Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Viagens na minha terra

29,565 views

Published on

Orientações preliminares à leitura da obra "Viagens na minha terra", de Almeida Garrett.
(não disponível para download)

Published in: Education
  • Be the first to comment

Viagens na minha terra

  1. 1. Almeida Garrett “Formou Deus o homem, e o pôs num paraíso de delícias; tornou a formá-lo a sociedade, e o pôs num inferno de tolices.” Viagens na minha terra
  2. 2. Almeida Garrett Considerado o primeiro autor romântico em Portugal, João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett (1799- 1854) passou a infância nas propriedades do pai, ao sul do Porto. Aos 10 anos de idade foi obrigado a sair de sua cidade (invadida pelas tropas de Napoleão Bonaparte). Mudou-se para Lisboa com a família e mais tarde para a ilha Terceira (Açores).
  3. 3. Teatro • Frei Luís de Souza • 1843 Prosa • Viagens na minha terra • 1846 Poesia • Folhas Caídas • 1853 Garrett dinâmico
  4. 4. Garrett sedutor “A vida de Garrett foi tão apaixonante quanto sua obra. Destacou-se socialmente como “o tipo perfeito do dandy”. Foi um homem de muitos amores, uma espécie de homem fatal. Separou-se da esposa, para viver com sua amante D. Adelaide Pastor até à morte desta em 1841. A partir de 1846, a sua musa é a viscondessa da Luz, Rosa Montufar Infante, inspiradora dos arroubos românticos das Folhas Caídas.”
  5. 5. Olhos negros Por teus olhos negros, negros, Trago eu negro o coração, De tanto pedir-lhe amores... E eles a dizer que não. E mais não quero outros olhos, Negros, negros como são; Que os azuis dão muita esp'rança Mas fiar-me eu neles, não. Só negros, negros os quero; Que, em lhes chegando a paixão, Se um dia disserem sim... Nunca mais dizem que não. (in «Folhas Caídas e Outros Poemas»)
  6. 6. " Há três espécies de mulheres neste mundo: a mulher que se admira, a mulher que se deseja e a mulher que se ama. A beleza, o espírito, a graça, os dotes da alma e do corpo geram a admiração. Certas formas, certo ar voluptuoso, criam o desejo. O que produz o amor não se sabe; é tudo isto às vezes; é mais do que isto, não é nada disto. Não sei o que é; mas sei que se pode admirar uma mulher sem a desejar, que se pode desejar sem a amar.” Cap. 44, Viagens na minha terra
  7. 7. Este inferno de amar – como eu amo! Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi? Esta chama que alenta e consome, Que é vida – e que a vida destrói. Como é que se veio atear, Quando – ai se há-de ela apagar? Eu não sei, não me lembra: o passado, A outra vida que dantes vivi Era um sonho talvez… foi um sonho. Em que a paz tão serena a dormi! Oh! Que doce era aquele olhar… Quem me veio, ai de mim! Despertar? Só me lembra que um dia formoso Eu passei… Dava o Sol tanta luz! E os meus olhos que vagos giravam, Em seus olhos ardentes os pus. Que fez ela? Eu que fiz? Não o sei; Mas nessa hora a viver comecei… Por instinto se revela, Eu no teu seio divino Vim cumprir o meu destino... Vim, que em ti só sei viver, Só por ti posso morrer.
  8. 8. “Viagens na minha terra” é considerado um ápice da prosa de Almeida Garret, mas é difícil determinar sua classificação (quanto ao gênero) porque reúne em si: relatos de viagens, ensaio e ficção - e aindanovela. (universia.com.br-adaptado) Considerando que a obra surge durante do movimento romântico, resgatando e preservando a história nacional, o livro enquadra-se em romance histórico ao lado de Eurico, o presbítero ( Alexandre Herculano).
  9. 9. Estrutura da obra Organização em 49 capítulos Narrador/autor 1a/ pessoa A menina dos rouxinóis em 3a pessoa Narrativa linear e uso do flashback Linguagem híbrida (formal + informal) Antes de ser publicada como volume único em 1846, a obra foi um folhetim publicado entre 1845 e 1846 na Revista Universal Lisbonense .
  10. 10. O estilo de Garret nesta obra “o romance vai se desenvolvendo em torno de várias digressões muitas delas literárias. Em muitos momentos ele conversa com o leitor, ou leitora, que ele trata sempre de forma educada e carinhosa. Utiliza termos como: benévolo leitor, amável leitora, leitor amigo, entre outros.” (Paulo Roberto Borges Berlim, em O tempo no romance: um recorte da Joaninha dos olhos verdes em Viagens na minha terra)
  11. 11. O enredo A história se desenvolve a partir de uma viagem (que durou 6 dias) entre Lisboa e Santarém. O narrador/autor parte para uns dias de descanso na casa de seu amigo Passos Manuel. Essa viagem tem descrições esplendorosas. *Note-se a direção da viagem: da capital para o interior (vide mapa a seguir).
  12. 12. Verossimilhança A viagem que serve de pretexto para a narrativa é real. Garrett fez o trajeto de Lisboa a Santarém e observou a paisagem e as pessoas em seus costumes. Quando, em 1846, Almeida Garrett escreveu Viagens na Minha Terra falavase do trem como promessa ( o primeiro trecho de trem só seria inaugurado 10 anos depois da publicação da obra). Garrett, embora fosse um progressista, desconfiava do novo meio de transporte, e preferia as estradas, tidas como mais eficazes: ele descreve a viagem em barcos, mulas e charretes.
  13. 13. Santarém “No século XIX Santarém foi palco de importantes acontecimentos históricos, como a ocupação dos exércitos franceses (1807/8); dois anos depois foi também escolhida como posição estratégico-militar e quartel-general (...). Este último facto levou à migração maciça da sua população, incluindo frades e freiras, para Lisboa e outras paragens.” *Podemos interpretar que o autor pretende fazer o caminho de volta; voltar ao interior.
  14. 14. Tempo O narrador utiliza a técnica do flashback, partindo de um tempo presente, resgatando um tempo passado ( e histórico) e projetando suas expectativas para o futuro. O narrador marca o tempo cronologicamente ( determina os dias, os meses, e o ano daquilo que conta) . No entanto, como a viagem física é intercalada por digressões, só no final do livro é que sabemos que durou 6 dias.
  15. 15. O contexto do enredo Guerra civil portuguesa entre constitucionalistas (representados por D. Pedro I) e absolutistas (representados por D.Miguel I). Quando D. Pedro I volta a Portugal e assume o trono cria-se um período progressista de liberdade, e Garrett escreve o livro para defender o governo. O tempo das Viagens é um tempo histórico de aguda crise de valores, de recuo de conquistas políticas e sociais. O narrador se interessa pelo presente que o rodeia e pelo passado próximo que a ele deu origem.
  16. 16. “Nesse momento Joaninha, que passeava a alguma distância da casa na direção de Lisboa, acudiu sobressaltada brandando: - Avó, avó!... tanta gente que aí vem! soldados e povo... homens e mulheres... tanta gente! Era a retirada de 11 de outubro. - Deus tenha compaixão de nós! - disse a velha. - O que será, padre? - O que há de ser! - respondeu Frei Dinis. - O meu pressentimento que se verifica; o combate foi decisivo, os constitucionais vencem. Com efeito foram aparecendo as tropas que se retiravam, as gentes que fugiam, e todo aquele confuso e doloroso espetáculo de uma retirada em guerra civil...” (capítulo XIX)
  17. 17. Romance Como já foi dito, Garret vai defender o governo e insere no livro uma noveleta “A menina dos rouxinóis”. O Romantismo “exigia” uma história de amor desafortunada para ilustrar o relato... Desse modo, temos o romance entre Carlos e Joaninha.
  18. 18. Viagens…no plural!! Enquanto viaja, também a sua mente vagueia pelo passado, pelo presente e pelo futuro. São estas as outras “Viagens” que o título aponta: um olhar sobre o Portugal de oitocentos, sobre a sociedade nacional, sobre a política corrupta, sobre o desencanto final do liberalismo (http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/grandeslivros)
  19. 19. O pluralismo do substantivo "Viagens“ dá pistas da coexistência de múltiplas viagens: Viagem Geográfica (de Lisboa a Santarém) Viagem ao passado das personagens (segredos ) Viagem à Consciência (reflexões e críticas) Viagem Sentimental (Carlos e Joaninha) Viagem ao passado (história de Portugal)
  20. 20. nacionalismo Identidade com a terra Discurso subjetivo Observe-se a força significativa do pronome “minha” sentimento de posse relação de intimidade
  21. 21. Personagens Carlos representa o espírito renovador e liberal Georgina Joaninha representa o ideal moral da sociedade representa a pureza da vida campestre, limpa da corrupção citadina, impoluta e de mente ingênua D.Francisca representa Portugal e a prudência Frei Dinis representa o absolutismo, conservadorismo, a tradição, os velhos e inquebráveis costumes.
  22. 22. “Espelhos inversos” Carlos (o filho), ao contrário, luta pelos ideais do liberalismo e, depois de descobrir que é filho do frade, foge e se torna barão (materialista). Frei Dinis (o pai) é, inicialmente, materialista. Somente diante do remorso pelo pecado cometido espiritualiza-se, tornando-se um frade austero. Helder Macedo afirma que estes personagens são “espelhos, imagens inversas um do outro”.
  23. 23. “Joaninha (...) é uma criança, e tem mais juízo, mais energia d'alma, mais saúde e mais força do que (...) a maior parte dos homens.” (capítulo XIX ) “os olhos de Joaninha eram verdes... não daquele verde descorado e traidor dos felinos, não não, eram verde-verde, puros e brilhantes como esmeraldas do mais subido quilate.” (capítulo XII) Personifica a graça, a fragilidade, o espírito de sacrifício e o encanto feminino na concepção do autor. Sua função é mostrar a destruição do caráter de Carlos. Sentimental, enlouquece diante das injustiças e crueldades sociais e morre. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  24. 24. Joaninha e a janela “Joaninha era certa em sua janela(...) ambos os exércitos, ali se acostumaram a vê-la com o nascer e o pôr do sol: ali, muda e quedas horas esquecidas, escutava ela o vago cantar dos seus rouxinóis, talvez absorta em mais vagos pensamentos ainda... E dali lhe puseram o nome de "menina dos rouxinóis", pelo qual era conhecida em ambos os campos; significante e poético apelido com que a saudavam os soldados de ambas as bandeiras.” (capítulo XIX)
  25. 25. "Leitor amigo e benévolo, caro leitor meu indulgente, não acuses, não julgues à pressa o meu pobre Carlos." (Cap.XXII) O típico exemplo dos homens fatais, que espalham à sua volta a destruição e o sofrimento; caráter inconstante, não consegue encontrar-se a si próprio nem identificar-se com o seu verdadeiro eu, simbolizado por Joaninha. É um puro coração que a sociedade transformou num céptico, um sentimental arrastado por um coração demasiado grande e sensível que não sabia obedecer à razão ou à vontade. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  26. 26. "Uma bela mulher de estatura não acima da ordinária", "a cabeça com uns laços de preto e cor de granada (…) um rosto oval, clássico, perfeito, sem grande mobilidade de expressão mas belo" (Cap. XXXII) Mulher madura no pensar, de personalidade forte, enérgica e firme. Simboliza o espírito de abnegação, sacrifício e de renúncia.Tanto ela como Joaninha são personagens individuais, que não representam qualquer grupo social. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  27. 27. "católico sincero e frade no coração“ (cap. XV) "o frade mais austero e pregador mais eloquente daquele tempo“ (cap. XVI) "homem de princípios austeros, de crenças rígidas e de uma lógica inflexível e teimosa". (cap. XV) Simboliza as ideias absolutistas, encarna a ideia cristã da penitência. É uma personagem que tem como função na obra criar uma atmosfera de terror, atormentado pelo remorso. (http://martarib.tripod.com/personagens.htm) Antes de ser frade, Dinis foi o culpado pela morte da mãe de Carlos (de quem era amante) e do marido dela, e também pela morte do pai de Joaninha.
  28. 28. Avó paciente, terna, carinhosa e amante dos netos. O seu comportamento quase não sofre alterações do princípio ao fim da novela. Está mais ligada ao passado do que ao presente; só ela conhece o mistério da família e os crimes de Frei Dinis. Desempenha um papel decisivo na cena do reconhecimento. É ela que impede Carlos de assassinar Frei Dinis, revelando-lhe que ele é seu pai. "Filho, meu filho! - arrancou a velha com estertor do peito: - É teu pai, meu filho. Este homem é teu pai, Carlos". (Cap.35) Com a morte da neta (Joaninha) deixará de existir como ser humano, aguardando apenas a morte física.A estagnação das perspectivas da sua vida poderá simbolicamente ser associada com a situação de Portugal ("pátria moribunda"). (http://martarib.tripod.com/personagens.htm)
  29. 29. Desfecho Carlos não aceita o fato de ser filho de Frei Dinis e foge; torna-se barão e deixa Georgina, enquanto Joaninha enlouquece e morre. abandona os ideais para assumir um comportamento adequado aos apelos do mundo: ser barão. Desta perspectiva, é o símbolo do Portugal contemporâneo. (Massaud Moisés) Paralelamente, a viagem até Santarém também termina.
  30. 30. “Mortes simbólicas” “[Carlos]foge, desencadeando um processo que se pode denominar de mortes simbólicas na obra: Carlos morre ao tornar-se barão — morte de ideais, da alma, do amor.” (Abigail dos Santos Fonsêca) “Além da morte de Carlos há também a de Joaninha que morre para a razão ao enlouquecer; Georgina morre para a vida ao converter-se ao Catolicismo pois não aceitava ser de outro homem que não fosse Carlos; D. Francisca (que já estava semimorta), também louca, morre para o mundo, está apenas à espera da “dissolução do corpo”, assim como Frei Dinis que aguarda o momento em que Deus o leve.” (Abigail dos Santos Fonsêca)
  31. 31. Assista no Análise da obra em estudo. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=YFLeRzsKSok
  32. 32. Assista no Série Grandes Livros RTP Viagens da minha terra (apresentação) 50 minutos Episódio 10 2009. http://www.youtube.com/watch?v=ho2ZqiVUCss&feature=related
  33. 33. Relevância no movimento literário “Instrumento para reflexão do seu autor, Viagens na minha terra, não só moderniza a prosa portuguesa, extirpando-lhe os vícios retóricos de grandiloqüência, como também traz em seu bojo a marca de uma lúcida consciência dos problemas que afligem seu país.” (Massaud Moisés,p.40) “As Viagens(...) são o ponto de arranque da moderna prosa literária portuguesa: pela mistura de estilos e de géneros, pelo cruzamento de uma linguagem ora clássica ora popular, ora jornalística ora dramática, ressaltando a vivacidade de expressões e imagens, pelo tom oralizante do narrador, Garrett libertou o discurso da pesada tradição clássica, antecipando o melhor que a este nível havia de realizar Eça de Queirós.” A obra gera a referência histórica para o início de “A cidade e as serras”, de Eça de Queirós
  34. 34. “Ficam-nos estas “Viagens” que, fisicamente, foi breve (Lisboa – Santarém; Santarém – Lisboa), mas que atravessou toda a alma de um país que ainda se descobre entrelinhas.” (– Episódio X– Série Grandes Livros, Viagens na minha terra – Almeida Garrett)
  35. 35. Fontes GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 3° edição. Lisboa: Sá da Costa, 1974. MOISÉS, Massaud (dir.). A literatura portuguesa em perspectiva: Romantismo e Realismo. vol. 3. São Paulo: Atlas, 1994, p. 39. FONTES, Isabel. Disponível em http://www.mundovestibular.com.br/articles/4367/1/VIAGENS-NA-MINHA-TERRA---Almeida Garret-Resumo/Paacutegina1.html BERLIM, Paulo Roberto Borges. O tempo no romance: um recorte da Joaninha dos olhos verde disponível em: www.letras.ufpr.br/documentos/graduacao/monografias/ss_2008/paulo_roberto_borges_berlim.pdf • http://pt.shvoong.com/books/1942732-an%C3%A1lise-livro-viagens-na-minha/#ixzz1oegoWT4k • http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/02/24/913540/estude-os-livros-obrigatorios-da-fuvest-e-unicamp2013-viagens-na-minha-terra-almeida-garret.html • http://alpendredalua.blogspot.com/2011/12/notacoes-os-pobres-i-de-almeida-garrett.html • http://martarib.tripod.com/biografia.htm • http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/grandeslivros/?k=Viagens-na-Minha-Terra.rtp&post=11408 http://www.lithis.net/25 • http://nelsonsouzza.blogspot.com/2010/08/este-inferno-de-amar-almeida-garrett.html • http://www.notapositiva.com/trab_estudantes/trab_estudantes/portugues/portugues_trabalhos/fichaleituraalmeidagarrett.htm • http://martarib.tripod.com/personagens.htm • http://www.artigos.com/artigos/humanas/artes-e-literatura/simbolos-e-imagens-em-viagens-na-minha-terra-2473/artigo/ Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria Licenciada em Letras – Unisantos Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

×