Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A Relação do Jovem com o Crédito

174 views

Published on

Ricardo Loureiro
Palestrante

Ex-Presidente da Serasa Experian no Brasil e Chairman da Experian para a América Latina.

É Engenheiro de Produção formado pela Escola Politécnica da USP, com especialização em Engenharia da Qualidade pela mesma instituição, e Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Mackenzie. Conselheiro das empresas BomPraCredito e SolStar,

Published in: Business
  • Be the first to comment

A Relação do Jovem com o Crédito

  1. 1. A relação do jovem com o Crédito Influência no potencial empreendedor
  2. 2. Agenda • Crédito e sua influência no potencial empreendedor • O que é • Origens • Seu papel social • Volumes e principais modalidades no Brasil • Benefícios • Pontos de atenção • A importância da Educação Financeira • Fechamento
  3. 3. O que é? 1. Confiança, crença fundada nas qualidades de uma pessoa ou coisa; segurança de que alguém ou algo é capaz ou veraz. "um profissional que merece crédito“ 2. Bom Nome, boa reputação; confiabilidade. "desfeita a farsa, ele perdeu todo o crédito entre os seus pares“
  4. 4. 1. Transação em que um comprador adquire um bem ou serviço para pagá-lo posteriormente, em uma ou mais parcelas “comprou a TV a crédito, em 12 parcelas iguais” 2. Condição de quem pode obter empréstimos ou comprar a prazo "nossa empresa tem crédito na praça" 3. Contrato pelo qual um banco, uma financeira etc. põe à disposição de alguém certa quantia de dinheiro mediante assinatura de notas promissórias ou qualquer outro título creditício “após a avaliação das garantias, o banco aprovou o crédito para o novo projeto” mas também é...
  5. 5. Empréstimos e outros métodos de pagamentos diferidos feitos para Consumidores ou Empresas que permitam a estes a aquisição de Bens, Serviços, Matérias-primas e/ou Equipamentos The Harper Collins Dictionary of Economics uma boa definição...
  6. 6. Um requisito básico • CRÉDITO – Deriva do latim “Credere” – Mais que ACREDITAR, transmite a ideia de CONFIAR TER CONFIANÇA
  7. 7. • CONFIANÇA – Pilar do crédito – Permite que o Crédito aconteça e beneficie as partes – A falta de Confiança atrapalha/inibe o crédito Um requisito básico
  8. 8. Algumas implicações... • Funciona melhor – Quando existe maior confiança das partes no processo – Quando estão presentes algumas outras condições • Maior conhecimento entre as partes • Garantias reais • Legislação que proteja e estabeleça papeis e responsabilidades das partes
  9. 9. Origens – Regiões do Irã, Iraque, Síria e Kuwait – Berço da civilização, surgido por volta de 6.000 a.C. • Sumérios, acádios, amoritas ou antigos babilônios, os assírios, os elamitas, e os caldeus ou neobabilônicos – As primeiras cidades: Revolução Tecnológica e agrícola (arado e foice de sílex) – O homem abandona o nomadismo e inicia processo de fixação à terra e domínio do meio ambiente: Empreendedor – A partir de 3.000 a.C. cidades como Ur, Uruque, Nipur, Quis, Lagas e Eridu e a região do Elam desenvolvem intensa Atividade Comercial (matérias primas, excedentes de produção, entreposto)
  10. 10. – O Comercio desenvolve-se com o surgimento de Caravanas de Mercadores • Vender de produtos da região e buscar o marfim da Índia, madeira do Líbano, o cobre de Chipre, o estanho do Cáucaso • Exportavam tecidos de linho, lã, e tapetes, além de pedras preciosas e perfumes • As transações comerciais eram feitas na base de troca inicialmente com base em cevada, depois pelos metais – Deu origem a uma Organização Economia sólida, que realizava diversos tipos de operações • Empréstimos a juros, Corretagem • Sociedade em negócios • Utilização de Recibos, Escrituras e Cartas de Crédito Origens
  11. 11. • Advento do Código de Hamurabi – Um dos primeiros códigos de leis, descoberto em 1901 – Escrito ao redor de 1700 a.C., durante o reinado de Hamurabi (1726 a.C. – 1686), no período de hegemonia babilônica (1800 a.C. - 1500 a.C.) – 281 artigos a respeito de relações de trabalho, família, propriedade e escravidão. – Monumento monolítico (2,25 x 1,50) talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 282 leis em 3600 linhas. – Precursor do conceito legal “written in stone” (escrito na pedra) que procurava dar segurança jurídica à vida em sociedade • Já trata sobre Operações de Credito – 150 parágrafos com citações específicas – Regulamentação envolvendo Empréstimos, Juros, Promessas de Pagamento, Garantias, etc Origens
  12. 12. • Papel essencial na Economia – Financiamento das Famílias, Reinados, Dinastias, Nações – Investimentos dos Setores Produtivos – Sustentação do Giro em todas as Cadeias Produtivas • Crédito x Crescimento Econômico – Mais Crédito a Maiores Taxas de Crescimento – Vasta literatura empírica e estudos acadêmicos Fisman and Love (2004); Lawrence (2003); Shan et Al. (2001) Papel social
  13. 13. • Teoria Econômica – Crédito ofertado em condições adequadas (prazo, custos, volume) possibilita a concretização de “Investimentos Promissores” – Permite o aumento da taxa de investimento na economia – Resulta no aumento da produção (PIB) e crescimento econômico e desenvolvimento social Papel social
  14. 14. Crescimento econômico – Historicamente, nada tem trabalhado melhor que o Crescimento Econômico para permitir às nações melhorarem as chances de vida de seus povos Dany Rodrik, Harvard University One Economics, Many Recipies: Globalization, Institutions and Economic Growth Papel social
  15. 15. Desenvolvimento social – O Crescimento Econômico é a forma mais efetiva de tirar pessoas da pobreza e ampliar seus objetivos individuais para uma vida melhor DFID – Department For International Development Agência do Governo - UK Papel social
  16. 16. Crédito no Brasil Saldodas operações crédito por pessoa jurídica e física Brasil - Janeiro de 2008 a dezembro de 2017 Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE - Rede Bancários Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE • 2008 a 2017 • Forte crescimento (PF e PJ) • Saldo supera R$3,5 trilhões • Após 2014 • Elevação da inflação • Choque do preço das commodities • Intervenção governamental na economia • Perda de confiança do mercado • Desaceleração do PIB, recessão e desemprego
  17. 17. Crédito no Brasil Taxa de crescimento real acumulado do Saldo1 das operações de crédito PJ e PF - Brasil Acum. 12 meses - Janeiro de 2009 a dezembro de 2017 Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE - Rede Bancários Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE • Queda pronunciada no período • PF já reverteu a tendência • PJ ainda com dificuldades
  18. 18. Crédito no Brasil Evolução do saldo1 de operações de crédito: Recursos Livres e Direcionados Janeiro de 2008 a dezembro de 2017 Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE - Rede Bancários Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE • Direcionados • IFs devem obrigatoriamente aplicar em determinadas linhas, em função de regulamentação, leis • Taxas de juros subsidiadas • Livres • IFs aplicam conforme suas políticas e interesse comercial
  19. 19. Crédito no Brasil Evolução do saldo1 de operações de crédito: recursos livres e direcionados Brasil - Janeiro de 2008 a dezembro de 2017 Fonte: Banco Central do Brasil Elaboração: DIEESE - Rede Bancários Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE Meses Saldo (em R$ milhões de dez/2017) Participação Relativa (em %) Recursos Recursos Livres Direcionados Recursos Recursos Livres Direcionados jan/14 1.907.785 1.569.396 55% 45% dez/14 1.998.331 1.745.801 52% 48% dez/15 1.791.371 1.731.244 51% 49% dez/16 1.601.845 1.595.193 50% 50% dez/17 1.582.680 1.502.959 51% 49% Variação Acumulada de jan/2014 a dez/2017 -17,0% -4,2% -- --
  20. 20. Crédito no Brasil Indicador de Demanda do Consumidor por Crédito – Variação Acumulada Anual Brasil – 2008 a 2017 Fonte: SERASA Experian Elaboração: DIEESE O Indicador é construído a partir de uma amostra significativa de CPFs, consultados mensalmente na base de dados da Serasa Experian. A quantidade de CPFs é transformada em número índice (média de 2008 = 100). O indicador é segmentado por região geográfica e por classe de rendimento mensal
  21. 21. Crédito no Brasil Setor de Atividade jan/14 dez/14 dez/15 dez/16 dez/17 Variação Acumulada Agropecuária 27.530 28.484 27.618 24.913 22.251 -19% Indústria extrativa mineral 40.035 43.675 49.992 32.564 21.204 -47% Indústria de transformação 550.124 549.025 516.515 422.771 363.061 -34% Indústria de construção 140.746 142.049 122.861 103.650 84.419 -40% Serviços industriais de utilidade pública 167.509 212.048 221.794 210.924 201.555 20% Comércio 376.664 372.397 335.542 282.568 252.128 -33% Transportes 182.806 188.216 184.792 144.504 131.813 -28% Administração pública 95.004 120.093 135.138 132.140 132.125 39% Outros serviços 237.750 246.641 226.737 202.227 199.227 -16% Saldo1 das operações crédito pessoa jurídica por setor de atividade econômica Brasil - janeiro de 2014 a dezembro de 2017 (em milhões de reais) Fonte: Banco Central do Brasil; laboração: DIEESE – Rede Bancários Deflator IPCA-IBGE
  22. 22. Crédito no Brasil Total de pedidos de recuperação judicial 2005-2017 Fonte: SERASA Experian Elaboração: DIEESE
  23. 23. Crédito no Brasil •Saldo1 das operações crédito com recursos livres – PESSOA JURÍDICA •Brasil - Janeiro de 2013 a dezembro de 2017 (em milhões de R$ de dez/2017) Fonte: Banco Central do Brasil; Elaboração: DIEESE - Rede Bancários; Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE Operações jan/14 dez/14 dez/15 dez/16 dez/17 Variação Real Acumulada Financiamento a exportações 105.493 104.823 109.130 93.632 93.378 -11,5% Antecipação de faturas de cartão de crédito 8.726 8.531 5.080 3.997 25.460 191,8% Cartão de crédito 7.568 8.961 9.291 8.495 8.907 17,7% Capital de giro 460.523 454.128 394.411 331.330 293.642 -36,2% Aquisição de bens 36.263 34.052 26.572 22.633 23.278 -35,8% Desconto de duplicatas 33.799 43.561 45.403 47.831 70.181 107,6% Conta garantida 56.203 55.081 43.675 33.483 28.722 -48,9% Adiantamento sobre contratos de câmbio 53.957 63.626 73.591 60.099 54.749 1,5% Cheque especial 19.824 16.603 15.791 11.026 9.169 -53,7% Desconto de cheques 11.735 10.719 7.902 5.305 4.384 -62,6% Arrendamento mercantil 25.753 22.079 17.253 13.604 11.501 -55,3% Repasse externo 31.434 35.311 48.263 34.348 31.034 -1,3% Financiamento a importações 7.311 6.883 5.870 2.714 2.880 -60,6% Vendor 8.557 8.729 5.898 4.536 4.069 -52,4% Compror 18.711 20.146 16.015 13.676 13.648 -27,1% Outros créditos livres 64.222 67.107 86.106 82.451 57.139 -11,0% Total 950.080 960.340 910.254 769.158 732.141 -22,9%
  24. 24. Crédito no Brasil •Saldo1 das operações crédito com recursos livres – PESSOA FÍSICA •Brasil - Janeiro de 2013 a dezembro de 2017 (em milhões de R$ de dez/2017) Fonte: Banco Central do Brasil; Elaboração: DIEESE - Rede Bancários; Nota: (1) Deflator IPCA-IBGE Modalidade jan/14 dez/14 dez/15 dez/16 dez/17 Variação Real Acumulada Cartão de crédito total 184.986 195.457 189.750 190.351 201.149 8,7% Crédito pessoal consignado total 285.326 303.395 298.203 296.065 310.440 8,8% Crédito pessoal não consignado vinculado à renegociação de dívidas 30.339 27.585 30.017 31.936 30.662 1,1% Crédito pessoal não consignado 126.670 124.391 117.660 104.686 101.673 -19,7% Aquisição de veículos 247.351 222.999 176.297 147.778 149.678 -39,5% Cheque especial 32.101 29.852 27.042 24.039 21.734 -32,3% Desconto de cheques 1.971 1.819 1.497 1.195 1.019 -48,3% Aquisição de outros bens 14.717 14.502 12.212 10.459 9.495 -35,5% Arrendamento mercantil total 9.442 4.021 2.286 1.504 1.116 -88,2% Outros créditos livres 24.800 23.969 26.154 24.674 23.575 -4,9% Total 957.705 947.991 881.117 832.688 850.539 -11,2%
  25. 25. Benefício
  26. 26. Benefício Empréstimos e outros métodos de pagamentos diferidos feitos para Consumidores ou Empresas que permitam a estes a aquisição de Bens, Serviços, Matérias-primas e/ou Equipamentos... ...Permitindo antecipar benefícios
  27. 27. Benefício PESSOAS FÍSICAS • Compra de bens de maior valor – – – – • Pagamento de estudos • Viagem de férias • Cobertura de gastos imprevistos – – –
  28. 28. Benefício PESSOAS JURÍDICAS • Financiamento de capital de giro – – – • Leasing pessoa jurídica – Viabiliza a modernização e/ou expansão dos negócios pela aquisição de máquinas e equipamentos • Desconto de títulos ou duplicatas – Antecipação de receitas futuras lastreada em recebíveis da empresa, a juros mais convenientes • Cartão de crédito – Permite postergar e organizar desencaixes
  29. 29. Pontos de atenção Professor Rubens Adorno tem 120% da renda comprometida com dívidas Foto: IDEC - O Estado de S. Paulo, 11/06/2018
  30. 30. Pontos de atenção • Dívida chegou a R$ 600 mil • Prestações em 120% de sua renda mensal , hoje está em torno de 70% • Diz que nunca se dirigiu a um banco, as ofertas chegaram até ele, por telefone • Sem critérios na escolha de crédito, foi trocando uma modalidade por outra, fazendo seguros e aceitando produtos Professor Rubens Adorno tem 120% da renda comprometida com dívidas Foto: IDEC - O Estado de S. Paulo, 11/06/2018
  31. 31. Análise de crédito • Satisfazer os requisitos – Banco – Financeira – Fundo – Instituição de fomento • Política de crédito – Informações sociodemográficas – Informações de comportamento creditício – Outras informações comportamentais – Score de crédito
  32. 32. Score de crédito Principal ferramenta de análise de crédito, utilizada por todas as organizações • Pontuação que indica a probabilidade do proponente tornar-se inadimplente em um período de 12 meses • Análise estatística de info públicas sobre o proponente (Birôs de Crédito, BACEN, Internet, Facebook, etc)
  33. 33. • Informações relevantes no cálculo do score – Não estar inadimplente – Experiência com Crédito – Histórico de pagamentos – Comprometimento de renda compatível – Dados cadastrais atualizados • Usa escala de 0 a 1000 – 0 a 300 pontos — alto risco – 301 a 700 pontos — risco médio – 701 a 1000 pontos — baixo risco Score de crédito
  34. 34. Minha experiência... • Período 2008 – 2014 – Comprometimento de renda exacerbado – Imprudência de credores – Atraso na aprovação do Cadastro Positivo – Descontrole orçamentário como principal causa de Inadimplência Por volta de 60% dos negativados tinham dívidas cadastradas com mais de 5 credores (superior, em média, a 8 vezes sua renda mensal)
  35. 35. Educação financeira • Estamos endividados? • Quanto é a nossa dívida • Quanto sobrou de dinheiro? • Estamos formando poupança? Prof. Emerson Fabris Coelho Martins - UFPR Especialista – Família e Finanças – PUVPR www.gestãofamiliar.com.br
  36. 36. Educação financeira “Ninguém alcança seus objetivos financeiros se gastar mais do que ganha” - Disciplina - Criatividade - Renúncias - Postergações Prof. Emerson Fabris Coelho Martins - UFPR Especialista – Família e Finanças – PUVPR www.gestãofamiliar.com.br
  37. 37. Educação financeira • Gerenciar o dinheiro –Racionalizar receitas e despesas –Formar poupança –Prosperar • Estabelecimento de metas –Explícitos –Claros e factíveis –Processo contínuo e disciplinado Prof. Emerson Fabris Coelho Martins - UFPR Especialista – Família e Finanças – PUVPR www.gestãofamiliar.com.br
  38. 38. 1o video sobre Educação Financeira para Serasa Experian Emprego dos Sonhos. "Empoderando o consumidor para a grana render mais”
  39. 39. • Poderosa ferramenta para desenvolvimento das nações e combate à pobreza • Remonta a tempos imemoriais, e está relacionado ao próprio caráter civilizatório da humanidade • Permite antecipar o desenvolvimento de nossos projetos alavancar negócios, aumentando nossa capacidade de realização • Exige responsabilidade, prudência e disciplina em sua utilização • Um bom comportamento creditício permite manter as portas sempre abertas Fechamento

×