUIZ DE FORA MG 76,73 61,61 5,0000 5 (3) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DF 74,55 62,59 5,0000 5 (4) UNIV. FED. DO PIAUÍ PI 73,73 62,01 4,9670 5 (5) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DF 75,02 60,08 4,9303 5 (6) UNIV.FED. DA PARAÍBA PB 71,77 60,75 4,8883 5 (7) UNIV.FED. DE JUIZ DE FORA MG 72,61 60,42 4,8880 5 (8) UNIV.EST. DO NORTE DO PARANÁ PR 73,95 59,15 4,8102 5 (9) UNIV.FED.DO RIO GDE DO NORTE RN 72,29 59,39 4,7681 5 (10) ESC. DIREITO RIO DE JANEIRO RJ 70,49 59,95 4,7535 5
  23. 23. ECONOMIA- ENADE 2015: Melhores DesempenhosECONOMIA- ENADE 2015: Melhores Desempenhos 192 cursos192 cursos ECONOMIA- ENADE 2015: Melhores DesempenhosECONOMIA- ENADE 2015: Melhores Desempenhos 192 cursos192 cursos IES FG CE Cidade UF (1)ESC.BRAS. DE ECON. E FINANÇAS 70,61 64,87 Rio de Janeiro RJ (2) ESC.SUP.DE ADM.GEST. STRONG 73,87 52,90 Santo André SP (3) FACULDADE FUCAPE 66,25 54,42 Vitória ES (4) UFMG 69,08 52,58 Belo Horizonte MG (5) UNB 68,04 52,69 Brasília DF (6) ESC. DE ECON.DE SÃO PAULO 61,58 55,26 São Paulo SP (7) IBMEC 65,95 52,85 Belo Horizonte MG (8) UNIP 59,60 54,05 São Paulo SP (9) UDESC/ESAG 68,13 50,38 Juazeiro CE (10) UFABC 71,62 48,62 São Bernardo SP (86) UNIDAVI 53,77 37,32 Rio do Sul SC
  24. 24. CPC CONCEITO PRELIMINAR DE CURSOS DE GRADUAÇÃO
  25. 25. 25 Cálculo do CPC, conforme tabela específica ocorre pela fórmula: NCPCj =0,2NCj + 0,35NIDDj + 0,075NMj + 0,15NDj + 0,075NRj + 0,075NOj + 0,05NFj + 0,025NAj
  26. 26. 26
  27. 27. 27 CPC Faixa CPC Contínuo 1 0 ≤ CPC ≤ 0,945 2 0,945 ≤ CPC ≤ 1,945 3 1,945 ≤ CPC ≤ 2,945 4 2,945 ≤ CPC ≤ 3,945 5 3,945 ≤ CPC ≤ 5 Parâmetros de Conversão do CPC.
  28. 28. CPC ADM 2015: Melhores DesempenhosCPC ADM 2015: Melhores Desempenhos 1.806 Cursos Avaliados1.806 Cursos Avaliados CPC ADM 2015: Melhores DesempenhosCPC ADM 2015: Melhores Desempenhos 1.806 Cursos Avaliados1.806 Cursos Avaliados IES UF CPC Contínuo (1) FGV - EBAPE RJ 4,5615 (2) UNIFEV – Votuporanga SP 4,4872 (3) FACES – Boa Vista RR 4,4037 (4) UNISOCIESC – Joinville SC 4,3704 (5) UNIANDRADE - Curitiba PR 4,3049 (6) UERGS – Porto Alegre RS 4,2814 (7) FAMA – Iturama MG 4,2189 (8) UNES – Cachoeiro do Itapemirim ES 4,2167 (9) ESEG – São Paulo SP 4,2071 (10) FFIA – São Paulo SP 4,2018
  29. 29. CPC 2015 – ADM PÚB. - Melhores DesempenhosCPC 2015 – ADM PÚB. - Melhores DesempenhosCPC 2015 – ADM PÚB. - Melhores DesempenhosCPC 2015 – ADM PÚB. - Melhores Desempenhos IES UF CPC Contínuo (1) UFABC – S.B.do Campo SP 4,0550 (2) Esc. Gov. Prof. Paulo Neves de Carvalho - BH MG 3,7737 (3) UFLA - Lavras MG 3,7237 (4) UFSC - Florianópolis SC 3,6404 (5) UFVJM - Diamantina MG 3,6329 (6) UFF – Rio de Janeiro RJ 3,6073 (7) UFF – Rio (EaD) RJ 3,5410 (8) UNIFAL – Varginha MG 3,4084 (9) UFU – Uberlândia MG 3,4024 (10) UDESC - Florianópolis SC 3,3487
  30. 30. CPC DIR 2015: Melhores DesempenhosCPC DIR 2015: Melhores Desempenhos 1.067 CURSOS AVALIADOS1.067 CURSOS AVALIADOS CPC DIR 2015: Melhores DesempenhosCPC DIR 2015: Melhores Desempenhos 1.067 CURSOS AVALIADOS1.067 CURSOS AVALIADOS IES UF CPC Contínuo (1) FAC NOBRE DE F. DE SANTANA BA 4,1643 (2) FAC DE CC E ADM DO VALE DO JUREMA MT 4,1613 (3) UNINOVE SP 4,1291 (4) UNIP – São Paulo SP 4,1255 (5) FAC.DE CASTELO – MULTIVIX ES 4,0741 (6) FAC.INTEGR.ESPÍR. SANTENSES ES 4,0630 (7) FACULDADE REDENTOR RJ 4,0464 (8) UNIP – Sorocaba SP 4,0457 (9) UNIP – Santos SP 4,0285 (10) FAC.METROPOL.DA AMAZÔNIA PA 4,0000
  31. 31. CPC C.CONTÁBEIS 2015: Melhores DesempenhosCPC C.CONTÁBEIS 2015: Melhores Desempenhos 1.044 CURSOS AVALIADOS1.044 CURSOS AVALIADOS CPC C.CONTÁBEIS 2015: Melhores DesempenhosCPC C.CONTÁBEIS 2015: Melhores Desempenhos 1.044 CURSOS AVALIADOS1.044 CURSOS AVALIADOS IES UF CPC Contínuo (1) FAC FIPECAFI SP 4,5374 (2) FACULDADE BRASILEIRA MULTIVIX ES 4,5296 (3) UNESA – NOVA IGUAÇÚ RJ 4,3857 (4) FACULDADE DOCTUM ES 4,2841 (5) UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA SP 4,2649 (6) FAC.ANÍSIO TEIX. FEIRA DE SANTANA BA 4,2426 (7) CENTRO UNIV. EURO-AMERICANO DF 4,1838 (8) FAC. ESTÁCIO DO RECIFE PE 4,1792 (9) CENTRO UNIV. FACVEST SC 4,1691 (10) UNIV.FED. DE SÃO PAULO SP 4,0598
  32. 32. CPC ECONOMIA 2015 Melhores DesempenhosCPC ECONOMIA 2015 Melhores Desempenhos 191 CURSOS AVALIADOS191 CURSOS AVALIADOS CPC ECONOMIA 2015 Melhores DesempenhosCPC ECONOMIA 2015 Melhores Desempenhos 191 CURSOS AVALIADOS191 CURSOS AVALIADOS IES UF CPC Contínuo (1) FAC. ESAMC – Santos SP 4,2865 (2) UFJF – Juiz de Fora MG 4,2605 (3) UFGD – Dourados MS 4,0600 (4) FURB – Blumenau SC 3,9495 (5) UFC – Fortaleza CE 3,8868 (6) UNIV. MACKENZIE – SP SP 3,8336 (7) FCEACDB – Resende RJ 3,7860 (8) PUC – Campinas SP 3,7270 (9) CUML – Ribeirão Preto SP 3,6992 (10) UMESP – São Paulo SP 3,6445
  33. 33. IGC ÍNDICE GERAL DE CURSOS
  34. 34. IGC CPC1 ARTICULAÇÃO E COERÊNCIA ENADE – CPC – IGC CPC2 CPC3 ENADE 2 ENADE1 ENADE 3 ENADE n CPCn
  35. 35. 37 IGC =a ×G + b ×M +g ×D O cálculo pressupõe que das fórmulas empregadas, se chega a um Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC Contínuo), que será ajustado segundo a tabela correspondente a Distribuição dos Conceitos do IGC
  36. 36. IGC da IES é obtido pela equação: M=aG + (1-a)B (M+5) + (1-a)(1-B) (D+10) 2 3 Sendo a= _____TG_______ e B = ___TME_____ TG + TME +TDE TME +TDE
  37. 37. Conversão de conceitos dos programas de pós-graduação atribuídos pela Capes em notas de Mestrado e Doutorado para fins de cálculo do IGC.
  38. 38. IGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores Desempenhos UNIVERSIDADES IGC Contínuo (1) UNICAMP 4,3714 (2) UFRGS 4,2854 (3) UFMG 4,2079 (4) UNIFESP 4,1427 (5) UFRJ 4,1191 (6) UFABC 4,1080 (7) UFSC 4,0935 (8) UFV 4,0525 (9) UFLA 4,0410 (10) UFSCAR 3,9809
  39. 39. IGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores Desempenhos FACULDADES IGC Contínuo (1) FGV - RJ 4,7385 (2) ITA - SP 4,6026 (3) FIPECAFI - SP 4,5374 (4) FSL MANDIC-SP 4,5134 (5) FAC EST - RS 4,4880 (6) FUCAPE - ES 4,3624 (7) FGV - SP 4,3372 (8) IME - RJ 4,3248 (9) FAJE - MG 4,3072 (10) EBEF - RJ 4,2605 (11) FFIA - SP 4,1483 (12) ISE OCID - BA 4,0066 (13) FAE-CEGALE - SP 3,9594
  40. 40. IGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores DesempenhosIGC 2015: Melhores Desempenhos CENTROS UNIVERSITÁRIOS IGC Contínuo (1) UNIFACEX – RN 3,6840 (2) FACVEST – SC 3,4233 (3) CEFET – MG 3,3348 (4) UNICHRISTUS – CE 3,3222 (5) IESB – DF 3,2943 (6) FECAP – SP 3,2872 (7) UNICESUMAR – PR 3,2800 (8) UNIFIL – PR 3,2616 (9) C.UNIV.ANTÔNIO PRUDENTE-SP 3,2371 (10) UNI – RN 3,1307 (11) UNA – MG 3,1256 (12) UNIEURO – DF 3,1167 (13) C.UNIV. ESTÁCIO DE SÁ – MG 3,1008
  41. 41. FUNÇÕES DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
  42. 42. ATRIBUIÇÕES DO MEC (DL 5.773/2006 art. 1.):  REGULAÇÃO - f (atos autorizativos);  SUPERVISÃO - auditoria;  AVALIAÇÃO – referencial para a regulação e a supervisão.
  43. 43. A NOVA REGULAÇÃO  D 9057 de 25/5/17 - EaD;  D 9235 de 15/12/17 – Reg, Aval, S  Portarias 20 e 21 de 21/12/17 – crede recred, autz, rec., ren. rec. e fluxo proc;  Res. 315 de 4/4/18 - supervisão;  Parecer 146 de 8/3/18 – DCN LS.  Portaria 401 de 10/05/16 - cursos
  44. 44. OPORTUNIDADES
  45. 45.  Decreto 9235 de 15/12/17, art. 46 – reconhecimento de curso protocola-se a partir de 50% de integralização.
  46. 46.  Portaria n. 1134, de 10 de outubro de 2016 - Define a oferta não ultrapasse 20 % (vinte por cento) da carga horária total do curso na modalidade a distância.  Parecer 146 de 8/3/2018, art. 2º., incisos IV e V. – instituições de pesquisa, tecnológicas e do mundo do trabalho – credenciamento instituições de PG.
  47. 47.  Decreto n. 9057, de 25 de maio de 2017, art.4º. - Atividades presenciais como tutoria, avaliações, estágios, práticas profissionais (...) serão realizadas na sede, nos polos de EaD ou em ambiente profissional, conforme DCNs.  Decreto n. 9057, de 25 de maio de 2017, art.18. - Oferta de pós-graduação stricto sensu EaD, condicionada à recomendação da CAPES.
  48. 48. Portaria n. 389, de 23 de março de 2017, art.4º. - Dispõe sobre o MP e DP no âmbito da pós-graduação stricto sensu.
  49. 49.  Portaria MEC n. 401 de 10/05/2016, art.2º., incisos I a VI (+ Portaria SETEC/MEC n.1 de 02/01/2014). – Art. 2°- oferta de cursos técnicos pelas IPES. I – Conceito Preliminar de Curso – CPC ou Conceito de Curso – CC de reconhecimento ou renovação de reconhecimento, o que for mais recente, igual ou superior a três, no curso de graduação em área de conhecimento correlata ao curso técnico a ser ofertado; II – Índice Geral de Cursos – IGC ou Conceito Institucional – CI, o que for mais recente, igual ou superior a três; III– inexistência de supervisão institucional ativa;
  50. 50.  RESOLUÇÃO n. 4 de 13/07/2005 (art. 2º , § 1º inciso IX)  Art. 2º A organização do curso (…) § 1º O Projeto Pedagógico do curso, (…) IX - concepção e composição das atividades de estágio curricular supervisionado, suas diferentes formas e condições de realização, observado o respectivo regulamento; (…)
  51. 51.  RESOLUÇÃO n. 4 de 13/07/2005 (art. 7º §s 1º e 3º )  § 1º O estágio de que trata este artigo poderá ser realizado na própria instituição de ensino, mediante laboratórios que congreguem as diversas ordens práticas correspondentes aos diferentes pensamentos das Ciências da Administração.  § 3º Optando a instituição por incluir no currículo do Curso de Graduação em Administração o Estágio Supervisionado de que trata este artigo deverá emitir regulamentação própria, aprovada pelo seu Conselho Superior Acadêmico, contendo, obrigatoriamente, critérios, procedimentos e mecanismos de avaliação, observado o disposto no parágrafo precedente.
  52. 52.  RESOLUÇÃO n. 4 de 13/07/2005 (art. 8º , parágrafo único); Art. 8º As Atividades Complementares são (…) Parágrafo único. As Atividades Complementares se constituem componentes curriculares enriquecedores e implementadores do próprio perfil do formando, sem que se confundam com estágio curricular supervisionado.
  53. 53.  PARECER CNE/CES n. 184, 7/7/2006, art. 1º § 2º  § 2º Os estágios e atividades complementares dos cursos de graduação, bacharelados, na modalidade presencial, não deverão exceder a 20% (vinte por cento) da carga horária total do curso, salvo nos casos de determinações legais em contrário.
  54. 54. DIFERENCIANDO
  55. 55.  EBAPE – 1 semestre de ES em indústria na Amazônia.  UFSC/UDESC – Intercâmbio internacional de semestre.  SOCIESC/ANIMA – Intercâmbio internacional com dupla certificação.  ESPM/ESAG – Intercâmbio nacional.  FGV – CST modalidade EaD.
  56. 56.  IFES – matriz curricular com tronco comum e horários compartilhados.  UNIFEBE – universidade corporativa de empresas de São Paulo.  UNIFACVEST – captação de alunos por coordenadores de curso e profs. e comunidade.  ENIT – alteração de horário semanal.
  57. 57.  Agenciamento de Estágios pela própria IES.  Turnos de ensino diferenciados – IES na madrugada.  Extensão – Escolas da Terceira Idade na IES.  Extensão – Escolas “Kids” na IES.  Períodos de férias intercalados semanais.
  58. 58. AA EDUCAÇÃO SUPERIOREDUCAÇÃO SUPERIOR BRABRASILEIRA REQUERSILEIRA REQUER UMUM GESTGESTOR COMOR COM ALGUMASALGUMAS CARCARACTERÍSTICASACTERÍSTICAS
  59. 59.  Conhecimento dos indicadores de desempenho organizacional.  Compreensão das funções inerentes à administração e sua articulação com o dia-a-dia da gestão.  Compreensão sobre o funcionamento do sistema nacional de educação superior.
  60. 60.  Conhecimento e compreensão dos indicadores de desempenho institucional.  Compreensão das funções do MEC e sua articulação com o dia-a-dia da coordenação.  Conhecimento da legislação da educação superior brasileira para a melhor gestão do curso.
  61. 61. O DESEMPENHO ORGANIZACIONAL PRESCINDE DA AVALIAÇÃO DE QUATRO FATORES: COMPETITIVIDADE PRODUTIVIDADE LUCRATIVIDADE QUALIDADE
  62. 62. ININDICADORES DEDICADORES DE PRPRODUTIVIDADEODUTIVIDADE
  63. 63. Indicadores de PRODUTIVIDADE  FUNCIONÁRIOS/PROFESSOR;  ORIENTANDOS/DOCENTE;  PRODUTIVIDADE DOCENTE (Qualis)  FUNCIONÁRIOS/PROFESSOR;  GRAU DE PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL; GRAU DE ENVOLVIMENTO COM A PÓS; TAXA DE SUCESSO DA GRADUAÇÃO  CUSTO CORRENTE/ALUNO EQUIVALENTE.
  64. 64. PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE OUT PUT IN PUT OUT PUT IN PUT VALOR PRODUZIDO VALOR CONSUMIDO VALOR PRODUZIDO VALOR CONSUMIDO PRODUÇÃO OBTIDA RECURSOS GASTOS PRODUÇÃO OBTIDA RECURSOS GASTOS INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE
  65. 65. PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADEPRODUTIVIDADE TAXA DE VALORTAXA DE VALOR AGREGADOAGREGADO TAXA DE VALORTAXA DE VALOR AGREGADOAGREGADO FATURAMENTOFATURAMENTO CUSTOSCUSTOS FATURAMENTOFATURAMENTO CUSTOSCUSTOS OUT PUT IN PUT OUT PUT IN PUT
  66. 66. Custo Corrente AGE +APGTI+ARTI CUSTO CORRENTE/ ALUNO EQUIVALENTE INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES AGE – Alunos Equivalentes da Graduação APGTI – Alunos de Pós-Graduação em Tempo Integral ARTI – Alunos de Residência em Tempo Integral
  67. 67. AGTI +APGTI+ARTI No. DE PROFESSORES ALUNO TEMPO INTEG./ PROFESSOR INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES AGTI – Número de Alunos da Graduação em Tempo Integral APGTI – Alunos de Pós-Graduação em Tempo Integral ARTI – Alunos de Residência em Tempo Integral
  68. 68. AGTI +APGTI+ARTI No. DE FUNCIONÁRIOS ALUNO TEMPO INTEG./ FUNCIONÁRIO INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES AGTI – Número de Alunos da Graduação em Tempo Integral APGTI – Alunos de Pós-Graduação em Tempo Integral ARTI – Alunos de Residência em Tempo Integral
  69. 69. No. DE FUNCIONÁRIOS No. DE PROFESSORES FUNCIONÁRIO/ PROFESSOR INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES
  70. 70. Número de Diplomados Total de Alunos Ingressantes TAXA DE SUCESSO DA GRADUAÇÃO (TSG) INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência da IESEficiência da IES
  71. 71. INDICADORES DEINDICADORES DE COMPETITIVICOMPETITIVIDADEDADE
  72. 72. Indicadores de COMPETITIVIDADE  CANDIDATOS/VAGA;  VAGAS DISPONÍVEIS OU NÃO PREENCHIDAS;  CAPTAÇÃO;  DESEMPENHO NAS AVALIAÇÕES (CPC, IGC, CAPES, GUIAS ESTUDANTIS,etc.); TAXA DE EVASÃO.  MARCA.
  73. 73. Número de Candidatos Número de Vagas ÍNDICE DE ATRATIVIDADE INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES
  74. 74. Transferências + Trancamentos + +Abandonos + CancelamentosEVASÃO INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES
  75. 75. Evasão_______ Somatório de MatrículasTAXA DE EVASÃO INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES
  76. 76. Número de Ingressantes Total de Egressos + EvasãoÍNDICE DE REPOSIÇÃO INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES
  77. 77. ∑ Mensalidades Cobradas Total de Alunos Pagantes*TÍQUETE MÉDIO INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Competitividade da IESCompetitividade da IES * Cálculo real considera somente os pagantes.
  78. 78. ININDICADORES DEDICADORES DE LULUCRATIVIDADECRATIVIDADE
  79. 79. Indicadores de LUCRATIVIDADE  EVA/EBITDA;  ANÁLISE HORIZONTAL E VERTICAL;  LIQUIDEZ CORRENTE;  LIQUIDEZ IMEDIATA;  ENDIVIDAMENTO;  MARGEM OPERACIONAL;  PRAZO DE PAGTO E RECEBIMENTO;  RENTABILIDADE DO PL.
  80. 80. EARNINGS BEFORE INTERESTS, TAXES, DEPRECIATION AND AMORTIZATION EARNINGS BEFORE INTERESTS, TAXES, DEPRECIATION AND AMORTIZATION EBITDAEBITDA Lucro antes de descontar os juros, os impostos sobre o lucro, a depreciação e amortizações = CAIXA GERADO PELA EMPRESA. INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica
  81. 81. AC+ARLP PC+PELP LIQUIDEZ GERAL CAPACIDADE DE SALDAR COMPROMISSOS NO CURTO E LONGO PRAZOS SEM USAR O AP. Deve ser ≥ 1,0 senão depende de recursos futuros. INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica
  82. 82. PC+PELP AT PC+PELP AT PC+PELP AT PC+PELP AT CAPITAL DE 3os. AT CAPITAL DE 3os. AT ENDIVIDAMENTO GERAL (EG) ENDIVIDAMENTO GERAL (EG) VOLUME DE CAPITAL DE TERCEIROS INVESTIDOS NA EMPRESA. Se = 1,0 indica Estado de Pré Insolvência. Se > 1,0 indica “Passivo a descoberto” = INSOLVENTE. Ex: EG=25% significa que para cada R$ 1,00 devem ser devolvidos R$ 0,25 ou seja, 25% do Ativo é de Capital de Terceiros. INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica PELP PELP+PL PELP PELP+PL EGEG
  83. 83. PC+PELP PL PC+PELP PL PARTICIPAÇÃO DE CAPITAIS DE TERCEIROS PARTICIPAÇÃO DE CAPITAIS DE TERCEIROS Volume de Capital de Terceiros em relação ao PL. Parte das empresas que vai à falência, apresenta durante longo período, altos quocientes de CT/CP. INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica CAP. 3os. CAP. PRÓPRIO CAP. 3os. CAP. PRÓPRIO
  84. 84. AP PL AP PL ____AC___ PELP+PL ____AC___ PELP+PL QUOCIENTE DE IMOBILIZAÇÃO DE RECURSOS NÃO CORRENTES QUOCIENTE DE IMOBILIZAÇÃO DE RECURSOS NÃO CORRENTES QUOCIENTE DE IMOBILIZAÇÃO QUOCIENTE DE IMOBILIZAÇÃO AVALIA SE A ORGANIZAÇÃO PRECISA DE CAPITAL DE TERCEIROS PARA APLICAR NO CURTO PRAZO EM AP. VOLUME DE RECURSOS PRÓPRIOS INVESTIDOS NO IMOBILIZADO. O PL deve ser suficiente para aplicar em AP e em outros ativos (AC e ARLP). INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Eficiência EconômicaEficiência Econômica
  85. 85. INDICADORES DEINDICADORES DE QUALIDADEQUALIDADE
  86. 86. Indicadores de QUALIDADE  ATOS REGULATÓRIOS;   ESTUDANTES/PROFESSOR;  ESTUDANTES/TÉCNICOS;  MATRÍCULA: FORMA (on line e presencial) TEMPO DE ESPERA, etc.; IQCD; ENADE; CPC; IGC;  PPC, PPI, etc. (BENCHMARKING). COMUNICAÇÃO (mídias sociais);
  87. 87. (5D + 3M + 2E + G) (D + M + E + G)IQCD INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Qualidade da IESQualidade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Qualidade da IESQualidade da IES
  88. 88. __APG__ AG +APG GRAU DE ENVOLVIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO(GEPG) INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Qualidade da IESQualidade da IES INDICADORES DE DESEMPENHOINDICADORES DE DESEMPENHO Qualidade da IESQualidade da IES
  89. 89. INDICADORES DEINDICADORES DE SUSTENTABILIDADSUSTENTABILIDAD EE
  90. 90. Indicadores de SUSTENTABILIDADE  ORÇAMENTO/PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO;  PLANEJAMENTO FINANCEIRO;  RESPONSABILIDADE SOCIAL;  NECESSIDADE SOCIAL;  IDD.
  91. 91. OUTROS INDICADORES
  92. 92. OPÇÕES % COMPROMISSO DA IES, DIREÇÃO E PROFESSORES COM A EFETIVA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES 46,32 EMPREGABILIDADE ASSEGURADA PELA FORMAÇÃO 45,73 ADEQUAÇÃO DO PPC ÀS DEMANDAS DO MERCADO 41,26 EQUILÍBRIO ENTRE QLDE. FORMAÇÃO ACADÊMICA E QLDE. FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS DOCENTES 34,80 RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES DO MEC 31,39 IMAGEM DO CURSO NO MERCADO 30,45 EXISTÊNCIA DE ATIV. EXTRACURRICULARES CAPAZES DE AMPLIAR A APRENDIZAGEM DO ALUNO 26,74 NÍVEL DE EXIGÊNCIA PARA APROVAÇÃO PELOS PROFESSORES 16,08 OUTRO 1,48 SUGESTÕES DE INDICADORES DE QUALIDADE DAS IES – PERCEPÇÃO DE COORDS. & PROFESSORES Adaptado da PESQUISA NACIONAL SISTEMAS CFA/CRAs ANGRAD, 2011.
  93. 93. FUNÇÕES & AÇÕES DOFUNÇÕES & AÇÕES DO GESTOR EDUCACIONALGESTOR EDUCACIONAL CONTEMPORÂNEOCONTEMPORÂNEO
  94. 94. AS FUNÇÕES DO GESTOR EDUCACIONAL CONTEMPORÂNEO: ACADÊMICAS GERENCIAIS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS
  95. 95. AS AÇÕES DO GESTOR ACADÊMICO CAPTAÇÃO DE DISCENTES ARTICULAÇÃO DO PPC AVALIAÇÃO MOTIVAÇÃO DOS DOCENTES E TÉCNICOS
  96. 96. ENSINO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO COMERCIAL AS AÇÕES DO GESTOR ACADÊMICO
  97. 97. DESAFIOS DA SALA DE AULA
  98. 98. PRINCIPAIS DIFICULDADESPRINCIPAIS DIFICULDADESPRINCIPAIS DIFICULDADESPRINCIPAIS DIFICULDADES ITENS 1. LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EXTENSOS. 2. COMPREENSÃO DA LEITURA. 3. ARTICULAÇÃO DA RESPOSTA (INÍCIO, MEIO E FIM). 4. FOCO NO QUE FOI QUESTIONADO. 5. DIFERENCIAR REDAÇÃO E DISSERTAÇÃO. 6. DIFICULDADE DE ARGUMENTAÇÃO COERENTE. 7. LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS. 8. INTERPRETAÇÃO DE PROBLEMAS.
  99. 99. METODOLOGIAS PRATICADASMETODOLOGIAS PRATICADAS PELOS DOCENTESPELOS DOCENTES Pesquisa CFA-FEAPesquisa CFA-FEA METODOLOGIAS PRATICADASMETODOLOGIAS PRATICADAS PELOS DOCENTESPELOS DOCENTES Pesquisa CFA-FEAPesquisa CFA-FEA PRATICA PEDAGOGICA Percentual 1. AULAS EXPOSITIVAS 29,97% 2. DISCUSSÕES EM GRUPO+ESTUDOS DE CASOS 17,54% 3. DISCUSSÕES EM GRUPO+EXERCICIOS DIRIGIDOS 15,42% 4. SEMINARIOS, APRESENTAÇÕES DE GRUPOS OU DRAMATIZAÇÕES 10,37% 5. FILMES E RECURSOS MULTIMIDIAS 9,58%
  100. 100. MATERIAL DIDATICO MAIS UTILIZADOMATERIAL DIDATICO MAIS UTILIZADO PELOS DOCENTESPELOS DOCENTES Pesquisa CFA-FEAPesquisa CFA-FEA MATERIAL DIDATICO MAIS UTILIZADOMATERIAL DIDATICO MAIS UTILIZADO PELOS DOCENTESPELOS DOCENTES Pesquisa CFA-FEAPesquisa CFA-FEA PRATICA PEDAGOGICA Percentual 1. LIVRO TEXTO DE AUTOR NACIONAL E ARTIGOS 18,52% 2. APOSTILA DESENVOLVIDA PARA A DISCIPLINA 14,78% 3. NOTICIAS E ARTIGOS VEICULADOS 13,93% 4. ANOTAÇÕES DE AULA OU SLIDES 12,24% 5. LIVRO TEXTO BASICO DE AUTOR NACIONAL 10,64%
  101. 101. ESTRATÉGIAESTRATÉGIA A DEFINIRA DEFINIR
  102. 102. “A MAIORIA DAS QUESTÕES REFERENTES À ESTRATÉGIA SÃO AS MESMAS PARA AS EMPRESAS DOMÉSTICAS E GLOBAIS, EM AMBOS OS CASOS, O DESEMPENHO É FUNÇÃO DA ATRATIVIDADE DO TIPO DE ATUAÇÃO DA EMPRESA E DA SUA POSIÇÃO RELATIVA NESSE SETOR” MICHAEL PORTER
  103. 103. Se conheceres bem o inimigo, estarás apto a vencer algumas batalhas. Se conheceres bem ao inimigo e ao campo de batalha, vencerás muitas as batalhas. Mas, somente se conheceres ao inimigo, ao campo de batalha e ao teu exército estarás apto a vencer a guerra.
  104. 104. •Estratégia que é caracterizada pela ausência de mudanças na organização (poucas alterações nos produtos, nos mercados e nos métodos de produção). Estratégia de Estabilidade •Típica de situações em que o desempenho da organização é satisfatório e o ambiente externo é estável.
  105. 105. •Estratégia que é caracterizada pelo aumento do nível de operações da organização. Estratégia de Crescimento •Estratégia típica de organizações que continuamente procuram novas oportunidades no mercado e que fazem tentativas para lidar com ameaças emergentes.
  106. 106. •Estratégia que é caracterizada pela redução das atividades da organização e que ocorre quando a organização está ameaçada e sua eficiência comprometida. Estratégia de Retração •Típica de organizações em declínio ou que pretendem sua revitalização.
  107. 107. 114 MUITO OBRIGADO!
  108. 108. 115 ww.editorananquim.com.br
  109. 109. Bibliografia ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de. O coordenador gestor: o papel dos coordenadores dos cursos de graduação em Administracão frente às mudanças. São Paulo: Makron, 2001. ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de e TACHIZAWA, Takeshy. Gestão de instituições de ensino superior. São Paulo: FGV, 2001. CORREA, Cristiane e MANO, Cristiane. O preço de uma decisão errada. São Paulo: Rev. Exame 25/05/2005. Edição 843. Ano 39. N° 10. Editora Abril p.20-26. FRANCO, Édson. Funções do coordenador de curso: como “construir”o coordenador ideal. Brasília: ABMES, 2002. MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce e LAMPEL, Joseph. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000. PORTER, Michael. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio:Elsevier,1986. PORTER, Michael. Estratégia para o Brasil. Revista Exame,Edição 809, ano 38, n.1, 21 de janeiro de 2004. São Paulo: Abril, 2004, p.44-47. ROBBINS, S. P., & De Cenzo, D. A., Fundamentos de administração: conceitos essenciais e aplicações. São Paulo: Prentice Hall, 2004. SANDRONI, Paulo. Dicionário de administração e finanças.São Paulo: Best Seller, 1993.

×