Piscicultura

21,075 views

Published on

material muito bom da E-tec Brasil

Published in: Education
2 Comments
22 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
21,075
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1,913
Comments
2
Likes
22
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Piscicultura

  1. 1. CAF UFPI 9 7 8 1 5 6 5 9 2 4 7 9 6 ISBN 978-1-56592-479-6 Piscicultura Jackelline Cristina Ost Lopes Técnico em Agropecuária Piscicultura_Capa_R.indd 1Piscicultura_Capa_R.indd 1 28/11/12 16:3028/11/12 16:30
  2. 2. 2012 Floriano Piscicultura Jackelline Cristina Ost Lopes
  3. 3. Ficha catalográfica Universidade Federal do Piauí Biblioteca Comunitária Jornalista Carlos Castello Branco Serviço de Processamento Equipe de Elaboração Colégio Agrícola de Floriano / UFPI Reitor Prof. Luiz de Sousa Santos Júnior Vice-Reitor Prof. Edwar de Alencar Castelo Branco Diretor do CAF Prof. Aroldo de Carvalho Reis Coordenador Geral Prof. Laurielson Chaves Alencar Coordenadora do Curso Profa. Rosiane de Neiva Ribeiro Coordenador Adjunto Prof. Sidclay Ferreira Maia Professor-Autor Jackelline Cristina Ost Lopes Equipe de Validação Secretaria de Educação a Distância / UFRN Reitor Prof. José Ivonildo do Rêgo Vice-Reitora Profa. Ângela Maria Paiva Cruz Secretária de Educação a DistâncIa Profa. Maria Carmem Freire Diógenes Rêgo Secretária Adjunta de Educação a DistâncIa Profa. Ione Rodrigues Diniz Morais Coordenador de Produção de Materiais Didáticos Prof. Marcos Aurélio Felipe Revisão Camila Maria Gomes Emanuelle Pereira de Lima Diniz Eugenio Tavares Borges Priscilla Xavier de Macedo Rhena Raíze Peixoto de Lima Verônica Pinheiro da Silva Diagramação Rafael Marques Garcia Arte e Ilustração Anderson Gomes do Nascimento Projeto Gráfico e-Tec/MEC © Colégio Agrícola de Floriano, órgão vinculado a Universidade Federal do Piauí (UFPI) Este Caderno foi elaborado em parceria entre o Colégio Agrícola de Floriano da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) para o Sistema Escola Técnica Aberta do Brasil – e -Tec Brasil. Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância L864t Lopes, Jackelline Cristina Ost Técnico em agropecuária: piscicultura/ Jackelline Cristina Ost Lopes.-Floriano: EDUFPI, 2012. 80p. ISBN: 978-85-7463-529-3 1. Piscicultura. I. Titulo. CDD: 639.3
  4. 4. e-Tec Brasil Apresentação e-Tec Brasil Prezado estudante, Bem-vindo ao e-Tec Brasil! Você faz parte de uma rede nacional pública de ensino, a Escola Técnica Aberta do Brasil, instituída pelo Decreto nº 6.301, de 12 de dezembro 2007, com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino técnico público, na mo- dalidade a distância. O programa é resultado de uma parceria entre o Minis- tério da Educação, por meio das Secretarias de Educação a Distancia (SEED) e de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), as universidades e escolas técnicas estaduais e federais. A educação a distância no nosso país, de dimensões continentais e grande diversidade regional e cultural, longe de distanciar, aproxima as pessoas ao garantir acesso à educação de qualidade, e promover o fortalecimento da formação de jovens moradores de regiões distantes, geograficamente ou economicamente, dos grandes centros. O e-Tec Brasil leva os cursos técnicos a locais distantes das instituições de en- sino e para a periferia das grandes cidades, incentivando os jovens a concluir o ensino médio. Os cursos são ofertados pelas instituições públicas de ensino e o atendimento ao estudante é realizado em escolas-polo integrantes das redes públicas municipais e estaduais. O Ministério da Educação, as instituições públicas de ensino técnico, seus servidores técnicos e professores acreditam que uma educação profissional qualificada – integradora do ensino médio e educação técnica, – é capaz de promover o cidadão com capacidades para produzir, mas também com auto- nomia diante das diferentes dimensões da realidade: cultural, social, familiar, esportiva, política e ética. Nós acreditamos em você! Desejamos sucesso na sua formação profissional! Ministério da Educação Janeiro de 2010 Nosso contato etecbrasil@mec.gov.br
  5. 5. e-Tec Brasil Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto. Saiba mais: oferece novas informações que enriquecem o assunto ou “curiosidades” e notícias recentes relacionadas ao tema estudado. Glossário: indica a definição de um termo, palavra ou expressão utilizada no texto. Mídias integradas: remete o tema para outras fontes: livros, filmes, músicas, sites, programas de TV. Atividades de aprendizagem: apresenta atividades em diferentes níveis de aprendizagem para que o estudante possa realizá-las e conferir o seu domínio do tema estudado.
  6. 6. e-Tec Brasil Palavra do professor-autor 11 Apresentação da disciplina 13 Projeto instrucional 15 Aula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 17 1.1 O que é piscicultura? 17 1.2 Aspectos socioeconômicos da piscicultura 19 Aula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixe 27 2.1 Anatomia e fisiologia do peixe 27 2.2 Espécies de peixes 29 Aula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 37 3.1. Sistemas de criação em piscicultura 37 3.2. Instalações em Piscicultura 40 Aula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 47 4.1 Qualidade da água 47 4.2. Manejo do viveiro 52 4.3. Fases do cultivo 55 Aula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 59 5.1. Alimento 59 5.2. Nutrição 61 Aula 6 – Reprodução dos Peixes 69 6.1. Reprodução dos peixes 69 Aula 7 – Sanidade e doenças dos peixes 75 7.1. Sanidade 75 7.2. Doenças dos peixes 76 Sumário
  7. 7. e-Tec Brasil9 Palavra do professor-autor Caro aluno Atualmente, a carne de peixe vem ganhando destaque no prato de inúmeras famílias. Isso porque é uma carne rica em proteínas, vitaminas e minerais, sendo considerada mais saudável quando comparada a de outros animais. Nesse contexto, a oportunidade para a prática da piscicultura cresce. Vi- sando abastecer o mercado consumidor que a cada dia se preocupa com a alimentação ideal. Contudo, produzir essa carne não é tão simples. A produção de peixes en- volve varias etapas que devem ser estudas, planejadas e monitoradas para o bom resultado da atividade. Bons estudos
  8. 8. e-Tec Brasil11 Apresentação da disciplina Na Aula 1, você vai conhecer o que é piscicultura e identificar seu papel socioeconômico no Brasil. Vai conhecer um pouco sobre a produção do pes- cado no Brasil e no mundo. Na Aula 2, você vai conhecer a anatomia e fisiologia do peixe e as principais espécies cultivadas na piscicultura brasileira. Explore as figuras, elas serão a base para a identificação das espécies. Na Aula 3, iremos conhecer os sistemas de criação de peixes e saber o que é preciso para implantar e iniciar construções para exploração de projeto em piscicultura. A Aula 4, descreve a qualidade da água destinada à produção, ponto pri- mordial para a sobrevivência dos peixes por ser se tratar do habitat dos mes- mos. Fala também sobre o manejo do viveiro e as fases de cultivo dos peixes. Na Aula 5, iremos conhecer sobre os hábitos alimentares dos peixes identi- ficando a preferência por determinados alimentos. Em seguida, veremos os elementos fundamentais utilizados na nutrição dos peixes. Na Aula 6, você irá identificar os métodos de reprodução dos peixes utiliza- dos na piscicultura. Verá também sobre a utilização de hormônios na fase de reprodução. Na Aula 7, será abordado a importância de oferecer aos peixes o controle sanitário ideal. Vai conhecer as principais doenças que acometem os peixes.
  9. 9. e-Tec Brasil13 Projeto instrucional Disciplina: Piscicultura Ementa: Definição piscicultura. Aspectos socioeconômicos. Anatomia e fisiologia. Espécies. Sistemas de criação. Construções. Qualidade da água. Manejo. Fases de cultivo. Hábitos alimentares. Nutrição. Reprodução Aulas Objetivos de aprendizagem Carga Horária (45h) 1 ·Definir piscicultura. ·Identificar os aspectos socioeconômicos da piscicultura. 6 horas 2 ·Identificar a anatomia e fisiologia do peixe. ·Listar as principais espécies de peixes exploradas na piscicultura. 7 horas 3 ·Identificar os sistemas de criação em piscicultura. ·Identificar as condições de implantação de criatório de peixes. ·Listar as construções em piscicultura. 7 horas 4 ·Conhecer a qualidade da água para a piscicultura. ·Estabelecer o manejo do viveiro. ·Identificar as fases de cultivo de peixes. 7 horas 5 ·Identificar hábitos alimentares dos peixes. ·Listar as exigências nutricionais dos peixes. 6 horas 6 ·Reconhecer a reprodução natural e artificial dos peixes. ·Identificar a técnica de hipofisação. 6 horas 7 ·Descrever sanidade em piscicultura. ·Identificar as doenças dos peixes. 6 horas
  10. 10. Objetivos Definir piscicultura. Identificar os aspectos socioeconômicos da piscicultura. 1.1 O que é piscicultura? Vamos iniciar a Aula 1 com alguns conceitos importantes que muitas vezes podem parecer idênticos, mas na verdade não são. Vejamos. Você já ouviu falar em aquicultura? Sabe o que significa? Aquicultura é o processo de produção em cativeiro, ou seja, em condições controladas, de organismos que vivem em ambiente predominantemente aquático. A aquicultura é uma atividade praticada pelo ser humano há milhares de anos. Existem registros de que os chineses já tinham conhecimentos sobre estas técnicas há muitos séculos e de que os egípcios criavam a tilápia há cerca de quatro mil anos (Fonte: Ministério da Pesca e Aquicultura). O Ministério da Pesca e Aquicultura define aquicultura como o cultivo de or- ganismos cujo ciclo de vida em condições naturais se dá total ou parcialmente em meio aquático. A aquicultura envolve a produção de peixes, camarões, rãs, ostras e outras espécies com o objetivo de servirem como alimento. Quando se fala especificamente em produção de peixes, essa atividade caracteriza-se como um subtipo da aquicultura denominado de piscicultura. e-Tec BrasilAula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 15 Aula 1 – Aspectos gerais da piscicultura
  11. 11. Figura 1.1: Criação de peixes Fonte: <http://www.pisciculturaaracangua.com/11022.html?*session*id*key*=*session*id*val*>.Acesso em: 21 jun. 2011. Em curtas palavras, piscicultura é a criação de peixes e se enquadra como uma especialidade da aquicultura. Outro conceito importante é o da pesca. Esta é a extração de organismos aquáticos e seu produto é chamado de pescado. Contudo, todo peixe é considerado pescado, mas nem todo pescado é peixe, podendo ser crustáceo, molusco, anfíbio, quelônio e mamífero de água doce ou salgada. 1.1.1. O peixe como alimento A piscicultura tem o objetivo, além de gerar renda, oferecer à população alimento de qualidade. O peixe é um alimento facilmente digerível, rico em proteína e de baixo valor calórico, e ainda apresenta excelente fonte de vita- minas e minerais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo anual de pescado de pelo menos 12 quilos por habitante/ano. Em 2009, o consumo foi de 9,03 kg por habitante/ano (SECOM, 2011, extraído da Internet) Qual a relação entre piscicultura e aquicultura? Diferencie com suas palavras. Quelônio réptil terrestre e aquático. Visite o link a seguir e saiba mais sobre a importância dos pescados em nossa alimentação: <http://www. saude.rio.rj.gov.br/cgi/public/ cgilua.exe/web/templates/ htm/v2/printerview.htm?infoid =618&editionsectionid=2> Pisciculturae-Tec Brasil 16
  12. 12. 1.2 Aspectos socioeconômicos da piscicultura A piscicultura ao longo dos anos tem se mostrado uma alternativa a mais de renda para a população, melhorando seu nível de vida, gerando renda e difundindo tecnologia de criação de peixes em cativeiro, suprindo o mercado regional e diminuindo a pressão da pesca sobre os rios da região. No Brasil, a piscicultura tem sido privilegiada quanto ao fator água, pois é praticada em regiões onde existe abundante reserva, o que podemos constatar em todas as regiões do país. No Piauí, essa atividade está em constante expansão. O tambaqui e a tilápia são as espécies que predominam no cultivo de pescados no estado. Figura 1.2: Destaque do Estado do Piauí na produção de peixes De acordo com a Associação Piauiense de Piscicultores (APP), o volume de pescado produzido no estado é de duas mil toneladas/ano. O Piauí possui entre dez e quinze associações e/ou cooperativas de piscicultores, totalizando mais de quatrocentos produtores. 1.2.1. Produção em números O atual processo de crescimento da piscicultura mostra que realmente é uma atividade lucrativa, o que contribui para o fortalecimento da economia da região. Vamos agora identificar alguns números na produção de peixes. e-Tec BrasilAula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 17
  13. 13. As principais espécies de peixes produzidas no Brasil estão listadas na Tabela 1.1 a seguir. Tabela 1.1: Principais espécies produzidas no Brasil Espécie Tonelada Carpa 42490,5 Tilápia 67850,5 Tambaqui 25011,0 Tambacu 10874,5 Pacu 9044,0 Piau 4066,5 Tambatinga 2494,5 Curimatã 2413,0 Truta 2351,5 Bagre-americano 1684,5 Matrinxã 1517,5 Pintado 1245,5 Jundiá 577,5 Piraputanga 534,0 Pirapitinga 327,5 Bagre-africano 224,0 Traíra 115,0 Aracu 92,0 Pirarucu 9,0 Outros 5824,0 Total 179746,0 Fonte IBAMA (2005). Como dito anteriormente, quando se fala em pescado podemos incluir, além da piscicultura, outras atividades como a produção de camarão chamada de carcinicultura que também merece destaque na Figura 1.4, na qual veremos a produção nacional de pescados em toneladas. Observe os dados sobre a piscicultura e seu crescimento do ano de 2003 até o ano de 2009. Pisciculturae-Tec Brasil 18
  14. 14. Tabela 1.2: Produção Nacional de Pescados 2003 - 2009 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Pesca Marinha 484.592,5 500.116,0 507.858,5 527.871,5 539.996,5 556.176,3 585.671,5 Pesca Continental 227.551,0 246.100,5 243.434,5 251.241,0 243.210,0 261.282,8 239.492,6 Total Pesca 712.143,5 746,216,5 751.293,0 779.112,5 783.176,5 817.450,1 825.164,1 Piscicultura 177.125,5 180.730,5 179.746,0 191.183,5 210.644,5 282.008,4 337.353,0 Carcinicultura 90.196,5 75.895,0 63.134,0 65.000,5 65.000,0 70.251,2 65.189,0 Aquicultura Outros 11.433,0 13.693,0 15.530,0 16.161,0 13.405,0 13.107,4 13.107,4 Total Aquicultura 278.128,5 269.697,5 257.780,0 271.695,5 289.049,5 365.367,0 415.649,0 Total Geral 990.272,0 1.015.914,0 1.009073,0 1.050.808,0 1.072.226,0 1.182.817,1 1.240.813,1 Fonte: <http://www.mpa.gov.br/mpa/seap/Jonathan/mpa3/dados/2010/Docs/Caderno%20 Consolida%C3%A7%C3%A3o%20dos%20dados%20estatiscos%20final%20curvas%20-%20completo.pdf>.Acesso em: 21 jun. 2011. Com a emergente produção de pescados no Brasil, o Ministério da Pesca e Aquicultura do Brasil através da Lei nº 11.958 instituiu o Dia do Pescador, no dia 29 de junho do ano de 2009. A responsabilidade desse ministério é de sustentar e desenvolver políticas voltadas ao setor pesqueiro no conjunto de seus anseios, ou seja, promover o constante crescimento e o controle da produção. Veja a Figura 1.3 que demonstra a evolução da piscicultura em apenas dois anos. Os dados são de relatórios do Ministério da Pesca e Aquicultura. Figura 1.3: Crescimento da piscicultura de 2007 a 2009 Fonte: <http://www.mpa.gov.br/mpa/seap/Jonathan/mpa3/dados/2010/Docs/Caderno%20 Consolida%C3%A7%C3%A3o%20dos%20dados%20estatiscos%20final%20curvas%20-%20completo.pdf>.Acesso em: 21 jun. 2011. Produção da piscicultura nacional e crescimento relativo 2007 a 2009 360.000 340.000 320.000 300.000 280.000 260.000 240.000 60,2% 220.000 200.000 2007 2008 2009 337.353 t Toneladas 282.008 t 210.644 t e-Tec BrasilAula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 19
  15. 15. Esse eminente crescimento não surgiu do nada. Grandes cuidados e investi- mentos adequados contribuíram para tal desenvolvimento. Com relação às estruturas, a exploração da piscicultura predomina em vivei- ros escavados representando 39% em relações a outras estruturas. A seguir, iremos identificar as estruturas onde são criados os peixes em percentual de acordo com levantamento feito pelo Ministério da Pesca e Aquicultura através do Censo Aquícola Nacional. Figura 1.4: Estruturas de cultivo utilizadas na engorda de organismos aquáticos se- gundo o Censo Aquícola Nacional 2008 Fonte: Boletim do Ministério da Pesca e Aquicultura. Disponível em: <www.mpa.gov.br>.Acesso em: 18 ago. 2011. Economicamente, existem três tipos de uso da produção aquícola: não comer- cial, comercial e pesque-pague. A atividade é não comercial quando a criação de peixes é para próprio con- sumo de quem produz. Pesque-pague é lazer/esporte. A atividade comercial é definida quando envolve a venda do produto. A atividade de produção aquícola é predominantemente comercial representando 84% (Figura 1.5). Figura 1.5: Usos gerais da produção aquícola segundo o Censo Aquícola Nacional 2008 Fonte: Boletim do Ministério da Pesca e Aquicultura. Disponível em: <www.mpa.gov.br>.Acesso em: 19 ago. 2011. Outros 1% 2% 46% 12% 39% Tanque de alvenaria Tanque rede Viceiro escavado Açude Pesque-pague Não comercial Comercial 84% 11% 5% Pisciculturae-Tec Brasil 20
  16. 16. Em relação ao destino da produção comercial, pouco mais de 70% da produ- ção aquícola é destinada à venda direta e apenas 0,2% segue para exportação (Figura 1.6). Figura 1.6: Destinos mais comuns dados à produção aquícola das propriedades recen- seadas pelo Censo Aquícola Nacional 2008 Fonte: Boletim do Ministério da Pesca e Aquicultura. Disponível em: <www.mpa.gov.br>.Acesso em: 18 ago. 2011. Existem poucos dados direcionados apenas para a piscicultura, porém temos registros da produção de pescado de forma geral. As Figuras 1.9 e 1.10 a seguir, citam os principais destinos das exportações e origem das importações do pescado do Brasil. Tabela 1.3: Principais destinos das exportações em 2009 Países 2009 US$/Kg US$ Kg Estados Unidos 71,001.160,00 7.064.308 10,09 França 28.812.323,00 6.312.693 4,56 Espanha 13.896.788,00 4.243.421 3,27 Japão 7.036.634,00 424.532 16,58 Coréia do Sul 5.514.955,00 2.014.145 2,74 Reino Unido 5.436.589,00 1.389.269 3,91 China 4.576.084,00 876.338 5,22 Portugal 4.138.348,00 1.024.447 4,04 Itália 3.602.032,00 391.371 9,20 Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). 0,2% 23,8% Exportação 70,8% 5,2% Intermediário Venda direta Outros e-Tec BrasilAula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 21
  17. 17. Tabela 1.4: Principais origens das importações brasileiras nos anos 2008 e 2009 Países 2008 2009 Kg US$ Kg US$ Chile 159.376.104,00 40.252.579 192.611.807,00 44.532.800 Noruega 192.013.340,00 33.629.626 154.492.024,00 29.753.821 Argentina 112.235.550,00 40.563.509 143.726.917,00 60.331.212 Uruguai 49.098.949,00 28.047.800 53.126.572,00 29.305.585 Portugal 59.428.087,00 8.416.918 51.069.632,00 7.857.315 Marrocos 21.348.362,00 25.965.208 28.769.206,00 31.380.234 China 30.794.506,00 11.179.772 27.271.968,00 7.624.220 Vietnã - - 6.302.650,00 3.283.000 Espanha 7.642.899,00 3.427.697 5.919.253,00 2.609.023 Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). Podemos notar que a piscicultura representa um bom investimento, seu pro- duto é um alimento saudável e nutritivo. Nosso país conta com água e área para cultivo e várias são as espécies a serem cultivadas. Para tanto, não garante o retorno da produção. São necessários alguns cuidados para se obter bons resultados. Esse e outros assuntos serão descritos ainda nessa disciplina. Resumo Na aula 1 você definiu piscicultura e identificou os aspectos socioeconômicos da piscicultura e do pescado no Brasil. Atividade de aprendizagem 1. Defina, com suas palavras, piscicultura. 2. O que é aquicultura? 3. O que você entende por pescado? 4. Descreva sobre o peixe como alimento. Visite o link a seguir e saiba mais sobre o Ministério da Pesca e Aquicultura: <http:// www.mpa.gov.br/> Pisciculturae-Tec Brasil 22
  18. 18. 5. Descreva sobre a piscicultura no estado do Piauí. 6. Quando surgiu o Ministério da Pesca e Aquicultura. 7. Qual o destino da exportação do pescado brasileiro? 8. Apesar da grande produção de pescado, o Brasil importa pescado de outros países. Quais são esses países? Cite 3. e-Tec BrasilAula 1 – Aspectos gerais da piscicultura 23
  19. 19. e-Tec BrasilAula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes 25 Aula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes Objetivos Identificar a anatomia e fisiologia do peixe. Listar as principais espécies de peixes exploradas na piscicultura. 2.1 Anatomia e fisiologia do peixe Vamos iniciar nossa aula 2 conhecendo um pouco sobre a anatomia e fisiologia do peixe. Veremos que o peixe possui algumas particularidades que o torna apto ao desenvolvimento na água. Observe a figura 2.1 que demonstra a anatomia externa e a morfometria do peixe. Figura 2.1: Anatomia externa e morfometria do peixe Fonte: <http://projetopacu.com.br/public/paginas/215-apostila-esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf>.Acesso em: 23 jun. 2011. Os peixes são animais de sangue frio, chamados pecilotérmicos. Essa carac- terística representa uma melhor eficiência alimentar visto que a energia dos alimentos ingeridos é utilizada para seu crescimento e não para a manutenção de sua temperatura como é observado nos mamíferos. Altura (h) Comprimento da cabeça Nadadeira peitoral Nadadeira ventral Comprimento padrão Comprimento total Boca Olho Opérculo Nadadeira dorsal Nadadeira anal Nadadeira caudal Linha lateral
  20. 20. Pisciculturae-Tec Brasil 26 O corpo do peixe apresenta simetria bilateral, ou seja, as duas metades são iguais, recoberto por escamas e por uma camada de muco por todo o corpo. Os olhos não possuem pálpebras e glândulas lacrimais e estão localizados na lateral da cabeça com movimentos independentes. Os peixes apresentam olfato desenvolvido. Suas narinas estão ligadas ao epité- lio sensorial detectando mudanças químicas na água e orientando na procura de alimento. A percepção dos estímulos externos é desempenhada pela linha lateral auxi- liando a aproximação de outros peixes e a presença de alimento. Os botões gustativos distribuídos por todo o corpo do peixe permitem a de- tecção dos sabores. Os peixes distinguem o salgado, doce, amargo e o acido (PEZZATO et al, 2001). Os peixes respiram por brânquias ou guelras. Ricas em capilares sanguíneos, as brânquias são responsáveis pelas trocas gasosas. Os peixes retiram o oxigênio da água e passam para o sangue, eliminando o gás carbônico do mesmo e lançando ao meio em que vivem. O consumo de oxigênio aumenta com a elevação da temperatura da água. O sistema digestivo dos peixes constitui de boca, estômago, intestino e esfíncter anal. As fezes dos peixes se decompõem por ação biológica, consumindo oxigê- nio e liberando nutrientes na água. A amônia é o principal resíduo nitrogenado excretado pelos peixes e é extremamente tóxica, devendo haver cuidados para evitar seu acúmulo na água. Merece destaque a anatomia dos peixes relacionada ao hábito alimentar, pois ocorrem variações no trato digestivo desses peixes. Vejamos: • Carnívoros: apresentam boca grande e mandíbulas fortes. Os dentes são pontiagudos e afiados quando presentes. Seu estomago possui am- pla capacidade de distensão e seu intestino é curto. • Onívoros: possuem boca de tamanho médio e os dentes aparecem em algumas espécies. O estomago apresenta forma de bolsa e o intestino e simples de tamanho mediano. Visite o link e saiba mais sobre a amônia nos sistemas de criação de peixes <ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/ Pereira_31_1.pdf>
  21. 21. e-Tec BrasilAula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes 27 • Herbívoros: possuem dentes importantes na trituração das fibras. Algu- mas espécies não possuem estomago como a carpa capim. Para melhor digestão possuem o intestino longo. • Fitoplanctófagas e zooplanctófagas: quando presentes os dentes são rudimentares. Possuem rastros branquiais em grande numero e bem de- senvolvidos. O estomago é simples e pode estar ausente em algumas espécies. Assim como os herbívoros apresentam intestino longo. • Iliófagas: possui boca rica em botões gustativos. Apresenta dentes farin- geanos ou filiformes. Algumas espécies possuem moela como estrutura auxiliar a trituração dos alimentos e o intestino é de comprimento médio. Na aula 5 você conhecerá mais sobre o hábito alimentar dos peixes. 1. Indique as nadadeiras presentes nos peixes. 2. Qual o papel da linha lateral e dos botões gustativos dos peixes? 2.2 Espécies de peixes Existem varias espécies de peixes, no entanto, iremos relatar algumas das principais espécies de peixes utilizadas na piscicultura brasileira. Para melhor compreensão vamos subdividir as espécies em categorias. Vejamos. 2.2.1 Peixes tropicais Os peixes tropicais referem-se àqueles que apresentam o maior potencial de desenvolvimento, quando a temperatura da água se encontrar entre 22ºC e 30ºC (PEZZATO et al, 2001, p. 36). Tilápia, carpa, pacu, tambaqui, surubim, matrinchã, piau e curimatã são exem- plos de peixes tropicais. 2.2.1.1 Tilápia Tilápia é o nome de várias espécies de peixes ciclídeos de água doce da sub- -família (WIKIPÉDIA, 2012, extraído da Internet).
  22. 22. Pisciculturae-Tec Brasil 28 A forma alongada predomina nos primeiros dias de vida. À medida que ele vai crescendo, vai ficando mais curto e mais alto, com cabeça e cauda pequenas, tornando-se um peixe oval arredondado. Figura 2.2: Tilápia Fonte: <http://hobbypesca.com.br/index.php/tilapia-oreochromis-niloticus/>.Acesso em: 25 maio 2011. De origem africana e hábito alimentar preferencialmente herbívoro, as tilápias vivem bem em temperaturas elevadas ou águas quentes. Iniciam a reprodução ao atingir 15 a 20 cm de comprimento, antes de um ano de vida. Em ambiente adequado, cada fêmea produz de 5.000 a 6.000 óvulos (NOMURA, 1978). A população excessiva é uma problemática nessa espécie. Uma prática útil é associar a tilápia ao peixe carnívoro para manter o equilíbrio da criação. A ou Tilápia do Nilo é a espécie mais cultivada na piscicultura brasileira. Uma curiosidade nessa espécie é a biologia da reprodução: as fêmeas guardam os ovos na boca, que depois eclodem e se desenvolvem em larvas. A intenção é protegê-los contra predadores. Figura 2.3: Tilápia com ovos na boca Fonte: <http://www2.ibb.unesp.br/Museu_Escola/Ensino_Fundamental/Origami/Documentos/Peixes.htm> Acesso em: 7 fev. 2012.
  23. 23. e-Tec BrasilAula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes 29 2.2.1.2 Carpa A carpa, peixe originário da Ásia, foi introduzida no Brasil por suas excelentes qualidades de rusticidade, prolificidade e facilidade de criação (MACHADO, 1982, p. 37). Destacamos três espécies de carpas: carpa comum, carpa cabeça grande e carpa capim. Vejamos cada uma delas: A carpa comum também conhecida como carpa de escama e carpa espelho é cultivada em quase todo o mundo. Quando juvenil, seu alimento natural é o zooplancton, e, quando adulta, animais de fundo como minhocas e larvas de insetos. Figura 2.4: Carpa comum (Cyprinus carpio) Fonte: <http://www.comopescar.org/wp-content/uploads/2011/01/carpa-comum-560x373.jpg>.Acesso em: 11 abril 2012. A Oreochromis niloticus carpa cabeça grande apresenta rápido crescimento, podendo chegar a dois quilos em apenas um ano. De habito alimentar natural- mente zooplanctófago, a carpa é um peixe resistente quando comparado a ou- tras espécies e demonstra melhor desenvolvimento em criações de policultivo. Figura 2.5: Carpa cabeça grande (Aristichthys nobilis) Fonte: <http://www.ceplac.gov.br/radar/Artigos/peixe_2_marta.tif.JPG>.Acesso em: 11 abril 2012. Acesse o link a seguir e saiba mais sobre Cultivo de tilápias no Brasil: origens e cenário atual. <http://www.sober.org.br/ palestra/9/178.pdf>
  24. 24. Pisciculturae-Tec Brasil 30 A carpa capim é um peixe herbívoro que, além de plantas aquáticas, come também gramas, capins e outras plantas terrestres. É uma espécie que produz muito adubo para os viveiros, pois pode consumir diariamente até 80% do seu peso. Figura 2.6: Carpa capim (Ctenopharyngodon idella) Fonte: <http://s3.amazonaws.com/magoo/ABAAAAyi0AB-1.png>.Acesso em:11 abril 2012. 2.2.1.3 Pacu O pacu é um peixe nativo encontrado em quase todo território brasileiro. Possui corpo achatado lateralmente e altura grande, o que o assemelha a forma de disco. Quando adulto, alcança mais de 70 cm de comprimento e pode pesar até 20 Kg. Figura 2.7: Pacu (Piaractus mesopotamicus) Fonte: <http://www.pisciculturapanama.com.br/peixes/pacu.htm>.Acesso em: 25 maio 2011. Em condições naturais, o pacu é um peixe onívoro e de reprodução anual na época das chuvas. É um peixe utilizado no cruzamento com o tambaqui. • O cruzamento da fêmea do tambaqui com o macho do pacu origina o TAMBACU. • O cruzamento da fêmea do pacu com o macho do tambaqui origina o PAQUI.
  25. 25. e-Tec BrasilAula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes 31 Sobre as condições de temperatura, embora o pacu possa resistir bem a tem- peraturas de até 15ºC, a faixa ideal para sua criação é entre 25 e 30ºC (VIDAL JUNIOR; ROSSI, 1998). 2.2.1.4 Tambaqui O tambaqui é uma espécie nativa da Bacia Amazônica apropriada para o cultivo por apresentar excelentes qualidades, dentre elas: carne saborosa, crescimento rápido, fácil manuseio e grande rusticidade. Assim como o pacu, possui corpo semelhante a um disco. Sua alimentação é onívora, baseando-se em frutas e sementes, podendo atingir o peso de dois quilos em um ano. Figura 2.8: Tambaqui (Colossoma macropomum) Fonte: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Colossoma_macropomum_01.jpg>.Acesso em: 25 maio 2011. O tambaqui não se desenvolve muito bem em temperaturas inferiores a 20ºC, sua faixa ideal varia entre 26°C e 32ºC (VIDAL JUNIOR; ROSSI, 1998, p. 11). 2.2.1.5 Surubim O surubim pintado é um peixe de água doce de considerável valor comercial. Possui corpo alongado, cabeça achatada, coloração escura no dorso e pintas na extensão do corpo. O baixo teor de gordura e a ausência de espinhos refletem a preferência desse peixe entre os consumidores. De hábito alimentar piscívoro, o surubim pode atingir até 1,50 metros de comprimento e 70 Kg de peso. Acesse os vídeos nos links abaixo e saiba mais sobre a criação do Pacu e do Tambaqui. <http://www.youtube.com/ watch?v=6wdQmzNhO1Y> <http://www.youtube.com/ watch?v=NDjhxiu3dyo>
  26. 26. Acesse o link a seguir e leia o texto sobre o surubim na aquacultura do Brasil. <http://www.cbra.org.br/ pages/publicacoes/rbra/ download/RB141%20 Crepaldi%20(O%20 surubim%20na%20 aquacultura)%20pag%20150- 158.pdf> Pisciculturae-Tec Brasil 32 Figura 2.9: Surubim pintado (Pseudoplatystoma corruscans) Fonte: <http://1.bp.blogspot.com/-cbLjW-ntLRU/TooO4QkF2RI/AAAAAAAAAx4/ncms6kISmx0/s640/ Grande+f%25C3%25AAmea+de+pintado%252C+estimada+em+40+kg.+R.+Paran%25C3%25A1+F7-+Vitorino.jpg>. Acesso em: 11 abril 2012. 2.2.1.6 Matrinxã O Matrixã é considerado um dos peixes mais saborosos da Bacia Amazônica. Possui corpo alongado e comprido alcançando até 80 cm e é um peixe de rápido crescimento, atingindo peso comercial com 7 a 8 meses de cultivo. Sua alimentação natural são frutas, sementes, insetos e pequenos peixes. O manejo é relativamente fácil e é um peixe resistente a águas frias e ácidas. Nas primeiras horas de vida do Matrinxã, o canibalismo é esperado, o que exige maior atenção durante a criação. Figura 2.11: Matrixã (Brycon sp) Fonte: <http://i242.photobucket.com/albums/ff273/Mlongofly/PB040172-1.jpg>.Acesso em: 11 abril 2012. O matrinxã é recomendado para criatórios desenvolvidos pela agricultura familiar (MATHIAS, 2012). 2.2.1.7 Piau Também conhecido como peixe três pintas, o Piau é um peixe encontrado em todas as bacias hidrográficas brasileiras. Apresenta corpo alongado e fusifor- me, podendo chegar a 30 cm de comprimento quando adulto. Alimenta-se naturalmente de vegetais e insetos aquáticos.
  27. 27. e-Tec BrasilAula 2 – Anatomia e fisiologia do peixe e principais espécies de peixes 33 O piau geralmente é criado para a pesca de subsistência e feiras populares. Figura 2.13: Piau (Leporinus sp) Fonte: <http://3.bp.blogspot.com/_pqexNLWF2tI/S93zSTF64WI/AAAAAAAAAXc/bFSogRbF3R8/s1600/Piau.jpg>.Acesso em: 11 abril 2012. 2.2.1.8 Curimatã De coloração prateada e boca em forma de ventosa, o Curimatã se alimenta naturalmente de matéria orgânica e microorganismos associados à lama do fundo dos viveiros, impedindo o acumulo de matéria orgânica, por isso tam- bém chamado de papa terra. É um peixe rústico e pode atingir cerca de 800g em um ano. Figura 2.9: Curimatã (Phochilodus sp) Fonte: <http://files.psiculturaliberdade.webnode.com.br/200000006-959f496991/curimba.jpg>.Acesso em: 12 abril 2012. 2.2.2 Peixes de clima frio Como o próprio nome diz, os peixes de clima frio são aqueles cultivados em temperaturas baixas. No Brasil, a principal espécie comercial dessa categoria é a truta, sendo consi- derado um peixe nobre (PEZZATO et al, 2001, p. 37). 2.2.2.1 Truta De formato alongado, a truta tem origem nos Estados Unidos. A truta arco-íris é a espécie mais cultivada.
  28. 28. Pisciculturae-Tec Brasil 34 De hábito alimentar carnívoro, se alimentando de insetos e outros peixes, essa espécie chega a maturidade sexual aos dois anos de vida. A criação da truta exige águas limpas e frias para o bom desempenho da espécie. Figura 2.10: Truta arco-íris (Oncorhynchus mykiss) Fonte: <http://lagoasdaestrela.blogspot.com/2007/11/habitantes-3-truta-arco-ris.html>.Acesso em: 25 maio 2011. Fonte: <http://estados-brasileiros.info/mos/view/Estado_do_Piau%C3%AD/>; <http://www.balaio.com.br/pesca/peixes/ tambaqui.htm>.Acesso em: 11 nov. 2011. Um dos peixes mais cultivados no estado do Piauí é o tambaqui. Escreva sobre essa espécie. Resumo Nessa aula, você estudou a anatomia e fisiologia do peixe e identificou as princi- pais espécies cultivadas na exploração da piscicultura com suas particularidades. Atividades de aprendizagem 1. O que você entende por peixe pecilotérmico? 2. Explique como ocorre a respiração dos peixes. 3. Escreva sobre a amônia excretada pelos peixes. 4. Cite e descreva como os peixes podem ser caracterizados quanto ao há- bito alimentar. 5. Descreva três espécies de peixes tropicais. Acesse o link a seguir e saiba mais sobre a criação de truta arco-íris <http://www.infobibos.com/ Artigos/2006_2/Truta/Index. htm>
  29. 29. e-Tec BrasilAula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 35 Aula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura Objetivos Identificar os sistemas de criação em piscicultura. Identificar as condições de implantação de criatório de peixes. Listar as construções em piscicultura. 3.1 Sistemas de criação em piscicultura Existem quatro tipos de sistemas aplicados à criação de peixes, são eles: criação extensiva, criação semi-intensiva, criação intensiva e criação superintensiva. Vamos conhecer cada uma delas, identificando suas características. 3.1.1 Piscicultura Extensiva O sistema extensivo refere-se ao ato de colocar os peixes em lagos ou represas onde permanecem até a sua captura. As principais características desse sistema são: o não fornecimento de ração aos peixes; a utilização, na maioria das vezes, da técnica de policultivo permitindo que várias espécies sejam cultivadas ao mesmo tempo e a falta de manejo adequado. O pouco investimento é a principal vantagem da piscicultura extensiva. Apre- senta como desvantagens uma baixa produtividade e lenta taxa de crescimento. Figura 3.1: Piscicultura extensiva Fonte: <http://www.qualquerinstante.com.br/noticia.php?c=7660>.Acesso em: 3 jan. 2012.
  30. 30. A taxa de estocagem é geralmente de um peixe/10 m2 . As principais espécies cultivadas são tilápias, carpas, tambaqui, piau, surubim, pacu, tambacu e matrinchã. (RASGUIDO e LOPES, 2004) 3.1.2 Piscicultura semi-intensiva O sistema semi-intensivo também é praticado em lagos e represas, porém apre- senta características diferentes do sistema extensivo, tais como: fornecimento de alimento aos peixes, geralmente parte é constituída de ração, apresenta maior produtividade se comparada ao sistema extensivo e também utiliza o policultivo. Figura 3.2: Piscicultura semi-intensiva Fonte: <http://www.socioambiental.org/pisci/iauarete_viv.shtm>.Acesso em: 3 jan. 2012. A taxa de estocagem utilizada é de 3 a 5 peixes/10m2 . Esse sistema é pouco utilizado por haver gastos com ração e pouco retorno financeiro. 3.1.3 Piscicultura Intensiva A piscicultura intensiva utiliza viveiros construídos estritamente para criar pei- xes. A finalidade desse sistema é obter alta produtividade por metro quadrado. Esse sistema apresenta características como: alimentação dos peixes com ração balanceada e adequada para cada espécie e de acordo com a fase de cultivo, manejo criterioso e utiliza espécies adaptadas à criação em alta estocagem. Pisciculturae-Tec Brasil 36
  31. 31. e-Tec BrasilAula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 37 Surubins e tilápias são as espécies mais recomendadas no sistema intensivo. (RASGUIDO; LOPES, 2004). Figura 3.3: Piscicultura intensiva Fonte: <http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia23/AG01/arvore/AG01_21_299200692526.html>.Acesso em: 3 jan. 2012. A taxa de estocagem utilizada é de 1 a 3 peixes/m2 . No viveiro de criação intensiva, é cultivada apenas uma espécie de peixe, ou seja, ocorre a prática de monocultivo. 3.1.4 Piscicultura superintensiva A piscicultura superintensiva é um sistema de criação aplicado nos cultivos em tanques-rede ou gaiolas e nos raceways ou longos tanques de alvenaria, concreto ou fibra de vento dotado de fluxo contínuo de água. Figura 3.4: Tanques-rede Fonte: <http://www.codevasf.gov.br/programas_acoes/desenvolvimento-territorial/arranjo-produtivo-de-aqueicultura-do- -oeste-da-bahia-1>.Acesso em 3 jan. 2012.
  32. 32. Figura 3.5: Raceway Fonte: <http://www.projetopintado.com.br/2009/racewaysDeCrescimentoDeAlevinos.html>.Acesso em: 3 jan. 2012. Nesse caso, uma só espécie de peixe é cultivada em alta densidade de povoa- ção. Geralmente, ficam cerca de 20 a 100 peixes/m2 em cada metro cúbico de gaiola ou tanques pequenos. A remoção dos metabólicos dos peixes é necessária, principalmente dos amo- niacais e dos restos de alimentos podres. A disposição de oxigênio continua- damente também é indispensável na piscicultura superintensiva. Os peixes recebem alimentos comprimidos, chamados de pellets ou semelhan- te, balanceados com tipos e teores de proteínas, minerais, vitaminas e outros ingredientes indispensáveis para o seu crescimento. 3.2 Instalações em Piscicultura Como vimos, a piscicultura pode ser praticada em tanques, em viveiros, nos açudes, em gaiolas ou tanques-redes, nas balsas, no sistema raceways etc. Para iniciar um projeto de piscicultura e ter sucesso na atividade, é necessário estar atento às condições de implantação, as quais dependem fundamental- mente dos seguintes fatores: • Terreno adequado Preferência aos terrenos planos ou com declividade suave de 5% que permita a construção de tanques com a mínima movimentação de terra. Além dos sistemas de criação, a piscicultura possui o tipo de exploração que pode ser de duas formas: monocultivo e policultivo. O monocultivo, como já foi dito, consiste na criação de uma única espécie e é muito utilizado no sistema superintensivo. O policultivo, por sua vez, caracteriza-se pela criação de espécies diferentes e de hábitos alimentares diferentes, podendo assim aproveitar melhor o alimento disponível no tanque. Pisciculturae-Tec Brasil 38
  33. 33. • Tipo de solo Na piscicultura, os melhores solos são os semipermeáveis, ou seja, intermedi- ários entre o arenoso e o argiloso. • Disponibilidade de água A água deve ser de boa qualidade e de quantidade abundante. A quantidade de água deverá ser o suficiente para permitir a reposição das perdas por eva- poração, infiltração e renovação dos tanques. As águas superficiais de fontes, como rios e riachos, são as mais utilizadas na piscicultura e devem ser limpas, perenes e sem contaminantes. • Infraestrutura Deve ser observada a disponibilidade de energia elétrica e se essa energia é constante ou não. As condições de estradas, pontes, fornecedores de insu- mos, alevinos, assistência técnica, equipamentos, oficina também devem ser observadas para que não comprometam a produção. • Dados de meteorologia Registros anteriores de precipitação, temperaturas médias, insolação, ventos dominantes devem ser levantados por um período longo de tempo, principal- mente dados de enchentes e estiagens prolongadas para a correta implantação da piscicultura. 3.2.1 Construções Nesse tópico, vamos estudar alguns pontos importantes nas estruturas das construções em piscicultura, sejam de tanques ou viveiros. Iniciando a parte de construções, vamos entender a diferença entre viveiros e tanques. e-Tec BrasilAula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 39
  34. 34. Canaleta (Telha) Tela Tela Anteparo para evitar o revolvimento do fundo Pisciculturae-Tec Brasil 40 • Viveiros e tanques Figura 3.6: Viveiro (esquerda) e tanque (direita) Fonte: <http://www.felb.no.comunidades.net/index.php?pagina=galeria&numb=3 http://www.agrocim.com.br/noticia/Linhas_de_credito_para_criacao_de_peixes_serao_apresentadas_em_Forum.html>. Acesso em: 3 jan. 2012. Os viveiros são reservatórios construídos em terreno natural, dotados de siste- mas de abastecimento e de drenagem da água. Os tanques são benfeitorias cuja característica básica é de serem revestidos, seja de alvenaria, pedra, tijolos ou concreto. Esse revestimento pode ser total ou parcial, isto é, apenas nas paredes laterais. São mais caros que os viveiros, porém apresentam alta produtividade. Também são de baixa manutenção e grande durabilidade. • Canais de abastecimento de água O abastecimento se dá preferencialmente por gravidade ou com uso de bombas de abastecimento. A entrada da água pode ser com canaletas de telha ou alve- naria, ou com uso de cano de PVC de alta pressão. Os canais de abastecimento devem estar posicionados na extremidade e na parte superior do tanque. Figura 3.7: Canaleta de telha (esquerda) e tubos de PVC (direita) Fonte: Furtado (1995).
  35. 35. Filtro Tábua Tela Cano Caxilho Tela Brita Vista (Perfil) Taipa Tela Cotovelo móvel Placa de concreto firmando o tubo de drenagem Tábuas Cerragem Tubo de drenagem Tela N.A. e-Tec BrasilAula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 41 • Filtro biológico Tem a função de evitar a entrada de outras espécies nocivas ao cultivo, como predadores, e impedir a entrada de troncos, folhas, lama etc. Geralmente, são filtros de brita. Figura 3.8: filtro em tanques de alvenaria (esquerda) e filtros em canais de abasteci- mento (direita) Fonte: Furtado (1995). • Saída da água As estruturas de saída da água devem estar na parte mais baixa do tanque para que o mesmo possa ser totalmente drenado. Estruturas de saída da água podem ser do tipo cotovelo ou joelho e a conhecida como monge. O sistema de escoamento em vasos comunicantes conhecido como monge é o mais indicado para tanques de piscicultura. Os monges podem ser construídos externa ou internamente aos tanques (NETO, 2008). Figura 3.9: Tipo cotovelo (esquerda) e tipo monge (direita) Fonte: Furtado (1995).
  36. 36. • Declividade A declividade é um fator relevante na construção dos tanques. O leito do tan- que deve apresentar uma pequena inclinação no sentido das paredes laterais para o centro. No sentido longitudinal, em direção ao escoamento, deve haver uma inclinação de 1,5% para facilitar a limpeza e drenagem total do tanque. Figura 3.10: inclinação no centro (esquerda) e declividade no tanque (direita) Fonte: Furtado (1995). Em piscicultura, o policultivo é caracterizado pela criação de diferentes espé- cies. Acesse o link a seguir e responda às questões: http://www.aquabel. com.br/camarao.asp a) Qual o objetivo do policultivo? b) Como é a despesca no sistema de policultivo? c) Como é o fornecimento de ração no policultivo de peixe com camarão? Resumo Na aula 3, você estudou os sistemas de criação em piscicultura: extensivo, semi- -intensivo, intensivo e superintensivo. Depois, descobriu que podem ser criadas uma ou mais espécies de peixes no mesmo local com os tipos de exploração: monocultivo e policultivo. Aprendeu também que é importante levantar dados sobre a área onde se quer implantar a piscicultura. Identificou a diferença entre viveiro e tanque e conheceu sobre construções para criação de peixes. Atividade de Aprendizagem 1. Quais os sistemas de criação utilizados em piscicultura? 2. Descreva sobre o sistema superintensivo. Monge Entrada d’água Declive 1,5% Taipa Canal de desague Pisciculturae-Tec Brasil 42
  37. 37. 3. Diferencie monocultivo e policultivo. 4. O que deve ser investigado antes da implantação de projeto de piscicul- tura? Descreva. 5. Qual a diferença entre viveiros e tanques de peixes? 6. Descreva os canais de abastecimento. 7. Para que serve o filtro biológico? 8. Descreva sobre as estruturas de saída de água. 9. Qual a importância da declividade na construção de tanques? e-Tec BrasilAula 3 – Sistemas de criação e Instalações em piscicultura 43
  38. 38. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 45 Aula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo Objetivos Conhecer a qualidade da água para a piscicultura. Estabelecer o manejo do viveiro. Identificar as fases de cultivo de peixes. 4.1 Qualidade da água Vamos iniciar nossa aula conhecendo um pouco sobre a água de cultivo de peixes. A qualidade da água é um dos pontos mais importantes a serem ob- servados diariamente pelo piscicultor. O habitat dos peixes pode variar durante todo o dia e comprometer em curto espaço de tempo toda produção. O controle da água e o manejo adequado são práticas indispensáveis para o sucesso da piscicultura. Iremos conhecer a água como meio de cultivo nos seguintes aspectos: temperatura, pH, transparência, alcalinidade, dureza, gases dissolvidos, amônia, salinidade e biologia da água. 4.1.1 Temperatura A temperatura influencia diretamente nas atividades fisiológicas dos peixes. Cada espécie possui uma zona térmica ótima, ou seja, uma variação de tem- peratura confortável que possibilita seu desenvolvimento. O termômetro é um equipamento necessário para o controle da temperatura que deve ser avaliada na superfície e no fundo do viveiro.
  39. 39. Pisciculturae-Tec Brasil 46 Tabela 4.1: Faixa de temperatura ideal para diferentes espécies de peixes Espécie Temperatura (ºC) Pacu 25 a 30 Tambaqui 26 a 28 Tambacu 25 a 30 Carpa comum 24 a 30 Carpa capim 24 a 27 Tilápia 26 a 28 Bagre africano 24 a 28 Pintado 22 a 28 Dourado 20 a 28 Fonte: CPT 4.1.2 Potencial hidrogeniônico (pH) Alterações bruscas no pH da água podem gerar mortalidade em massa dos peixes e exposições por longo tempo comprometem o desenvolvimento dos peixes. A escala de pH varia de 0 a 14. O pH igual a 7 é neutro, abaixo desse a água é acida e acima é alcalina. A faixa de pH para a piscicultura está entre 6,0 e 9,0, sendo ideal entre 7,0 e 8,5. O uso de equipamento como peagâmetro auxilia a medição do pH da água. 4.1.3 Transparência A capacidade de penetração da luz na água define a sua transparência. Na piscicultura, utiliza-se o disco de Secchi para avaliar a transparência da água utilizada no cultivo dos peixes. O disco de Secchi é um disco de 20 cm de diâmetro, com quadrantes al- ternados de preto e branco, preso a um cabo (SEBRAE, 2010). Ao utilizar o disco de Secchi, deve ser observada a maior profundidade que permite a sua visualização na água. A transparência entre 30 e 60 cm de profundidade é, geralmente, a mais adequada para a piscicultura. Quando a transparência é maior que 60 cm, existe maior possibilidade de crescimento de plantas aquáticas; quando a transparência é menor que 30 cm, ocorre problemas de oxigênio dissolvido e variações de pH, ambos problemas devem ser evitados na criação de peixes.
  40. 40. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 47 Figura 4.1: Disco de Secchi Fonte: <http://enthoscolombia.com/productos_aguas.html>; <http://www.flickr.com/photos/editdata/5565160607/>. Acesso em: 3 jan. 2012. O monitoramento da visibilidade pelo uso do disco de Secchi, semanal ou a cada três dias, permite que o piscicultor maneje adequadamente a qualidade da água. 4.1.4 Alcalinidade Alcalinidade é a capacidade da água em receber prótons, devido à presença de carbonos, bicarbonatos e hidróxidos de metais alcalinos e alcalinos terrosos (Furtado, 1995, p.42). Quando se fala no poder da água em neutralizar ácidos fortes e na mineral- ização da água trata-se de alcalinidade. Em viveiro de peixes é desejável níveis acima de 20mg/L. 4.1.5 Dureza As concentrações dos íons cálcio e magnésio, combinados ao carbonato e bicarbonato, correspondem à dureza total da água. A presença de cálcio e magnésio na água contribui para a formação do esqueleto e outras estruturas do corpo do peixe. Valores acima de 40mg/L são recomendados em águas destinadas a piscicultura. 4.1.6 Gases dissolvidos Os principais gases dissolvidos em águas de cultivo de peixes são: oxigênio e gás carbônico. Vamos identificar a participação de cada um na piscicultura.
  41. 41. Pisciculturae-Tec Brasil 48 4.1.6.1 Oxigênio (O2 ) O oxigênio dissolvido é o componente mais limitante em piscicultura. Em baixas concentrações pode causar atraso no crescimento, aumento de incidência de doenças e mortalidade dos peixes. A variação do oxigênio nos tanques ocorre em função da quantidade de plan- tas, da profundidade do tanque, da temperatura da água e da incidência de luz dentro do tanque. Sinais de queda de oxigênio na água: • Os peixes não se alimentam. • A coloração da água passa de verde para marrom. • Peixes abrindo e fechando a boca na superfície. • Concentração de peixes próximos à entrada de água do viveiro. • Mortalidade de peixes maiores. Figura 4.2: Peixes procurando oxigênio na superfície Fonte: <http://ramonlamar.blogspot.com/2011/02/lagoa-nao-esta-para-peixe.html>.Acesso em: 3 jan. 2012. O que fazer na falta de oxigênio: • Parar a adubação orgânica e/ou arraçoamento. • Utilizar aeração mecânica. • Encher o viveiro com o máximo de água limpa possível. Arraçoamento Fornecimento de alimento.
  42. 42. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 49 Figura 4.3: uso de aerador na piscicultura Fonte: <http://www.agrocomercio.com.br/site/piscicultura.php?peixe=4>.Acesso em: 3 jan. 2012. Níveis acima de 3mg/l de oxigênio dissolvido na água são considerados ótimos para o cultivo de peixes. 4.1.6.2 Gás Carbônico (CO2 ) O gás carbônico ou dióxido de carbono normalmente encontra-se na água em baixas concentrações. Pode ser encontrado na água sobre 3 formas: Dióxido de carbono livre, Íon de carbono e Íon carbonato. O CO2 influencia diretamente o pH da água. À medida que o pH aumenta a concentração de CO2 diminui e vice versa. 4.1.7 Amônia Amônia é um composto nitrogenado dissolvido na água e produto da decom- posição aeróbia e anaeróbia da matéria orgânica. À medida que aumenta a concentração de amônia na água, diminui a capaci- dade do peixe em excretar a amônia pelas brânquias, o que leva ao aumento de amônia no sangue do peixe causando problemas no seu rendimento. A renovação da água é utilizada para reduzir a concentração de amônia em viveiros. Concentrações de amônia inferiores a 0,05 mg/L é ideal para a criação de peixes. 4.1.8 Salinidade da água A salinidade da água não afeta alguns peixes dentro de certos limites de tolerância da espécie, no entanto, em alguns casos, pode tornar a água im- própria para o abastecimento na piscicultura. Visite o link e saiba mais sobre: A amônia nos sistemas de criação de peixes e seus efeitos sobre a qualidade da água. <ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/ Pereira_31_1.pdf>.Acesso em: 3 jan. 2012.
  43. 43. Pisciculturae-Tec Brasil 50 As águas superficiais apresentam uma baixa salinidade. Já águas de poços profundos apresentam uma salinidade alta. Para melhores resultados, antes da utilização nos viveiros, a salinidade da água deve ser medida pelo uso de salinômetros e refratômetros. 4.1.9 Biologia da água A água, seja profunda ou superficial, é habitada por milhares de espécies de organismos, os principais são as bactérias e o plâncton. As bactérias são seres microscópicos que decompõem a matéria orgânica. São importante fonte de alimento para alguns grupos de animais inferiores. No entanto, grande número de bactérias pode prejudicar a vida dos peixes devido à queda do oxigênio dissolvido na água. Plâncton são todos os organismos microscópicos vegetais e animais ou fito- plâncton e zooplâncton, respectivamente. O plâncton apresenta grande im- portância na piscicultura, pois após a absorção do saco vitelino, as larvas dos peixes alimentam-se do plâncton. O disco de Secchi é uma ferramenta útil utilizada na piscicultura. Escreva para que serve, como funciona e quando deve ser utilizado esse disco. 4.2 Manejo do viveiro Algumas técnicas devem ser incluídas no manejo dos viveiros. A calagem e a adubação são as técnicas mais utilizadas na produção de peixes. Vamos identificar cada uma delas. 4.2.1 Calagem A Calagem consiste na técnica utilizada para melhorar a qualidade da água na piscicultura, principalmente, em viveiros escavados de solos ácidos. Logo após o esvaziamento e exposição ao sol do viveiro, inicia-se a aplicação em toda área do viveiro da cal, podendo ser: cal virgem ou cal hidratada, calcário dolomídico ou calcário calcítico.
  44. 44. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 51 Figura 4.4: Calagem em viveiro Fonte: <http://www.pesca.sp.gov.br/imagens.php?pag=18>.Acesso em: 3 jan. 2012. Além da correção da acidez do solo, a calagem ajuda na não proliferação de organismos indesejáveis que venham competir futuramente por alimento com os peixes. 4.2.2 Adubação A adubação ou fertilização da água é utilizada para incrementar a produção biológica, ou seja, aumentar a disponibilidade de alimento natural aos peixes. Pode ser de três tipos: • Adubação orgânica – utiliza adubo orgânico provindo de esterco de ani- mais domésticos, geralmente de galinhas e suínos. • Adubação inorgânica – os mais utilizados são os nitratos e fosfatos. Quando comparadas à adubação orgânica, é mais cara e mais fácil a sua aplicação por utilizar menores quantidades. • Adubação mista – utiliza adubo orgânico e inorgânico. 4.2.2.1 Consorciamento com outros animais O consorciamento consiste na criação de outros animais próximos às instala- ções de piscicultura e tem como finalidade disponibilizar esterco fresco que irão servir como nutrientes aos peixes. Os animais mais utilizados nesse consorcia- mento são os patos, os marrecos, os frangos, as galinhas poedeiras e os suínos. • Frangos e galinhas poedeiras – os estercos desses animais são os melho- res entre os adubos orgânicos. Entre 200 a 300 galinhas podem abaste- cer 1ha de tanque. Visite o link e saiba mais sobre a Calagem e Controle da Acidez dos Viveiros de Aquicultura. <http://www.cnpma.embrapa. br/download/circular_14.pdf>
  45. 45. Pisciculturae-Tec Brasil 52 Figura 4.5: Consorciamento de galinhas com peixes Fonte: <http://sitiocurupira.wordpress.com/aquiculturaealagados/>.Acesso em: 3 jan. 2012. • Suínos – os suínos produzem grande quantidade de esterco de alta qua- lidade, contudo, deve-se ter cuidado nesse consorciamento. O melhor é abastecer por meio de canais para evitar o excesso de esterco nos tan- ques. Podem ser construídos vários canais favorecendo a distribuição uni- forme por todo o tanque. Figura 4.6: Consorciamento de suínos com peixes Fonte: Furtado (1995). • Patos – patos de pequeno porte, tipo carne e de crescimento rápido são as espécies mais adaptadas para o consorciamento com peixes. Ge- ralmente, eles são alojados em pequenas ilhas e nadam livremente nos tanques. Cerca de 300 patos podem ser criados em 1 ha de tanque. Galinheiro Canal Reservatório e/ou açude
  46. 46. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 53 Figura 4.7: Consorciamento de patos com peixes Fonte: Furtado (1995). Ao utilizar a prática de consorciamento com outros animais, é importante que exista o controle da entrada de dejetos nos viveiros para que não haja excesso e comprometa a qualidade da água. 4.3 Fases do cultivo Após conhecer a qualidade da água e o manejo do viveiro, podemos iniciar as fases de cultivo dos peixes. 4.3.1 Alevinagem A alevinagem é a fase de cultivo de peixes de peso normalmente abaixo de 10 g até atingirem 60 g. Realizada normalmente em viveiros berçários ou pequenos viveiros de 200 m2 que permite alta densidade de estocagem e ao atingir 60 g são transferidos para viveiros maiores. Figura 4.8: Alevinos Fonte: <http://www.bemparana.com.br/metropole/index.php/2009/10/>.Acesso em: 3 jan. 2012. Com densidade de estocagem de até 10 alevinos/m2, em algumas regiões do Brasil, o alevino de 10 g a 60 g é chamado de juvenil. Cocho
  47. 47. Pisciculturae-Tec Brasil 54 Devido ao estresse sofrido na adaptação dos alevinos nos tanques, a mor- talidade é elevada na fase de alevinagem sendo aceitável o máximo de 35%. 4.3.2 Engorda A fase de engorda vai desde o fim da alevinagem com peixes de 60 g até a despesca, o peso final do peixe depende do valor comercial da espécie cultiva. Figura 4.9: Alevinagem e engorda do peixe Tambaqui Fonte: <http://psiculturaliberdade.webnode.com.br/album/galeria-de-fotos/alevinos-de-tambaqui-jpg/>; <http:// www.flyfishingbrasil.com.br/phpBB/viewtopic.php?f=1&t=5016>; <http://airtonjuniorpescaesportiva.blogspot. com/2011_03_01_archive.html>.Acesso em: 3 jan. 2012. Os peixes em processo de engoda são criados em viveiros de tamanhos varia- dos de 500 m2 a até 10 ha. O objetivo nessa fase é obter peixes adultos, de tamanho uniforme, em menor tempo possível e com baixos custos de produção. Para tanto, é necessário, além do controle da qualidade da água e fornecimento de ração adequada (assunto que veremos na próxima aula), o acompanhamento do crescimento do peixe que é feito com a relação do consumo de ração e o tamanho do peixe. Na piscicultura, é importante que todos os peixes possuam crescimento equiva- lente ao tempo de produção. O que deve ser feito para que não ocorra o crescimento desuniforme no viveiro? Despesca Retirada do peixe cultivado do viveiro quando aquele atinge o tamanho comercial. Visite o link e saiba como ocorre a despesca de peixes em viveiros. <http://www.youtube.com/ watch?v=RHOr3Ro_6vQ>
  48. 48. e-Tec BrasilAula 4 – Qualidade da água, manejo e fases do cultivo 55 Resumo Na aula 4, você viu que a temperatura, pH, transparência, alcalinidade, du- reza, gases dissolvidos, amônia, salinidade e biologia da água influenciam na qualidade da água. Conheceu, também, o manejo dos viveiros e as fases de cultivos de peixes. Atividade de aprendizagem 1. Qual a importância da temperatura e do pH da água para a prática da piscicultura? 2. Qual a função do Disco de Secchi? 3. O oxigênio dissolvido é o componente mais limitante em piscicultura. Quais os sinais de baixo oxigênio na água e o que fazer para corrigir a falta de oxigênio? 4. Descreva sobre a biologia da água. 5. O que é calagem? 6. Qual o objetivo e os tipos de adubação? 7. Quais os cuidados do consorciamento de peixes com suínos? 8. Descreva sobre as fases de cultivo na piscicultura.
  49. 49. Objetivos Identificar hábitos alimentares dos peixes. Listar as exigências nutricionais dos peixes. 5.1 Alimento O conhecimento da preferência alimentar, ou seja, do alimento que o peixe de uma determinada espécie mais gosta, é útil no desenvolvimento de estudos nutricionais, no preparo de rações e manejo da alimentação. Vamos identificar hábitos alimentares naturais dos peixes. 5.1.1 Peixes planctófagos Esses peixes se alimentam de forma eficiente do plâncton. Quase todas as espécies de peixe passam por uma fase planctófoga em seus primeiros dias de desenvolvimento. A tilápia é um exemplo de peixe que mantém a preferência planctófoga na fase adulta. Figura 5.1: Tilápia Fonte: <http://educadoraam.blogspot.com/2010/04/festa-da-tilapia-em-itacuruba-comemora.html>.Acesso em: 1 jul. 2011. 5.1.2 Peixes herbívoros/frugívoros Apresentam preferência por alimentos de origem vegetal, rico em fibras e, geralmente, baixa energia. A carpa capim é um peixe herbívoro que possui dentes molares para esmagar e cortar vegetais. e-Tec BrasilAula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 57 Aula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura
  50. 50. Figura 5.2: Carpa capim Fonte: <http://www.pisciculturabonanza.com.br/especies.php>.Acesso em: 1 jul. 2011. 5.1.3 Peixes bentófagos/iliófagos/detritívoros Esses peixes se alimentam com organismos bentônicos como larvas de insetos e ovos de moluscos, e detritos orgânicos como fezes de outros peixes e algas que se desenvolvem no fundo de tanques e viveiros. Um exemplo é a carpa comum. Figura 5.3: Carpa comum Fonte: <http://www.pesca.tur.br/peixes/agua-doce/carpa/>.Acesso em: 1 jul. 2011. 5.1.4 Peixes carnívoros/piscívoros Peixes que apresentam preferência por organismos animais como insetos, pei- xes, anfíbios e cobras. Tucunarés, pirarucu e surubim são exemplos de peixes carnívoros. Figura 5.4: Surubim Fonte: <http://www.ciclideosonline.com/forum/viewtopic.php?f=45&t=7986>.Acesso em: 1 jul. 2011. Na idade adulta cada espécie de peixe define seu hábito alimentar passando a exigir alimentos em quantidade e qualidade que satisfaçam suas exigências alimentares e nutricionais. Pisciculturae-Tec Brasil 58
  51. 51. O alimento natural dos peixes é composto por vários organismos, podendo ser vegetais como algas, plantas aquáticas e frutos, ou animais como crustáceos, larvas e moluscos. Segundo Kubitza (1999), os alimentos naturais explorados pelos peixes pos- suem grande valor energético e proteína de excelente qualidade e quantidade. Porém, quando se fala em piscicultura intensiva, o alimento natural é insufi- ciente para os peixes, principalmente na fase adulta, já que o número de peixes por metro quadrado é maior, o que motiva a competitividade por alimento. Na piscicultura é importante conhecer o hábito alimentar do peixe a ser culti- vado. Cite o alimento e uma espécie de: a) Peixe planctófago b) Peixe bentônico c) Peixe carnívoro d) Peixe herbívoro 5.2 Nutrição Após conhecer os hábitos alimentares dos peixes, vamos identificar alguns aspectos da nutrição dos peixes. A nutrição torna os peixes mais fortes, ou seja, ela determina o melhor cresci- mento, a eficiência reprodutiva, tornando-os resistentes às variações da água e a doenças. A nutrição dá ao peixe condições importantes para sua exploração em piscicultura. A seguir, veremos as exigências nutricionais dos peixes. 5.2.1 Exigências nutricionais dos peixes Os peixes necessitam de diversos nutrientes para adequado crescimento, re- produção e saúde (KUBITZA, 1999, p. 14). Kubitza Fernando Kubitza é engen- heiro agrônomo Doutor em Aquicultura. e-Tec BrasilAula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 59
  52. 52. Aminoácidos essenciais, ácidos graxos essenciais, minerais e vitaminas são os nu- trientes fundamentais exigidos pelos peixes. Destacamos também o componente energia na sua alimentação. Vamos identificar cada um deles. 5.2.1.1 Aminoácidos essenciais Os aminoácidos são as unidades que formam as proteínas responsáveis pela formação dos músculos, células sanguíneas, pele, entre outros tecidos. Eles são ditos como essenciais por não serem sintetizados pelos peixes ou são sintetizados em pequenas quantidades, sendo insuficiente para a sua exigência e devem ser fornecidos aos peixes com os alimentos preparados. São aminoácidos essenciais: • arginina • histidina • isoleucina • leucina • lisina • metionina • fenilalanina • treonina • triptofano • valina Existe uma grande diferença quanto à exigência de aminoácidos entre as espécies de peixes. A necessidade proteica diária geralmente decresce com o aumento de tamanho e avanço da idade. A farinha de peixe (origem animal) e a soja (origem vegetal) são alimentos mais utilizados como fonte de proteína aos peixes. Pisciculturae-Tec Brasil 60
  53. 53. Figura 5.5: Farinha de peixe (esquerda) e soja (direita) Fonte: <http://www.tuga-baits.com/Iscos/index.php?/A-Loja/Ingridientes-Para-Boilies/Farinha-De-Peixe.html>; <http:// lvilhenacosmeticos.blogspot.com/>.Acesso em: 1 jul. 2011. 5.2.1.2 Energia Os peixes recebem energia através do metabolismo de carboidratos, lipídios e aminoácidos contidos em alimentos como milho e sorgo. A energia dos peixes é expressa em energia digestível (ED) que é a energia bruta ou consumida menos a energia excretada nas fezes. Assim como nos aminoácidos essenciais, os níveis de energia vão depender da espécie explorada. A tabela 5.1 demonstra as exigências de proteína bruta e energia metabolizável para alguns peixes. Tabela 5.1: Exigências nutricionais das principais espécies Espécie PB (% da dieta) EM (kcal/ kg alimento) PD/ED (mg/kcal) Carpa 31 - 38 2.300 - 4.100 108 Tilápias do Nilo 30 2.500 - 3.100 103 azul 34 moçambica 40 zilli 35 Truta arco-íris 35 - 50 3.500 - 5.400 92 - 105 Bagre do canal 32 - 36 2.500 - 3.200 95 Tambaqui 22 - 26 3.200 - 3.600 Pacu 22 - 26 3.200 - 3.600 Matrinxã 35 3.500 PB = proteína bruta; EM = energia metabolizável; PD = proteína digestível; ED = energia digestível Fonte: <http://projetopacu.com.br/public/paginas/215-apostila-esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf>.Acesso em: 25 jun. 2011. e-Tec BrasilAula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 61
  54. 54. 5.2.1.3 Ácidos graxos essenciais Assim como os aminoácidos, o ácido graxo é essencial, pois os animais não sintetizam ou o fazem em quantidade insuficiente. Esses ácidos essenciais servem como fonte de energia. Os principais ácidos graxos de peixes tropicais e de água doce são o ácido linoleico e ácido linolênico. O ácido linoleico ou ômega 6 é abundante na natureza, presente nas sementes da maioria das plantas. O ácido linolênico ou ômega 3 encontra-se principal- mente em óleos de peixe. Figura 5.6: Sementes ricas em ácido linoleico Fonte: <http://margaridaportugalnutricao.blogspot.com/2011/01/acidos-gordos-para-nutrir-pele.html>.Acesso em: 29 fev. 2012. 5.2.1.4 Minerais Dentre as funções no organismo dos peixes, os minerais são importantes na formação dos ossos e dentes, no metabolismo energético, no equilíbrio os- mótico entre outros. As quantidades exigidas de minerais variam de acordo com a espécie criada. Veja na tabela 5.2 a exigência de minerais para o crescimento de peixes. Tabela 5.2: Exigências de minerais para o crescimento de peixes (por kg de ração) Minerais Unidades Truta Carpa comum Bagre do canal Tilápia P. disp. (%) 0,6 0,6 0,45 0,5 Ca (%) - - - - Mg (%) 0,05 0,05 0,04 0,06 Cu mg 3 3 5 - Fe mg 60 150 30 - I mg 1,1 - 1,1 - Mn mg 13 13 2,4 - Se mg 0,3 0,25 - - Zn mg 30 30 20 20 Fonte: <http://projetopacu.com.br/public/paginas/215-apostila-esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf>.Acesso em: 25 jun. 2011. Pisciculturae-Tec Brasil 62
  55. 55. Os peixes exigem macro e microminerais. Os macrominerais são cálcio, fósforo, magnésio, potássio, cloro e sódio. Os microminerais são o ferro, manganês, zinco, cobre, iodo e selênio. 5.2.1.5 Vitaminas Assim como outros animais, os peixes necessitam de vitaminas que atuam como componentes enzimáticos ou apresentam ações fisiológicas específicas ao crescimento, reprodução e saúde dos peixes (KUBITZA,1999, p. 30). As vitaminas necessárias aos peixes se dividem em dois grupos. As vitaminas A, D, E e K pertencem ao grupo das lipossolúveis, ou seja, solúveis em lipídios. A vitamina C e as que compõem o complexo B são do grupo das hidrossolúveis ou solúveis em água. Veja na tabela 5.3 quantidades de vitaminas exigidas para os peixes Truta, Carpa comum, Bagre do canal e Tilápia. Tabela 5.3: Exigências de vitaminas para o crescimento de peixes (por kg de ração) Vitaminas Unidades Truta Carpa comum Bagre do canal Tilápia Tiamina mg 1,0 0,5 1 - Riboflavina mg 4 7 9 6 Piridoxina mg 3 - 3 - B12 mg 0,01E - - - Ácido pantotênico mg 20 30 15 10 Niacina mg 10 28 14 - Colina mg 1000 500 400 - Biotina mg 0,15 1 - - Ácido fólico mg 1,0 - 1,5 - Inotisol mg 300 440 - - Ácido ascórbico mg 5050 - 25-50 50 A U.I. 2500 400 1000-2000 - D U.I. 2400 - 500 - E U.I. 50 100 50 50 K mg - - - - E = estimado Fonte: <http://projetopacu.com.br/public/paginas/215-apostila-esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf>.Acesso em: 25 jun. 2011. Acesse o link e, em seguida, leia o texto intitulado Alimentação na Criação de Peixes em Tanques-Rede: <ftp://ftp.sp.gov. br/ftppesca/alimentacao_peixes. pdf> e-Tec BrasilAula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 63
  56. 56. Fonte: <http://www.portalagropecuario.com.br/aquicultura/nutrir-alimentar-peixes/attachment/nutricao-alimentacao- -peixes/>.Acesso em: 6 mar. 2012. A nutrição é fundamental para o crescimento, reprodução e saúde dos peixes. Quais nutrientes são essenciais aos peixes? Descreva a importância de cada um. Resumo Nesta aula, você conheceu a preferência alimentar dos peixes planctófagos, herbívoros, bentófagos e carnívoros. Em seguida, você identificou as exigências de aminoácidos, energia, minerais e vitaminas dos peixes. Atividades de Aprendizagem 1. O que são peixes planctófagos? 2. De que se alimentam os peixes bentófagos? 3. Cite um exemplo de peixe herbívoro. 4. Defina peixes carnívoros. 5. Qual a importância da nutrição para os peixes? 6. Quais os nutrientes que fazem parte das exigências nutricionais dos peixes? Pisciculturae-Tec Brasil 64
  57. 57. 7. Cite os aminoácidos essenciais e duas fontes. 8. Como os peixes recebem energia? 9. Os peixes exigem macro e microminerais. Cite três exemplos de cada. e-Tec BrasilAula 5 – Alimento e nutrição em piscicultura 65
  58. 58. Objetivos Reconhecer a reprodução natural e artificial dos peixes Identificar a técnica de hipofisação 6.1 Reprodução dos peixes A reprodução dos peixes se dá de duas formas: reprodução natural que, como o próprio nome já diz, ocorre naturalmente onde não há intervenção do homem; e reprodução artificial, onde existe a participação do homem. O sucesso da reprodução dos peixes levará em conta o local onde os ovos serão depositados, o qual deverá oferecer condições ideais de oxigênio, temperatura e alimentos. Sem esquecer também que esses ovos precisam estar protegidos contra predadores inimigos. A maturação sexual, ou idade na qual se inicia a reprodução, depende de vários fatores. Entre eles, podemos citar a temperatura do ambiente, o alimento disponível, o tamanho do peixe e o ambiente em que vive. Algumas espécies variam a idade de reprodução de forma significativa. A primeira maturação sexual da tilápia, por exemplo, ocorre entre o 7º e 12º mês; já a carpa capim pode atingir a idade para reprodução apenas após 2 ou 3 anos de vida. 6.1.1 Reprodução natural Esse tipo de reprodução, como já vimos, ocorre em ambiente natural. Os pei- xes sexualmente maduros lançam seus gametas sem a participação direta do homem no processo de reprodução. e-Tec BrasilAula 6 – Reprodução dos Peixes 67 Aula 6 – Reprodução dos Peixes
  59. 59. Figura 6.1: reprodução natural de peixes Fonte: Furtado (1995). Os gametas são lançados na água livremente, por isso a taxa de fertilização na reprodução natural é baixa. Piracema: Ocorre no período das chuvas de verão onde os peixes sobem até as nascentes 1. Qual a principal diferença entre a reprodução natural e a reprodução artificial dos peixes? 2. Qual a importância do local onde ocorre a reprodução dos peixes? 6.1.2 Reprodução artificial A reprodução artificial conta com a intervenção do homem com a finalidade de produzir quantidades abundantes de ovos, larvas e alevinos para serem utilizados em cultivos (FURTADO, 1995). Os peixes reprodutores são selecionados e destes retiram-se os óvulos e esperma e, em seguida, é realizada a fecundação artificial a seco, ou seja, fora da água. 6.1.2.1 Reprodução artificial sem tratamento hormonal Os peixes reprodutores são capturados durante a desova natural. Os produtos sexuais, óvulos e esperma são retirados e unidos artificialmente, ocorrendo a fertilização da ova. Pisciculturae-Tec Brasil 68
  60. 60. Figura 6.2: secagem e extrusão Fonte: Furtado (1995). Após a captura da fêmea reprodutora, o primeiro passo é a secagem do local com auxilio de toalha limpa; em seguida, se inicia a compressão da região ventral para a extrusão em vasilha limpa. Figura 6.3: Espermiação Fonte: Furtado (1995). O mesmo ocorre com o macho reprodutor, com a espermiação sobre a mesma vasilha onde foram coletados os óvulos. Após a coleta, os ovos fertilizados são incubados e cultivados até o estádio de larva e alevino, em condições controladas, assegurando elevada taxa de sobrevivência e crescimento saudável. Extrusão retirada de óvulos Espermiação retirada de esperma Secagem e-Tec BrasilAula 6 – Reprodução dos Peixes 69
  61. 61. 6.1.2.2 Reprodução artificial com tratamento hormonal Nesse método, ocorre a manipulação dos reprodutores com a indução da ovulação e desova com hormônios hipofisários. Para melhor compreensão, vamos explicar a o processo de hipofisação utilizado na piscicultura. A HIPOFISAÇÃO é uma técnica baseada na desova por indução em peixes. Consiste na seleção de peixes doadores com a extração da sua hipófise, que é dessecada em acetona, e depois macerada com solvente, formando o extrato hipofisário. A hipófise está localizada no lado ventral do cérebro, logo abaixo do hipo- tálamo, e ligada ao infundíbulo. Também chamada de glândula pituitária, a hipófise produz, acumula e armazena os hormônios que desempenham papel fundamental na maturação sexual. Figura 6.4: Localização da glândula pituitária Fonte: Furtado (1995). O hormônio, extraído do extrato hipofisário, deve ser administrado por via intramuscular ou intraperitonealmente. O local mais utilizado é a base da nadadeira peitoral (ELIAS NETO, 2008). As fêmeas devem receber doses maiores de hormônios do que os machos, pois doses parceladas produzem melhores resultados nas fêmeas do que uma única dose. Pisciculturae-Tec Brasil 70
  62. 62. Diferencie a reprodução artificial com e sem tratamento hormonal dos peixes. Resumo Na aula 06, você viu que os peixes se reproduzem naturalmente ou arti- ficialmente. Reconheceu como ocorre a reprodução artificial com e sem tratamento hormonal. Atividades de Aprendizagem 1. Quais os tipos de reprodução dos peixes e qual a principal diferença entre eles? 2. O que é reprodução artificial? Quais são os tipos? 3. O que é hipofisação? Acesse o link e saiba mais sobre as Técnicas de indução da reprodução de peixes migradores: http://www.cbra. org.br/pages/publicacoes/rbra/ download/367.pdf e-Tec BrasilAula 6 – Reprodução dos Peixes 71
  63. 63. Objetivos Descrever sanidade em piscicultura. Identificar as doenças dos peixes. 7.1 Sanidade O controle sanitário deve partir de cuidados básicos no manejo. O piscicultor deve prevenir o aparecimento de doenças visando diminuir ou atenuar pro- blemas de saúde nos peixes. Algumas medidas de prevenção devem ser tomadas na piscicultura, tais como: • manter boas condições de cultivo e manejo, principalmente a qualidade da água; • o manuseio dos peixes deve ser reduzido ao mínimo necessário e feito nas horas mais frescas do dia; • prevenir a entrada de agentes patogênicos; • os equipamentos utilizados no cultivo devem ser desinfetados antes do uso em diferentes grupos de peixes; • a ração utilizada deve ser corretamente formulada e armazenada. O piscicultor deve sempre buscar a prevenção de doenças ao invés do tratamento destas, pois, dependendo do estágio da doença, o problema pode ser irreversível. A imunização protetora por vacinação é considerada a mais importante medida profilática contra as doenças em peixes. Diferentemente do que ocorre em outras espécies, o controle de doenças dos peixes pela vacinação encontra-se ainda em fase de pesquisa e desenvolvimento. e-Tec BrasilAula 7 – Sanidade e doenças dos peixes 73 Aula 7 – Sanidade e doenças dos peixes
  64. 64. Cite três medidas de prevenção para controle da sanidade dos peixes. 7.2 Doenças dos peixes As doenças de peixes podem ser divididas em duas categorias: não infecciosas e infecciosas. As doenças não infecciosas, que não são transmissíveis, estão relacionadas com fatores ambientais, nutrição e neoplasias. As doenças infecciosas são transmissíveis entre os peixes e causadas por para- sitas, bactérias, fungos e vírus. 7.2.1 Doenças não infecciosas Esse tipo de doença pode ser causado pelos seguintes fatores: Fatores ambientais – A presença de pássaros e larvas de insetos podem estressar os peixes ou carrear para o meio de cultivo parasitas e doenças. Mudanças súbitas na temperatura podem causar o aparecimento de doen- ças infecciosas, atingindo o sistema imunológico dos peixes. A exposição direta ao sol, por exemplo, causa danos e ulcerações na pele dos peixes, deixando-os mais suscetíveis a infecções bacterianas secundárias ou fúngicas. As modificações bruscas no pH da água , que podem gerar danos nas brân- quias, também consistem em outro fator ambiental, causando dificuldades respiratórias e morte. Fatores nutricionais – As doenças nutricionais são causadas pela deficiência de nutrientes ou pela presença de fatores antinutricionais ou toxinas que se desenvolvem devido ao armazenamento incorreto da ração. Neoplasias – Caracterizada pela formação alterada das células,as neopla- sias não são letais aos peixes, porém esses peixes deixam de ser comercia- lizados. Peixes de idade mais avançada apresentam maior probabilidade de desenvolver tumores. 7.2.2 Doenças infecciosas A seguir serão listadas as doenças infecciosas mais comuns na piscicultura. Argulose – provocada pelo parasita Argulus, também é conhecida como pio- lho de peixe. É comum o peixe que a contrai apresentar movimentos nervosos nas nadadeiras e manchas vermelhas no corpo. Pisciculturae-Tec Brasil 74
  65. 65. Figura 7.1: Argulus sp Fonte: <http://i252.photobucket.com/albums/hh14/Lescanjr/argulus.jpg>.Acesso em: 25 jun. 2011. Furunculose – causada pela bactéria Aeromonas salmonicida. Causa hemor- ragia generalizada, úlcera na pele. O tratamento é feito através de antibióticos. Figura 7.2: Furuculose http://www.naturallagos.com.br/images/nishikigois/saude/furunculose.jpg.Acesso 24/04/2012. Viremia Primaveril da Carpa – ocorre perda de coordenação e equilíbrio, exoftalmia, ascite e hemorragia dos órgãos internos. Figura 7.3: Viremia Primaveril da Carpa http://desmond.imageshack.us/Himg812/scaled.php?server=812&filename=dsc00298dd.jpg&res=landing.Acesso 24/04/2012. Vermes – os nematoides são os principais vermes dos peixes. Presentes nos intestinos ou tecidos, esses vermes, quando encontrados na musculatura, causam perda do valor do peixe. e-Tec BrasilAula 7 – Sanidade e doenças dos peixes 75
  66. 66. Saprolegnia – altera a superfície do corpo e nadadeiras dos peixes, podendo ocorrer perda de escamas. Figura 7.4: Saprolegnia Fonte: <http://www.amordepeixe.com.br/product_info.php?products_id=154&osCsid=77d6e4bc706281e965c3fc3a5af0 5c36>.Acesso em: 25 jun. 2011. Ictioftiríase – doença causada pelo fungo Ichthyophthyrius multifiliis, conheci- da como doença dos pontos brancos, parasita a pele e brânquias de qualquer espécie de peixe. Ocorre mais comumente quando há variações bruscas de temperatura. Figura 7.5: Ictioftiríase Fonte: <http://www.amordepeixe.com.br/images/peixe_ictio.jpg>.Acesso em: 25 jun. 2011. Resumo Na aula 7, você identificou aspectos de sanidade na piscicultura e conheceu as doenças do peixes. Atividade de Aprendizagem 1. Como o piscicultor pode prevenir o aparecimento de doenças na piscicultura? 2. Descreva as categorias das doenças dos peixes? 3. Cite três doenças infecciosas comuns na piscicultura. Pisciculturae-Tec Brasil 76
  67. 67. e-Tec Brasil77 Referências BEERLI, E. L.; LOGATO, P.V. R. Peixes de importância para a Piscicultura brasileira. [Minas Gerais]. UFLA. Disponível em: <http://www.nucleoestudo.ufla.br/ naqua/arquivos/Peixes%20de%20importancia.pdf>.Acesso em: 18 jul. 2012. CYRINO, J. E. P.; OLIVEIRA,A. M. B. M. S.; COSTA,A. B. Curso de atualização em piscicultura. Disponível em: <http://projetopacu.com.br/public/paginas/215-apostila- esalq-curso-atualizacao-em-piscicultura.pdf >.Acesso em: 18 jul. 2012. ELIAS NETO, N. Apostila Piscicultura. Cuiabá, MT: UFMT; FAMEV, 2008. Disponível em: <http://www.4shared.com/document/nQumhWOa/APOSTILA_PISCICULTURA__ COMPLET.htm>.Acesso em: 18 jul. 2012. FIGUÊREDO, Rogério Bellini. Surubim, o peixe dos nossos rios. Disponível em: <http://www.nordesterural.com.br/nordesterural/matler.asp?newsId=1731>.Acesso em: 18 jul. 2012. FURTADO, J. F. R. Piscicultura: uma alternativa rentável. Guaíba, RS: Livraria e editora agropecuária, 1995. KUBITZA, F. Nutrição e alimentação dos peixes cultivados. 3. ed. Jundiaí:Acqua Supre Com. Suprim.Aqüicultura, 1999. MACHADO, C. E. M. Criação prática de peixes. 8. ed. São Paulo: Livraria Nobel, 1982. MATHIAS, J. Matrinxã. Rápido crescimento e alto valor comercial fazem desta espécie de peixe uma ótima opção para a piscicultura em várias regiões do país. Revista globo rural. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,E EC1705369-4530,00.html>.Acesso em: 18 jul. 2012. MINISTÉRIO DA PESCA E DA AGRICULTURA – MPA. Disponível em: <http://www.mpa. gov.br/>.Acesso em: 17 jul. 2012. NOMURA, H. Ictiologia e piscicultura. 3. ed. São Paulo: Nobel, 1978. PEZZATO, L. E.; CASTAGNOLLI, N.; ROSSI, F. Nutrição e alimentação de peixes. Viçosa, MG: CPT, 2001, 72 p. PRADO, Suzana. Piscicultura no Piauí já tem mais de quatrocentos produtores. Disponível em: <http://www.cabecadecuia.com/noticias/53972/piscicultura-no-piaui-ja- tem-mais-de-quatrocentos-produtores.html>.Acesso em: 18 jul. 2012. RASGUIDO, J. E.A.; LOPES, J. D. S. Criação de peixes.Viçosa, MG: CPT, 2004. 186p. SEBRAE. Curso Piscicultura Básica.Teresina: SEBRAE, 2010. 46p.
  68. 68. e-Tec Brasil 78 SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPRÚBLICA – SECOM. Produtores Aquicolas terão desconto de até 90% na conta de energia elétrica. Disponível em: <http://www.pesca.iff.edu.br/news/produtores-aquicolas-terao-desconto- de-ate-90-na-conta-de-energia-eletrica>.Acesso em: 19 jul. 2012. VIDAL JUNIOR, M.V.; ROSSI, F. Criação de Pacu e Tambaqui.Viçosa: CPT, 1998. WIKIPÉDIA. Tilápia. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Til%C3%A1pia>. Acesso em: 18 jul. 2012.
  69. 69. e-Tec Brasil79 Currículo da professora-autora Médica Veterinária, graduada pela Universidade Fede- ral do Piauí (UFPI). Especialista em Vigilância Sanitária. Atualmente, cursa Mestrado em Ciência Animal, na UFPI, na área de Produção Animal. Atua nas áreas de Produção Animal e Patologia Clínica Animal.
  70. 70. CAF UFPI 9 7 8 1 5 6 5 9 2 4 7 9 6 ISBN 978-1-56592-479-6 Piscicultura Jackelline Cristina Ost Lopes Técnico em Agropecuária Piscicultura_Capa_R.indd 1Piscicultura_Capa_R.indd 1 28/11/12 16:3028/11/12 16:30

×