Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Movimentos Cívicos de Cidade num Mundo Global                Rede ´Global City 2.0`                        Lisboa         ...
Lisboa, 18 Abril 2011                   João Ferrão (ICS-UL)           1. A PERGUNTA DE PARTIDAPodem os movimentos cívicos...
Lisboa, 18 de Abril 2011                     João Ferrão (ICS-UL)            2. UMA RESPOSTA POSSÍVEL…Os movimentos cívico...
Lisboa, 18 Abril 2011                    João Ferrão (ICS-UL)              3. …MAS CONTINGENTEEntender os contextosCapacid...
Lisboa, 18 Abril 2011                       João Ferrão (ICS-UL)             4. ENTENDER OS CONTEXTOSA crise como transiçã...
Lisboa, 18 Abril 2011                            João Ferrão (ICS-UL)             5. CONSTRUIR NEXOS ESTRATÉGICOSConciliaç...
Lisboa, 18 Abril 2011                               João Ferrão (ICS-UL)6.   QUE PAPEL PARA OS GRUPOS SOCIAIS EFERVESCENTE...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Global city2 0 joão ferrão

2,685 views

Published on

Apresentação Prof. João Ferrão lançamento público da rede 'global city 2.0'

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Global city2 0 joão ferrão

  1. 1. Movimentos Cívicos de Cidade num Mundo Global Rede ´Global City 2.0` Lisboa 18 Abril 2011COSMOPOLITISMO EDINÂMICAS CÍVICAS URBANASEM PORTUGAL João Ferrão (ICS - Universidade de Lisboa)
  2. 2. Lisboa, 18 Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL) 1. A PERGUNTA DE PARTIDAPodem os movimentos cívicos urbanos contribuir para umaagenda transformadora que vise a inovação social? Uma dupla ambição: Natureza da mudança: agenda transformadora / mudança estrutural Finalidade da mudança: inovação social / mudanças duradouras e benéficas em termos de equidade e justiça social
  3. 3. Lisboa, 18 de Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL) 2. UMA RESPOSTA POSSÍVEL…Os movimentos cívicos urbanos como prática transformadora:uma tripla missão Consciencialização pública: a força do pensamento contra- intuitivo Democracia: a importância de enriquecer os processos de decisão Cidadania: a necessidade de contribuir para a capacitação de indivíduos, comunidades e organizações
  4. 4. Lisboa, 18 Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL) 3. …MAS CONTINGENTEEntender os contextosCapacidade de construir os nexos estratégicos
  5. 5. Lisboa, 18 Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL) 4. ENTENDER OS CONTEXTOSA crise como transição Saudosistas, tremendistas e reincidentes: uma 4ª via? Do Estado Leviatã ao Estado levitador: relação esquizofrénica entre distribuição de responsabilidades e relações de dependência? Confiança: um valor perdido?
  6. 6. Lisboa, 18 Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL) 5. CONSTRUIR NEXOS ESTRATÉGICOSConciliações urgentes Os tempos das práticas transformadoras: irreversibilidade O tempo longo das modificações estruturais O tempo lento dos processos de aprendizagem O tempo instantâneo e efémero de muitas dinâmicas cívicas Os espaços das práticas transformadoras: cosmopolitismo Preocupações locais, direitos globais: Local vs Localismo Os actores das práticas transformadoras de base local: convergência Diversidade e fragmentação: uma linguagem de base partilhável? Credibilidade e accountability: “Podemos confiar neles?”
  7. 7. Lisboa, 18 Abril 2011 João Ferrão (ICS-UL)6. QUE PAPEL PARA OS GRUPOS SOCIAIS EFERVESCENTES? O aumento de participação cívica não implica necessariamente: Mais consciencialização pública (alteração de crenças e valores a favor da necessidade de mudança) Mais democracia (reforço efectivo da participação em processos deliberativos) Mais cidadania (maior capacidade e poder de contribuir para a mudança) Construir uma agenda transformadora a favor da inovação social: uma responsabilidade colectiva com “cadernos de encargos” distintos Movimentos cívicos urbanos: construir os nexos estratégicos necessários E os “outros” (Estado, empresas, organizações, cidadãos em geral)? Do primado da lei (visão administrativo-burocrática) e da economia (visão neoliberal) ao primado do político Do primado do ter (materialismo) e do ser (individualismo) ao primado do transformar

×