Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo

5,644 views

Published on

A normatização e as diretrizes para a elaboração de instrumentos de pesquisa. Instrumentos de pesquisa: como chegar a eles. Princípios de classificação e o quadro de arranjo. Avaliação Individual.

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,644
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
157
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo

  1. 1. Descrição Arquivística – Aula 4 A normatização e as diretrizes para a elaboração de instrumentos de pesquisa. Instrumentos de pesquisa: como chegar a eles. Princípios de classificação e o quadro de arranjo. Avaliação Individual. GESTÃO ARQUIVÍSTICA Aula 4 – Descrição Arquivística
  2. 2. Descrição Arquivística – Aula 4 Instrumentos de Pesquisa Instrumentos de pesquisa completam o trabalho de um arquivo com a finalidade de propiciar o acesso aos documentos, consulta e divulgação do acervo e se apresentam em vários formatos e cada um possui características próprias, que vão atender as necessidades dos pesquisadores
  3. 3. Descrição Arquivística – Aula 4 Sub-série2.3 Sub-série2.3 Documento/ Processo Documento subordinado / Ato informacional Sub-série2 Sub-série2 Série3 Série3 Documento/ Processo Seção2 Seção2 Sub-série1 Sub-série1 Série2 Série2 Documento/ Processo Sub-série2.2 Sub-série2.2 Sub-série2.1 Sub-série2.1 Série1 Série1 Fundo Fundo Seção1 Seção1 Seção3 Seção3GUIA INVENTÁRIO CATÁLOGO ÍNDICE Formas de descrição de documentos e acervos.
  4. 4. Descrição Arquivística – Aula 4 • Descrição do geral ao particular: apresenta uma relação hierárquica entre as partes e o todo • Informação relevante para o nível de descrição: as informações devem ser apropriadas para o nível que está sendo descrito. • Relação entre descrições: identifica o nível de descrição. • Não repetição de informação: não repetir as informações em níveis diferentes de descrição. estrutura multinível.
  5. 5. Descrição Arquivística – Aula 4 Outros instrumentos de Pesquisa E online?
  6. 6. Descrição Arquivística – Aula 4 Observações importantes: •Na tarefa de elaboração dos instrumentos de pesquisa é necessário saber, em primeiro lugar, em que nível de sintonia se encontram as atividades de descrição em relação às de classificação. •Por exemplo: se durante a ordenação interna dos documentos de uma série for possível a anotação das datas-limite, no momento da descrição não será necessário voltar àqueles documentos. •Infelizmente essa situação nem sempre ocorre e os arquivistas acostumaram-se a descrever a posteriori os conjuntos documentais já classificados. •Independentemente de se efetuar a descrição no mesmo momento ou após a classificação, é necessário estabelecer uma sistemática de coleta de informações do acervo e de seus documentos. •A utilização de fichas eficientes, informatizadas ou manuais, é muito importante. Também é fundamental a realização de um bom controle sobre o preenchimento e o processamento das fichas, a fim de se garantir uma padronização rigorosa. •A criação de manuais de preenchimento e a revisão sistemática são imprescindíveis. •Igualmente importante é ter controle do vocabulário e das siglas utilizadas.
  7. 7. Descrição Arquivística – Aula 4 Receitinha
  8. 8. Descrição Arquivística – Aula 4 Instrumentos de Pesquisa - Como chegar a eles: • 1 - planejamento e definição de prioridades • 2 - estabelecimento do conteúdo do instrumento • 3 - preparação para o recolhimento das informações • 4 - recolhimento das informações • 5 - confecção e divulgação do instrumento de pesquisa
  9. 9. Descrição Arquivística – Aula 4 Passo 1 - planejamento e definição de prioridades: · escolha do material a ser descrito; · escolha do tipo de instrumento; · definição da forma de divulgação do instrumento; · definição dos recursos materiais, humanos e financeiros; · estabelecimento de cronograma;
  10. 10. Descrição Arquivística – Aula 4 Passo 2 - estabelecimento do conteúdo do instrumento: · definição das informações a serem apresentadas; · definição do modo pelo qual as informações serão apresentadas; · estabelecimento do sistema de coleta e de processamento dos dados;
  11. 11. Descrição Arquivística – Aula 4 Passo 3 - preparação para o recolhimento das informações: · definição dos elementos do sistema informatizado (se for o caso); · elaboração de fichas para coleta da informação; · elaboração de manuais para o preenchimento das fichas a fim de se garantir sua correta utilização e a manutenção de um padrão; · teste das fichas e do manual em uma parte do acervo; · finalização das fichas e do manual; · treinamento do pessoal técnico responsável pelo preenchimento das fichas; · escolha de um técnico responsável pelo preenchimento (será o revisor das fichas, com o objetivo de garantir a padronização das informações);
  12. 12. Descrição Arquivística – Aula 4 Passo 4 - recolhimento das informações: · preenchimento das fichas; · revisão das fichas; Passo 5 - confecção do instrumento de pesquisa e divulgação do instrumento de pesquisa. Escrever, escrever e escrever.
  13. 13. Descrição Arquivística – Aula 4 Normatização da Descrição Arquivistica • A preocupação com a descrição arquivística é recente, surge por volta do final da década de 1980, com o início do processo de construção de normas de descrição de documentos arquivísticos. • Em 1992 foi produzida a primeira versão da ISAD(G), sua publicação ocorreu em 1993, sendo decidido que após 5 anos seria novamente revista. Ainda em 1992 foi proposta a elaboração de outra norma, a ISAAR (CPF), porém sua publicação ocorreu somente em 1996. • A ISAD (G) padroniza a descrição arquivística em fundos como um todo e em suas partes e contém regras gerais que podem servir como base para a criação de normas locais ou ser usada em conjunto destas se já existirem.
  14. 14. Descrição Arquivística – Aula 4 Metadados
  15. 15. Descrição Arquivística – Aula 4 Metadados
  16. 16. Descrição Arquivística – Aula 4 Classificação de Documentos de Arquivo “Determinação das categorias ou dos grupos entre os quais devem ser distribuídos logicamente e sistematicamente os dossiês em grupos ou categorias de assuntos segundo uma ordem para facilitar a utilização”.
  17. 17. Descrição Arquivística – Aula 4 Os princípios de classificação • a classificação é uma representação da realidade e como tal uma aproximação. É necessário definir níveis de tolerância; – Inesgotabilidade (nenhuma classificação é tão exaustiva que será capaz de englobar tudo); • Provisoriedade. • a classificação persegue um objetivo; • a classificação tem por trás um mecanismo classificador que executa as operações necessárias (denominação, hierarquia, subordinação);
  18. 18. Descrição Arquivística – Aula 4 • a classificação necessita de um princípio de classificação ou de divisão; • o princípio de classificação é natural quando é o mais adequado (aproximado) ao conjunto; Alunos Descrição Arquivísticas Masculino Feminino Princípio de Classificação: Sexo
  19. 19. Descrição Arquivística – Aula 4 Relações entre Conceitos • Relação hierárquica (gênero/espécie) – se dois conceitos diferentes possuem características idênticas e um deles possui uma característica a mais do que o outro, então entre eles se estabelece a relação hierárquica ou gênero/espécie. Árvore Árvore Frutífera Árvore de Nozes macieira pessegueiro amendoeira nogueira
  20. 20. Descrição Arquivística – Aula 4 Relações entre Conceitos • Relação partitiva (todo/parte) – a relação partitiva existe entre um todo e suas partes. Árvore Raízes Tronco Galhos Folhas
  21. 21. Descrição Arquivística – Aula 4
  22. 22. Descrição Arquivística – Aula 4
  23. 23. Descrição Arquivística – Aula 4
  24. 24. Descrição Arquivística – Aula 4
  25. 25. Descrição Arquivística – Aula 4 Entende-se por arranjo a "seqüência de operações intelectuais e físicas que visam à organização dos documentos de um arquivo ou coleção, utilizando-se diferentes métodos, de acordo com um plano ou quadro previamente estabelecido" (ARQUIVO NACIONAL, 2005). Paes (2005) afirma que as operações intelectuais compreendem a análise dos documentos quanto a sua origem funcional, forma e conteúdo; e as operações físicas referem-se ao acondicionamento dos suportes documentais em locais apropriados e àidentificação dos mesmos para definir sua disposição. O estudo das funções, das atividades e da estrutura da organização produzirá um esquema chamado quadro de arranjo que auxiliará nas atividades intelectuais e físicas de arranjo, realizadas na fase permanente. Arranjo
  26. 26. Descrição Arquivística – Aula 4
  27. 27. Descrição Arquivística – Aula 4
  28. 28. Descrição Arquivística – Aula 4
  29. 29. Descrição Arquivística – Aula 4 Relações entre Conceitos • Relações Funcionais – aplicam-se, sobretudo, a conceitos que expressam processos. Produção → Produto → Produtor → Comprador
  30. 30. Descrição Arquivística – Aula 4 Avaliação Individual

×