Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Reunião comgás apimec 2011

362 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Reunião comgás apimec 2011

  1. 1. Apresentação ComgásAPIMEC | 15 de dezembro de 2011São Paulo - SP
  2. 2. AgendaHistórico 1. Visão Geral da Companhia 2. Destaques Financeiros e Operacionais 3. Planejamento Estratégico 4. Migração para o Novo Mercado 2
  3. 3. 1.Visão Geral da Companhia
  4. 4. Uma História de SucessoHistórico A companhia Inglesa  A companhia foi  Seu controle foi  Privatização: O  # 1.000.000 de  "San Paulo Gas  nacionalizada e  transferido para a  controle da Comgás  consumidores  Company" foi  renomeada como  companhia de capital  foi adquirido pelo  residenciais autorizada a explorar  “Companhia  aberto “Companhia  consórcio formado  a concessão dos  Paulistana de Serviços  Energética de São  pela British Gas and  serviços de iluminação  de Gás (Comgás)” Paulo (CESP)” Shell pública em São Paulo Começo da concessão  de 30 anos (renovável  por mais 20 anos) 1 1872 3 1959 5 1984 7 1999 9 2011 A empresa canadense  A administração da  1996: A Comgás  Maior distribuidora de  “Light” assumiu o  companhia foi  tornou‐se uma  gás do Brasil,  controle da  transferida para a  companhia aberta responsável por mais  companhia cidade de São Paulo e  de 30% das vendas de  ela foi nomeada  gás natural no país “Comgás” 1997: As ações da  Comgás começaram a  ser negociadas na  Bolsa de Valores  ("Bovespa") 2 1912 4 1968 6 1996/1997 8 2010 4
  5. 5. Área de concessão ComgásVisão Geral da O que é a Comgás Crescimento desde a Privatização CAGR  CAGR  1999 1999 2010 2010 (1999‐2010) Maior distribuidora do Brasil de gás natural canalizado (1999‐2010) R$ 341mm R$ 341mm Receita líquida Receita líquida R$ 4.095mm R$ 4.095mm 25% 25% Mais de 1 milhão de consumidores residenciais 1,3 bi m33 1,3 bi m Volume Volume 4,9 bi m33 4,9 bi m 13% 13% R$ 50mm R$ 50mm Capex Capex R$ 405mm R$ 405mm 21% 21% Área de concessão compreende 177 cidades (São Paulo, Campinas, baixada Santista e Vale do Paraíba) – 27% do 2.500km 2.500km Rede Rede 6.900km 6.900km 10% 10% PIB brasileiro(1) 17 17 # Municípios # Municípios 68 68 13% 13% 30 anos de concessão, renovável por mais 20 anos 314.034 314.034 # Medidores # Medidores 767.214 767.214 8% 8%Notas: (1) Valores potenciais e aproximados. 5
  6. 6. Área de concessão Comgás (Cont.)Visão Geral da Principais Números (3T11) Operacionais Financeiros (UDM)(1) Rede 7.692 km Receita Líquida R$ 4.085mm Medidores 819.907 unid. EBITDA R$ 875mm UDAs (2) 1.063.364 unid. Lucro Líquido R$ 328mm Volume (UDM) (1) 4,9 bi/m3 Capex R$ 501mmNotas: (1) UDM (Últimos Doze Meses) até 30 de setembro de 2011.(2) UDAs (Unidade Domiciliar Autônoma). 6
  7. 7. Destaques da ComgásA Comgás é uma Companhia Regulada ... Ativo Premium localizado em uma área  Crescimento significativo no  de concessão  segmento residencial estratégica Perspectivas  favoráveis para o gás  Base de consumidores  natural no Brasil diversificada Sólido sistema regulatório e  Trajetória de destaque:  regime de concessão  crescimento significativo,  transparente rentabilidade e sólida  estrutura de capital 7
  8. 8. Área de Concessão EstratégicaÁrea de concessãoAtivo Premium Localizado em uma Área de Concessão Estratégica Área de Concessão da Comgás Localização de Oferta e Demanda Estado de São Paulo Bacia do Espírito Santo Área de Concessão Gas Brasiliano Bacia de Campos Poços perfurados Reservas de Pré‐sal COMGÁS Campo de produção Bloco de exploração Gás Natural LULA SPS Bacia de Santos Gasoduto de Transmissão Redes Existentes Redes em Expansão Consumidores (3T11) Área de Concessão (2) Principais Rodovias Redes em Estudo Residenciais: 1,1 mm UDAs (1) Destaques Comerciais: 10,2 mil 27% do PIB do Brasil Industriais: 1,0 mil População: 29,6 mm Intersecção de gasodutos (GASBOL, GASAN, GASPAL) Termogeração: 2 usinas Domicílios: 8.2 mm Curta distância até o fornecimento de gás natural (Bacia de Santos) Cogeração: 23 medidores Veículos: 10.0 mm GNV: 360 postos Alta densidade demográficaNotas:  Demanda 100% contratada(1) UDAs (Unidade Domiciliar Autônoma).(2) Valores potenciais e aproximados. 8
  9. 9. Comgás: Uma Companhia ReguladaComgás: uma combinação de competências e princípiosSólido Sistema Regulatório e Regime de Concessão Transparente Visão Geral Concessão de Serviços Públicos ARSESP: Agência Reguladora de Saneamento e Energia  Pequenos  Volumes Exclusividade  de  comercialização  e  do Estado de São Paulo  (consumidores  distribuição  durante  todo  o  período  residenciais e  de concessão 3º ciclo de revisão tarifária (2009‐2014): WACC  comerciais) regulatório de 9,55% Revisão quinquenal de margem e reajuste anual pelo  IGP‐M, Fator X (eficiência) e Fator K (desvio de mix de  Distribuição:  exclusividade  durante  volume) todo o período de concessão (98,1%  Grandes  da margem) Todos os investimentos operacionais compõem a base  Volumes de ativos regulatória (outros  Comercialização:  possibilidade  de  consumidores) atuação  de  novos  agentes  12  anos  Custo de gás e transporte: pass‐through após  a  data  de  assinatura  do  Contrato de Concessão(1) Diferença capturada na conta corrente ajustada  periodicamente pela SelicNotas: (1) A  partir  de 2011,  os consumidores  com  um consumo  de gás  de  mais  de 300.000  m3/mês  podem  ser  considerados  consumidores  livres.  Portanto,  eles  podem  usar  qualquer outro agente de comercialização. 9
  10. 10. Suporte dos Principais Players do SetorComgás: uma combinação de competências e princípios Atual Estrutura Societária da Comgás O acionista controlador da Comgás é a Integral Investments, que tem como acionistas principais o Grupo BG e a Shell, com uma  participação de 83,5% e 16,5%, respectivamente. BG SÃO PAULO  SHELL GAS BV Presente no Brasil desde 1994 INVESTMENTS BV 83,51% 16,49% Atua em mais de 20 países no mercado  global  de  energia  (Exploração  e  Produção,  Gás  Natural  Liquefeito,  Transmissão  e  Distribuição,  Geração  de  SHELL BRAZIL  INTEGRAL  OUTROS Energia) HOLDING BV  INVESTMENTS BV   ACIONISTAS 6,34% 71,91% 21,75% Presente no Brasil desde 1913 Principais  atividades:  distribuição  de  derivados  de  petróleo,  operações  nos  setores  de  gás  e  energia,  exploração  e  produção offshore 10
  11. 11. Desempenho no Mercado e Governança CorporativaA Comgás é uma Companhia Regulada … Desempenho das Ações da Comgás (UDM)(1) Governança Corporativa(Índice Base = 100 em 13 de dezembro de 2010) Volume Base 100 (R$mm) Nível  Tradicional (“Lei das S.A.”)140.00 35.0 BMF&Bovespa130.00 30.0 Permite  a  existência  de  ações  ordinárias 120.00 Classe de Ações (direito a voto) e preferenciais (sem direito  25.0 a voto)110.00 20.0 9 membros (a exigência mínima é de 3 100.00 Conselho de  membros) 15.0 Administração 2 membros independentes (atualmente  90.00 apenas 1 cadeira ocupada) 10.0 80.00 Tag Along 80% apenas para as ações ordinárias 5.0 70.00 60.00 - dez-10 fev-11 mar-11 mai-11 jul-11 ago-11 out-11 dez-11 Sarbanes  A  Comgás  já adota  padrões  comparáveis  Volume CGAS(3) CGAS ON CGAS PN IBOV Oxley (2) aos procedimentos‐padrão da SOX Desempenho UDM(1) 30,7% 29,0% (16,8%)Nota: (1) UDM (Últimos Doze Meses) até 13 de dezembro de 2011.(2) Não exigido pelo segmento de governança corporativa da BM&F Bovespa ou pela Lei das Sociedades Anônimas.(3) Inclui o volume relacionado às Ações Ordinárias e Ações Preferenciais.Fonte: BM&FBovespa e Factset em 13 de dezembro de 2011. 11
  12. 12. 2.Destaques Financeiros e Operacionais
  13. 13. Área de concessãoricoVolume Histó Volume (MM/m3) Segmento Industrial: Composição da Receita por Setor (9M11) % R: 11,3 CAG 5.253 Químico / 23,1% 5.069 Petroquímico 4.910 4.761 Cerâmica 17,1% 4.342 4.261 3.812 Papel e Celulose 16,2% 3.623 3.652 3.418 Vidros / Cristais 10,7% 2.952 Metais / Fundição e 8,0% Não Ferrosos 2.243 Bebidas / Alimentos 7,1% 1.676 Automotivo / 6,6% Pneumático Siderúrgica 4,4% Textil / Lavanderia / 4,0% Tinturaria 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 Industrial Cogeração GNV Resid. & Comer. Termogeração Outros 2,7% 13
  14. 14. Evolução dos Medidores Segmento Residencial (Medidores e UDA’s(1)) 13.6% 12.5% 12.5% 1,063,364 977,750 945,327 869,138 765,103 808,314 756,080 735,967 692,448 620,191 2008 2009 2010 3T10 3T11 Medidores UDA’s(1) Taxa de crescimento UDA’s (%) Segmento Comercial 4.3% 5.3% 6.7% 10,206 9,760 9,568 9,265 8,885 2008 2009 2010 3T10 3T11 Medidores Taxa de crescimento (%)Notas: (1) UDAs (Unidade Domiciliar Autônoma). 14
  15. 15. Destaques FinanceirosÁrea de concessão Receita Líquida (R$ mm) Lucro Bruto (R$ mm) 3.989 4.116 4.095 1.672 1.520 3.045 3.035 1.147 1.108 1.366 1.267 1.147 961 871 2008 2009 2010 9M10 9M11 2008 2009 2010 9M10 9M11 EBITDA (R$ mm) Lucro Líquido (R$ mm) 1,363 1,188 690 580 913 835 453 1,035 514 352 934 838 413 727 368 333 600 201 2008 2009 2010 9M10 9M11 2008 2009 2010 9M10 9M11 IFRS Contabilidade Anterior (normalizado pela conta corrente) 15
  16. 16. InvestimentosÁrea de concessão Capex (R$ mm) Extensão de Rede (em ‘000 km) % : 15, 0% R: 10,3 C AGR CAG 7,7 474 35,5% 6,9 426 397 403 406 405 6,2 365 5,7 5,1 4,9 276 4,5 269 3,9 229 230 3,6 3,3 200 2,9 2,6 100 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 3T11 16
  17. 17. Dividendos: Payout Historicamente AltoÁrea de concessão Pagamento de Dividendos (R$ mm) 95% 77% 75% 73% 74% 53% 427 450 26% 17% 15% 10% 330 334 303 275 268 27 25 11 16 (1) 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Dividendos(2) Payout (%)Notas: (1) Dividendos e Juros Sobre Capital Próprio já declarados; números não auditados.(2) Dividendos contabilizados em BR GAAP até 2009. Considera dividendos deliberados pela companhia. 17
  18. 18. EndividamentoÁrea de concessão Visão Geral Cronograma de Amortização da Dívida (R$ mm) Dívida em moeda 470Endividamento 3T11 (R$ mm) 408 estrangeira 100%Dívida de Curto Prazo 378 378 “hedgeada” 20Dívida de Longo Prazo 1,486 187 251 393Endividamento Total 1,864 5 216 29 (-) Caixa e Equivalentes 172 358 140 246 221(=) Dívida Líquida 1,692 187 66 74 77Dívida Líquida / EBITDA UDM 1.9x 1 ano 2 anos 3 anos 4 anos 5 anos + 6 anosDívida Líquida / Patrimônio Líquido 1.4x Moeda Estrangeira Moeda Local Composição da Dívida: Curto Prazo / Longo Prazo Composição da Dívida Jun/11 Set/11 Outros (1) (1) 15% EIB Curto Curto Prazo 28% Prazo 22% 20% Longo Longo Prazo Prazo BNDES 78% 80% 57%Notas: (1) European Investment Bank. 18
  19. 19. 3. Planejamento Estratégico
  20. 20. Vetores de Crescimento 1 Mais de R$ 2,0 bilhões(1) em Capex comprometidos de 2009 até 2014 Plano de  Atividades de expansão impulsionadas pelo potencial residencial e  Investimentos  comercial (baixo volume e alta margem) ainda ancoradas pelas  para os próximos  oportunidades industriais anos Plano de investimentos, atendendo as metas regulatórias, será totalmente entregue 2 Abordagem de crescimento integrado – Captura de todas as oportunidades de negócio dentro de uma mesma região (industrial,  GNV, residencial e comercial) Expansão  Projetos de expansão em frentes regionais integrada e  – Otimização dos recursos gerando ganhos de escala e eficiência regional dentro   da área de  Vantagem competitiva do gás natural comparado a outras fontes de  concessão energia Possibilidade de aumento da competitividade do gás natural – Possível mudança no balanço de oferta e demanda de gás natural, catalisada pelas recentes  descobertas no Pré‐sal (1) Termos reais 2009, de acordo com o resultado da revisão tarifária do 3º ciclo (ciclo 2009‐14) 20
  21. 21. Expansão Geográfica Indicada no Plano de Negócios Metas para o período (2009‐2014): Área de Concessão da Comgás 5.000km de rede a ser  estabelecida Renovação da rede de 282km 500k+ clientes a serem  conectados 15 frentes de trabalho simultâneas 1.000 funcionários diretos e mais  4.000 indiretos atuando na expansão Busca de excelência na segurança  das operações e integridade da rede  de distribuição Extensa análise de campo e seleção  das melhores oportunidades  considerando Distância da rede existente Existentes Densidade demográfica Expansão Perfil sócio‐econômico e  propensão para consumo Bacia de Santos  Perspectiva de  desenvolvimento futuro Pré‐Sal Potencial para integração dos  diversos segmentos de  Atividades de expansão progredindo  mercado simultaneamente nas cidades da área de concessão 21
  22. 22. Segmento Industrial Descrição A Comgás está presente em todos as grandes industrias dentro da área de concessão Portfólio de clientes diversificado, com mais de 1.000 clientes corporativos Um produto multiuso: desde a produção de calor e vapor de baixa pressão até processos mais  complexos Diversas vantagens com relação a outros combustíveis: Não necessidade de armazenamento Questões ambientais Garantia de fornecimento Baixo custo operacional Estratégia de crescimento: Manter uma base de clientes sólida, com crescimento futuro  em linha com o crescimento do PIB  industrial Abordagem de pequenas indústrias para ancorar projetos de expansão Atração de novas indústrias para dentro da área de concessão (1) Dados de Agosto de 2011 22
  23. 23. Segmento Residencial Descrição Potencial da Área de Concessão(1,2) Estratégia de crescimento chave para a  (milhões de domicílios) 20% Comgás: Expansão geográfica, capturando potencial  8% 59% existente e mantendo o nível de conexões  13% em cerca de 100.000 clientes por ano Aumentar o consumo médio unitário por  Apartamentos meio da otimização e expansão da base de  1.5 clientes Mercado de alto potencial, com crescimento  6.2 impulsionado por: Casas 2% 13% Desenvolvimento de novos  7% empreendimentos imobiliários já conectados ao Gás Natural 78% Conversões para o gás natural em  clientes a serem capturados residências clientes não conectados Grande base de clientes com mais de 1  mercado a ser estudado milhão de clientes residenciais + 45 mil novos prédios (lançamentos/empreendimentos)  Alternativa para o GLP e a eletricidade para serem capturados(3) (1) Potencial para ser atualizado de acordo com o Censo do IBGE 2010 (2) Não considerando crescimento orgânico 23 (3) Inclusos no plano de atingir 100.000 clientes por ano
  24. 24. Segmento Gás Natural Veicular (GNV) Descrição Análise de Benchmarking: outubro de 2011 Preços (R$) O gás natural veicular (GNV) pode ser  usado como combustível em veículos de  2.78 1.87 transporte individual ou coletivo 1.32 Destaca‐se pela economia gerada e o  benefício ao meio ambiente GNV Etanol Gasolina Atualmente, é mais competitivo em custo  Custo por Km (R$) que a gasolina e o etanol 0.28 0.27 Forte benefício econômico para os “heavy  0.11 users” Comgás está atualmente trabalhando com  GNV Etanol Gasolina o governo na implementação de políticas  públicas que devem favorecer o setor Payback (meses) (1) Incentivos fiscais (redução no IPVA) 6.64 6.20 Política de transporte público Estratégia de crescimento: Projeto em desenvolvimento: transporte  vs Gasolina vs Etanol público e pesado Nota: (1) Premissas: i) Consumo: GNV 12km/l, Etanol 7km/l, Gasolina 10 km/l ii) Custo do sistema para gás natural: R$ 5.200 iii) Km rodados por mês: 5.000  24 Km
  25. 25. Outros Mercados Comercial Termogeração e Cogeração Mais de 10.200 clientes Termogeração: Foco em estabelecimentos de médio e  Demanda depende do nível de  grande porte despacho térmico Plataforma de crescimento integrada com a  Contratos de gás back to back expansão do segmento residencial Cogeração: Grande potencial de desenvolvimento de  Decisão estratégica da indústria  novas aplicações: visando eficiência e segurança  Mercado incipiente com alto  energética no médio e longo prazo potencial de consumo Crescimento depende de oferta de  Estrutura dedicada para  gás firme e visibilidade de preços  desenvolvimento de aplicações não  competitivos frente à energia elétrica convencionais: climatização,  Mercado com alto potencial de  cogeração comercial e geração no  desenvolvimento horário de ponta 25
  26. 26. 4. Migração para o Novo Mercado
  27. 27. Resumo dos Níveis de Governança Corporativa na Bovespa Status Quo Nova Lei das SAsTag along para ONs 80% 80% 100% 100% 1Tag along para PNs 100% n.a .Free‐float mínimo de 25%Mínimo de 20% de membros independentes no ConselhoDemonstrações financeiras em IFRSDivulgação de transações com partes relacionadas (informações trimestrais) 1Direito de voto às PN em algumas matérias n.a .Calendário anual de eventos corporativosMandato de no máximo 2 anos para membros do conselho, permitida a reeleiçãoCâmara de arbitragemEntre todas as companhias listadas em níveis diferenciados de governança, 125 estão no Novo Mercado, 19 estão no “Nível 2” e 38 no “Nível 1” (1) Não aplicável (“n.a.”) devido à inexistência de ações PN no segmento de listagem Novo Mercado 27 Fonte: Regulamento de Listagem da BM&FBovespa – Níveis 1/2 e Novo Mercado e Legislação Corporativa Brasileira
  28. 28. Benefícios de uma Potencial Migração para o Novo Mercado Ação listada no mais alto nível de governança corporativa da BM&FBovespa – reconhecido pelos  Ação listada no mais alto nível de governança corporativa da BM&FBovespa – reconhecido pelos  investidores como o padrão de excelência do mercado, gerando mesmo tratamento e transparência para  investidores como o padrão de excelência do mercado, gerando mesmo tratamento e transparência para  todos os acionistas (apenas ações ordinárias) todos os acionistas (apenas ações ordinárias) Novo padrão de governança: i) garantia de 20% de conselheiros independentes, ii) tag along de 100% para  Novo padrão de governança: i) garantia de 20% de conselheiros independentes, ii) tag along de 100% para  todos os acionistas, iii) completa informação sobre eventos corporativos aos acionistas todos os acionistas, iii) completa informação sobre eventos corporativos aos acionistas Potencial valorização da ação, conforme ocorreu em casos anteriores de Potencial valorização da ação, conforme ocorreu em casos anteriores de migração para o Novo Mercado migração para o Novo Mercado Maior exposição aos analistas de research dos bancos, consequentemente Maior exposição aos analistas de research dos bancos, consequentemente aumentando a exposição à comunidade financeira em geral(1) – e podendo acessar um universo mais  aumentando a exposição à comunidade financeira em geral(1) – e podendo acessar um universo mais  amplo de investidores e melhorando as condições da companhia de acessar o mercado de capitais amplo de investidores e melhorando as condições da companhia de acessar o mercado de capitais Aumento do nível de liquidez da ação (espécie única de ações listadas), Aumento do nível de liquidez da ação (espécie única de ações listadas), consolidando a liquidez das atuais duas espécies de ações em uma única consolidando a liquidez das atuais duas espécies de ações em uma única (1) Devido ao aumento da liquidez e a presença no Novo Mercado da BM&FBovespa, as outras empresas do setor de utilities (listadas no NM) possuem  28 cerca de 10 analistas de research cobrindo suas ações, na média. Atualmente, Comgás por 4 analistas de research ativos
  29. 29. Migrações Precedentes para o Novo Mercado Relação de Troca: Dividendos  Ano Companhia Ações ON para casa  adicionais de  1 ação PN 10% 2 “Os estudos conduzidos  2011 TIM 0.84 pelos acionistas principais  2011 Ultrapar 1.00 da Companhia e pelos  2010 Anhanguera 1.00 seus administradores  2010 ALL 1.00 2010 Mahle 1.00 demonstram que a  2009 Paranapanema 1.00 2 conversão das ações  2008 lochpe‐Maxion 0.83 preferenciais em  2008 Estacio 1.00 ordinárias na proporção  2008 Equatorial  1.00 de uma ação ordinária  2007 Hering 1.00 para cada ação  2007 Romi 0.90 preferencial da  2007 Magnesita 0.83 Companhia é no melhor  2006 BR Foods 1.00 interesse da Companhia e  2006 Embraer 1.00 de seus acionistas.”4 Média 0.96 Mediana 1.00 Fonte: Factset/Economática para preços de ações. Bloomberg Data para “Company Actions” (ferramenta CACS). CVM Website para eventos GM. Notes: (1)Companhias cujos estatutos sociais previam 10% a mais de dividendos para os acionistas PN frente àqueles detentores de ações ON, como é o  caso de Comgás (2)No caso de TIM e Paranapanema, a diferença do volume de dividendos de PNs para ONs era de 6% (3)WEG e Portobello não estão sendo consideradas nesta amostra devido algumas especificidades de cada caso. A migração de WEG foi seguida  por um evento de liquidez que distorce as informações de preço da ação e a migração de Portobello não é considerada devido ao baixo nível de  liquidez mesmo após a migração (menos que 10% de free float) (4)Fato Relevante de 2 de dezembro de 2011 29
  30. 30. RessalvaÁrea de concessão As afirmações contidas neste documento relacionadas a  perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados  operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento da COMGÁS são meramente estimativas e, como  tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da diretoria  sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem,  substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da  economia brasileira, do setor de negócios e dos mercados  internacionais e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. 30
  31. 31. COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO - COMGÁS
  32. 32. Apêndice
  33. 33. Comgás: Uma Companhia ReguladaComgás: uma combinação de competências e princípios Principais Aspectos do Contrato de Concessão Tarifa Regulada Revisão da Margem Máxima Reajustes Anuais de Tarifa “Fator X” e “Fator K” A estrutura tarifária é A revisão considera: Reajuste anual da  "Fator X": fator de  constituída por três  margem de distribuição  eficiência, determinado  componentes: WACC sobre a base  pela taxa de inflação     pelo regulador,  de ativos regulatórios  (IGP‐M), desconsiderando  considerado no ajuste  Custo do gás (pass  e investimentos o "Fator X" e o "Fator K" anual do "P0" through) Custos operacionais Reajuste anual da tarifa  "Fator K": fator de ajuste  Custo de transporte  baseado nos custos do gás  que compensa os desvios  (pass through) = Depreciação + e de transporte  na margem máxima  contabilizados  efetiva em relação à Margem média  Volume de vendas anualmente a cada dia 31  margem máxima  máxima (“P0”)  autorizada Ocorre a cada 5 anos de maio (ou  definida pelo  eventualmente antes, de  regulador durante a  acordo com o regulador)  revisão tarifária 33
  34. 34. Fornecimento de Gás Natural: ContratosComgás: uma combinação de competências e princípios Contratos Contratos Contratos TCQ TCQ Firme Firme Firme Flexível Firme Flexível Leilão Leilão Venda Semanal Venda Semanal Modalidade Modalidade Firme Firme Firme Flexível Firme Curto Prazo Curtíssimo Prazo Excedente dos contratos da  Excedente dos contratos da  Petrobras com outras  Petrobras com outras  Origem do Gás Origem do Gás Boliviana Não determinada Não determinada distribuidoras /  distribuidoras /  termoelétricas termoelétricas 8,75mm m3/dia até out/11 Quantidade Contratada Quantidade Contratada 4,3mm m3/dia 1,0mm m3/dia 3,2mm m3/dia Conforme lances 8,10mm m3/dia até jun/19 Término do Contrato Término do Contrato jun/19 dez/13 dez/12 mar/12 mar/12 Parcela Fixa +  Parcela Fixa +  Commodity + Transporte Parcela Variável Parcela Variável Commodity: corrigido  Parcela Fixa: reajuste  Parcela Fixa: reajuste  trimestralmente pela  anual pelo IGP‐M  anual pelo IGP‐M  Conforme lance  Conforme lance  Preço Preço variação de uma cesta de  Parcela Variável:  Parcela Variável:  oferecido na plataforma  vencedor do leilão óleos + variação cambial corrigida  corrigida  e aceito pela Petrobras Transporte: reajuste  trimestralmente pela  trimestralmente pela  anual pela inflação  variação de uma cesta  variação de uma cesta  americana (CPI) de óleos de óleos Contrato  TCQ: Quantidade  diária  contratada  atual  de  gás  boliviano  de  8,75  milhões  de  m³/dia,  a  qual é reduzida  periodicamente até atingir o volume de 8,10 milhões de m³/dia em agosto de 2012 Contrato  Firme: Quantidade  diária  contratada  de  4,27  milhões  de  m³/dia,  a  qual  aumentará periodicamente  até atingir  o  volume de 5,22 milhões de m³/dia em agosto de 2012 Contrato Firme Flexível: modalidade na qual a Petrobras fornecerá o gás natural ou ressarcirá o custo adicional referente ao  consumo de combustível alternativo pelo cliente desta modalidade. O suprimento de gás natural pode ser interrompido por  critério  da  Petrobras,  mas  sem  o  risco  de  indisponibilidade  de  insumo energético  alternativo  para  os  clientes  da  Comgás.  Todos  os  impactos  financeiros  decorrentes  desta  operação  (tanto  dos  clientes  quanto  da  Comgás)  serão  suportados  pela  Petrobras 34
  35. 35. Conta CorrenteÁrea de concessão Conta Corrente Regulatória (R$ mm) CONTA CORRENTE REGULATÓRIA 528 Mecanismo de compensação  469 utilizado para reembolsar a  companhia ou o Estado em caso  de o custo real do gás diferir do  custo incluído nas tarifas cobradas  aos clientes 264 Calculado mensalmente  153 pelo regulador. No entanto,  ajuste é realizado apenas  uma vez por ano (em maio) 29 12 Diferença entre o custo do  gás incluído nas tarifas  (5) cobradas aos clientes e o  (55) custo real do gás incorrido (128) (157) O saldo é debitado / creditado em  (198) uma conta regulatória (230) O efeito da conta corrente é 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 3T11 considerado para fins fiscais e  excluído na contabilidade  financeira (IFRS) Conta Corrente Implicações: volatilidade nos resultados da companhia 35

×