Slides controladoria aula_3

3,979 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,979
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
135
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Slides controladoria aula_3

  1. 1. Grau de Alavancagem Financeira Grau de Alavancagem Financeira O quociente de alavancagem financeira, indica se os Se o custo da dívida é maior que o retorno sobre o recursos que estão sendo tomados por empréstimo pela Ativo, ou seja, se a empresa paga, para cada real entidade estão obtendo um retorno adequado pela sua tomado, mais do que rende seu investimento no aplicação no ativo da mesma negócio, bancam negócio então os acionistas ‘bancam’ a diferença com sua parte do lucro (ou até com o próprio capital) Se o custo da dívida é menor que o retorno sobre o Ativo, os acionistas ganham a diferença Grau de Alavancagem Financeira Grau de Alavancagem Financeira GAF > 1 = Situação Favorável ROE Fórmula = ROI ROE: Return on Equit (Retorno sobre o PL) GAF < 1 = Situação Desfavorável ROI: Return on Investment (Retorno sobre o Ativo) 1
  2. 2. Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Exemplo Cenário A Exemplo Cenário A Balanço Patrimonial da Cia. ABC após Constituição em 01/01/X1: No exercício de X1, efetuou as seguintes transações: ATIVO PASSIVO Compra a vista de mercadorias para revenda no valor de $ 500 Venda à prazo das mesmas mercadorias adquiridas, pelo valor de Circulante 1.000 Circulante - $ 1.000 Caixa 1.000 1 000 Patrimônio Líquido 1.000 Capital 1.000 Total do Ativo 1.000 Total do Passivo 1.000 Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Exemplo Cenário A Exemplo Cenário B Balanço Patrimonial da Cia. ABC encerrado em 31/12/X1: Balanço Patrimonial da Cia. ABC após Constituição em 01/01/X1: ATIVO PASSIVO DRE ATIVO PASSIVO Circulante 1.500 Circulante - Receita Líquida 1.000 Circulante 1.000 Circulante - Caixa 500 ( − ) CMV ( (500) ) Caixa 1.000 1 000 Clientes 1.000 Patrimônio Líquido 1.500 Lucro Bruto 500 Patrimônio Líquido 1.000 Estoques - Capital 1.000 ( − ) Despesas - Capital 1.000 Lucro Acumulado 500 ( − ) DF - Total do Ativo 1.500 Total do Passivo 1.500 Lucro Líquido 500 Total do Ativo 1.000 Total do Passivo 1.000 ROE (500 ÷ 1000) × 100 50% GAF = = = = 1,00 ROI (500 ÷ 1000) × 100 50% Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Exemplo Cenário B Exemplo Cenário B No exercício de X1, efetuou as seguintes transações: Balanço Patrimonial da Cia. ABC encerrado em 31/12/X1: ATIVO PASSIVO DRE Empréstimo de $ 1.000 do Banco Alfa, a uma taxa de juros anual de 50% Circulante 2.500 Circulante 1.000 Receita Líquida 2.000 Caixa 500 Empréstimos 1.000 ( − ) CMV (1.000) Compra a vista de mercadorias para revenda no valor de $ 1.000 Clientes 2.000 2 000 Lucro Bruto 1.000 1 000 Venda à prazo das mesmas mercadorias adquiridas, pelo valor de Estoques - Patrimônio Líquido 1.500 ( − ) Despesas - Capital 1.000 ( − ) D. Financeira (500) $ 2.000 Lucro Acumulado 500 Lucro Líquido 500 Pagamento de juros sobre o empréstimo, no valor de $ 500 Total do Ativo 2.500 Total do Passivo 2.500 ROE (500 ÷ 1.000) × 100 50% GAF = = = = 1,00 ROI (500 + 500) ÷ 2.000) × 100 50% 2
  3. 3. Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Exemplo Cenário C Exemplo Cenário C Balanço Patrimonial da Cia. ABC após Constituição em 01/01/X1: No exercício de X1, efetuou as seguintes transações: ATIVO PASSIVO Empréstimo de $ 1.000 do Banco Alfa, a uma taxa de juros anual de 60% Circulante 1.000 Circulante - Compra a vista de mercadorias para revenda no valor de $ 1.000 Caixa 1.000 1 000 Patrimônio Líquido 1.000 Venda à prazo das mesmas mercadorias adquiridas, pelo valor de $ Capital 1.000 2.000 Pagamento de juros sobre o empréstimo, no valor de $ 600 Total do Ativo 1.000 Total do Passivo 1.000 Retorno sobre o Ativo Grau de Alavancagem Financeira Custo da Dívida Exemplo Cenário C Balanço Patrimonial da Cia. ABC encerrado em 31/12/X1: ATIVO PASSIVO DRE M E Circulante 2.400 Circulante 1.000 Receita Líquida 2.000 Despesas Financeiras L Caixa 400 Empréstimos 1.000 ( − ) CMV (1.000) Fórmula = × 100 H Passivo Gerador de Clientes 2.000 Lucro Bruto 1.000 O Encargos Estoques - Patrimônio Líquido 1.400 ( − ) Despesas - R Capital 1.000 ( − ) D. Financeira (600) Lucro Acumulado 400 Lucro Líquido 400 Indica: O custo médio da dívida da empresa Total do Ativo 2.400 Total do Passivo 2.400 ROE (400 ÷ 1.000) × 100 40% GAF = = = = 0,80 ROI (400 + 600) ÷ 2.000) × 100 50% Indicadores de Dependência Bancária Financiamento de Ativo por Inst. Crédito M E Empréstimos e Dependência L Financiamentos Bancários Bancária Fórmula = × 100 H Ativo Total t o ota O R Participação de Participação de Financiamento de Instituições de Instituições de Ativo por Instituição Crédito no Crédito no Ativo de Crédito Endividamento Circulante Indica: qual a participação dos Empréstimos e Financiamentos Bancários, de Curto e Longo Prazos, na composição do total de investimentos (Ativo). 3
  4. 4. Participação Inst. Créd. no Endividamento Participação de Inst. Crédito no AC M M E E Empréstimos e Empréstimos e L L Financiamentos Bancários Financiamentos C. Prazo Fórmula = × 100 H Fórmula = × 100 H Capital de Terceiros O Ativo Circulante O R R Indica: qual o percentual de participação dos Indica: o percentual de Empréstimos e empréstimos e financiamentos bancários, na Financiamentos de Curto Prazo que financiam o composição do total de Capital de Terceiros Ativo Circulante da empresa Indicadores Ciclo Operacional Indicadores Ciclo Operacional Prazos Médios Prazo Médio de Prazo Médio de Prazo Médio de Posicionamento Pagamento de Renovação de Relativo Cobrança Compras Estoques Fornecedores financiam totalmente os estoques e uma parte das vendas Indicadores Ciclo Operacional Retorno sobre o Ativo Prazo Médio de Cobrança Calcular o valor do saldo médio de Duplicatas a Receber a partir dos dados abaixo: Vendas Diárias: R$ 100 Prazo de Cobrança: 30 dias Fornecedores financiam apenas parte dos estoques 4
  5. 5. Prazo Médio de Cobrança Retorno sobre o Ativo Prazo Médio de Cobrança E se o Prazo de Cobrança fosse alterado para 90 dias, qual seria o novo saldo médio de Duplicatas a 1.º 2.º 3.º 4.º .... 30.º 31.º 32.º 33.º Receber? Vendas 100 100 100 100 .... 100 100 100 100 Recebimentos - - - - .... - 100 100 100 Duplicatas a Receber 100 200 300 400 .... 3.000 3.000 3.000 3.000 Prazo Médio de Cobrança Prazo Médio de Cobrança 1.º 2.º 3.º 4.º .... 30.º 31.º 32.º 33.º Vendas 100 100 100 100 .... 100 100 100 100 Recebimentos - - - - .... - 100 100 100 Duplicatas a Receber 100 200 300 400 .... 3.000 3.000 3.000 3.000 30 31 32 33 .... 62 63 .... 122 123 124 Vendas 100 100 100 100 .... 100 100 .... 100 100 100 Recebimentos - 100 100 100 .... 100 - .... - 100 100 Duplicatas a Receber 3.000 3.000 3.000 3.000 .... 3.000 3.100 .... 9.000 9.000 9.000 Prazo Médio de Cobrança Prazo Médio de Pagamento de Compras Duplicatas a Receber = PMC × Vendas Diárias Fornecedores = PMPC × Compras Diárias a Prazo M E M Duplicatas a Receber p L E PMC = H Fornecedores L Vendas Diárias O PMPC = H Compras Diárias a Prazo O R R Duplicatas a Receber PMC = × DP Fornecedores Vendas PMPC = × DP Compras a Prazo 5
  6. 6. Prazo Médio de Renovação de Estoques Posicionamento Relativo M Estoques = PMRE × Custo dos Materiais Empregados E PMC L Posicionamento Relati o = Relativo PMPC H Estoque de Materiais M O PMRE = Custo dos Materiais × DP E R Empregados L H O R Termômetro da de Kanitz Termômetro Insolvência Termômetro de Kanitz Art. 31 da Lei 8.666/93 Art. 31 da Lei 8.666/93 § 1º A exigência de índices limitar-se-á à § 5º A comprovação de boa situação financeira da demonstração da capacidade financeira do licitante empresa será feita de forma objetiva, através do cálculo com vistas aos compromissos que terá que assumir de índices contábeis previstos no edital e caso lhe seja adjudicado o contrato vedada a exigência contrato, devidamente justificados no processo administrativo da de valores mínimos de faturamento anterior, índices licitação que tenha dado início ao certame licitatório, de rentabilidade ou lucratividade vedada a exigência de índices e valores não usualmente adotados para correta avaliação de situação financeira suficiente ao cumprimento das obrigações decorrentes da licitação. 6
  7. 7. Art. 31 da Lei 8.666/93 EBITDA Ativo Circulante Earning ILC = Passivo Circulante Before ILG = Ativo Circulante + RLP Interest Passivo Circulante + ELP Taxes Passivo Circulante + ELP Endividamento = Depreciation/Depletion Total Ativo Total Amortization LAJIDA Definição Lucro EBITDA representa o lucro especificamente gerado pelos ativos operacionais. Antes Juros Impostos Depreciação Amortização Definição DRE Demonstração de Resultado do Exercício O EBITDA revela a genuína capacidade operacional Receita Bruta de Vendas 400.000 ( − ) Deduções de Vendas (50.000) de geração de caixa de uma empresa Receita Líquida de Vendas 350.000 ( − ) Custo das Vendas (150.000) Quanto maior esse índice, mais eficiente se Lucro Bruto 200.000 ( − ) Despesas de Vendas (20.000) apresenta a formação de caixa proveniente das ( − ) Despesas Administrativas Despesas de Depreciação (20.000) operações, e Outras Despesas Administrativas (40.000) (60.000) ( − ) Despesas Financeiras Líquidas (25.000) Melhor ainda a capacidade de pagamento aos ( ± ) Outras Receitas/Despesas 5.000 Lucro Operacional 100.000 proprietários de capital e investimentos demonstrada ( ± ) Receitas/Despesas não Operacionais 500 Lucro antes dos Impostos 100.500 pela empresa ( − ) Imposto de Renda e Contribuição Social (34.000) Lucro Líquido 66.500 7
  8. 8. Reconciliação da DRE Margem EBITDA Reconciliação da DRE Lucro Operacional 100.000 EBITDA Margem EBITDA = × 100 ( + ) Despesas Financeiras Líquidas 25.000 Receita Líquida de Vendas ( + ) Despesas de Depreciação 20.000 ( = ) EBITDA 145.000 Margem EBITDA Análise Padrão A Análise de Balanços através de índices só adquire consistência e objetividade quando os índices são comparados com padrões, pois, do contrário, as e, raro, conclusões se sujeitam à opinião e não raro ao humor do analista de balanços Análise Padrão Mediana Através de técnicas estatísticas, é possível a construção de indicadores padrão, que servem de 0,30 0,33 0,37 0,50 0,54 0,60 0,61 0,70 0,85 1,00 parâmetro de comparação da performance econômico- 0,31 0,34 0,40 0,52 0,55 0,61 0,63 0,80 0,90 1,10 financeira da empresa 0,3 0,32 0,35 0, 5 0,45 0,53 0,58 0,6 0,61 0,65 0,8 0,81 0,95 1,20 , 0 Mediana 0,59 8
  9. 9. Mediana Quocientes Padrão Decil 0,30 0,33 0,37 0,50 0,54 0,60 0,61 0,70 0,85 1,00 0,31 0,34 0,40 0,52 0,55 0,61 0,63 0,80 0,90 1,10 0,32 0,35 0,45 0,53 0,58 0,61 0,65 0,81 0,95 1,20 Mediana 0,59 Quocientes Padrão Decil Quocientes Padrão Análise Padrão 2.º Decil 4.º Decil 6.º Decil 8.º Decil 33,0 44,0 59,0 88,0 26 29 35 37 45 55 60 80 90 97 1.º 2.º 3.º 4.º 5.º 6.º 7.º 8.º 9.º 27 30 36 39 46 56 63 85 96 98 Quanto Maior, Melhor Insatisfatório Regular Normal Bom Excelente 27 31 37 43 47 58 70 86 96 100 Quanto Menor, Melhor Excelente Bom Normal Regular Insatisfatório 1.º Decil 3.º Decil 5.º Decil 7.º Decil 9.º Decil 28,0 37,0 51,0 75,0 96,5 Quocientes Padrão Análise Padrão Quocientes Padrão Análise Padrão 9
  10. 10. Padrões de Análise Análise Padrão Padrões de Análise Análise Padrão Análise Padrão Análise Padrão www.bovespa.com.br www.cvm.gov.br Análise Padrão 10

×