Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Flávia Heleno 11º I




História do fósforo


        O palito do fósforo, ou fósforo de fricção, que hoje se apresenta co...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

História do Fósforo

3,582 views

Published on

Published in: Business, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

História do Fósforo

  1. 1. Flávia Heleno 11º I História do fósforo O palito do fósforo, ou fósforo de fricção, que hoje se apresenta como um pequeno palito de madeira, nem sempre foi assim. O elemento básico para o seu fabrico, o trissulfureto fosfórico, foi descoberto acidentalmente em 1669 por um alquimista alemão chamado Henning Brand, na cidade de Hamburgo, ao destilar uma mistura de urina e areia, numa das suas tentativas de transformar metais em ouro. Henning manteve a sua descoberta em segredo durante algum tempo. Em 1680 o cientista britânico Robert Boyle reparou que a chama era produzida quando o fósforo era esfregado no enxofre, encontrando assim o princípio que conduzia à invenção do fósforo. Em 1827, o farmacêutico e químico John Walker produziu palitos de fósforo que, apesar de serem demasiado grandes, foram o ponto de partida para a criação do fósforo como o temos hoje. John colocou-os à venda a 7 de Abril de 1827. Os palitos de fósforo menores começaram a ser comercializados na Alemanha em 1832, mas eram extremamente perigosos e costumavam incendiar-se sozinhos dentro das embalagens. Em 1836, nos Estados Unidos, Alonzo de Springfield obteve uma patente para fabricar fósforos de fricção, apelidando-os “locofocos”, mas o problema do perigo permanecia e só foi resolvido aquando da descoberta do fósforo vermelho, em 1845. O sueco Carl Lundstrom introduziu os fósforos de segurança em 1885. Estes tinham os materiais inflamáveis colocados na cabeça do palito e no lado de fora da caixa. Os fósforos de papel – fósforos alinhados cuja caixa possui um formato mais prático para transportar – apareceram quando um advogado americano, chamado Joshua Pusey, ao ser convidado para um jantar, se apercebeu de que a caixa de fósforos que levava no bolso era demasiado grande. Joshua patenteou a sua ideia apenas 7 anos mais tarde, em 1897. Joshua foi procurado por uma companhia de ópera que queria algo diferente para a abertura da estação nova iorquina, então este utilizou os fósforos de papel com o nome da companhia impresso. A partir daí os fósforos de papel começaram a vender-se com imensa rapidez, pois eram mais práticos e discretos. Anos mais tarde, Joshua vendeu a sua patente à Diamond Match Company. O nome fósforo provém do grego “phos”, que significa “o que traz luz”. Por ano são usados mais de 500 bilhões de fósforos.

×