Instrumentação

2,380 views

Published on

Cont. curso realizado na Usina DAMATA

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,380
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
423
Actions
Shares
0
Downloads
153
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Instrumentação

  1. 1. RETORNO AO INÍCIO SAIR REALIZAÇÃO Processo: Industrialização Capacitação Técnica INSTRUMENTAÇÃO Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 1
  2. 2. RETORNO AO INÍCIO SAIR A B Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 2
  3. 3. RETORNO AO INÍCIO SAIR Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 3
  4. 4. INSTRUMENTAÇÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR ! $ ! ( "# % & ) *+ ,& Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 4
  5. 5. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR - , . - / Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 5
  6. 6. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR 0 ) - / & / - 1 . Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 6
  7. 7. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR / ) . Variável de Processo Temperatura da Água Meio Controlado Água na Saída do Processo Variável Manipulada Vazão de Vapor Agente de Controle Vapor Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 7
  8. 8. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR 2134 5 2 16 5 4 . & 7 0 7 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 8
  9. 9. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR A informação da variável do processo não é usada para modificar a variável manipulada. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 9
  10. 10. Elementos de uma malha de controle RETORNO AO INÍCIO SAIR A informação da variável de processo é comparada com o Set-Point (SP) para modificar a variável manipulada. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 10
  11. 11. RETORNO AO INÍCIO SAIR INSTRUMENTAÇÃO Instrumentos de Campo Instrumentos de Painel Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 11
  12. 12. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Elementos Primários / / % 07 .7 7 ! " # $ 2% . 4 % & % ( %$ 2% 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 12
  13. 13. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Elementos Primários % & % ( %$ 2% 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 13
  14. 14. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Indicadores de Campo 8 )( # * 2 1 4 8 % ()( #%* 2 ! 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 14
  15. 15. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Indicadores de Campo 8 )( # *2 1 4 Opera com todos os líquidos Ideal para indústrias químicas, e fluídos, exceto aqueles muito petroquímicas e farmacêuticas, papel e viscosos ou com tendência à celulose, usinas de açúcar e álcool. cristalização. Classe de precisão 1% . Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 15
  16. 16. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Transmissores . % 9 2:6 ;< 4 2=6 >? &4 . 21 0 61 @ & * 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 16
  17. 17. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Tipos de Transmissores ! 1 61! ! / 6A ! ! ! 6!! ! 3 . 6@! ! B6 &! ! , 5&! ! # 5&! ! , )5& > ! ! * C5 &! Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 17
  18. 18. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Fotos de Transmissores flangeado com selo remoto diferencial flangeado manométrico Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 18
  19. 19. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Fotos de Transmissores Pressão Pressão Manométrico Diferencial Detalhe da diferença entre transmissores de pressão manométrica e diferencial Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 19
  20. 20. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Dispositivos tipo Chave # . 2 4 C 2 4 2 D 4 Modelos de Dispositivos tipo Chave 1 6 1 A1 B D @C 6 @ A@ B D ! 6 ! A ! B2 D & ! 4 $ 2 D 4 , 2 / 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 20
  21. 21. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Modelos de Dispositivos tipo Chave Sensor de Sensor de Proximidade Proximidade Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 21
  22. 22. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Modelo de Dispositivos tipo Modelos de Chave Sensor Capacitivo (sensor nível) PRESSOSTATO SÉRIE TP SENSOR CAPACITIVO Série TP – AT – caixa à prova de tempo (uso geral) Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 22
  23. 23. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Modelos de Chave de Nível (sensor nível) CHAVE DE NÍVEL Acoplamento Magnético NIVOMAG CHAVE DE NÍVEL Magnético NIVOPOINT Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 23
  24. 24. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Elementos Finais de Controle E 7 3 , ! 6!,3 2, 3.3 ! , 4 @ F * 05A ,G 2, / 4 @ F * 05@,G 2, 3 . 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 24
  25. 25. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Instrumentos de Campo Elementos Finais de Controle Válvula de controle Mark One Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 25
  26. 26. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Inversor de Freqüência Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 26
  27. 27. Instrumentos de campo RETORNO AO INÍCIO SAIR Conjunto de Inversores de Freqüência Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 27
  28. 28. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Instrumentos de Painel Indicadores de Painel . . / 6A 1 61 ! 6! Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 28
  29. 29. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Conversores ! / / . , 2: ;< 4 D2= >? &4 , 2= >? & D 4 2? ; 34 ? , 2! 6 H 4 D , 2= >? &4 , 21 5 ; ? D ! ?4 2= >? &4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 29
  30. 30. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Conversores Conversor eletro- pneumático (I/P) Modelo TY-1125-DIN Modelo para montagem em trilho DIN Para montagem em trilho DIN. Ideal para aplicações onde se dispõe de pouco espaço, cada unidade ocupa menos de 40 milímetros de trilho. Possui adaptador para todos os tipos de trilho DIN. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 30
  31. 31. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Controladores C 1E / ), 51 2 - 4 3 1 21 % 34 0 1E - 7 ,E ? 2, I? E 4 6 A,D ,D ,D , @ 1 ! 1, A 2, A J 1 4 5 A,D ,D ,D , @ 1 ! Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 31
  32. 32. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Controladores Controlador Digital Multi- Loop CD-600 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 32
  33. 33. Instrumentos de Painel RETORNO AO INÍCIO SAIR Exemplos de Indicadores de Temperatura, Rotação e Vazão em um Sistema de Supervisão JC Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 33
  34. 34. RETORNO AO INÍCIO SAIR Indicação de Rotação da Turbina 06 Transmissor de Velocidade (Gerador Pulso). Associado com um Indicador na Tela.Indicação de Vazão de Vapor Indicação de Temperatura do MancalTransmissor de Vazão de Vapor. Elemento Primário do Tipo PT-100.Associado com um Indicador na Tela. Associado com um Indicador na Tela. Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 34
  35. 35. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR Terminologia Definição K 0- Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 35
  36. 36. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR Range (Faixa de Medida) , - %C 5 5 C $ ( 0 & + , & - . (/ + & (( + Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 36
  37. 37. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR SPAN (Alcance) 500 480 0 460 440 C 420 400 380 360 340 320 300 280 $ ( 0 260 # >? < ?L, ? ? 240 220 : ?L, ? 200 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 37
  38. 38. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR erro E 1 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 38
  39. 39. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR Tipos de erros $ M 2 4 1 M 2 M 1( M Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 39
  40. 40. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR Precisão C 07 1 C Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 40
  41. 41. TERMINOLOGIA RETORNO AO INÍCIO SAIR Em porcentagem da variável # < ; ?L, ? < N L, ? ± ?<O 85 1 #% P 2 1 2O4 D? 4 Q ;? 80 1 #% P 2 ?<D ? 4 Q; ?L, ;? ? 1 #% P ?<L, ( 75 N L, ± ?<L, ? 35 65, 4+ + Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 41
  42. 42. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Temperatura Definição 0 / / 2 4 / M Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 42
  43. 43. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Temperatura Definição - ilustração Um recipiente contendo Ao se colocar uma fonte de calor as água. As moléculas estão moléculas tendem a se movimentar com praticamente inertes. maior freqüência. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 43
  44. 44. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Temperatura Escala E :> >;> 0 ) C ;? N @7 7 ) / 0 R L@S E ? ;? ? 0 ) C ;? ? , ) / 0 R L, S Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 44
  45. 45. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Temperatura 2! 4 % 0 / 0 0 C 00 0 ) 00 7 / C 0 0 C Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 45
  46. 46. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Temperatura São dois metais, com diferentes coeficientes de dilatação térmica, soldado entre si e preso a um apoio fixo em uma das suas extremidades. O aumento de temperatura, resulta em uma deflexão das lâminas. Na prática os dois metais são soldados de maneira a formar uma lâmina que é enrolada em forma de espiral, aumentando a sua sensibilidade. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 46
  47. 47. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Temperatura ! ) 00 0 ) . 0 0 / Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 47
  48. 48. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Temperatura ! % / platina, & 7 0 T cobre e & níquel T & . Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 48
  49. 49. TEMPERATURA RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Temperatura " . 7 ) C - & C @%$ 2@ % $ . 4 7 ) 7 - Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 49
  50. 50. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Pressão Definição F 0 / . / Pressão Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 50
  51. 51. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Unidades de Pressão &1"% () C UNIDADE SIGNIFICADO Kgf – unidade de força Kgf/cm2 cm2 – unidade de superfície P - “Pound = Libra” unidade de força PSI SI - “Square Inch = Polegada Quadrada” = unidade de superfícieN/m2 ou Pa N – “Newton” unidade de força(Pascal) m2 = unidade de superfície Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 51
  52. 52. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Fórmulas Pressão 7 78 1P 1 @P @ UP 1 &P + Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 52
  53. 53. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Pressão Relativa Pressão Atmosférica , 7 C C <? H 2 4 / ?L, ;& $ P V ? ! I B Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 53
  54. 54. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Pressão Absoluta 2. 0 4 & 0 R S 7 9 ( : Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 54
  55. 55. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão # " $ / 0 / 7 K 0C C Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 55
  56. 56. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão % . 9 K T Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 56
  57. 57. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão " & # . 0 K Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 57
  58. 58. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão " & C=K*A / d onde: C = capacitância 2 4 A = Área das Placas 9 d = Distância entre as placas K = Constante dielétrica Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 58
  59. 59. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão " & * C 2 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 59
  60. 60. PRESSÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medidores de Pressão " & & K 1; 1> 0 / 7 2 4 & J Célula de Pressão diferencial capacitiva Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 60
  61. 61. NÍVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Nível Definição Os principais métodos de medição de nível são: " 0 3 / $ / 1 0 $ 0 $ # $ " $ , J Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 61
  62. 62. NÍVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Régua ou Gabarito Visores de Nível, , 0 C . 0 J 0& / 7 / Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 62
  63. 63. NÍVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Medição de nível por delta P Medição por célula de carga & / 7 J 0 ! E / 0 / J J 0 5 7 / K J 7 5 / Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 63
  64. 64. NÍVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Medição tipo ultrasom Medição por radiação % ) 0 2 D F 5 >? H . B4 2, 0 I , ? ;V : 4 / / E % 7 5 C , W 0 / Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 64
  65. 65. VAZÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Vazão Definição & / J ) Volume Unidades de massa Litros; g; dividida por mm3; Kg; uma cm3; unidade de Toneladas; m3; tempo (seg, Libras min, hora). Galões Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 65
  66. 66. VAZÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Tipos de Medidores de Vazão 1 ) / 21 E 4 * 21 E 4 " 2+ 3 4 ! 0 23 4 $ ! . 2$ $ 4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 66
  67. 67. VAZÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medição por elementos deprimogênios (placa de orifício, Bocal) & . 0 / & 7 & . Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 67
  68. 68. VAZÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medição por velocidade (turbina) , 7 C C # 00 C . . 7 . C ) / F - F . ) 0 . . Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 68
  69. 69. VAZÃO RETORNO AO INÍCIO SAIR Medição por tensão induzida (medidor magnético de vazão) & @ X 0 . 5 ) / 00 E 2 4 E @ X / 7 C . / & J . 2=5>? &4 Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 69
  70. 70. RETORNO AO INÍCIO SAIR Realização Treinamento Industrial Instrumentação e Automação Atualização Técnica CLP Controladores Lógicos Programáveis Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 70
  71. 71. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Definição É um controlador de alta velocidade, com arquitetura flexível, capaz de efetuar controles lógicos, funções de controle avançada e comunicação com outros dispositivos. O CLP permite alterar seu programa sem parar o processo produtivo. Definição da sigla CLP CLP: Tradução para o português da sigla Programmable Logic Controller, ou seja, Controlador Lógico Programável, a qual tem sua utilização restrita uma vez que se tornou marca registrada de propriedade exclusiva de um fabricante nacional. Antiga Metal Leve Controle eletrônico sendo posteriormente adquirida pela Rockwell Automation. Definição da sigla PLC PLC: Abreviatura do termo em inglês Programmable Logic Controller Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 71
  72. 72. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Histórico O desenvolvimento do CLP iniciou-se em 1968 em resposta a uma requisição da Divisão Hidramática da General Motors. Naquela época, a General Motors freqüentemente passava dias ou semanas alterando sistemas de controle baseados em relés, sempre que mudava um modelo de carro ou introduzia modificações na linha de montagem. Para reduzir o alto custo de instalação decorrente destas alterações, a especificação de controle da GM necessitava de um sistema de estado sólido, com a flexibilidade de um computador, mas que pudesse ser programado e mantido pelos engenheiros e técnicos na fábrica. Também era preciso que suportasse o ar poluído, a vibração, o ruído elétrico e os extremos de umidade e temperatura encontrados normalmente num ambiente industrial. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 72
  73. 73. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Histórico Os primeiros CLP’s foram instalados em 1969, fazendo sucesso quase imediato. Funcionando como substitutos de relés, até mesmo estes primeiros CLP’s eram mais confiáveis do que os sistemas baseados em relés, principalmente devido a robustez de seus componentes de estado sólido quando comparados as peças móveis dos relés eletromecânicos. Os CLP’s permitiram reduzir os custos de materiais, mão-de-obra, instalação e localização de falhas ao reduzir a necessidade de fiação e os erros associados. Os CLP’s ocupavam menos espaço do que os contatores, temporizadores e outros componentes de controle anteriormente utilizados. E a possibilidade de serem reprogramados permitiu uma maior flexibilidade para trocar os esquemas de controle. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 73
  74. 74. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Histórico Talvez a razão principal da aceitação dos CLP’s pela indústria foi que a linguagem inicial de programação era baseada nos diagramas ladder e símbolos elétricos usados normalmente pelos eletricistas. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 74
  75. 75. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIRFuncionamento Todas as suas operações são programadas, para uma determinada aplicação, por meio de comandos pré- definidos. O Controlador Lógico Programável trabalha de forma cíclica, ou seja, existe um tempo (scan) para a realização de suas tarefas. Sua tarefa repetitiva é fazer leitura dos dispositivos de entrada, executar o programa criado pelo usuário, atualizar suas saídas e executar diagnósticos. Veja o ciclo de varredura no próximo slide Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 75
  76. 76. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR Ciclo de Varredura do CLP INÍCIO Leitura das Entradas Execução do Programa do usuário Atualização das Saídas Execução do Diagnóstico Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 76
  77. 77. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR FOTOS CLP (MÓDULOS NO PAINEL INTERNO CONTROLE) Painel de comando PLC Detalhe da régua de bornes Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 77
  78. 78. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR FOTOS CLP (MÓDULOS NO PAINEL INTERNO CONTROLE) Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 78
  79. 79. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR FOTOS CLP (SUPERVISÓRIO) Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 79
  80. 80. COMANDO LÓGICO PROGRAMÁVEL RETORNO AO INÍCIO SAIR FOTOS CLP (SUPERVISÓRIO) Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 80
  81. 81. RETORNO AO INÍCIO SAIRMedidor de pH Tratamento de CaldoO medidor de pH da Yokogawa é um medidormoderno com boa precisão de leitura.É utilizado para medir o pH do caldo caleadono Tratamento de Caldo.O pH de trabalho do caldo é em torno de 7 a 7,4pH. Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 81
  82. 82. RETORNO AO INÍCIO SAIR Realização Treinamento Industrial Instrumentação e Automação Atualização Técnica INSTRUMENTOS Medidores de vazão Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 82
  83. 83. RETORNO AO INÍCIO SAIR Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 83
  84. 84. RETORNO AO INÍCIO SAIR Realização Treinamento Industrial Instrumentação e Automação Atualização Técnica INSTRUMENTOS Transmissores Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 84
  85. 85. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissores de Temperatura Utilizado em vários equipamentos de diversos setores da usina Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 85
  86. 86. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissores de Temperatura Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 86
  87. 87. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissores de Concentração e densidadeUtilizado noTratamento de Caldo,Destilaria eFabricação de Açúcar Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 87
  88. 88. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissor inteligente de Pressão Utilizado em vários equipamentos de diversos setores da usina Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 88
  89. 89. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissor inteligente de Pressão Exemplo de um programador de transmissor Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 89
  90. 90. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissor inteligente de PressãoDetalhe detransmissoraguardandomontagem (suporte) Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 90
  91. 91. RETORNO AO INÍCIO SAIRTransmissor inteligente de Pressão Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 91
  92. 92. RETORNO AO INÍCIO SAIR Realização Treinamento Industrial Instrumentação e Automação Atualização Técnica INSTRUMENTOS Posicionador Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 92
  93. 93. RETORNO AO INÍCIO SAIRPosicionador para válvulas Utilizado em vários equipamentos de diversos setores da usina Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 93
  94. 94. RETORNO AO INÍCIO SAIRPosicionador Elétro-pneumático Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 94
  95. 95. RETORNO AO INÍCIO SAIRPosicionador Elétro-pneumático Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 95
  96. 96. RETORNO AO INÍCIO SAIRPosicionador Elétro-pneumáticoDetalhe demontagem interna Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 96
  97. 97. RETORNO AO INÍCIO SAIRSistema de Geração do Ar Comprimido (“coração da fábrica”) Detalhe do Painel de Acionamento Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 97
  98. 98. RETORNO AO INÍCIO SAIRSistema de Geração do Ar Comprimido (“coração da fábrica”) Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 98
  99. 99. RETORNO AO INÍCIO SAIR FIM Consultoria EmpresarialDesenvolvendo Talentos Humanos Curso Básico Industrial - Instrumentação e Automação Básica 99

×