Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Seminário Cidades mais Inteligentes(PROSPERIDADE RENOVÁVEL)“A certificação energética e a reabilitação urbana”            ...
ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética    •  O Certificado Energético e as Medidas de Mel...
Contexto Europeu - Directiva 2002/91/CE de 16 de Dezembro (EPBD)Suporte para a revisão da legislação nacional e introdução...
Desafios da nova EPBDDirectiva 2010/31/EU de 19 de Maio de 2010    Objectivo europeu "UE 20-20-20" em 2020:       reduçã...
Desafios da nova EPBDDirectiva 2010/31/EU de 19 de Maio de 2010     Requisitos mínimos baseados em critérios             ...
Planos e estratégias nacionaisEnquadramento       Plano Nacional de Acção                       Estratégia Nacional para a...
ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética    •  O Certificado Energético e as Medidas de Mel...
Certificado EnergéticoCertificado informa de um modo simples e directoEtiqueta de Desempenho Energético         •  9 class...
Classificação energéticaUma casa eficiente pode consumir menos de ¼ do consumo de referência    Classificação baseada no ...
Certificado EnergéticoInformação sobre medidas de melhoria de desempenho  Propostas de medidas      –  Redução estimada de...
Propostas de medidas de melhoria nos certificados Reforço, junto dos PQs, da importância e do valor desta informação no se...
Despacho n.º 11020/2009 de 30 AbrilEstudo de medidas é obrigatório e deve respeitar hierarquia de opçõesHierarquia do estu...
0
                                                                        2000
                                           ...
Evolução do Sistema de Certificação Energética em PortugalDistribuição por tipo de edifício e tipologia           Novos ed...
O nível mais alto de ineficiência energética é na construção dos anos 70(mais de 85% dos fogos são classe C ou inferior)  ...
Potencial de melhoria identificado pelos Peritos QualificadosPotencial de melhoria de forem implementadas todas as Medidas...
Potencial de melhoria identificado pelos Peritos Qualificados Medidas de melhoria identificadasEdifícios com Potencial de ...
E no que respeita à percepção do Público…Estudos de Mercado sobre Certificação EnergéticaConhece a Certificação Energética...
E no que respeita à percepção do Público…Estudos de Mercado sobre Certificação Energética               Medidas sugeridas ...
ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética    •  O Certificado Energético e as Medidas de Mel...
Medidas de melhoria na certificação energéticaUma ferramenta que promove a eficiência energética nos edifíciosObjectivoCri...
Medidas de melhoria na certificação energéticaUma ferramenta que promove a eficiência energética nos edifíciosComo intervi...
Projecto REQUESTReabilitação de edifícios através da cadeia de valor do sistema de certificação energética   O que é o Pro...
Projecto REQUESTReabilitação de edifícios através da cadeia de valor do sistema de certificação energética Objectivos chav...
MUITO OBRIGADO
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Francisco Passos - ADENE

885 views

Published on

No âmbito de uma Parceria Público Privada com a AGÊNCIA PARA A ENERGIA (ADENE) e com a IBM, a Iniciativa CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL continua a coordenar a realização de SEMINÁRIOS que colocam ao alcance de um público predominantemente técnico a informação relevante para o alargamento de boas práticas na construção e na reabilitação urbana. Prevemos realizar 5 SEMINÁRIOS durante 2011, os quais terão lugar em todo o país.
Nos SEMINÁRIOS serão abordados os desafios da sustentabilidade no meio edificado, com enfoque na escala das Cidades, sendo o tema as Cidades Inteligentes (SMART CITIES), promovendo a prosperidade renovável e transmitindo conceitos como: descentralizar a transformação de recursos renováveis (energia, água e materiais); as redes inteligentes, bi-direccionais e inter-activas, que se auto-regeneram, associadas à descentralização do armazenamento de recursos.

Published in: Technology, Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Francisco Passos - ADENE

  1. 1. Seminário Cidades mais Inteligentes(PROSPERIDADE RENOVÁVEL)“A certificação energética e a reabilitação urbana” ADENE – Agência para a EnergiaBraga, 10 de Maio de 2011 Francisco Passos sce@adene.pt
  2. 2. ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética •  O Certificado Energético e as Medidas de Melhoria •  Evolução do SCE •  Potencial de Medidas de Melhoria Identificadas•  Contributos à implementação de Medidas de Melhoria •  Publicação “EDIFÍCIOS EXISTENTES” •  O Projecto Request
  3. 3. Contexto Europeu - Directiva 2002/91/CE de 16 de Dezembro (EPBD)Suporte para a revisão da legislação nacional e introdução de certificação •  Objectivo: Promover a melhoria do desempenho energético dos edifícios na Comunidade, tendo em conta:   As condições climáticas externas e as condições locais   Exigências em termos de clima interior   Rentabilidade económica •  Estabeleceu requisitos em matéria de:   Metodologia de cálculo do desempenho energético integrado dos edifícios;   Aplicação de requisitos mínimos para o desempenho energético dos novos edifícios e edifícios sujeitos a grandes obras de renovação;   Inspecção regular de caldeiras e instalações de ar condicionado;   Certificação energética dos edifícios
  4. 4. Desafios da nova EPBDDirectiva 2010/31/EU de 19 de Maio de 2010   Objectivo europeu "UE 20-20-20" em 2020:   redução de 20% nas emissões de GEE;   20% de energia proveniente de fontes renováveis;   aumento de 20% na eficiência energética;   As “grandes intervenções” de edifícios existentes, constituem uma oportunidade para tomar medidas rentáveis para melhorar o desempenho energético.   «Grandes intervenções» = obras de renovação de um edifício em que: a)  O custo total da renovação é superior a 25 % do valor do edifício, e/ou b)  É renovada mais de 25 % da superfície da envolvente do edifício.   Metas nacionais ambiciosas e planos de incentivos para recuperação do parque edificado existente e para construção de novos “edifícios energia quase zero”.
  5. 5. Desafios da nova EPBDDirectiva 2010/31/EU de 19 de Maio de 2010   Requisitos mínimos baseados em critérios de viabilidade económica ao longo do ciclo de vida do edifício.   Apresentação da classe energética na publicidade ao edifício a partir do momento em que seja colocado no mercado;   Afixação de certificados energéticos na entrada dos edifícios públicos A partir de 2012 para edifícios com A>500 m2 de área útil, A partir de 2015 para edifícios com A>250 m2 de área útil;
  6. 6. Planos e estratégias nacionaisEnquadramento Plano Nacional de Acção Estratégia Nacional para a Energia para a Eficiência energética (PNAEE) 2020 (ENE2020) Resolução do Conselho de Ministros n.º 80/2008 Resolução do Conselho de Ministros nº 29/2010  BJECTIVO ATÉ 2015: O   OBJECTIVO PARA PRÓXIMA DECADA:  peracionalização de 12 programas para   Promoção da Eficiência Energética Oeficiência energética   Aposta nas Energias Renováveis e  ectores dos Transportes, Residencial & S EndógenasServiços, Indústria, Comportamentos, •  31% do consumo de energia finalEstado, etc… •  60% da energia eléctrica em Portugal •  Redução de consumo energia final em 10% •  Redução de consumo energia final em •  1 em cada 15 lares com classe B- ou 20% até 2020 superior 2015 2020
  7. 7. ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética •  O Certificado Energético e as Medidas de Melhoria •  Evolução do SCE •  Potencial de Medidas de Melhoria Identificadas•  Contributos à implementação de Medidas de Melhoria •  Publicação “EDIFÍCIOS EXISTENTES” •  O Projecto Request
  8. 8. Certificado EnergéticoCertificado informa de um modo simples e directoEtiqueta de Desempenho Energético •  9 classes (de A+ a G)Emissões de CO2 do edifícioDesagregação necessidades de energia •  aquecimento, arrefecimento e águas quentes •  necessidades energia em kWh/m2 8
  9. 9. Classificação energéticaUma casa eficiente pode consumir menos de ¼ do consumo de referência   Classificação baseada no consumo de energia para climatização e AQS   Iluminação não afecta classificação energética no sector residencial Classe Comparação com consumo de energética referência A+ Menos 25% consumo de referência A Entre 25% a 50% B 50% a 75% B- 75% a 100% C 100% a 150% D 150% a 200% E 200% a 250% F Entre 250% a 300% G Mais de 300% consumo de referência
  10. 10. Certificado EnergéticoInformação sobre medidas de melhoria de desempenho Propostas de medidas –  Redução estimada de energia –  Investimento estimado –  Pay-back simples Nova Classe Energética –  se implementadas parte ou a totalidade das medidas 10
  11. 11. Propostas de medidas de melhoria nos certificados Reforço, junto dos PQs, da importância e do valor desta informação no seu trabalho 60% dos Certificados sem qualquer proposta de medida de melhoria (Fev. 09) Menos de 10% dos Certificados sem propostas (Jun.09)•  As medidas são uma mais valia clara do trabalho do perito!•  O certificado só por si não traduz qualquer economia de energia.
  12. 12. Despacho n.º 11020/2009 de 30 AbrilEstudo de medidas é obrigatório e deve respeitar hierarquia de opçõesHierarquia do estudo de propostasde medidas de melhoria Correcção de patologias construtivas Redução das necessidades de energia útil por intervenção na envolvente Utilização de energias renováveis Eficiência dos sistemas
  13. 13. 0
 2000
 4000
 6000
 8000
 10000
 12000
 14000
 16000
 18000
 Ano
2007
 854
 1
 Ano
2008
 13053
 714
 Janeiro
de
2009
 2112
 7704
 Ano
2009
 2511
 Fevereiro
de
2009
 11783
 Março
de
2009
 2635
 16524
 Abril
de
2009
 2734
 15824
 Maio
de
2009
 3755
 15514
 Junho
de
2009
 2523
 14027
 Julho
de
2009
 3304
 15038
 Agosto
de
2009
 2735
 11079
 Setembro
de
2009
 3106
 11953
 Outubro
de
2009
 3461
 12165
Novembro
de
2009
 3621
 11514
Dezembro
de
2009
 3084
 10394
 Janeiro
de
2010
 2933
 10567
 Ano
2010
 2898
 Fevereiro
de
2010
 10622
 Março
de
2010
 3597
 12454
 Abril
de
2010
 2866
 11932
 Maio
de
2010
 2842
 10590
 Junho
de
2010
 3105
 9963
 Julho
de
2010
 3248
 10369
 Agosto
de
2010
 2098
 8836
 Setembro
de
2010
 2694
 Número de CE’s emitidos por mês/ano 9121
 Outubro
de
2010
 2677
 8949
Novembro
de
2010
 3018
 9425
 DCR
Dezembro
de
2010
 2742
 9041
 Janeiro
de
2011
 2389
 7509
 Ano
2011
 2642
 Fevereiro
de
2011
 7203
 CE/DCR
 Março
de
2011
 2939
 7976
 Abril
de
2011
 2423
 6836
 CE
 A média de emissões mensais de CE’s/DCR’s ronda os ~14000 registos Evolução do Sistema de Certificação Energética em Portugal existentes (à data de Abril 2011)  ~11000 CE por mêsCE/DCR – Certificados após DCR’s Informação adicional  ~3000 DCR’s por mês  Cerca de 80% dos CEDCR – Certificados em fase de projecto  +400 000 CE’s emitidos correspondem a edifíciosCE – Certificados de edifícios existentes
  14. 14. Evolução do Sistema de Certificação Energética em PortugalDistribuição por tipo de edifício e tipologia Novos edifícios Edifícios existentes % de DCR por classes % de CE por classes 11% 0.5% A+ A+ 4.3% A 40% A B 20.8% B 28% B- 11.6% B- 21% 32.5% C 14.3% D 7.9% E Tipos de edifícios 2.5% F 5.7% G 8% DCR – Certificados em fase de projecto Residencial CE/DCR – Certificados após DCR’s 92% Serviços CE – Certificados de edifícios existentes
  15. 15. O nível mais alto de ineficiência energética é na construção dos anos 70(mais de 85% dos fogos são classe C ou inferior) % Classe energética por década
  16. 16. Potencial de melhoria identificado pelos Peritos QualificadosPotencial de melhoria de forem implementadas todas as Medidas de Melhoria identificadas pelos PQ’s Cenário real Medidas implementadas % de CE por classes % de CE por classes0.5% A+ 5.5% A+ 4.3% A 30.6% A 20.8% B 30.3% B 11.6% B- 18.3% B- 32.5% C 9.6% C 14.3% D 3.8% D 7.9% E 1.2% E 2.5% F 0.3% F 5.7% G 0.3% G 63% abaixo de B- 85% acima do limite mínimo para edifícios novos
  17. 17. Potencial de melhoria identificado pelos Peritos Qualificados Medidas de melhoria identificadasEdifícios com Potencial de Melhoria Incidência das Medidas de Melhoria 6% Ventilação AQS 4% 31% Vãos Envidraçados CE sem MM 11% 94% CE com MM Investimento e Potencial de Melhoria por Fracção Climatização 15% Energias Renováveis Economia 0,4Tep/ano 22% Envolventes Opacas 18% Período de retorno de 6 a 11 anos Investimento de 1250€ a 6500€
  18. 18. E no que respeita à percepção do Público…Estudos de Mercado sobre Certificação EnergéticaConhece a Certificação Energética ? Razões para certificar o imóvel Valorizar o imóvel 35% Melhorar o desempenho energético 35% Venda do imóvel 28% Melhorar o desempenho ambiental 21% Realização de obras no imóvel 6% A Classe Energética pode Valorização da Certificação Energética influenciar o valor do imóvel? A/A+
  19. 19. E no que respeita à percepção do Público…Estudos de Mercado sobre Certificação Energética Medidas sugeridas pela CE pensa vir a implementar
  20. 20. ÍNDICE•  A Directiva Europeia EPBD•  Sistema de Certificação Energética •  O Certificado Energético e as Medidas de Melhoria •  Evolução do SCE •  Potencial de Medidas de Melhoria Identificadas•  Contributos à implementação de Medidas de Melhoria •  Publicação “EDIFÍCIOS EXISTENTES” •  O Projecto Request
  21. 21. Medidas de melhoria na certificação energéticaUma ferramenta que promove a eficiência energética nos edifíciosObjectivoCriação de um documento de apoio técnico e de auxílioà análise do potencial de medidas de melhoria.SuporteIntegração no modelo de análise de Medidas de Melhoriaconstantes no Certificado Energético.EstruturaOnde intervir?Tipificação das Soluções Construtivas e sua ImportânciaEnergética AutoresComo intervir? Vasco Peixoto de Freitas,Define níveis de qualidade com base nos valores Ana Guimarães, Cláudia Ferreira,regulamentares de referência. Sandro Alves
  22. 22. Medidas de melhoria na certificação energéticaUma ferramenta que promove a eficiência energética nos edifíciosComo intervir? Metodologias de Intervenção - Várias soluções de reabilitação energética para os diversos elementos Quais os benefícios? Avaliação energética e técnico- económica das intervenções com Fichas Técnicas comparativas
  23. 23. Projecto REQUESTReabilitação de edifícios através da cadeia de valor do sistema de certificação energética O que é o Projecto REQUEST É um projecto Europeu que visa o seguinte:   ácil acesso às medidas de melhoria F recomendadas nos certificados energéticos   streitar a cadeia de valor entre os proprietários, E profissionais e as suas empresas, peritos qualificados e entidades reguladoras Duração: Abril 2010 - Novembro 2012 Finalidade Parceiros Energy Saving Trust, EST, UK Portuguese Energy Agency, ADENE, Portugal   umento da implementação das medidas de A Austrian Energy Agency, AEA, Austria German Energy Agency, dena, Germany melhoria com reflexo nas emissões de carbono nos Italian National Agency for New Technologies, Energy and edifícios residenciais europeus the Environment, ENEA, Italy Polish National Energy Conservation Agency, KAPE, Poland Aalborg University, AAU/SBi, Denmark Slovak Innovation and Energy Agency, SIEA, Slovakia Responsável por Portugal Flemish Institute of Technological Research, VITO, Belgium Centre Renewable Energy Sources Saving, CRES, Greece Eng.º Manuel Casquiço - ADENE Energy Efficiency Agency, EEA, Bulgaria www.building-request.eu
  24. 24. Projecto REQUESTReabilitação de edifícios através da cadeia de valor do sistema de certificação energética Objectivos chave do REQUEST 1.  stabelecer um inventário de ferramentas, técnicas e E esquemas para promover a realização das medidas de melhoria preconizadas nos Certificados Energéticos (CE) e aceder ao mercado da reabilitação, tendo em vista a Grupos alvo O sucesso do projecto REQUEST eficiência energética e a diminuição das emissões de depende do impacto que tem nos 4 carbono. grupo- alvo definidos: LADO DA PROCURA 2.  esenvolver ferramentas e estratégias para estimular e D Proprietários de habitações uni e promover acções previstas nas recomendações indicadas multifamiliares; LADO DA OFERTA nos CE. Profissionais da construção e as suas empresas; 3.  rovidenciar um novo mecanismo para assegurar a P INTERMEDIÁRIOS Peritos Qualificados; qualidade no mercado das reabilitações energéticas. REGULADORES Agências de energia/governo/ 4.  estar e medir o impacto das ferramentas desenvolvidas T universidades e laboratórios através de projectos-piloto a realizar a nível nacional. independentes reconhecidos para o efeito. www.building-request.eu
  25. 25. MUITO OBRIGADO

×