Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
RELATÓRIOS ESPECIAIS                                         NORDESTE                                         6 DE MARÇO D...
N O R D E S T E : Integração         Políticas para         quem precisa         O combate às desigualdades sociais       ...
RELATÓRIOS ESPECIAIS CARTACAPITAL                                                                                         ...
N O R D E S T E : Finanças         O que é que a região tem         A Sudene possui em carteira 7 bilhões de reais, apenas...
financiamentos de longo prazo. Neste ano,                                benefícios no quadro abaixo). Os incentivos     i...
N O R D E S T E : Infraestrutura                                                                                          ...
N O R D E S T E : Infraestrutura                                                                                          ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Carta Capital - Especiais Nordeste

288 views

Published on

Published in: News & Politics
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Carta Capital - Especiais Nordeste

  1. 1. RELATÓRIOS ESPECIAIS NORDESTE 6 DE MARÇO DE 2013 Como enfrentar as dores do crescimento Os administradores públicos e da iniciativa privada pregam a necessidade de um programa federal que planeje o desenvolvimento da região como um todo, a fim de evitar retrocesso nos avanços econômicos e sociais já obtidosMINIMORGAN •EECapaRelatorio45.indd 35 27/02/13 20:23
  2. 2. N O R D E S T E : Integração Políticas para quem precisa O combate às desigualdades sociais entre as regiões brasileiras ainda é a arma mais eficiente para manter a rota do crescimento POR MARIANA SEGALA H á muitas maneiras de ra ordenar os fundamentos macroeconô- ticipação da região na economia brasileira encarar quais são as me- micos do País, mas por si só não nos levou também não aumentou mais do que meio lhores fórmulas para ga- a retomar o crescimento. As áreas econo- ponto porcentual. Hoje, o PIB nordestino rantir o crescimento de micamente mais deprimidas só responde- representa em torno de 13,5% da riqueza regiões economicamente ram quando a desigualdade começou a ser produzida no Brasil, embora a região abri- desfavorecidas, como é o combatida, dez anos atrás”, acrescentou. gue mais de 28% da população do País. caso do Nordeste brasilei- Uma calorosa onda de investimentos ro. Uma parcela dos entendidos no assun- A resposta do Nordeste, no entanto, che- migrou para o Nordeste nos últimos anos to defende que elevar o nível de consumo gou com uma velocidade e numa intensi- – de 2008 para cá, foram anunciados in- das famílias é a saída mais rápida. Outro dade que ainda não foram suficientes para vestimentos de pelo menos 282 bilhões grupo sugere que não há meio mais efi- levar a região a superar seu passivo social de reais nos estados nordestinos, o equi- caz e duradouro de assegurar o avanço do histórico. Estudos conduzidos pelo Ban- valente às economias de Bahia, Pernam- Produto Interno Bruto (PIB) do que uma co do Nordeste do Brasil (BNB) indicam buco e Rio Grande do Norte somadas. No pesada carga de investimentos. O fato é que os estados da região precisam crescer entanto, a inexistência de uma estraté- que quem sente na pele o que é a realidade bem acima do restante do Brasil, e duran- gia nacional que privilegie a região abre a nordestina – e mais, quem administra pe- te muitos anos, para conseguir equiparar possibilidade de que esse movimento não daços dessa região tão cheia de peculiari- a renda dos seus habitantes à média nacio- se sustente no longo prazo. Tânia Bacelar, dades – não hesita ao afirmar que o cerne nal – mais precisamente, seria necessário professora de economia regional da Uni- da questão está em atacar as desigualda- contar com mais de 40 anos de avanço de versidade Federal de Pernambuco (Ufpe) des sociais antes de qualquer outra coisa. 1 ponto porcentual acima da cifra brasilei- e sócia da consultoria Ceplan, já enxerga “Precisamos consolidar o conceito de que ra. Entre 2002 e 2010, um período de ele- “sinais de reconcentração” industrial no as desigualdades regionais são um freio ao vada prosperidade no Nordeste, em que o Brasil, o que não ajuda em nada o desen- desenvolvimento do País”, afirmou Edu- consumo na região se descolou (para ci- volvimento do Nordeste. ardo Campos, governador de Pernambu- ma) das outras áreas do País, a diferença “Não é saudável nos deslumbrarmos co, durante o seminário “Nordeste – Co- no crescimento do PIB foi de apenas meio com a chegada da Fiat a Pernambuco ou mo enfrentar as dores do crescimento”, ponto porcentual para a média nacional – das refinarias da Petrobras ao Ceará e ao da série Diálogos Capitais, promovido por um número que ajuda a entender a dimen- Maranhão”, ressaltou Tânia durante o se- CartaCapital no Recife na segunda-feira são do desafio. E, ainda que tenha supera- minário. Muito mais eficiente seria estabe- 25. “O fim da inflação foi importante pa- do o ritmo de crescimento do País, a par- lecer recortes regionais nos desenhos das 38 WWW.CARTACAPITAL.COM.BR•EEAbreRelatorio45.indd 38 27/02/13 20:25
  3. 3. RELATÓRIOS ESPECIAIS CARTACAPITAL FOTO S : L EO C A L DA S políticas de apoio que têm sido desenvolvi- do sistema. “Somos uma federação e pre- Para Campos das para setores como a indústria automo- cisamos do esforço de todos os entes fede- e Wagner, há um tiva e a exploração de óleo e gás. “Devemos rados. O Nordeste contribui com o Bra- longo caminho evitar que a exploração do petróleo da ca- sil e, por isso, o Brasil deve contribuir nos mada do pré-sal, por exemplo, acabe se tor- proporcionando direitos – e não favores – a fim de superar nando um fator de reconcentração”, con- como o acesso à saúde e à educação.” Para o histórico cordou o governador Eduardo Campos. o governador, está claro que não basta fa- passivo social Para Tânia, o Brasil tem potencial para fa- zer a população chegar à periferia do mer- zer sua indústria renascer, mas isso só é vá- cado de consumo, coisa que já aconteceu lido se acontecer de forma desconcentrada. nos últimos anos. Falta ainda todo o resto. Sem deslumbre. Tânia Do ponto de vista dos governantes da Bacelar já enxerga sinais região, não há outra saída para esse en- O risco de não pensar em políticas públi- de uma indesejável trave a não ser combater as desigualda- cas regionais no âmbito do Estado – e não reconcentração industrial des com políticas mais amplas de desen- dos governos – é acabar retrocedendo em volvimento regional, que embutam ferra- conquistas que já foram alcançadas e de- mentas de financiamento específicas, em morar muito para alcançar as próximas, vez das ações pontuais mais usualmente avaliou Jaques Wagner, governador da do combate à inflação, que se tornaram va- aplicadas. “Trata-se de um debate sobre Bahia, que também participou do seminá- lores da política econômica brasileira du- o pacto federativo”, ressaltou Campos, rio. “Não podemos permitir nenhum pas- rante as duas últimas décadas. É isso que mencionando que a parcela dos tributos so para trás nessa caminhada dos últimos levará os avanços sociais ainda pendentes federais compartilhados com os estados e dez anos e, para tanto, também não deve- no Nordeste a se tornarem uma prioridade municípios – onde se encontram as prin- mos esquecer que o foco no combate sistê- do País. “Quem não comia dez anos atrás cipais iniciativas de promoção do desen- mico da desigualdade regional depende de e hoje consegue comer está no céu. Mas volvimento social – caiu de 80% para 36% quem está sentado na cadeira de presiden- quem já nasceu nessa situação apresenta de 1985 para cá. Na saúde pública, a con- te da República”, afirmou. Para Wagner, outras demandas para nós”, afirmou o go- tribuição da União para o financiamento é fundamental que o conceito da distri- vernador baiano. Dar comida à população, do Sistema Único de Saúde (SUS) passou buição de renda e da luta por avanços so- talvez fosse a solução dos maiores proble- de 75% para 45% em menos de 15 anos. ciais se solidifique e seja tão reverenciado mas sociais brasileiros dez anos atrás. Ho- Hoje, os estados bancam 55% dos custos quanto o da estabilização da economia e • je, definitivamente, já não é mais. CARTACAPITAL | 6 DE MARÇO DE 2013 39•EEAbreRelatorio45.indd 39 27/02/13 20:25
  4. 4. N O R D E S T E : Finanças O que é que a região tem A Sudene possui em carteira 7 bilhões de reais, apenas em projetos já pré-aprovados, e pleiteia um reforço no orçamento para atender à crescente demanda por recursos O volume de recursos para financiar investimentos na Região Nordeste, que se ampliou enormemen- te na última década, pro- mete crescer ainda mais já neste ano. O avanço de- ve se dar por obra da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), extinta em 2001 e recriada durante o go- verno Lula. Nos últimos três anos, o orça- mento da instituição para financiamento de grandes projetos na região, por meio do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), variou de 1,5 bilhão até 2 bilhões de reais. Para este ano, no entanto, a dire- toria da autarquia está pleiteando um va- lor cinco vezes maior, de 10 bilhões de re- ais, junto ao governo federal. “Nosso ar- gumento é o volume de projetos que estão chegando à Sudene”, explicou Henrique Aguiar, diretor de gestão de fundos, incen- tivos e atração de investimentos da Sude- ne, que participou do seminário “Nordeste Cledorvino Belini, presidente da Fiat Aguiar visa – Como enfrentar as dores do crescimen- no Brasil, durante o seminário. projetos de to”, no Recife, na segunda-feira 25. Hoje, Em torno da fábrica, considerada a mais segundo Aguiar, a Sudene tem na cartei- moderna do Grupo Fiat no mundo, deve impacto para ra um montante de, aproximadamente, 7 ser erguido um polo automotivo completo, a região, como o bilhões de reais apenas em projetos já pré- com dois parques de fornecedores, campo da Fiat, de Belini -aprovados para receber recursos. de provas e área de desenvolvimento. Só a construção da montadora, que já começou, Os investimentos financiados pe- deve gerar 7 mil empregos. A operação da Novas ações. Perez, lo FDNE – fundo operado pela Sude- fábrica quando pronta demandará outras da Provider, expandiu-se ne que tem a origem dos seus recursos 4,5 mil pessoas – e é por isso que o projeto para o Chile e prepara fortemente baseada em repasses do conseguiu obter recursos da Sudene. “Pro- a abertura de capital Tesouro Nacional – são considerados jetos de impacto causam uma repercussão projetos de impacto. Trata-se de obras imediata na economia e, na Sudene, esta- do porte da ferrovia Transnordestina mos nos desafiando a participar cada vez çamento de recursos para investimentos ou de fábricas como a que a Fiat está le- mais deles”, diz Aguiar. “Financiá-los dá de longo prazo que se aproxima do que dis- vantando em Goiana, no estado de Per- uma resposta rápida ao crescimento baixo põe o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), nambuco. “Calculamos que o Nordes- do PIB, já que o Nordeste é visto como uma atualmente uma das principais fontes te tenha uma demanda reprimida po- máquina que gira mais rapidamente que o de financiamento para grandes projetos tencial de 18 milhões de automóveis e é Brasil. Por isso, acreditamos que será pos- na região. Em 2012, o BNB desembolsou por isso que estamos instalando na re- sível ampliar o nosso orçamento.” quase 23 bilhões de reais para a economia gião uma fábrica que poderá produzir Se conseguir o que está propondo, a Su- nordestina, dos quais cerca de 12,5 bilhões até 250 mil carros por ano”, explicou dene chegará ao fim deste ano com um or- foram voltados especificamente para 40 WWW.CARTACAPITAL.COM.BR•EEMateria2Relatorio45.indd 40 27/02/13 20:22
  5. 5. financiamentos de longo prazo. Neste ano, benefícios no quadro abaixo). Os incentivos impressionou as lideranças da Fiat. Em a expectativa é de que esse volume alcance valem para as áreas consideradas prioritá- parceria com o governo estadual, a em- 13,8 bilhões de reais. Fora o dinheiro para rias para o desenvolvimento regional, co- presa enviou dez engenheiros para a Itá- financiar os projetos, no âmbito da Sudene mo infraestrutura, indústria, exploração lia, para que se especializem no Politecni- também é possível obter benefícios fiscais mineral e agricultura. co di Torino, instituto tecnológico na ci- que tornam um investimento no Nordes- Aos incentivos proporcionados pela Su- dade de Turim. A recompensa não deve te ainda mais atrativo. Quem aterrissa na dene se somam outros tantos oferecidos tardar a chegar, e na forma de arrecada- região pode conseguir até 75% de descon- pelos próprios governos estaduais. Os be- ção de impostos. Ainda nos anos 1990, a to no Imposto de Renda por um período nefícios de estar no Nordeste, no entanto, fábrica da Fiat, em Betim, chegava a com- de dez anos. Do valor que sobra para pa- não se resumem a isso. Um setor que tem prar 80% dos componentes dos automó- gar, mais 30% podem ser usados em pro- ampliado a presença na região é o de con- veis fora do estado. Hoje, esse índice não jetos de modernização (mais exemplos de tact centers, formado por empresas de tec- passa de 30%. – POR MARIANA SEGALA nologia especializadas no contato entre as companhias e os seus consumidores. No Brasil, o segmento fatura perto de 30 bi- lhões de reais por ano. “Aproximadamen- Os incentivos te, 18% desse mercado está no Nordes- fiscais a quem vai te”, disse João Luiz Dias Perez, presiden- te do Grupo Provider, que atua no ramo. para o Nordeste Sua empresa, fundada no Recife ainda na • Redução de 75% do Imposto de década de 1990, encontra na região a mão Renda, por dez anos, para projetos de obra mais adequada para trabalhar nos de instalação, ampliação, serviços que presta, como o de call center: modernização ou diversificação jovens entre 18 e 25 anos, a maioria mulhe- em setores prioritários para res, com ensino médio completo e em bus- o desenvolvimento regional. ca do primeiro emprego. “Os índices de ro- • Redução de 12,5% do Imposto tatividade da mão de obra são muito me- de Renda para qualquer nores aqui no Nordeste. Em geral, chegam empreendimento econômico, a ser 30% mais baixos do que em outras re- enquadrado em setores prioritários giões do Brasil”, afirmou Perez. A empre- para o desenvolvimento regional, sa, que já conseguiu expandir as operações como infraestrutura e indústria. até o Chile, fatura perto de 275 milhões de • Isenção do Imposto de Renda reais por ano e se prepara para abrir o capi- para fabricantes de máquinas, tal na Bolsa de Valores em dois anos. equipamentos, instrumentos e dispositivos baseados A Fiat, por sua vez, está especialmente em tecnologia digital. interessada nos reflexos que o aumento • Reinvestimento de 30% do da renda dos nordestinos tem causado no Imposto de Renda, acrescido padrão de consumo da região. “O Brasil já de 50% de recursos próprios, é o quarto maior mercado de automóveis para aplicação em projetos de do mundo, com vendas que chegaram a modernização ou complementação de equipamentos. 3,6 milhões de unidades no ano passado”, disse Belini, calculando que a demanda • Isenção do Adicional ao Frete para nacional pode chegar a 4,5 milhões de Renovação da Marinha Mercante unidades em 2015. Uma parte significati- (AFRMM), tributo que varia de 10% va desse aumento virá do Nordeste, onde a 40% sobre o valor do frete, para empreendimentos implantados, a frota cresceu quase 200% nos últimos modernizados, ampliados ou dez anos. No País, o avanço foi de, aproxi- diversificados no Nordeste, madamente, 115%. “A Fiat foi a primeira declarados pela Sudene de interesse montadora a sair do eixo paulista, abrin- para o desenvolvimento regional. do uma fábrica em Betim, Minas Gerais, • Depreciação acelerada incentivada ainda na década de 1970. Hoje, somos a e desconto do PIS/Pasep e da Cofins que mais cresce no Brasil”, destacou Be- para bens adquiridos por empresas lini. “Produzimos, em solo mineiro, um de setores prioritários para o FOTO S : L EO C A L DA S carro a cada 20 segundos, mas isso já não desenvolvimento regional, situadas é suficiente.” Agradam ao executivo as em áreas menos desenvolvidas. iniciativas de reindustrialização imple- mentadas pelo governo de Pernambuco. Fonte: Sudene O apoio do estado na empreitada, aliás, CARTACAPITAL | 6 DE MARÇO DE 2013 41•EEMateria2Relatorio45.indd 41 27/02/13 20:22
  6. 6. N O R D E S T E : Infraestrutura Cosenza, L EO C A L DA S da Petrobras, garante que as refinarias Premium sairão do papel Razões do atraso. O objetivo é não repetir os erros que encareceram a construção da Abreu e Lima Combustível “A construção dessas duas refinarias está mantida no planejamento da Petro- bras, elas não foram descartadas”, apres- para crescer sou-se a explicar José Carlos Cosenza, diretor de abastecimento da estatal, que participou do seminário “Nordeste – Co- mo enfrentar as dores do crescimento”, A Petrobras e várias empresas privadas promovido por CartaCapital no Recife executam projetos para suprir o déficit na segunda-feira 25. “Ambos estão em revisão para que consigamos adequar os energético da região projetos de execução a padrões técnicos internacionais, o que deve nos permi- tir reduzir os custos”, destacou. Juntas, as duas refinarias já chegaram a ser or- N çadas em quase 60 bilhões de reais, um ão dá para o Nordeste nem de longe vai dar conta de suprir to- custo que entrou no radar de Graça Fos- avançar de maneira sus- da a demanda da região. Com um consu- ter depois que ela assumiu a presidência tentada sem dispor de mo diário de pouco mais de 1 milhão de da companhia, no ano passado. O objeti- combustível e energia su- barris de combustível, o Nordeste ainda vo é evitar repetir erros como os come- ficientes para alimentar manterá um déficit de aproximadamen- tidos na construção da própria Abreu e os motores do seu cresci- te 450 mil barris por dia mesmo depois Lima que, além de atrasar, teve o orça- mento. Não por outra ra- da inauguração da planta. Por isso, as in- mento recorrentemente ampliado até zão os nordestinos vibraram com a es- certezas sobre os projetos das refinarias chegar perto dos atuais 35 bilhões de re- colha da região pela Petrobras, em mea- Premium I, no Maranhão, e Premium II, ais – os primeiros cálculos eram de que dos da década passada, para a instalação no Ceará, causam arrepios nos consumi- a obra custaria em torno de 5 bilhões. de três novas refinarias, depois de a esta- dores e nos investidores da região. No úl- “A fase em que é possível baixar mais os tal ter passado mais de 30 anos sem cons- timo plano de negócios da empresa, di- custos de uma obra é a do planejamen- truir nenhuma no País. A primeira delas vulgado no ano passado, as duas cons- to da estratégia de construção. Não fi- – a Refinaria de Abreu e Lima, que está tam como projetos “em avaliação”, com zemos isso muito bem em Pernambuco, sendo erguida em Ipojuca, Pernambuco a sua implantação ainda condicionada a então é hora de compensar nas Premium – deve ficar pronta no ano que vem, mas uma série de fatores. I e II”, justificou Cosenza. 42 WWW.CARTACAPITAL.COM.BR•EEMateria3Relatorio45.indd 42 27/02/13 20:20
  7. 7. N O R D E S T E : Infraestrutura FOTO S : L EO C A L DA S Até lá, o que resta à Petrobras é manter o formato baseado no abastecimento com petróleo importado. Atualmente, a estatal tem comprado do exterior cerca de 300 mil barris de combustível por dia, o equivalen- te à produção estimada para a Premium I, a refinaria do Ceará. Importar não é neces- sariamente mau negócio, mas abastecer-se com importação amplia a dependência do Brasil com o mercado internacional de pe- tróleo, altamente instável. Depois de efeti- vamente saírem do papel, as duas plantas nordestinas que hoje estão em avaliação – e devem deixar essa condição em meados deste ano – só devem dar a partida na pro- dução entre 2017 e 2018, pelas projeções Temke, da MPX, da empresa. Sem as novas refinarias, a Pe- promete para trobras consegue elevar a sua produção de a região o maior combustível a uma taxa de aproximada- polo de energia mente 2% ao ano, ampliando a produtivi- dade das fábricas já existentes. “Mas o con- termoelétrica sumo está crescendo até 3,5% ao ano”, afir- do País ma Cosenza. “Não podemos esperar suprir o mercado só com o que já temos.” Alternativa. Lima, da O Nordeste tem sido alvo de vários outros AD Diper: menos impostos projetos ligados ao setor energético, mui- a quem usar energia limpa to em razão dos recursos de que dispõe no gerada em Pernambuco seu território. A MPX, empresa do Gru- po EBX, de Eike Batista, por exemplo, está dando a largada, desde o fim do ano passa- do, em usinas termoelétricas para produzir Alternativas renováveis de geração de presidente da Agência de Desenvolvi- energia no Maranhão e no Ceará. O proje- energia também têm sido alvo de inves- mento Econômico de Pernambuco (AD to mais importante da empresa, a Usina de timentos pesados no Nordeste. Só para a Diper). “Mas temos um bom porto pa- Parnaíba, no Maranhão, movida a gás na- construção de parques eólicos, que pro- ra receber os insumos e uma localização tural, promete ter todas as suas turbinas duzem energia elétrica a partir da força privilegiada, o que nos permite produ- funcionando até o início do ano que vem. dos ventos, mais de 16 bilhões de reais zir os equipamentos para serem distri- “Quando isso acontecer, Parnaíba deverá estão sendo injetados na região – fora o buídos por quase todo o Nordeste.” Atu- se consolidar como o maior polo de energia que já foi gasto com parques que já estão almente, três grandes empresas do se- termoelétrica do País”, disse Marcus Te- em operação, segundo a Associação Bra- tor já estão instaladas nos arredores do mke, diretor de operações da MPX, duran- sileira de Energia Eólica (Abeeólica). É o Porto de Suape: a argentina Impsa, fa- te o seminário no Recife. A intenção do go- caso da Enel Green Power, empresa do bricante de aerogeradores; a espanho- verno de poupar as hidrelétricas para que grupo italiano Enel que veio para o Nor- la Gestamp, que produz torres; e a dina- seus reservatórios cheguem a 2014 com deste para gerar energia eólica em esta- marquesa LM Wind Power, de pás eóli- níveis razoáveis de água anima a empre- dos como a Bahia. O potencial das fon- cas. O estado também está buscando am- sa, ainda mais quando se considera o pre- tes renováveis de energia na região é tão pliar o uso das energias renováveis no ço da geração de energia em usinas como a grande que todos os estados, até os me- seu território e, para tanto, criou um pro- de Parnaíba – lá, é possível produzir 1 me- nos bem servidos de matérias-primas, grama apelidado de PE Sustentável. Pe- gawatt/hora de energia elétrica por até 80 estão tentando se beneficiar. Pernambu- lo projeto, que ainda está em fase de re- reais, enquanto em uma termoelétrica tra- co, por exemplo, está fazendo um esfor- gulamentação, empresas que compra- dicional, movida a óleo, o custo para a ge- ço para se consolidar como um polo de rem no mercado livre energia de fontes ração dessa mesma quantidade de energia produção de equipamentos destinados limpas produzida no estado terão direi- chega a 600 reais. “Verticalizamos os pro- aos parques eólicos, como torres e pás. to a redução na sua carga tributária. Pa- cessos, explorando gás em Parnaíba, e es- “Não somos tão bem servidos de jazi- ra os interessados, a AD Diper promete: sa é uma das qualidades mais importantes das de vento como a Bahia ou o Rio Gran- “Os incentivos devem começar a ser da- desse projeto”, explicou Temke. de do Norte”, diz Roberto Abreu e Lima, dos ainda neste ano”. – POR MARIANA SEGALA 44 WWW.CARTACAPITAL.COM.BR•EEMateria3Relatorio45.indd 44 27/02/13 20:20

×