Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Curso completo jp

1,419 views

Published on

  • Be the first to comment

Curso completo jp

  1. 1. Conhecendo o aluno com deficiência física
  2. 2. Deficiência Física Podemos definir a deficiência física como"diferentes condições motoras que acometem aspessoas comprometendo a mobilidade geral e dafala, em consequência de lesões neurológicas,neuromusculares, ortopédicas, ou más formaçõescongênitas ou adquiridas" (MEC,2004)
  3. 3. Os alunos com deficiência físicaSão aqueles que apresentam alteraçõesmusculares, ortopédicas, articulares ouneurológicas que podem ou não, comprometerseu desenvolvimento educacional.(MEC-2004)) Podem ter uma deficiência física temporária,recuperável, definitiva ou compensável.(MEC- 2004)
  4. 4. Entre os alunos atendidos pela Rede do Rio, ostipos mais frequentes de deficiência física são:1- Paralisia cerebral 2- Espinha bífida ( meningoceles) 3- Malformações ou má-formações 4- Síndromes / doenças osteomusculares / musculares / ... 5- Lesão medular/ Amputação
  5. 5. É uma desordem da postura e do movimento , secundária auma lesão não progressiva do cérebro em desenvolvimento.
  6. 6. Malformação congênita que resulta numa fenda da colunavertebral. Pode estar localizada na parte torácica, lombar ou sacral.
  7. 7. Geralmente causada por acidente que quebram ou danificamo feixe central de nervos no pescoço e nas costas.Podendo haver: • tetraplegia  paraplegia
  8. 8. É uma doença de origem genética e engloba umgrupo de síndromes que acarretam a diminuiçãoprogressiva da força muscular e atrofias musculares.
  9. 9. Ensinando alunos com deficiência física
  10. 10. IMPLICAÇÕES DA DEFICIÊNCIA FÍSICA NO CONTEXTO ESCOLAR COMUNICAÇÃOPOSICIONAMENT E O LINGUAGEM HABILIDADES MANUAIS 16
  11. 11. Tecnologia Assistiva “Para as pessoas sem deficiência, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. P as pessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis.” (RADABAUGH, 1993) Área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação, de pessoas com deficiência, incapacidade ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social” ( CORDE , 2007).
  12. 12. A Tecnologia Assistiva no Contexto de Sala de Aula Para as pessoas sem deficiência, a tecnologia torna as coisas mais fáceis. Para aspessoas com deficiência, a tecnologia torna as coisas possíveis.” (RADABAUGH, 1993) “Fazer TA na escola é buscar, com criatividade, uma alternativa para que o aluno realize o que deseja ou precisa. É encontrar uma estratégia para que ele possa fazer de outro jeito. É valorizar seu jeito de fazer e aumentar suas capacidades de ação e interação a partir de suas habilidades.” MEC, 2007 
  13. 13. Adequação da postura e mobiliário adaptadoconforto, menos gasto de energia e interatividade com o ambiente
  14. 14. LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA - IHA/SME RJ
  15. 15. 2. Adaptações para escrita
  16. 16. 3. Recursos de Acessibilidade ao Computar LABORATÓRIO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA -IHA/SME
  17. 17. - Elevador de escadas para cadeiras de rodasEscolas onde não é possível a construção de rampas ou elevadores Escola Municipal Delfim Moreira Escola Municipal Júlio de Mesquita
  18. 18. 4. Comunicação Alternativa e AmpliadaOutras formas de comunicação como o uso de gestos, línguade sinais, expressões faciais, e pranchas de alfabeto ousímbolos pictográficos, até o uso de sistemas sofisticados decomputador com voz sintetizada. Glennen,1997
  19. 19. 5. Atividades Pedagógicas Adaptadas; Oficina Vivencial de Ajudas Técnicas para ação Educativa - SME/RJ - IHA
  20. 20. Escola Municipal Henrique de Magalhães
  21. 21. 2
  22. 22. Educação Inclusiva eDeficiência Intelectual
  23. 23. Conceitos ao longo da história:Pessoa oligofrênica idiota mongolóide;criança excepcional retardado mental deficiente mental em nível leve, moderado, severo ou profundocriança com déficit intelectual criança com necessidades especiaisAtualmente, pela Convenção da ONU (2008): deficiênciaintelectual..
  24. 24. Deficiência intelectual por duas razões:A primeira razão tem a ver com o fenômenopropriamente dito. Ou seja, é mais apropriado o termointelectual por referir-se ao funcionamento dointelecto especificamente e não ao funcionamento damente como um todo.A segunda razão consiste em podermos melhordistinguir entre deficiência mental e doença mental,dois termos que têm gerado confusão há váriosséculos.
  25. 25. Mitos sobre a Deficiência Intelectual Eterna criança Idade mental - Idade cronológica “Não tem memória” “Não aprende” Sexualidade exacerbada
  26. 26. O indivíduo que possui DI apresenta um padrãodiferenciado de desenvolvimento afetivo/ cognitivo/motor. Necessita de interferências planejadas queauxiliem em seu processos evolutivos, na capacidade deaprender, na constituição de sua autonomia, nosprocessos de relação com o mundo, apresentando umaforma de organização qualitativamente diferente deseus pares da mesma idade.
  27. 27. Origens da deficiência intelectual Fatores genéticos (5%): erros inatos de metabolismos, expressão variável e erros cromossômicos ; Alterações precoces do desenvolvimento embrionário (30%) e problemas da gravidez e perinatais (10%) que incluem desnutrição fetal, prematuridade, hipóxia, anoxia, infecções virais e outras e traumas; Condições médicas gerais adquiridas no início da infância(5%): incluem infecções , traumas e envenenamento; Influências ambientais e outros transtornos mentais ( 15-20%) : incluem privação de afeto e cuidados, bem como estimulação social, linguística e outras, transtornos mentais .
  28. 28. O Aluno com Deficiência Intelectual: Aspectos a considerarIdentificação das potencialidadesCaracterísticas da deficiênciaEscola inclusiva DI 2011
  29. 29. Deficiência Intelectual X Dificuldade de AprendizagemDificuldade de aprendizagem Deficiência Intelectual(transtorno de aprendizagem) É observado umÉ observado durante a vida desenvolvimentoescolar qualitativamente diferenciado de seus pares de mesma idadeApresenta-se em uma área deaprendizagem Geralmente, anterior à entrada na escolaEstá atrelado ao fracasso escolar Pode apresentar dificuldade de aprendizagem em várias áreas de saber /aprender
  30. 30. A pessoa com deficiência intelectual Pode ser percebida socialmente como alguém que possui uma organização qualitativamente diferente; isso não significa que lhe falte algo, mas sim, que sua lógica, seus pensamentos, e sua organização e reflexão sobre o mundo é própria e com especificidades que não são imobilizantes, mas sim instigantes; é um ser único, com grande variedade de capacidades, incapacidades, áreas fortes e necessidades, como todo ser humano o é;
  31. 31.  pode ser considerada capaz de realizar aprendizagens, porém a construção de seus conceitos se dá de forma diferenciada; necessita de intervenções de qualidade, significando as suas formas de linguagem e compreensão do mundo; pode ser vista como alguém que pode “satisfazer” padrões sociais de comportamento, desde que lhe possibilitem desenvolver suas capacidades reflexivas de comparação e julgamento.
  32. 32. Privilegiar na ação docente O ensino contextualizado e significativo O ensino com foco na mediação para o  desenvolvimento da capacidade de planejamento, antecipação, inferência, transferência e generalização. DI 2011
  33. 33. Mediação pressupõe o sujeito da aprendizagem (oaluno, o aprendiz), o objeto do conhecimento (osconteúdos específicos) e um sujeito ou instrumentomediador (cujas funções podem ser desempenhadaspor um professor, por alguém que desempenhe umpapel equivalente ou, ainda, por uma ferramentacultural).(MEC ,2007)
  34. 34.  Organização dos espaços da escola – privilegiar espaços para trocas e interação. Disponibilização de variadas formas de comunicação, priorizando atividades de acordo com as potencialidades do aluno; Apresentação de atividades que mobilizem o interesse e a curiosidade dos alunos; Adequação do vocabulário e na elaboração das atividades - apropriados ao nível de compreensão dos alunos e ao conteúdo ensinado.
  35. 35. a construção de um trabalho, às vezes,“ ... parece lento, mas é neste pensar e repensar, ouvir e dizer, ir e vir, que as idéias são semeadas, germinadas, brotam e florescem. ” Sonia Fernandez
  36. 36. 3 Recursos adaptados eAdaptações pedagógicas
  37. 37. Recursos Pedagógicos AdaptadosRecursos e adaptações de materiais e atividadesescolares que possibilitem a realização dastarefas do cotidiano escolar por alunos comdeficiência independente de suas dificuldades.
  38. 38. Recursos PedagógicosA Adaptados Tecnologia Assistiva, na perspectiva deinclusão escolar, não deve se voltarunicamente a promover uma habilidade noaluno, fazendo com que ele realize tarefascomo as de seus colegas. A TA na educaçãoserá o meio pelo qual esse aluno possa fazerdo seu jeito e assim ele se tornaráprotagonista de sua história, ativo no seuprocesso de desenvolvimento e aquisição deconhecimentos. (MEC 2006)
  39. 39. A produção e utilização do recurso adaptadodevem levar em conta: A atividade proposta para o grupo de referência/turmacomum; As Necessidades Educacionais Especiais dos alunos; O que o aluno consegue realizar com autonomia;O que o aluno consegue realizar com ajuda;A ajuda necessária;
  40. 40. Podemos dividi-los em:Recursos de acesso à escrita e atividadesmanuais;
  41. 41. 2. Jogos e Brinquedos Adaptados;
  42. 42. 3. Atividades Pedagógicas Adaptadas;3.1 Leitura
  43. 43. Adaptação da fábula A Lebre e a Tartaruga - Fabiana S. Sameshima -UNESP –Marília/SP ,2011
  44. 44. Meteoro Luan Santana Meteoro da paixão; Te dei o Sol, Explosão de sentimentos que eu não pude acreditar; Aaaahh... Como é bom poder te amar; Te dei o Mar,Pra ganhar seu coração;Você é raio de saudade;
  45. 45. 3.1 Escrita
  46. 46. Alfabetário de material concreto
  47. 47. 3.2 Conceitos Matemáticos
  48. 48. DI2011
  49. 49. 3.4. Demais áreas do conhecimento;
  50. 50. Prancha de atividades escolaresCom símbolos gráficos ou recortes de revistas ou embalagem de produto Prancha de atividades especiais (passeios, aniversários, festas)
  51. 51. Prancha de montagem de histórias
  52. 52. Tabuleiro de histórias DI 2011
  53. 53. Fotomontagem DI 2011
  54. 54. DI2011
  55. 55. DI2011
  56. 56. Algumas Estratégias de Ensino para a Sala de Aula priorizar as atividades de maior relevância ou diminuir aquantidade de exercícios em cada atividade; separar as atividades em dias diferentes, oferecendo umtempo maior para completá-las; organizar atividades em duplas ou grupos; inserir o uso de pranchas de Comunicação Alternativa eAmpliada na rotina da sala: pranchas pedagógicas ( escolhade atividades,conteúdos trabalhados) e pranchas sociais(conversação).
  57. 57. Atividades que facilitam a escrita: prender a folha com fita adesiva nos cantos ampliar a atividade para folha e letra maior, aumentar o espaçamento entre frases e palavrasnos exercícios, usar engrossadores de lápis ou canetas mais grossas e mais fortes, como Pilot e lápis 6b,
  58. 58.  oferecer um escriba: colega de turma ou professor, aceitar respostas orais, oferecer letras móveis, de tamanhos e espessuras variadas, com velcro ou imantadas, cópia em carbono, uso de computador
  59. 59. Onde encontrar mais informação:ihainforma.wordpress.com http://portal.mec.gov.br/
  60. 60. Sites para consulta www.portal.mec.gov.br/seesp/  www.distrofiamuscular.net www.nacpc.org.br  www.defnet.org.br www.apcb.org.br  www.sarah.br www.paralisiacerebral.net  www.aacd.org.br www.hidrocefalia.com.br  http://portalmec.gov.br/seesp/arq uivos/pdf/aee_df.pdf www.abradecar.org.br www.saci.org.br  http://portalmec.gov.br/seesp/arq www.clik.com.br uivos/pdf/dffisica.pdf www.comunicacaoalternativa.com.br  http://portalmec.gov.br/seesp/arq uivos/pdf/deficienciafisica.pdf www.defnet.org.br
  61. 61. AgradecimentosMateriais e fotos do acervo:- Professoras de Salas de Recursos Multifuncionais do Município do Rio de Janeiro- Oficina Vivencial / Laboratório de Tecnologia Assistiva IHA - Professoras Hilda Gomes, Janaína Larrate, Maristela Siqueira , Vera Val.
  62. 62. Instituto Municipal Helena AntipoffOficina Vivencial de Ajudas TécnicasTel (21) 2204 2150E-mail: ofvivencialiha@rioeduca.net

×