Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Barbara Dias - APA

653 views

Published on

Os Materiais são recursos limitados e, uma vez extraídos da crosta da terra, precisam de ser permanentemente valorizados. Para abraçarmos integralmente o desafio da utilização eficaz e racional dos materiais, será necessário repensar quais as origens mais adequadas às utilizações que lhe damos.

O conceito do ciclo de vida contínuo deve ser aplicado aos processos industriais e do quotidiano, obrigando-nos a questionar alguns dos alicerces do actual modelo de desenvolvimento económico e social, na medida em que coloca na entidade que detém o maior grau de competências para assegurar a reintegração de todos os recursos extraídos e transformados, na tecnosfera ou na ecosfera, o ónus da propriedade.

O enfoque deste Workshop está na demonstração das oportunidades de intervenção no meio edificado, conducentes à optimização do desempenho ambiental dos edifícios, abordando a sua concepção, realização e operação numa lógica de ecodesign.

A inscrição para o Workshop é gratuita sendo pre-inscrição individual e obrigatoria. Veja "Faça já a sua Inscrição" em cima. Mais informações: Tel: 918 613 023 - e-mail: mail@construcaosustentavel.ptEste endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

O Workshop é dirigido a todos os decisores que influenciam a qualidade de construção do meio edificado.

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Barbara Dias - APA

  1. 1. Sumário - Responsabilidade Alargada do Produtor – Gestão eValorização de Resíduos em CidadesCurso Prosperidade Sustentável - Materiais I Enquadramento legal14 de • Comunitário Abril de 2011 • nacionalBárbara Dias O sector da gestão de resíduos •  os principais indicadores •  as infra-estruturas 1
  2. 2. O conceito “EPR” Princípio da Responsabilidade Alargada do ProdutorO design e a produção de bens/produtos deverão atender ef a c i l i t a r a s u a r e p a ra ç ã o,reutilização, desmantelamento e areciclagem, sem comprometer alivre circulação desses mesmosbens/produtos no mercado interno Garantia de um elevado nível de protecção ambiental quando o produto atinge o final do ciclo de vida
  3. 3. Enquadramento Comunitário e NacionalEstratégias TemáticasDirectivas específicasde fluxos de resíduosDirectiva Quadro ConceitoResíduos “EPR” Regime geral de gestão de resíduos Legislação específica de fluxos de resíduos
  4. 4. Objectivos e princípios genéricos•  Aplicação do conceito “EPR” • Objectivo prioritário da política de gestão de resíduos • Introdução de alterações na concepção Princípio da do produto Prevenção e da Redução • Processos produtivos - utilização das MTD, utilização eficaz das MP, energia e água • Produto - eco-design, substituição de subst. Perigosas, design para o “reuse”; design para o desmantelamento
  5. 5. Panorama da situação nacional•  Política nacional de gestão de fluxos específicos de resíduos Implementação de Sistemas Individuais/Colectivos baseados no Princípio da Responsabilidade do Produtor, sem prejuízo da co- responsabilização de todos os intervenientes no ciclo de vida do produto
  6. 6. Fluxos específicos de resíduos - política nacional • Categorias de resíduos com proveniência transversal a Fluxos várias origens ou sectores deespecíficos actividade, sujeitos a uma gestão específica (por. ex. ERE, REEE, VFV, OU, PU) 6
  7. 7. Panorama da situação nacional•  O papel da Administração •  Integração no contexto do planeamento estratégico sectorial •  Estabelecer o quadro de referência: enquadramento legal ou acordo voluntário •  Dinamizar a constituição de entidades gestoras e proceder ao seu licenciamento •  Acompanhar e monitorizar a actividade desenvolvida pelos Sistemas •  Reforçar parcerias institucionais
  8. 8. Sistemas de gestão de fluxos específicos de resíduos Sistema SistemaFluxos Específicos Integrado * Individual ERE 3 1 VFV 1 - RP&A 5 1 Pneus Usados 1 - REEE 2 - Óleos Usados 1 - Total 15*entidades sem fins lucrativos 8
  9. 9. Panorama da situação nacional•  Sistemas Colectivos/ Integrados • Princípio da Responsabilidade do Produtor • Envolvimento de todos os operadores económicos com intervenção no CV do produto • Prevenção da quantidade e perigosidade dos resíduos gerados Entidades Gestoras • Aplicação da hierarquia de gestão de resíduos • Introdução de metas de reutilização/ recolha/reciclagem/ valorização • Introdução de objectivos de informação/ sensibilização e de I&D
  10. 10. Ecodesign/Prevenção – fluxo ERE 10
  11. 11. Ecodesign/Prevenção – fluxo REEE 11
  12. 12. Importância do RAP nas cidades  Desenvolvimento de modelos de gestão assentes em redes de recolha selectiva por material (p.ex. resíduos de embalagens e pilhas portáteis), em articulação com os municípios  Implementação de locais de recepção de resíduos perigosos, designadamente REEE, em espaços de fácil acesso aos consumidores (p.ex. ponto electrão)  Garantia de economia de recursos decorrente da reciclagem/valorização dos resíduos recolhidos em cidade 12
  13. 13. Importância do RAP nas cidades  Economia circular – recursos, após consumo, dão origem a resíduos, que por sua vez se constituem como recursos  Participação activa na sensibilização e comunicação aos consumidores que se traduz em impactes benéficos, em termos visuais e de melhoria de qualidade de vida  Mudança de hábitos de consumo e de regras de cidadania a nível de gestão de resíduos 13
  14. 14. Abordagem de análise de ciclo de vida Extracção de Eco-design natural dos produtos recursos Reutilizar Fabrico/Produção Reciclar Recuperar Distribuição Deposição Recolha de Resíduos Utilização do produtoFonte: Being wise with waste: the EU’s approach to waste managementComissão Europeia 14
  15. 15. Contactos APA - Agência Portuguesa do Ambiente geral@apambiente.pt 214728200 / FAX. 214719074R. da Murgueira, 9/9ª - Zambujal, Ap. 7585 611-865 Amadora 15

×