Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

371 views

Published on

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

Published in: Internet
  • Be the first to comment

Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria

  1. 1. Empresas 3.0 Os impactos da revolução digital nos negócios: da gestão de conteúdo para a curadoria Carlos Nepomuceno 27/10/15 V 1.0.0
  2. 2. Vídeo sobre o PPT aqui:
  3. 3. Novo estudo sobre impactos da Revolução Cognitiva Digital nas áreas de Negócio, vou começar pelas mais atingidas no curto prazo e depois ir caminhando para as demais.
  4. 4. Podemos dizer que existem diferentes tipos de impactos da atual Revolução Cognitiva. A área de produção de conteúdo sofre o impacto de nível 1: o mais radical e em menor tempo.
  5. 5. As áreas de negócio de conteúdo conseguem ver os efeitos incrementais de curto prazo, mas têm tido dificuldade para perceber os efeitos mais disruptivos de médio e longo prazo que vão mudar radicalmente o modelo de negócio. Muitas empresas já ficaram e ficarão pelo caminho.
  6. 6. As áreas de negócio: INTANGÍVEIS TANGÍVEIS CÓDIGOS HUMANOS (Conteúdo) CÓDIGOS INUMANOS (software) TRANSFORMADOS BRUTOS DISTRIBUÍDOS
  7. 7. O setor de negócios que vem sendo mais atingido na primeira etapa da Revolução Cognitiva Digital é o do Intangíveis, em particular o da área de produção de conteúdo (mídia, entretenimento, educação, entre outros).
  8. 8. O setor de negócios da produção de conteúdo é o mais atingido no curto prazo, pois uma Revolução Cognitiva começa as mudanças sociais justamente por ele, ao alterar canais de distribuição, formas de armazenamento e, no caso atual, o próprio modelo de validação de conteúdo.
  9. 9. O setor dos Intangíveis de Conteúdo é todo aquele que atende a demandas de manutenção ou mudança de percepção. O setor de conteúdo, apenas muda a percepção do consumidor, mesmo que os códigos sejam em um meio tangível: livro, jornal impresso, etc. Tirando os colecionadores, as pessoas compram livros pelo conteúdo.
  10. 10. Revoluções Cognitivas atingem fortemente o setor da venda de conteúdo no curto prazo, pois há um novo meio de distribuição. O Netflix é um bom exemplo desse efeito.
  11. 11. Revoluções Cognitivas atingem fortemente o setor da venda de conteúdo no curto prazo, pois não há mais limites do armazenamento. Os blogs são um bom exemplo desse efeito.
  12. 12. Revoluções Cognitivas Disruptivas atingem fortemente o setor da venda de percepções no médio e longo prazo, pois há uma nova forma de validação de conteúdo. O Wikipédia, o Facebook e o Youtube são bons exemplos desse efeito.
  13. 13. A nova validação de conteúdo tem as seguintes características: Gestor Curador Consumidor Prosumidor Filtra para publicar Publica para filtrar Cuida do conteúdo Cuida da relação da produção do conteúdo ANTES AGORA
  14. 14. Revoluções Cognitivas no passado, como a do papel impresso, em 1450, alteraram de forma incremental o modelo de venda de código produzido pelos copistas, que trabalhavam em papéis manuscritos que perderam lugar para o impresso. Foi uma alteração apenas no modelo de distribuição e na capacidade de armazenamento.
  15. 15. Os novos impressores, a partir de 1450, tornaram a distribuição de códigos mais barata, mas não houve uma alteração do modelo produtivo. A validação de conteúdo continuou bem próxima.
  16. 16. A Revolução Cognitiva Digital não é igual a do papel Impresso, considerada Incremental, pois não há apenas uma mudança de distribuição de conteúdo e aumento de armazenamento, mas também uma mudança no modelo de produção, pois muda-se a forma de validação de conteúdo, a partir das novas possibilidades tecnológicas.
  17. 17. A forma de Validação do Conteúdo do que ia ser publicado foi a mesma entre o manuscrito e impresso (depois de 1450), havia um gestor de conteúdo que autorizava o material, houve apenas uma mudança de canal.
  18. 18. A Revolução Cognitiva Digital cria, assim, de forma disruptiva um novo modelo de Validação de Conteúdo. Saímos de uma gestão de conteúdo para uma curadoria. Não é uma mudança incremental, mas disruptiva!
  19. 19. O novo modelo de validação de conteúdo elimina a necessidade de um gestor centralizado e humano.
  20. 20. O novo modelo de validação de conteúdo introduz o gestor descentralizado (o prosumidor, via cliques) e inumano (algoritmos).
  21. 21. O prosumidor tanto pode colocar um conteúdo próprio, como pode alterar o conteúdo dos demais, bem como ser um editor, classificando-o, a partir de seus critérios.
  22. 22. O algoritmo, programado pelo curador de conteúdo, procura tornar relevante o trabalho dos prosumidores, com o objetivo de reduzir fraudes e vandalismos.
  23. 23. Quanto mais prosumidores houverem e quanto mais o algoritmo gerar relevância (personalização) com pouco ruído (fraudes e vandalismos) mais a Plataforma Digital de Conteúdo gerará valor.
  24. 24. O novo modelo de validação de conteúdo faz com que o antigo editor perca a função.
  25. 25. O novo modelo de validação de conteúdo reduz o custo e aumenta o benefício, o que a torna atraente para o consumo.
  26. 26. Toda vez que há na sociedade uma percepção de uma relação melhor de custo/benefício há uma atração tanto do consumidor como de novos empreendedores em direção a essa tendência.
  27. 27. O novo modelo tende de sair de periférico para hegemônico e o atual modelo de hegemônico para periférico.
  28. 28. Se imaginarmos o futuro uma organização produtora de conteúdo de vídeos será muito mais parecida com o Youtube do que com a Rede Globo.
  29. 29. Se imaginarmos o futuro uma organização produtora de conteúdo de textos será muito mais parecida com o Wikipédia do que com o Jornal O Globo.
  30. 30. A principal mudança na área de negócios de conteúdo é que o gestor deixa de ser realizar a gestão e passa a curadoria de conteúdo. Ele não é mais o responsável pelo conteúdo, mas pelo ambiente em que o conteúdo será produzido.
  31. 31. O antigo gestor de conteúdo avaliava o material que ia ser publicado e procurava ser o mais preciso possível dentro dos limites físicos do canal.
  32. 32. O novo negócio de conteúdo permite que tudo seja publicado e fornece um ambiente para que os consumidores apontem o que deve ser privilegiado, não tendo mais limites físicos do canal.
  33. 33. Por que temos uma mudança tão radical na área de negócios de conteúdo?
  34. 34. O aumento demográfico de 1 para 7 bilhões nos últimos 200 anos tornou as atividade de conteúdo cada vez mais complexa. Houve um aumento da demanda, mas uma incapacidade da oferta.
  35. 35. M Mais sobre Nepomuceno:
  36. 36. O livro de Carlos Nepomuceno propõe interessante análise para os líderes contemporâneos. Quem quer compreender a internet para reinventar o processo de tomada de decisão encontrará aqui as respostas. Pierre Levy. “
  37. 37. CAPACITAÇÃO Formação de analista estratégico para inovação participativa
  38. 38. CONSULTORIA Criação de Projetos de Inovação Participativa cnepomu@gmail.com
  39. 39. http://www.youtube.com/cnepomuceno http://pt.slideshare.net/cnepomuceno/ www.nepo.com.br https://www.facebook.com/carlos.nepomuceno cnepomu@gmail.com @cnepomuceno
  40. 40. Portfólio de consultoria/capacitação
  41. 41. Onde tenho dado aulas
  42. 42. CRIE UM NÚCLEO DE INOVAÇÃO PARTICIPATIVA EM SUA CIDADE cnepomu@gmail.com

×