Apostila suinocultura

22,911 views

Published on

Apostila suinocultura

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS DEPARTAMENTO DE AGROECOLOGIA E AGROPECUÁRIA CONSTRUÇÕES RURAIS - Prof. Cláudio Silva Soares Instalações para a criação de suínosPlanejamento para implantação da suinocultura Para se escolher o melhor tipo de instalação, devemos levar em conta alguns fatores, dos quaispodemos destacar: - número de animais a serem criados; - valor do investimento; - disponibilidade de recursos financeiros; - tipo de criação a ser implantada; - facilidade operacional. O objetivo de todo criador deve ser, sempre, ter uma criação organizada, com toda a higiene,qualidade dos produtos, com alta produtividade e com a maior produção possível. As instalações devem atuar no sentido de: - Amenizar as adversidades climáticas inerentes ao meio ambiente, oferecendo maior confortoaos animais e ao operador, em todas as fases da exploração; - Otimizar a mão-de-obra, tornando os trabalhos agrícolas menos árduos, com economia detempo a espaço; - Aumentar a renda da propriedade agrícola por meio da maior produção de homens e animais,bem como permitir a estocagem de alimentos abundantes na estação das águas. Os porcos, ao contrário do que se diz, são animais extremamente limpos e uma criação racionaldeve passar longe do que chamamos de "chiqueiro". A limpeza das instalações deve ser feitadiariamente, retirando-se todos os dejetos, através de uma lavagem bem feita, quando os porcos vãopara outro recinto ou para o pasto. Outro cuidado a ser observado é o espaço no comedouro, quedeve ser suficiente para que os animais não se "apertem" demais, o que pode causar ferimentos ouproblemas de má alimentação em alguns porcos.Conforto Térmico. Estamos cada vez mais nos preocupando com o material genético que usamos na nossa granja.Qual o mais produtivo? Preocupamo-nos com a qualidade das matérias-primas, que utilizamos nasnossas rações, corremos atrás diariamente das margens e custos de produção, mas estamos nosesquecendo do ambiente que oferecemos aos nossos animais, esquecemo-nos do confortoambiental. O conforto térmico, servirá pelo menos para ilustrar e alertar o desconforto com o calor,em função da região centro-oeste brasileiro para onde vem migrando a suinocultura brasileira dosestados do sul, para o Brasil Central, e os erros que tem sido cometidos com algumas granjas,extremamente fechadas, paredes muito altas, pé direito muito baixos, coberturas de amianto, oualumínio, com ventilação deficiente, e as vezes o plantio de cercas vivas muito próximas dosbarracões. Devemos considerar que, com temperaturas acima de 28º já estamos entrando no nível de stresscalórico, andamos no fio da navalha para nos depararmos com problemas no plantel, como: Reprodutores: Morte súbita, falta de libido, baixa qualidade de sêmen, infertilidade. Matrizes Gestantes: Inicio de gestação, poderão apresentar repetição de cio, anestro, reabsorçãoembrionária, abortos. Média gestação (40 a 80 dias) poderão abortar. Final da gestação (81 a 114dias) teremos inapetência, abortos, morte súbita, baixo número de leitões nascidos. Matrizes Lactantes: Partos demorados e maior número de natimortos. Apresentam uma quedano consumo de ração de mais de 30%, afetando diretamente a produção de leite, a qualidade dosleitões, na maternidade e desmamados. Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  2. 2. 2 Leitões na Creche: Em ambientes de creche com temperaturas acima de 30º observamos comalguma regularidade uma queda no consumo de ração de mais de 25% e seguramente o desempenhotambém fica seriamente comprometido. Recria e Terminação: Nestes barracões, com temperaturas acima de 28º observamos tambémqueda no consumo de ração, baixo desempenho, canibalismo, e mortes súbitas. Sabemos que os suínos são animais de sangue quente, e um animal irradia no ambiente 1 wattpor quilo de peso vivo; isto representa em uma granja de 100 matrizes onde temos por volta de 600cevados no barracão de terminação com um peso médio de 66,6 kg = 39.960 kg de suínos que seriaigual a 400 lâmpadas de 100 watts acesas neste ambiente. Limites de temperatura máxima para o Brasil central dentro de uma pocilga. Gestação: 20º a 22º Cobrição e áreas p/ reprodutores 18º a 20º Maternidade Matriz 20º a 22º Leitões 1ª semana 30º a 32º 2ª semana 28º a 30º 3ª semana 26º a 28º Creche 1ª semana 28º 2ª semana 25º 3ª semana 22º Terminação 22ºRecomendações para amenizarmos o problema de stress calórico.↪ Barracões no sentido leste-oeste no seu maior comprimento.↪ Cercas vivas à pelo menos 70m dos barracões.↪ Construções bem arejadas, com pé direito de +3,5m. Telha de barro ou de papel betuminado.↪ Paredes o mais baixo possível e usar grades ou paredes vazadas, internamente, para melhorar aventilação.↪ Beiral mais largo: 1,2 a 1,5m.↪ Usar lanternins ou ventiladores em larguras > 8m.↪ Espaço entre barracões: 2 vezes a largura.↪ Gramado entre barracões.↪ Pinturas com cores neutras, como um beje, marrom claro, ou creme.↪ Pintar os telhados (externamente) de branco e instalar aspersores. Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  3. 3. 3↪ Bicos nebulizadores, principalmente na reprodução e gestação.↪ Instalar aspersores no teto para molhar os telhados e diminuir a temperatura interna.Sistemas de criaçãoa) Extensivo: os animais são criados à solta, basicamente sem práticas de higiene ou uso deinstalações. A alimentação é simples (apenas milho, por exemplo).b) Semi - intensivo: já existe um certo controle de alimentação e higiene. Existem instalaçõesprincipalmente para as fêmeas durante a fase de gestação e amamentação. As instalações sãoligadas a piquetes gramados.c) Intensivo: os animais são mantidos em confinamento, porém em algumas fases da vida podem teracesso a piquetes com gramíneas e leguminosas. Recebem ração balanceada, práticas sanitárias einstalações apropriadas. Há também, neste sistema, a possibilidade de controle da ventilação, datemperatura e da umidade do ar.InstalaçõesOs componentes necessários para implantação de uma atividade criatória são apresentados a seguir:a) setor de produção (galpões para os animais)↪ Setor de reprodução (pré-cobricão e cobrição) As fêmeas já podem ser selecionadas para reprodução logo ao nascimento, caso apresentem pesocorporal maior ou igual a 1,4 kg. Depois, podem ser separadas pelas suas tetas em quantidade (número > 14 tetas) e em qualidade(ausência de tetas invertidas). Além destas, outras características podem ser usadas para oagrupamento do plantel de fêmeas reprodutoras, as quais já apresentam o primeiro cio no 5° mês devida a estão aptas para reprodução com aproximadamente 7 meses de idade, quando apresentampeso corporal de 100 a 110 kg. Então, são encaminhadas ao setor de reprodução, onde são cobertasa permanecem até a confirmação da prenhez. Podem serem também adquiridas de empresasespecializadas.↪ Gestação Baias coletivas ou gaiolas individuais onde permanecem até uma semana antes do parto, sendoque a gestação dura aproximadamente 114 dias (3 meses, 3 semanas e 3 dias).↪ Maternidade (cria) Uma semana antes do parto são levadas para a maternidade (gaiolas individuais com abrigo paraproteção dos leitões) onde permanecem até terminar a fase de aleitamento. A desmama ocorre,normalmente, quando os leitões atingem entre 21 e 28 dias de idade, sendo os leitões encaminhadospara a creche e as porcas retornam para o setor de reprodução. No caso da maternidade, o controle das condições ambientais é mais complexo que nas demaisinstalações, já que o projeto deve atender a microambientes específicos para as matrizes e para osleitões, além de protegê-los contra possível esmagamento. Para evitar o esmagamento, normalmentesão projetadas gaiolas, com proteções e delimitações de áreas destinadas aos leitões, chamadasescamoteadores, que possibilitam poucos movimentos à fêmea. Para o conforto térmico dos leitões,mantém-se um abrigo, vedado e aquecido por meio de lâmpadas ou resistências elétricas,procurando manter no seu interior a temperatura em torno de 30 oC, enquanto que na maternidadenão deveria ultrapassar a 25 oC .↪ Creche (recria) Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  4. 4. 4 Projetada para abrigar os leitões após o desmame até atingirem 25 kg de peso corporal (o queocorre por volta de 65 dias de idade). A instalação pode possuir gaiolas para 10 leitões ou baias paragrupos de 20 leitões.↪ Crescimento ou Terminação. Utilizadas para animais com 25 a 60 kg de peso corporal (65 a 110 dias de idade,aproximadamente), criados em baias coletivas do setor de crescimento; e de 60 a aproximadamente100 kg (peso de abate), também em baias coletivas.b) setor de preparo de alimentos: armazéns ou silos, fábricas de ração, paiol, etc.c) setor administrativo: escritório, almoxarifado, controle (portão de entrada).d) setor sanitário: fossa, crematório (animais mortos), pedilúvio para desinfecção dos pés naentrada, rodolúvio para desinfecção dos pneus dos veículos, lança-chamas. O rodolúvio consiste deum tanque raso, de piso concretado a comprimento necessário para que todas as rodas, durante umpequeno trajeto, fiquem inteiramente banhadas. Figura da construção do rodolúvioe) setor residencial: casa sede, casas de empregados.t) setor de apoio: galpão-oficina.g) setor externo: posto de vendas, abatedouros, cooperativas. As instalações devem ser a mais adequadas a fim de viabilizar o manejo dos dejetos. Isto inclui:canaletas de condução dos dejetos bem dimensionadas e protegidas contra a entrada de água daschuvas ou outras; drenagem do terreno, fazendo com que as águas de escorrimento não atinjam asinstalações de armazenamento e tratamento de dejetos; as instalações devem ser dimensionadasrespeitando os princípios de conforto animal. Com isto, os animais ficarão menos estressados,havendo uma otimização do uso da água e da ração.Outras considerações O conhecimento das necessidades ambientais dos animais e o estudo das condições climáticas daregião em que será implantado o sistema são fundamentais na definição das técnicas e dispositivosde construções que maximizem o conforto dos animais. As construções destinadas aos animais deverão estar afastadas do trânsito de veículos, emterreno alto, seco, com declividade adequada de forma a permitir suprimento adequado de água,bom escoamento a acesso fácil. Isto se faz necessário para que sejam evitados problemas deumidade. Um ponto importante referente às instalações é a proteção do sistema (conjunto de construções)contra a propagação de doenças, bem como o isolamento do mesmo com relação a outras Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  5. 5. 5explorações localizadas nas proximidades. Assim, normalmente adota-se um cordão sanitário com oobjetivo de proteger toda a zona de produção, separando-a da zona externa. O cordão sanitário podeser obtido por meio de uma cerca metálica de aproximadamente 2m de altura, sobre mureta dealvenaria de 30 cm de altura. Isto evita a entrada de pequenos animais como cães, gatos, galinhas,etc., que podem atuar como vetores de diversas doenças.Quadro 01 – Índices zootécnicos de granjas tecnificadas, 1995. A seguir serão dados exemplos de dimensionamentos, indicações de técnicas construtivas e demateriais de construção referentes às instalações para cada fase de produção dos suínos.Considere um rebanho composto por 100 porcas em produção, 15 leitoas de reposição, 5 porcas aserem substituídas e 6 cachaços, totalizando 126 animais no plantel de reprodução.I. Unidade de Pré-cobrição e cobrição (Setor de Reprodução):- n° de fêmeas = 100 porcas em produção;- nº ciclos porca/ano = com um bom manejo é possível se obter uma média de 2,3 a 2,5 gestaçõespor fêmea por ano;- período de uso da baia = 2 semanas da desmama até a cobrição + 4 semanas da cobrição até aconfirmação da prenhez. TOTAL de 6 semanas.- n° fêmeas/baia = recomenda-se de 4 a 6 fêmeas por baia; e- n° de semanas do ano = 52.b) Área de cada baia = 2,5 m2/porca; para 5 porcas = 12,5 m2.c) Comprimento = (0,5 a 0,6 m de comedouro/porca x 6 porcas) + 0,7 m de portão = 3,7 m.d) Largura = 12,5 m2/3,7m = 3,37 m (contando espaço para o comedouro).É comum prever o espaço para os machos próximo das fêmeas, pois isto estimula nas fêmeas oaparecimento e exteriorização mais rápida do cio, facilitando detectar e acelerando o processo decobrição.Nº de machos = 1 para cada 20 a 25 fêmeas = 4 machos. Área necessária = 6 m2/ macho.Detalhes de uma construção para a fase de reprodução:Característica da instalação: galpão aberto contendo baias para as fêmeas reprodutoras em frente ouao lado das baias para os machos (cachaços). Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  6. 6. 6Fundação: direta descontínua (sapatas) sob os pilares e direta contínua rasa (alicerce corrido) sob asalvenarias, ambas em concreto simples 1:3:5 (cimento: areia :brita).Piso: 6 a 8 em de espessura em concreto simples 1:3:5 com revestimento ou não de argamassa 1:3ou 1:4 (areia média a fina). O piso áspero danifica o casco do animal e o piso muito liso é muitoescorregadio.Divisórias: as externas podem ter 1,0m de altura em alvenaria de ½ tijolo cerâmico furado ou embloco de concreto, revestimento com argamassa (podendo ser natado). As internas (entre uma baia eoutra) podem ser confeccionadas em alvenaria com menor espessura ( ¼ tijolo) ou com postes deconcreto armado onde são encaixadas placas de concreto pré-fabricadas ou cordoalhas de aço.Pilares: 15 a 20cm (seção quadrada) ou 15 a 20 cm de diâmetro em madeira ou concreto armado(1:2:4). Esquema em planta baixa do prédio de pré-cobrição e cobrição.Pé-direito: 3,0 a 4,0m para cobertura com telhas de cimento amianto e 2,5 a 3,5 m para telhas debarro, dependendo da largura.Estrutura do telhado: tesouras ou pórticos (madeira, metal, ou concreto armado).Beiral: 1,0 a 1, 5m dependendo do pé-direito.Declividade: 2% a partir do corredor central em direção as laterais no sentido da largura e 1% nosentido do comprimento (fosso).Coleta dos Dejetos; fosso dotado de grelha na parte mais baixa da baia.Comedouros: podem ser de concreto simples com os cantos arredondados com o uso de argamassadeixando a superfície interna lisa (largura de 0,50m e altura na frente de 0,20m).Bebedouro: tipo concha ou chupeta (um por baía). Esquema em corte do prédio de pré-cobrição e cobrição. Detalhe do comedouro. Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  7. 7. 7II. Unidade de Gestação- período de uso da baia => da confirmação da prenhez até uma semana antes do parto = 12semanas;- n° fêmeas/baia = recomenda-se utilizar baias coletivas para 4 a 6 fêmeas com área de 2,5 m2 porcabeça, ou gaiolas individuais de 2,2 x 0,6 x 1,1 m (comp.x larg.x alt.).b) Área de cada baia = 2, 5 m2 x 5 porcas = 12, 5 m2;c) Comprimento = (comedouro + 0,7 m (portão) = 3,7 m;d) Largura = 12,5/3,7 = 3,37m.A construção pode seguir os mesmos padrões adotados para a unidade de reprodução.e) Número de Gaiolas Individuais Gaiolas individuais de gestação Esquema em planta baixa de um prédio com gaiolas individuais de gestação. Baias coletivas para porcas em gestação. Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  8. 8. 8 Planta baixa com baias coletivas para animais em crescimento e porcas em gestação.III. Maternidade Nesta unidade, as porcas permanecem desde uma semana antes do parto até terminar a fase dealeitamento. O local que abriga os leitões não deve ter umidade, nem calor ou frio em excesso. Osleitões devem estar protegidos contra o esmagamento, estar sob uma fonte de calor e recebendoágua de forma continua. Esta fase pode ser conduzida em baias convencionais (2,5x2,5 m) feitas dealvenaria, piso de concreto, dotadas de escamoteador para abrigar os leitões e de proteção contraesmagamento, feita de madeira ou metal (barra ou tubo) a 25 cm do piso e a 25 cm da parede,popularmente conhecida como “banca”. Entretanto normalmente os criadores preferem as gaiolasde parição, pela proteção proporcionada aos leitões.período de uso - varia de 5 a 6 semanas (1 semana antes do parto + idade de desmama + 1 semanalimpeza e desinfecção); Gaiolas de maternidade.IV. Creche ou unidade de crescimento inicialOs leitões permanecem desde a desmama, com peso corporal de aproximadamente 5 kg, atéatingirem peso corporal próximo de 25 kg (65 dias de idade).Consta de baias que abrigam na faixa de 20 leitões cada (2 leitegadas), as quais têm o piso total ouparcialmente ripado com fendas de 1 cm de largura. A área disponível deve ser de 0,25 a 0,32 m2por cabeça. Podem ser usadas também gaiolas elevadas (de metal) que abrigam 1 leitegada cada.Em qualquer dos casos deve haver sempre o comedouro (0,20 m de comprimento para cada 3animais) e o bebedouro tipo chupeta (1 para cada 10 leitões) a altura de 20 a 25 cm a partir do piso.É importante locar o bebedouro no lado oposto ao comedouro a em cima do fosso ripado parafacilitar o escoamento da água. Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  9. 9. 9- número de leitões desmamados = 10 (média);- período de uso = varia de 7 a 9 semanas (uma semana para limpeza e desinfecção)b) Área da baia = 0,27 m2/leitões x 20 leitões = 5,4 m2c) Comprimento da baia = 0,20m de comedouro/3 leitões = = 1,33 m de comedouro/20 leitões +0,7m (portão) = 2,0 md) Largura da baia = 5,4 m2/2,0 m = 2,7 mAs baias de crescimento inicial podem estar em um galpão semelhante aos descritos anteriormente,porém possuindo sistemas de fechamento (janelas ou cortinas) e sistemas de aquecimento. Asdivisórias entre baias podem ser do tipo ripado de madeira, de alvenaria em cutelo ou gradeado pré-fabricado de concreto. Sempre é necessário pontos de água para lavagens. Creche utilizando baias e alimentação automática.V. Unidades de crescimento e acabamentoPodem ser considerados dois métodos de condução destas fases: com mudança de baia, recria emum galpão alojando animais com 25 a 60 kg de peso corporal e terminação em outro galpão paraanimais de 60 a 100 kg de peso corporal; e a recria e terminação em baia única (25 a 100 kg depeso).Período de uso:- Com mudança de baia: crescimento = 7 semanas acabamento = 7 semanas- Sem mudança de baia: crescimento + acabamento = 14 semanasNúmero de leitões por baia = 20a) 100 x 2,4 x 10 x 7 = 16 baias (crescimento) 20 x 52A área disponível por animal nas baias de crescimento, para o sistema de mudança de baia, deve serde 0,50 m2, se o piso for totalmente ripado, 0,65 m2 se for parcialmente ripado a 0,75 m2 se fortotalmente compacto. Logo, para a opção de fosso de dejetos sob o piso (parcialmente ripado), tem-se:b) Área da baia = 0,65 m2/cabeça x 20 leitões = 13 m2c) Comprimento da baia = 2,0 m de comedouro/baia + 0,70 (portão) + 0,3 (folga) = 3 m.d) Largura da baia = 13 m2/3,0 m = 4,33 m Prof. Cláudio Silva Soares 2011
  10. 10. 10 A área disponível por animal nas baias de acabamento, para o sistema de mudança de baia, deveser de 0,85 m2 se for parcialmente ripado a 1,00 m2 se for totalmente compacto.A área disponível por animal nas baias de crescimento e acabamento, para o sistema sem mudançade baia, deve ser de 0,70 m2, se o piso for totalmente ripado, 0,80 m2 se for parcialmente ripado a1,00 m2 se for totalmente compacto. Logo, o dimensionamento pode ser feito da mesma formaanterior. As divisórias das baias podem ser feitas de madeira ou alvenaria até a altura de 90 cm e o galpãoque contém as baias pode ser totalmente aberto e ter cortinas para fechamento para proteção contrachuva. Pode ter também sistema de ventilação mecânica (ventiladores ou exaustores) para atenuar oproblema da grande formação de gases a calor que normalmente ocorre nestas instalações, devidoao grande número de animais e volume de dejetos. Com aproximadamente cinco meses de idade,100 a 110 kg de peso vivo, as fêmeas já estão aptas para a reprodução, quando então sãoselecionadas pelas suas boas características, como por exemplo, número a qualidade de tetas, aseguem para a unidade de reprodução. Nessa mesma idade a peso, os machos também sãoselecionados para reprodução ou são abatidos. Sistema tradicional de baias de crescimento.V. Manejo dos dejetos Dependendo da idade, o suíno pode produzir de 1,1 a 18,8 kg de dejetos por dia. Para os sistemasde confinamento, nos quais os animais não dispõem de piquetes para distribuir suas dejeções, elaspodem ser reaproveitadas como fertilizante, alimento para peixes ou podem passar por processo dedegradação biológica. A opção mais econômica para a disposição dos dejetos da granja de suínos é a utilização de umdepósito para retenção da parte sólida dos dejetos, provido de sistema de drenagem para a partelíquida, a qual pode ser conduzida para a lagoa de criação de peixes.Bibliografia consultadaATHANASSOF, N. Manual do criador de suínos, 3a ed. Melhoramentos. 1944.CARNEIRO, O. Construções rurais. Nobel. São Paulo, 1982, 719 p.EMBRATER. Manual técnico - suinocultura. Brasília, 1981, 196 p.INFORME AGROPECUÁRIO, Belo Horizonte, 5(49) jan. 1979.PERDOMO, C.C. Instalações para suinocultura. In: [NACIONAL DE TECNICOS,PEREIRA, M.F. Construções rurais. Nobel. 2a ed. Campinas, Instituto Campineiro de Ensino Agrícola, 1986.PESQUISADORES E EDUCADORES DE CONSTRUÇOES RURAIS] 1996, Campinas, SP: SBEA Anais...Campinas, SP, 1996. p. 49-64.ROPPA, L. A suinocultura em números. Suinocultura Industrial, Porto Feliz, SP, v. 10, n. 120, 1996. p. 24-34.SARTOR, V.; SOUZA, C.F.; TINOCO, I.F.F.. Informações básicas para projetos de construções rurais: instalações parasuínos. Apostila. Prof. Cláudio Silva Soares 2011

×