Sc hiperbole

4,547 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,547
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
132
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sc hiperbole

  1. 1. Seções cônicas: hipérbole
  2. 2. <ul><li>Uma hipérbole é o lugar geométrico dos pontos em um plano cuja diferença das distâncias a dois pontos fixos F 1 e F 2 (focos) é uma constante. A distância entre F 1 e F 2 é chamada de distância focal. </li></ul><ul><li>Os pontos A 1 , A 2 , B 1 e B 2 são os vértices da hipérbole, o segmento A 1 A 2 é chamado de eixo real e o segmento B 1 B 2 é chamado de eixo imaginário. </li></ul>Hipérbole Seções cônicas
  3. 3. <ul><li>Podemos facilitar a obtenção da equação de uma hipérbole colocando seus focos no eixo x, de modo que a origem O (0, 0) fique na metade do caminho entre os focos. </li></ul><ul><li>Estabelecendo os focos como F 1 (– c , 0) e F 2 ( c , 0) e chamando de 2 a a diferença das distâncias de um ponto genérico P ( x , y ) da hipérbole aos focos, obtemos a equação demonstrada ao lado. </li></ul>Equação da hipérbole no plano cartesiano Seções cônicas
  4. 4. <ul><li>Podemos facilitar a obtenção da equação de uma hipérbole colocando seus focos no eixo x, de modo que a origem O (0, 0) fique na metade do caminho entre os focos. </li></ul><ul><li>Estabelecendo os focos como F 1 (– c , 0) e F 2 ( c , 0) e chamando de 2 a a diferença das distâncias de um ponto genérico P ( x , y ) da hipérbole aos focos, obtemos a equação demonstrada ao lado. </li></ul>Equação da hipérbole no plano cartesiano Seções cônicas
  5. 5. <ul><li>Como b 2 = c 2 – a 2 < c 2 , segue que b < c . Os vértices no eixo x são encontrados fazendo-se y = 0. Então, x 2 / a 2 = 1, assim x =  a . Os pontos (– a , 0) e ( a , 0) são respectivamente A 1 e A 2 . </li></ul><ul><li>Os vértices imaginários no eixo y são os pontos (0, b ) e (0, – b ), que são respectivamente B 1 e B 2 . </li></ul>Determinação das coordenadas dos vértices Seções cônicas
  6. 6. <ul><li>Se transferirmos o eixo real de uma hipérbole para o eixo y , obteremos resultados análogos. </li></ul><ul><li>Observe que todos os pontos notáveis da hipérbole trocam de lugar, passando a ser F 1 (0, c ), F 2 (0, – c ), A 1 (0, a ), A 2 (0, – a ), B 1 (– b , 0) e B 2 ( b , 0). </li></ul><ul><li>Chamando de 2 a a diferença das distâncias de um ponto genérico P ( x , y ) da hipérbole aos focos, obtemos a equação ao lado (a demonstração é análoga ao caso anterior). </li></ul>Invertendo o eixo Seções cônicas
  7. 7. <ul><li>Usamos até agora como centro da hipérbole a origem O (0, 0). Podemos deslocar o seu centro para qualquer ponto O´ ( x o , y o ). Obtendo as equações como anteriormente, teremos uma simples mudança, mostrada a seguir. </li></ul>Equação geral da hipérbole com centro O´ ( x o , y o ) Seções cônicas
  8. 8. <ul><li>Isolando o y na equação da hipérbole com eixo real sobre o eixo x e com centro na origem, obtemos as retas mostradas em I. Como a é um valor fixo, vemos que, conforme x vai ficando muito grande, os valores de x 2 – a 2 vão se aproximando de x 2 porque a 2 vai se tornando desprezível. </li></ul><ul><li>Podemos concluir que y sempre se aproximará das retas II e III, mas nunca as tocará. As retas II e III são as assíntotas da hipérbole. </li></ul>Assíntotas da hipérbole Seções cônicas
  9. 9. <ul><li>Quando o eixo real está sobre o eixo y e o centro na origem, as retas IV e V são as assíntotas da hipérbole. </li></ul><ul><li>Um caso especial é o de hipérbole equilátera: quando o centro está na origem, a é igual a b e suas assíntotas são y =  x . </li></ul>Assíntotas da hipérbole Seções cônicas
  10. 10. <ul><li>Para hipérboles com centro qualquer, podemos chegar às assíntotas de maneira análoga e obter VI (eixo real horizontal) e VII (eixo real vertical). A s assíntotas de uma hipérbole equilátera de centro qualquer são y – y o =  ( x – x o ). </li></ul>Assíntotas da hipérbole Seções cônicas
  11. 11. <ul><li>1. Encontre os focos e as assíntotas da hipérbole x 2 /16 – y 2 /9 = 1. </li></ul><ul><li>Resolução : a = 4 e b = 3. O centro da hipérbole está na origem e seu eixo real sobre o eixo x , então suas assíntotas são y =  3 x /4 . Como c 2 = a 2 + b 2 , então c = 5 . Os focos são (– 5, 0) e (5, 0). </li></ul><ul><li>2. Encontre os focos e a equação da hipérbole com vértices (0, 1) e (0, –1) e assíntota y = 2 x . </li></ul><ul><li>Resolução : O centro da elipse está na origem e seu eixo real sobre o eixo y , então a sua equação é da forma y 2 / a 2 – x 2 / b 2 = 1. Temos que a = 1 e b = 1/2. Como c 2 = a 2 + b 2 , então c = √ 5/2. Os focos são (0, √ 5/2) e (0, – √ 5/2) e a equação é y 2 – 4 x 2 = 1 . </li></ul>Exercícios resolvidos Seções cônicas
  12. 12. <ul><li>1. Encontre os vértices, os focos e as assíntotas da hipérbole 2 y 2 – 3 x 2 – 4 y + 12 x + 8 = 0. </li></ul><ul><li>2. Esboce o gráfico de y 2 – x 2 = 4. </li></ul><ul><li>3. (Fuvest-SP) A equação de uma das assíntotas da hipérbole de equação x 2 /16 – y 2 /64 = 1 é: </li></ul><ul><li>a) y = 2 x – 1 b) y = 4 x c) y = x d) y = 2 x + 1 e) y = 2 x </li></ul><ul><li>4. (Fuvest-SP) Determine as equações das retas do plano que passam pela origem do sistema de coordenadas e que não intersectam a curva do plano dada pela equação x 2 /4 – y 2 /9 = 1. </li></ul>Exercícios propostos Seções cônicas

×