Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

AnáLise Critica

307 views

Published on

Published in: Education, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

AnáLise Critica

  1. 1. MODELO DE AUTO- AVALIAÇÃO. PROBLEMÁTICAS E CONCEITOS IMPLICADOS (Sessão nº 3)
  2. 2. ANÁLISE CRÍTICA AO MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES O MODELO ENQUANTO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO E DE MELHORIA. CONCEITOS IMPLICADOS. O Modelo de Auto-Avaliação enquanto instrumento pedagógico e de melhoria foi concebido para aferir a eficácia das Bibliotecas Escolares relativamente aos serviços que presta. Este modelo visa avaliar o impacto do trabalho desenvolvido e o seu papel no funcionamento global da escola, nomeadamente no processo de ensino/aprendizagem e qual a sua contribuição para o sucesso dos alunos. Trata- se de um instrumento pedagógico que permite identificar os pontos fortes, as necessidades e os pontos fracos com vista a melhora-los. Segundo Markless & Streffield (2006) “o Modelo de Auto-Avaliação perspectiva práticas de pesquisa- acção que estabelecem a relação entre os processos e o impacto ou valor que originam. Durante este processo:  Identifica-se um problema;  Recolhem-se evidências;  Avaliam-se e Interpretam-se as evidências recolhidas;  Procura-se extrair conhecimento que oriente futuras acções e que planeie caminhos. Centra-se a pesquisa, mais uma vez, no impacto e não nos inputs”. PERTINÊNCIA DA EXISTÊNCIA DE UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA AS BIBLIOTECAS ESCOLARES. A biblioteca escolar no contexto da escola/agrupamento tem por missão contribuir de forma inequívoca no processo de ensino/aprendizagem. É neste contexto que a existência e a aplicação do modelo de Auto-Avaliação se revela pertinente, através de um processo sistemático de avaliação do trabalho que se está a concretizar, tendo por principal objectivo o sucesso escolar dos alunos e fomentar a aprendizagem ao longo da vida. Neste sentido, é necessário que a escola reconheça a importância “que as actividades realizadas pela e com a Biblioteca Escolar vão tendo no processo de ensino e na aprendizagem, bem como o grau
  3. 3. de eficiência dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE”. O modelo permite determinar até que ponto a missão e os objectivos estabelecidos para a BE estão ou não a ser alcançados, permite identificar práticas com sucesso e que deverão continuar a ser implementadas e também identificar pontos fracos que importa melhorar. (Modelo de Auto-Avaliação (2008) Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares p.1) ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL E FUNCIONAL. ADEQUAÇÃO E CONSTRANGIMENTOS. “O modelo indica o caminho, a metodologia, a operacionalização. A obtenção da melhoria contínua da qualidade exige que a organização esteja preparada para a aprendizagem contínua. Pressupõe a motivação individual dos seus membros e a liderança forte do professor coordenador, que tem de mobilizar a escola para a necessidade e implementação do processo avaliativo” (texto da sessão, p.7). O processo está a dar os primeiros passos, é necessário implementa-lo de forma exequível. Os procedimentos devem ser formalizados de forma a criar rotinas de funcionamento, permitindo que de uma forma natural se recolham evidências que possibilitem identificar os factores críticos sobre a qualidade da BE. É necessário apontar caminhos de melhoria e acções a implementar de acordo com a realidade. INTEGRAÇÃO/ APLICAÇÃO À REALIDADE DA ESCOLA. “As Bibliotecas Escolares podem contribuir positivamente para o ensino e a aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a Biblioteca Escolar e os resultados escolares dos alunos. É neste contexto que surge a presente proposta para a auto-avaliação das bibliotecas escolares integradas na RBE”. Modelo de Auto-Avaliação (2008) Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares p.1) É importante materializar a forma como o trabalho na biblioteca escolar se está a desenvolver e que cada escola conheça/reconheça o impacto que as actividades realizadas pela e com a Biblioteca Escolar vão tendo no processo
  4. 4. ensino/aprendizagem, assim como a eficácia dos serviços prestados e o nível de satisfação dos utilizadores da BE. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO E ESTRATÉGIAS IMPLICADAS NA SUA APLICAÇÃO. Professor bibliotecário da escola tem por missão trabalhar em colaboração com os membros da comunidade educativa, definir políticas, orientar e dirigir todas as actividades relacionadas à biblioteca. O professor bibliotecário deve evidenciar competências de líder, deve ser comunicativo e saber exercer influência junto dos professores e da direcção; desenvolver estratégias de gestão e integração; articular e trabalhar com a equipa, com a escola, professores e alunos; ser pró-activo, colaborando com o currículo e com os objectivos da escola; formativo, interventivo, integrador e entendido das novas tecnologias; ter uma postura de investigação e de aprendizagem contínuas, enfrentando os desafios estabelecendo e gerindo prioridades, contribuindo para o desenvolvimento das aprendizagens. Segundo Power (1998), em primeiro lugar, o professor bibliotecário de hoje, na escola, é um professor, principalmente da literacia da informação. O professor bibliotecário colabora com os alunos e outros membros da comunidade escolar para analisar a aprendizagem e as necessidades de informação, bem como localizar e utilizar os recursos que atendam a essas necessidades. Novembro de 2009 A formanda Claudina Pires

×