Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revistadiversidades 7

611 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Revistadiversidades 7

  1. 1. Janeiro, Fevereiro e Março de 2005 Periodicidade Trimestral Ano 2 - Nº 7As Tecnologias de Informação eComunicação e as Necessidades Especiais
  2. 2. Índice 3 Editorial 4 Tecnologias de Apoio à Comunicação Aumentativa 10 TeleAula - Um recurso educativo para alunos que não podem ir à escola 17 Aprender sem Barreiras - Projecto de Ensino à Distância 22 Professores e tecnologia - Aprender a gerir uma nova ferramenta de aprendizagem 24 Orquestra Juvenil - A prática da música na Diferença 30 TIC - Tecnologias de Informação e Comunicação 31 Formação 32 Livros Recomendados 33 Programa Madeira Digital - O Acesso à Sociedade de Informação na Educação Espe- cial 34 Lançamento do Livro - As Estrelas do Mar e o Peixe Prateado encontram um amigo especial (Uma história sobre a diferença) 36 O S.T.E.D.I. Quinta do Leme a “Cantar os Reis” 37 Autocarros para pessoas com mobilidade reduzida 39 Entrega de Certificados do Curso de Técnicos Profissionais de Educação Especial V Congresso Bianual da Associação Nacional para o Estudo e Intervenção na Sobre- dotação DIRECTORA – Cecília Berta Fernandes PereiraFicha Técnica REDACÇÃO – Serviços da Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação REVISÃO – Direcção de Serviços de Formação e Adaptações Tecnológicas MORADA – Rua D. João nº 57 9054 – 510 Funchal Telefone: 291 705 860 Fax: 291 705870 EMAIL – revistadiversidades@madeira-edu.pt GRAFISMO E PAGINAÇÃO - Direcção de Serviços de Formação e Adaptações Tecnológicas IMPRESSÃO – O Liberal FOTOS – Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação / Estúdio Quattro 2
  3. 3. Editorial A revista “Diversidades” na sua missão de sensibilizar, informar e divulgar boas práticas no sentido da prossecu- ção de objectivos que promovam a Integração Social e a Qualidade de Vida das pessoas com deficiência assume a temática das Novas Tecnologias de Informação e Comuni- Cecília Pereira cação como prioritária.Directora Regional de Educação Porque… Especial e Reabilitação Todos sabemos que as novas tecnologias, para além do acesso à Sociedade de Informação para Todos é, para mui- tos, um auxiliar indispensável no alcançar – em Igualdade de Oportunidades – de patamares de sucesso na aprendi- zagem e também enquanto intervenientes na Vida Activa. A pertinência desta temática releva-se no consignado na Lei de Bases de Prevenção e de Reabilitação e Integração das Pessoas com Deficiência (Lei n.º 9/89, de 2 de Maio), no enfoque que dá no seu artigo 14.º - Ajudas Técnicas, onde se pode ler “As ajudas técnicas, incluindo as decor- rentes de novas tecnologias, destinam-se a compensar a deficiência ou a atenuar-lhe as consequências e a permitir o exercício das actividades quotidianas e a participação na vida escolar, profissional e social”. Pensamos que o conteúdo de toda a informação incluída no n.º 7 da “Revista Diversidades” despertará a reflexão e interesse pelas Novas Tecnologias, no contexto das Neces- sidades Especiais. Nesta óptica, desejamos que a acessibilidade das pes- soas com deficiência às Novas Tecnologias, ao tornar-se uma realidade, contribua para melhorar o seu percurso de vida. 3
  4. 4. Artigos Tecnologias de Apoio à Comunicação Aumentativa 1. Introdução graves (ex. portadores de paralisia cerebral, pessoas A utilização de Tecnologias de Apoio (TA) para com doenças neurológicas progressivas, etc.) pode- pessoas com deficiência - conceito mais abrangente rão ter as suas capacidades afectadas, em maior ou que o de “Tecnologias de Reabilitação” ou de “Ajudas menor grau, em pelo menos três das áreas anterior- Técnicas“ classicamente usados – terá sempre de mente consideradas (ex., nas áreas da mobilidade, da ter em linha de conta a necessidade de potenciar e comunicação e da manipulação). aumentar as capacidades funcionais daquelas pesso- Por ser impossível abordar neste artigo todas as as, ajudando-as a enfrentar um meio físico e social tecnologias de apoio já disponíveis no nosso País ou a eventualmente “hostil”, anulando ou fazendo diminuir nível internacional nas áreas anteriormente referidas, o “fosso” existente entre as suas (in)capacidades e as iremos privilegiar as tecnologias de apoio para a “Co- solicitações do contexto, tal como descrito no Estudo municação (Alternativa e Aumentativa)”, sobretudo as europeu HEART [1]. De acordo com o referido Estudo baseadas nas Tecnologias de Informação e Comuni- - que constituiu o maior Estudo já realizado a nível eu- cação (TIC). Na verdade, desenvolvimentos recentes ropeu sobre a área das tecnologias de apoio a pesso- das Tecnologias de Informação e Comunicação têm as com deficiência - para que as tecnologias de apoio permitido a sua utilização como Tecnologias de Apoio, possam ajudar a diminuir o “fosso” existente entre as promovendo o aumento da qualidade de vida de pes- (in)capacidades das pessoas portadoras de deficiên- soas com deficiência, ao promoverem uma mais ade- cia e o contexto (social, físico, etc.,) onde se inserem, quada inserção social, laboral e escolar desses porta- elas podem actuar: dores de deficiência. a) quer a nível do indivíduo, aumentando as suas capacidades funcionais (ex, uma cadeira de rodas que 2. A Comunicação Aumentativa e Alternativa ajuda a aumentar a mobilidade de um utilizador, ou A fala é a forma de expressão mais utilizada pe- seja, a sua capacidade funcional para se mobilizar au- las pessoas quando pretendem comunicar, assumin- tonomamente ); do uma importância fundamental na interacção social. b) quer a nível do contexto, diminuindo as solici- A capacidade de comunicar é de facto essencial no tações ou as exigências desse contexto em relação desenvolvimento das relações humanas, para a edu- às pessoas portadoras de deficiência (ex., uma rampa cação em geral, para viver em sociedade, enfim, para para facilitar a mobilidade dos utilizadores, um eleva- satisfazer a maior parte das necessidades do ser hu- dor, etc.). mano [2]. No caso de pessoas que estão impedidas de comunicar através da fala (como é o caso de al- Para simplificar a abordagem na área das Tecnolo- guns portadores de deficiências neuromotoras graves gias de Apoio (ou das “Ajudas Técnicas” se utilizarmos de que é exemplo a Paralisia Cerebral), não sendo a uma definição menos abrangente) podemos conside- fala a sua principal forma de comunicação, tão preco- rar que estas podem ser enquadradas em 4 grandes cemente quanto possível, deve proporcionar-se-lhes domínios: um Sistema de Comunicação Alternativa e Aumentati- - Mobilidade va e tecnologias de apoio adequadas. Na verdade, a - Comunicação Comunicação Aumentativa pode constituir um podero- - Manipulação so meio de combate às incapacidades mencionadas, - Orientação constituindo “um conjunto de técnicas, ajudas, estraté- gias e habilidades, que uma pessoa sem comunicação Estas áreas não são obviamente estanques e, por oral necessita, para substituir a sua incapacidade de exemplo, pessoas com deficiências neuromotoras comunicar através da fala” [2], incluindo-se as tecno- 4
  5. 5. Artigoslogias de apoio nesta definição abrangente de comuni- Em Portugal, foi na década de 80 que foram tradu-cação aumentativa. Este domínio científico tem como zidos e adaptados para o português os sistemas grá-objectivo principal o de proporcionar a pessoas porta- ficos BLISS e PIC (hoje praticamente em desuso) e,doras de incapacidades graves a nível de comunica- nos anos 90, o Sistema PCS (Picture Communicationção oral, a possibilidade de se expressarem através de System) que em português tomou o nome de “Sistemaoutros meios que não através da Fala. Para que essa SPC - Símbolos Pictográficos para a Comunicação”. Écomunicação seja eficaz, recorre-se aos Sistemas de este o sistema que neste momento constitui um stan-Comunicação (com e sem ajuda). No presente artigo dard no nosso país, estando largamente difundido en-referir-nos-emos apenas aos sistemas de comunica- tre os utilizadores de Comunicação Aumentativa, osção com ajuda, ou seja àqueles em que o utilizador re- seus familiares e os Técnicos que os apoiam. A versãocorre a algum “instrumento” exterior ao seu corpo para portuguesa do Sistema SPC surgiu na sequência dacomunicar aquilo que pretende, em oposição aos sis- tradução e adaptação ao português do sistema ame-temas sem ajuda em que o corpo de quem comunica ricano PCS (Picture Communication Symbols) . É umé que é o veículo transmissor do que se pretende co- sistema em que a maior parte dos símbolos são ico-municar (ex. língua gestual). As incapacidades graves nográficos, contendo principalmente símbolos trans-a nível de comunicação, podem ocorrer em qualquer parentes, desenhados com um traço negro a cheioidade e ter como origem inúmeras e diferentes causas sobre um fundo branco. O sistema está traduzido em(doenças neurológicas progressivas, acidentes vas- numerosas línguas, e pode ser potenciado, através daculares cerebrais, traumatismos craneo-encefálicos, utilização de um software específico (Programa Boar-paralisia cerebral, déficits cognitivos, etc.) podendo dmaker) [3] que sendo essencialmente uma bibliotecaafectar de maneira determinante a qualidade de vida de símbolos do sistema SPC, permite a feitura rápi-dos portadores dessas deficiências. da e simples de tabelas e quadros de comunicação, A Comunicação Aumentativa é uma área científica ou a utilização desses símbolos com um conjunto derelativamente recente que se desenvolveu a partir do programas de comunicação existentes no mercado definal dos anos 70 no Canadá e Estados Unidos, onde que é exemplo o Programa Speaking Dinamically [4],surgiram os “Sistemas Gráficos para a Comunicação disponível também já em português.Aumentativa “ (ex. Sistema BLISS, Sistema PIC e Sis- Deve referir-se como ponto importante, que em ca-tema PCS) para ajudar o processo de comunicação sos em que pessoas jovens e até adultas adquiriramde pessoas portadoras de deficiências neuromotoras uma incapacidade grave de comunicação, se poderágraves. A utilização daqueles sistemas gráficos conhe- (e deverá) também utilizar um sistema para a comuni-ceu um desenvolvimento assinalável nos anos 80 e cação aumentativa, podendo suportar-se esse sistema90, pela sua incorporação nas “Tecnologias de Apoio em “Tecnologias de Apoio à Comunicação” (como asà Comunicação” sobretudo as baseadas em tecnolo- que adiante se exemplificam), que poderão contribuirgias de informação e comunicação, que tiveram um de uma maneira significativa para melhorar o proces-crescimento explosivo no decorrer das últimas déca- so de comunicação/interacção dos seus utilizadores,das. Para pessoas que não podiam comunicar através garantindo-lhes em consequência uma melhor inser-da Fala, a utilização sistemática daquelas tecnologias ção nas sociedades de que fazem parte.permitiu-lhes uma participação mais activa na socie-dade. Por outro lado, e sobretudo nos países anglo- 3. Exemplos de Tecnologias de Apoio à Comunica--saxónicos, progressos significativos realizados no ção Aumentativadomínio da síntese de fala e a sua incorporação nas Apresentam-se seguidamente alguns exemplos detecnologias de apoio à comunicação, permitiram um ajudas técnicas para a comunicação aumentativa, jásalto qualitativo que aproximou, pela primeira vez, a disponíveis no mercado português chamando-se acomunicação das pessoas que não se podiam expri- atenção para o facto dessas tecnologias poderem sermir através da Fala, dos padrões dos seus parceiros utilizadas por utentes de quaisquer níveis etários, apósfalantes. avaliação e prescrição por técnicos habilitados para o 5
  6. 6. Artigos efeito (terapeutas, médicos, professores, educadores, de um segmento corporal a área escolhida - ou através etc). Escolheram-se 3 exemplos de “hardware” (digi- de varrimento, neste caso recorrendo-se a uma inter- talizadores de fala, teclado de conceitos e dispositi- face que o utilizador possa controlar sem dificuldades. vo apontador) e um exemplo de “software” (programa No caso do varrimento, à medida que se pressiona GRID), por estarem disponíveis no mercado nacional a interface acendem-se uma série de leds(*) no equi- e serem já utilizados por numerosos utentes, nomea- pamento ( por ex. primeiro uma linha inteira e depois damente como tecnologias de apoio à comunicação posição a posição) o que irá permitir a um utilizador em contexto escolar. treinado aceder a todas as frases previamente grava- das em qualquer posição com independência, autono- 3.1 Digitalizadores de Fala mizando assim a sua comunicação. Os digitalizadores de fala são equipamentos que permitem uma gravação com voz (ou outro tipo de 3.2 Teclado de conceitos Intellikeys sons) numa ou mais áreas, e a possibilidade de uma O IntelliKeys é um teclado de conceitos programá- pessoa sem comunicação oral, escolher o que está vel, sensível ao tacto, desenhado para permitir o aces- gravado recorrendo à selecção directa (e,g, pressio- so ao computador por utilizadores de qualquer nível nando numa determinada zona do aparelho) ou à se- etário. Ao contrário do teclado normal do computador, lecção por varrimento, com recurso a uma interface pode mudar-se o modo como o IntelliKeys se apresen- exterior que se liga ao equipamento, actuada por um ta pela simples mudança de grelhas pré-concebidas e movimento voluntário do utilizador (pressão, sopro, preparadas para executar todas as funções do teclado etc.). Actualmente estão já disponíveis no nosso mer- e do rato, adaptando-se às actividades que se pre- cado muitos tipos de digitalizadores [5] que podem tendam executar. Este teclado pode ser programado ser acedidos quer por selecção directa, quer por se- através de um programa específico OverlayMaker [7] lecção por varrimento através de inúmeras interfaces (também disponível em português) que permite criar [6] como é o caso dos manípulos de pressão. A figura grelhas personalizadas para serem usadas no teclado seguinte apresenta um exemplo dum desses digitali- de conceitos, adaptando-se assim às mais variadas zadores (TechScan) actividades. Fig. 1: Digitalizador “TechScan” Este equipamento é essencialmente constituído Fig. 2: Teclado de Conceitos “Intellikeys” por 32 áreas e 6 níveis de gravação, podendo assim gravar-se frases ou sons em cada uma das 32 áreas e nos vários níveis, podendo qualquer utilizador que O programa Overlaymaker permite, por exemplo, necessite de comunicação aumentativa, “falar” recor- desenhar teclas para as grelhas, adicionar imagens, rendo a 192 (6 x 32) frases ou sons pré-gravados. O texto e movimentos do rato ou quaisquer outras fun- acesso a qualquer destas áreas poderá ser feito por ções e comandos do computador. O mesmo teclado selecção directa - por exemplo pressionando através pode ser usado também com grande sucesso no ensi- 6
  7. 7. Artigosno regular, constituindo assim uma ferramenta eficaz originado pelo software GRID descrito seguidamente),na inclusão de crianças com deficiência. Uma aplica- controlará todas as funções do rato e do teclado doção específica deste teclado e do software de supor- computador que estiver a utilizar. É assim possível uti-te, permite o acesso simplificado à Internet por utiliza- lizar de uma maneira totalmente autónoma um com-dores com problemas motores ou déficits cognitivos, putador, recorrendo apenas a pequenos movimentosconstituindo um instrumento eficaz de “infoinclusão” controlados da cabeça. É uma tecnologia de apoiode membros da sociedade que, sem estas tecnolo- que tem sido utilizado com sucesso em pessoas comgias, seriam necessariamente excluídos do acesso às lesões vertebro-medulares altas, pessoas com escle-tecnologias de informação e comunicação. rose lateral amiotrófica, entre outras patologias. São de referir ainda outros programas de apoio aoteclado de conceitos – os programas Intellipics, Intelli- 3.4 Programa GRIDtalk e Intellimathics - disponíveis também em portu- O Programa GRID [9] é basicamente um “Sistemaguês, e que permitem aos técnicos de educação espe- de Teclados no Ecrã” com características que o tornamcial e reabilitação, criar actividades multimédia de por adequado a pessoas com necessidades especiais. Naexemplo literacia e numeracia, interactivas utilizando verdade, este emulador de teclado pode substituir porimagens, sons e texto. Estes 3 programas estão neste completo as funções dum teclado convencional e/oumomento disponíveis nas Lojas da Portugal Telecom de um rato, através da utilização de um qualquer dis-[10], como resultado de um projecto de investigação positivo apontador (ex., trackball, joystick, Tracker,e desenvolvimento (PT Minha Voz) entre a Fundação etc.) ou através de um processo de escolha por var-Portugal Telecom, a ANDITEC e o INOV. Têm ainda, rimento controlado por um manípulo. Basicamente ocomo característica essencial, a inclusão de voz sinte- programa GRID pode ser utilizado como :tizada em português de elevada qualidade, o que cons- - Acesso total ao computadortitui um salto qualitativo assinalável nas tecnologias de - Programa de comunicação aumentativaapoio à comunicação disponíveis no nosso país. - Controlador de ambiente3.3 Dispositivo apontador TRACKER Os teclados do programa GRID podem conter to- Como exemplo de uma interface de acesso ao com- das as ferramentas necessárias para controlar o am-putador por selecção directa, podemos mencionar o biente Windows.Tracker [8] que é um dispositivo apontador, que emula O GRID é fácil de configurar, sendo possível criaras funções do rato. O Tracker, é um dispositivo que um qualquer teclado e “encadeá-lo” com outros tecla-consiste num emissor/receptor de infravermelhos co- dos que com ele estejam relacionados. Através de umlocado no computador, cujo sinal é controlado por um teclado inicial o utilizador pode optar por aceder a umpequeno reflector (sem peso) colocado, por exemplo, qualquer programa do seu computador (Word, Inter-na testa do utilizador (ver figura seguinte). net, Email, etc.,). Quando essa escolha é efectuada, “abre-se” o programa escolhido e ocorre imediatamen- te o aparecimento de um teclado emulado, apropria- do para aceder às funções específicas do programa escolhido (por exemplo, se fôr escolhido o programa WORD, aparecerá um teclado no écran que permitirá navegar nesse processador de texto sem necessidade de aceder ao teclado convencional ou ao rato). Este programa vem dotado com um sintetizador de Fig. 3: Dispositivo apontador “Tracker” fala em português europeu, pelo que o utilizador do programa poderá não só escrever autonomamente, O utilizador, com pequenos movimentos da cabe- como seguidamente “falar” aquilo que escreveu. Umaça, e fazendo recurso a um teclado virtual (como o outra das potenciais utilizações do GRID é no acesso 7
  8. 8. Artigos facilitado à Internet, tal como se apresenta na figura dispositivos que se querem controlar a partir de um seguinte: computador através do programa GRID, desenhan- do-se os teclados emulados que permitam um con- trolo simples e adequado pelos utilizadores finais. Um exemplo de um teclado emulado para controlo de um telefone (por infravermelhos), que permite a ligação quer individualmente, quer através de números pré- gravados é apresentado na figura seguinte: Fig. 4: Exemplo de um teclado emulado do Programa GRID para navegação na Internet Na verdade, e através de simples programação, cada vez que é “chamado” um novo programa – por Fig. 5: Teclado emulado do Programa GRID para acesso ao tele- exemplo uma página web – é automaticamente tam- fone bém emulado no écran um teclado (eventualmente programado com características simplificadas em re- Este programa, com o hardware (controlador) que lação aos comandos normais de um browser) que vai lhe é possível adicionar, pode constituir assim uma so- permitir ao utilizador navegar com muito mais facili- lução completa para quem queira ter um acesso ple- dade na(s) página(s) escolhida(s). Essa navegação no e diversificado às comunicações. De referir que é pode ser feita através do rato ou de um qualquer outro também possível, através de voz sintetizada, produzir dispositivo apontador (ex. Tracker) ou ainda por um frases e introduzi-las nas conversações telefónicas, processo de varrimento (no caso de portadores de permitindo assim a uma pessoa que não fale, comuni- deficiências motoras mais graves), sendo neste caso car com um interlocutor através do telefone. A PT Co- acedido através de um manípulo (de pressão, de sô- municações disponibiliza este programa através das pro, etc.) que funcionará como a interface entre o utili- suas Lojas [10], em condições especiais para pessoas zador final e o browser de navegação. portadoras de deficiência. Mas este programa, além das características ante- Finalmente de salientar que se encontra em de- riormente apontadas, pode também constituir um po- senvolvimento uma versão deste programa (Pocket deroso sistema de controlo de ambiente, por exemplo GRID) para dispositivos tipo PDA (agenda digital por- permitindo também ao seu utilizador controlar disposi- tátil) que permitirá disponibilizar este Programa através tivos exteriores como o telefone, a televisão, o sistema de um dispositivo portátil, podendo assim aumentar-se de vídeo e áudio, controlar a abertura e fecho de por- a autonomia comunicativa de pessoas que disponham tas e janelas, etc.. Esse controlo é realizado através deste tipo de tecnologia de apoio. de um dispositivo (emissor) de infravermelhos ligado ao computador, que pode “aprender” os códigos infra- 4. Conclusões vermelhos de controlo de dispositivos exteriores e que A Comunicação Aumentativa e as tecnologias de é comandado directamente pelo programa GRID. Por apoio podem desempenhar um papel fundamental no programação prévia, podem assim definir-se quais os apoio especializado a pessoas portadoras de disfun- 8
  9. 9. Artigosções neuromotoras graves com incapacidades de co-municação através da fala, constituindo muitas vezesessas tecnologias, a única oportunidade para comu-nicarem e interagirem com o meio físico e social queas rodeia. No entanto, a utilização de tais tecnologiassó será eficaz, se houver a adequada informação eformação de técnicos, familiares e dos próprios uti-lizadores finais, na sua utilização. Importa, assim,tanto quanto investir na aquisição de tecnologias deapoio à comunicação, assegurar também a qualifica-ção dos profissionais e dos próprios utilizadores finaisdestas tecnologias, para que a sua utilização seja de-vidamente rentabilizada.Referências[1] Azevedo, L., Nunes da Ponte, M., Féria, L., Assistive Techno-logy Training in Europe, HEART Line E Study, Swedish HandicapInstitute, 1995.[2] Nunes da Ponte, M., Azevedo, Luis, Comunicação Aumentati-va e Tecnologias de Apoio, Edição CAPS/IST, 1998.[3] http://www.anditec.pt/Representadas/MayerJohnson/mayer.htm#boardmaker[4] www.anditec.pt/Representadas/MayerJohnson/mayer.htm[5] http://www.anditec.pt/Produtos/comunicacao/digitalizadores.htm[6] http://www.anditec.pt/Produtos/Acesso/manipulos.htm[7] http://www.anditec.pt/Representadas/IntelliTools/intellitools.htm[8] http://www.anditec.pt/Representadas/Madentec/Madentec.htm#Tracker[9] http://www.anditec.pt/Representadas/GEWA/GRID.HTM[10] www.ptcom.pt/productdetails.aspx?id=1220&area=solucoes%20especiais%20pt(*) leds - semicondutor que emite luz quando uma corrente eléc-trica passa por ele.Luís Azevedo - Engenheiro de Reabilitação, M.Sc. 9
  10. 10. Artigos TeleAula Um recurso educativo para alunos que não podem ir à escola A sofisticação da aprendizagem a partir da tecnologia geograficamente distantes assim como, a implementa- depende da sofisticação da comunicação que envolve ção de modelos pedagógicos que potencializam esses o seu uso e não da sofisticação da tecnologia. recursos e que permitem uma aproximação do aluno (Pogrow, 1990) internado ao ambiente e dinâmica da sala de aula. Propõe-se assim, criar condições que permitam, não só a continuidade da sua escolaridade como também, Enquadramento: a manutenção de ligações a grupos de interesse e de O CANTIC1 iniciou em 19982 um projecto de apoio funcionamento dos quais importa não se desinserir. escolar a um aluno do ensino secundário, portador de Para além da influência junto de alunos internados uma doença grave (Fibrose Quística) que o impedia e/ou retidos em casa, considera-se também que, esta de se deslocar à escola por debilidade física e por de- dinâmica facilita ao professor que trabalha nos hospi- pendência de terapia medicamentosa, de oxigénio e tais, a inserção em grupos de trabalho e em dinâmica internamento recorrentes frequentes. de escola, evitando a sua centralização na doença e o Em 1999, o CANTIC, iniciou a sua primeira expe- consequente isolamento e hospitalização. riência em hospitais3, respondendo às necessidades Considera-se ainda que a ligação dos alunos inter- psico-pedagógicas de um aluno que apresentava um nados e/ou do aluno em casa, com as salas de aula quadro clínico grave (Osteogenese Imperfeita), com das escolas da sua comunidade educativa, arrasta o internamento prolongado e impactos muito severos na envolvimento dos alunos e professores dessas esco- sua mobilidade e autonomia. Em simultâneo, iniciou- las, possibilitando-lhes o acesso a novas práticas e a -se uma intervenção junto da escola do 1º ciclo, exis- novas formas de pesquisa e de organização pedagó- tente nesse hospital, possibilitando-lhe uma abertura gica. O facto de este projecto levar à instalação de e ligação à comunidade escolar da zona educativa uma computador e de internet, na sala de aula numa desse hospital. perspectiva de integração pedagógica nas actividades Estes casos foram respondidos através da aplica- diárias, impõe necessariamente a adequação de no- ção de recursos tecnológicos de comunicação à dis- vas estratégias e novas dinâmicas. A interacção com tância e em tempo real (videoconferência) enquadra- colegas que vivenciam situações difíceis, permite-lhes, dos por recursos humanos e pedagógicos adequados igualmente, desenvolverem sentimentos de cidadania às características dos alunos envolvidos e aos contex- tos ambientais, de cada caso. Iniciava-se o conceito de TeleAula que, actualmen- te, envolve já 5 hospitais da Zona da Grande Lisboa ligados a 10 Escolas das respectivas zona educativas e também, 15 alunos em domicilio e ligados à sua es- cola e turma. Alguns considerandos: A TeleAula surge assim, da procura de resposta educativa para alunos impedidos de se deslocarem à escola devido a doença grave. Na sua essência es- tão a utilização de tecnologias de TeleMultimédia que possibilitam uma comunicação síncrona entre grupos TeleAula na escola do hospital 10
  11. 11. Artigosonde a solidariedade e o respeito pela vida e pela di- cia;ferença fazem parte, factores a que a educação nos - As escolas da zona habitacional do aluno, ondetempos de hoje não deverá estar alheia. ele está matriculado, denominadas por Escolas de Origem; A definição das características de cada espaço é importante pois têm em si condicionantes que deve- rão ser levados em conta na implementação destes recursos: - Escola de Referência é uma escola situada na zona geográfica do hospital, a partir da qual se de- senvolve um trabalho articulado com a comunidade educativa hospitalar. Como o nome sugere, esta es- cola funciona como uma referência, como um pólo de dinâmicas impulsionadoras e motivadoras do trabalho a desenvolver em parceria com a comunidade do hos- pital. Sabemos que o aluno hospitalizado se encontraTeleAula – Escola referência em situação de défice em relação aos padrões de Acredita-se assim que este processo pedagógico, vida normal onde a doença existe como factor condi-poderá constituir-se como uma mais valia humana e cionante e determinante de actividades, sentimentosde intercâmbio de aprendizagens e de saberes, para e motivações. Sabemos igualmente que os professo-todos os intervenientes directos: Alunos que devido a res, que leccionam em hospitais, facilmente poderãodoença grave não se podem deslocar à escola; Pro- instalar rotinas de isolamento e de perda de contactofessores dos hospitais e Comunidade Educativa das com alguns dos aspectos que caracterizam a riquezaescolas envolvidas. do dia-a-dia de uma escola. Neste sentido, as escolas de referência poderão desempenhar um papel funda-Espaços envolvidos: Conceito de TeleAula mental na ajuda a alunos e professores que vivem dia- Como já foi referido pretende-se, através destas li- riamente em contacto com a doença.gações, que os alunos internados consigam, embora à Atendendo a estas características, o centro dasdistância, estabelecer interacções em tempo real com dinâmicas pedagógicas deste tipo de projecto, deve-os alunos/turma de outras escolas da comunidade rá estar centrada nas escolas de referência e não noeducativa dos hospitais onde estão internados. Este hospital.objectivo tem implícito a necessidade de coordenação A quebra de coesão e de envolvimento das escolasde espaços, tempos e estratégias. de referência podem empobrecer a essência de um Podemos então identificar nesta dinâmica, a exis- projecto com estas intenções.tência de diferentes espaços e ambientes: - Escolas de Origem são todas as escolas às quais - O Hospital com hipótese de co-existência de di- os alunos internados pertencem e onde se encontramversos espaços possíveis de serem envolvidos – Um os seus amigos e colegas. Constituem o espaço idea-espaço fixo, vulgarmente denominado por “escola”; as lizado, onde pensam regressar e de onde importa vin-enfermarias ou serviços; os quartos de isolamento e cular o sentimento de pertença. Na maioria das situa-ainda os hospitais de dia e/ou de espaços ambulató- ções, as escolas de origem mantêm uma relação nãorios, onde estas crianças e jovens recorrem sistemati- directa, durante o tempo de internamento. Interessacamente (caso das hemodiálises). manter activo este contacto, não só para aferir o per- - As Escolas da comunidade educativa do hospital curso escolar dos alunos ausentes, como igualmente,denominados neste projecto por Escolas de Referên- contribuir para que o aluno internado não se sinta ex- cluído do seu grupo. 11
  12. 12. Artigos Possibilidades de TeleAula para alunos internados em hospitais. Atendendo a que convergem para alguns hospitais nâmica de grupo, que são suportados e mediatizados crianças oriundas de diferentes pontos do país, a re- pelos recursos humanos/professores e por modelos lação entre o hospital e as escolas de referência e de pedagógicos que dão sentido e significado aos re- origem é diferente, quer nas metodologias quer nos cursos tecnológicos implicados. Limitar a TeleAula ao recursos tecnológicos a que recorrem. Assim, e embo- momento da ligação por videoconferência é reduzi-la ra ambas abranjam os diferentes níveis de ensino (1º, a aspectos de circunstâncias que não resultam numa 2º e 3º ciclos e ensino secundário), cada uma destas melhor aprendizagem ou no estabelecimento de mo- escolas poderá ter funções e formas de funcionamen- mentos de partilha e amizade entre grupos. to distintos. Para que entre estes espaços, com características Recursos e Modelos Pedagógicos muito próprias, se consigam estabelecer ligações sis- temáticas conducentes a uma aprendizagem curricular Recursos e de saber estar, são necessários metodologias bem Como já foi referido, a TeleAula baseia-se em re- definidas e uma planificação exigente. cursos de TeleMultimédia que compreendem várias Entendemos assim que, a TeleAula exige um tra- ferramentas que podem ser activadas, de acordo com balho o interesse pedagógico do momento. A saber: de retaguarda, estendido ao longo do tempo, centra- Áudio – Possibilita comunicação verbal, audível em do no trabalho de pesquisa, reflexão, análise e debate, grupos alargados de sala de aula, bem como o acom- seguindo linhas orientadoras comuns aos diferentes panhamento de aulas, debates, exposições, etc.; grupos. Será essa linha ou fio condutor que darão sen- Vídeo – Possibilita a visualização dos interlocuto- tido e coesão ao trabalho parcelar referente a cada res no processo de comunicação, funcionando como espaço educativo, personalizado de acordo com os factor de grande motivação; grupos de alunos envolvidos e que será partilhado no Transferência de ficheiros – Possibilita a partilha momento da ligação. rápida de textos, imagens e outros documentos. Esta Reduzir a TeleAula à tecnologia, é uma visão redu- ferramenta é particularmente útil na partilha de pesqui- cionista deste processo pois, como vimos, nela estão sas e trabalho autónomo realizado antes do tempo de implícitos diversos conceitos de aprendizagem e de di- comunicação; 12
  13. 13. Artigos Chat – Permite o diálogo através da escrita. Esta Modelos de funcionamento: Metodologiasferramenta pode ser uma alternativa importante à co- A interacção entre os espaços educativos do hospi-municação directa, sobretudo em caso de avaria que tal e as Escolas de Referência e/ou de Origem deverãoprovoque ausência de som; ter, por base, um trabalho de difícil, mas fundamental, Quadro branco – Com uma interface agradável, articulação. Essa articulação seguirá as necessidadesesta ferramenta permite trabalhar em simultâneo com inerentes ao modelo pedagógico adoptado e determi-texto, documentos e imagens, possibilitando o traba- nará não só as estratégias como os conteúdos a im-lho cooperativo em tempo real. plementar. Todas estas ferramentas estão disponíveis no mo- A TeleAula tem sido desenvolvida em múltiplos ce-mento da comunicação, admitindo diferentes tipos de nários, de acordo com as necessidades específicasinteracção e de trabalho. dos alunos internados e as características das suas Para que exista comunicação são necessários dois rotinas clínicas e pessoais. Até ao momento foram jápostos, ou seja, da existência de dois conjuntos de experienciadas diversos tipos de ligação entre diferen-equipamentos em cada espaço a ligar. Cada posto é tes sistemas e entre diferentes grupos, identificando ocomposto por: modelo pedagógico de suporte: - Um computador de secretária; - Modelo centrado na sala de aula - Uma placa e Sofware de videoconferência – (Pic- Este modelo assenta na ligação da Escola do hos-tureTel Live 200, PictureTel 550 e/ou Videomeeting pital, à sala de aula de uma escola do exterior. EstePC); funcionamento permite uma grande proximidade en- - Windows 95 para as placas PictureTel Live 200 e tre os alunos internados e o trabalho curricular de-Windows 98 para as restantes; senvolvido na sala de aula da escola de referência. A - Placa RDIS de acesso à Internet (salvo quando da aplicação deste modelo apresenta-se particularmenteopção da placa PictureTel Live 200 ou do Videomee- indicada em situações de internamentos prolongadosting PC, que já tem incorporado este acesso); onde haja estabilidade do grupo existente no hospital; - Câmara; - Modelo centrado nas dinâmicas de escola - Acesso básico RDIS; Este modelo assenta na ligação da Escola do hos- - Impressora; pital a um grupo de alunos de uma escola do exterior. - Scanner (facultativo). Nesta situação aproveitam-se outras dinâmicas da Os recursos apontados, não esgotam os recursos escola de referência, nomeadamente as formalizadasque comercialmente estão disponíveis. Neste artigo, numa estrutura de Clube Escolar, onde os aspectosapenas são referenciadas as tecnologias que já foramalvo de experimentação por parte do CANTIC. A escolha do sistema a adoptar tem estado depen-de de vários factores: - Recursos financeiros disponíveis; - Disponibilidade desses recursos no momento daimplementação (alguns dos recursos, que referencia-mos, já se encontram comercialmente descontinua-dos); Características dos postos a ligar, tais como: - Ligação entre dois grupos (exemplo: escola dohospital e grupo/turma da escola de referência); - Ligação entre um aluno e um grupo (exemplo: alu- A TeleAula pode acontecer em diferentes espaços do hospitalno em casa e grupo / turma da sua escola de origem) - Ligação aluno / aluno. curriculares estão ligados a áreas temáticas. Este modelo implica a existência de um grupo de alu- 13
  14. 14. Artigos nos, nas escolas de referência, não necessariamente casa do aluno e a sua escola de origem, desde que as pertencentes a uma mesma turma e a um mesmo nível necessidades de permanência em casa o justifiquem. de ensino. Este modelo pode igualmente estar relacio- Em qualquer dos modelos há necessidade de se nado com um trabalho centrado numa turma, tendo elaborar um Plano de Trabalho Comum, entre os por base dinâmi- cas pedagógicas Modelos de ligações para alunos internados em hospitais e/ou em situação assentes numa de domicílio metodologia de projecto, em que o trabalho peda- gógico não se centra no currícu- lo mas antes em áreas temáticas mobilizadoras do trabalho pedagó- gico. Este modelo dá resposta às situações de in- ternamentos curtos e/ou recorrentes, em que o aluno diferentes intervenientes, que sirva de fio condutor não se mantém internado por períodos longos. no trabalho pedagógico a desenvolver, implicando a - Modelo Misto existência de uma planificação conjunta onde serão Neste modelo poderão co-existir diferentes tipos estabelecidas as linhas mestras de funcionamento. de ligação. Ligação do aluno internado e/ou em casa, Pretende-se, assim, preservar a riqueza de cada es- à escola do hospital e/ou à escola do exterior. Caso paço educativo – com especificidade e características dos alunos em isolamento e/ou acamados que não se próprias – e, ao mesmo tempo, promover um trabalho podem deslocar ou sair dos seus serviços de interna- articulado, com áreas temáticas comuns, que tenham mento. Neste tipo de modelo misto, entrecruzam-se as um sentido pedagógico para os diferentes espaços características formais do currículo com os aspectos educativos. informais ligados ao trabalho autónomo e às vivências Genericamente consideramos que, subjacente à de escola. TeleAula, deverá estar associada uma Metodologia As tecnologias utilizadas, nas três situações apre- Cooperativa onde a construção do currículo é cen- sentadas são idênticas, variando apenas o modelo tral. pedagógico que lhe dá sentido e que deverá estar de O trabalho cooperativo estabelecido a distância, acordo com as necessidades da população atendida. aglutinado por momento de comunicação, de troca de Importa portanto que esteja subjacente uma visão pe- experiências e de saberes identifica-se, em parte, com dagógica baseada em metodologias diferenciadas, a perspectiva de Bernstein4 no seu conceito de esco- onde o trabalho de grupo e cooperativo seja possível. las abertas. De facto, o segundo e o terceiro mode- Nas ligações entre o hospital e as escolas de ori- lo atrás referenciado, são os que mais se identificam gem e/ou a casa do aluno, o sistema de ligação prefe- com as coexistências de grupos heterogéneos quer na rencial é a Internet, atendendo aos custos das comu- idade quer na escolaridade (situação dos alunos inter- nicações e à temporalidade de retenção do aluno em nados). Em ambos se verifica que: casa. - A unidade curricular não se individualiza numa dis- A videoconferência é utilizada nas ligações entre ciplina, passando a centrar-se mais numa ideia onde hospital e escola de referência e nas ligações entre a se aglutinam diferentes abordagens curriculares (por- 14
  15. 15. Artigostuguês, geografia, história, artes, etc.) recurso a este processo de escolaridade e de aprendi- - Cada disciplina alimenta uma ideia /tema, esba- zagem insere em si, diferentes momentos e diferentestendo a sua centralidade; vertentes de análise que importa equacionar. Dentro - As estratégias pedagógicas não se centram em deles, destacamos a necessidade de:operações-padrão, mas antes numa exploração de 1- Levantamento e caracterização da situação do-princípios e de fundamentos; minante; - A perspectiva pedagógica dá mais ênfase aos 2- Avaliação ecológica com enfoque nas necessi-meios e aos processo do que à aprendizagem estan- dades educativas em causa e nas limitações clínicasque de princípios; e funcionais do aluno; - A escola passa a funcionar como uma unidade fle- 3- Avaliação dos contextos em que o aluno está in-xível como forma de chegar ao currículo, em que o serido;mote de trabalho são as ideias/temas a desenvolver; 4- Planificação e adequação de um modelo peda- - Alunos e professores assumem papéis activos gógico e respectivas estratégias;neste processo de aprendizagem. O professor deixa 5- Adequação de recursos tecnológicos e de comu-de ter sentido como centralizador dos momentos de nicação;aprendizagem, assumindo um papel dinamizador e 6- Instalação e testagem desses recursos;provocador de ambientes estimulantes e motivado- 7- Formação dos professores, alunos e, quando ne-res; cessário, familiares; - A elaboração de um Plano de Trabalho Comum 8- Organização de um kit de monitorização do pro-formaliza e operacionaliza estas intenções. cesso; Assim, o conceito de trabalho cooperativo está sub- 9- Acompanhamento, através de um suporte técni-jacente aos conceitos anteriores como uma estratégia co-pedagógico de retaguarda;transversal necessária, interpretando-se o momento 10- Avaliação/Reformulação.da comunicação como um tempo de partilha das acti-vidades de pesquisa e de criação realizadas por cada Considerações finais.grupo. Estamos numa geração de mudança em que a edu- Em qualquer dos casos, existe a necessidade de cação se confronta com outros paradigmas. Seguin-professores e educadores para o planeamento, apoio, do o pensamento da UNESCO, Aprender a conhecer,avaliação e mediatização das situações de comunica- Aprender a ser, Aprender a fazer, Aprender a conhecerção e de aprendizagem. Serão eles que promovem as o outro são competências que deverão ser construídasdinâmicas e criam pontes de funcionamento comuns com estratégias objectivas e conhecimento reflexivo.entre as diferentes realidades educativas. Simultaneamente, cada vez mais se fala na educa- ção como um direito para todos exigindo-se à escolaImplementação de uma TeleAula um papel central neste acesso e nem sempre a esco- Como já foi diversas vezes referido, a tipologia da la tem acompanhado essas mudanças, mantendo-seresposta educativa a alunos que não podem deslocar- fechada, com práticas centradas no professor e comse à escola não se poderá centrar exclusivamente nos saberes circunscritos à sala de aula, encerrada em sirecursos tecnológicos, mas num conjunto de factores mesma, como um princípio e um fim.que importa analisar e articular. Por outro lado, a Tele- As mudanças operadas na sociedade nos últimosAula não esgota as diferentes hipóteses educativa de anos levaram a novas formas de vida em que as tec-apoio a estes alunos, pressupondo-se que nem todas nologias se têm tornado rotinas.as situações de afastamento escolar deverão ser res- O apetrechamento das escolas nos últimos anospondidas de igual forma. com novos recursos, tem sido por todos nós reconhe- Temos que saber diagnosticar o problema e iden- cido pelo esforço implicado, no entanto, nem sempretificar a sua natureza. Só depois destes passos po- esses recursos foram sinónimos de avanço e de maisderemos ir buscar o suporte da tecnologia. Assim, o qualidade de ensino. Nos anos 80 acreditava-se que 15
  16. 16. Artigos o uso das tecnologias iria resolver os problemas da Num levantamento levado a efeito pelo CANTIC aprendizagem. Hoje tem-se a experiência que as tec- em Julho de 20045 , sobre o tipo de resposta educati- nologias não são solução em si mesmo e que, aceder va existente nos hospitais da zona de intervenção da à Internet não chega para constituir saber e conheci- DREL, para os alunos internados em idade de esco- mento. O computador não é algo que se junta mas algo laridade obrigatória verificámos que, apenas os hospi- que se integra e isto requer uma planificação cuidada tais com projectos de TeleAula tinham uma resposta e intencional, levando-nos a concluir que a utilização a este nível. Os recursos disponíveis, quer humanos das TIC na sala de aula, integradas no currículo, ainda quer tecnológicos apresentavam, igualmente, gran- está longe. de assimetria, sendo quase nulos nos hospitais não Reconhece-se contudo que o uso das tecnologias abrangidos por este projecto. tem um papel fundamental e que a escola não deve- Podemos então considerar que a resposta educati- rá estar divorciada dessas práticas. No entanto, é ao va para as populações em idade de escolaridade obri- professor que caberá a grande função de organizar os gatória em situação de internamento, não se encontra ambientes de aprendizagem, de ser o agente media- respondida em termos de programa educativo abran- tizador e motivador. É assim urgente organizar novos gente. Se se considerar que todos os alunos deverão conceitos e novos pontos de partida onde o trabalho ter acesso à escolaridade, atrevemo-nos a dizer que de equipa e de partilha de conhecimento são suportes muito ainda há por fazer. para a potencialização dos novos recursos. Ao longo da experiência recolhida nos projectos de TeleAula, confirmámos que o sucesso desta iniciativa 1 CANTIC (Centro de Avaliação em Novas Tecnologias de Infor- estava essencialmente dependente das atitudes dos mação e Comunicação) – Centro de Recursos da Direcção Re- professores envolvidos. Neste percurso encontrámos gional de Educação de Lisboa (DREL), ligado à deficiência motora ainda algumas atitudes de resistência baseadas, num severa e doença crónica grave. baixa expectativa em relação à utilização das tecnolo- 2 Projecto “TeleAula: uma nova forma de estar na escola” , desen- gias e ao desafio a novas práticas. volvido no âmbito do Programa Nónio SÉC. XXI (1998-2000) Deixar um programa educativo centrado em disci- 3 Projecto “TeleAula: Presente!!”, protocolado entre a DREL, a plinas, na maioria das vezes, sem qualquer conver- Administração do Hospital de D. Estefânia e a Portugal Telecom gência com outras disciplinas é difícil, pois implica o (1999-2001). abandono de rotinas estáveis que, normalmente não 4 “A Teoria de Bernstein em Sociologia da Educação” – Fundação se questionam. Mudar de paradigma, cria inseguran- Calouste Gulbenkian (1986) ça. O sentimento de perda de estrutura e, com ele, a 5 Levantamento realizado no âmbito do Programa Comenius (Nr. tendência para a agudização de problemas de conti- 04-PRT01-S203-00036-2)- Projecto “Adaptações Curriculares In- nuidade de ordem e de ambivalência, que já Bernstein dividuais (Escolas nos Hospitais)” – Projecto identificou quando falou de escolas abertas, são por vezes referidos pelos professores que tem participado neste projecto. Estes sentires estão mais vinculados Eulália Cordeiro - Coordenadora do Centro de Avaliação de aos aspectos relacionados com a necessidade de se Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (CANTIC) ; adoptarem novas metodologias e novas dinâmicas de Mestre em Educação Especial pela Faculdade de Motricidade Hu- grupo na sala de aula do que propriamente, ao uso mana da Universidade Técnica de Lisboa. das novas tecnologias. Acreditamos que as mudanças se fazem mudando, sendo para isso necessário reflectir as práticas que vão sendo implementadas, envolvendo nessa reflexão os directos intervenientes e, igualmente partilhá-las e divulgá-las, tornando-as num processo dinâmico nun- ca terminado. 16
  17. 17. ArtigosAprender sem BarreirasProjecto de Ensino à DistânciaIntrodução da Europa, 2001). Num contexto de rápidas mudanças tecnológicas,o sistema educativo é confrontado com a necessidade A acessibilidade às tecnologias de informação e co-de fornecer novas oportunidades educacionais. Recor- municação (TIC) deve ser considerada como um fac-rendo às novas tecnologias, sobretudo no campo das tor de qualidade de vida a que todos têm direito. Paracomunicações, podemos aceder a instrumentos de a maioria das pessoas a tecnologia torna a vida maistrabalho e a fontes de informação impensáveis há bem fácil. Para uma pessoa com NE, a tecnologia, torna aspouco tempo. A facilidade, a rapidez e a supressão de coisas possíveis.barreiras geográficas tornam possível o acesso aos Desde que se começou a falar de integração esco-mais diversos canais potenciadores de conhecimento, lar da criança e jovem com NE e, mais recentemente,mas também de convívio e de lazer. Para aqueles cuja sobre a sua inclusão, tem-se questionado qual o mo-autonomia é condicionada por inúmeras barreiras ar- delo de atendimento que melhor contribui para atingirquitectónicas, dificuldades de utilizar meios de trans- o objectivo da sua inclusão escolar, familiar e socialporte público ou privado e manifestas desvantagens no de forma a garantir simultaneamente, o melhor atendi-acesso à informação que os impendem de conhecer e mento possível nas áreas curriculares (Moniz Pereiraviver a “normalidade”, a utilização de um computador & Saragoça, 2001). e o aces- A promoção da utilização da tecnologia como so- so à Inter- lução de problemas concretos da criança/jovem com net podem NE foi englobada no Acordo Parcial do Domínio Social significar e da Saúde Pública, do Conselho da Europa - Para a uma liber- Plena Cidadania das Pessoas com Deficiência através dade até de Novas Tecnologias Inclusivas (Resolução ResAP aí apenas do Conselho da Europa, 2001). sonhada (Godinho, “(…) deve ser elaborada uma estratégia nacional 1999). que inclua um conjunto de medidas ou instrumentos, O pre- tais como planos de acção, a fim de assegurar que Equipamento de TeleAula no domicílio cário aces- as pessoas com deficiência beneficiem das oportu-so à informação e a serviços de telecomunicações, as nidades conferidas pelas novas tecnologias de evitarbarreiras arquitectónicas e a escassez de transportes o risco de exclusão e de avaliar o impacto das no-públicos adaptados tem constituído um dos mais sé- vas tecnologias na sua qualidade de vida. (…) Pararios obstáculos à integração escolar, profissional e so- assegurar a igualdade de oportunidades e uma parti-cial dos cidadãos com necessidades especiais (NE), cipação plena e activa na vida da comunidade, é ne-limitando o seu acesso à equiparação de oportunida- cessário que todos possam beneficiar das aplicaçõesdes a que inegavelmente têm direito. tecnológicas e que possam ter acesso e utilizá-las com autonomia, tanto quanto possível da mesma for- “As novas tecnologias desempenharão um papel ma que todas as outras pessoas, ainda que isso exija,cada vez mais importante na ajuda a prestar às pesso- por vezes, modificações e soluções específicas”.as com deficiência de forma a assegurar-lhes um esta-tuto de igualdade relativamente às demais pessoas na Um dos pilares de actuação do Plano de Acçãovida e na sociedade” (Resolução ResAP do Conselho para a Sociedade de Informação denominado de uma 17
  18. 18. Artigos sociedade da informação para todos tem como um dos a: eliminação ou redução das barreiras de acesso à seus eixos: Promover a coesão digital. Este eixo tem aprendizagem; flexibilidade, especialmente na perma- como 1ª prioridade os Cidadãos com NE e apresenta nência do aluno no seu ambiente familiar; utilização os respectivos projectos/acções prioritários na área da de recursos multimédia; aprendizagem activa; facilita- educação: plano nacional de informática nos apoios ção do contacto e da troca de experiências com os educativos; ensino à distância; centros de avaliação docentes e os pares. Em relação às desvantagens e/ dos alunos com deficiência… (UMIC, 2003). ou limitações, podemos referir: limitações relativas ao desenvolvimento de objectivos da área afectiva, assim Ensino à Distância como, aos objectivos da área psicomotora; a impos- O ensino à distância apresenta-se como uma al- sibilidade de usufruir diariamente de outros recursos ternativa ou complemento aos actuais métodos de existentes na escola; a necessidade do aluno possuir ensino, permitido dar resposta a diversos tipos de ne- um nível de compreensão da informação escrita e co- cessidades, nomeadamente às resultantes da impos- nhecimentos na utilização de recursos multimédia que sibilidade de participar nas actividades escolares. permitam a utilização dos equipamentos e o acompa- A distância leva à introdução de meios de comu- nhamento da turma. nicação artificiais, suportados nas TIC, que permitem O recurso a um sistema multimédia, juntamente distribuir a informação e que sustentem mecanismos com a RDIS/ADSL, aparece nos neste contexto como de interacção entre os dois grupos de intervenientes um instrumento de enormes potencialidades ao permi- (Capitão & Lima, 2003). tir a interacção entre dois locais distintos, criando pela Segundo Cooper (Andrich & Besio 1999), o ensino primeira vez a possibilidade de um professor ou um à distância é uma das soluções específicas para ultra- técnico comunicar visual e auditivamente em tempo passar barreiras físicas e arquitectónicas que impos- real, com um aluno ou um grupo de alunos à distância -sibilitem a frequência (Cruz, s/d). diária da escola. Os A videoconferência, p.e., é um sistema baseado professores e os alu- na compressão algorítmica de dados transmitidos nos podem se encon- através de fibras ópticas ou cabos, para uma ou mais trar física e geografi- máquinas que fazem a codificação e descodificação camente distantes, no deste sinal. Há uma relação estreita entre velocidade entanto, através da de transmissão e qualidade da imagem. A velocidade mediação das TIC po- mínima aceitável é a de 64 Kb por segundo. No entan- dem comunicar de di- to, a resolução de imagem é muito baixa, com grande ferentes formas, p.e., assincronia entre o sinal áudio e vídeo, o que causa o através de imagem e retardo deixando a imagem com formato estroboscó- do som. pico. Para fins educativos, é preferível utilizar a veloci- A utilização da dade da transmissão aumentada para 128 ou até 384 educação à distân- Kb por segundo. Nesta última, a qualidade de imagem cia, com as devidas melhora, além de diminuir bastante a diferença entre o adaptações para dar áudio e o vídeo (Cruz, s/d). resposta às necessi- A utilização de novas tecnologias da educação, para dades de crianças e crianças/jovens com NE, não devem ser vistas como jovens com NE, pode mero “apoio” aos meios da escola, mas sim como um Sistema de Video-Conferência corresponder a um passo em direcção à sua busca de independência, meio facilitador que esbate algumas das barreiras além de favorecer a quebra dos processos de exclu- à sua participação e à sua inclusão na sala de aula são social que as envolve. Este tipo de aprendizagem (Moniz Pereira & Saragoça, 2001). Assim, como van- apresenta vantagens adicionais para as pessoas com tagens do ensino à distância, podemos ainda salientar 18
  19. 19. ArtigosNE: a participação escolar, mesmo à distância, pode tânea de imagem e de som em tempo real, o envioser um incentivo para atingir a capacitação. de figuras/imagens, texto e gráficos e a comunicação verbal, gestual e escrita (por texto ou através da utili-Aprender Sem Barreiras zação de outros símbolos, como por exemplo, os sis- De acordo com a actual lei orgânica da Direcção temas aumentativos de comunicação).Regional de Educação Especial e Reabilitação a pro- Seguidamente, apresentamos o Projecto Aprendermoção e desenvolvimento de projectos ligados ao en- Sem Barreiras a ser desenvolvido pela escola que osino à distância para alunos impossibilitados de fre- aluno deveria frequentar (escola de origem) o centro quentar a escola de de apoio pedagógico concelhio (CAP) e o DANTIC. forma presencial é O Projecto supracitado tem como objectivos: im- uma das atribuições plementar o ensino à distância a crianças/jovens que da Direcção de Ser- por motivos de acessibilidade estão impedidos de fre- viços de Formação e quentar estabelecimentos escolares; facultar a partici- Adaptações Tecnoló- pação no processo de ensino-aprendizagem em tem- gicas (DSFAT). po real de uma forma regular; aumentar a qualidade Em conformida- da participação escolar do aluno com NE, através da de com as atribui- criação de novas possibilidades de comunicação entre ções acima referidas os intervenientes, no seu processo de ensino-aprendi- o Departamento de zagem - o aluno, os seus pares, a família, os profes- Adaptações às No- sores de ensino regular e outros técnicos de apoio; vas Tecnologias de proporcionar aos alunos um atendimento personaliza- Informação e Comu- do; promover a literacia dos alunos impossibilitados de TeleAula no domicílio nicação (DANTIC) frequentar a escola; avaliar a eficácia e a eficiência do coordena o projecto sistema de apoio à distância, na articulação e descen-Aprender sem Barreiras. De modo geral, este projecto tralização dos serviços educativos.tem como finalidade facilitar a aprendizagem de alu- No sentido de tornar exequível este projecto supe-nos com NE que estão impossibilitados de frequentar ramos diversas fases: formação especializada; adap-o ensino básico e secundário, em consequência de li- tação dos contextos face a avaliação do aluno e àsmitações de natureza geográfica ou outra. estruturas físicas (escola e domicílio do aluno) e ade- Numa 1ª etapa pretendemos utilizar sistemas tele- quação dos recursos; sensibilização dos intervenien-multimédia como recursos facilitadores da continuida- tes no programa; implementação e acompanhamentode da escolarização de crianças e jovens com NE que e avaliaçãopor motivos de acessibilidade física não podem fre- Na fase de formação especializada procuramosquentar um estabelecimento de ensino; contribuir para conhecer projectos similares já existentes: Projectoo envolvimento destes alunos com um meio escolar, Escola Virtual – Direcção Regional de Educação; Pro-reduzindo o seu isolamento; promover o relaciona- jecto Tele-aula: Poise (Pontes Online de Literacia, So-mento com um grupo de pares; preparar professores, cialização e Escolaridade) do Ministério da Educaçãotécnicos e a família para a utilização dos meios tecno- (DREL), Ministério da Ciência e Tecnologia (uArte) elógicos envolvidos. Na 2ª etapa aspiramos abranger o Ministério da Saúde (Hospital Estefânia); Projecto Te-apoio sócio – educativo à distância a crianças e jovens leaula do Centro de Avaliação em Novas Tecnologiascom NE, que pelas suas características específicas de Informação e Comunicação (CANTIC - DREL).beneficiariam deste tipo de atendimento. Nesta fase salientamos a importância do(a): pes- Na implementação desta interface é nosso objecti- quisa de websites sobre projectos de teleaula a nívelvo manter as características da comunicação utilizada nacional e internacional; recolha de informação rea-numa sala de aula de ensino tradicional, definido as- lizada junto do gabinete para clientes com NE da PTsim, que o terminal deve permitir a transmissão simul- Comunicações sobre os programas disponíveis; pes- 19
  20. 20. Artigos quisa bibliográfica sobre o tema, formação (a DRE- ensino à distância; produção de materiais didácticos ER promoveu uma acção de formação orientada pela destinados a serem usados como suporte às suas Mestre Eulália Cordeiro dirigida à equipa do DANTIC actividades curriculares; promoção da qualidade do e dos CAP’s e aos professores da escola de origem do processo de ensino-aprendizagem, nomeadamente aluno) e da consultoria. através da utilização de metodologias activas para o Numa 2ª fase a equipa avalia e adapta os contextos ensino à distância; promoção de ferramentas de tra- de forma a criar condições à implementação e desen- balho cooperativo, possibilitando a construção do co- volvimento do programa de ensino à distância - adap- nhecimento com base na interacção entre todos os tação dos contextos face a avaliação do aluno e intervenientes no processo. das estruturas físicas (escola e domicílio do aluno) No que concerne à família e ao aluno esta fase tem e adequação dos recursos. A equipa procede à ob- como objectivos a: identificação e manutenção dos servação e avaliação das estruturas físicas para ins- principais componentes de um sistema de ensino à talação do hardware necessário à implementação do distância; responsabilização de algum/s membro/s da programa de ensino à distância (avaliação ambiental família para melhor utilização e rentabilização das fer- – avaliação da compatibilidade do produto com o am- ramentas informáticas; promoção directa de atitudes biente físico). Face à existência de inadequações físi- positivas em relação às novas tecnologias (computa- cas são realizadas as adaptações e aquisições opor- dor/internet) através da utilização de material didác- tunas e recorremos aos recursos da comunidade. tico apelativo e metodologias activas; utilização cor- A avaliação das necessidades do meio escolar, no recta das ferramentas informáticas que possibilitem que concerne à participação no projecto ensino à dis- a aprendizagem orientada para o ensino à distância; tância, é realizada através de reuniões e de um inqué- formação teórico-prática, de forma a privilegiar a ini- rito, sobre percepção de competência, atitude, moti- ciativa e as competências técnicas face às potenciali- vação e interesse face às TIC, assim como, a recolha dades do computador. de dúvidas e sugestões. De acordo com análise das Na fase de implementação e acompanhamento necessidades é planeada a formação/sensibilização. do processo de ensino/aprendizagem à distância é Esta fase de recolha de informação fica completa fundamental elaborar o plano educativo individual e o com o levantamento e registo dos conhecimentos da programa educativo, de acordo com a avaliação espe- família e do aluno - acerca da conservação e utilização cializada, reunindo os intervenientes no processo. do computador - e com a avaliação psicomotora e psi- Nesta fase inicia-se o processo de ensino-aprendi- copedagógica. Ambas são determinantes para avaliar zagem utilizando sistemas telemultimédia. Concomi- as necessidades. tantemente, é disponibilizado apoio individualizado e Na fase de sensibilização dos intervenientes no sistemático ao aluno. Realçamos ainda a necessidade programa pretendemos promover a formação/infor- da avaliação contínua do processo implementado de mação de acordo com as necessidades detectadas: forma a garantir os reajustamentos necessários e da identificação dos principais componentes de um siste- elaboração de uma base de dados que permita a reco- ma de ensino à distância, tendo em atenção as suas lha e actualização célere dos dados. vertentes institucionais, pedagógicas e tecnológicas; Para avaliar o projecto, são elaborados ou utiliza- planificação de ambientes de ensino à distância, de- dos instrumentos e definidos critérios que permitam finindo objectivos e seleccionando os métodos, téc- uma avaliação adequada quanto à eficácia do produto nicas e meios pedagógicos mais adequados ao perfil e à eficiência do processo, p.e., relativamente a parti- dos utilizadores; utilização correcta das ferramentas cipação e cooperação dos intervenientes no projecto informáticas que possibilitem a gestão de ambientes ou ao grau de satisfação dos utentes. de aprendizagem orientados para o ensino à distân- Finalmente, salientamos alguns recursos de su- cia; produção de materiais dinâmicos, com elevado porte, quer humanos quer materiais necessários à grau de interactividade, capazes de suportar apren- prossecução deste projecto: equipa pluridisciplinar do dizagens autónomas e significativas no contexto de DANTIC; equipa multidisciplinar do CAP; equipa da es- 20
  21. 21. Artigoscola de origem (direcção executiva; director de turma; ções e estratégias de alunos e professores num ambiente tecnoló-professores; técnico de informática); família; recursos gico interactivo. www.eca.us.br./nucleos/nce/pdf/038.pdfda comunidade e empresas (PT Comunicações, A Godinho, F. (1999). Internet para necessidades especiais. Univer-Beltrónica, DPW Informática). Ao nível dos recursos sidade de Trás os Montes e Alto Douro/Grupo Português pelas Ini-materiais destacamos o sistema de videoconferência ciativas da Acessibilidade. Vila Real.ou videotelefone de modo a permitir a troca de infor- Keegan, D.; Dias, A.; Baptista, C.; Olsen, G.-A.; Fritsch, H.;mação áudio e vídeo, assim como, de um computador Mičincová, M.; Paulsen, M.; Dias, P.; Pimenta, P. (2002) E-learningcom ligação a internet e do correio electrónico de for- - o papel dos sistemas de gestão de aprendizagem na Europa.ma a possibilitar a troca de ficheiros. Referimos que Instituto para a Inovação na formação. Lisboa.ao abrigo do programa Aladim para clientes com NE Lima, J.; Capitão, Z. (2003). e-Learning e e-Conteúdos.da PT Comunicações a instalação do acesso básico Moniz Pereira, L. (2001). Distance Training for the inclusion of low-RDIS é gratuito e a mensalidade tem uma redução de incidence groups. http://www.european-agency.org/ict_sen_db/50%. examples/docs/eg_pt2.doc Moniz Pereira, L. Formação à distância para a inclusão de gruposConclusões de baixa incidência (Portugal) http://131.246.30.23/ita/senisnet/ Os estudos empíricos permitem-nos afirmar que, cs27_pt.phpno que concerne ao ensino à distância, a tecnologia Moniz Pereira, L.; Saragoça, E. (2001). Educação à distâncianão substitui o atendimento, mas permite estabelecer como factor de inclusão de crianças com necessidades especiais.novas possibilidades de trabalho de equipa, num pro- In A. Estrela, J. Ferreira, X Colóquio Tecnologias da Educação:grama específico de intervenção, mantendo os alunos Estudos e Investigação (544-554). Universidade de Lisboa 16, 17com NE, num ambiente o menos restritivo: maior sis- e 18 Novembro.tematização e frequência do apoio e acesso célere à Moniz Pereira, L.; Simões, C. (2000). Analise do Sistema de Rea-informação especializada. bilitação. Edições FMH-UTL. No entanto, uma conclusão comummente referida Rodrigues; D. (1999). Tecnologia de Informação e Comunicaçãonos diferentes estudos, é de que a tecnologia é bem e Populações Especiais: ser parte do problema ou da solução?aceite pelos técnicos e população com NE quando: Revista de Educação Especial e Reabilitação. 1, 27-34.responde às suas necessidades; existe um período de Simões, J.; Bispo, R. (2003). Design inclusivo: Acessibilidade eadaptação/aprendizagem à sua utilização e é de fácil Usabilidade em Produtos, Serviços e Ambientes. Manual de apoiouso. às acções de formação do projecto Design Inclusivo – Iniciativa Em conformidade com estes pressupostos, é de re- EQUAL. Edição da Divisão de Formação da Câmara Municipal deferir a importância do acompanhamento do DANTIC Lisboa.de modo a efectuar as adaptações do contexto, as Tetzchener, S. (1994). Telecomunicações e Incapacidade. SNR.adequações dos recursos e a avaliação do processo. LisboaDesta forma poderão ser efectuadas as reestrutura- UMIC. (2003). Uma Nova Dimensão de Oportunidades: Plano deções necessárias a uma utilização das TIC - que se Acção para a Sociedade da Informação. Unidade de Missão Inova-quer dinâmica e proficiente. ção e Conhecimento, Presidência do Conselho de Ministros. Vidal, Elisabete. (2002). Ensino à Distância vs Ensino Tradicional.Bibliografia Universidade Fernando Pessoa. PortoAndrich, R.; Besio, S. (1999). Educação em Tecnologias de Apoiopara Utilizadores Finais: Linhas de orientação para Formadores.Programa de Aplicações Telemáticas: Sector Deficientes e Idosos.Projecto DE 3402 / EUSTAT Comissão Europeia DG XIII. Graça Faria - Técnica Superior de Educação Especial e Rea-Cordeiro, E.; Cravo, F. (1998). Tele-aula, uma nova forma de es- bilitaçãotar na escola. CANTIC/DREL/ME. Apresentação no IV Congresso Carina Ferreira - Técnica Superior de Ciências da EducaçãoRIBIE, Brasília. Isabel Ribeiro Silva - Professora EspecializadaCruz, D. Aprender e ensinar através da videoconferência: percep- Teresa Gonçalves - Fisioterapeuta 21
  22. 22. Artigos Professores e tecnologia Aprender a gerir uma nova ferramenta de aprendizagem “A HISTÓRIA DE UM PROFESSOR A APRENDER seguimos por ele. É como algo que, de alguma forma, Logo que os computadores foram introduzidos nas es- nos surge no caminho e não podemos mover. Pode- colas, comecei a ter receio que chegasse o dia em que os mos contornar mas não ignorar, sendo provavelmente meus alunos soubessem mais de programação do que eu a melhor estratégia reflectir sobre como rentabilizá-la alguma vez saberei. A princípio, tinha um grande avanço. para o bem da comunidade. As Novas Tecnologias de Acabava de chegar de umas oficina de LOGO realizada du- Informação e Comunicação (TIC) provocam essa per- rante o Verão, e eles ainda mal estavam a começar. Mas turbação na vida de muitas pessoas e, em particular, ao longo do ano, foram-se aproximando, à custa do muito no quotidiano de muitos professores. A citação com tempo dedicado a essa actividade, tempo esse de que eu que inicio este artigo é demonstrativa disso mesmo. não dispunha. Afinal, não me apanharam durante o primeiro Podemos e devemos preparar-nos para enfrentar as ano, mas sabia que, em cada ano que passasse, os miúdos perturbações que a inovação acarreta, comprometen- saberiam cada vez mais, devido à experiência adquirida do todos os nossos pares nessa tarefa, pela partilha nos anos anteriores e também ao facto de que um número da informação, aprendendo juntos a solucionar os pro- crescente deles começar a ter computador em casa. Além blemas e a rentabilizar o que de bom ela possa trazer disso, os miúdos têm mais jeito para computadores do que ao nosso dia-a-dia. Esta aprendizagem, como qual- nós, os adultos. quer outra, em especial se estamos a falar da escola, Surgiram, então, algumas ocasiões em que reparei que requer preparação prévia por parte dos professores. os estudantes tinham problemas que eu nem sequer con- A única garantia que temos é a de que por mais bem seguia compreender, quanto mais resolver. Procurei evitar preparados que estejamos isso não significa que os encarar o facto de que me sentia incapaz de manter a po- nossos alunos aprenderão. A aprendizagem é um pro- sição de saber mais do que eles, pois receava que desistir cesso no qual os professores têm um papel importan- dela pudesse minar a minha autoridade enquanto professor. te, mas não absoluto. Mas a situação foi-se agravando e vi-me forçado a dizer Durante muitos anos, os modelos de formação de «Não consigo perceber esse problema; tente discuti-lo com professores, sempre muito centrados nos processos, alguém na turma que o possa ajudar». Dito e feito. Traba- métodos e técnicas de ensinar, cimentaram a ideia de lhando em conjunto, os miúdos arranjaram maneira de des- que o papel do professor era o de detentor do conhe- cobrir uma solução. cimento. Ainda não há muitos anos, mesmo em espa- O que é espantoso é que aquilo que eu receava acabou ços que não a escola, quando se discutiam questões por se transformar numa libertação. Deixei de ter receio de relacionadas com o saber, se estava presente um pro- ser desmascarado e, uma vez que isso já tinha sucedido, fessor, recorria-se a ele para dar a palavra final, mes- deixou de ser necessário continuar a fingir. E o que foi fan- mo que não tivesse vivências na matéria. O reconhe- tástico é que me apercebi de que este logro se estendia a cimento público do professor como detentor do saber outras áreas para além dos computadores. Tudo isto me fez funda-se nos modelos clássicos de ensino da antigui- sentir que não podia continuar a fazer de conta que sabia dade, quando o conhecimento, publicamente aceite tudo, o que foi um enorme alívio! Este episódio alterou o numa determinada área, era passível de ser quase meu relacionamento com os alunos e comigo próprio, fa- todo dominado por uma pessoa, e se acreditava que zendo com que a minha turma se transformasse numa co- este só poderia ser construído por uma “cabeça ilumi- munidade colaborativa, na qual todos nós aprendemos.” nada”, fugindo ao domínio do cidadão comum. (Papert, S. (1997),. A Família em rede. Lisboa: Relógio d’Água, É comum ouvir dos professores, quando confronta- pp 224-225) dos com a possibilidade de utilização de novos meios, os mesmos receios manifestados pelo professor da A inovação é quase sempre um fenómeno perturba- história: perda de controlo na aprendizagem, por in- dor, na medida em que obriga ao confronto com novas capacidade de acompanhar os seus alunos na aqui- ideias que alteram a forma como vemos o mundo e sição de competências no uso dos computadores. Os 22
  23. 23. Artigosmodelos de formação inicial destes professores foram experiência e capacidade de mudança dia-a-dia. Osainda muito centrados no ensino e menos na aprendi- conhecimentos adquiridos durante a formação inicialzagem. A permanência destes modelos deve-se, fun- dos professores convertem-se, rapidamente, em ob-damentalmente, à crença de que a profissão docente soletos, se este deixar de se preocupar em continuaré uma profissão técnica e de que o domínio de todo o a aprender. A aprendizagem e a formação deverão serconhecimento é fundamental, pois garante seguran- um desafio constante.ça nos processos de transmissão. O alerta de Paulo Os professores necessitam, cada vez mais, de terFreire contra a “educação bancária”, que tem como conhecimentos adequados sobre o uso dos novosobjectivo depositar nos alunos o conhecimento para meios tecnológicos, audiovisuais e informáticos. Éque possam devolvê-lo quando necessário, onde nem imprescindível a literacia informática dos professores,se prevê nenhum acréscimo de juros, continua a estar para que a introduzam no seu saber docente e, com apresente no nosso sistema. mesma naturalidade quotidiana com que agora usam Ensinar é fazer aprender e, sem a sua finalidade de os manuais, possam usar qualquer software ou CD-aprendizagem, o ensino não existe. Porém, este “fazer ROM educativo nas suas aulas.aprender” dá-se pela comunicação e pela aplicação, o Ainda que algumas pessoas gostem de andar deprofessor é um profissional da aprendizagem, da ges- burro, e achem mais interessante do que andar de au-tão de condições de aprendizagem interactiva em sala tocarro, para galgar grandes distâncias este não seráde aula. certamente o meio mais adequado. No entanto, às ve- A formação de professores, num primeiro momen- zes, parece que utilizamos o “burro pedagógico” comto, deve mudar a ênfase do “ensinar” para o “apren- muita frequência nas escolas, ignorando e deprecian-der”. É necessário, muitas vezes, sermos o professor do a existência das Novas Tecnologias de Informaçãoda história que nos conta Papert, e percebermos que e Comunicação, e alegremente lá vamos...temos que nos despir de preconceitos, correr o risco Estou convencido da necessidade de implementar ade não saber tudo e estarmos disponíveis para apren- tecnologia como modelo para o trabalho do professor.der colaborativamente com os nossos alunos. É urgente capacitar os professores nestes domínios Cada dia se torna mais claro que o papel do profes- da comunicação, através duma pedagogia da imagemsor não é ser um banco de saber, mas sim um repre- e do uso racional e crítico dos recursos tecnológicossentante do mesmo, que informa sobre a sua localiza- na sua aplicação à educação. Daí que um dos desa-ção e o seu uso mais adequado. No ensino presencial, fios que hoje se coloca, de uma forma mais premen-movimentamo-nos na crença de que apenas o contac- te, às escolas seja a capacitação dos professores noto visual entre o professor e o aluno proporciona uma domínio das TIC’s adaptadas aos seus contextos decomunicação didáctica mais directa e humana, do que intervenção.através de qualquer sistema de comunicações. Nemo ensino presencial pressupõe comunicação efecti- Referências Bibliográficasva e apoio ao aluno, nem o ensino à distância deixa ALTET, M. (2000). Análise das Práticas dos Professores e das Si-inteiramente o processo de aprendizagem nas suas tuações Pedagógicas. Porto: Porto Editora.mãos. Se nos centrarmos no processo de ensino- FREIRE, P. (1988). Pedagogia da Autonomia – Saberes Necessá--aprendizagem, devemos observar como ensinam os rios à PráticaEducativa (7ª Ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.professores, mais do que os conteúdos que explicam, PAPERT, S. (1997). A Família em Rede. Lisboa: Relógio D’água.e perceber que as deficiências didácticas e metodo- PERRENOUD, P. (2000). Dez Novas Competências para Ensinar.lógicas que apresentam têm origem na sua formação Porto Alegre: Artes Médicas Sul.pedagógica inicial. Uma das características da sociedade de informa- Fernando Correia - Mestre em Supervisão Pedagógica pelação é a construção de novos perfis pessoais e, so- Universidade da Madeira; docente do Quadro da Direcção Regio-bretudo, profissionais, capazes de se adaptarem a nal de Educação Especial e Reabilitação e docente da Universida-esta necessidade de profissionais com qualidades, de da Madeira. 23

×