Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

DRENAGEM FACIAL E PEELING DE ÁCIDO TIOGLICÓLICO NO TRATAMENTO DE OLHEIRAS

4,364 views

Published on

PROJETO DE OESQUISA

Published in: Science
  • Be the first to comment

DRENAGEM FACIAL E PEELING DE ÁCIDO TIOGLICÓLICO NO TRATAMENTO DE OLHEIRAS

  1. 1. DRENAGEM FACIAL E PEELING DE TIOGLICÓLICO NO TRATAMENTO DE HIPERPIGMENTAÇÃO PERIORBICULAR Projeto Integrador II Professoras Aline Brito e Lucilene Cavalcante MARIA AUGUSTA MAGALHÃES CAMURÇA MARIA DA CONCEIÇÃO MARTINS TIMBÓ NADJA SOUSA MONTEIRO
  2. 2. DEFINIÇÃO: Por deposição de pigmento melânico; Intertransparência da pele dos vasos e musculatura; Alterações de relevo nas pálpebras inferiores.  A hiperpigmentação periorbital;  Aspecto de cansaço e de envelhecimento;  Impacto na qualidade de vida das pessoas. De acordo com Kadunc, Palermo, et. al, 2012 classifica em três grandes grupos:
  3. 3. CYMBALISTA e RIBEIRO (2012) A acometimento maior:  Indivíduos de pele, cabelos, olhos mais escuros de qualquer idade, independente do sexo. Maior queixa:  Mulheres – variação hormonal Outras razões:  Origem genética;  Exposição solar cumulativa;  Tabagismo;  Etilismo;  Privação de sono. Em alguns casos:  Precocemente, muitas vezes ainda na infância;  Grupos étnicos como árabe, turcos, hindus e ibéricos, (vasos dilatados) íons férricos que formam radicais livres que estimulam os melanócitos, gerando pigmentação melânica associada. ETIOLOGIA:
  4. 4. OBJETIVO: Geral;  Avaliar a melhoria estética após tratamento de hiperpigmentação periorbicular “olheiras” no contorno das pálpebras inferior e superior, utilizando a técnica de aplicação do ácido tioglicólico com segurança, objetivando uma boa qualidade de vida das nossas colaboradoras, além de resultados estéticos comprovados. Específicos;  Analisar a eficácia do tioglicólico no clareamento de olheiras para proporcionar clareamento na região periorbicular.
  5. 5. METODOLOGIA: Tipo de estudo:  Estudo de caso comparativo;  com pesquisa descritiva. Local do estudo:  Laboratório de Estética Corporal da FAMETRO. População e amostra:  2 colaboradoras. Instrumento de coleta de dados:  Ficha de anamnese facial e fotos. Análise dos dados:  Comparativo.
  6. 6. Materiais:  Maca;  Álcool 70%;  Papel toalha;  Algodão;  Água;  Luvas;  Máscara;  gorro;  Gel de limpeza facial glicoativo;  Tioglicólico a 5%;  Neutralizante;  Pós peeling;  Protetor solar FPS 30;  Laboratório de Estética Corporal da FAMETRO.
  7. 7. TERAPIA COMBINADA: Drenagem Linfática Facial Peeling de ácido tioglicólico a 5%.
  8. 8. DRENAGEM LINFÁTICA FACIAL:  Técnica de massagem realizada com os dedos que estimula a drenagem do excesso de líquido que visa diminuir o edema do rosto e atuar no combate as olheiras;  Ação antioxidante no rosto e pescoço deixando a pele com uma aparência mais jovial;  Duração em média, de 10 a 15 minutos.
  9. 9. ÁCIDO TIOGLICÓLICO: Funciona em pigmentos na pele, derivados do sangue pois neutraliza o escurecimento provocado pelo ferro. Peeling:  Tioglicólico a 5%;  Neutralizante a base de bicarbonato de sódio;  Pós peeling.
  10. 10. 1ª COLABORADORA: J.B.F  28 anos;  Fototipo IV;  Olheiras há 2 anos;  Histórico familiar;  Uso continuo de anticoncepcional;  Aplica maquiagem e protetor solar FPS 50 diariamente;  Possui melasma;  Nunca fez tratamento pra olheiras.
  11. 11. 2ª COLABORADORA: E.C.O.S  20 anos;  Fototipo III;  Olheiras há 4 anos;  Histórico familiar;  Uso continuo de anticoncepcional;  Utiliza filtro solar FPS 60 uma vez ao dia;  Nunca fez tratamento pra olheiras;  Já realizou limpeza + peeling facial.
  12. 12. PROCEDIMENTOS:  Laboratório de estética corporal da FAMETRO  18/03/2014 a 29/04/2014;  Com 2 colaboradoras do sexo feminino;  Olheiras bem aparentes, e causas não investigadas, e de possibilidade genética;  5 sessões na J.B.F, e 4 na E.C.O.S, uma por semana. Cuidados necessários:  Não coçar;  Não aplicar maquiagem;  Não remover a pele caso descame;  Aplicação de protetor solar a cada três horas.
  13. 13. Primeiro momento:  Ficha de Avaliação Estética. Segundo momento:  Paciente em decúbito dorsal, com maca higienizada com álcool a 70%;  Iniciou-se a drenagem facial por 10 a 15 minutos;  Aplicou-se o peeling de tioglicólico por 3 minutos na pálpebra e região inferior dos olhos,  Após neutralizado removido com algodão embebecido em água;  Aplicou-se o pós peeling;  Ao secar foi aplicado o protetor solar.
  14. 14. RESULTADOS E DISCUSSÕES:  Tem como base a aparência visual das olheiras;  Sem comprovação laboratorial ou médica. Ficha de Avaliação Estética:  Histórico genético;  Insônia;  Uso de anticoncepcional. Resolvemos fazer o uso do tioglicólico por este ter característica clareadora e para analisar sua efetividade em qualquer tipo de olheiras.
  15. 15. FOTO ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO (J.B.F)
  16. 16. COLABORADORA: J.B.F Primeira sessão:  Clareamento notório;  Sem nenhum relato de ardor ou outro sintoma nos dias seguintes à aplicação. Segunda sessão:  Grande redução na área atingida;  Relatado ardor, prurido e leve edema e descamação no local. Última sessão:  Não realizamos a drenagem facial, só ácido. Observamos clareamento aparente e de forma progressiva.
  17. 17. Foto antes de iniciar o tratamento (E.C.O.S)
  18. 18. COLABORADORA: E.C.O.S Primeira sessão  Clareamento notório;  Sem relatos de ardor ou outro sintoma. Segunda sessão  Redução progressiva comparada primeira foto;  Relatou sentir ardor, prurido e aumento de sensibilidade na área. Quarta sessão  Houve clareamento comparado a primeira foto e, com os mesmos relatos; O tratamento foi interrompido por problemas de saúde, sendo realizada somente 4 sessões.
  19. 19. CONCLUSÃO:  Conclui-se que o tratamento no clareamento de olheiras através do peeling de ácido tioglicólico possui resultados positivos e satisfatórios.  Promove a visível suavização das olheiras:  Com boa alimentação, atividade física, dormir 8 horas diárias e não beber ou fumar; atuam como aliados no tratamento. Relato das colaboradoras:  Muito satisfeitas com o resultado obtido até o momento.
  20. 20. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA:  Belcol em revista, Especial olheiras. Edição 63, p. 22-23, Janeiro- fevereiro 2012.  CYMBALISTA, C. Natália; GARCIA, Renato; BECHARA, J. Samir.Classificação etiopatogênica de olheiras e preenchimento com ácido hialurônico: descrição de uma nova técnica usando cânula. FMUSP, São Paulo – SP – Surgical & Cosmetic Dermatology, v. 4, n. 4, p. 315-321, 2012.  DRAELOS, Z. D. Cosmecêuticos. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.  GOMES, R. K.; DAMAZIO, M. G. Cosmetologia: descomplicando os princípios ativos. 3 ed. São Paulo: Livraria Médica Paulista, 2009.  GONCHOROSKI, D. D.; CORREA, G. M. Tratamento de hipercromia pós-inflamatória com diferentes formulações clareadoras. Informa, v.17, n. 3/4, 2005.  HERNANDEZ, M.; FRESNEL, M. M. Manual de Cosmetologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1999.
  21. 21.  NUNES, F. Livia; SIMON, Angela; KUPLICH, Mônica. Abordagens estéticas não invasivas para a hiperpigmentação orbital. RIES, ISSN 2238-832X, Caçador, v.2, n.2, p. 93-106, 2013.  Revista Personalité - A estética com ciência. Vilãs da Beleza, Olheiras exigem tratamento e cuidados. Especial 2013, n° 79, p.26.  RIBEIRO, C. J. Cosmetologia aplicada a dermocosmética, 2 ed. São Paulo: Pharmabook, 2010.  SAMPAIO, S.; RIVITTI, E. A. Dermatologia. 3 ed. São Paulo: Artes Médicas, 2008.  SOUZA E COLS. Química Nova, 2007, 30, 528.  KADUNC, Bogdana. PALERMO, Eliandre., et al. Tratado de Cirurgia Dermatológica, Cosmiatria e Laser da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Elsivier Editora Ltda, Rio de Janeiro, 2012. Tratamento de Olheiras pág 35.  KEDE, M. P. V.; SABATOVICH, O. Dermatologia Estética. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2009.

×