Apresentação do trabalho de projeto - UL

376 views

Published on

Apresentação do trabalho de projeto para a obtenção do grau de mestre em Eucação - TIC e Educação, UL

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
376
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apresentação do trabalho de projeto - UL

  1. 1. Cristina Isabel ConchinhaLisboa, 2011
  2. 2. Objectivos • analisar a interação de utentes portadores de PC ligeira, face à utilização de instrumentosCaracterização robotizados. da paralisia cerebral A Robótica educativa identificar eventuais dificuldades com as quais Robôs e a estes utentes se poderão deparar no Educação Especial desenvolvimento das tarefas propostas. O Lego MindStorms • compreender se a utilização de artefatos robotizados, como o Lego Mindstorms, pode serMetodologia recomendada como ferramenta de aprendizagem e de utilizada por escolas e instituições que apoiamInvestigação indivíduos com PC.Resultados e • identificar se o recurso a estes artefatos melhora a Discussão concentração e o interesse destes sujeitos.Considerações finais
  3. 3. ObjectivosCaracterização Encefalopatia Crónica não da paralisia Progressiva da Infância (Júnior, cerebral Toffol, Júnior & Fonseca, 2009) A Robótica educativa Resulta de uma lesão cerebral ou mau Robôs e a desenvolvimento do cérebro em uma ou várias Educação Especial regiões do cérebro (Valente, 1983), de carácter não progressivo (Diament, 1996, citado por O Lego Ferreira, 2007) ocorrida nos primeiros estádios MindStorms do desenvolvimento (Kavamoto [s.d.]), nomeadamente, durante a gravidez, noMetodologia de decorrer do parto ou após o parto (APPC [s.d.],Investigação Merck [s.d.]), e caracteriza-se por provocar alterações na postura e movimento (APPCResultados e [s.d.]), ou seja, pela inabilidade em manter o Discussão controlo total das funções motoras (Valente,Considerações 1983). finais
  4. 4. Objectivos Considerando:Caracterização exigências e dificuldades da paralisia propostas + em despertar o interesse e cerebral construcionistas a atenção dos alunos pelos A Robótica de Papert conteúdos escolares educativa Robôs e a • torna necessária a criação um ambiente de Educação Especial aprendizagem que potencialize o talento natural do indivíduo, valorize a aprendizagem adquirida e O Lego desafie as habilidades, num processo contínuo e MindStorms progressivo (Labegalini, 2007).Metodologia deInvestigação O uso de ambientes que envolvem robôs, pode serResultados e muito motivador e a sua utilização pode promover Discussão uma excelente oportunidade para recolha de dados acerca do raciocínio lógico dos estudantes (Ricca,Considerações finais Lulis & Bade, 2006).
  5. 5. Objectivos Diversos estudos recorrem à robótica como ferramentaCaracterização de ensino e aprendizagem no entanto apenas alguns da paralisia foram aplicados à educação especial (Kärnä-Lin et al, cerebral 2006). A Robótica educativa Druin et al (1999) descreve um robô que conta histórias e interage com crianças, ensinando-as a lidar com as suas Robôs e a emoções. Educação Especial Plaisant et al (2000) utilizaram blocos LEGO na construção O Lego de robôs PETS com o intuito de desenvolver metodologias MindStorms de reabilitação de crianças com NEE. Castilho, Condado e Lobo (2005) analisaram o potencialMetodologia das GogoBoard e da programação Logo como ferramentas de de apoio a utentes com PC.InvestigaçãoResultados e Cook, Adams, Volden, Harbottle, e Harbottle (2010) Discussão realizaram um estudo com dez crianças com PC onde solicitaram aos participantes que interagissem com um protótipo criado através do Lego Mindstorms denominadoConsiderações finais por “roverbot”.
  6. 6. Objectivos Em 1998 o MIT e a Lego apresentaram o Robotics Invention System [RIS] um programa de computadorCaracterização que permite que os utilizadores programem e da paralisia construam os seus próprios robôs, de um modo cerebral simples e flexível (Ricca, Lulis & Bade, 2006). A Robótica educativa Em 2009 foi colocada à venda uma outra versão do protótipo inicial denominada Robôs e a Educação por Lego Mindstorms NXT. Especial O Lego MindStormsMetodologia deInvestigaçãoResultados e DiscussãoConsiderações finais
  7. 7. ObjectivosCaracterização da paralisia cerebral A Robótica educativa Robôs e a Educação Protótipo robotizado a seguir o trajeto realizado Especial pelo utente C (4.ª sessão). O Lego MindStormsMetodologia deInvestigaçãoResultados e DiscussãoConsiderações Protótipo robotizado prestes a bater na bola (5.ª sessão). finais
  8. 8. Objectivos Abordagem pragmática, de tipo qualitativo, que envolveu:Caracterização a) observação participante artificial de cinco sessões de da paralisia trabalho (duração máxima de 60 minutos) com os utentes cerebral e respetiva gravação em vídeo; A Robótica educativa b) construção do diário de bordo da investigadora; Robôs e a c) Questionários aos utentes participantes; Educação Especial d) Entrevista à fisioterapeuta dos utentes. O Lego MindStorms Contou-se com a colaboração do Núcleo Regional de Faro da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral.Metodologia Participantes: de • Utente A: 16 anos; 9.º ano de escolaridade; PC infantil espásticaInvestigação unilateral, hemiparesia esquerda com claudicação na marcha por aumento do tónus e retração musculo-esquelética, dificuldade naResultados e aprendizagem e na aplicação do conhecimento. Discussão • Utente C: 13 anos; 6.º ano; PC do tipo hemiparesia direitaConsiderações espástica, marcha assimétrica e tendência de flexão do tronco. finais Apresenta dificuldades em executar tarefas motoras específicas.
  9. 9. Objectivos Os resultados obtidos apontaram para a participação ativa dos utentes durante a montagem, programaçãoCaracterização da paralisia e interação com o protótipo, demonstrando que cerebral adquiriram novas aprendizagens enquanto interagiam A Robótica positivamente com o protótipo, entre si e com a educativa investigadora. Tabela 1 - Matriz de listagem de variáveis Robôs e a Educação Utentes Experiência dos utentes Especial A C Participam nas actividades O Lego propostas Sim Sim MindStorms Sim, mas mostra algumas Aprendem dificuldades na SimMetodologia programação deInvestigação São autónomos Sim, na maioria das vezes SimResultados e Revelam dificuldades Sim. Sobretudo durante a Algumas durante a Discussão programação programaçãoConsiderações finais
  10. 10. Objectivos Tabela 2 – Resultado da entrevista à fisioterapeutaCaracterização Questão Resposta da paralisia cerebral Recomendava o Lego Mindstorms a outros utentes Sim com PC A Robótica Implementava o Lego Mindstorms na terapia dos educativa Sim, para quebrar a rotina utentes Sim, mas precisava de o aprofundar Considera o kit adequado a utentes com PC Robôs e a melhor Educação Especial Realizava alterações no kit Talvez alterasse o tamanho das peças O Lego Pertinência do projeto Sim MindStormsMetodologia de Durante o projeto a terapeuta percepcionou aInvestigação oportunidade de fazer uma abordagem diferenciada com o auxílio do kit educativo e do seu software,Resultados e tendo referido que não só recomendaria o Lego Discussão Mindstorms a utentes com PC como também queConsiderações gostaria de o utilizar nas suas sessões. finais
  11. 11. Objectivos Após a análise dos dados pode-se inferir a fiabilidade do Lego Mindstorms como ferramenta de desenvolvimento utilizada por escolas e instituições que apoiam indivíduosCaracterização com PC. da paralisia cerebral Os participantes (utentes, fisioterapeuta e a própria investigadora no seu diário de bordo) expressaram A Robótica educativa opiniões unânimes e consistentes que indiciam que o Lego Mindstorm pode ser utilizado no contexto pedagógico Robôs e a destes utentes. Educação Especial Relativamente às aprendizagens alcançadas, os utentes demonstraram aprender rapidamente os passos necessários O Lego para a montagem do protótipo. MindStorms A programação foi um desafio para ambos os utentes, noMetodologia entanto ambos utentes mostraram compreender alguns dos de princípios dos conceitos inerentes à programação.Investigação Deste modo é possível recomendar a adoção destaResultados e ferramenta por parte de instituições educativas, centros de Discussão reabilitação ou até pelo seio familiar de utentes com PC ligeira. O kit pode conduzir a melhorias e pode ser umConsiderações finais recurso alternativo e diferenciador das terapêuticas utilizadas, permitindo aos utentes um escape à rotina.
  12. 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASAPPC Faro. Consultado a 24 de Março de 2011 através http://www.appc-faro.org.pt/Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Umaintrodução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.Cook, A., Encarnação, P., & Adams, K. (2010b). Robots: assistive technologies for play, learning and cognitive development.Technology and Disability. Consultado a 02 de Outubro de 2011 através dehttp://compsar.anditec.pt/index.php?option=com_rokdownloads&view=file&task=download&id=25%3A2010-cookencarnacaoadamstd223robots-assistive-technologies-for-play-learning-and-cognitive-development&Itemid=3Druin, A. & Hendler, J. (2000). Robots for kids: exploring new technologies for learning. São Francisco: Morgan KaufmannPublishers Inc.Ferreira, H. (2007). Aspectos familiares envolvidos no desenvolvimento de crianças com paralisia cerebral. Universidade de SãoPaulo, Ribeirão Preto.Kärnä-Lin, E., Pihlainen-Bednarik, K., Sutinen, E. & Virnes, M. (2006). Can Robots Teach? Preliminary Results on EducationalRobotics in Special Education. Proceedings of the Sixth International Conference on Advanced Learning Technologies (ICALT06)Press, 3.Kavamoto, C., s.d., Paralisia cerebral. Consultado a 23 de Março de 2011 através dehttp://www.entreamigos.com.br/sites/default/files/textos/Paralisia%20Cerebral.pdfManual Merck. Consultado a 29 de Novembro de 2010 através de http://www.manualmerck.net/?id=296Plaisant, C., Druin, A., Lathan, C., Dakhane, K., Edwards, K., Maxwell, J. & Montemayor J. (2000). A storytelling robot for pediatricrehabilitation. In Proceedings ASSETS 00, Washington, ACM, New York, pp. 50-55. Consultado a 10 de Junho de 2011 através deftp://ftp.cs.umd.edu/pub/hcil/Reports-Abstracts-Bibliography/2000-16html/2000-16.htmlRicca B., Lulis E. & Bade D. (2006). LEGO Mindstormss and the growth of critical thinking. Press, 6.Valente, J. (1983). Creating computer-based learning environment for physically handicapped children. Massachusetts Institute ofTechnology, Cambridge

×