Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Retórica Profa. Dra. Cibele Mara Dugaich [email_address]
Conceito <ul><li>Retórica </li></ul>É a arte de persuadir. Nas relações com outros indivíduos, o homem usa a linguagem com...
Histórico A retórica é considerada um raciocínio discursivo.  Iniciou-se na época clássica, na Grécia, por volta do ano IV...
Nova Retórica Chaim Perelman (lógico e filósofo do direito belga) foi o precursor da nova retórica. Recuperou a formulação...
Atos da Argumentação Ato de Promover (Akira Osakabe, 1979 ) O ato de promover consiste em elevar o interlocutor à instânci...
Atos da Argumentação Ato de Promover (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>É fundamental que se entenda que ao fazer uso do ato de...
Atos da Argumentação Ato de Envolver  (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>Consiste em refutação antecipada. </li></ul><ul><li>O ...
Atos da Argumentação Ato de Engajar  (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>Consiste em transformar o interlocutor em  coenunciador...
Nova Retórica “ A linguagem deficiente recebe punição rigorosa em juízo : pode-se perder o processo, obter apenas parte do...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Retórica 1

5,985 views

Published on

Aula da Prof.Dra.Cibele Mara Dugaich - Retórica I

Published in: Education, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Retórica 1

  1. 1. Retórica Profa. Dra. Cibele Mara Dugaich [email_address]
  2. 2. Conceito <ul><li>Retórica </li></ul>É a arte de persuadir. Nas relações com outros indivíduos, o homem usa a linguagem como um mecanismo de ação carregado de intencionalidade. Entende-se então por persuasão como o ato de influenciar e convencer uma pessoa.
  3. 3. Histórico A retórica é considerada um raciocínio discursivo. Iniciou-se na época clássica, na Grécia, por volta do ano IV a.C. Quem ensinava a arte de persuadir eram os sofistas por meio da retórica. Aristóteles também utilizava a retórica, porém, a colocava a serviço do justo e verdadeiro, diferentemente dos sofistas que serviam à classe dominante, auxiliando-os nos negócios (publicidade) e nas questões políticas (discursos) sempre em troca de alguma recompensa.
  4. 4. Nova Retórica Chaim Perelman (lógico e filósofo do direito belga) foi o precursor da nova retórica. Recuperou a formulação do pensamento aristotélico para situar o raciocínio jurídico ressaltando a sua natureza argumentativa .
  5. 5. Atos da Argumentação Ato de Promover (Akira Osakabe, 1979 ) O ato de promover consiste em elevar o interlocutor à instância máxima do poder para que este, movido pelos ícones de poder, possa atender ao que lhe submetido como uma forma de reconhecimento pelo ato do sujeito que lhe fez o elogio.
  6. 6. Atos da Argumentação Ato de Promover (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>É fundamental que se entenda que ao fazer uso do ato de promover, o sujeito não confere poder algum ao interlocutor. Se o interlocutor, de fato, tem poder.ele fica grato pelo reconhecimento, mas, se ao contrário, o interlocutor não tem poder, ele age movido pela fantasia que o efeito de poder instaura. </li></ul>
  7. 7. Atos da Argumentação Ato de Envolver (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>Consiste em refutação antecipada. </li></ul><ul><li>O sujeito prevê pelas formações imaginárias, ou seja, por saber o que o interlocutor pode pensar dos argumentos que lhes apresenta, os possíveis contra-argumentos que o interlocutor poderá lhe apresentar. </li></ul><ul><li>O sucesso deste ato depende sobremaneira da capacidade de o sujeito destruir os argumentos antes que o interlocutor lance mão deles. </li></ul><ul><li>Vendo-se sem argumentos, o interlocutor tende a aceitar a tese que lhe é submetida . </li></ul>
  8. 8. Atos da Argumentação Ato de Engajar (Akira Osakabe, 1979) <ul><li>Consiste em transformar o interlocutor em coenunciador do sujeito. </li></ul><ul><li>Dizendo de outro modo, o interlcoutor para a ser cúmplice do sujeito quando poderia ser seu oponente. </li></ul><ul><li>O sujeito tem a capacidade de fazer do interlocutor um aliado. </li></ul><ul><li>A força da persuasão do discurso enunciado de outro lugar é maior porque ele não parecer ter interesse direito na causa. </li></ul>
  9. 9. Nova Retórica “ A linguagem deficiente recebe punição rigorosa em juízo : pode-se perder o processo, obter apenas parte do que se pretendia, alcançar resultado diferente do que se esperava ou nem sequer ser compreendido. Na guerra judicial, o campo de batalha é o processo e as armas é a linguagem com seus inúmeros recursos.

×