Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Conversasnotanque 28abr

1,990 views

Published on

comunicação de Rodrigo Cardoso, Conversas no Tanque, Estaleiro cultural Velha-a-Branca, Braga

Published in: Technology, Real Estate
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Conversasnotanque 28abr

  1. 1. Conversas no Tanque 28.4.2011 Rodrigo CardosoAs cidades como fonte de intervenção cívicamovimento Cidades pela Retoma - rede Global City 2.0 -
  2. 2. “Why call it tourist season if we can’t shoot them?”
  3. 3. “As cidades são as mães do desenvolvimento económico, não porque as pessoas sejam mais inteligentes nas cidades, mas por causa das condições de densidade. Há uma concentração de necessidades nas cidades, e um incentivo maior para lidar com os problemas de maneiras inovadoras. Esta é a essência do desenvolvimento económico. Sem isso, éramos todos pobres.” “[...] compreende-se porque é que a Cidade foi sempre uma promessa utópica de emancipação económica e política, o espaço próprio das liberdades cívicas: do ponto de vista civilizatório, era um espaço de autogoverno; [...] As cidades tornaram-se, por isso, centros da inovação e assumiram o protagonismo cultural e político nos processos de modernização.” “I see the city and urban life, today as well over the entire 12.000years of urban societal development, as generatively and causally spatial. […] the historical development of societies doesn’t just take place IN cities, but it is also generated FROM cities.”
  4. 4. hierarquiacontrolo socialhomogeneidade conformidade
  5. 5. mobilização livre acessibilidadediversidade de contextospluraridade de objectivos Praça Tahir, Cairo, Fev. 2011
  6. 6. "Há uma segunda fase de actuação que se aproxima mais das pessoas,que tem a ver com a relação entre as coisas, com os sucessos nãoprogramados. Nesses elementos encontramos os verdadeiros feitosdiferenciais das cidades, pela sua capacidade de transformação apartir da pequena escala, e portanto a partir da percepção dosutilizadores, das intenções estratégicas com que se planeia a cidade."
  7. 7. 1. A escala da intervenção e a autonomia dos actores urbanos indicam que a arena comum da acção cívica já não é ideológica ou corporativa, mas material- a cidade, o bairro ou a rua são o foco espacialmente consistente das preocupações colectivas.2. A multiplicação e diferenciação de pontos de vista e acções cadavez mais individualizados revela a necessidade de os filtrar, organizar, e suportar técnica e culturalmente. Iniciativa cívica colectiva dedicada a discutir o papel das cidades edas suas comunidades em momentos de transição social e económica, e a reflectir sobre práticas urbanas e o futuro da cidadania.
  8. 8. REFLEXÃO: ‘task force’ multidisciplinarambiente, arquitectura, planeamento, gestão, cultura, sociologia, economia, design ACÇÃO: núcleos em cidades Aveiro, Porto, Lisboa, Faro, Torres Vedras, Covilhã, Coimbra, Guarda, … COLABORAÇÃO: parcerias internacionais Argentina, Austrália, Brasil, Espanha, Estados Unidos, Estónia, Reino Unido, … DISSEMINAÇÃO: actividade online facebook, blogs, grupos, …
  9. 9. ‘GLOBAL CITY 2.0’ LOW-COST & HIGH-VALUE NETWORK URBAN INITIATIVES globalcity.blogs.sapo.pt ruadasideias.blogs.sapo.pt mapa global de reflexão sobre soluções rápidas, movimentos cívicos urbanos eficientes, e de alto valor acrescentadoO estudo das cidades exige um posicionamento combinado e colaborativo entre múltiplas disciplinas, e a aceitação da contingência dos resultados em cada momento e local CITIES CIVIC AGENDA LOCAL ‘THINK TANK’ PARA A RETOMA citiescivicthinktank.blogs.sapo.pt agendalocalpelaretoma.blogs.sapo.pt repositório de conhecimento divulgação e debate de projectostécnico e científico sobre cidades com efeitos visíveis na economia local
  10. 10. ‘GLOBAL CITY 2.0’ NETWORK globalcity.blogs.sapo.ptmovimentos cívicos urbanos de mais de 200 cidades 230 sites/blogs de mais de 15 países 12 parcerias internacionais
  11. 11. 1. projectos localizados em cidadesLOW-COST & HIGH-VALUE 2. projectos viáveis e de baixo custo URBAN INITIATIVES ruadasideias.blogs.sapo.pt 3. projectos lançados pela comunidade 4. projectos cirúrgicos e de escala local LQC- lighter, quicker, cheapertrabalho incremental e de base local 5. projectos visíveis e de curto prazo 6. projectos que incorporem conhecimento
  12. 12. 1. projectos localizados em cidadesLOW-COST & HIGH-VALUE 2. projectos viáveis e de baixo custo URBAN INITIATIVES ruadasideias.blogs.sapo.pt 3. projectos lançados pela comunidade 4. projectos cirúrgicos e de escala local LQC- lighter, quicker, cheapertrabalho incremental e de base local 5. projectos visíveis e de curto prazo 6. projectos que incorporem conhecimento
  13. 13. 1. projectos localizados em cidadesLOW-COST & HIGH-VALUE 2. projectos viáveis e de baixo custo URBAN INITIATIVES ruadasideias.blogs.sapo.pt 3. projectos lançados pela comunidade 4. projectos cirúrgicos e de escala local LQC- lighter, quicker, cheapertrabalho incremental e de base local 5. projectos visíveis e de curto prazo 6. projectos que incorporem conhecimento
  14. 14. onde? a que escala? para quem?Para mais informação:[movimento „Cidades pela Retoma‟]http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt/[Facebook] http://www.facebook.com/CidadespelaRetoma[projecto Global City 2.0] http://globalcity.blogs.sapo.pt/[projecto Rua das Ideias] http://ruadasideias.blogs.sapo.pt/[email] cidadespelaretoma@gmail.com

×