Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Foi um não rápido. Um não daqueles que não se respiram, que se solta como se estivesse naparagem dos nãos ao tempo suficie...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Exemplo 2 escrita criativa - Foi um não rápido [processo(s)]

317 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Exemplo 2 escrita criativa - Foi um não rápido [processo(s)]

  1. 1. Foi um não rápido. Um não daqueles que não se respiram, que se solta como se estivesse naparagem dos nãos ao tempo suficiente para estar cansado. Foi um não que soou alto, noutralíngua, por falta de coragem.Foi um não de quebrar ossos, de partir corações. Foi o não mais simples do Mundo. E eu,noutro Mundo, não lhe ligaria. Vivo neste, contigo.Não tens culpa. A tua realidade é diferente da minha e vivemos assim, em óculos diferentes. Oteu não foi inócuo, volátil, transeunte, no meio de sins, foi um não, um mero. Mas na minhasala de estar chove muito e um não dito noutra língua explode janelas. E elas estão fechadas,estão bem assim.Quem dera que fosses de gesso. De barro. De plasticina barata e de cor ridícula. Quem deraque fosses um Nada, que para mim seria Tudo. Assim, os ossos não se quebravam, os coraçõesnão se partiam e as janelas nunca explodiriam. Mas não. Insistes em ser Um diferente e eu sousó Humanidade.Não falo com raiva. Esse estado insípido. Queria que fosses de um barro sem molde, para tetornar para mim. Para te tornar o Tu que quero conhecer todos os dias, mas que nunca chega.Perdoa-me a impaciência. Um dia, ficarei uma semana, sem comer, nem beber, a olhar para ti,para te tornares esse Tu. Um dia, deixarei marcas no caminho para seguires, enquanto andas ete perdes. Depois, moldo-te novamente, porque nunca chega e a qualidade vive na sombra dodefeito.Ridícula assumpção. Não vejo eu que o não só quebrou ossos porque eram os meus. Porquesou eu. E para ti foi uma nuvem.Problema nosso que somos prepotentes e queremo-nos donos do espaço, do tempo, dos nãose dos sins. Dos outros. E quantas vezes deveríamos ser? Nenhuma. Todas. Em algarismo.Depende da sala em que chove.Todos os nãos já foram sins ou serão amanhã. Culpa nossa quando os ouvimos. Ana Rita Caldeira (2012) PROCESSO(s)

×