Linhas de crédito paraAgricultura deBaixoCarbono
Banco do Brasil e o Agronegócio no MS  82,3% do Crédito Rural e Agroindustrial; no Brasil: 64,9%  R$ 2,29 bilhões aplica...
O PROGRAMA ABCno Banco do BrasilBreve Histórico
Lei 12.187 e                                   Decreto 7.390 (PNMC)                   Planos Setoriais de Mitigação e Adap...
O Programa ABC (2010) •   Programa lançado na safra 2010/2011 •   Dotação do Programa: R$ 2 bilhões •   Fonte de Recursos:...
Problemas / Dificuldades Identificados •   Desconhecimento da existência da linha de crédito por     parte dos produtores ...
Problemas / Dificuldades Identificados    (continuação) •   Mudança de paradigma: ao contrário das linhas comuns     do cr...
Ações do BBInternas:• Treinamento, divulgação e reuniões de sensibilização;• Divulgação de informações técnicas, perguntas...
Ações BBExternas:• Treinamento da Assistência Técnica;• Participação em eventos de divulgação em todo o  Estado;• Articula...
PROGRAMA ABCCondições Negociais
Finalidades Investimentos destinados a: •   recuperação de áreas e pastagens degradadas; •   implantação de sistemas orgân...
Finalidades (continuação) •   implantação,    manutenção     e     manejo   de   florestas     comerciais,    inclusive   ...
Público:Produtores rurais (PF e PJ) e suas cooperativas;É exigido Projeto Técnico elaborado por profissionalhabilitado, co...
Encargos Financeiros: -      Poupança Rural e BNDES: juros efetivos de 5,0% ao ano; -      FCO: juros efetivos de acordo c...
PRAZOS: De acordo com o fluxo de caixa do projeto:Finalidade                            ABC – MCR                 FCO-ABC ...
Valor Financiável:-   Poupança Rural e BNDES: até R$ 1 milhão por    beneficiário, por ano-safra, independentemente de    ...
Garantias:As usuais exigidas no Crédito Rural.Forma de Pagamento:Em parcelas semestrais ou anuais, de acordo com oprojeto ...
José Luiz dos Reis  Analista de Agronegócios     Superintendência       Fone 3389-1400
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Palestra jose luiz

371 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
371
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
10
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Palestra jose luiz

  1. 1. Linhas de crédito paraAgricultura deBaixoCarbono
  2. 2. Banco do Brasil e o Agronegócio no MS 82,3% do Crédito Rural e Agroindustrial; no Brasil: 64,9% R$ 2,29 bilhões aplicados na safra 2011/2012 Carteira Rural: R$ 3,66 bilhões (dez/2011) 6.500 clientes AGROempresários; no Brasil: 70.240 18 mil clientes Agricultores Familiares; no Brasil: 1,44 mil 84 agências operadoras Mais de 1.500 funcionários
  3. 3. O PROGRAMA ABCno Banco do BrasilBreve Histórico
  4. 4. Lei 12.187 e Decreto 7.390 (PNMC) Planos Setoriais de Mitigação e AdaptaçãoDesmatamento Desmatamento Eficiência Carvão na Outros Amazônia Cerrado Agricultura Energética Siderurgia Planos Setoriais 1. Recuperação de Pastagens Degradadas 2. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) 3. Sistema de Plantio Direto (SPD) 4. Fixação Biológica do Nitrogênio (FBN) 5. Florestas Plantadas 6. Tratamento de Resíduos Animais
  5. 5. O Programa ABC (2010) • Programa lançado na safra 2010/2011 • Dotação do Programa: R$ 2 bilhões • Fonte de Recursos: BNDES • Pouca procura pelo crédito • Poucas operações em todo o Sistema Nacional de Crédito Rural
  6. 6. Problemas / Dificuldades Identificados • Desconhecimento da existência da linha de crédito por parte dos produtores e técnicos; • Desconhecimento de algumas das tecnologias difundidas pelo programa; • Ausência de capacitação por parte dos técnicos para adoção das tecnologias difundidas pelo programa; • Ausência de capacitação por parte dos técnicos na elaboração de projetos que atendam as exigências do Programa;
  7. 7. Problemas / Dificuldades Identificados (continuação) • Mudança de paradigma: ao contrário das linhas comuns do crédito rural, o ABC não financia apenas itens de investimento, mas finalidades; • Em algumas regiões há dificuldades de ordem legal (problemas fundiários e /ou ambientais); • Código Florestal em revisão
  8. 8. Ações do BBInternas:• Treinamento, divulgação e reuniões de sensibilização;• Divulgação de informações técnicas, perguntas e respostas, modelo de Projeto Técnico, e outras informações do Programa;• Mapeamento das oportunidades de financiamento no Estado;• Validação pelo corpo técnico de todas as operações.
  9. 9. Ações BBExternas:• Treinamento da Assistência Técnica;• Participação em eventos de divulgação em todo o Estado;• Articulação com diversos órgãos e entidades de atuação federal e estadual;• Modelo de Projeto Técnico específico para o ABC;
  10. 10. PROGRAMA ABCCondições Negociais
  11. 11. Finalidades Investimentos destinados a: • recuperação de áreas e pastagens degradadas; • implantação de sistemas orgânicos de produção agropecuária; • implantação e melhoramento de sistemas de plantio direto "na palha"; • implantação de sistemas de integração lavoura- pecuária, lavoura-floresta, pecuária-floresta ou lavoura-pecuária-floresta; • implantação de planos de manejo florestal sustentável;
  12. 12. Finalidades (continuação) • implantação, manutenção e manejo de florestas comerciais, inclusive aquelas destinadas ao uso industrial ou à produção de carvão vegetal; • adequação ou regularização das propriedades rurais frente à legislação ambiental, inclusive recuperação da reserva legal, de áreas de preservação permanente, e o tratamento de dejetos e resíduos, entre outros; • implantação de biodigestores; • aquisição de máquinas para colheita de cana-de-açucar
  13. 13. Público:Produtores rurais (PF e PJ) e suas cooperativas;É exigido Projeto Técnico elaborado por profissionalhabilitado, conforme modelo definido pelo Banco.Fontes de Recursos:- Poupança Rural (recursos do BB - R$ 1,5 bi)- BNDES- Fundo Constitucional de Financiamento do Centro- Oeste (FCO)
  14. 14. Encargos Financeiros: - Poupança Rural e BNDES: juros efetivos de 5,0% ao ano; - FCO: juros efetivos de acordo com o porte do produtor (definido pela renda bruta agropecuária anual): Receita Bruta Anual Porte Encargos (a a) Bônus de 15%Até R$ 360 mil Mini produtor 5,0% 4,25%De R$ 360 a 3,6 milhões Pequeno produtor 6,75% 5,73%De R$ 3,6 a 16 milhões Pequeno-médio produtor 7,25% 6,16%De R$ 16 a 90 milhões Médio produtor 7,25% 6,16%Acima de R$ 90 milhões Grande produtor 8,50% 7,22%Recomposição de Reserva Legal: 4% a a (sem bônus).
  15. 15. PRAZOS: De acordo com o fluxo de caixa do projeto:Finalidade ABC – MCR FCO-ABC 6.4/BNDESEssências para Serraria e Até 15 anos com até 08 Até 20 anos com atéLaminação: anos de carência. 10 anos de carência.Essências para fins Energéticos: Até 12 anos com até 08 Até 15 anos com até anos de carência. 08 anos de carência.Recuperação e Regularização Até 15 anos com até 01 Até 20 anos com atéde Reserva Legal ou APP: ano de carência. 12 anos de carência.Recuperação de Pastagens: Até 08 anos com até 03 Até 12 anos com até anos de carência. 03 anos de carência.Demais Investimentos: Até 08 anos com até 03 Até 12 anos com até anos de carência. 03 anos de carência.
  16. 16. Valor Financiável:- Poupança Rural e BNDES: até R$ 1 milhão por beneficiário, por ano-safra, independentemente de outros créditos concedidos ao amparo de recursos controlados do crédito rural;- FCO: até R$ 20 milhões por cliente, grupo empresarial ou grupo agropecuário.
  17. 17. Garantias:As usuais exigidas no Crédito Rural.Forma de Pagamento:Em parcelas semestrais ou anuais, de acordo com oprojeto técnico e com o fluxo de receitas dapropriedade beneficiada.Liberação do Crédito:De acordo com o cronograma do projeto técnico.
  18. 18. José Luiz dos Reis Analista de Agronegócios Superintendência Fone 3389-1400

×