Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revista Sorria - Programa de apadrinhamento

981 views

Published on

Programa de apadrinhamento do ChildFund Brasil ganha destaque em matéria da Revista Sorria

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Revista Sorria - Programa de apadrinhamento

  1. 1. conviver 24 o espaço de todos nós Família do coração Quem resolve conviver com crianças que moram em abrigos ou vivem em risco social ganha uma família. E, juntos, descobrem o verdadeiro sentido do verbo amar texto P a t r í c i a P e r e i r a ilustração G u i l h e r m e K a r s t e n ESPERAR TODOS OS DIAS o carteiro “Gosto da companhia dele”, diz Natalia. mento Afetivo da ONG Aconchego, não para conferir se chegou uma cartinha Quando se encontram, trocam muitos é por acaso o carinho entre as duas pon- de longe. Passar a semana esperando “eu te amo!”, “que saudade!” e “quando tas da relação. Constrói-se uma amizade um encontro. Ou ficar horas acordado à será o próximo encontro?”. transformadora. “O afilhado vê no padri- noite imaginando como está aquela pes- nho alguém com quem pode contar, divi- soa especial. Sensações assim são rotina Amizade transformadora dir alegrias, tristezas, conquistas, medos para quem descobriu que adotar não é a Programas de apadrinhamento como o e sonhos. E também é quem ensina limi- única maneira de trazer novas crianças de Natalia existem em todo o Brasil. O tes, faz cobranças e passa a perspectiva para seu convívio. Na vida de padrinhos objetivo é proporcionar convivência fa- do que é certo e errado”, explica Sabrina. e madrinhas de jovens que vivem em miliar e comunitária a jovens de abrigos. Há cumplicidade com responsabilidade. abrigos ou em regiões carentes, a sauda- Há os que requerem apenas uma doa- Alessandra Fonseca, de 32 anos, de se mistura com o amor e a responsa- ção mensal e troca de correspondência. descobriu isso ao tornar-se madrinha de bilidade. “Por mais clichê que pareça, é Outros permitem a padrinhos e madri- Alberto, de 10 anos, que mora no Vale difícil saber quem doa ou quem recebe”, nhas que passem fins de semana, feria- do Jequitinhonha, um dos lugares mais conta Natalia Veil, de 29 anos, que par- dos ou parte das férias com os afilhados. pobres do país. Ela o conheceu em uma ticipa do programa de apadrinhamento Alguns até possibilitam que eles fiquem lista de perfis da ONG ChildFund Bra- afetivo da ONG Aconchego, de Brasília. com a criança sob sua guarda por até sil, que incentiva a doação de quantias Há quatro anos, ela passa um fim dois anos. Quem quer ser padrinho pre- mensais para ajudar crianças que vivem de semana por mês com seu afilha- cisa preencher pré-requisitos como ter em regiões de risco social. Logo, os dois do. Nesses momentos, adoram se reu- tempo e disponibilidade para as crian- começaram a trocar cartas e fotos. “Cos- nir para comer. “Na rua ou em casa, é ças, participar de oficinas e formações. tumo dizer que é a única coisa da qual ja- do que ele mais gosta”, diz a madrinha, Com isso, dão uma chance a meninos e mais abrirei mão. Não quero perder esse que viu pela primeira vez o garoto em meninas de construírem relações afeti- vínculo”, diz Alessandra, que vive em La- uma visita ao abrigo. Como queria le- vas e ganharem referências da vida fora goa Santa (MG). “Quando ele era menor, var um pouco de afeto a crianças afasta- do abrigo, onde esperam a adoção ou o a mãe escrevia e ele desenhava. Agora, das da família, ela tornou-se madrinha. momento de voltar para a família. ele escreve, desenha, dá noticias da fa- Com o tempo, o convívio entre os Para a psicóloga Sabrina de Melo, mília. Acompanhei a evolução na escola dois tornou-se harmônico e divertido. do Núcleo de Preparação de Apadrinha- – a letra que melhora, o falar que muda.”Sorria27_conviver.indd 24 23/07/12 18:40
  2. 2. É que acolher uma criança tem a ver com conviver e educar quem vem de uma realidade diferente. Kátia diz que, quando as meninas chegam, elas preci- sam se adaptar à rotina da casa, aos ho- rários e aos costumes. “E nós também precisamos nos adaptar ao ritmo delas e chegar a um acordo. Afinal, é um novo relacionamento”, conta. E nem sempre Em maio deste ano, os dois conhe- e não um processo de adoção. O objeti- isso é tranquilo. Um dos problemas que ceram-se pessoalmente. Alessandra foi vo é tentar reestruturar a família de ori- já teve foi com a filha biológica. As ga- até a cidade de Alberto e foi recebida por gem para que a criança volte para casa. rotas começaram a ter desentendimen- toda a família. “Foi muito emocionante. Kátia Nascimento, 48 anos, faz parte tos comuns entre irmãs. Com muita con- Eu não fazia ideia de como estava cresci- de um projeto como esse há quatro anos. versa e paciência, a família se entendeu. do, só nos conhecíamos por foto”, lem- Ela participa do Sapeca (Serviço de Aco- Para Adriana Pinheiro, assistente bra a madrinha. “É impossível ser um pa- lhimento e Proteção Especial à Criança e social do Sapeca, pais que acolhem es- drinho sem se envolver, sem querer sa- ao Adolescente), da prefeitura de Campi- ses jovens costumam ter de readaptar a ber como o afilhado está o tempo todo.” nas. Desde janeiro, Júlia, de 9 anos, mora rotina e o jeito de se relacionar. “Apren- em sua casa. “É como um novo nasci- de-se muito com uma criança que vem Perto do coração mento na família”, conta Kátia, que vive de uma família desestruturada”, afirma. Esse envolvimento é ainda mais inten- com o marido e a filha de 15 anos. “A ter empatia, a oferecer colo, a escu- so quando os voluntários se dispõem a Ela fala que tem preocupações e feli- tar dúvidas e medos.” Isso acontece por- receber crianças em casa, por um perí- cidades como se a garota fosse sua filha. que, ao cuidar e ter um olhar atento ao odo de até dois anos. Nesse tipo de pro- “Eu me emociono quando aprendem outro, jovens e adultos passam a repen- grama, a família ganha a guarda provisó- algo ou fazem apresentações na escola”, sar suas necessidades e valores. Amor, ria de jovens afastados da família e deve diz. Júlia é a segunda garota que Kátia re- afinal, também é convívio, troca e cons- tratá-los como filhos – mas tendo em cebe. “Hoje tenho três filhas, e a família tante aprendizado. Algo que essas famí- mente que é uma situação temporária, vai aumentar no futuro”, afirma a mãe. lias do coração têm de sobra.Sorria27_conviver.indd 25 23/07/12 18:40

×