1701 recurso extraordinario - stf

1,474 views

Published on

1701 recurso extraordinario - stf

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,474
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
208
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1701 recurso extraordinario - stf

  1. 1. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Apelação Tributária nº. -------------------------------- EMPRESA X LTDA, devidamente qualificada nos autos acima epigrafado, através de seu defensor e procurador subscritor (com procuração em anexo), vem respeitosamente ante esta Egrégia Corte de Justiça, nos autos da Apelação tributária em destaque, vem, com o devido respeito à presença de Vossa Excelência, por intermédio de seu patrono que ora assina, alicerçado no art. 102, inc. III alíneas “a”, da Constituição Federal, bem como com supedâneo no art. 26 e segs. da Lei nº. 8038/90(LR), onde vem, tempestivamente, interpor o presente RECURSO EXTRAORDINÁRIO em razão do v. acórdão prolatado no recurso de Apelação, onde, para tanto, apresenta as Razões acostadas nas laudas subsequentes.
  2. 2. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados Desta sorte, em face da contrariedade à Constituição da República, requer, pois, por fim, que essa Eg. Presidência conheça e admita este recurso, com a consequente remessa dos autos ao Excelso Supremo Tribunal Federal. Outrossim, ex vi legis, declara a autenticidade dos documentos citados ou em anexo, sob a responsabilidade do defensor subscritor, bem como solicita que Vossa Excelência se digne em determinar, de logo, que a parte recorrida responda, querendo, no prazo de 15 (quinze) dias, sobre os termos da presente. (Lei 8.038/90, art. 27). Respeitosamente, Pede Deferimento. São Paulo (SP), 9 de dezembro de 2013. ----------------------------------------------------------------------------- NOME DO ADVOGADO OAB/UF 000.000
  3. 3. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados RAZÕES DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO RECORRENTE: EMPRESA X LTDA Apelação nº. ----------------------------------------- EXCELSO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL COLENDA TURMA JULGADORA PRECLAROS MINISTROS (1) – DA TEMPESTIVIDADE DO RECURSO O recurso, ora agitado, deve ser considerado como tempestivo, porquanto a Recorrente fora intimada da decisão recorrida por meio do Diário da Justiça Eletrônico, quando este circulou no dia 05 de dezembro de 2013. Portanto, à luz do que rege a Lei de Recursos (Lei nº. 8038/90, art. 26), temos como plenamente tempestivo o presente Recurso Especial, quando interposto nesta data.
  4. 4. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados (2) – CONSIDERAÇÕES DO PROCESSADO (Lei 8.038/90, art. 26, inc. I ) AA RReeccoorrrreennttee iinnggrreessssoouu iinniicciiaallmmeennttee ccoomm uummaa AAççããoo ddee RReevviissããoo ddee DDéébbiittoo FFiissccaall,, qquuee vveeiioo aa sseerr iinnddeeffeerriiddaa ppeelloo jjuuíízzoo mmoonnooccrrááttiiccoo.. AA RReeccoorrrreennttee éé ppeessssooaa jjuurrííddiiccaa ddee ddiirreeiittoo pprriivvaaddoo,, ssuujjeeiittaa aaoo rreeccoollhhiimmeennttoo ddoo ttrriibbuuttoo ddee IICCMMSS.. EEmm 1111..0011..22000088,, ffooii llaavvrraaddoo aaoo aauuttoo ddee iinnffrraaççããoo AAIIMM -------------------------------------------------- rreellaattiivvoo aa ccrrééddiittooss nnããoo rreeccoollhhiiddooss dduurraannttee oo eexxeerrccíícciioo ddee 22000066,, ccoonnffoorrmmee nnoottiicciiaaddoo nnaa eexxoorrddiiaall rreevviissiioonnaall.. PPaarraa rreegguullaarriizzaarr ssuuaa ssiittuuaaççããoo ppeerraannttee oo ffiissccoo eessttaadduuaall rreeffeerreennttee aa ddiivviiddaa aattiivvaa rreellaattiivvaa aaooss ddéébbiittooss ffiissccaaiiss ddee oorriiggeemm nnoo IICCMMSS,, ccoonnffoorrmmee ddeemmoonnssttrraaddooss ee sseennddoo cceerrttoo qquuee aa rreeffeerriiddaa ddiivviiddaa ffooii PPAARRCCEELLAADDAA,, vviiaa ppaarrcceellaammeennttoo ssiimmpplliiffiiccaaddoo nnaa PPrrooccuurraaddoorriiaa GGeerraall ddoo EEssttaaddoo ddee SSããoo PPaauulloo ((PPGGEESSPP)),, rreessttaannddoo eessccllaarreecciiddoo ddooccuummeennttaallmmeennttee aaiinnddaa tteerr ssiiddoo rreeaalliizzaaddoo oo eeffeettiivvoo ee rreegguullaarr rreeccoollhhiimmeennttoo ddaass ppaarrcceellaass ddee jjaanneeiirroo aa jjuullhhoo ddee 22001111.. OOccoorrrree EExxcceellêênncciiaass qquuee aanntteess ddaa eeffeettiivvaaççããoo ddoo rreeffeerriiddoo ppaarrcceellaammeennttoo,, hhoouuvveerraamm vvaarriiaass tteennttaattiivvaass ddee ppaaggaammeennttoo ddeessssaa mmeessmmaa ddiivviiddaa ttrriibbuuttaarriiaa,, ccoonnffoorrmmee mmeenncciioonnaaddoo nnaa iinniicciiaall.. EEmm 3300//1122//22000099,, ffooii iinnddeeffeerriiddaa ddeeffeessaa ddooss aauuttooss ddee iimmppuuggnnaaççããoo aaddmmiinniissttrraattiivvaa àà RReeccoorrrreennttee,, ppoorr ccoonnttaa ddoo aauuttoo ddee iinnffrraaççããoo,, eemm qquuee hhaavviiaa rreeccoonnhheecciiddoo ccoommoo vveerrddaaddeeiirraa aa ddiivviiddaa rreeffeerreennttee aaooss rreeccoollhhiimmeennttooss qquuee ssee ddeevveerriiaa tteerr ssiiddoo ffeeiittoo dduurraannttee oo aannoo ddee 22000066 ee nnããoo oo ffeezz.. OOccoorrrreeuu aaiinnddaa qquuee ssoolliicciittoouu nnaaqquueellaa ddaattaa ppeeddiiddoo ddee ppaarrcceellaammeennttoo aaddmmiinniissttrraattiivvoo ddaa ddiivviiddaa aattrraavvééss ddoo ppeeddiiddoo ddee nnºº 44..224444..887766,, ee iinncclluussiivvee,, cchheeggoouu ttaammbbéémm aa rreeccoollhheerr aa pprriimmeeiirraa ppaarrcceellaa,, ccoonnffoorrmmee ddooccuummeennttooss ccoommpprroobbaattóórriiooss aanneexxaaddooss aaooss aauuttooss..
  5. 5. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados EEmm ttaaiiss ddooccuummeennttooss ccoonnssttaamm qquuee oo vvaalloorr ddaa ddiivviiddaa ttrriibbuuttaarriiaa aa ééppooccaa sseerriiaa ddee RR$$ 115544..225599,,4433 ((cceennttoo ee cciinnqquueennttaa ee qquuaattrroo mmiill,, dduuzzeennttooss ee cciinnqquueennttaa ee nnoovvee rreeaaiiss ee cciinnqquueennttaa ee ttrrêêss cceennttaavvooss)) mmaaiiss jjuurrooss ddee mmoorraa nnoo vvaalloorr ddee RR$$ 7700..660044,,5544,, oouu sseejjaa,, 4455,,7777 %% ((qquuaarreennttaa ee cciinnccoo,, sseetteennttaa ee sseettee ppoorr cceennttoo)),, ccuummuullaaddooss aaiinnddaa ccoomm mmuullttaa ddee RR$$ 110099..994422,,0022 ((cceennttoo ee qquuaarreennttaa ee nnoovvee mmiill nnoovveecceennttooss ee qquuaarreennttaa ee ddooiiss rreeaaiiss ee ddooiiss cceennttaavvooss)) oouu sseejjaa 7711,,2277%% ddoo vvaalloorr ddoo pprriinncciippaall,, oouu sseejjaa oo vvaalloorr pprriinncciippaall ffooii aattuuaalliizzaaddoo eemm 111177 %% ((cceennttoo ee ddeezzeesssseettee ppoorr cceennttoo)),, ee ppaassmmeemm,, nnoo úúllttiimmoo lleevvaannttaammeennttoo eeffeettuuaaddoo oo vvaalloorr jjáá ccoonnssttaavvaa eemm uumm nnoovvoo TTOOTTAALL ddee RR$$ 443377..448833,,2266 ((QQuuaattrroocceennttooss ee ttrriinnttaa ee sseettee mmiill,, qquuaattrroocceennttooss ee ooiitteennttaa ee ttrrêêss rreeaaiiss ee vviinnttee sseeiiss cceennttaavvooss)) oouu 118844%% ddee aauummeennttoo ssoobbrree oo pprriinncciippaall IIMMPPLLIICCAANNDDOO AASSSSIIMM,, eemm eexxiiggêênncciiaa ddee ““eennccaarrggooss eexxoorrbbiittaanntteess,, oonneerroossooss ee ddrraaccoonniiaannooss””,, ccoonnsseeqquueenntteemmeennttee ccaauussaannddoo eennoorrmmee ddeesseeqquuiillííbbrriioo eennttrree aass ppaarrtteess,, eemm vviirrttuuddee ddoo mmaacciiççoo ppooddeerr eessttaattaall pprreevvaalleecceennttee ddoo óórrggããoo ggoovveerrnnaammeennttaall,, iimmppoonnddoo iimmppiieeddoossaammeennttee oonneerroossiiddaaddee eexxcceessssiivvaa ccoonnffiigguurraaddoorraa ddee CCOONNFFIISSCCOO aa ccoonnttrriibbuuiinnttee ee ccaauussaannddoo eennoorrmmeess pprreejjuuíízzooss ee ddaannooss nnaa rreellaaççããoo eennttrree aa CCOONNTTRRIIBBUUIINNTTEE ee aa FFAAZZEENNDDAA PPÚÚBBLLIICCAA DDOO EESSTTAADDOO aannttee aa eexxoorrbbiittaannttee ee iinnddeevviiddaa ccoobbrraannççaa eexxcceessssiivvaa ddee nnaattuurreezzaa IINNCCOONNSSTTIITTUUCCIIOONNAALL,, ccoonnsseeqquueenntteemmeennttee ssuuffooccaannddoo ee iinniibbiinnddoo oo ddeesseennvvoollvviimmeennttoo ddaass aattiivviiddaaddeess eemmpprreeeennddeeddoorraass ddaa lliivvrree iinniicciiaattiivvaa pprriivvaaddaa,, eemm ddeettrriimmeennttoo ddee eennrriiqquueecciimmeennttoo aabbuussiivvoo eemm pprrooll ddoo eerráárriioo ppúúbblliiccoo ccoomm ccoobbrraannççaass ddee mmaaiiss ddee 220000%% ddooss vvaalloorreess iinniicciiaaiiss ddaa ddíívviiddaa rreeffeerreenncciiaaddaa.. IInnccoonnffoorrmmaaddoo ccoomm aa ddeecciissããoo mmoonnooccrrááttiiccaa,, aa RReeccoorrrreennttee aappeelloouu ddaa sseenntteennççaa iinnddeeffeerriittóórriiaa aaoo TTrriibbuunnaall ddee JJuussttiiççaa PPaauulliissttaa,, oo qquuaall nneeggoouu pprroovviimmeennttoo aaoo sseeuu rreeccuurrssoo ddee aappeellaaççããoo.. SSuucceessssiivvaammeennttee hhoouuvvee iinntteerrppoossiiççããoo ddee EEmmbbaarrggooss DDeeccllaarraattóórriiooss,, qquuee vviieerraamm aa sseerr ccoonnhheecciiddooss,, ppoorréémm rreejjeeiittaaddooss ee aassssiimm mmaannttiiddaa aa ddeecciissããoo aapplliiccaaddaa nnaa AAppeellaaççããoo,, qquuee ssee aappooiioouu,, eemm ssíínntteessee,, nnooss sseegguuiinntteess ffuunnddaammeennttooss aabbaaiixxoo eemmeennttaaddoo:: ――AAPPEELLAAÇÇÃÃOO IICCMMSS CCrrééddiittoo ttrriibbuuttáárriioo ddeeccllaarraaddoo ee nnããoo ppaaggoo CCDDAA -- SSaattiissffaaççããoo ddooss rreeqquuiissiittooss ffoorrmmaaiiss –– DDiissppeennssáávveell pprroocceeddiimmeennttoo aaddmmiinniissttrraattiivvoo oouu nnoottiiffiiccaaççããoo,, eemm ssiittuuaaççããoo ddee ddéébbiittoo ddeeccllaarraaddoo ee nnããoo ppaaggoo ddee IICCMMSS,, oo qquuee,, ppoorr ssii,, pprreesscciinnddee ddee oouuttrraa pprroovviiddêênncciiaa àà ffoorrmmaalliizzaaççããoo ddoo ddéébbiittoo ee àà eemmiissssããoo ddaa CCDDAA PPrreecceeddeenntteess -- NNããoo éé ccoonnffiissccaattóórriiaa aa ccoobbrraannççaa ddee mmuullttaa ddee 2200%% ppeelloo nnããoo ppaaggaammeennttoo ddee IICCMMSS,, qquuee ccoonnttaa ccoomm pprreevviissããoo lleeggaall eessppeeccííffiiccaa -- VViiáávveell aa aapplliiccaaççããoo ddaa ttaaxxaa SSEELLIICC ccoommoo ffaattoorr
  6. 6. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados rreemmuunneerraattóórriioo ddee ccaappiittaall,, aa ttííttuulloo ddee jjuurrooss ddee mmoorraa ee aattuuaalliizzaaççããoo,, aannttee aa eexxiissttêênncciiaa ddee lleeii eessttaadduuaall eessppeeccííffiiccaa -- SSeenntteennççaa mmaannttiiddaa.. (( ddeessttaaccaammooss )) DDeessttaarrttee,, cceerrttaammeennttee hhoouuvvee eerrrroorr iinn jjuuddiiccaannddoo.. HHáá nnoottóórriiaa iinnaaddeeqquuaaççããoo ddooss vvaalloorreess ee ppeerrcceennttuuaaiiss eemm aannáálliissee ttrraazziiddooss aaoo bboojjoo ddaaqquueelleess aauuttooss ee qquuee nnaa ddeecciissããoo ddoo vv.. aaccóórrddããoo ssiimmpplleessmmeennttee ssee lliimmiittoouu aa mmaannttêê--llaa.. PPoorr eessttee nnoorrttee,, oo aaccóórrddããoo mmeerreeccee rreeppaarroo,, eessppeecciiaallmmeennttee qquuaannddoo ccoonnttrraarriioouu tteexxttoo eexxpprreessssoo ddaa CCoonnssttiittuuiiççããoo FFeeddeerraall,, hhaajjaa vviissttaa qquuee aass ccoobbrraannççaass uullttrraappaassssaamm 220000%% ddooss vvaalloorreess ddaa ddíívviiddaa ee nnããoo vviinnttee ppoorr cceennttoo ccoonnffoorrmmee aa pprróópprriiaa rreeccoorrrreennttee vviinnhhaa ssoolliicciittaannddoo qquuee llhhee ffoossssee aapplliiccaaddoo ddeessddee aa aaççããoo iinniicciiaall nnoo jjuuíízzoo mmoonnooccrrááttiiccoo,, ccaarraacctteerriizzaannddoo--ssee aassssiimm aaffrroonnttaass aa ddiivveerrssooss ddiissppoossiittiivvooss ccoonnssttiittuucciioonnaaiiss aa ssaabbeerr:: oo pprriinncciippiioo ddaa pprrooppoorrcciioonnaalliiddaaddee,, ccoonnffiissccoo,, eennttrree oouuttrrooss ee aassssiimm,, ddaannddoo aazzoo àà iinntteerrppoossiiççããoo ddoo pprreesseennttee RReeccuurrssoo EExxttrraaoorrddiinnáárriioo.. (3) – D (3) – DO CABIMENTO DO PRESENTE RECURSO EXTRAORDINÁRIO ( Lei 8.038/90, art. 26, inc. II ) CONSTITUIÇÃO FEDERAL, ART. 102, INC. III, “A” Segundo a disciplina do art. 102, inc. III, letra “a” da Constituição Federal, é da competência exclusiva do Supremo Tribunal Federal, apreciar Recurso Extraordinário fundado em decisão proferida em última ou única instância, quando a mesma contrariar a Constituição Federal: CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe: [ . . . ]
  7. 7. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados III - julgar, mediante recurso extraordinário, as causas decididas em única ou última instância, quando a decisão recorrida: a) contrariar dispositivo desta Constituição; Entende-se, pois, que “contrariar” o texto da lex maior, segundo os ditames da letra “a”, do supramencionado artigo da Carta Política, em resumo, é dizer que a decisão não coincide com o direito garantido na CF. A propósito estas são as lições do jurisconsulto Mantovanni Colares Cavalcante: " “Assim, contrariar dispositivo da Constituição é, essencialmente, ofender norma Constitucional mediante a sua não aplicação ao caso concreto, quando deveria fazê-lo, ou com o desvirtuamento do preceito constitucional, quando de sua utilização no julgado.” CAVALCANTE, Mantovanni Colares. Recursos Especial e Extraordinário. São Paulo: Dialética, 2003. p. 81. Na hipótese em estudo, é exatamente isto que ocorreu, situações estas que convergem ao exame deste Recurso Extraordinário por esta Excelsa Corte Suprema. ( i ) PRESSUPOSTOS DE ADMISSIBILIDADE Verifica-se, mais, que o presente Recurso Extraordinário é (a) tempestivo, quando o foi ajuizado dentro do prazo previsto na Lei nº. 8038/90(art. 26), (b) a Recorrente tem legitimidade para interpor o presente recurso e, mais, (c) há a regularidade formal do mesmo. Diga-se, mais, a decisão recorrida foi proferida em “última instância”, em sede de Apelação seguido de Embargos Declaratórios, não cabendo mais nenhum outro recurso na instância originária. Neste sentido:
  8. 8. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados Súmula nº 281 - É inadmissível o recurso extraordinário, quando couber, na justiça de origem, recurso ordinário da decisão impugnada. A propósito vejamos julgado desta Corte: RECURSOS EXTRAORDINÁRIOS COM AGRAVOS. 1) AGRAVO INTERPOSTO NO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA. PROCESSUAL CIVIL. PRESSUPOSTOS DE ADMISSIBILIDADE DE RECURSO DE COMPETÊNCIA DE TRIBUNAL DIVERSO: INEXISTÊNCIA DE REPERCUSSÃO GERAL. 2) AGRAVO INTERPOSTO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. PROCESSUAL CIVIL. NÃO ESGOTAMENTO DA INSTÂNCIA ORDINÁRIA: SÚMULA N. 281 DO SUPREMO TRIBUNAL. AGRAVOS AOS QUAIS SE NEGA SEGUIMENTO. (STF: ―AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. PROCESSUAL CIVIL. INTERPOSIÇÃO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO CONTRA DECISÃO MONOCRÁTICA SUSCETÍVEL DE IMPUGNAÇÃO NA VIA ORDINÁRIA. ESGOTAMENTO DE INSTÂNCIA. INOCORRÊNCIA. ÓBICE SÚMULA 281 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. 1. É inadmissível o recurso extraordinário, quando couber na justiça de origem, recurso ordinário da decisão impugnada. Precedentes: AI 757.161-ED, 2ª Turma, Rel. Min. Ellen Gracie, Dje de 12.04.2011 e AI 814.970, 1ª Turma, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Dje de 23.02.2011. 2. In casu, o recurso extraordinário foi interposto contra decisão monocrática que negou seguimento à apelação. Caberia, portanto, a interposição de agravo interno para suscitar a manifestação do órgão colegiado da Corte de origem. 3. Agravo regimental a que se nega provimento‖ (AI 797.148-AgR, Rel. Min. Luiz Fux, Primeira Turma, DJe 23.8.2011). Por outro ângulo, a questão constitucional foi devida prequestionada, quando a mesma foi expressamente ventilada, enfrentada e dirimida pelo Tribunal de origem.
  9. 9. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados STF - Súmula nº 282 - É inadmissível o recurso extraordinário, quando não ventilada, na decisão recorrida, a questão federal suscitada. STF - Súmula nº 356 - O ponto omisso da decisão, sobre o qual não foram opostos embargos declaratórios, não pode ser objeto de recurso extraordinário, por faltar o requisito do pré-questionamento. A este propósito o Colendo STJ e este Excelso Pretório, ambos tem assim reiteradamente decidido: AGRAVO REGIMENTAL. AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. RECURSO ESPECIAL. OFENSA AO ART. 535 DO CPC. SÚMULA STF/284. PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA STJ/211. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. LIMINAR. DECISÃO PROVISÓRIA. DANOS MATERIAIS. SUMULA STJ/7. LIQUIDAÇÃO POR ARTIGOS. DECISÃO AGRAVADA. MANUTENÇÃO. I. A ausência de particularização dos pontos omissos do acórdão recorrido é deficiência, com sede na própria fundamentação da insurgência recursal, que impede a abertura da instância especial, a teor do Enunciado nº 284 da Súmula do Supremo Tribunal Federal, aplicável por analogia, também ao Recurso Especial. II. O prequestionamento, entendido como a necessidade de o tema objeto do recurso haver sido examinado pela decisão atacada, constitui exigência inafastável da própria previsão constitucional, ao tratar do Recurso Especial ou Extraordinário, impondo-se como um dos principais requisitos ao seu conhecimento. Não examinada a matéria objeto do especial pela instância a quo, mesmo com a oposição dos embargos de declaração, incide o Enunciado nº 211 da Súmula do Superior Tribunal de Justiça. III. A liminar em reintegração de posse não permite a demolição de benfeitorias edificadas no imóvel, para dar eficácia a uma decisão judicial provisória, que ainda poderia ser modificada.
  10. 10. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados lV. A convicção a que chegou o Tribunal a quo quanto a inexistência de danos materiais decorreu da análise do conjunto probatório. O acolhimento da pretensão recursal demandaria o reexame do mencionado suporte. Incide nesse ponto a Súmula STJ/7. V. Provada a culpa, é possível determinar-se a apuração do quantum em liquidação por artigos, na forma do que estabelece o art. 475-E do CPC. VI. Agravo Regimental improvido. (STJ - AgRg-REsp 1.130.994; Proc. 2009/0058027-0; SP; Terceira Turma; Rel. Min. Sidnei Beneti; Julg. 20/05/2010; DJE 04/06/2010) Outrossim, todos os fundamentos lançados no Acórdão guerreado foram devidamente infirmados pelo presente recurso, não havendo a incidência da Súmula 283 do STF. STF - Súmula nº 283 - É inadmissível o recurso extraordinário, quando a decisão recorrida assenta em mais de um fundamento suficiente e o recurso não abrange todos eles. Ademais, o debate trazido à baila não importa reexame de provas, mas sim, ao revés, unicamente matéria de direito, não incorrendo, portanto, com a regra ajustada em Súmula desta Excelsa Corte. (4) – DO DIREITO (Lei 8.038/90, art. 26, inc. I ) 444...111... VVVIIIOOOLLLAAAÇÇÇÃÃÃOOO DDDOOO AAARRRTTT... 111000222,,, IIIIIIIII,,, “““AAA””” NNoo ttooccaannttee àà qquueessttããoo vveennttiillaaddaa hháá qquuee ssee ccoonnssiiddeerraarr qquuee eemm ttooddoo oo tteemmppoo aa rreeccoorrrreennttee ddeessddee aa pprriimmeeiirraa iinnssttâânncciiaa,, vveemm ppeerrssiisstteemmeennttee ssoolliicciittaannddoo qquuee llhhee ffoossssee aapplliiccaaddaa aa rreeggrraa ddee 2200%% ddee mmuullttaa ccoonnffoorrmmee aa lleeggiissllaaççããoo iinnvvooccaaddaa nnooss aaccóórrddããooss aanntteerriioorreess.. NNããoo oobbssttaannttee ssuuaa pplleeiitteeaaççããoo,, ccoonnttuuddoo ssee vveerriiffiiccaa qquuee ttaannttoo nnaa pprriimmeeiirraa,, qquuaannttoo nnaa sseegguunnddaa iinnssttâânncciiaa,, aammbbaass aass ddeecciissõõeess ssee lliimmiittaamm aa aaffiirrmmaarr qquuee::
  11. 11. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados (...) Não é confiscatória a cobrança de multa de 20% pelo não pagamento de ICMS, que conta com previsão legal específica - Viável a aplicação da taxa SELIC como fator remuneratório de capital, a título de juros de mora e atualização, ante a existência de lei estadual específica - Sentença mantida. Em que pese a orientação fixada no acórdão supra-aludido, entendemos que a decisão combatida pecou ao apurar os percentuais fixados que ultrapassam em 200% os valores originais da dívida com o FISCO, em decisão confirmatória da sentença monocrática inicialmente prolatada. Com efeito, o V. Acórdão contrariou dispositivo da Constituição Federal (art. 102, III, a), ao desatender os comandos da Constituição da República no ponto em que impedem cobrança de MULTAS CONFISCATÓRIAS e totalmente desproporcionais à realidade, embasadas em patamares muito superiores ao previsto na legislação estadual, bem como pela demonstração também de quebra do princípio da proporcionalidade. Referidos comandos encontram-se devidamente prequestionados nos autos, bem como no V. Acórdão recorrido, tendo havido manifestação expressa sobre os artigos constitucionais contrariados. Neste ponto específico, extraímos da decisão em liça passagem que denota claramente a ausência de fundamento para o pleito solicitado conforme sua ementa, vejamos: AAPPEELLAAÇÇÃÃOO IICCMMSS CCrrééddiittoo ttrriibbuuttáárriioo ddeeccllaarraaddoo ee nnããoo ppaaggoo CCDDAA -- SSaattiissffaaççããoo ddooss rreeqquuiissiittooss ffoorrmmaaiiss –– DDiissppeennssáávveell pprroocceeddiimmeennttoo aaddmmiinniissttrraattiivvoo oouu nnoottiiffiiccaaççããoo,, eemm ssiittuuaaççããoo ddee ddéébbiittoo ddeeccllaarraaddoo ee nnããoo ppaaggoo ddee IICCMMSS,, oo qquuee,, ppoorr ssii,, pprreesscciinnddee ddee oouuttrraa pprroovviiddêênncciiaa àà ffoorrmmaalliizzaaççããoo ddoo ddéébbiittoo ee àà eemmiissssããoo ddaa CCDDAA PPrreecceeddeenntteess -- NNããoo éé ccoonnffiissccaattóórriiaa aa ccoobbrraannççaa ddee mmuullttaa ddee 2200%% ppeelloo nnããoo ppaaggaammeennttoo ddee IICCMMSS,, qquuee ccoonnttaa ccoomm pprreevviissããoo lleeggaall eessppeeccííffiiccaa -- VViiáávveell aa aapplliiccaaççããoo ddaa ttaaxxaa SSEELLIICC ccoommoo ffaattoorr rreemmuunneerraattóórriioo ddee ccaappiittaall,, aa ttííttuulloo ddee jjuurrooss ddee mmoorraa ee aattuuaalliizzaaççããoo,, aannttee aa eexxiissttêênncciiaa ddee lleeii eessttaadduuaall eessppeeccííffiiccaa -- SSeenntteennççaa mmaannttiiddaa..
  12. 12. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados NNeessssee ppeerrcceennttuuaall,, ppooiiss,, nnããoo hháá eexxcceessssoo nneemm ssiittuuaaççããoo aallgguummaa ddee ccoonnffiissccoo,, mmaass oobbsseerrvvâânncciiaa àà lliimmiittaaççããoo ddaa ppeennaa ppeeccuunniiáárriiaa aaoo tteexxttoo lleeggaall.. SSeeqquueerr aa ccuummuullaaççããoo ddeessssaa mmuullttaa ccoomm ooss ddeemmaaiiss eennccaarrggooss lleeggaaiiss ccoonnffiigguurraa ccoonnffiissccoo.. EE ttaammbbéémm nnããoo ooffeennddee nnoorrmmaa ccoonnssttiittuucciioonnaall oouu iinnffrraaccoonnssttiittuucciioonnaall.. Deste modo, o Relator condutor do voto e o colegiado levaram em conta, ao destacar tão somente que o patamar de 20% da multa prevista não seria ilegal ou confiscatória, se omitindo ou negando a reconhecer as provas trazidas no bojo dos autos, que na prática demonstra que os valores cobrados e aludidos pela recorrente desde o início, excedem a 200% do valor nominal da dívida, caracterizando assim afronta direta a garantia constitucional de IMPEDIMENTO DE COBRANÇA DE MULTA CONFISCATÓRIA além de afrontar também o princípio da razoabilidade e proporcionalidade, que no caso se demonstra bem superior aos aludidos 20% mencionados na sentença e no acordão retro. Este Colendo STF na ADI-MC 1075/DF (DJU 24 de novembro de 2006, página 59) decidiu no mesmo sentido, de que não é possível multa, com efeito, nitidamente confiscatório. Na Medida Cautelar, o voto do relator, ministro Celso de Mello, registra que: É inquestionável, senhores ministros, considerando-se a realidade normativa emergente do ordenamento constitucional brasileiro, que nenhum tributo — e, por extensão, nenhuma penalidade pecuniária oriunda do descumprimento de obrigações tributárias principais ou acessórias — poderá revestir-se de efeito confiscatório. Mais do que simples proposição doutrinária, essa asserção encontra fundamento em nosso sistema de direito constitucional positivo, que consagra, de modo explícito, a absoluta interdição de quaisquer práticas estatais de caráter confiscatório, com ressalva de situações especiais taxativamente definidas no próprio texto da Carta Política (artigo 243 e seu parágrafo único). No livro Multas Tributárias (Editora Del Rey, Belo Horizonte, 2002, página 205) preleciona Ricardo Corrêa Dalla: “Os critérios para a fixação das multas tributárias devem obedecer aos padrões do princípio da razoabilidade, isto é, devem levar em conta também se a situação ocorrida foi agravada com dolo ou culpa”.
  13. 13. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados Em que pese a decisão “a quo”, em outros julgados o próprio Judiciário Paulista, mesmo em primeira instância, já demonstrou que as multas não podem ser abusivas. A 9ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, em decisão de 21 de novembro de 2002 (DJE 4 de fevereiro de 2003) entendeu que: O Poder Legislativo não pode criar leis que firam os princípios gerais de direito e também os princípios implícitos na Constituição Federal da razoabilidade e da proporcionalidade. Do mesmo modo que não se deve admitir, somente porque existe lei, penas excessivas na esfera do Direito Penal — doutrina pacífica atualmente; da mesma maneira que não se pode aceitar a fixação de tributos de caráter confiscatório, que agridam o princípio da capacidade contributiva, porque abusivos e desproporcionais — pacífico na doutrina igualmente; enfim, se em qualquer ramo do direito não se pode acolher, passivamente, que o Estado legisle ferindo preceitos básicos do sistema de equilíbrio entre o seu poder e os direitos e garantias individuais, com maior razão, no contexto do direito administrativo o mesmo não pode se dar. A multa cobrada é nitidamente desproporcional à infração cometida e fere a capacidade de pagamento do autor. Por isso, vemos sentido em cancelar a aplicação da multa, considerando inconstitucional a lei que fixa seu valor, por desrespeitar os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade. A melhor doutrina tem declarado serem ilegais e inconstitucionais multas com efeitos confiscatórios. A matéria foi exaustivamente examinada e debatida no XXIV Simpósio de Direito Tributário promovido pelo Centro de Extensão Universitária em São Paulo, no ano 2000, do qual resultou a obra coletiva “Direitos Fundamentais do Contribuinte”, coordenada pelo professor Ives Gandra da Silva Martins (Editora Revista dos Tribunais, São Paulo, 2000) e da qual podem ser extraídos os seguintes trechos: O alcance do preceito constitucional que veda o confisco é também extensivo às penalidades, pois sendo desdobramento da garantia do direito de propriedade (artigo 5º, XXII e artigo 170, II) proíbe o confisco ao estabelecer prévia e justa indenização, nos casos em que autoriza a desapropriação, não poderia ficar de fora do alcance dessa proteção constitucional a imposição de multas confiscatórias. O valor das multas a serem aplicadas deve ser proporcional ao valor objeto da obrigação tributária, sob pena de destruição do bem de onde surgirão os recursos para o Estado, à título de tributo, ou seja, a proporcionalidade da multa se impõe sob pena de destruição da fonte do tributo, que é o contribuinte. Neste mesmo sentido é também a jurisprudência:
  14. 14. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados “O Supremo Tribunal Federal decidiu que mesmo existindo fraude, quando as punições são rigorosas diante de dolo comprovado, não se aplicam penalidades confiscatórias. Na ADIN 551-RJ, vê-se que: “Ação Direta de Inconstitucionalidade — Parágrafos 2º e 3º do artigo 57 do ADCT do Estado do Rio de Janeiro, que dispõem sobre multa punitiva nas hipóteses de mora e sonegação fiscal. — Plausibilidade da irrogada inconstitucionalidade, face não apenas à impropriedade formal da via utilizada, mas também ao evidente caráter confiscatório das penalidades instituídas”. (RTJ-138/55) ( destacamos ) O artigo 150, IV, da Constituição Federal Ao estabelecer as limitações do poder de tributar, a Constituição Federal, em seu artigo 150, IV, é clara ao dispor, in verbis: “Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: … IV – utilizar tributo com efeito de confisco;” Como se verifica da redação desse dispositivo constitucional o “tributo” não pode ter efeitos confiscatórios. Nota-se que a Lex Suprema não faz referência à penalidade. Na realidade, a Constituição Federal prevê a possibilidade de a lei estabelecer “o perdimento de bens” como punição (art. 5º, XLV). Assim, não nos parece haver obstáculo para que o legislador estabeleça penalidades confiscatórias, valendo lembrar que estas não se confundem com penas onerosas. Apenas para exemplificar, se uma lei estabelece que o não pagamento do ICMS tem como consequência uma penalidade correspondente a 200% do valor do imposto não recolhido, a multa não é confiscatória, mas sim onerosa.
  15. 15. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados Com efeito, o dispositivo constitucional é indiscutivelmente expresso ao preceituar que apenas os tributos são protegidos pelo princípio em comento. Com a devida vênia, não poderia ser de outra forma, pois estar-se-ia protegendo o sonegador, vez que uma penalidade leve, muitas vezes, conduz ao desejo de cometer infrações, pois é bem possível não haver uma fiscalização, e ainda que esta constate o ilícito, a pena será branda. Hugo de Brito Machado, com a coerência que lhe é peculiar, ensina que “a vedação do confisco é atinente ao tributo. Não à penalidade pecuniária, vale dizer, à multa. O regime jurídico do tributo não se aplica à multa, porque tributo e multa são essencialmente distintos. O ilícito é pressuposto essencial desta, e não daquele”. Para Estevão Horvath o rigor científico não permite a conclusão de que o princípio tributário do não confisco seja estendido à multa, pois os princípios que regem as infrações são distintos daqueles que informam a tributação. Como bem ponderou o Min. Francisco Falcão ao julgar o REsp nº 660.692/SC: ―antes de se pronunciar uma conclusão sobre o tema, cumpre evidenciar qual é a natureza da multa moratória. Sem muito esforço, constata-se que se trata de uma penalidade, revestida de caráter preventivo e punitivo, não tendo disposição característica de tributo. Destarte, conclui-se que a multa moratória não está adstrita à regra de não confisco, que deve ser seguida apenas para fins de fixação de exação. Pelo contrário, deve, em regra, ser aplicada sem indulgência, evitando-se futuras transgressões às normas que disciplinam o sistema de arrecadação tributária, não merecendo respaldo a pretensão do recorrente de ver reduzida tal penalidade.‖ Hugo de Brito Machado ainda observa que “no plano estritamente jurídico, ou plano da Ciência do Direito, em sentido restrito, a multa distingue-se do tributo porque em sua hipótese de incidência a ilicitude é essencial, enquanto a hipótese de incidência do tributo é sempre algo lícito. Em outras palavras, a multa é necessariamente uma sanção de ato ilícito, e o tributo, pelo contrário, não constitui sanção de ato ilícito”. Misabel Abreu Machado Derzi ensina que “no exame dos efeitos confiscatórios do tributo, deve ser feita abstração de multas e juros acaso devidos. As sanções, de
  16. 16. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados modo geral, desde a execução judicial até as multas, especialmente em caso de cumulação, podem levar à perda substancial do patrimônio do contribuinte, sem ofensa ao direito”. É preciso que a multa seja realmente onerosa, pois seu fim é de suma importância para que o Estado possa atender o interesse público. O produto da arrecadação tributária é de grande relevância para que o Estado forneça aos cidadãos hospitais, equipamentos para atendimento à saúde, educação, segurança, infra-estrutura e tudo o mais referente à dignidade a pessoa humana. Inegável o interesse público na proteção da arrecadação tributária, sendo a onerosidade da multa uma ferramenta importantíssima para tal fim. Como bem observou Hugo e Brito Machado em sua obra já mencionada, não podemos deixar de concordar que uma penalidade correspondente a 300% do valor do tributo não recolhido é um instrumento relevante e eficiente no combate à sonegação fiscal. Estabelecida em lei, o contribuinte tem absoluto conhecimento da consequência pela sua conduta ilícita, ficando por sua conta e risco a violação da norma tributária. Advogar em defesa da tese de que a multa decorrente de ilícitos tributários não pode ser estabelecida em patamares bastante onerosos parece ser o mesmo que defender que a prática dos ilícitos tributários é protegida pelo direito. Isto aniquila a eficácia social da norma sancionatória; afinal o contribuinte, mesmo ciente do alto valor da multa, se vê com maior tranquilidade para cometer ilícitos tributários, pois alagará o confisco da multa, em razão de sua onerosidade, e não será punido com o rigor necessário. Ora, as penalidades leves ou “muito razoáveis” podem ser facilmente repassadas pelos contribuintes, ou até mesmo diluídas nos preços, o que, como já bem observou Hugo de Brito Machado, torna a sanção totalmente sem efeito, sendo transformada num simples “tributo de exigência eventual”. Entendemos, portanto, que desde que devidamente previstas em lei as multas podem, e na verdade devem, ser estabelecidas com severidade conforme a gravidade da infração, para que com isto o contribuinte não se veja tentado a cometer os ilícitos tributários, e
  17. 17. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados entregue corretamente recursos ao Estado que deles depende para o atendimento das necessidades públicas. A jurisprudência possui inúmeras manifestações nesse sentido. Contudo na espécie desses autos, os valores cobrados pela multa são superiores a 200% senão vejamos: Com efeito se pode constar que em 30/12/2009, a requerente teve indeferida sua defesa dos autos de impugnação administrativa, com fundamento de que a mesma havia reconhecido como verdadeira a divida referente aos recolhimentos que se deveria ter feito durante o ano de 2006 e não o fez. Solicitou então naquela data pedido de parcelamento administrativo da divida através do pedido de nº --------------------, e, recolheu-se a primeira parcela no valor de R$ 9.486,75 (Nove mil quatrocentos e oitenta e seis reais e setenta e cinco centavos), conforme documento anexados nesses autos. Em tal documento consta que o valor da divida tributaria a época seria de R$ 154.259,43 (cento e cinquenta e quatro mil, duzentos e cinquenta e nove reais e cinquenta e três centavos) mais juros de mora no valor de R$ 70.604,54 ou seja 45,77 % (quarenta e cinco, setenta e sete por cento), cumulados ainda com multa de R$ 109.942,02 (cento e quarenta e nove mil novecentos e quarenta e dois reais e dois centavos) ou seja 71,27% do valor do principal, ou seja o valor principal foi atualizado em 117 % ( cento e dezessete por cento). Diante de valores tão extravagantes não restou outra alternativa, senão recorrer ao Poder judiciário, para clamar pela guarida de seus direitos. Aliomar Baleeiro observa que a equidade permeia o direito tributário, acentuando: "A clausula seja qual for o motivo determinante da falta deve ser atendida em termos, num sistema jurídico que autoriza a equidade na interpretação das leis (CTN, art. 108, IV). Os Tribunais brasileiros, inclusive o Supremo Tribunal Federal, tem excluído multas em casos especiais (Ver STF - RE nº 55.906, Gallotti, 27.5.65, Pleno Turma: Ag. n. 40.319, 22.8.67; RE nº 60.413;
  18. 18. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados Nogueira, 17.10.67; RE nº 60.476, Lins, 28.11.67; RE nº 60.972, Baleeiro, 7.3.67; RE nº 61.160, Lins, 19.3.68, RTJ 44.661; RE nº 60.964, Baleeiro, 7.3.67, RTJ 41/55)". (Direito Tributário Brasileiro, Rio de Janeiro, Forense.). A jurisprudência brasileira mais recente mantém a mesma posição: "Não pode subsistir a sentença na parte em que condena o executado na multa de 100% do imposto devido, porque predominante a orientação jurisprudencial no sentido de que fixado nesse percentual ela assume feição confiscatória. Reformada parcialmente a sentença, as despesas e honorários devem ser recíprocos e proporcionalmente distribuídos entre os litigantes" (TJMG Ac. da 4ª Câm. Cível em 10.6.1981, Ap. 55.354, ADV nº 429). Além dos acórdãos anteriormente citados, que reconhecem ao Poder Judiciário o poder de excluir ou diminuir a multa fiscal imposta pela autoridade, é de se anotar que essa incumbência dos juízes já vem de longe. Assim: Ac. da 4ª C.C. do TJSP, Ap. 94.874, 11.6.59, Rel. Bandeira de Mello, RT 289/356; Ac. da 1ª CC do TJSP, Agr. 89.957, 3.3.59, Rel. Juarez Bezerra, RT vol. 288/456; Ac. da 3ª CC do TASP, Rec. Ex-Offício nº 252.256, 6.12.58, Rel. Góes Nobre, RT vol. 287/616" (Vejam-se também os julgados nas RT 273/280, RT 264/722 e RT 262/673). Assim é inquestionável que o Poder Judiciário tem competência para reduzir as multas fiscais e regular outros excessos impostas por autoridade administrativa. Cite-se em especial, as ponderações do Ministro Cordeiro Guerra no aludido arresto: "Em reiterados julgados, os Eg. Tribunais de São Paulo tem entendido, porém como na espécie, que a partir da vigência do Código Tributário Nacional, não obstante o disposto nos arts. 184 e 134,parágrafo único, toda multa fiscal é punitiva, e, consequentemente, inexigível em falência. De fato não disciplina o Código Tributário Nacional as sanções fiscais de modo a extremá-las em punitivas ou moratórias, apenas exige a sua legalidade, art. 97, V. Ora, a Súmula nº 191 que se refere à multa fiscal simplesmente moratória tem por base julgados
  19. 19. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados de 1961 a 1964, isto é, anteriores à Lei nº 5172 de 25.10.66 - Código Tributário Nacional. Por isso, entendo como o Eg. Tribunal local, e neste sentido votei no Plenário no RE nº 80.093/SP e mais 80.132, 80.134, 80.147, em 13.12.74, que as sanções fiscais são sempre punitivas, uma vez assegurada a correção monetária e os juros moratórios. O princípio da lei de falências é o de que não se deve prejudicar a massa, o interesse dos credores. O que se assegura é o imposto devido, não as sanções administrativas. Esta a inteligência que dou ao art. 184 do Código Tributário Nacional" (Ministro Cordeiro Guerra, in RTJ 80,pág104/113). Para o Ministro Moreira Alves a argumentação definitiva sobre a inexistência de diferença entre a denominada multa moratória e a multa punitiva. Ipsis: “A meu ver, é que preciso, preliminarmente, fazer esta distinção: de um lado, o que realmente é pena, de outro, o que realmente é indenização”. Os juros moratórios, por exemplo, como indenização que são, se admitem uma vez que, ai, não há caráter, nem sequer remoto, de punição, mas sim de indenização pelo tempo da demora em que se houve o devedor relapso. No entanto, fora daí, toda que, pelo simples inadimplemento, e não mais com caráter de indenização, se cobrar alguma coisa de credor, este algo que se cobra a mais dele, e que não se capitula estritamente como indenização, isso será uma pena." Portanto perfeitamente legítimo o interesse da Recorrente em obter a prestação jurisdicional para afastar os excessos decorrentes de acordo de vontades onde prevaleceu unilateralmente a desigualdade a uma das partes, sendo na espécie o Poder Judiciário, o único órgão cabível para apreciação da lide e determinar o restabelecimento do equilíbrio da relação entre a fazenda pública e a Contribuinte, ora recorrente, restabelecendo desta forma as garantias previstas no rol constitucional homenageados.
  20. 20. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados AAcceerrccaa ddaa hhiippóótteessee eemm eennffooqquuee,, ccoollaacciioonnaammooss aa ddoouuttrriinnaa ddoo eemmiinneennttee mmiinniissttrroo GGiillmmaarr FFeerrrreeiirraa MMeennddeess,, qquuee ssuusstteennttaa nneessttee sseennttiiddoo:: ""ÉÉ iinntteerreessssaannttee nnoottaarr qquuee aa pprriimmeeiirraa rreeffeerreenncciiaa ddee aallgguumm ssiiggnniiffiiccaaddoo aaoo pprriinnccííppiioo ddaa pprrooppoorrcciioonnaalliiddaaddee nnaa jjuurriisspprruuddêênncciiaa ddoo SSuupprreemmoo TTrriibbuunnaall FFeeddeerraall -- ttaannttoo qquuaannttoo éé ppoossssíívveell iiddeennttiiffiiccaarr -- eessttáá iinnttiimmaammeennttee rreellaacciioonnaaddaa ccoomm aa pprrootteeççããoo aaoo ddiirreeiittoo ddee pprroopprriieeddaaddee.. NNoo RREE nnºº 1188..333311,, ddee rreellaattoorriiaa ddoo eemmiinneennttee MMiinn.. OOrroozziimmbboo NNoonnaattoo ddeeiixxoouu--ssee aasssseennttee,, vveerrbbiiss.."" OO ppooddeerr ddee ttaaxxaarr nnããoo ppooddee cchheeggaarr àà ddeessmmeeddiiddaa ddoo ppooddeerr ddee ddeessttrruuiirr,, uummaa vveezz qquuee aaqquueellee ssoommeennttee ppooddee sseerr eexxeerrcciiddoo ddeennttrroo ddooss lliimmiitteess qquuee oo ttoorrnneemm ccoommppaattíívveell ccoomm aa lliibbeerrddaaddee ddee ttrraabbaallhhoo,, ccoomméérrcciioo ee ddaa iinnddúússttrriiaa ee ccoomm oo ddiirreeiittoo ddee pprroopprriieeddaaddee.. ÉÉ uumm ppooddeerr,, ccuujjoo eexxeerrccíícciioo nnããoo ddeevvee iirr aattéé oo aabbuussoo,, oo eexxcceessssoo,, oo ddeessvviioo,, sseennddoo aapplliiccáávveell,, aaiinnddaa aaqquuii,, aa ddoouuttrriinnaa,, ffeeccuunnddaa ddoo ddeettoouurrnneemmeenntt ddee ppoouuvvooiirr.. NNããoo hháá qquuee eessttrraannhhaarr aa iinnvvooccaaççããoo ddeessssaa ddoouuttrriinnaa aaoo pprrooppóóssiittoo ddaa iinnccoonnssttiittuucciioonnaalliiddaaddee,, qquuaannddoo ooss jjuullggaaddooss tteemm pprrooccllaammaaddoo qquuee oo ccoonnfflliittoo eennttrree aa nnoorrmmaa ccoommuumm ee oo pprreecceeiittoo ddaa LLeeii MMaaiioorr ppooddee ssee aacceennddeerr nnããoo ssoommeennttee ccoonnssiiddeerraannddoo aa lleettrraa ddoo tteexxttoo,, ccoommoo ttaammbbéémm,, ee pprriinncciippaallmmeennttee,, oo eessppíírriittoo ddoo ddiissppoossiittiivvoo iinnvvooccaaddoo.. VVêê--ssee,, ppooiiss,, qquuee oo pprriinnccííppiioo ddaa pprrooppoorrcciioonnaalliiddaaddee oouu ddaa pprrooiibbiiççããoo ddoo eexxcceessssoo éé pplleennaammeennttee ccoommppaattíívveell ccoomm aa oorrddeemm ccoonnssttiittuucciioonnaall bbrraassiilleeiirraa.. AA pprróópprriiaa jjuurriisspprruuddêênncciiaa ddoo SSuupprreemmoo TTrriibbuunnaall FFeeddeerraall eevvoolluuiiuu ppaarraa rreeccoonnhheecceerr qquuee eessssee pprriinnccííppiioo tteemm hhoojjee aa ssuuaass sseeddeess mmaatteerriiaaee nnoo aarrtt.. 55ºº,, iinncciissoo LLIIVV ddaa CCoonnssttiittuuiiççããoo FFeeddeerraall.. ((GGiillmmaarr FFeerrrreeiirraa MMeennddeess -- AA PPrrooppoorrcciioonnaalliiddaaddee nnaa JJuurriisspprruuddêênncciiaa ddoo SSuupprreemmoo TTrriibbuunnaall FFeeddeerraall,, ""RReeppeerrttóórriioo IIOOBB ddee JJuurriisspprruuddêênncciiaa"" -- 11ªª QQuuiinnzzeennaa ddee ddeezzeemmbbrroo ddee 11999944nnºº2233//9944,, ppáágg..446699)).. PPoorrttaannttoo,, ddeevvee sseerr rreeffoorrmmaaddoo oo aaccóórrddããoo rreeccoorrrriiddoo,, bbeemm ccoommoo aa sseenntteennççaa mmoonnooccrrááttiiccaa,, aa ffiimm ddee qquuee,, aaccaassoo mmaannttiiddaa aa ccoonnddeennaaççããoo ddoo RReeccoorrrreennttee –– oo qquuee ssee ddiizz aappeennaass ppoorr aarrgguummeennttaarr --,, sseennddoo aassssiimm,, qquuee nnoo mmíínniimmoo sseejjaa ddeetteerrmmiinnaaddaa aa aapplliiccaaççããoo ddee oouuttrraa ddeecciissããoo ddeevviiddaammeennttee ffuunnddaammeennttaaddaa,, eessppeecciiffiiccaannddoo ooss ppeerrcceennttuuaaiiss aarrgguuiiddooss ppeellaa ddeeffeessaa ee qquuee
  21. 21. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados sseeqquueerr ffoorraamm aallvvooss ddee ccoonnssiiddeerraaççõõeess,, oo qquuee ttaammbbéémm aaffrroonnttaa oo pprriinnccííppiioo ddaa aammppllaa ddeeffeessaa ee sseeuuss rreeccuurrssooss ee mmeeiiooss aa eellaa iinneerreenntteess.. NNaa eessppéécciiee vvaallee rreessssaallttaarr:: CCoommoo bbeemm ddeessttaaccoouu JJoosséé EEdduuaarrddoo SSooaarreess ddee MMeelloo,, ““éé ddiiffíícciill eessttiippuullaarr oo vvoolluummee mmááxxiimmoo ddaa ccaarrggaa ttrriibbuuttáárriiaa,, oouu ffiixxaarr uumm lliimmiittee ddee iinnttrroommiissssããoo ppaattrriimmoonniiaall,, eennffiimm,, oo mmoonnttaannttee qquuee ppooddee sseerr ssuuppoorrttaaddoo ppeelloo ccoonnttrriibbuuiinnttee.. OO ppooddeerr ppúúbblliiccoo hháá ddee ssee ccoommppoorrttaarr ppeelloo ccrriittéérriioo ddaa rraazzooaabbiilliiddaaddee,, aa ffiimm ddee ppoossssiibbiilliittaarr aa ssuubbssiissttêênncciiaa oouu ssoobbrreevviivvêênncciiaa ddaass ppeessssooaass ffííssiiccaass,, ee eevviittaarr aass qquueebbrraass ddaass ppeessssooaass jjuurrííddiiccaass,, ppoossttoo qquuee aa ttrriibbuuttaaççããoo nnããoo ppooddee cceerrcceeaarr oo pplleennoo ddeesseemmppeennhhoo ddaass aattiivviiddaaddeess pprriivvaaddaass ee aa ddiiggnniiddaaddee hhuummaannaa””.. JJáá ttiivveemmooss aa ooppoorrttuunniiddaaddee ddee ddiizzeerr qquuee ““ttrriibbuuttoo ccoonnffiissccaattóórriioo éé aaqquueellee ddeemmaassiiaaddaammeennttee oonneerroossoo,, ccaappaazz ddee rreettiirraarr ppaarrcceellaa ssuubbssttaanncciiaall ddaa pprroopprriieeddaaddee oouu rreennddaa ddoo ccoonnttrriibbuuiinnttee.. ((……)).. AA LLeexx SSuupprreemmaa,, vveeddaannddoo aa iinnssttiittuuiiççããoo ddee ttrriibbuuttooss ccoomm oo ffiimm ddee ccoonnffiissccoo,, pprrootteeggee aa pprroopprriieeddaaddee ee aa rreennddaa ddooss ccoonnttrriibbuuiinntteess ee,, ppoorr vviiaa rreefflleexxaa,, ffoonntteess ddee aabbaasstteecciimmeennttoo ddooss ccooffrreess ppúúbblliiccooss””,, sseennddoo eessttee oo ccaassoo eemm eessppéécciiee oorraa ttrraazziiddoo nnoo pprreesseennttee RReeccuurrssoo EExxttrraaoorrddiinnáárriioo,, hhaajjaa vviissttaa qquuee uumm vvaalloorr ddee mmuullttaa ee oo ddéébbiittoo ddee cceerrccaa ddee ppoouuccoo mmaaiiss ddee RR$$ 116600..000000,,0000 ((cceennttoo ee sseesssseennttaa mmiill rreeaaiiss)) eessttaarr eemm ppoouuqquuííssssiimmoo tteemmppoo aapprrooxxiimmaannddoo--ssee ddee RR$$ 550000..000000,,0000 ((qquuiinnhheennttooss mmiill rreeaaiiss)) sseemm ddúúvviiddaa aallgguummaa aaffrroonnttaa ddiivveerrssooss ddiissppoossiittiivvooss ccoonnssttiittuucciioonnaaiiss,, rraazzããoo eessttaa qquuee lleevvaa aa aaffeettaarr eessttaa SSuupprreemmaa CCoorrttee ppaarraa ssee mmaanniiffeessttaarr nnoo sseennttiiddoo ddee rreessttaabbeelleecceerr aass ggaarraannttiiaass ddaa oorraa rreeccoorrrreennttee,, eemm ccoonnffoorrmmiiddaaddee ccoomm aa LLeexx MMiilliittoorr.. (5) – RAZÕES DO PEDIDO DE REFORMA DA DECISÃO RECORRIDA ( Lei nº. 8038/90, art. 26, inc. III ) Por tais fundamentos, entendemos que a decisão deva ser reformada, posto que ao ignorar as teses defensivas que alegavam os valores muito superiores aos 20% previsto na legislação paulista, o acordão recorrido manteve a multa em mais de 200% conforme já declinado neste recurso, evidenciando-se assim a caracterização de MULTA CONFISCATÓRIA em desfavor da ora recorrente.
  22. 22. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados (6) – D O S P E D I D O S Em suma, tem-se que a decisão guerreada, na parte citada em linhas anteriores, com o devido respeito, merece ser recorrida e reformada, onde, por conta disto, postula-se que seja conhecido e provido o presente Recurso Extraordinário, acolhendo-o por violação ao artigo 102, inciso III, letra “a” da Constituição Federal, reformando-se o v. acórdão recorrido, ou determinando-se sua nulidade e consequentemente novo julgamento da lide em observação aos princípios retro mencionados, bem como eventualmente também por extensão, anulando-se a sentença monocrática, a fim de que outra seja prolatada, tudo por se tratar de medida da mais lídima, indispensável e salutar JUSTIÇA! ITA SPERATUR JUSTITIA !!! De São Paulo (SP) para Brasília (DF), 9 de dezembro de 2013. ----------------------------------------------------------------------------- NOME DO ADVOGADO OAB/UF 000.000
  23. 23. NOME DO ADVOGADO OAB/BR 000.000 __________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ Endereço Completo do Domicilio do Advogado Patrono ou Associados DOCUMENTOS DE INSTRUÇÃO OBRIGATÓRIA DO RECURSO EXTRAORDINÁRIO: 1- Procuração; 2- Comprovante de pagamentos atualizados; 3- Acordão da Apelação, Embargos Declaratórios e da Sentença Monocrática; 4- Cópias das petições da Defesa em Primeira e Segunda Instância; 5- Comprovante de recolhimento de custas e Outros;

×