Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Uma prenda de natal

763 views

Published on

  • Be the first to comment

Uma prenda de natal

  1. 1. Uma prenda de Natal UmaM. Christina Butler Ilustrado por Tina Macnaughton
  2. 2. O vento geladoacordou o PequenoOuriço-Cacheiro doseu profundo sonode Inverno.À sua volta, asfolhas esvoaçavampelo ar e um imensomanto de nevecobria a clareira.Cheia de frio, tentouadormecernovamente, mas emvão.Subitamente, algocaiu do céu…
  3. 3. … e aterrou mesmo à sua frente.Era uma linda prenda! E tinha o seu nome escrito naetiqueta!
  4. 4. O pequeno Ouriço-Cacheiro abriucom entusiasmo oembrulho.Que surpresa! Umlindo gorro de lãvermelho… mesmodo seu tamanho!
  5. 5. Enfiou-o logo na cabeça.Puxou-o para trás.Puxou-o para a frente.Puxou-o para um lado, edepois, para o outro…
  6. 6. Que estranho! O pompom ficava sempre virado para o ladoerrado. Talvez, o gorro fosse demasiado grande para umouriço-cacheiro ainda tão pequenino.Tirou-o e decidiu guardá-lo.Até que teve uma brilhante ideia…
  7. 7. Embrulhou novamente o gorro e fez um bonito laço.Rasgou uma parte da etiqueta e escreveu na outra umaspalavras misteriosas.
  8. 8. De seguida, dirigiu-se a casa do seuamigo Coelhinho.Como ele não estava, deixou a prenda àfrente da sua porta.
  9. 9. Um forte nevão começou acair.O Pequeno Ouriço-Cacheirotentou encontrar o caminhode regresso à sua casa.Os flocos de neve caíamcada vez mais. Perdido, jánão sabia por onde ir.– Oh, meu Deus! Eu nãodevia ter saído com estetempo tão frio! – murmurou.– Mas, tenho a certeza que omeu amigo Coelhinho vaificar muito feliz com o lindogorro de lã que lhe ofereci.
  10. 10. – Que mau tempo!– resmungou oCoelhinho deregresso a casa.Viu a prendapousada na soleirada porta e ficouradiante.– O que será! –exclamou. Abriu oembrulho e gritou:– Um gorro de lã!Para MIM!
  11. 11. Entusiasmado, experimentou-o.Primeiro, com as orelhas dentro e depois com elas de fora.Puxou-o para um lado, para o outro…De todas as maneiras, as suas grandes orelhas ficavamsempre MAL!
  12. 12. O gorro estavaagora muito maior.Tornara-sedemasiado grandepara um coelho tãopequeno.Por isso…
  13. 13. … o Coelhinho voltou aembrulhar o gorro e escreveualgo no canto da etiqueta.Depois, saiu e dirigiu-se acasa do seu amigo Texugo.Com o frio, este ficava muitoresmungão.– Feliz Natal, amigo! –exclamou o Coelhinho,alegremente.– Quem está aí! – perguntou,intrigado, o Texugo.– Feliz Natal! – repetiu oCoelhinho. E, com carinho,entregou o misteriosoembrulho ao seu amigo.
  14. 14. – Uma prenda de Natal?– exclamou o Texugo,muito admirado.– Para MIM?
  15. 15. Feliz, o texugo colocou o gorro nacabeça, mas as suas orelhas ficaramcompletamente tapadas.– Que tal? Fica-me BEM? – perguntou,olhando-se ao espelho.– Muito bem! – respondeu o seu amigo.– Como? Que disseste? – perguntou oTexugo.– Muito bem! – gritou o Coelhinho,saindo aos saltos.
  16. 16. – Não gostas dele?– perguntou oTexugo, voltando-separa trás.Contudo, oCoelhinho já tinhapartido.– Este gorro não meserve! – disse ele,tirando-o.– Não consigo ouvirnada. Que pena!Tem uma cor tãobonita!
  17. 17. O texugo tornoua embrulhar ogorro, sem sepreocupar com aetiqueta.Dirigiu-se a casada sua amigaRaposa.
  18. 18. A Raposa estava a sair para o seupasseio habitual.– Que bom, estás aqui! – disse oTexugo. – Tenho uma prenda deNatal para ti.
  19. 19. – Uma prenda de Natal? – perguntou aRaposa, intrigada.– Sim, de Natal! – confirmou o Texugo.– É uma época muito especial que noslembra que devemos ser todos amigos!– respondeu afastando-se.
  20. 20. – Um gorro? –exclamou a Raposa,sorrindo.– Para que preciso eude um gorro?Pensativa, observou-ode novo.
  21. 21. Fez dois buracospara as suasorelhas e enfiou-o.Feliz, prosseguiu oseu caminho.
  22. 22. As planícies esbranquiçadasbrilhavam sob a luz do luar.
  23. 23. A Raposa farejava à sua volta, quando de repente,descobriu um pequeno trilho. Seguiu-o por um lado,depois por outro…De súbito, parou.Alguma coisa estava debaixo da neve!
  24. 24. A Raposa começou a escavar, aescavar… até que encontrou umpequeno ouriço-cacheiro.
  25. 25. Ele estava gelado enão se mexia.– Pobrezinho! –exclamou a Raposa.Colocou opequenino dentrodo gorro de lã elevou-o, comcuidado, até à casado Coelhinho.
  26. 26. Ele e o seu amigo Texugoestavam a lanchar.– Vejam o que eu encontrei naneve! – exclamou a Raposa.Ambos espreitaram para dentrodo gorro.
  27. 27. – Um ouriço-cacheiro? Como épossível teresencontrado umouriço-cacheirocom este frio? –perguntou oTexugo. – Ele temde ser reanimadoimediatamente!
  28. 28. – É o meu amigo, oPequeno Ouriço-Cacheiro! – gritou ocoelhinho. – talvez setenha perdido quandotentava regressar acasa!O Pequeno Ouriço-Cacheiro abriu osolhos.– Olá! – balbuciou,sonolento. – Quebom! Este cobertor étão quentinho!
  29. 29. Os amigos olharam unspara os outros.O Coelhinho riu-se e araposa abanou a cabeça.
  30. 30. – Hummm! – disse oTexugo. – Penso que estegorro de lã é mesmoperfeito para o nossoPequeno Ouriço-Cacheiro!
  31. 31. – Feliz Natal, amigo! – gritaram todos…mas o Pequeno Ouriço-Cacheiro, feliz, jácaíra num profundo sono.

×