1    O Organizador Operário Internacional                                              N° VI    Porta-voz da              ...
2                                   ÚLTIMO MOMENTO!                                                                       ...
3O segundo anúncio deste novo                O Obama, o comandante chefe de                mas agora sob formas “democráti...
4burguesia e empresas imperialistas, ataram as mãos das massas para que do poder, está-se dando. Este é opara pô-las a pro...
5invasoras do Iraque. A luta pelo pão esta vez com outra roupa e outros Há que avançar na demolição de todolevava à revolu...
6A revolução se deve pôr de pé. Chegou Os novos levantamentos das massas Revolução Permanente, a resoluçãoa hora em que a ...
7do proletariado.                              internacionalistas tinham reagrupado          pelas ações de massas que não...
8                                                 EDITORIALO seguinte editorial foi escrito o dia 10/02/2011, um dia antes...
9ações de massas como na Argélia,             dos EUA, onde deixam seus dólares           européia, japonesa e norte-ameri...
10Médio, como párias e operários             “As massas não têm consciência”, “são       inevitável. Este só pode sair da ...
11 “REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA” PORRA NENHUMA! NO NORTE DA ÁFRICA E ORIENTE MÉDIO    COMEÇOU UMA REVOLUÇÃO OPERÁRIA E SOCIALIST...
12burguesia no movimento operário             a chave está na divisão do exército. A     reeditam velhas charlataneias dog...
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
OOI Egito português correto
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

OOI Egito português correto

873 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
873
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
155
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

OOI Egito português correto

  1. 1. 1 O Organizador Operário Internacional N° VI Porta-voz da Edição digital Fração Leninista Trotskista Internacional FEVEREIRO - Nova Época 2011 ÚLTIMO MOMENTO: Mubarak fugiu! As massas o sentem como um triunfo de seu combate e seus mártires caídos na luta. EUA que comanda o enclave fascista de Israel, a ocupação e aos regimes do protetorado no Iraque e Afeganistão, e que apoiou PELOS COMBATES DA TUNÍSIA E até o último momento ao DO EGITO, UM CHOQUE açougueiro Mubarak, hoje fala de ELÉTRICO PERCORRE O NORTE “democracia e liberdade”. DA ÁFRICA, ORIENTE MÉDIO E MENTIRA! São novos enganos para EUROPA¡ desviar e expropriar a revolução PARA QUE A CLASSE OPERÁRIA operária e socialista que começou. VIVA O IMPERIALISMO DEVE MORRER! (Ver página 2) (Ver Correspondência Internacional na página 23) A PRAÇA NÃO SE ABANDONA! AS ARMAS NÃO SE ENTREGAM! SÃO DA CLASSE OPERÁRIA E DOS EXPLORADOS O triunfo decisivo é conquistar o pão, o trabalho e a independência nacional Para isso combatemos a Mubarak e a seu odiado regime sanguinário, representante dos capitalistas e o imperialismo! (Ver Página 8) A revolução não terminou, recém começa e ainda deve triunfar Para conquistar o pão, o trabalho e a independência nacional, a única solução QUE EXPROPRIE AO IMPERIALISMO E AOS GRANDES CAPITALISTAS
  2. 2. 2 ÚLTIMO MOMENTO! 12-02-2011 O GRANDIOSO COMBATE REVOLUCIONÁRIO DAS MASSAS FEZ FUGIR O ASSASSINO MUBARAK As massas comemoram, mas não se fizeram do poder.A casta de oficiais do exército, mercenária dos EUA,como último resguardo dos interesses do conjunto da burguesiae o imperialismo na região, tenta fechar a crise nas alturas FORA O GOVERNO MILITAR! TODO O PODER À CLASSE OPERÁRIA E AS MASSAS INSURRECTAS! As massas revolucionárias egípcias atiram a Mubarak e não abandonam a Praça pé uma milícia operária e estabelecer doces e promessas de chamados aMinutos antes do fechamento deste um verdadeiro regime de duplo poder, “eleições livres” para setembro. É queOrganizador Operário Internacional, a que prepare uma insurreição vitoriosa tão profundo foi o acionarimprensa imperialista anuncia a fuga de que leve às massas revolucionárias à revolucionário das massas, e tantoMubarak para Sharm o Sheik. Fugiu o conquista do poder. investiram contra as instituições dogrande repressor e quem esfomeara o A queda de Mubarak é um passo velho regime de Mubarak, que o novopovo do Egito. As massas se adiante que ansiavam as massas, mas governo dos oficiais das forçasentusiasmam porque vêem esta fuga sua luta tenta ser expropriada com a armadas precisa a todo custo apartar-como a conquista de sua própria luta. intervenção direta do exército e sua se das velhas instituições do regime deUm choque elétrico volta a impulsionar casta de oficiais, que representa os Mubarak para ser credível comoàs massas do Oriente Médio e do norte interesses do conjunto da burguesia e “democrático” ante as massas. Mas,da África a novas e superiores ações o imperialismo. ao mesmo tempo a burguesia precisade luta para derrotar os governos e A casta de oficiais do exército que, tirar de cena às massasregimes dos capitalistas e ocomo tal, defende os interesses do revolucionárias, e por isso sustenta aimperialismo, e assim conquistar o pão conjunto da burguesia e o imperialismo, “transição” pondo a frente à velha castae o trabalho digno. é a encarregada de organizar uma de oficiais do exército assassino,Como vimos anunciando e“transição ordenada” para sacar às mantendo assim o caráter bonapartistadenunciando desde a FLTI, um massas das ruas e restabelecer a e reacionário do regime de Mubarak.momento de esvaziamento do poder ordem burguesa. Isto é uma fraude e Disseram que anularão o estado deestendeu-se no tempo, com um duplo um roubo às massas. sitio e o toque de recolher. Isto é umapoder já surgido num processo de O generalato do exército de Mubarak, paródia. A este já o anularam asinsurreição das massas. As massas com 18 dias demassas derrotaram nas ruas à heróicos combates, barricadas,polícia assassina de Mubarak, “...A queda de Mubarak é um passo adiante que tomadas de praças e combatetomaram-se e incendiaram as ansiavam as massas, mas sua luta tenta ser em toda a nação.delegacias; deixando o estado expropriada com a intervenção direta do exército Com esta transição tentarãopendurando no ar. Mas esse e sua casta de oficiais, que representa os pôr em pé novas instituições eesvaziamento do poder não se interesses do conjunto da burguesia e o mediações que enganem aspodia prolongar por muito mais imperialismo...” massas, para que estastempo. Ou a classe operária cessem seu combate,fazia- se do poder, ou o depositem confiança em seusretomava a burguesia através de outras ao que sustentou durante décadas, é o próprios verdugos e, assim, sacá-las doinstituições do Estado burguês e do que sustenta o pacto com o Estado processo revolucionário.regime de Mubarak. sionista contrarevolucionário de Israel. O primeiro anúncio, já no poder, doA burguesia tenta fechar a seu favor É aquele que, quando começava a ministro de defesa e da junta militar é aesse esvaziamento do poder. Com a revolução, estava reunido em intimação às massas a que abandonemfuga de Mubarak e com a assunção do Washington, sob a direção do a praça da libertação. Esse é o objetivocontrole do governo por parte do pentágono, negociando os U$S 1.300 imediato deste governo pretoriano, queexército, a frente burguesa imperialista milhões de dólares que lhes outorga usurpou o poder para impedir que tometenta frear a crise revolucionária nas EUA para que os generais e oficiais a classe operária e as massas. Oalturas, e impedir que novos embates sob seu comando realizem suculentos argumento é que “já não está maisde massas varram não só com negócios. Mubarak”. Querem fazer-lhe crer àsMubarak, senão que comecem a A burguesia e o imperialismo precisam massas que sua luta terminou, quandoromper o exército, a incorporar cada ganhar tempo. O fará chamando toda a esta recém começou para conquistar ovez mais milhões ao combate, a burguesia “opositora”, tentando pão, o trabalho digno, a terra e aterminar por destruir a polícia e pôr em adormecer as massas com frases independência nacional.
  3. 3. 3O segundo anúncio deste novo O Obama, o comandante chefe de mas agora sob formas “democráticas”.governo “democrático” dos generais milhares de cárceres da CIA onde são Fazer-lhe crer às massas que foi oassassinos é para ratificar todos os torturados milhares de combatentes da exército que o derrotou é tentaracordos internacionais assinados por classe operária mundial, só lhe ocorre expropriar-lhe o combate às massas. AEgito onde reconhece abertamente a falar de “democracia” e “liberdade”. queda de Mubarak é um subproduto deexistência do Estado sionista-fascista O cinismo do imperialismo e seu porta- grandes ações revolucionárias, quede Israel. Esta é toda a “democracia” voz Obama não têm limites. Este teve a ainda não conseguiram seu objetivoque pode dar a casta de oficiais desfaçatez de “saudar às massas que decisivo, que é conseguir o pão, oassassina!: Legitimar o genocídio e o conquistaram a liberdade e a trabalho e a liberdade, isto é, amassacre contra as martirizadas democracia”. É um sem vergonha. Está independência nacional.massas palestinas. falando o representante dos Já ficou claro, e ficará bem mais claro,Enquanto isso, preparam as melhores açougueiros imperialistas que que as tarefas democráticascondições para achatar as massas. A sustentam o Estado sionista fascista de revolucionárias pendentes no Egito nãonão duvidar que, se a burguesia Israel que massacrou num verdadeiro são mais do que a independênciaconsegue impor seu plano, - como na genocídio às massas palestinas, que nacional; a expulsão de todos osBolívia com a Média Lua fascista, ou mantêm presos aos milicianos embaixadores imperialistascomo na Honduras com a base norte- antiimperialistas de todo Oriente Médio (verdadeiros centuriões que dominam oamericana -, também virão novos em Guantánamo, que sustenta o Oriente Médio); a expropriação degolpes contrarevolucionários no Egito e governo do protetorado ianque no todos os bens do imperialismo queem todo o Oriente Médio. Iraque, que é um milhão de vezes mais saqueiam a nação; recuperar todas asEste governo de “transição” é uma repressor e autoritário do que Saddam empresas privatizadas que foramsaída extrema, onde a burguesia e o Hussein! entregadas por Mubarak ao saqueimperialismo devem jogar ao creme do Este “paladino da democracia e a imperialista em 90; expropriar semcreme (o melhor do melhor) da ditadura liberdade” é a máscara que se põem os pagamento às petroleiras; nacionalizardo capital, isto é, seu exército, para açougueiros imperialistas, de forma o comércio exterior.conter a revolução, jogando fora doce, para expropriar a revolução e Por isso é uma tarefa democráticaMubarak e seu vice-presidente para ter desviá-la a um beco sem saída. decisiva no Egito ignorar todos oslegitimidade. Isto é um indício de que a Obama e o imperialismo “saudaram a acordos contrarevolucionários querevolução proletária já tinha chegado revolução pacífica e democrática”. Isto Anwar El-Sadat assinou com o Estadomuito longe e as massas ameaçavam é de um cinismo atroz, já que Egito se sionista-fascista de Israel e ocom a tomada do poder. encheu de sangue dos combatentes imperialismo ianque, pelo qual EgitoNos últimos dias, cada discurso de operários e setores populares nas ruas. reconhece a esse enclave imperialistaMubarak era respondido com uma Teve mais de 5000 feridos, mais de e ignora os direitos democrático-enorme massificação da luta. Mas, 500 mortos e choques com os revolucionários das massas palestinassobretudo o proletariado com seus progroms contrarevolucionários, aos a recuperar sua nação como a capitalmétodos de luta, começava a impor que o exército do Egito lhes abria as em Jerusalém, sobre as ruínas douma marca decisiva no seu acionar portas da praça, para que estes Estado sionista.revolucionário. O último discurso de atacassem às massas revolucionárias. As tarefas democráticas pendentesMubarak foi respondido com a tomada Foram as massas as que conquistaram são: o chamado à derrota militar dasde todas as empresas petroleiras no estas liberdades democráticas, tropas ianques no Iraque ecanal de Suez por parte do proletariado inclusive com ocupação de território, de Afeganistão; o chamado a pôr a naçãoque, junto à entrada em cena do empresas do imperialismo e, ao serviço do levantamentopoderoso proletariado têxtil egípcio, sobretudo, de delegacias. A revolucionário das massas que seanunciava que era a classe operária conquistaram com mortos e com puseram de pé, como na Jordânia. Alique começava a impor sua direção na combates revolucionários, atacando as centenas e milhares de operáriosrevolução em curso. Assim, ao grito de mesmas delegacias onde durante palestinos se levantaram ao grito de“pão!” se incendiou o quartel da polícia. décadas o regime de Mubarak reprimiu “Mahmoud Abbas: você é o próximo!”,Cada dia que passava, a “oposição e torturou aos combatentes do enfrentando à burguesia palestina que,democrática” burguesa se desvanecia. proletariado com o apoio dos EUA e de junto a Hamas, os Irmãos Muçulmanos,A insurreição operária, com a chispa do todas as potências imperialistas. E por e Mubarak reconhecem o Estadomovimento estudantil, começava a isso a cabeça de Mubarak rodou: sionista contrarevolucionário de Israel.desmoronar toda a propaganda graças ao acionar revolucionário das Outra tarefa democrática pendente é aimperialista que pretendia fazer passar massas. Estes combates impediram expropriação sem pagamento de todasesta revolução como um “levante pela toda tentativa de perpetuar o regime de as terras altamente produtivas do Nilo,democracia” em geral. Mubarak mantendo-o a este no poder, que estão em mãos da grande As massas revolucionárias mantêm a ocupação da Praça da Libertação
  4. 4. 4burguesia e empresas imperialistas, ataram as mãos das massas para que do poder, está-se dando. Este é opara pô-las a produzir pão e alimentos não se façam do poder. governo de generais e mercenários,para os explorados. Com isso, sobraria A “oposição burguesa”, rodeados pela “oposição democrática”comida para alimentar os 30 milhões verdadeiramente antidemocrática, que burguesa e o “democrata” Obama. Elesde famintos e dar trabalho ao mais do fez milhares de reuniões para pactuar chamarão a eleições para sacar às20% dos desempregados. com o Mubarak uma “saída ordenada”, massas do combate nas ruas paraEstá claro que nem o exército sipaio do agora rodeará ao exército para impor afastá-las da tomada do poder e paraEgito, verdadeiros mercenários pagos essa “saída ordenada”, controlada que mantenham o capitalismo e opelo imperialismo, nem a “oposição pelos tanques e as baionetas, para controle do imperialismo, tentandodemocrática” garantiram levar até o sacar às massas de cena. abortar uma magnífica e heróicafinal, e nem sequer iniciar, a resolução Surge assim um governo dos que revolução operária e socialista.destas tarefas democráticas conspiraram contra as massas Ficaram aos pés do Obama os teóricospendentes, já que para isso atacam a revolucionárias de uma casta de da “revolução democrática”,propriedade e os interesses não só do oficiais paga e mercenária sob o continuadores da “revolução porimperialismo senão também de toda a comando do pentágono e o exército etapas”, extraída da lixeira da históriaburguesia nativa, que é sócia e está dos EUA que hoje massacra no Iraque do stalinismo. Têm aqui o resultado deimbricada com o imperialismo em e no Afeganistão. O paradoxo é que os sua política e seu programa.milhares de negócios. que não puseram nem um morto, nem O chefe de toda esta esquerda doPor isso, da casta de oficiais chamaram a nenhuma ação Fórum Social Mundial é o imperialismomercenária do West Point que revolucionária, nem estiveram nos “democrático”. Quando Obamaarrebatou o poder, que está com sua combates na praça da libertação, nem expressa seus “felicitações” porque nãomão direita sustentando às velhas nas greves, nem suportaram os sucedeu o mesmo que no massacre deinstituições de Mubarak e com sua mão padecimentos inacreditáveis, nem Tiananmen de 1989, verte novamenteesquerda apoiada no fantoche da incendiaram as delegacias, nem se um grande engano e hipocrisia dosburguesia “democrática”, não virá tomaram os grandes supermercados açougueiros imperialistas, que todos osnenhuma solução das demandas para comer, hoje estão no poder. Este papagaios da esquerda mundialdemocráticas das massas, incluída foi arrebatado pelos generais repetem a cada passo. O massacre deentre elas a demolição e não deixar bonapartistas, gurkas dos EUA, que Tiananmen, cometida pelo exércitopedra sobre pedra de todas as com seus tanques nas ruas impediram assassino dos “mandarins vermelhos”,instituições contrarevolucionárias do que as massas chegassem ainda mais garantiu-a o imperialismo norte-regime autocrático, começando por sua longe na demolição do regime americano e mundial, sustentado napolícia assassina. autocrático de Mubarak. burocracia restauracionistaÉ que só o proletariado com sua contrarevolucionária chinesa,ditadura, baseada nos conselhos quem lhe entregou aooperários, o armamento das “...Surge assim um governo dos que imperialismo milhões demassas e na aliança com as conspiraram contra as massas revolucionárias operários escravos emcapas empobrecidas do campo e de uma casta de oficiais paga e mercenária sob maquiladoras para serda cidade, tomando o poder, o comando do pentágono e o exército dos EUA explorados de formapoderá resolver estas tarefas que hoje massacra no Iraque e no selvagem.democráticas, combinando-as O “democrático” Obama ecom tarefas socialistas de Afeganistão...” seu imperialismo estavam naexpropriação dos expropriadores barricada dos quepara conquistar o pão, o trabalho E o fizeram com toda perspicácia, justo massacravam as massas dee a terra. no momento em que a classe operária Tiananmen. Tanto é assim, que hojeAs revoluções que começaram ontem tomava a direção do combate, atacava sustentam à décadas o governona Tunísia e no Egito são diferentes a propriedade do imperialismo, assassino e repressor dos escravistasepisódios de uma mesma revolução queimava as delegacias e fazia de Hu Jintao e restantes imundícias dooperária e socialista no norte da África percorrer por todo Egito o fantasma da Partido Comunista dos “mandarinse Oriente Médio, que só triunfará com a revolução iraniana de 80, que partisse vermelhos” do Pequim, como o fizeramtomada do poder por parte dos o exército e pusesse em pé os com Mubarak e todos os regimes eexplorados, e sua extensão a nível conselhos de operários e soldados, e governos autocráticos e assassinos dointernacional. que depois fora desviada e Oriente Médio.Com este novo engano do governo de massacrada pelos Aiatolás iranianos, A “democracia” imperialista é a que“transição”, o imperialismo e a sob a direção do imperialismo alemão, sustenta as baionetas, fuzis e tanquesburguesia no Egito tentam fechar a francês e norte-americano. assassinos do Estado sionistacrise nas alturas e voltar a impor o Ante o último embate decisivo da contrarevolucionário de Israel, umcontrole das instituições do Estado classe operária, com os operários verdadeiro gendarme e enclaveburguês sobre as massas. Com isto têxteis e petroleiros à cabeça, a imperialista na região, que ocupou aprocuram impedir que a revolução alternativa de uma intervenção militar nação palestina e massacrou asavance aonde os explorados querem ir: direta para sustentar a Mubarak e a massas dessa nação.conquistar o pão e pôr em questão a sua tentativa de ser ele quem dirija a A democracia burguesa são os tanquespropriedade do imperialismo e da “abertura democrática”, ameaçava com do exército contrarevolucionário doburguesia no Egito. um choque direto com as massas. O Egito, mercenários e gurkas dos EUA.Eles sabem muito bem que a revolução resultado era incerto. O exército se O governo que precisam os monopóliosque começou pedia e pede a cabeça podia dividir e partir horizontalmente. e as multinacionais é o mais autoritáriode Mubarak para conquistar o pão, o Eles sabiam que a base de seus e ditatorial que tenham ao alcance datrabalho digno, terminar com a carestia soldados - filhos de operários, mão e que possam impor para saquearda vida e, portanto, continuaria com a estudantes, e setores empobrecidos do as nações oprimidas e super explorarexpropriação e choque direto com os campo e da cidade - poderia passar-se um milhão de vezes mais à classeverdadeiros donos do Egito, isto é, as às filas da insurreição. Isso já tinha sido operária.petroleiras, os banqueiros imperialistas percebido pelos oficiais quando mais O esvaziamento do poder que se tinhae a burguesia nativa, sócia e cúmplice de uma vez tiveram que disparar sobre aberto no Egito não podia durar pordo imperialismo. a cabeça dos soldados que se muito mais tempo. Durante dias asA burguesia tenta fechar a crise nas negavam a reprimir as massas. massas tiveram a possibilidade dealturas com o último resguardo de sua O regime de Mubarak já era uma fruta fazer-se do poder. Não só para atirar apropriedade: a casta de oficiais podre, carcomida por dentro, e devia Mubarak, senão também paraassassina do exército pró-imperialista cair-se da árvore. desmantelar a todas as instituições dodo Egito e isto é possível porque os Hoje, a “revolução democrática” que regime autocrático, sustentadas com asCavalos de Tróia dos Irmãos toda a esquerda mundial queria que se baionetas do imperialismo, oMuçulmanos, os democratas do último impusesse à saída de Mubarak, e sua esmagamento fascista as massasmomento como El Baradei e demanda de Assembléia Constituinte palestinas por parte do sionismo emovimentos pequeno burgueses para que a classe operária não se faça pelas tropas imperialistas ianques
  5. 5. 5invasoras do Iraque. A luta pelo pão esta vez com outra roupa e outros Há que avançar na demolição de todolevava à revolução socialista, à trajes. dispositivo contrarevolucionário dedestruição do exército e à expropriação Esta é a tragédia das expropriações controle das massas no Oriente Médio!da burguesia e o imperialismo. Por isso que realiza a burguesia, apoiando-se No Egito se deu um primeiro passo. Háfoi entregue a cabeça de Mubarak: nas direções traidoras, dos processos que completá-lo e levá-lo até o final, epara salvar ao capitalismo de conjunto. revolucionários de massas para só o triunfo da revolução operária oAté último momento, toda a burguesia estrangulá-los e impedir a tomada do conquistará.e o imperialismo tentaram sustentar a poder por parte da classe operária. Revolução democrática sem liberar àsMubarak para que este faça uma No Egito, a revolução deve pôr-se de massas palestinas, sem esmagar o“transição ordenada”. Só o perigo de pé. Nenhum apoio ao governo Estado sionista fascista de Israel, semque as massas se fizessem do poder provisório da guarda pretoriana do demolir o muro de Rafah, sem fazerfez que arrojassem sua cabeça. exército, que está sob o comando do justiça com a assassina monarquia daA ruptura do exército estava ao alcance Obama e o Pentágono! O caminho não Jordânia - massacradora da naçãodas mãos. A centralização de é outro que aprofundar a revolução que palestina -, sem derrotar ao governo deorganismos das massas em luta já começou. A primeira tarefa é demolir unidade nacional de Hezbollah e acolocava o sério risco de pôr em pé um o muro de Rafah. burguesia pró imperialista no Líbano,verdadeiro poder dos explorados. As massas palestinas na faixa de Gaza sem romper com Hamas, que pactuavaIsto aterrorizou a burguesia, que se levantavam em apoio à revolução de com Mubarak e encarcera aos jovensentregou uma cabeça para assim operários e estudantes do Egito. que se rebelaram junto a seus irmãosmanter todas as cabeças de todas as Hamas os reprimiu e encarcerou. De do Egito? Jamais! Só em mãos doclasses dominantes, e sobretudo, sua costas as massas escravizadas, esta proletariado revolucionário e seu poder,propriedade privada, e garantir a burguesia “muçulmana” pactuava a sobre as ruínas dos regimescontinuidade do poder dos entrega da causa palestina com autocráticos, fascistas e ditatoriais ouexploradores. Mubarak, os Irmãos Muçulmanos e os “democráticos”, se poderá completar asCom estes combates das massas representantes do imperialismo francês tarefas democráticas pendentes, que oabria-se o caminho à tomada do poder, e norte-americano, aprestando-se a imperialismo e a burguesia já nãoa romper o exército, a tomar-se podem resolver no mundotodas as empresas dos colonial e semicolonial. Nãocapitalistas e o imperialismo, a “...só o proletariado com sua ditadura, baseada luta pela democraciaderrubar o muro de Rafah, a unir- nos conselhos operários, o armamento das conseqüentemente e até ose com a rebelião das massas do massas e na aliança com as capas final o que não luta pelaOriente Médio e do norte da empobrecidas do campo e da cidade, tomando o ditadura do proletariado.África. poder, poderá resolver estas tarefas Todos os demais é umaA “oposição burguesa”, que democráticas, combinando-as com tarefas traição à classe operária e aocomo verdadeiros Cavalos de socialistas de expropriação dos socialismo.Tróia continham as massas na expropriadores...” Nenhum apoio aospraça da libertação, como a gendarmes do imperialismoIrmandade Muçulmana, os do exército egípcio! Abaixo o reconhecer o Estado de Israel. E isto“militantes do Facebook”, os homens muro de Rafah! Desconhecimento dos sucede enquanto centenas de milharesdo imperialismo trazidos no último pactos da década de 70 de Anwar El- de operários palestinos ganham asmomento pelos ianques como El Sadat e o imperialismo de ruas para derrotar a AutoridadeBaradei, correrão rapidamente a reconhecimento do Estado sionista- Nacional Palestina também na Jordâniaestabelecer um governo de coligação e fascista de Israel! Pela destruição do e na Cisjordânia.um regime de acordo e unidade Estado sionista fascista de Israel! A A chispa do Egito agora deve incendiarnacional com os gerais mercenários a praça da libertação só deve reconhecer às martirizadas massas palestinas! Háconta dos EUA, que hoje se a uma só nação: a nação palestina, que demolir o muro de Rafah! Asapropriaram do poder. Insistimos o com sua capital Jerusalém! Ali se milícias operárias e camponesasobjetivo deles será limpar a praça, devem convocar a delegados devem romper com Hezbollah, quedesmobilizar as massas, voltar a pôr à palestinos a uma assembléia nacional, entrou ao governo do Líbano com opolícia nos mesmos quartéis que para que delegados da Jordânia, pró-imperialista Siniora!queimaram os operários. Cisjordânia, a martirizada faixa de As massas palestinas na Jordânia,As massas não podem dar sua vida Gaza, unifiquem-se e centralizem-se, Síria, Líbano, etc. tentam novamentepara que sigam no governo os mesmos junto aos explorados do Egito, numa só pôr-se de pé. Na praça do Cairo já têmque eles enfrentaram no combate, mas e única luta contra os opressores! Só a praça de sua libertação. assim a chispa da revolução que vem do norte da África e Tunísia se Os melhores combatentes da Praça da Libertação no Egito expandirá para incendiar o Oriente exigem a liberdade de todos os presos políticos: Médio. No Egito, todas as organizações de massas devem romper todo tipo de Liberdade já a todos os presos políticos nas masmorras do regime de apoio a este governo e desconhecê-lo Mubarak! imediatamente. Não é nosso governo! Este vem defender os mesmos Dissolução da polícia assassina de Mubarak e de todas as bandas interesses das classes possuidoras que parapoliciais! antes defendia Mubarak. Destituição da casta de juízes da autocracia e dos serventes do Não há que entregar as armas! Há que imperialismo! terminar de desarmar a polícia Tribunais operários e populares para julgar e castigar a todos os assassinos assassina. A Praça não se abandona e, desde ali, do povo! há que centralizar a todas as Há que centralizar já a nível nacional todas as organizações de luta da organizações em luta num grande classe operária! Congresso Nacional operário e das Nenhuma confiança no governo dos generais assassinos, serventes de massas exploradas! Os poços de petróleo, o ouro negro, devem ser Wall Street e do estado sionista assassino de Israel! expropriados pelos conselhos operários Por comitês de soldados! e jamais devem ser entregados as Ponhamos em pé a milícia operária e popular! potências imperialistas que saqueiam a Destruição da casta de oficiais do exército pago e sob o comando de nação. Segue sendo uma tarefa central Obama! das massas revolucionárias a luta por dividir o exército e fazer que os Só isso garantirá o caminho para conseguir o pão, o trabalho e a soldados rasos passem às filas da independência nacional, expropriando aos expropriadores. insurreição.
  6. 6. 6A revolução se deve pôr de pé. Chegou Os novos levantamentos das massas Revolução Permanente, a resoluçãoa hora em que a revolução depende de palestinas, que enfrentam tanto à íntegra e efetiva das tarefaspartir o exército, que se mostrou burguesia de Abbas como Hamas na democráticas pendentes só cumprirá a“neutro” só para abrir-lhe as ruas aos Gaza, demonstram que o ditadura do proletariado; e assim oprogroms contrarevolucionários para “nacionalismo árabe” e o “movimento proletariado demonstrará ser o únicoque ataquem, e as fechava para as muçulmano” não são mais do que caudilho da nação oprimida, arrastandomassas que queriam combater. Esta frações da burguesia que estão sempre detrás dele às capas oprimidas doquestão define o futuro da revolução. dispostas a entregar a luta nacional em campo e da cidade.Há que pôr em pé já os comitês de troca de bons negócios com osoldados. Nenhum filho de operários ou imperialismo. A irrupção das massas A experiência da Tunísia é que acamponeses pobres pode estar um dia palestinas, enfrentando à mesma classe operária e as massas, em dias,mais no exército que sustentou e burguesia palestina, carcereiro de seu perceberam o engano: o governosustenta ao sionismo, ao imperialismo, próprio povo em campos de “democrático” de transição desse paísàs tropas invasoras no Iraque e que é o concentração, jogará o papel decisivo se apóia nas mesmas instituições, nosmaior inimigo de seu próprio povo. para sacar o véu e baixar a poeira que mesmos partidos, nas mesmas forçasO que surge não é o governo das se levantou, e definir que estamos de choque contrarevolucionárias quemassas insurrectas que combateram, frente a uma revolução operária e as massas tinham derrotado em seusenão dos que conspiraram contra elas socialista que ameaça com expropriar o combate. Disto se trata a fraude quee os que sustentaram durante décadas imperialismo e a toda a burguesia. agora procuram impor no Egito. Aindaa Mubarak. Esta vez, se a está por ver se o impõe.revolução é expropriada Esta armadilha e enganoprovisoriamente, serão os “...Estão se desenvolvendo episódios de uma podem voltar-se na contramãocantos doces da “oposição mesma revolução no norte da África, Oriente dos que os realizam, porque asdemocrática” os que chamarão Médio e a nível internacional...” massas vêem à queda deàs massas a ir-se a suas casas Mubarak como um triunfo dossem pão nem trabalho, sem a explorados de toda a região.ruptura com o imperialismo e o Só um governo provisório Vêem que se pode derrotar ossionismo. E se estas não o aceitam, revolucionário da classe operária e as governos que enfrentam. Já se estãoserá o exército quem, em nome da massas exploradas, numa luta armada, levantando as massas na Tunísia,democracia, chamará a achatar as expulsando o imperialismo, Argélia, Jordânia, etc. Que viva amassas revolucionárias. expropriando sem pagamento suas revolução!Novas tragédias, enganos e propriedades e bancos, desarmando a A situação revolucionária no Egito é umpunhaladas pelas costas preparam as casta de oficiais de West Point, elo de uma só e única revolução emforças da contrarevolução com os expropriando a terra e dando-lhe o pão todo o norte da África e Oriente Médio.“bonapartes”, com os progroms aos explorados, pode ser o único que Esse é o campo de batalha. No Egitocontrarevolucionários, com os inclusive garanta o chamado a uma se livra uma batalha da guerra deimpostores da burguesia “democrática”, assembléia nacional livre e soberana classes que se definirá no terrenopara derrotar o processo revolucionário do Egito. Todo o chamado a eleições e internacional.que se iniciou. a assembléia constituinte, com as Quando, mais cedo ou mais tarde,A revolução deve pôr-se de pé! A praça armas na mão do exército de volte-se a levantar a classe operárianão se dissolve! As barracas não se mercenários e assassinos, será uma européia e norte-americana virão oslevantam! Que todas as organizações paródia de assembléia nacional, que batalhões mais fortes da classeoperárias mandem ali os delegados! Os terá a “democracia” das baionetas dos operária mundial, que levarão estessoldados rasos terão um lugar nessa serventes de Wall Street sobre sua combates a Roma, Berlim, Grécia,praça. cabeça. Lisboa, Washington, etc. O combateTodo retrocesso da praça afastará as Um governo provisório revolucionário seguirá a folha de rota quemassas do pão, a terra e a liberdade. de operários e as massas exploradas encaminharam as massasAí está a ampla maioria do Egito: a do campo e da cidade, baseado em revolucionárias do Oriente Médio. Paraclasse operária e as massas sua milícia, será o único representativo conseguir pão há que fazer a revoluçãoexploradas do campo e da cidade. Ali da amplíssima maioria do Egito, e será e a insurreição de massas, derrotandoestão os únicos que têm legitimidade e um milhão de vezes mais democrático os regimes e governos dosautoridade para fazer-se do poder. do que assembléias constituintes exploradores. Mas para conquistar oFora a casta de oficiais do exército sustentadas nos fuzis dos mercenários pão firme e definitivamente, terá queassassino! Fora os mercenários dos de Wall Street e num punhado de tomar o poder e estabelecer a ditaduraianques do controle do Estado! Os parasitas que saqueiam a nação.soldados rasos, filhos de operários, não Os “paladinos da democracia”podem permitir nem um minuto mais se oporão firmemente àesta expropriação da luta da classe expulsão de todos osoperária e as massas exploradas. Os embaixadores imperialistas, atanques devem deixar de apontar às expropriar todos os negóciosmassas que querem tomar os prédios que açambarcam os parasitasdo partido contrarevolucionário de da casta de oficiais junto àMubarak, da polícia assassina e das burguesia do Egito e oempresas imperialistas. imperialismo. Se negarão aOs tanques e os fuzis devem começar demolir o muro de Rafah.a apontar aos entregadores da nação, Assim, mais cedo ou maisaos assassinos do povo, aos tarde, demonstrarão ser ossaqueadores das riquezas nacionais e continuadores de Mubarak eaos exploradores dos operários. sua obra contrarevolucionáriaPor comitês de soldados, que junto às na região.organizações da classe operária e as Só a classe operária e suamassas em luta imponham um governo ditadura, que constituirá umaprovisório revolucionário de operários, república um milhão de vezescamponeses pobres, comitês de mais democrática do quesoldados! qualquer república burguesa,As massas, que se sentem vitoriosas, será a encarregada de levaragora procurarão o pão. Novos ares de até o final e cumprir as tarefascombate e forças chegam da Tunísia, democráticas que ficaram semda rebelião no Marrocos, do combate resolver. E o fará com osque começou na Argélia, e dos métodos e o programa da Mubarak junto com o açougueiro Obamalevantamentos das valorosas massas revolução socialista. Isto é,de Iêmen e Jordânia. como o propusesse Trotsky na
  7. 7. 7do proletariado. internacionalistas tinham reagrupado pelas ações de massas que não só nãoNessa luta estamos os combatentes da em Kienthal e Zimmerwald contra a prepararam, senão que tentaram eIV Internacional que lutamos por sua traição da socialdemocracia, e que tentam impedir a toda custa que serefundação. durante anos já tinham formado desenvolvam.O que lhe faltou e ainda continua quadros para a revolução nos períodos O Fórum Social Mundial se estáfaltando às massas é uma direção prévios, o proletariado chega a estes reunindo agora em Dakar, Senegal,revolucionária que esteja à altura dos acontecimentos revolucionários que chamando à “solidariedade com oscombates insurrecionais que estas não deixam de suceder-se desde 2007 povos árabes” e chama a umarealizam. - nesta verdadeira hecatombe do “mobilização mundial” para o dia 20 deAs forças para essa direção sistema capitalista mundial - com um março. Esta é a mesma política querevolucionária já estão: tomam-se os campo de batalha cheio de escombros impuseram na Europa quando, desde apoços de petróleo, desarmaram à da II, da III e da IV Internacional que foi Contra-Cume do Madri em maio depolícia, combatem na Tunísia, entregada pelos renegados do 2010, convocou-se a uma supostalevantam-se no Iêmen, voltam-se a trotskismo à burguesia e ao “greve geral européia”, depois quelevantar na Bolívia. Ali estão as forças imperialismo. passassem em toda a Europa ospara pôr em pé um partido da Esta vez, ainda que aos teóricos da ataques dos capitalistas e o combaterevolução socialista internacional: “revolução democrática” lhes doa, o de massas em Grécia ficasse cercadorefundar a IV Internacional para partido proletário da revolução por estas mesmas direções. Assimdevolver-lhe às massas a direção que socialista deverá surgir e pôr-se de pé levaram as energias revolucionárias dose merece. depois de que as massas dessem os proletariado europeu à políticaEstão se desenvolvendo episódios de primeiros golpes revolucionários, como impotente de pressionar aos governosuma mesma revolução no norte da propusesse Trotsky na Espanha imperialistas para que “retifiquem” eÁfrica, Oriente Médio e a nível revolucionária da década de 30, deve “morigerem” os ataques.internacional. A debilidade do surgir um partido jacobino do Estas mesmas direções do Fórummarxismo revolucionário é evidente. proletariado capaz de inclinar, no social Mundial são as que expropriaramMas os combates decisivos já estão momento decisivo, a balança a favor da a revolução latino americana pondo-aaqui. classe operária, levando-a à vitória aos pés das burguesias bolivarianas eSó colaborando com as massas a cada definitiva com a tomada do poder. o açougueiro Obama; e hoje todospasso, demonstrando-lhes quem são Mas não se trata de uma revolução, sustentam aos irmãos Castro queseus aliados e quem são seus inimigos; senão de um período de revoluções, comandam a restauração capitalista nachamando e colaborando com elas que darão mil e uma oportunidades. A Cuba. São os que sustentam aospara pôr em pé e centralizar os tarefa do momento é reagrupar as novos mandarins vermelhos chinesesorganismos de duplo poder, de auto- forças sãs do movimento trotskista, de Hu Jintao e sua V Internacional queorganização e armamento das massas para colaborar com as massas e suas escraviza em maquilas a milhões deem luta, que são os únicos que estarão ações revolucionárias, para dispersar operários chineses.a altura do combate que lhe declararam as forças das direções traidoras que se A luta da classe operária do norte daseus inimigos de classe, é que o concentraram sob o comando do África não pode ficar nas mãos dasmovimento revolucionário conseguirá capital. direções traidoras do Fórum socialrecuperar tempo e chegar aos As forças das direções traidoras, Mundial!momentos decisivos às grandes centralizadas no Fórum Social Mundial, As condições para uma nova ofensivadefinições que inevitavelmente devirão que a cada passo tentam desorganizar do movimento revolucionário já estãodos acontecimentos revolucionários e dispersar a forças dos aqui. A teoria e o programa da IVque estão em curso. revolucionários, foram dispersadas, Internacional é o único que passará aA diferença da revolução de outubro de debilitadas e o seguem sendo cada dia, prova. Há que refundar o partido1917, onde um punhado de pelos golpes da revolução proletária, mundial da revolução socialista mundial para derrotar as burocracias e aristocracias operárias, ao Fórum Social Mundial, à V Internacional e a sua ala esquerda, os renegados do trotskismo. Já faz tempo que a pseudo- teoria de “revoluções democráticas” e “por etapas”, e seu programa de submetimento bastardo do proletariado à burguesia ficaram na lixeira da história. Apresentamos nestas páginas, a minutos de ser impressas, o editorial que acompanha a este organizador e toda a correspondência e declarações que tirou nossa fração internacional, com o programa e estratégia para a tomada do poder. Secretariado de Coordenação Internacional da FLTI Os combatentes comemoram a queda de Mubarak
  8. 8. 8 EDITORIALO seguinte editorial foi escrito o dia 10/02/2011, um dia antes da fuga de Mubarak.Depois de dezoito dias de irrupção de massas e esvaziamento do poder, o imperialismo se viu obrigado a entregar a cabeça deMubarak antes que o proletariado e as massas em luta avançassem um degrau decisivo com uma insurreição triunfante quedemole toda a maquinaria do Estado burguês. Assim definia Trotsky no seu trabalho História da Revolução Russa “Umlevantamento revolucionário que dure vários dias só se pode impor e triunfar tal como de elevar-se progressivamente de degrauem degrau, registrando todos os dias novos sucessos. Uma trégua no desenvolvimento dos sucessos é perigosa. Se omovimento se detém e patina, pode ser o fracasso. No entanto os êxitos por si bastam; é necessário que a massa se inteiredeles a sua devido ao tempo e aprecie antes que seja tarde sua importância para não deixar passar de longe o triunfo emmomentos em que lhe bastaria estender a mão para pegar-lhe”.O editorial que a seguir apresentamos conta com a validez de propor, prévio à fuga de Mubarak, a questão da tentativa doimperialismo e a burguesia de expropriar a revolução, bem como o programa e as tarefas para partir o exército e preparar eorganizar uma insurreição triunfante.Neste sentido, a apresentamos aos nossos leitores como parte da intensa correspondência internacional que percorre estaedição do Organizador Operário Internacional seguindo os acontecimentos da revolução no norte da África dia a dia. Tunísia, Egito: “É uma revolta, sire? É uma revolução democrática?” Não, é o início de uma revolução operária e socialista que deve pôr-se de pé e fazer-se do poder Desde o Secretariado de Coordenação Internacional da Fração Leninista Trotskista Internacional apresentamos o Organizador Operário Internacional N° 11. Fazemo-lo em momentos em que novos golpes revolucionários das massas, como os do Oriente Médio e o norte da África, estão atuando como um choque elétrico nas filas do proletariado mundial. Os processos revolucionários da Tunísia e do Egito que começaram marcar o caminho para reagrupar as filas da classe operária a nível internacional, a fim de organizar uma verdadeira contra-ofensiva revolucionária do proletariado mundial contra os mil e um ataques da frente burguesa imperialista. Trata-se de que os processos revolucionários que estão em curso estendam-se, desenvolvam-se, generalizem-se, sincronizem-se e centralizem-se a nível internacional. Essa é a tarefa imediata de toda organização operária revolucionária internacionalista As massas montam nos tanques do exército na Praça Tahrir que se aprecie de tal. A chispa da revolução que começou na Tunísia e agora no Egito não deixa de estender-se, como um rastro de pólvora, pelo norte da África e Oriente Médio. No Egito a burguesia, o regime da autocracia de Mubarak e Obama, concentra suas forças para deter este processo revolucionário que começou. É que estas revoluções enfrentam abertamente todos os mecanismos de controle contrarevolucionários (como o pacto do exército, a burguesia e o governo do Egito com o contrarevolucionário Estado sionista de Israel para massacrar às massas palestinas) que impuseram as potências imperialistas e as burguesias nativas sócias do mesmo. NA TUNÍSIA, NO EGITO, COMBATE-SE PELO PÃO CONTRA MUBARAK, BEN ALI, OBAMA E TODOS OS PARASITAS DE WALL STREET, BANQUEIROS E MULTINACIONAIS DE TODAS AS POTÊNCIAS IMPERIALISTAS. Estamos frente a ações revolucionárias mecanismo de controle petroleiras e bancos imperialistas. Ali, da classe operária e as massas contrarevolucionário atuou sob o terror as massas famintas vivem sobre um oprimidas de uma das zonas mais do sabre dos faraós, das autocracias, mar de ouro negro que se encontra sob castigadas pelo imperialismo. Este das teocracias que só defendem os seus pés. sustenta na região um dispositivo interesses da burguesia nativa e o Alguns escritores de editoriais contrarevolucionário que atuou imperialismo na região, e atuou burgueses surpreendem-se do que a implacavelmente nas últimas décadas também com invasões chispa que começou com uma em todo o Oriente Médio. Este contrarevolucionárias imperialistas revolução na Tunísia, que fez rodar a dispositivo atuou com as burguesias diretas como no Iraque, Afeganistão e cabeça de Ben Alí, e que com suas xiitas e sunitas expropriando os bombardeios do exército sionista novas ondas revolucionárias ameaça processos revolucionários fascista de Israel contra as massas com desmantelar e demolir a antiimperialistas das massas, como o palestinas. É que ali estão as maiores maquinaria do Estado semicolonial; vimos no Irã, na Palestina, no Líbano, reservas de petróleo do planeta, que hoje se expandiu e incendiou Egito, e no Iraque ocupado. Também este estão sob o controle das grandes em toda a região se desenvolvem
  9. 9. 9ações de massas como na Argélia, dos EUA, onde deixam seus dólares européia, japonesa e norte-americana.Iêmen, Jordânia; pondo ao vermelho bem guardados, para investi-los na É que este combate só triunfa com avivo a questão do esmagamento do bolsa de valores de cereais, fazendo revolução socialista internacional,Estado sionista assassino de Israel, subir ficticiamente seu valor. expropriando a esse punhado deque mantém num campo de Desde o ano 2006 até 2008 o preço do parasitas do capital financeiro que vive,concentração a céu aberto às trigo subiu um 80%, o milho um 90% e lucra e parasita sobre milhões demartirizadas massas palestinas. o arroz um 320%. Desde então, não escravos famintos, desnutridos, e sobreA chispa da Tunísia chegou ao Egito, e deixaram de estourar revoltas pelo pão uma classe operária à qual lhe tentamfoi levando e propagando o brutal e contra a fome. Mais de 250 milhões descarregar todos os dias sua podridãoroubo do imperialismo e os parasitas de operários escravos passaram a e crise como sistema.do capital financeiro, que investindo viver em aberto estado de desnutrição. São estas penúrias inacreditáveis asenormes massas de capitais no E mais, a demanda de grãos e que empurram as massas às grandesmercado das commodities, alimentos retrocedeu 3% no planeta. O investidas revolucionárias que estamosaçambarcando toda a produção de próprio (hoje defunto) Lehmman presenciando. São padecimentosfarinha, azeites, açúcar, milho, fez subir Brothers, o chefe dos parasitas inacreditáveis que empurram revoltas,ficticiamente seus preços para, de imperialistas, especulando, saltou de insurreições, semi-insurreições emforma especulativa, com as grandes 13 mil milhões de dólares no mercado países chaves não produtores decerealíferas e os banqueiros “o futuro” do trigo de Chicago a 260 mil alimentos e, como já dissemos,imperialistas, recuperar de forma milhões em 2008. assentados num mar de ouro negro deparasitária seus lucros. Seus super Isto é parasitismo. Isto é o capitalismo petróleo, saqueado pelo imperialismo elucros. hoje. Este é o saque das nações as burguesias nativas. A fome eNo Egito, como na Tunísia, no Iêmen oprimidas. A estes parasitas defende o carestia da vida crônica já se voltaramou na Bolívia, combate-se contra a governo assassino de Mubarak. Os insuportável para as massas.carestia da vida e o aumento brutal dos representa fielmente Obama. E ao Estes parasitas do capital financeiro depreços dos alimentos que foi elevado mesmo tempo, todas as direções Londres, Wall Street, Berlim ou Paris,de forma fictícia por um punhado de contrarevolucionárias reagruparam não só especularam e fizeram subirbanqueiros, como Goldman Sachs, a suas forças para impedir que as ficticiamente os preços dasbanca Morgan, isto é, os parasitas de massas derrotem a estes parasitas no commodities a nível internacional,Wall Street. Estes fizeram subir até 200 mundo semicolonial e, especialmente, senão que são os mesmos que, paravezes o valor do trigo, a soja, o milho, em Londres, Nova York, Tóquio, recuperar sua perdas e sua bancarrotaetc. E isto não é porque falte produção, Berlim, Roma, Paris, etc. tem esvaziado, desfeito e deixadosenão tudo o contrário. Está a níveis As massas devem terminar de endividado a todos os Estadosrecorde no mundo. O parasitismo identificar com clareza a seus inimigos. imperialistas, como EUA, França,imperialista é, em última instância, o Estamos frente ao início de uma Espanha, Grécia, etc. Assim osinimigo que enfrentam as massas enorme revolução operária, já que governos das potências imperialistasfamintas que saem ao combate em ataca os interesses da burguesia e o esvaziaram seus estados, repuseram-todo mundo. imperialismo no Egito, na Tunísia, no lhe as perdas aos banqueiros e àsSim, falamos dos parasitas que estão Oriente Médio. Esta revolução merece multinacionais, enquanto largaram umnas 8 quadras de Wall Street. Falamos triunfar a nível internacional, com a feroz ataque para fazer-lhe pagar istodos “super bancos” que saquearam e entrada em cena da classe operária às massas.levaram à ruína ao planeta e asnações, fazendo quebrar osEstados e atirando-lhe toda suacrise às massas desde 2007,quando estourou o crash.Estes parasitas ontem inflaramficticiamente uma bolhaimobiliária, hipotecando 3 ou 4vezes o valor das propriedadesnos EUA, na Espanha, no Dubaie hoje na China. O mesmosucede hoje com estesespeculadores e parasitas queaçambarcam milhões detoneladas de trigo, milho,açúcar, cacau, arroz, soja erestantes commodities, fazendosubir de forma fictícia seu valorno mercado chamado “o futuro”.O capital financeiro, essa As massas tunisianas se mobilizam ate a cidadela do poderoligarquia de super bancos, usaa garantia dos bônus do tesouro A CHISPA DA TUNÍSIA INCENDIOU EGITO. PARA QUE A REVOLUÇÃO TRIUNFE DEVE INCENDIAR O ORIENTE MÉDIO E SUBLEVAR NOVAMENTE À CLASSE OPERÁRIA EUROPÉIA E NORTE-AMERICANALevamos já 17 dias de uma magnífica Israel, e colocaria à ordem do dia que a origem, inclusive sob o terror do fuzilrevolução e insurreição no Egito, que resistência antiimperialista volte a pôr burguês apontando a suas cabeças,põe à ordem do dia que a chispa em debandada as tropas invasoras como o fez EUA, Itália, Espanha etransformou-se numa chama de fogo imperialistas no Iraque e Afeganistão. restantes imperialismos chamadosque ameaça com incendiar todo o norte Milhões de operários argelinos, “democráticos”.da África, Oriente Médio, e novamente marroquinos, tunisianos, egípcios, do Isso multiplicou por 10 o desempregoEuropa. Magreb são imigrantes que realizam os crônico. Uma legião de desempregadosA queda de Mubarak produto da piores trabalhos nas potências se vê obrigado a percorrer então osofensiva revolucionária decidida das imperialistas. poços de petróleo das empresasmassas do Egito faria tremer desde Ante o crash e a crise, milhões destes imperialistas que saqueiam o Orienteseus alicerces ao Estado genocida de foram devolvidos para seus países de
  10. 10. 10Médio, como párias e operários “As massas não têm consciência”, “são inevitável. Este só pode sair da criseescravos. atrasadas”, dizem os imbecis e com guerras e arrebentando à classeEssa é o paradoxo. Massas famintas, serventes da burguesia que jamais operária mundial, isto é, comoperários desempregados que são chamaram as massas a lutas parasitismo.expulsos da Europa, como escravos revolucionárias para derrocar aos As direções reformistas só chamaram,aos quais os escravistas já nem sequer governos dos exploradores e seus como na Europa, a lutas de pressãosão capazes de alimentar e fazê-los regimes para conseguir o pão e o para negociar a “retificação” do ataquetrabalhar, percorrem os poços de trabalho, começando a revolução selvagem dos capitalistas contra aspetróleo em Kuwait, Iraque, Dubai, proletária. massas. Exigiram à classe operária daEgito, Arábia Saudita. O paradoxo é É que esta onda revolucionária supera América Latina que deponha sua lutaoperários escravos em empresas a “espontaneidade” e a “falta de por derrubar os governosimperialistas que fazem lucros de 150 a consciência” que lhe impuseram as “progressistas” e bolivarianos, os quais200 bilhões de dólares ao ano como a direções traidoras aos heróicos “tinha que pressionar para queExxon, a Halliburton, e que levantam os levantamentos revolucionários da avancem ao socialismo”, como Chávez,edifícios fastuosos da burguesia como classe operária européia, questão que Morales, Kirchner, Lula etc. No entantono Dubai ou Arábia Saudita, e um apontava a impedir que os explorados estes são os que aplicam hoje planosextensíssimo etc. chegassem a propor-se o de austeridade iguais ou piores do que derrocamento de Papandreau, Ben Alí ou Mubarak.Como se estendeu esta chispa que Sarkozy, Berlusconi, a monarquia Os reformistas como serventes docomeçou na Tunísia? Esta se espanhola e inglesa, e a imundícia do capital, impuseram-lhes as massas nasdesenvolveu seguindo a rota dos Bundesbank e a Merkel na Alemanha. ondas de luta de Atenas, da Bélgica, de“operários nômades” dos poços Esta onda revolucionária retoma essa Portugal e de toda a Europa, de que sepetroleiros e os operários escravos das experiência, voltando a marcar um pode morigerar o ajuste e o brutalgrandes construtoras, que quiçá caminho à classe operária européia, ataque. Estão-lhes dizendo e lhestrabalharam juntos também na folha de que não é outro que: quem quer pão disseram que o leão não se comerá aorota dos piores trabalhos da Alemanha deve elevar sua luta econômica a luta veado.ou França. Ali eles se reconhecem. política e enfrentar decididamente os Enganaram as massas. VoltaramSabem de seus países e de suas governos e regimes que protegem os impotentes os combates da Gréciapenúrias. interesses do grande capital, e derrotá- revolucionária e do proletariadoOs imbecis antimarxistas falam de los. europeu. Eles temem, sobretudo, que“espontaneidade” e de “zero Nenhum estado maior do proletariado as lições das revoluções que estão emconsciência” das massas que se mundial disse que “para que tenha pão, curso no Oriente Médio e ao norte daencontram insurrectas. Elas vêm de há que derrotar e demolir o poder dos África, voltem a pôr à classe operáriauma enorme experiência de combate exploradores”; que para conseguir o européia num caminho revolucionáriosacrifício e traições sofridas. Eles mais mínimo há que lutar por tudo; que correto, tirando lições de seusdeixaram a seus filhos com as a classe operária segue mal porque combates.“madraças” da burguesia xiita, que ainda não se fez do poder.entregou toda a luta antiimperialista Nenhum estado maior dos que se Os processos revolucionários do Egito,das massas do Oriente Médio. dizem “anticapitalistas” ou “socialistas” da Tunísia, do Oriente Médio, como oA burguesia “islâmica” do Hezbollah da classe operária chamaram nem levantamento persistente dos operáriosentrou ao governo com Siniora, agente convocaram a nenhuma Praça, a tomar da Bolívia contra a fome e a carestia dado imperialismo no Líbano. Ao mesmo nenhuma delegacia, a fazer nenhum vida abriram um ângulo de 180° com astempo a burguesia, também “islâmica”, piquete armado, a incendiar quartéis receitas das direções traidoras dode Hamas está num verdadeiro pacto e nem palácios de governo. proletariado.negociação com o governo de Mubarak Aos que propomos isto, como os Como ontem no Madagáscar, noe o Estado sionista fascista de Israel trotskistas que lutamos por refundar a Guadalupe, no Quirguistão, ou napara impedir que irrompam novamente IV Internacional, nos acusam de Bolívia revolucionária, combate-se peloas massas da Palestina “loucos”, “atropelados”, “sectários”, poder e pelo derrocamento do poder do “que não conhecemos nada da luta da inimigo para conquistar o pão e parar oAs revoluções que estão em curso no classe operária”, “há que ir devagar”, ataque dos capitalistas.norte da África não são filhas de um “passo por passo”. Afirmam e se As revoluções que estão comovendo“reverdecer democrático” da pequena desgarram dizendo que “nunca há ao mundo no norte da África e Orienteburguesía do Oriente Médio, sempre condições” para preparar uma ofensiva Médio, mais cedo ou mais tarde,servil ao imperialismo e seus revolucionária das massas... como se voltarão a cruzar o Mediterrâneo. Éinteresses. Estas são produto desta as condições para vencer não se tarefa dos operários da Grécia, daenorme experiência de combates conquistaram. Inglaterra, da França, da Espanha, detraições, guerras nacionais, das Estamos vivendo o filme da covardia do Portugal e toda a Europa, levar esteexperiências que fizeram com as reformismo. Por que: Que condições combate ao triunfo. Só combatendodireções burguesas, sejam “islamitas” tinham para atacar os governos como na Tunísia e no Egito, derrotandoou “panárabes”, quem a cada passo burgueses do Egito, Tunísia, Iêmen, a monarquia inglesa e espanhola, a Ventregaram as lutas nacionais Jordânia, com regimes ditatoriais, república dos assassinos imperialistasantiimperialistas das massas do autocráticos, sustentados nas polícias franceses, a Itália dos Berlusconi e aOriente Médio, e submeteram, junto ao secretas assassinas e nos exércitos de Alemanha do capital financeiroimperialismo, à pior exploração à choque contrarevolucionários? assassino alemão e seus exércitos queclasse operária na região. As massas, por seus padecimentos estão massacrando igual ou pior doEsta é a preocupação do imperialismo, inacreditáveis, superaram toda a que os ianques no Afeganistão, é oque reconhece às forças da revolução estratégia reformista de submetimento caminho pelo qual conseguirão o pão eque enfrenta, e isto Mubarak o sabe rasteiro à burguesia; e localizaram seu recuperarão suas conquistas.muito bem. combate muito próximo do poder. Demolindo e não deixando pedra sobrePor isso, o que mantém hoje vivo o Demonstraram que as condições pedra dessa gruta de bandidos decombate das massas revolucionárias objetivas para a luta pela revolução Maastricht e do parlamento europeu,do Egito é que querem triunfar e dar estão mais do que maduras. Já se que nada tem que lhe invejar aosum primeiro passo para conquistar o estão decompondo. parlamentos fantoches, bonapartistas epão, derrocando a Mubarak tal qual o O surgimento do putsch fascista, novas autocráticos dos regimesfizeram seus irmãos de classe na invasões contrarevolucionárias, o contrarevolucionários do Oriente MédioTunísia com Ben Ali. aprofundamento e estabelecimento de contra os quais se levantam hoje as regimes bonapartistas já o antecipam. massas. A bancarrota do capitalismo é
  11. 11. 11 “REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA” PORRA NENHUMA! NO NORTE DA ÁFRICA E ORIENTE MÉDIO COMEÇOU UMA REVOLUÇÃO OPERÁRIA E SOCIALISTA, QUE ATACA O CORAÇÃO DO CAPITALISMO E O IMPERIALISMO MUNDIAL. É UMA REVOLUÇÃO OPERÁRIA E SOCIALISTA, QUE SÓ PODERÁ TRIUNFAR ESTENDENDO-SE A NÍVEL INTERNACIONAL E TRIUNFA A NÍVEL MUNDIALA burguesia se pergunta que do exército; ou bem, anome põe a revolução que contrarevolução massacrará ascomeçou na Tunísia e no Egito. massas revolucionárias ouManda a seus serventes a falar esta luta será expropriadade que há uma “revolução pelos cantos de sereia dasdemocrática” contra “ditaduras”. “frentes democráticas” doA vida e a realidade nua aos Baradei, a Irmandadeteóricos e papagaios da Muçulmana e todas as outras“revolução democrática”. Na patéticas instituições dasTunísia e no Egito hoje, as classes dominantes, queliberdades democráticas as sustentaram durante décadasestão conquistando as massas ao assassino Mubarak.com seus combates A revolução operária começarevolucionários nas ruas, ver a cara de frente com osenfrentando à polícia o exército exploradores. Milhões entrame as bandas Sharon e Mubarak agentes do imperialismo no ao combate, são, ao dizer dacontrarevolucionárias III Internacional, esses “pobresdefensoras dos interesses de norte da África e Oriente Médio diabos” que nunca são tidostodos os capitalistas. As massas Como chamar a uma revolução que, em conta pelas capas altas daconquistam liberdades democráticas para triunfar, ter pão e trabalho, deve aristocracia e a burocracia operária.pondo em pé a revolução proletária. derrotar aos parasitas de Wall Street, Eles são os que estão socavando,Aqui a mentira tem pernas curtas. Londres e Alemanha, deve expropriar como toupeiras, a cidadela do poder.Esse conglomerado de abate do às cerealíferas, às grandes petroleiras O fantasma da revolução iraniana e dastalinismo, social-democratas, partidos imperialistas, aos banqueiros e aos revolução palestina faz tremer à“anticapitalistas”, renegados do governos e Estados burguesia e a todos seus serventes etrotskismo variados, etc. sabem muito contrarevolucionários que cuidam seus lacaios no movimento de massas. Elesbem que a tarefa democrática não interesses… “democrático burguesa”? querem impedir que a revolução queresolvida no mundo semicolonial é a De repente, enquanto seguem começou termine de madurar e pôr-seindependência do imperialismo. E hoje mandando a seus serventes e lacaios de pé, questão que se consegue emsalta à vista, ante os olhos do conjunto no movimento operário a falar de horas e em dias de revolução.dos explorados, como Mubarak e todos “revoluções democráticas”, os teóricos O reformismo sustenta aos cavalos deos governos burgueses atuam sob as da burguesia falam de revolução Tróia, que hoje estão à frente dasordens abertas e diretas de Obama e “laranja”, “das tulipas”, “dos cravos”. massas do Egito que conspiram juntodas embaixadas de todas as potências Que se voltaram? Jardineiros talvez? com Mubarak contra a revolução.imperialistas. Salta à vista que não há Em momentos de revolução as classes A destruição do exército (comonem liberdade, nem independência possuidoras ficam momentaneamente sucedeu com o Sha Resza Pahlevi),nacional sem a expulsão do como um pintor com o pincel no teto pôr em pé comitês de soldados, tomarimperialismo das nações oprimidas. que lhe tiraram sua escada. Nesse as delegacias da burguesia como oAssuma o governo que assuma no momento duvida e procura fizeram as massas palestinas, está àEgito, não será democrático, senão que rapidamente um ponto de apoio. ordem do dia…. Se o processoserá eleito na embaixada ianque e com Putchs contrarevolucionários, governos revolucionário ainda não chegou a essea aprovação do sionismo, isto é, as de colaboração de classes, tiram degrau, não é por falta de tempo. É porforças contrarevolucionárias do Estado gerentes de Google “dos cárceres de crise de direção, isto é, pelo freio quede Israel; o contrario é que a classe Mubarak” para dar-lhe um perfil de põem os partidos da burguesia que,operária tome o poder conquistando a “revolução democrática da internet”… com a bandeira da “democracia”,liberdade, a independência nacional, o mas a classe operária e as massas atuam como verdadeiros cavalos depão e o trabalho para os famintos. disseram “Basta!” “Queremos pão!” Tróia ao interior das massas em luta…E para expulsar o imperialismo há que “Fora Mubarak!” “Lhes queimamos as e enquanto, a burguesia e seuso expropriar, derrotar a ele e seus delegacias e dissolvemos a polícia!” agentes sem vergonha no movimentosócios menores, as burguesias nativas. “Queremos tomar a crise e a resolução operário seguem procurando-lhe umEles têm seu Estado, sua banda de de nossos problemas em nossas nome à grandiosa revolução que sehomens armados, suas polícias mãos!” desatou.contrarevolucionárias. E quando isto A tendência é a alto-organização das Como diz Trotsky na história dafalha em seu controle e domínio contra massas e seu armamento. A rota para revolução Russa: “Um levantamentoo proletariado, invadem (como no que triunfe a revolução já se abriu com revolucionário que dure vários dias sóIraque e Afeganistão) ou massacram a heroicidade e a semi-insurreição de pode impor e triunfar tal como de(como na Palestina). massas que não deixa de desenvolver- elevar-se progressivamente de degrauAs burguesias nativas associadas ao se, apesar e na contramão de todas as em degrau, registrando todos os diasimperialismo - como sócios de segunda direções e diques de contenção que lhe novos êxitos. Uma trégua nomão - sabem muito bem que se, com o querem impor. desenvolvimento dos êxitos é perigosa.método da insurreição, triunfa a Se o movimento se detém e patina,revolução proletária que começou, No Egito, como ontem na Tunísia, pode ser o fracasso. No entanto ostambém atacará seus interesses e abriu-se um fenomenal esvaziamento êxitos por si bastam; é necessário quepropriedades que estão intimamente do poder. Ou o ocupam as massas a massa se inteire deles em seu devidounidas ao imperialismo. revolucionárias e suas organizações, tempo e aprecie antes que seja tardeA terra está em mãos das grandes derrotando as bandas armadas do sua importância para não deixar passarempresas imperialistas, que têm desde capital, ou vai ocupá-lo a burguesia. Ou de longe o triunfo em momentos emo trigo armazenado até a terra onde se os explorados se organizam e que lhe bastaria estender a mão paraproduz e as grandes correntes de centralizam, com delegados de todas pegar-lhe. Na história se deram casoscomercialização, como assim também as organizações operárias das massas destes”.está em mãos dos grandes bancos a em luta de todo o Egito, com as armasprodução de alimentos que, com seus que já lhe arrebataram à polícia, pondo As condições estão mais do quecerealíferas e bancos, o monopolizam em pé uma milícia operária coordenada maduras para que esta revoluçãoa nível mundial. e centralizada a nível nacional, e com avance vários degraus mais. Mas para estas forças luta por ganhar-se à base que isto não suceda, os agentes da
  12. 12. 12burguesia no movimento operário a chave está na divisão do exército. A reeditam velhas charlataneias dogritam e gritam: “A revolução é burguesia isto sabe perfeitamente e, menchevismo e o stalinismo, e quedemocrática!”. Afirmam e envenenam a por isso, saem seus agentes como El- hoje repetem muito alegremente osconsciência dos operários Baradei a dizer que é urgente uma renegados do trotskismo, destruidoresrevolucionários exigindo-lhe as intervenção militar, supostamente para da IV Internacional.massas: “que lhe entreguem o poder evitar um “banho de sangue”. A “Que a classe operária e as massasque têm ao alcance das mãos a um burguesia duvida, mas se as massas exploradas não se façam do poder”.parlamento “super democrático”, ou não rompem com a política pacifista de Estão-lhes dizendo “Que as massasseja uma Assembléia Constituinte, para suas direções e avançam em destruir vão votar um só dia a todas as escolasque o poder fique em mãos da ao exército, será o imperialismo quem do Egito para resolver seusburguesia “democrática”, para que conquistará as condições para derrotar problemas”. Não querem que asassim “madurem as condições para a a revolução. massas terminem de completar suatomada do poder do proletariado”. Esta ofensiva revolucionária, partam à basementira e este engano à classe As massas cada vez compreendem do exército, termine de armar-se aoperária não vai ficar impune, porque mais que sem as armas não há milícia operária com as armas que lheas massas já estão dando conta que nenhuma possibilidade de democracia, arrebatam à polícia e ponham em pé osquem é incapaz de ficar no poder é a nem sequer de desmantelar até o final conselhos operários que se façam doburguesia, seu governo e seus o regime autocrático de Mubarak. Mais poder.partidos. cedo que tarde compreenderão -e O Fórum Social Mundial, os desfeitos esperemos que não seja tarde demais- do stalinismo, os sociais imperialistas eA crise revolucionária se mantém no que não há democracia burguesa, nem renegados do trotskismo variados,Egito. A tarefa urgente das massas sequer Assembléia Constituinte sacaram-se as máscaras. Suarevolucionárias é lutar por dividir o soberana, sem derrotar à casta de consigna é: “a classe operária emexército, por ganhar aos soldados oficiais assassina do exército do Egito, estado de insurreição não pode nemrasos e destruir a casta de oficiais servente do imperialismo. E que não merece tomar-se do poder, e sóassassina das Forças Armadas terá pão, nem liberdade nem trabalho, merece e pode fazê-lo a burguesia”…continuidade do Estado sionista sem as armas e o desarmamento da com todas suas instituições em crises!!!fascista de Israel. É que Egito é um burguesia. Ante isto, só fica para as massas dividirdispositivo militar contrarevolucionário o exército e ganhar os soldados rasoschave do imperialismo. Neste sentido Os renegados do trotskismo chamam a para dar a estocada final ao regimenão é o mesmo que Tunísia. As uma Assembléia Constituinte sem infame colonial de Mubarak, sob omassas, para destruir o Estado, devem destruir à casta de oficiais das Forças comando de Obama.fazer ações mil vezes mais poderosas. Armadas, isto é uma política que Basta de Mentiras! Os que estão emMas tudo se define em avançar para termina por dar-lhe tempo à burguesia crises são os de acima. Os de abaixo jádestruir a oficialidade genocida de para reorganizar sua estratégia para não querem, e já conquistaram asMubarak-Obama. A crise revolucionária derrotar a revolução. O próprio condições para varrer ao regimesustenta-se no tempo porque a imperialismo francês e sua V República burguês e sua banda de homensburguesia duvida, não está segura de imperialista, massacradora dos povos armados, e arrincoar até alançar o exército para achatar as da África, com seu porta-voz Sarkozy, expropriação aos parasitasmassas sem correr o risco que as sai a dizer que no Egito que “se precisa imperialistas.massas terminem por partir ao exército é ganhar tempo para formar instituições Com a heróica insurreição das massase avançar em sua insurreição vitoriosa firmes que garantam a democracia”. do Egito e da Tunísia caem asque termine por demolir o Estado Sabem muito bem que a burguesia máscaras, as falácias e se despem asburguês. É a casta de oficiais internacional no Egito está jogando o traições das direções reformistas, dagenocidas quem sustenta hoje a tudo por tudo e exigem tempo para que aristocracia e burocracia operária,Mubarak no poder. É que justamente a atue a “frente democrática” enquanto penduradas nas saias da burguesia.oficialidade, como pilar do Estado, fortalecem a oficialidade para achatar a Aqui levantaram-se novamente duasgarante o resguardo do conjunto da revolução. Em última instância a barricadas na luta de classes mundial:propriedade imperialista e da burguesia política pacifista dos reformistas e o reformismo e a revolução. Ounativa. renegados do trotskismo é funcional a submeter a heróicas revoluções à este plano burguês. burguesia, que as expropria ou asO imperialismo até o momento sustenta massacra; ou lutar por tomar o poder,unificada a casta de oficiais. Isso é o Da lixeira da história reaparecem pondo em pé partidos revolucionários,que mantém Mubarak no poder e o que teorias e programas já velhos, que sejam a pluma que permita emlhe dá tempo ao conjunto da burguesia derrotados pelo bolchevismo, que momentos decisivos, como estes dee o imperialismo para fazer atuar à esvaziamento do poder, de crise“frente democrática”, para que fenomenal dos de acima, defina adesgaste e adormeça as massas, balança em favor da classepara que depois a casta de oficiais operária, ganhando às massasdas Forças Armadas conquiste as para que o soldado, junto à milíciacondições para um esmagamento operária, faça que o tanquecontrarevolucionário. presente na praça aponte seus canhões ao palácio de Mubarak.Esta situação, de indecisão da É neste combate onde se joga oburguesia por um lado e das destino do pão para os exploradosmassas sem poder romper o que choca de frente com aexército pelo outro, gera maior propriedade dos exploradores. A As massas com suas barricadastensão e prepara choques mais questão central é que classe sejaagudos entre revolução e incendeiam El Cairo dona do poder.contrarevolução. Isto reafirma que AS GALIMATIAS DO REFORMISMODigamo-lo de uma vez. Em 1989, rublos em malas ao Citibank e à banca Isso era uma suposta “revoluçãoquando o stalinismo entregava os de Londres; e o partido assassino dos democrática”, e não o triunfo de umaEstados operários ao capitalismo, os “mandarins vermelhos” da China contrarevolução que massacrou comreformistas falavam de “revolução entregavam ao capitalismo como uma guerras contrarevolucionárias comodemocrática contra a burocracia”, grande maquila gigante aos milhões de nos Balcanes, impondo regimesenquanto esta se levava todos os operários chineses. bonapartistas contrarevolucionários

×