Cidades pela Retoma

3,263 views

Published on

ALIANÇA POR UMA AGENDA LOCAL/GLOBAL COLABORATIVA PELA RETOMA

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,263
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,513
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Cidades pela Retoma

  1. 1. GLOBAL CITY 2.0 ALIANÇA POR UMAAGENDA LOCAL/GLOBAL COLABORATIVA PELA RETOMAJoão Seixas (ICS-UL), Rodrigo Cardoso (UCL-UK) e José Carlos Mota (DCSPT-UA) MOVIMENTO ‘CIDADES PELA RETOMA’ https://www.facebook.com/CidadespelaRetoma & http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt/ cidadespelaretoma@gmail.com
  2. 2. Apresentação O lugar da cidade, hoje O lugar dos movimentos cívicos urbanos na crise de hoje e no futuro de amanhã O Movimento ‘Cidades pela Retoma’ A Rede ‘Global City 2.0’ [mapeamento mundial de movimentos cívicos de cidade] A Aliança por uma ‘Agenda Local Colaborativa pela Retoma’ O Conceito de projectos ‘Low-Cost & High-Impact’ em Cidades
  3. 3. O QUE É UMA CIDADE? SINOYKISMUS HIPER-POLIS
  4. 4. O EFEITO-CIDADEO efeito-Cidade na Economia O efeito-Cidade na Ecologia As externalidades urbanas Os metabolismos urbanos ‘à la Marshall’ O efeito-Cidade na Política O efeito-Cidade na Criatividade e na Cidadania A serendipidade A forma mais elevada de cosmopolitismo
  5. 5. COMUNIDADE JUSTIÇA HABITAT CIDADANIA MOBILIDADE DIVERSIDADE TRANSACÇÕES COSMOPOLITISMO SUSTENTABILIDADE
  6. 6. Gregações e SegregaçõesA FRAGMENTAÇÃO, OS DESDOBRAMENTOS DO QUOTIDIANO E OS (DES) ENCONTROS PESSOA MATRIX
  7. 7. A CONECTIVIDADE NO CAOS
  8. 8. O Lugar da Cidade, hoje A cidade não como objecto, mas como objectivo 1 2 3O Lugar da Cidade O Conhecimento A Reinvenção e a Interpretação da Política da Cidade na Cidade
  9. 9. O lugar dos movimentos cívicos urbanos nacrise de hoje e no futuro de amanhã
  10. 10. O lugar dos movimentos cívicos urbanos na crise de hoje e no futuro de amanhãTensões As cidades como palco da mobilização cívica (de Tarik a Madrid, de Luanda a NY)
  11. 11. O lugar dos movimentos cívicos urbanos na crise de hoje e no futuro de amanhãIntenções As cidades como palco de mobilização cívica
  12. 12. O lugar dos movimentos cívicos urbanos nacrise de hoje e no futuro de amanhã
  13. 13. Pensar Global, agir Local… e Viral!From the Ashes of the Crash (New Economics Foundation, 2008) 20 steps to build a new economy Encourage Social approach Green New Deal Demerge banks multilevel in public and clean too big to fail currencies investments energy Segregate Windfall taxes Create new Time banking financial on energy public money and time value markets transition Bring financial Introduce Improve checks Accountable exotisms to the people’s and balances firm accounts balance sheets pensions Create reliable Reliable taxation Maximum Enable local local banking and fiscal wages and bonds systems systems pensions Moratorium to Financial Community Enhance local crash-home transaction connection and economies evictions taxes education
  14. 14. O lugar dos movimentos cívicos urbanos na crise de hoje e no futuro de amanhãCOMPREENSÃO: Compreensão de novas problemáticas /acções interdisciplinares e Projectos mais integradosVISÃO: Aumento da Capacidade EstratégicaACÇÃO: Uma Interligação mais Plena, em cada território, entre • Planeamento / Estratégia Integrada • Programação / Acção • Recursos e Sistemas de Governação • Avaliação e ResponsabilizaçãoPROXIMIDADE: Uma Governação mais Próxima das escalasdas questões: o que é proximidade política?CIDADANIA: Maior Envolvimento da e com a Sociedade Civil
  15. 15. MOVIMENTOS CÍVICOS QUE PENSAM O FUTURODA CIDADE E DA CIDADANIA CIDADES PELA RETOMA
  16. 16. O movimento cidades pela retoma• discutir o papel das cidades e das suas comunidades em momentos de transição social e económica, e a reflectir sobre práticas urbanas e o futuro da cidadania;• produzir debate e reflexão presencial (Porto, Faro e em Lisboa, até agora) e à distância (lista electrónica – 220 membros e redes sociais – 3.000 inscritos);• mobilizar para a acção colectiva;
  17. 17. • núcleo duro de mais de 20 pessoas (Porto, Aveiro, Coimbra, Guarda, Covilhã, Torres Vedras, Lisboa e Faro);• MIGUEL BARBOT | RODRIGO CARDOSO | FRANCISCO FLORIDO | VÍTOR SILVA | JOSÉ CARLOS MOTA | FERNANDO NOGUEIRA | GONÇALO SANTINHA | SUSANA LOUREIRO | CATARINA RODRIGUES | GIL RIBEIRO | FREDERICO LUCAS | RUI MATOSO |JOÃO SEIXAS | MÁRIO ALVES | BRUNO LAGE | JORGE REIS | PATRÍCIA ROMEIRO | MIGUEL TORRES | DANIELA AMBRÓSIO | JOAQUIM PAVÃO | GIL MOREIRA• mailing-list https://groups.google.com/group/ cidadespelaretoma• facebook https://www.facebook.com/Cidade spelaRetoma• blogue http://noeconomicrecoverywithou tcities.blogs.sapo.pt
  18. 18. MAPEAR OS MOVIMENTOS CÍVICOS DE CIDADEGLOBAL CITY 2.0
  19. 19. rede • REDE INFORMAL GLOBAL DE ‘MOVIMENTOS CÍVICOS DEglobal CIDADE’ e ESPAÇO DEcity 2.0 REFLEXÃO sobre o POTENCIAL DESTAS FORMAS EMERGENTES DE ‘DEMOCRACIA DE PROXIMIDADE’ PARA TRANSFORMAR AS CIDADES E A VIDA URBANA;
  20. 20. • Um espaço de partilha de experiências erede de aprendizagem colectiva sobre práticas urbanas, com elevado potencialglobal por envolver movimentos cívicos de diferentes países e culturas.city 2.0 • Uma oportunidade de mobilizar saberes técnicos e científicos para aprofundar o conhecimento sobre o potencial dos movimentos cívicos para revigorar a democracia e para aproximar os cidadãos da política no seu sentido mais profundo, isto é, a reflexão sobre os critérios que definem o futuro do espaço colectivo. • Capacitação de movimentos cívicos para a acção
  21. 21. rede Site www.globalcitynetwork.org/globalcity 2.0 Movimentos Cívicos de cidade a nível mundial Notícias Actividades Parcerias Rede 3 línguas (português, espanhol e inglês) Feito gratuitamente pela empresa Ponto C de Aveiro e seus trabalhadores no âmbito do Ano Europeu Voluntariado
  22. 22. redeglobal Parcerias locais (movimentos cívicos)city 2.0 Parcerias internacionais institucionais (Brasil, Argentina, Espanha, Itália, Reino Unido, Estónia, Austrália e Estados Unidos) Rede (Investigadores, Profissionais, Decisores e Cidadãos)
  23. 23. rede Mapa mundi ao mapa das ruas (TSF)globalcity 2.0 Provocações em formato low-cost para melhorar as nossas cidades (Público) Cidadania 2.0
  24. 24. ALIANÇA PORUMA AGENDA LOCAL COLABORATIVA PELA RETOMA
  25. 25. Perante a crise… esperar por um milagre?• Discutir o papel das cidades e dos movimentos cívicos na resposta à crise…• E pensar … como gerar ideias de transformação? como mobilizar a sociedade? como alinhar as dinâmicas ?
  26. 26. depois da AJUDA EXTERNAUm plano ‘B’ para Portugal,um ‘plano de apoio interno’!
  27. 27. partir das comunidades cooperação; capacitação;e dos poderes locais experimentação e(‘do futuro’); enfoque aprendizagem;em acções cirúrgicas;ideias LOCAL COLABORATIVA gerar riqueza, emprego;paratransfor contribuir paramar as a coesão social;cidades; iniciar avalorize ‘transição’; AGENDA ALIANÇAmrecursosesaberes(científic RETOMAos elocais)emdiferentesdomínio alinhars: movimentos eeconomi instituições coma interessescultural comunse
  28. 28. PODER LOCAL (DO FUTURO) ASSOCIAÇÕES E ORGANIZAÇÕES CIDADES, CIDADÃOS ALIANÇA ARTE/CULTURA, CIÊNCIA, DESENVOLVIMENTO E VIZINHOS pelas CIDADANIABAIRRO, RUA, CIDADE CIDADES ACTORES ECONÓMICOS DAS UNIVERSIDADES E CIDADES INVESTIGADORESQuem pode participar na aliança?Quantas alianças se podem criar?
  29. 29. 1.º 2.º COMUNIDADE E/OU GRUPO PODERES LOCAIS DINAMIZADOR E REFLEXÃO COORDENADOR ESTRATÉGICA 3.º 5.º MOBILIZAR 4.º IDENTIFICAR TEMAS CONHECIMENTO DEBATE LOCAL CHAVE/CRIAR GRUPOS CIENTÍFICO E PELA RETOMA TEMÁTICOS: EMPÍRICO economia da cultura; (TEMAS CHAVE) regeneração e construção sustentável; economia 6.º social; envelhecimento activo; mobilidade GERAR IDEIAS sustentável; alimentação BAIXO-CUSTO & local; relação ALTO-IMPACTO cidade/campo; SOBRE TEMAS CHAVE DA CIDADE 7.º 8.º COMUNICAR CRIAR ESPAÇO GERAÇÃO DE COLABORATIVO IDEIAS/PROPOSTAS PELA RETOMA - COMUNIDADE LOCAL E PAÍS AGENDA LOCAL COLABORATIVA PELA RETOMA 9.ºMas é difícil de organizar? Nós ajudamos…
  30. 30. GERAR (MICRO) IDEIASDE BAIXO-CUSTO E ALTO-IMPACTO EM CIDADES
  31. 31. 2. promovidos por cidadãos ou de grupos de cidadãos (bairro/rua), para a comunidade 3. sustentados1. Ideias de em passospequena escala, experimentaisligeiros, rápida e incrementaisexecução,efeito visível ebaratos 4. apoio low- profile das instituições e comunidades6. com RF locais eregionais 5. com talentos e RH locais e regionais
  32. 32. • Discussão colaborativa para gerar e/ou divulgar ideias ‘low- cost’• Crowdfunding
  33. 33. • Residências artísticas em lojas devolutas (1/3/6 meses); Oferecer a montra vazia para a valorização de um talento ou competência local; com troca de pequenas obras/limpezas;
  34. 34. • Recuperações ‘low-cost’ de edifícios devolutos (ateliers artísticos / empresas / associações aproveitando fábricas devolutas (Seres – Caldas da Rainha);• Espaços Co-work (Porto)
  35. 35. •Jardinagem de guerrilha•Hortas comunitárias
  36. 36. • Animação do espaço público, dar vida ao centro das cidades (arte, desporto e lazer)
  37. 37. Que mil ‘alianças’floresçam… ALIANÇA POR UMA AGENDA LOCAL/GLOBAL COLABORATIVA PELA RETOMA MOVIMENTO ‘CIDADES PELA RETOMA’ https://www.facebook.com/CidadespelaRetoma & http://noeconomicrecoverywithoutcities.blogs.sapo.pt/ cidadespelaretoma@gmail.com

×