Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Evolução da luz
no teatro
LUZ CÊNICA
A iluminação cênica natural, inicia-se na luz solar usada desde os gregos
até os elisabetanos, chegando às diferentes fon...
As apresentações eram feitas em amplos teatros,
construídos de forma semicircular e planejados para que não
apresentassem...
Teatro grego
Teatro romano
Os teatros da época tinham dois tipos básicos de
arquitetura: circular ou poligonal.
Eram construídos de madeira e sem t...
Teatro globe 1599
Teatro globe 1599
Teatro all’antica 1588 - sabbioneta
No século XVI, quando o teatro iniciou suas
atividades em espaços fechados, notou-se que era
preciso substituir a luz nat...
Candelabro renascença
Lamparina a óleo
Durante os séc. XVII e XVIII foram utilizados candelabros nos
teatros, espalhados pelo espaço cênico e platéia Chegou-se ...
Candelabros final séc .XVI
Luz de ribalta
Candelabros (platéia) e luz de ribalta
Por mais que os artesãos, técnicos de luz e os diretores
teatrais tentassem resolver as condições de visibilidade, as
fon...
Algumas idéias continuaram surgindo, assim como a
utilização de vidros côncavos preenchidos com vinho
ou líquidos colorid...
Garrafa de vidro côncava e vela
As vantagens conseguidas a partir da utilização do
gás (1850) nas luminárias e candelabros eram
muitas; um candelabro a g...
Em 1879 é criada a lâmpada incandescente por Thomas
Edison com um filamento de carbono. As primeiras
instalações elétrica...
Luz e sentido
Uma das principais funções da iluminação é
delimitar o espaço cênico
Quando um facho de luz incide sobre um
determinado ...
Por séculos, são escritas nos espetáculos a luz que o homem
tem conhecido em suas vidas; agora esta luz pode ser
“manipul...
Luz no teatro
Luz no teatro
Luz no teatro
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Luz no teatro

2,680 views

Published on

Luz no teatro

  1. 1. Evolução da luz no teatro LUZ CÊNICA
  2. 2. A iluminação cênica natural, inicia-se na luz solar usada desde os gregos até os elisabetanos, chegando às diferentes fontes de luz empregadas a partir de meados do séc. XVI, quando o teatro recolheu-se pela primeira vez em salas fechadas. A origem
  3. 3. As apresentações eram feitas em amplos teatros, construídos de forma semicircular e planejados para que não apresentassem problemas de acústica ou de visibilidade. As arquibancadas eram escavadas nas encostas das colinas e tanto o público quanto os atores, ficavam expostos à luz do sol, aos ventos e a brisa do mar (sec. V a.c) Por mais que fosse o mesmo espetáculo a ser apresentado, eles eram únicos, já que a iluminação assim como brilho e sombra dependiam das condições atmosféricas; movimento das nuvens e das diferenças de intensidade e luminosidade da luz solar Gregos e romanos
  4. 4. Teatro grego
  5. 5. Teatro romano
  6. 6. Os teatros da época tinham dois tipos básicos de arquitetura: circular ou poligonal. Eram construídos de madeira e sem teto. O palco podia ter até três níveis para que várias cenas fossem representadas simultaneamente. Ele avançava até o meio do edifício, de modo que o público o cercasse por três lados e teria boa visibilidade. Elisabetano
  7. 7. Teatro globe 1599
  8. 8. Teatro globe 1599
  9. 9. Teatro all’antica 1588 - sabbioneta
  10. 10. No século XVI, quando o teatro iniciou suas atividades em espaços fechados, notou-se que era preciso substituir a luz natural por artifícios que clareassem o palco e, que permitissem que os atores e objetos de cena pudessem ser vistos. Fez-se necessária a utilização de fontes de iluminação artificial, a partir daí, a busca por soluções e técnicas que suprissem as necessidades visuais tanto para os artistas quantos para a platéia Primeiras fontes artificiais
  11. 11. Candelabro renascença
  12. 12. Lamparina a óleo
  13. 13. Durante os séc. XVII e XVIII foram utilizados candelabros nos teatros, espalhados pelo espaço cênico e platéia Chegou-se a experimentar sebo na confecção de velas com o objetivo de aumentar o seu tempo de vida, mas, devido ao mau cheiro estas velas foram pouco utilizadas Mais tarde vieram os lampiões a óleo criados por Argand, sua luminosidade era maior que das velas. No entanto a queima de óleo trazia alguns inconvenientes como a sujeira que produzia nos tetos, paredes, cortinas além do risco de pingar em alguém
  14. 14. Candelabros final séc .XVI
  15. 15. Luz de ribalta
  16. 16. Candelabros (platéia) e luz de ribalta
  17. 17. Por mais que os artesãos, técnicos de luz e os diretores teatrais tentassem resolver as condições de visibilidade, as fontes de energia que se dispunha ainda eram muito precárias. Sua luminosidade era instável, difícil de controlar, sem direcionamento, bastante diferente e pouco eficiente
  18. 18. Algumas idéias continuaram surgindo, assim como a utilização de vidros côncavos preenchidos com vinho ou líquidos coloridos e objetos com superfícies refletoras a fim de criar novos efeitos (fig. 1.26). A preocupação em reduzir a iluminação da platéia, com a finalidade de intensificar a luminosidade do palco, trouxe contrastes e valorizava o espaço cênico conseqüentemente, os espetáculos.
  19. 19. Garrafa de vidro côncava e vela
  20. 20. As vantagens conseguidas a partir da utilização do gás (1850) nas luminárias e candelabros eram muitas; um candelabro a gás equivalia a 12 velas, a luz produzida era mais intensa, mais estável e o controle desta operação passou a ser centralizado Mesmo com todas as vantagens em relação aos sistemas de iluminação artificial anteriores, sua utilização trazia altos custos com manutenção e problemas de segurança, havia grande preocupação com incêndios que eram comuns. Avanços técnicos
  21. 21. Em 1879 é criada a lâmpada incandescente por Thomas Edison com um filamento de carbono. As primeiras instalações elétricas nos teatros foram feitas através da luz de ribalta, gambiarras e laterais. Foram muitas as possibilidades de criação a partir desta nova descoberta
  22. 22. Luz e sentido
  23. 23. Uma das principais funções da iluminação é delimitar o espaço cênico Quando um facho de luz incide sobre um determinado ponto do palco, significa que é ali que a ação se desenrolará naquele momento Além de delimitar o lugar da cena, a iluminação se encarrega de estabelecer relações entre o ator e os objetos, o ator e os personagens em geral. A iluminação "modela" através da luz o rosto, o corpo do ator ou um fragmento do cenário. A arte da luz
  24. 24. Por séculos, são escritas nos espetáculos a luz que o homem tem conhecido em suas vidas; agora esta luz pode ser “manipulada“ no palco. Seu efeito visual e emocional pode ser usado para acompanhar e influenciar a atuação. Somente nos últimos quatro ou cinco séculos que o teatro tem geralmente sido realizado em ambiente fechado e, a luz tem sido usada para iluminar o palco e os atores. Velas, tochas, lâmpadas a óleo e a gás, cada uma por sua vez, contribuiu com meios de produzir esta luz e, permitiu algum grau de efeito. A eletricidade chegou, e com ela novas idéias. Sem a iluminação nada pode ser visto; é o primeiro dos estímulos da mente humana e, o homem é sensível a todas as suas nuances.

×