Apostila cathedra contabilidade de custos

32,042 views

Published on

5 Comments
20 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
32,042
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
1,319
Comments
5
Likes
20
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apostila cathedra contabilidade de custos

  1. 1. José Jayme Moraes Junior APOSTILA CONTABILIDADE DE CUSTOS
  2. 2. Apostila – Contabilidade de Custos Autor: José Jayme Moraes Junior - Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil; - Professor de Contabilidade Geral e Análise das Demonstrações Contábeis do Curso Cathedra (www.cathedranet.com.br); - Bacharel em Engenharia de Telecomunicações pela USP; - Bacharel em Ciências Navais pela Escola Naval; - Pós-Graduando em Direito Tributário e Finanças Públicas pelo IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público); - Aprovado em 5o lugar para o cargo de Auditor-Fiscal da Receita Federal – Unidades Centrais - AFRF-2005; - Aprovado em 1o lugar nas provas objetivas e discursiva e em 7o lugar, após prova de títulos, para o cargo de Técnico de Desenvolvimento e Administração do IPEA; - Servidor Público Federal há 20 anos; - Oficial da Marinha do Brasil durante 17 anos; - Aprovado em 5o lugar no concurso para ingressar na Escola Naval. Livros Publicados: - 300 Questões Comentadas de Inglês – Editora Maximus – www.editoramaximus.com.br - Finanças Públicas – Editora Campus – em parceria com o Prof. Carlos André – www.editoracampus.com.br Cursos Online Publicados: - Curso de Contabilidade Geral e Custos em Exercícios – ICMS/RJ – 2008 - Cathedra EAD – www.cathedranet.com.br e clique em “Ensino à Distância” - Curso de Contabilidade Geral – Módulo Básico – 2008 - Cathedra EAD – www.cathedranet.com.br e clique em “Ensino à Distância” - Artigos de Contabilidade Geral – 2008 – www.euvoupassar.com.br - Curso de Contabilidade Geral e Custos em Exercícios – ICMS/RJ – 2007 - Ponto dos Concursos - Curso de Análise das Demonstrações Contábeis – 2007 - Pontos dos Concursos - Curso de Contabilidade de Custos – CESPE – 2007 - Ponto dos Concursos - Curso de Contabilidade Geral em Exercícios – CESPE – 2007 - Ponto dos Concursos - Curso de Contabilidade Geral em Exercícios – ESAF – Ponto dos Concursos e-mail: jjmoraesjr@ig.com.br 2008 Prof. José Jayme Moraes Junior 2 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  3. 3. Apostila – Contabilidade de Custos Conteúdo Programático 1. Sistemas de custos: terminologia aplicada à Contabilidade de Custos, terminologia em entidades não industriais. 2. Classificação de custos. 3. Custos diretos: custos fixos e variáveis. 4. Distinção entre custos e despesas. 5. Custos indiretos: alocação e determinação da base para alocação. 6. Custos indiretos: custos fixos e variáveis. 7. Métodos de custeio: por absorção, direto ou variável e ABC (Custeio Baseado por Atividades). Definição, principais características, diferenciação, vantagens e desvantagens de cada método. 8. Exercícios de Fixação. Gabarito e Gabarito Comentado. 1. Sistemas de custos: terminologia aplicada à Contabilidade de Custos. 1.1.Introdução Com o advento da Revolução Industrial e a conseqüente proliferação das indústrias, a Contabilidade precisava adaptar os procedimentos de apuração do resultado em empresas comerciais, que simplesmente revendiam as mercadorias, para as indústrias, que compravam matérias-primas e utilizavam os fatores de produção para transformá-las em produtos destinados à venda. A primeira solução encontrada foi transformar a apuração do resultado das empresas comerciais, com a substituição do item “Compras” pelo pagamento de fatores que faziam parte da produção, como, matérias-primas consumidas, salários dos trabalhadores da produção, energia elétrica e combustíveis utilizados, ou seja, todos os gastos que foram efetuados na atividade industrial, também conhecidos como custos de produção. Com isso, surgiu um novo ramo da Contabilidade, denominado Contabilidade de Custos. Fórmulas utilizadas pelas empresas comerciais: CMV = EI + C – EF LB = V - CMV Onde: EI = Estoque Final C = Compras EF = Estoque Final LB = Lucro Bruto CMV = Custo das Mercadorias Vendidas Lucro Bruto (LB) (-) Despesas - Comerciais - Administrativas - Financeiras (=) Resultado Líquido Prof. José Jayme Moraes Junior 3 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  4. 4. Apostila – Contabilidade de Custos A Contabilidade de Custos, nos primórdios, teve como principal função avaliar os estoques das indústrias, visto que é um procedimento muito mais complexo do que nas empresas comerciais, pois envolve diversos fatores, tais como, pagamento de salários dos trabalhadores da produção, aquisições e utilização de matéria-prima, etc. Um outro problema que complicava o cálculo dos estoques das empresas industriais é que os gastos da produção deveriam ser incorporados aos estoques das indústrias durante o processo de produção. Além disso, por ocasião do encerramento do exercício e da elaboração do balanço patrimonial, haverá dois tipos de estoques: o estoque de produtos em elaboração (produtos que ainda não estão acabados) e o estoque de produtos acabados (produtos prontos para a venda). As fórmulas utilizadas pelas empresas industriais ficaram então, da seguinte forma: CPV = EI + GP – EF LB = V – CPV Onde: CPV = Custo dos Produtos Vendidos EI = Estoques Iniciais de produtos em elaboração e de produtos acabados GP = Gastos na Produção EF = Estoques Finais de produtos em elaboração e de produtos acabados LB = Lucro Bruto V = Vendas Lucro Bruto (LB) (-) Despesas - Comerciais - Administrativas - Financeiras (=) Resultado Líquido Pela fórmula de custo dos produtos vendidos, percebe-se que os gastos de produção do período foram totalmente absorvidos, ou pelos estoques finais de produtos ou pelo custo dos produtos vendidos, sendo denominado, por isso, de custeio por absorção (custeio = forma de apurar custos). O custeio por absorção está baseado nos seguintes princípios contábeis: Princípio do Registro pelo Valor Original: os estoques e o resultado das indústrias são avaliados pelo custo histórico, não sendo corrigidos quando há variação no preço dos fatores de produção entre a aquisição e a elaboração do balanço patrimonial. Princípio da Competência: todos os gastos com a produção que não tiverem correspondência com as receitas obtidas pela empresa devem ser incorporados ao valor dos estoques (custeio por absorção). Prof. José Jayme Moraes Junior 4 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  5. 5. Apostila – Contabilidade de Custos 1.2.Terminologia Aplicada à Contabilidade de Custos 1.2.1. Gasto Gasto corresponde ao consumo de um ativo pela empresa com o objetivo de obtenção de um bem ou serviço e é representado pela entrega ou promessa de entrega de bens ou direitos. O fato gerador com gasto se concretiza quando os bens ou serviços adquiridos são prestados e, conseqüentemente, passam a ser propriedade da empresa. Normalmente, um gasto implica em desembolso, embora o desembolso possa ser diferido no tempo em relação ao gasto. Exemplos: Gastos com mão-de-obra (salários e encargos sociais) Gastos com aquisição de mercadorias para revenda Gastos com aquisição de matérias-primas para industrialização Gastos com aquisição de máquinas Gastos com aquisição de equipamentos Gastos com o consumo de energia elétrica Gastos com aluguéis de instalações Gastos com reorganização administrativa Gastos com desenvolvimento de produtos 1.2.2. Desembolso Corresponde ao pagamento efetuado devido a aquisição de um bem ou serviço, podendo ocorrer concomitantemente com o gasto, quando o pagamento é a vista, ou posteriormente ao gasto, quando o pagamento é a prazo. 1.2.3. Tipos de Gastos Os gastos podem ser divididos em: - Investimentos; - Custos; ou - Despesas. 1.2.3.1. Investimentos Corresponde ao gasto com um bem ou serviço ativado em função de vida útil ou de benefícios atribuíveis a períodos futuros. Exemplos: Aquisição de móveis e utensílios Aquisição de imóveis Despesas pré-operacionais Aquisição de marcas e patentes Aquisição de matérias-primas (*1) Aquisição de material de escritório Prof. José Jayme Moraes Junior 5 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  6. 6. Apostila – Contabilidade de Custos (*1) O gasto com a aquisição de matérias-primas adquiridas pela empresa e que ainda não foram utilizadas no processo de produção de bens ou serviços é considerado um investimento. Os investimentos podem ser de diversas naturezas e de períodos de ativação variados: a matéria prima é um gasto contabilizado temporariamente como investimento circulante, a máquina é um gasto que se transforma num investimento permanente, as ações adquiridas de outras empresas são gastos classificados como investimentos circulantes ou permanentes, dependendo da intenção que levou a sociedade à aquisição. 1.2.3.2. Custo Corresponde ao gasto com bens ou serviços que serão utilizados na produção de outros bens ou serviços, ou seja, são gastos relacionados à atividade de produção. Exemplos: Salários e encargos sociais dos funcionários que trabalham na produção Matéria-prima utilizada no processo produtivo (*2) Combustíveis e lubrificantes utilizados nas máquinas da fábrica Aluguéis das instalações da fábrica Seguro das instalações da fábrica Seguros do maquinário utilizado na produção Depreciação dos equipamentos utilizados na produção Gastos com manutenção das máquinas utilizadas na produção (*2) No momento que as matérias-primas adquiridas pela empresa passam a ser utilizadas no processo produtivo de bens ou serviços, deixam de ser consideradas investimentos (classificados no Ativo Circulante – Estoque de Matérias-Primas) e passam a ser consideradas custos de produção. A matéria-prima foi um gasto na sua aquisição que imediatamente se tornou investimento, e assim, ficou durante o tempo de sua estocagem, sem que aparecesse nenhum custo associado a ela. No momento de sua utilização na fabricação de um bem, surge o custo da matéria-prima como parte integrante do bem elaborado. Este, por sua vez, é de novo um investimento, já que fica ativado até sua venda; A energia elétrica utilizada na fabricação de um bem qualquer é gasto (na hora de seu consumo) que passa imediatamente para custo, sem transitar pela fase de investimento; A máquina provocou um gasto na sua entrada, tornando investimento e parceladamente transformado em custo (depreciação), na medida em que é utilizada no processo de produção de utilidades. Lançamentos: Na aquisição de matérias-primas pela indústria: Estoque de Matérias-Primas (Ativo Circulante) a Fornecedores (Passivo Circulante) Prof. José Jayme Moraes Junior 6 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  7. 7. Apostila – Contabilidade de Custos Na utilização de matérias-primas no processo produtivo: Matéria-Prima (Custo) a Estoque de Matérias-Primas (Ativo Circulante) Algumas outras definições de custo: a) Custo é um gasto relativo ao bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. São insumos de bens de capitais ou serviços efetuados para execução de determinados objetos (Eliseu Martins); b) Custos são insumos de capitais, bens ou serviços, efetuados para consecução de determinados objetivos. Estes insumos assumem, primeiramente, uma expressão física e se traduzem, posteriormente, pela expressão monetária dos mesmos. Assim, melhor definindo, "custo de um bem ou serviço, é a expressão monetária dos insumos físicos realizados na obtenção daquele bem ou serviço, considerando-se o total retorno dos capitais empregados, em termos de reposição." (Olivio Koliver) c) Custo é o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda (...). d) O custo é também um gasto, só que reconhecido como tal, isto é, como custo, no momento da utilização dos fatores de produção (bens e serviços), para a fabricação de um produto ou execução de um serviço. 1.2.3.3. Despesa Despesas são gastos com bens ou serviços não utilizados nas atividades produtivas e consumidos com a finalidade de obtenção de receitas. Ou seja, as despesas são itens que reduzem o patrimônio e que possuem a característica de representar sacrifícios no processo de obtenção de receitas. Logo, pode-se concluir que as empresas têm despesas para gerar receitas e têm custos para produzir seus bens e serviços. Entretanto, normalmente, nem sempre é fácil distinguir custos e despesas. Para facilitar a sua compreensão, podemos adotar a seguinte regra: custos são todos os gastos realizados até que o produto fique pronto; a partir deste ponto, todos os gastos passam a ser despesas. Por exemplo, os gastos com a embalagem de um determinado produto podem ser custos se realizados no âmbito do processo produtivo (o produto é vendido embalado); e podem ser despesas se realizados após a produção (o produto pode ser vendido com ou sem embalagem). A comissão do vendedor, por exemplo, é um gasto que se torna imediatamente uma despesa. O computador da secretária do diretor financeiro, que fora transformado em investimento, tem uma parcela reconhecida como despesa (depreciação), sem transitar pelo custo. Logo, todas as despesas são ou foram gastos, porém, alguns gastos muitas vezes não se transformam em despesas. Por exemplo: terrenos, que não são depreciados, ou só se transforma em despesa quando de sua venda. Prof. José Jayme Moraes Junior 7 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  8. 8. Apostila – Contabilidade de Custos Segundo a Resolução no 750/93 do CFC, que trata dos Princípios Fundamentais de Contabilidade, as despesas consideram-se incorridas: a) quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua propriedade para terceiros; b) pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo; c) pelo surgimento de um passivo sem correspondente ativo. Há que se ressaltar que todos custos que estão incorporados nos produtos acabados da indústria são reconhecidos como despesas (apropriação em conta de resultado) no momento da venda desses produtos. Por exemplo, o equipamento usado na fábrica, que fora gasto transformado em investimentos e posteriormente considerado parcialmente como custo torna-se, na venda do produto feito, uma despesa. Outros Exemplos: Salários e encargos sociais do pessoal de vendas Salários e encargos sociais do pessoal da administração da indústria Energia elétrica consumida nas instalações da administração da indústria Gastos com combustíveis e refeições do pessoal de vendas Conta telefônica da administração e do pessoal de vendas Aluguéis e seguros das instalações da administração da indústria Os encargos financeiros incorridos pela empresa, independentemente de sua origem (por exemplo: decorrente da aquisição de insumos para a produção), são sempre considerados despesas. Prof. José Jayme Moraes Junior 8 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  9. 9. Apostila – Contabilidade de Custos Conceitos importantes: Etapas: 1 – A empresa realiza um gasto, que corresponde a um aumento das obrigações e/ou diminuição do ativo. 2 – O gasto pode ser: - Investimento: compra de matéria-prima; aquisição de bens do imobilizado. - Consumo Direto: pagamento da conta de energia elétrica. 3 – Investimento: por exemplo, a matéria-prima que, no momento de sua compra era um investimento, passou a ser considerada como um custo no momento de sua utilização na produção e, posteriormente, torna-se uma despesa quando o produto fabricado for vendido. 4 – Gastos de consumo direto: classifica-se inicialmente como despesas, podendo ser diretamente apropriados no resultado do exercício, caso não participem do processo produtivo. Caso contrário, isto é, se participarem do processo produtivo, serão considerados custos e, posteriormente, despesas, quando da apuração do resultado do exercício. Resumindo: primeiro surge o gasto, e, posteriormente, a despesa, que pode ser classificada diretamente do resultado do exercício, ou como um custo que se transformará em despesas quando da apuração do resultado do exercício, segundo os princípios fundamentais da contabilidade. 1.2.4. Perda As perdas correspondem a gastos não intencionais decorrentes de fatores externos, fortuitos (perdas anormais) ou da atividade normal da empresa (perdas normais). Todo processo produtivo pode gerar restos decorrentes da atividade desenvolvida (previsionais), que são considerados normais à atividade, e, por conseqüência englobam o custo do produto fabricado. As perdas normais com matérias-primas integram o custo de produção do período. Contudo, as perdas anormais, como as provenientes de erros de produção, incêndios, obsolescência, erros humanos etc., são consideradas despesas do período, sendo contabilizadas como tal, incidindo diretamente no resultado do exercício, não sendo ativadas (não compõem os custos dos produtos, simplesmente reduzem o resultado do período). Prof. José Jayme Moraes Junior 9 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  10. 10. Apostila – Contabilidade de Custos Exemplos: O gasto de mão-de-obra durante um período de greve, por exemplo, é uma perda (despesa). O material deteriorado por um defeito anormal de um equipamento provoca uma perda (despesa). 1.2.5. Receita É a entrada de elementos para o ativo sob forma de dinheiro ou de direitos a receber, correspondente normalmente à venda de bens ou serviços. A receita, pelo Princípio da Competência, é considerada realizada no momento em que há a venda de bens e direitos da entidade, com a transferência da sua propriedade para terceiros, efetuando estes o pagamento em dinheiro ou assumindo compromisso firme de fazê-lo no prazo certo. Nas entidades em que a produção demanda largo espaço de tempo, deve ocorrer o reconhecimento gradativo da receita, proporcionalmente ao avanço da obra. Exemplo: um estaleiro que produz navios pode levar vários anos até terminar a obra, ou seja, a receita deve ser lançada na medida em que as etapas vão sendo cumpridas. Segundo o Princípio da Competência, as receitas consideram-se realizadas: a) nas transações com terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem compromisso firme de efetuá-lo, quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à entidade, quer pela fruição de serviços por estas prestados; b) quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior; c) pela geração natural de novos ativos, independentemente da intervenção de terceiros; d) no recebimento efetivo de doações e subvenções. As receitas, assim como as despesas, podem ser classificadas em operacionais (decorrentes da atividade da entidade) e não operacionais (consideradas eventuais). 1.2.6. Ganho Corresponde ao resultado líquido favorável resultante de transações ou eventos não relacionados as operações normais da entidade. Exemplo: Ganho na alienação de bens do ativo imobilizado. Prof. José Jayme Moraes Junior 10 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  11. 11. Apostila – Contabilidade de Custos 1.2.7. Lucro/Prejuízo Diferença positiva (lucro) e/ou negativa (prejuízo) entre receitas e despesas/custos, ganhos e perdas. 1.2.8. Custeio É o método utilizado para apropriação dos custos, diretos e indiretos, aos produtos. 1.2.9.Custear “Significa coletar, acumular, organizar, analisar, interpretar e informar custos e dados de custos, com o objetivo de auxiliar a gerência da empresa”. (LEONE, G. G. Sistemas de Custeamento. In: Custos. Planejamento, Implantação e Controle. P. 229) Exemplos: Classificação dos Gastos: 1. Compra de computadores à vista: desembolso; investimento. 2. Compra de mercadorias a prazo: investimento. 3. Compra de matérias-primas a prazo: investimento. 4. Transferências de matérias-primas do estoque para a produção: custo. 5. Pagamento de prêmios de seguros, cobrindo a fábrica e os imóveis da administração, com vigência de um ano, a partir da contratação: investimento, desembolso. 6. Apropriação mensal do seguro da fábrica à produção: custo. 7. Apropriação mensal do seguro da administração: despesa. 8. Pagamento de energia elétrica relativa às instalações industriais: custo, desembolso. 9. Pagamento de energia elétrica relativa ao imóvel da administração: despesa, desembolso. 10. Apropriação de salários e encargos sociais do pessoal da administração e de vendas: despesa. 11. Apropriação de salários e encargos sociais do pessoal da produção: custo. 12. Pagamento de encargos financeiros relativos à compra de matérias-primas: despesa, desembolso. 13. Pagamento de taxas bancárias: despesa, desembolso. 14. Apropriação, à produção, de honorários da diretoria industrial: custo. 15. Despesas à vista com refeições do pessoal da fábrica: custo, desembolso. 16. Despesas à vista com refeições do pessoal da administração e de vendas: despesa, desembolso. 17. Depreciação de móveis e utensílios da área administrativa e da área comercial: despesa. 18. Depreciação de móveis e utensílios da área de produção: custo. 19. Pagamento de frete sobre matérias-primas (incorporam-se ao valor dos bens comprados): investimento, desembolso. 20. Pagamento de frete de produtos vendidos pela fábrica: despesa, desembolso. 21. Constituição de provisão para décimo-terceiro salário e férias do pessoal da produção: custo. 22. Constituição de provisão para décimo-terceiro salário e férias do pessoal da administração e de vedas: despesa. 23. Danificação de matérias-primas em função de incêndio: perda, despesa. 24. Gasto (já pago) com mão-de-obra da fábrica em um período de greve: perda, despesa. 25. Perda de matérias-primas em um processo normal de produção: perda, custo. 26. Embalagem utilizada em produto no decorrer do processo de produção: custo. 27. Embalagem utilizada em produto após o processo de produção: despesa. Prof. José Jayme Moraes Junior 11 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  12. 12. Apostila – Contabilidade de Custos 1.3. Terminologia em entidades não industriais De acordo com Eliseu Martins, em seu livro de Contabilidade de Custos: “Pela própria definição de custo, podemos entender, ainda mais sabendo da origem histórica, por que se generalizou a idéia de que Contabilidade de Custos se volta predominantemente para a indústria. É aí que existe a produção de bens e onde a necessidade de seu custeamento se torna presença obrigatória. Em inúmeras empresas de serviços, todavia, passou-se a utilizar seus princípios e suas técnicas de maneira apropriada em função da absoluta similaridade de situação, principalmente nas entidades em que se trabalha por projeto (empresas de engenharia, escritórios de auditoria, de planejamento, etc). Já em muitas outras empresas, tais como entidades comerciais e financeiras, utiliza-se a mesma expressão Contabilidade de Custos, quando, à primeira vista, só existem despesas. Mas é fácil entender que a generalização desta terminologia se deve não só ao uso das técnicas daquela disciplina, como talvez principalmente à idéia de que tais entidades são produtoras de utilidades, e assim possuem custos. São custos que imediatamente se transformam em despesas, sem que haja a fase de Estocagem, como no caso da indústria de bens, mas de qualquer forma não deixa de ser apropriada a terminologia. Portanto, é perfeitamente idêntica a terminologia nessas empresas. Por exemplo, o serviço de câmbio de um Banco faz aparecer gastos que se transformam em custo de um serviço que se torna imediatamente uma despesa. Assim há nessas situações certa sofisticação e refinamento da separação das diversas fases. A palavra custo também significa o preço original de aquisição de qualquer bem ou serviço, inclusive leigamente; daí se falar em “custo de uma obra”, “custo de um automóvel adquirido”, “custo de uma consulta”, etc. Contudo, quando se fala em “Contabilidade de Custos”, estamos nos referindo apenas aos bens ou serviços utilizados na produção de outros bens ou serviços.” Prof. José Jayme Moraes Junior 12 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  13. 13. Apostila – Contabilidade de Custos 2. Classificação de custos, custos diretos (fixos e variáveis), distinção entre custos e despesas e custos indiretos (alocação e determinação da base para alocação, custos indiretos fixos e variáveis) 2.1. Classificação dos Custos e das Despesas A distinção entre os custos deve seguir o método adotado pela empresa, ou seja, a se a empresa utiliza o método direto, os custos serão divididos em custos fixos e custos variáveis. Por outro lado, se a empresa utilizar o método da absorção, os custos são classificados em custos diretos e custos indiretos. Os custos podem ser classificados da seguinte maneira: 2.1.1. Em relação à apropriação aos produtos fabricados Os custos, em relação à apropriação aos produtos fabricados, podem ser divididos em custos diretos e custos indiretos. 2.1.1.1. Custos Diretos Custos diretos são aqueles que podem ser apropriados diretamente aos produtos fabricados, isto é, são custos que podem ser identificados e diretamente apropriados a um produto, uma linha de produto, um centro de custo ou um departamento, no momento de sua ocorrência, pois há uma medida objetiva e precisa de seu consumo. Exemplos: - Matéria-prima: a empresa sabe exatamente a quantidade de matéria-prima utilizada na fabricação de uma unidade de determinado produto. Ou seja, conhecendo-se o preço da matéria-prima, o custo decorrente está associado diretamente ao produto. - Mão-de-obra direta: são os custos com os funcionários que trabalham diretamente na produção, ou seja, como se conhece o tempo que cada um trabalhou e preço de sua mão-de-obra, é possível apropriar estes custos diretamente ao produto. - Material de embalagem - Depreciação de equipamento, quando o equipamento é utilizado para produzir apenas um tipo de produto. - Energia elétrica consumida pelas máquinas da produção, quando for possível saber quanto foi consumido na fabricação de cada produto. Resumindo, os custos e despesas diretos são todos os elementos de custo que podem ser individualizados em relação ao produto fabricado, ou seja, se identificam ao produto. A matéria- prima, a mão-de-obra direta e a embalagem (quando componente do produto acabado), na área industrial e o Imposto de Circulação de Mercadorias e Serviços e o Imposto de Produtos Industrializados e o Imposto sobre Serviços, bem como Comissões sobre Vendas, na área comercial, constituem exemplos de custos e despesas diretos, respectivamente. Prof. José Jayme Moraes Junior 13 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  14. 14. Apostila – Contabilidade de Custos Obs: despesas diretas são as que podem ser facilmente quantificadas e apropriadas em relação às receitas de vendas e de prestação de serviços. Exemplos: para cada bem vendido é possível identificar o custo incorrido em sua aquisição ou produção, os impostos incidentes sobre o faturamento etc. 2.1.1.2. Custos Indiretos Custos indiretos são aqueles que dependem de cálculos, rateios ou estimativas para serem apropriados a determinado produto, ou seja, são custos apropriados indiretamente aos produtos. Necessitam, portanto, de algum critério de rateio para a sua alocação. Atribui-se parcelas de custos a cada tipo de bem ou função por meio de critérios de rateio. É um custo comum a muitos tipos diferentes de bens, sem que se possa separar a parcela referente a cada um, no momento de sua ocorrência. Exemplos: - Materiais indiretos (como cola e verniz consumidos na fabricação de móveis). - Salários da mão-de-obra indireta (chefia, supervisão, operários que cuidam da manutenção de equipamentos). - Demais custos de fabricação (seguros, impostos, aluguel da fábrica). - Depreciação de equipamentos que são utilizados na fabricação de mais de um produto. - Gastos com a limpeza da fábrica. - Energia elétrica que não pode ser associada a algum produto. Mão-de-obra indireta: é representada pelo trabalho nos departamentos auxiliares nas indústrias ou prestadores de serviços e que não são mensuráveis em nenhum produto ou serviço executado. Materiais indiretos: são materiais empregados nas atividades auxiliares de produção, ou cujo relacionamento com o produto é irrelevante. São eles: graxas e lubrificantes, lixas etc. Outros custos indiretos: são os custos que dizem respeito à existência do setor fabril. Exemplo: depreciação, seguros contra incêndios da fábrica, transporte e refeições da mão-de-obra etc. Há que se ressaltar que se a empresa produz apenas um produto, todos os seus custos são diretos. Um outro ponto importante: há determinadas situações em que o custo é direto, mas, é de tão pequeno valor que não compensa o trabalho de associá-lo a cada produto. Neste caso, estes custos, apesar de serem diretos, são considerados custos indiretos. Exemplo: gastos com cola e graxa na fabricação de sapatos. Prof. José Jayme Moraes Junior 14 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  15. 15. Apostila – Contabilidade de Custos Abaixo, há alguns critérios para alocação dos custos indiretos de fabricação: Custo Indireto de Fabricação Critério Depreciação máquinas Quantidades produzidas ou tempo de utilização das máquinas Mão-de-obra indireta Tempo de utilização da mão-de-obra direta Aluguel Área ocupada pelos departamentos Energia elétrica Consumo efetivo Depreciação dos prédios Área ocupada pelos departamentos 2.1.2. Em relação aos níveis de produção Os custos, em relação aos níveis de produção, podem ser divididos em custos fixos, custos variáveis, custos semivariáveis e custos semifixos. 2.1.2.1. Custos Fixos Custos fixos são aqueles cujos valores permanecem inalterados, independentemente do volume de produção da empresa. São os custos que permanecem constantes dentro de determinada capacidade instalada, independente do volume de produção, ou seja, uma alteração no volume de produção para mais ou para menos não altera o valor total do custo. Exemplo: salário dos chefes, aluguel, seguros etc. Os custos fixos são fixos em relação ao volume de produção, mas podem variar ao longo do tempo. O exemplo característico é o aluguel de imóvel ocupado por indústria, cujo valor mensal é o mesmo em cada período, independentemente do volume produzido. Mesmo quando o valor do aluguel é reajustado, o custo continua fixo porque houve apenas uma atualização do valor contratado, em função da desvalorização do poder aquisitivo da moeda. Outro exemplo é a depreciação calculada pelo método das cotas constantes, em que o valor de cada período é sempre o mesmo independentemente do volume produzido pelo equipamento que esta sofrendo depreciação. Características dos custos fixos: a) o valor total permanece constante dentro de determinada faixa da produção; b) o valor por unidade produzida varia à medida que ocorre variação no volume de produção, por tratar de um valor fixo diluídos por uma quantidade maior; c) sua alocação para os departamentos ou centros de custos necessita na maioria das vezes, de critérios de rateios determinados pelo contador de custos; d) a variação dos valores totais pode ocorrer em função de desvalorização da moeda ou por aumento/redução significativa do volume de produção. Custos fixos de um período Volume de produção Custos fixos por unidade $ 20.000,00 5.000 unidades $ 4,00 $ 20.000,00 10.000 unidades $ 2,00 $ 20.000,00 20.000 unidades $ 1,00 Prof. José Jayme Moraes Junior 15 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  16. 16. Apostila – Contabilidade de Custos Os custos fixos podem ser subdivididos em custo fixo de capacidade e custo fixo operacional: - Custo Fixo de Capacidade - é o custo relativo às instalações da empresa e reflete a própria capacidade instalada, como depreciação, amortização etc. - Custo Fixo Operacional - é o relativo as operações das instalações da companhia, como seguro, imposto predial etc. Obs: Despesas fixas: são as despesas que permanecem constantes, independentemente do volume de vendas ou de prestação de serviços. 2.1.2.2. Custos Variáveis Os custos variáveis são aqueles cujos valores são alterados em função do volume de produção da empresa, ou seja, quanto maior o volume de produção, no período, maior será o custo variável (os custo variáveis variam direta e proporcionalmente com o volume). Características dos custos variáveis: a) seu valor total varia na proporção direta do volume de produção; b) o valor é constante por unidade, independentemente da quantidade produzida; c) a alocação aos produtos ou centros de custos é, normalmente, feita de forma direta, se a necessidade de utilização de critérios de rateios. Produção Consumo no período Consumo total de gasolina 10.000 unidades 1 litro 10.000 litros 15.000 unidades 1 litro 15.000 litros 20.000 unidades 1 litro 20.000 litros Exemplos: - Matéria-prima consumida por unidade de produto; - Materiais indiretos consumidos por unidade de produto; - Depreciação dos equipamentos quando for calculada em função das horas/máquina trabalhadas. - Gastos com horas-extras na produção. Obs: Despesas variáveis: são as despesas que variam proporcionalmente às variações no volume das receitas. Exemplos: impostos sobre faturamento, comissões sobre venda e serviços. 2.1.2.3. Custos Semivariáveis Os custos semivariáveis são custos que variam com o nível de produção, mas possuem uma parcela fixa, mesmo que nada seja produzido, ou seja, são os custos variáveis que não acompanham linearmente a produção, mas aos saltos, mantendo-se fixos dentro de estreitos limites. Prof. José Jayme Moraes Junior 16 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  17. 17. Apostila – Contabilidade de Custos Um exemplo de custo semivariável e a conta de energia elétrica, visto que há uma taxa mínima mesmo que não ocorra nenhum consumo, embora o valor total da conta dependa do consumo de energia da empresa. 2.1.2.4. Custos Semifixos ou Custos por Degraus Os custos semifixos são custos que são fixos em determinada faixa de produção, mas que variam quando há uma mudança desta faixa. Um exemplo de custo semifixo é a necessidade de supervisores da produção, conforme quadro abaixo, ou seja, o custo dos supervisores é fixo (R$ 70.000,00) com uma produção de até 50.000 unidades, mas, se a empresa passar a produzir 70.000 unidades, o custo dos supervisores aumentará para R$ 140.000,00: Produção Necessidade de Supervisores Custos (Salários + Encargos) 0 – 50.000 unidades 1 70.000,00 50.001 – 100.000 unidades 2 140.000,00 100.001 – 200.000 unidades 3 210.000,00 Exemplos: - Consumo de material direto na produção: custo direto e variável. - Consumo de materiais indiretos na produção: custo indireto e variável. - Seguro da fábrica: custo indireto e fixo. - Mão-de-obra utilizada na manutenção de máquinas: custo direto e fixo. 2.1.2.5. Despesas Fixas e Variáveis As despesas fixas independem do volume de vendas e as despesas variáveis variam proporcionalmente ao volume de vendas. Por exemplo, as comissões pagas aos vendedores são consideradas despesas variáveis, pois o seu valor é função do volume de vendas, enquanto que o aluguel do escritório da administração é uma despesa fixa, que deve ser paga independentemente do volume de vendas. 2.2. Outras Terminologias de Custos e Despesas 2.2.1. Custos de Produção São os custos incorridos no processo produtivo em um determinado período de tempo. Os custos de produção são compostos das matérias primas, da mão-de-obra direta e dos custos indiretos de fabricação, assim detalhados: - Matérias-primas: correspondem aos materiais diretamente aplicados para a obtenção de um produto final. - Mão-de-obra direta: elemento utilizado para a transformação dos materiais diretos em produto. A mão-de-obra direta, bem como os respectivos encargos sociais podem ser Prof. José Jayme Moraes Junior 17 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  18. 18. Apostila – Contabilidade de Custos claramente identificados com o volume operacional das atividades (unidades produzidas, horas-máquinas ou horas-homens). - Custos indiretos de fabricação: gastos que não são identificáveis diretamente aos portadores finais. Exemplo: aluguel, mão-de-obra indireta, manutenção etc. Custo de Produção = MD + MOD + CIF Onde, MD = Materiais diretos (Ex: matéria-prima; materiais secundários apropriados diretamente ao produto, material de embalagem). MOD = Mão-de-obra direta CIF = Custos indiretos de fabricação 2.2.2. Outras despesas Além dos custos de produção, a empresa incorre em gastos de períodos, que são propriamente despesas complementares de natureza não industrial. Estas despesas são absorvidas totalmente na apuração do resultado, à medida que vão acontecendo e são classificadas, quanto a função em: a) DESPESAS COMERCIAIS - comissões de vendedores - salários de vendedores - viagens e estadias - propaganda e promoção - aluguel de escritórios regionais - outras b) DESPESAS ADMINISTRATIVAS - aluguel - salários administrativos - honorários de diretores - telefone, água, luz - material de expediente - leasing de equipamentos de escritório - outros c) DESPESAS FINANCEIRAS - juros moratórios - juros bancários - IOF - comissões - outros Prof. José Jayme Moraes Junior 18 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  19. 19. Apostila – Contabilidade de Custos d) QUANTO A NATUREZA - matéria-prima - mão-de-obra direta - mão-de-obra indireta - aluguel - material de limpeza - depreciação - outros e) QUANTO AO DESTINO - custos de produção - custos de administração - custos de comercialização 2.2.3. Custo dos Produtos Vendidos (CPV) Corresponde ao valor dos gastos incorridos no processo de produção dos bens que foram sacrificados para que a empresa gerasse receita de vendas de produtos. 2.2.4. Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) Corresponde ao valor dos gastos incorridos no processo de aquisição dos bens que foram sacrificados para que a empresa gerasse receitas de vendas de mercadorias. 2.2.5. Custo dos Serviços Prestados (CSP) Corresponde ao valor dos gastos incorridos no processo de prestação dos serviços para que a empresa gerasse receita de prestação de serviços. 2.2.6. Centro de Custos É a menor unidade de acumulação de custos, sendo representada por homens, máquinas e equipamentos de características semelhantes que desenvolvem atividades homogêneas relacionadas com o processo produtivo. 2.2.7. Centro de Custos Produtivos São os centros de custos por onde os produtos passam durante o processo de fabricação e nos quais são transformados ou beneficiados. Exemplo: montagem, pintura, acabamento etc. 2.2.8. Centro de Custos Auxiliares São os centros de custos que fazem parte do processo produtivo, mas não atuam diretamente nos produtos. Prestam serviços ou dão apoio aos centros de custos produtivos. Exemplo: manutenção, planejamento, refeitório, ambulatório etc. 2.2.9. Centro de Despesas Corresponde à menor unidade de acumulação de despesas sendo representada por homens, máquinas e equipamentos de características semelhantes que desenvolvem atividades homogêneas Prof. José Jayme Moraes Junior 19 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  20. 20. Apostila – Contabilidade de Custos relacionadas com as atividades administrativas, financeiras e comerciais. Exemplo: contabilidade, departamento de pessoal, tesouraria, faturamento etc. 2.2.10. Custo Primário ou Direto Custo Primário ou Direto = MD + MOD Onde, MD = Materiais diretos (ex: Matérias-primas). MOD = Mão-de-obra direta 2.2.11. Custo de Conversão ou Transformação Custo de Conversão ou Transformação = MOD + CIF Onde, MOD = Mão-de-obra direta CIF = Custos indiretos de fabricação Prof. José Jayme Moraes Junior 20 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  21. 21. Apostila – Contabilidade de Custos Conceitos importantes: CT CV CF Q CFu CMe CVu Q Prof. José Jayme Moraes Junior 21 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  22. 22. Apostila – Contabilidade de Custos 2.3. Ponto de Equilíbrio Representa o ponto correspondente ao número de unidades que deverão ser produzidas e vendidas para que os custos sejam iguais às receitas do período. É o ponto onde o lucro é igual a zero. Receita RT Lucro CT PE Prej. Q RT = Receita Total Q = Quantidade CT = Custo Total = Custos Fixos (CF) + Custos Variáveis (CV) Relembrando: CVu = CV/Q CFu = CF/Q Onde: CVu = Custo Variável Unitário CFu = Custo Fixo Unitário PVu = Preço de Venda Unitário = RT/Q Margem de Contribuição Unitária = MCu = PVu – CVu Margem de Contribuição Total: corresponde à diferença entre a receita total e os custos variáveis totais, ou seja, mostra o quanto sobra de receitas para cobrir os custos fixos. Cálculo do Ponto de Equilíbrio: RT = CT = CF + CV PVu x Q = CF + CV () Q PVu = CFu + CVu CFu = PVu - CVu Logo: MCu = PVu – CVu = CFu  MCu = CFu Ponto de Equilíbrio em Quantidades: MCu = CFu = CF/Qpe  Qpe = CF/MCu Prof. José Jayme Moraes Junior 22 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  23. 23. Apostila – Contabilidade de Custos Onde: Qpe = Quantidade no Ponto de Equilíbrio; CF = Custos Fixos; MCu = Margem de Contribuição Unitária Ponto de Equilíbrio em Unidades Monetárias: UMpe = Qpe x PVu = (CF/MCu) x PVu Exemplo: Custos Fixos = 1.000.000 Custo Variável Unitário = 100 Preço de Venda Unitário = 200 Qpe = CF/MCu = CF/(PVu – CVu) = 1.000.000/(200 – 100) = 10.000 unidades UMpe = Qpe x PVu = 10.000 x 200 = 2.000.000 Ou seja, é preciso vender 10.000 unidades para cobrir os custos. 2.3.1. Ponto de Equilíbrio Contábil Corresponde à quantidade que equilibra a receita total com a soma dos custos e despesas relativos aos produtos vendidos. 2.3.2. Ponto de Equilíbrio Econômico Corresponde à quantidade que iguala a receita total com a soma dos custos e despesas acrescidos de uma remuneração sobre o capital investido pela empresa, que, normalmente, corresponde à taxa de juros de mercado multiplicada pelo capital (Custo de Oportunidade). 2.3.3. Ponto de Equilíbrio Financeiro Corresponde à quantidade que iguala a receita total com a soma dos custos e despesas que representam desembolso financeiro para a empresa. Por exemplo, os encargos de depreciação são excluídos do cálculo do ponto de equilíbrio financeiro. Exemplo: Empresa J4M2 Capital Empregado pela Empresa = R$ 400,00 Taxa de Juros de Mercado = 15% Custo de Oportunidade = 400 x 15% = R$ 60,00 Encargos de Depreciação = R$ 20,00 (estão incluídos nos custos fixos de R$ 100,00) Margem de Contribuição Unitária = R$ 5,00 Ponto de Equilíbrio Contábil = CF/MCu = 100/5 = 20 unidades Ponto de Equilíbrio Econômico = (CF + Custo de Oportunidade)/MCu Ponto de Equilíbrio Econômico = (100 + 60)/5 = 32 unidades Prof. José Jayme Moraes Junior 23 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  24. 24. Apostila – Contabilidade de Custos Ponto de Equilíbrio Financeiro = (CF – Depreciação)/MCu Ponto de Equilíbrio Financeiro = (100 – 20)/5 = 16 unidades Ou seja: Ponto de Equilíbrio Econômico ≥ Contábil ≥ Financeiro 2.3.4. Margem de Segurança Corresponde às unidades produzidas e vendidas acima do ponto de equilíbrio. No exemplo anterior, caso a empresa produza e venda 15.000 unidades, estará trabalhando com uma margem de segurança de 5.000 unidades, ou seja, mesmo que ocorra uma redução da produção em 30% (30% x 15.000 unidades = 4.500 unidades), ainda assim a empresa não entrará na faixa de prejuízo. 2.4. Diferenças entre Custos e Despesas: Despesas Custos 1. Ocorrem fora do processo produtivo. 1. Ocorrem dentro do processo 2. Visam à obtenção de receitas. produtivo. 3. Imediatamente à ocorrência de seus 2. Visam à obtenção de outros bens. fatos geradores, são lançadas 3. Muitas vezes passam inicialmente pelo diretamente no resultado do exercício. ativo da companhia. 4. Reduzem de imediato o patrimônio 4. Não reduzem o patrimônio líquido de líquido das entidades. imediato, fato que só ocorre no momento da venda dos produtos. Prof. José Jayme Moraes Junior 24 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  25. 25. Apostila – Contabilidade de Custos 3. Métodos de Custeio 3.1. Custeio por Absorção Custeio por absorção é método de apropriação de custos cujo objetivo é ratear todos os seus elementos (custos fixos ou custos variáveis) em cada fase da produção. Ou seja, no custeio por absorção um custo será apropriado quando for atribuído a um produto ou unidade de produção. Deste modo, cada produto receberá sua parte no custo até que todo o valor aplicado seja totalmente absorvido pelo Custo dos Produtos Vendidos (CPV) ou pelos Estoques Finais (EF). O custeio por absorção é uma imposição do Regulamento do Imposto de Renda, que determina que os produtos em fabricação e os produtos acabados serão avaliados pelo custo de produção. Para apuração por custeio por absorção deve-se adotar o seguinte procedimento: 1. Separação de custos e despesas; 2. Apropriação dos custos diretos e indiretos à produção realizada no período; 3. Apuração do custo dos produtos acabados; 4. Apuração do custo dos produtos vendidos; e 5. Apuração do resultado. Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos produtos vendidos: Estoque inicial de materiais diretos (+) Custo de Aquisição das compras de materiais diretos (*) (-) Estoque final de materiais diretos (=) Materiais Diretos Consumidos (MD) (+) Mão-de-Obra Direta (MOD) (+) Custos Indiretos de Fabricação (CIF) (=) Custo de Produção do Período (CPP) (+) Estoque inicial de produtos em elaboração (-) Estoque final de produtos em elaboração (=) Custo da Produção Acabada (+) Estoque inicial de produtos acabados (-) Estoque final de produtos acabados Custo dos Produtos Vendidos (CPV) (*) Compras de materiais diretos: (+) Valor da Compra (-) Impostos Recuperáveis (+) Valor do frete suportado pelo adquirente (subtraído do ICMS recuperável incidente na operação) (+) Seguros (+) Carga, Descarga e Armazenagem (+) Gastos com o Desembaraço Aduaneiro (no caso de importação) (-) Descontos Incondicionais Obtidos (Descontos Comerciais) Custo de Aquisição da Compras de Materiais Diretos Prof. José Jayme Moraes Junior 25 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  26. 26. Apostila – Contabilidade de Custos (*) São exemplos de Custos Indiretos de Fabricação (CIF): Materiais indiretos Mão-de-obra indireta Energia elétrica Combustíveis Manutenção de máquinas Conta de telefone da fábrica Aluguel da fábrica Aluguel de equipamentos Depreciação Seguros da fábrica Imposto predial Representação em razonetes: Materiais Diretos Estoque Inicial Saída de Compras Materiais para a Produção Estoque Final Produtos em Elaboração Estoque Inicial Saída de Produtos Materiais Diretos Acabados (Custo MOD da Produção CIF Acabada) Estoque Final Custo de Produção do Período = MD + MOD + CIF Produtos Acabados Estoque Inicial Saída de Produtos Custo da Produção Vendidos (Custo Acabada dos Produtos Vendidos = CPV) Estoque Final Prof. José Jayme Moraes Junior 26 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  27. 27. Apostila – Contabilidade de Custos Apuração do Resultado Receita Bruta de Vendas ou Receita Operacional Bruta (-) Deduções da Receita Bruta (-) Devoluções de Vendas (-) Abatimentos sobre Vendas (-) Descontos Incondicionais Concedidos (-) ICMS sobre Vendas (-) PIS e COFINS sobre Vendas (=) Receita Líquida de Vendas ou Receita Operacional Líquida (-) Custo das Mercadorias/Produtos/Serviços Vendidos/Prestados (=) LUCRO BRUTO (RESULTADO OPERACIONAL BRUTO) (-) Despesas c/ Vendas (-) Despesas Gerais e Administrativas (-) Outras Despesas Operacionais (+) Outras Receitas Operacionais (-) Despesas Financeiras (+) Receitas Financeiras (=) LUCRO/PREJUÍZO OPERACIONAL (RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO) (+) Receitas Não-operacionais (-) Despesas Não-operacionais (-) CSLL (ou Despesa com Provisão para CSLL) (=) RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA (-) Despesa c/ Provisão do Imposto de Renda (-) Despesa c/ Participações Societárias sobre o Lucro Participações de Debêntures Participações de Empregados Participações de Administradores Participações de Partes Beneficiárias Fundos de Assistência e Previdência de Empregados (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Lucro/Prejuízo Líquido por Ação (*) Os prejuízos acumulados reduzem a BC das participações, mas não integram a DRE. (*) Participações de Partes Beneficiárias: O artigo 187, VI, da Lei no 6.404/76 com as alterações trazidas pela Lei no 11.638/07, passa a estabelecer que, na DRE, as despesas com distribuição de parcela dos lucros anuais a partes beneficiárias não seja mais feita como participações estatutárias sobre o lucro. Continuam sendo apresentadas como participações estatutárias sobre o lucro apenas a distribuição dos lucros anuais a debenturistas, empregados, administradores e fundos de assistência ou previdência de empregados (FAPE), e desde que não se caracterizem como despesa do exercício. Há que se ressaltar que as participações de partes beneficiárias não foram extintas, tanto que continuam previstas nos artigos 46, § 1o, e 190 da Lei das S.A. Porém, não deverão mais ser apresentadas como participações estatutárias sobre o lucro, mas como despesas operacionais, o mesmo ocorrendo com as participações de debenturistas, administradores, empregados e FAPE, quando configurarem despesa da empresa. Prof. José Jayme Moraes Junior 27 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  28. 28. Apostila – Contabilidade de Custos 3.1.1. Vantagens e Desvantagens do Custeio por Absorção Vantagens: inclusão de todos os custos no resultado (custos fixos, custos variáveis, custos diretos e custos indiretos); atende ao princípio da competência. Desvantagem: inclusão de custos indiretos por meio de rateio arbitrário de seus valores. 3.1.2. Apropriação de Custos Custos de Produção: custos diretos e custos indiretos Custos Diretos: são alocados à produção diretamente da conta em que estão registrados para a conta da elaboração ou processamento. Exemplos: custos de matéria-prima, mão-de-obra direta, etc. Para uma apropriação correta, basta uma mensuração precisa do consumo ou utilização, ou seja, obedece a condições objetivas. Custos Indiretos de Fabricação: utilizam um procedimento de rateio e obedece a condições subjetivas em relação ao processo de rateio adotado. Rateio dos Custos Indiretos: as principais bases de rateio dos custos indiretos são: - horas-máquina; - consumo de materiais diretos; - mão-de-obra direta aplicada; - receita de vendas; - quantidade produzida; - outros. Rateio dos Custos na Departamentalização: um dos objetivos da departamentalização é tornar mais preciso o critério de rateio. Departamentalização: departamento é uma unidade mínima que concentra custos e desenvolve atividades homogêneas. A departamentalização representa um critério eficaz para apropriação de custos indiretos, onde cada departamento é dividido em um ou mais centros de custos. É muito utilizada em empresa cujo processo produtivo passa por fases de produção. Ex: Indústria de café: as fases de produção são a seleção de grãos, torrefação, moagem e embalagem. Centro de Custo: é a menor fração de atividade ou área de responsabilidade para a qual é realizada a acumulação de custos. Pode coincidir com departamento ou não. Exemplo: A empresa industrial J4M2 Ltda produz três produtos: ALFA, BRAVO e FOXTROT que recebem a alocação dos seguintes custos diretos: Produto R$ mil ALFA 500 BRAVO 400 FOXTROT 300 Total 1.200 Prof. José Jayme Moraes Junior 28 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  29. 29. Apostila – Contabilidade de Custos Além disso, a indústria apresenta os seguintes custos indiretos: Depreciação de Máquinas 200 Manutenção 300 Energia Elétrica 400 Materiais Indiretos 100 Outros Custos Indiretos 100 Total 1.100 Supondo que a distribuição dos custos indiretos pelos produtos seja realizada com base nas horas-máquina necessárias à produção (descritas abaixo): ALFA 300 horas-máquina (30%) BRAVO 500 horas-máquina (50%) FOXTROT 200 horas-máquina (20%) Total 1.000 horas-máquina Logo os custos totais por produtos seriam: Custos Indiretos Custos Diretos Custo Total ALFA 30% x 1.100 = 330 500 830 BRAVO 50% x 1.100 = 550 400 950 FOXTROT 20% x 1.100 = 220 300 520 Total 1.100 1.200 2.300 Vamos calcular os custos utilizando o conceito de departamentalização. Suponha, agora, que o produto ALFA consome 300 horas-máquina, distribuídas nos setores de seleção de grãos, moagem e torrefação; enquanto que o produto BRAVO só utiliza o setor de seleção de grãos e o produto FOXTROT somente utiliza o setor de moagem e torrefação. Deste modo, a distribuição das horas-máquina pelos departamentos ficaria da seguinte forma: Seleção de Grãos Moagem Torrefação Total ALFA 200 50 50 300 BRAVO 500 500 FOXTROT 100 100 200 Total 700 150 150 1.000 Além disso, suponha que o gasto com os custos indiretos por departamentos seja representado na tabela abaixo: Seleção de Grãos Moagem Torrefação Total Depreciação de Máquinas 100 30 70 200 Manutenção 200 70 30 300 Energia Elétrica 60 140 200 400 Materiais Indiretos 50 20 30 100 Outros Custos Indiretos 40 30 30 100 Total 450 290 360 1.100 Custo Médio por Hora Máquina =450/700 hm =290/150 hm =360/150 hm = $ 0,64/hm =$ 1,93/hm = $ 2,4/hm Prof. José Jayme Moraes Junior 29 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  30. 30. Apostila – Contabilidade de Custos Fazendo o cálculo dos custos por produto: Seleção de Grãos Moagem Torrefação Total ALFA 200 x 0,64 = 130 50 x 1,93 = 97 50 x 2,4 = 120 347 BRAVO 500 x 0,64 = 320 320 FOXTROT 100 x 1,93 = 193 100 x 2,4 = 240 433 Total 450 290 340 1.100 Ou seja, percebe-se que os custos indiretos com departamentalização são mais justos, conforme pode ser visto no quadro comparativo abaixo: Custos Indiretos sem Custos Indiretos com Diferença Departamentalização Departamentalização ALFA 330 347 27 BRAVO 550 320 (230) FOXTROT 220 433 213 Total 1.100 1.100 3.2. Custeio Direto ou Variável O custeio direto ou variável corresponde ao método de apropriação de custos que consiste em apropriar aos produtos apenas os custos variáveis (neste caso, custos ou despesas variáveis). Os custos fixos, neste método de custeio são considerados despesas e são lançados diretamente em conta de resultado, visto que, eles existem independentemente se houver produção ou não. Logo, não são considerados custos de produção e sim despesas, sendo encerrados diretamente em conta de resultado. Há que se ressaltar que este método de custeio é vedado pela legislação do imposto de renda. Contudo, é considerado o método mais adequado ao processo de tomada de decisão da administração da empresa. Apuração da produção acabada, dos produtos em elaboração e dos produtos vendidos: Estoque inicial de insumos (+) Custo de Aquisição das compras de insumos (matéria-prima, material secundário e embalagens) (-) Estoque final de insumos (=) Insumos Consumidos (+) Outros Custos Variáveis (+) Estoque inicial de produtos em elaboração (-) Estoque final de produtos em elaboração (=) Custo da Produção Acabada (+) Estoque inicial de produtos acabados (-) Estoque final de produtos acabados Custo dos Produtos Vendidos (CPV) Prof. José Jayme Moraes Junior 30 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  31. 31. Apostila – Contabilidade de Custos Apuração do Resultado Faturamento (-) Imposto sobre Produtos Industrializados (=) Receita Operacional Bruta (-) Deduções da Receita Bruta (*) (=) Receita Líquida (-) Custo dos Produtos Vendidos (=) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos (-) Despesas Fixas (=) LUCRO/PREJUÍZO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Margem de Contribuição ou Lucro Bruto: corresponde à diferença entre o preço de venda e as despesas variáveis. É o valor que sobre para fazer frente aos custos e despesas fixos. (*) Vendas Líquidas (VL) = Vendas Brutas – Deduções Deduções (contas retificadoras da receita bruta): - Devoluções de Vendas; - Abatimentos sobre Vendas; - Descontos Incondicionais Concedidos; - Impostos sobre Vendas (ICMS, ISS e IE); e - Contribuições Sociais sobre Vendas (PIS e Cofins). 3.2.1. Comparação entre o Custeio Variável e o Custeio por Absorção Exemplo: A empresa J4M2 apresentou os seguintes dados contábeis para determinado exercício: Produção: 1.000 unidades totalmente acabadas Custos Variáveis = R$ 20.000,00 Custos Fixos = R$ 12.000,00 Despesas Variáveis = R$ 4.000,00 Despesas Fixas = R$ 6.000,00 Não há estoques iniciais e finais de produtos em elaboração Não há estoques iniciais de produtos acabados Vendas Líquidas: 800 unidades a R$ 60,00 cada uma no total de R$ 48.000,00 (I) Custeio por Absorção: Custos Fixos 12.000 Custos Variáveis 20.000 Custo da Produção do Período 32.000 Como não há estoques iniciais e finais de produtos em elaboração: Custo da Produção Acabada no Período = Custo da Produção do Período Custo da Produção Acabada no Período = 32.000 Prof. José Jayme Moraes Junior 31 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  32. 32. Apostila – Contabilidade de Custos Custo dos Produtos Vendidos: Custo Unitário de Produção = 32.000/1.000 unidades = 32 Custo dos Produtos Vendidos = Unidades vendidas x Custo unitário de produção Custo dos Produtos Vendidos = 800 unidades x 32 = 25.600 Estoque Final de produtos acabados: Estoque Final de Produtos Acabados = 200 unidades x 32 = 6.400 Demonstração do Resultado do Período: Vendas Líquidas 48.000 (-) CPV (25.600) Resultado Industrial 22.400 (-) Despesas Variáveis (4.000) (-) Despesas Fixas (6.000) Lucro Líquido 12.400 (II) Custeio Variável: Custos Variáveis = Custos da Produção do Período = 20.000 Custo da Produção Acabada no Período = Custo da Produção do Período Custo da Produção Acabada no Período = 20.000 Custo dos Produtos Vendidos: Custo Unitário de Produção = 20.000/1.000 unidades = 20 Custo dos Produtos Vendidos = Unidades vendidas x Custo unitário de produção Custo dos Produtos Vendidos = 800 unidades x 20 = 16.000 Estoque Final de produtos acabados: Estoque Final de Produtos Acabados = 200 x 20 = 4.000 Demonstração do Resultado do Período: Vendas Líquidas 48.000 (-) CPV (16.000) (-) Despesas Variáveis (4.000) Margem de Contribuição 28.000 (-) Custos Fixos (12.000) (-) Despesas Fixas (6.000) Lucro Líquido 10.000 Prof. José Jayme Moraes Junior 32 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  33. 33. Apostila – Contabilidade de Custos Diferenças entre os dois métodos de custeio: Custeio por Custeio Variável Diferença Absorção Custo de Produção 32.000 20.000 12.000 do Período Custo da Produção 32.000 20.000 12.000 Acabada no Período Custo dos Produtos 25.600 16.000 9.600 Vendidos Estoque Final dos 6.400 4.000 2.400 Produtos Acabados Lucro Líquido 12.400 10.000 2.400 Observe que o custo de produção do período, no custeio por absorção, é maior em R$ 12.000,00, que corresponde ao valor dos custos fixos que, no custeio variável não são considerados custos e sim despesas do período. Já o custo de produtos vendidos, no custeio por absorção, é maior em R$ 9.600,00, diferença que corresponde ao valor dos custos fixos apropriados nas unidades vendidas ([800 unidades/1.000 unidades] x 12.000 = 9.600). O estoque final dos produtos acabados, no custeio por absorção, é Mario em R$ 2.400,00, diferença que corresponde ao valor dos custos fixos apropriados no estoque final de produtos acabados ([200 unidades/1.000 unidades] x 12.000 = 2.400). O estoque final do custeio variável é representado por: Custo Variável Unitário = R$ 20.000,00/1.000 unidades Custo Variável Unitário = R$ 20,00 Unidades em Estoque no Final do Período = 200 unidades Valor do Estoque Final = 200 x R$ 20,00 = R$ 4.000,00 O estoque final do custeio por absorção é representado por: Custo Fixo Unitário = R$ 12.000,00/1.000 unidades Custo Fixo Unitário = R$ 12,00 Custo Variável Unitário = R$ 20.000,00/1.000 unidades Custo Variável Unitário = R$ 20,00 Custo Unitário Total = Custos Fixos + Custos Variáveis Custo Unitário Total = 12 + 20 = R$ 32,00 Unidades em Estoque no Final do Período = 200 unidades Valor do Estoque Final = 200 x R$ 32,00 = R$ 6.400,00 Prof. José Jayme Moraes Junior 33 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  34. 34. Apostila – Contabilidade de Custos Como o estoque final de produtos acabados, no custeio por absorção, é maior em R$ 2.400,00, o lucro do período do custeio por absorção, em relação ao custeio variável, também será maior em R$ 2.400,00. 3.2.2. Vantagens e Desvantagens do Custeio Variável Vantagem 1: impede que eventuais aumentos de produção, que não correspondam a aumentos de vendas, venham distorcer o resultado apurado, visto que os custos e despesas fixas são apresentados após a margem de contribuição. Considerando o exemplo anterior, suponha que o dono da J4M2 decida aumentar a sua produção para 2.000 unidades, mesmo sabendo que as unidades vendidas permaneceram em 800. (I) Custeio por Absorção: Custos Fixos 12.000 (não sofrem alteração) Custos Variáveis 40.000 (Custo Variável Unitário x 2.000 unid.) Custo da Produção do Período 52.000 Como não há estoques iniciais e finais de produtos em elaboração: Custo da Produção Acabada no Período = Custo da Produção do Período Custo da Produção Acabada no Período = 52.000 Custo dos Produtos Vendidos: Custo Unitário de Produção = 52.000/2.000 unidades = 26 Custo dos Produtos Vendidos = Unidades vendidas x Custo unitário de produção Custo dos Produtos Vendidos = 800 unidades x 26 = 20.800 Estoque Final de produtos acabados: Estoque Final de Produtos Acabados = 200 x 26 = 5.200 Demonstração do Resultado do Período: Vendas Líquidas 48.000 (-) CPV (20.800) Resultado Industrial 27.200 (-) Despesas Variáveis (4.000) (-) Despesas Fixas (6.000) Lucro Líquido 17.200 Ou seja, apesar de não ter ocorrido um aumento nas vendas, um aumento na produção do período, aumentou o lucro líquido em R$ 4.800,00 (R$ 17.200,00 – R$ 12.400,00). Isto ocorreu, pois o aumento da produção diminuiu os custos fixos unitários incorporados aos produtos vendidos. Quando a produção era de 1.000 unidades, os custos fixos unitários eram de R$ Prof. José Jayme Moraes Junior 34 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  35. 35. Apostila – Contabilidade de Custos 12,00 (R$ 12.000,00/1.000 unidades). Entretanto, com a produção de 2.000 unidades, os custos fixos unitários passaram a R$ 6,00 (R$ 12.000,00/2.000 unidades). Ou seja, o aumento da produção, mesmo sem ocorrer um aumento nas vendas, reduziu os custos fixos unitários e aumentou o lucro da empresa. (II) Custeio Variável: Custos Variáveis = Custos da Produção do Período = 40.000 (R$ 20,00 x 2.000 unidades) Custo da Produção Acabada no Período = Custo da Produção do Período Custo da Produção Acabada no Período = 40.000 Custo dos Produtos Vendidos: Custo Unitário de Produção = 40.000/2.000 unidades = 20 Custo dos Produtos Vendidos = Unidades vendidas x Custo unitário de produção Custo dos Produtos Vendidos = 800 unidades x 20 = 16.000 Estoque Final de produtos acabados: Estoque Final de Produtos Acabados = 200 x 20 = 4.000 Demonstração do Resultado do Período: Vendas Líquidas 48.000 (-) CPV (16.000) (-) Despesas Variáveis (4.000) Margem de Contribuição 28.000 (-) Custos Fixos (12.000) (-) Despesas Fixas (6.000) Lucro Líquido 10.000 Ou seja, como os custos fixos são apropriados diretamente no resultado do período, o aumento da produção sem aumento das vendas não proporciona qualquer alteração nos lucros da empresa. Vantagem 2: Corresponde a uma melhor ferramenta de tomada de decisão por parte dos administradores da empresa em relação ao custeio por absorção, que pode induzir a decisões erradas sobre a produção. Desvantagens: a apropriação dos custos fixos diretamente no resultado do exercício, sem passar pelos estoques produzidos, descumpre o princípio da competência. O administrador pode vir a desprezar custos periódicos no processo de estabelecimento dos preços de venda. Prof. José Jayme Moraes Junior 35 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  36. 36. Apostila – Contabilidade de Custos 3.3. Grau de Alavancagem Operacional Tem a finalidade de medir a eficiência operacional alcançada no processo de gestão de custos e despesas fixos, de modo a aumentar a rentabilidade. G.A.O = (Variação Percentual do Lucro Oper. Líquido/Variação Percentual de Vendas) - 1 Exemplo: Produção de 5.000 unidades Produção de 8.000 unidades Vendas Líquidas 20.000,00 25.000,00 Custos dos Produtos Vendidos (6.000,00) (8.000,00) Despesas Variáveis (4.000,00) (4.000,00) Margem de Contribuição 10.000,00 13.000,00 Custos e Despesas Fixos (2.000,00) (2.000,00) Lucro Operacional 8.000,00 11.000,00 Variação Percentual do Lucro Operacional = (11.000 – 8.000)/8.000 = 0,375 = 37,5% Variação Percentual das Vendas Líquidas = (25.000 – 20.000)/20.000 = 0,25 = 25% GAO = (0,375/0,25) - 1= 1,50 – 1 = 0,50 = 50% Ou seja, um aumento de 60% na produção ([8.000-5.000]/5000) gerou um aumento do lucro operacional de 50%, superior à variação das vendas. 3.4. Custeio ABC – Custeio Baseado por Atividades No método de custeio ABC, ou custeio baseado por atividades, o objetivo é delinear as atividades para determinar os sistemas de custos, ou seja, as atividades da empresa constituem, neste método, os objetos fundamentais para a determinação dos custos Estes custos por atividades é que serão apropriados aos produtos. Para se utilizar o método de custeio ABC é necessária a definição das atividades relevantes dentro dos departamentos, bem como dos direcionadores de custos que irão alocar os diversos custos incorridos às atividades. O principal objetivo do custeio ABC é reduzir as distorções causadas em virtude da arbitrariedade da distribuição, via rateio, de custos indiretos de fabricação aos produtos. O custeio ABC também pode ser aplicado aos custos diretos, como, por exemplo, a mão-de-obra direta, mas, neste caso, não haverá muita diferença em relação ao método de custeio por absorção. Resumindo, a diferença fundamental está no tratamento dado aos custos indiretos. Normalmente, os custos obtidos pelo método de custeio ABC incluem despesas administrativas e com vendas, razão pela qual não é aceito, para fins contábeis, para avaliação dos estoques. Entretanto, este método de custeio é de grande utilidade para a tomada de decisão do administrador da empresa. A atribuição de custos às atividades pode ser realizada de três maneiras: Alocação Direta: quando existe uma identificação clara e direta dos custos com as atividades. Exemplos: Salários, Depreciação, Material de Consumo, etc. Prof. José Jayme Moraes Junior 36 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  37. 37. Apostila – Contabilidade de Custos Rastreamento: esta alocação se baseia na identificação da relação de causa e efeito entre a ocorrência das atividades e a geração de custos. Normalmente, é estabelecida por direcionadores de custos. Rateio: utilizado apenas quando não há possibilidade de utilizar a alocação direta ou o rastreamento. Direcionador de Custo: é o fator que determina o custo de uma atividade. Para efeito do custeio de produtos, o direcionador deve ser o fator que determina ou influencia a maneira como os produtos consomem as atividades. Ou seja, o direcionador de custos é a base utilizada para atribuir os custos das atividades aos produtos. Exemplos de direcionadores de custos: - número de empregados; - área ocupada; - homem-hora; - hora-máquina; - quantidade de energia; - estimativa do responsável pela área, etc. Exemplo: Considere a industria J4M2 Produção Mensal em Unidades Preço de Venda Unitário Sapatos 20.000,00 20,00 Botas 10.000,00 30,00 Botinas 5.000,00 40,00 As horas trabalhadas na produção estão assim distribuídas: Departamento de Corte Departamento de Acabamento Total Sapatos 150 h 50 h 200 h Botas 200 h 50 h 250 h Botinas 240 h 60 h 300 h Total 590 h 160 h 750 h As horas-máquina na produção estão assim distribuídas: Departamento de Corte Departamento de Acabamento Total Sapatos 300 h 20 h 320 h Botas 350 h 30 h 380 h Botinas 400 h 40 h 440 h Total 1.050 h 90 h 1.140 h Os custos diretos por unidade do produto foram: Materiais Diretos Outros Materiais Diretos Mão-de-Obra Direta Total Sapatos 5,00 2,00 5,00 12,00 Botas 8,00 2,00 10,00 20,00 Botinas 10,00 1,00 15,00 26,80 Total 23,00 5,00 30,00 58,00 Prof. José Jayme Moraes Junior 37 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  38. 38. Apostila – Contabilidade de Custos Os custos indiretos foram: Consumo de Energia Elétrica = R$ 75.000,00 Depreciação de Máquinas = R$ 68.400,00 Total dos Custos Indiretos = R$ 143.400,00 Energia elétrica: o direcionador de custos é o número de horas trabalhadas para a execução da atividade. Depreciação: o direcionados de custos é o número de horas-máquina trabalhadas. Atividades: os direcionadores de custos das atividades são: - número de horas trabalhadas nas atividades de corte; - número de horas trabalhadas nas atividades de acabamento; - horas-máquina para as atividades de corte; e - horas-máquina para as atividades de acabamento. Cálculo dos custos unitários dos direcionadores: Custo Unitário do Direcionador = Custo da Atividade/Total do Direcionador (I) Energia: o direcionador são as horas-trabalhadas Custo Unitário do Direcionador = Custo da Atividade/Número de Horas Trabalhadas Custo Unitário do Direcionador = 75.000/750 = R$ 100,00 a hora Departamento de Corte Departamento de Acabamento Total Sapatos 150 h x 100 = 15.000 50 h x 100 = 5.000 20.000 Botas 200 h x 100 = 20.000 50 h x 100 = 5.000 25.000 Botinas 240 h x 100 = 24.000 60 h x 100 = 6.000 30.000 Total 59.000 16.000 75.000 (II) Depreciação: o direcionador são as horas-máquina Custo Unitário do Direcionador = Custo da Atividade/Número de Horas-Máquina Custo Unitário do Direcionador = 68.400/1.140 = R$ 60,00 a hora Departamento de Corte Departamento de Acabamento Total Sapatos 300 h x 60 = 18.000 20 h x 60 = 1.200 19.200 Botas 350 h x 60 = 21.000 30 h x 60 = 1.800 22.800 Botinas 400 h x 60 = 24.000 40 h x 60 = 2.400 26.400 Total 63.000 5.400 68.400 Prof. José Jayme Moraes Junior 38 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  39. 39. Apostila – Contabilidade de Custos Deste modo, os custos diretos e indiretos por produto ficaram da seguinte forma: Energia Depreciação Custos Diretos Total Sapatos 20.000 19.200 12 x 20.000 = 240.000 279.200 Botas 25.000 22.800 20 x 10.000 = 200.000 247.800 Botinas 30.000 26.400 26,80 x 5.000 = 134.000 190.400 Total 75.000 68.400 574.000 717.400 Os custos unitários por produto seriam: Custo Unitário Sapatos 279.200/20.000 = 13,96 Botas 247.800/10.000 = 24,78 Botinas 190.400/5.000 = 38,08 O resultado do período ficaria da seguinte forma: Preço de Venda Custo Unitário Lucro Bruto Margem de Lucro Unitário Unitário Sapatos 20,00 (13,96) 6,04 6,04/20,00 = 30,20% Botas 30,00 (24,78) 5,22 5,22/30,00 = 17,4% Botinas 40,00 (38,08) 1,92 1,92/40,00 = 4,8% Ou seja, pelo método de custeio ABC é possível visualizar os custos pelas atividades realizadas na produção. 3.4.1. Vantagens e Desvantagens do Custeio ABC Vantagem: pelo mecanismo adotado pelo sistema de custeio ABC é possível obter uma relação mais real dos custos com o departamento ou atividade, o que permite um embasamento mais eficaz na hora da tomada de decisão (gestão de custos). O sistema de custeio ABC permite uma melhor alocação dos custos indiretos aos diversos produtos. Desvantagem: não é permitido pela legislação brasileira. 3.5. Equivalente de Produção O conceito de equivalente de produção é utilizado quando a produção é contínua e, ao final do período a indústria apresenta estoques de produtos acabados e produtos em elaboração. A indústria, então, determina qual o nível de produção dos produtos em elaboração e, conseqüentemente, consegue chegar ao custo médio dos produtos acabados. Exemplo: Suponha que a empresa J4M2 possua custos indiretos e diretos no período no total de R$ 100.000,00. Além disso, no período foram iniciadas e finalizadas 40.000 unidades e outras 20.000 foram iniciadas, mas estão no meio do processo de fabricação (50%). (I) Determinação do Equivalente de Produção: Produtos Acabados 40.000 Produtos em Elaboração 20.000 x 50% Processados Equivalente de Produção do Período 50.000 unidades Prof. José Jayme Moraes Junior 39 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  40. 40. Apostila – Contabilidade de Custos (II) Cálculo do custo médio por unidade acabada: Custo Médio = 100.000/50.000 unidades = R$ 2,00 por unidade (III) Atribuição dos custos: Produtos Acabados = 40.000 x 2,00 80.000 Produtos em Elaboração = 20.000 x 2,00 x 50% 20.000 Total do Custo 100.000 Prof. José Jayme Moraes Junior 40 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  41. 41. Apostila – Contabilidade de Custos 3.6. Exercícios de Fixação 1. Uma empresa fabril, em certo período, aplicou no processo produtivo: R$ 50.000,00 de materiais diretos, R$ 50.000,00 de mão-de-obra direta e R$ 50.000,00 de gastos gerais de fabricação. O saldo inicial da conta Produtos em Elaboração também foi de R$ 50.000,00, enquanto seu saldo final foi zero. Sabendo-se que: 1. O custo dos produtos vendidos no período foi de R$ 200.000,00; 2. O saldo inicial da conta Produtos Acabados foi de R$ 0,00. Assinale, com base nos dados fornecidos acima, a alternativa que contém o saldo final da conta Produtos Acabados (em R$): (a) 200.000,00 (b) 150.000,00 (c) 0,00 (d) 50.000,00 (e) 250.000,00 2. Num determinado mês, a escrituração contábil de uma empresa industrial registrou os seguintes dados: 1) Estoque de matérias-primas no início do mês = R$ 60.000,00 2) Compras efetuadas durante o mês = R$ 120.000,00 3) Estoque de matérias-primas no final do mês = R$ 120.000,00 4) Despesas com mão-de-obra direta = R$ 40.000,00 5) Gastos gerais de fabricação = R$ 50.000,00 6) Produção em andamento no início do mês = R$ 24.000,00 7) Produção em andamento no final do mês = R$ 34.000,00 O custo dos produtos elaborados foi, portanto, de (R$): (a) 60.000,00 (b) 140.000,00 (c) 150.000,00 (d) 174.000,00 (e) 180.000,00 Prof. José Jayme Moraes Junior 41 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  42. 42. Apostila – Contabilidade de Custos Baseando-se nos dados abaixo, responda as questões 3 a 7 Compra de materiais diretos = 100.000 Arrendamento mercantil de máquinas industriais = 80.000 Mão-de-obra direta (MOD) = 110.000 Estoque inicial de produtos acabados = 20.000 Energia elétrica da fábrica = 30.000 Despesas pós-fabricação = 150.000 Vendas líquidas = 726.000 Estoque final de materiais diretos = 15.000 Estoque inicial de produtos em elaboração = 40.000 Mão-de-obra indireta (MOI) = 35.000 Depreciação de máquinas industriais = 55.000 Estoque final de produtos acabados = 28.000 Estoque inicial de materiais diretos = 23.000 Constituição de Provisão para Férias e Décimo-Terceiro para MOD e MOI = 17.000 Estoque final de produtos em elaboração = 62.000 Demais custos indiretos de fabricação = 19.000 3. O custo de produção do período foi de: (a) 432.000 (b) 424.000 (c) 454.000 (d) 354.000 (e) 469.000 4. O custo da produção acabada do período foi de (em R$): (a) 482.000 (b) 442.000 (c) 432.000 (d) 479.000 (e) 494.000 5. O custo dos produtos vendidos foi equivalente a: (a) 424.000 (b) 452.000 (c) 454.000 (d) 432.000 (e) 447.000 6. O resultado bruto industrial corresponde a: (a) 310.000 (b) 272.000 (c) 290.000 (d) 302.000 (e) 424.000 Prof. José Jayme Moraes Junior 42 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados
  43. 43. Apostila – Contabilidade de Custos 7. O lucro operacional líquido da companhia, supondo-se que não houve outras receitas e despesas operacionais além das mencionadas, foi de: (a) 160.000 (b) 182.000 (c) 302.000 (d) 312.000 (e) 152.000 8. A respeito de contabilidade avançada e dos dados da empresa Z, apresentados no quadro acima, julgue os itens que se seguem. 1. A margem de contribuição unitária para a empresa Z menor que R$ 1,30. 2. Para a empresa Z, o ponto de equilíbrio é alcançado com menos de 230.000 unidades. 3. Caso a empresa Z apresente um crescimento de 20% nas suas vendas e de 10% nas suas despesas, deverá, certamente, apresentar lucro no período. 4. A empresa Z poderia vender as 50.000 unidades correspondentes à sua capacidade ociosa por R$ 3,00 e, ainda assim, aumentaria o seu resultado positivo. 5. Caso a empresa Z apresente um giro do ativo (vendas brutas sobre o ativo operacional) de 120% e uma margem líquida (lucro líquido antes das despesas financeiras sobre as vendas brutas) de 20% terá um retorno do ativo operacional de 24%. 9. Julgue os itens abaixo: 1. Custeio por Absorção é um processo de apuração de custos que rateia todos os custos, fixos ou variáveis, em cada fase de produção. 2. Um custo é considerado absorvido quando for atribuído a um produto ou unidade de produção. 3. No Custeio por Absorção, cada produto receberá sua parcela no custo no custo até que o valor total dos custos seja absorvido pelo Custo dos Produtos Vendidos ou pelo Estoque Final de Produtos Acabados e em Elaboração. 4. No Custeio por Absorção, o valor dos Estoques Iniciais de Produtos Acabados e em Elaboração somados ao Custo de Produção do Período será igual ao somatório do Custo dos Produtos Vendidos com os Estoques Finais de Produtos Acabados e em Elaboração. Prof. José Jayme Moraes Junior 43 Cathedra Competências Profissionais – Todos os direitos reservados

×