Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Roland Barthes , Umberto Eco , Michel Foucault , Jean Baudrillard

5,938 views

Published on

Apresentação de Marcela Lupoli e Diego Hungria. 2011

  • Be the first to comment

Roland Barthes , Umberto Eco , Michel Foucault , Jean Baudrillard

  1. 1. Roland Barthes Umberto Eco Michel Foucault Jean Baudrillard Diego Hungria Marcela Lupoli
  2. 2. Roland Barthes 1915-1980; 
  3. 3. Roland Barthes <ul><li>Mitologias - 1957; </li></ul><ul><li>Primeira parte, os mitos; </li></ul><ul><li>O mito, hoje; </li></ul><ul><li>Mito como fala não com objeto: </li></ul><ul><li>“ Esta fala á uma mensagem. Pode, portanto, não ser oral; pode ser formada por escritas, ou representações: o discurso escrito, assim como a fotografia, o cinema, a reportagem, o esporte, os espectadores, a publicidade, tudo isso pode servir de apoio à fala mítica. ” </li></ul>
  4. 4. Roland Barthes <ul><li>S emiologia e História no estudo dos mitos; </li></ul><ul><li>Sistema linguístico e sistema mítico; </li></ul><ul><li>Mito como metalinguagem; </li></ul><ul><li>Conceito mítico e significantes; </li></ul><ul><li>“ quantitativamente o conceito é muito mais pobre do que o significante. limita-se frequentemente a representar-se. (...) a abundância quantitativa das formas corresponde a um pequeno número de conceitos” </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Insistência num comportamento que revela sua intenção; </li></ul><ul><li>Não existe rigidez nos conceitos míticos; </li></ul><ul><li>Signo no sistema mítico é o próprio mito; </li></ul><ul><li>Mito é definido por sua intenção e não por sua literalidade; </li></ul><ul><li>Mito transforma História em Natureza; </li></ul><ul><li>Motivação do mito; </li></ul><ul><li>Mito como ideograma; </li></ul><ul><li>Caráter imediatista; </li></ul><ul><li>Roubo de linguagem; </li></ul>Roland Barthes
  6. 6. <ul><li>Sociedade atual é propícia ao mito; </li></ul><ul><li>Sociedade burguesa e cultura anônima; </li></ul><ul><li>Mito é despolitizado; </li></ul><ul><li>Fala politizada x Mito; </li></ul><ul><li>Esquerda como fala do pobre; </li></ul><ul><li>Direita como área própria para o mito; </li></ul>Roland Barthes
  7. 7. <ul><li>Direita como área própria para o mito; </li></ul><ul><li>Procedimentos retóricos usados na criação de um mito pela direita: </li></ul><ul><li>Vacina: confessar o mal acidental de uma instituição de classe para melhor camuflar o seu mal indispensável; </li></ul><ul><li>Omissão da história: quando um mito fala um objeto, despoja-o de toda a História; </li></ul><ul><li>Identificação: incapacidade de imaginar o Outro, se este aparece é ignorado, ou transformado à semelhança daquele que o observa. Outro é reduzido ao mesmo, condenado, censurado, assimilação só ocorre pelo exotismo; </li></ul><ul><li>Tautologia: definir o mesmo pelo mesmo (“O teatro é o teatro”); </li></ul><ul><li>Ninismo: Colocar dois contrários e equilibrar um com o outro, de modo a rejeitas os dois (não quero nem isto nem aquilo), recusam-se igualmente termos para os quais era difícil fazer uma escolha e foge-se do real intolerável. </li></ul><ul><li>Quantificação da qualidade: reduz toda qualidade a uma qualidade; </li></ul><ul><li>Constatação: universalismo, recusa da explicação, hierarquia inalterável do mundo. </li></ul>Roland Barthes
  8. 8. 1932 Umberto Eco
  9. 9. <ul><li>Apocalípticos e Integrados – 1964; </li></ul><ul><li>Alto, baixo, médio; </li></ul><ul><li>Cultura de massa; </li></ul><ul><li>Bruno Bauer: “O pior testemunho a favor de uma obra é o entusiasmo com que a massa se volta para ela... Todos os grandes empreendimentos da história foram, até agora, fundamentalmente frustrados e privados de êxito efetivo porque a massa se interessou e se entusiasmou por eles... Agora sabe o espírito aonde buscar o seu único adversário – nas frases, nas autoilusões, na falta de nervo das massas”. </li></ul>Umberto Eco
  10. 10. Umberto Eco <ul><li>Dwight MacDonald; </li></ul><ul><li>Heráclito: “Pra quê quereis levar-me a toda parte, ó iletrados? Não escrevi para vós, mas para quem me pode compreender. Um, para mim, vale cem mil, e a multidão, nada” </li></ul><ul><li>Problema da nossa civilização; </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Críticas à cultura de massa: </li></ul><ul><li>Os produtos da cultura de massa dirigem-se a um público heterogêneo; </li></ul><ul><li>Tende a perpetuar o gosto existente; </li></ul><ul><li>Nivelam os produtos de arte; </li></ul><ul><li>Submetidos à “lei da oferta e da procura”; </li></ul><ul><li>Dirige-se a um público inconsciente de si mesmo como grupo social; </li></ul><ul><li>Tende a provocar emoções vivas; </li></ul><ul><li>Encorajam uma imensa informação sobre o presente; </li></ul><ul><li>Parece estrutura de um regime capitalista. </li></ul>Umberto Eco
  12. 12. <ul><li>Defesa da cultura de massa: </li></ul><ul><li>Não é típica de um regime capitalista; </li></ul><ul><li>Não tomou o lugar de uma suposta cultura superior; </li></ul><ul><li>Apresenta bens culturais a cidadão; </li></ul><ul><li>Acúmulo de informação como formação; </li></ul><ul><li>Espetáculos existem antes da cultura de massa; </li></ul><ul><li>Homogeneização do gosto contribuiria para eliminar diferenças; </li></ul><ul><li>Sempre ouve difusão dos bens culturais; </li></ul><ul><li>Oferece um acervo de informações e dados sem discriminação; </li></ul><ul><li>Não são conservadores. </li></ul>Umberto Eco
  13. 13. <ul><li>Erro da defesa à cultura de massa; </li></ul><ul><li>Erro dos críticos à cultura de massa; </li></ul><ul><li>Problema da cultura de massa; </li></ul><ul><li>Atitude para homens de cultura; </li></ul><ul><li>Três níveis de cultura; </li></ul><ul><li>Novo comportamento; </li></ul>Umberto Eco
  14. 14. <ul><li>Estrutura do mau gosto; </li></ul><ul><li>Definição do que seria mau gosto; </li></ul><ul><li>Kitsch; </li></ul><ul><li>Kitsch x Arte; </li></ul><ul><li>Estimulação de efeitos como Kitsch; </li></ul><ul><li>Kitsch como falsa arte; </li></ul><ul><li>Kitsch e cultura de massa; </li></ul><ul><li>Arte valorizando a técnica; </li></ul>Umberto Eco
  15. 15. <ul><li>Kitsch x vanguardas; </li></ul><ul><li>Cultura de massa x cultura média; </li></ul><ul><li>Características da cultura média: </li></ul><ul><li>Empréstimo de processos de vanguarda, adaptando-os para confeccionar uma mensagem compreensível e desfrutável para todos, utilizando tais processos quando já conhecidos, divulgados, gastos; </li></ul><ul><li>Mensagem como provocação de efeitos, vendendo-a como arte; </li></ul><ul><li>Tranquiliza o consumidor, convencendo-o de ter vivido um encontro com a cultura, de forma que ela não venha a sentir outras inquietações. </li></ul>Umberto Eco
  16. 16. <ul><li>Cultura média e divulgação; </li></ul><ul><li>Objeto-fetiche; </li></ul><ul><li>Estrutura da obra de arte; </li></ul><ul><li>Mensagem poética; </li></ul><ul><li>Definição final de kitsch; </li></ul><ul><li>Mensagem poética como fetiche; </li></ul><ul><li>Indústria cultural e decodificação parcial; </li></ul><ul><li>Cultura média e estilemas; </li></ul>Umberto Eco
  17. 17. <ul><li>Kitsch, mensagem, artista, público; </li></ul><ul><li>“ A dialética entre vanguarda e artesanato de massa manifesta assim seu ritmo inquietante e suas automáticas possibilidades de recuperação. Mas deixa entrever, também, a possibilidade de intervenções operativas; das quais, porém, a mais mentirosa, é a restauração de uma aparente adesão aos valores intemporais de um Belo que acoberta a face cômoda e remuneradora do Kitsch” </li></ul>Umberto Eco
  18. 18. Michel Foucault 1926 - 1984
  19. 19. Michel Foucault <ul><li>Biografia : </li></ul><ul><ul><li>Vida; - quebrando a tradição; - a homossexualidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Academia - aluno de Merleau-Ponty e colega de Barthes </li></ul></ul>
  20. 20. Michel Foucault <ul><li>Obra : </li></ul><ul><ul><li>Influências; - Nieztche; Heidegger; Sartre </li></ul></ul><ul><ul><li>Principais obras; - “As Palavras e as Coisas” - “Arqueologia do Saber” - “Vigiar e Punir” - “História da Sexualidade” </li></ul></ul>
  21. 21. Michel Foucault <ul><li>As palavras e as coisas - 1966 ; </li></ul><ul><li>Dedica-se ao estudo das Ciências Humanas </li></ul><ul><li>Desenvolve idéias já presentes em “História da Loucura” e “O Nascimento da Clínica” </li></ul><ul><li>Mapa da mudança cultural nos séculos XVII e XVIII </li></ul><ul><li>Articulação e interrelação entre os âmbitos dos saberes </li></ul><ul><li>Episteme clássica (representação) x episteme moderna (homem como objeto e sujeito do saber) </li></ul><ul><li>Obra é enorme sucesso, torna-se best seller e projeta Foucault como um dos pensadores mais famosos de seu tempo </li></ul>
  22. 22. Michel Foucault <ul><li>Esquecer Foucault – 1976; </li></ul><ul><li>Uma introdução a Baudrillard </li></ul><ul><li>Artigo sobre o primeiro volume da “História da Sexualidade” de Foucault </li></ul><ul><li>Sylvère Lotringer “melhor introdução ao trabalho de Baudrillard” </li></ul><ul><li>“ Discurso de Foucault é um espelho do poder que ele próprio descreve” </li></ul><ul><li>Uma das grandes polêmicas que cercaram Baudrillard durante toda sua carreira </li></ul>
  23. 23. Jean Baudrillard 1929 - 2007
  24. 24. Jean Baudrillard <ul><li>Biografia : </li></ul><ul><ul><li>Vida; “Eu não tenho biografia. A minha vida não tem nada. Eu ensinei 20 anos na Universidade e escrevi algumas coisas. Não pertenci a nenhuma instituição ou grupo... Nunca tive uma existência pública, nunca quis isso.” </li></ul></ul><ul><ul><li>Academia; - Estudou em Soubonne - Lecionou língua e literatura germânica e depois sociologia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Polêmicas - “Esquecer Foucault”, “A Esquerda Divina”, “O Complô da Arte” </li></ul></ul>
  25. 25. Jean Baudrillard <ul><li>Obra : </li></ul><ul><ul><li>Influências; - Nietzche (“pessimista irônico) - Sartre - Marx - Barthes </li></ul></ul><ul><ul><li>Principais obras; - “O Sistema dos Objetos” - “Simulacros e Simulações” - “América” - “Cool Memories” </li></ul></ul>
  26. 26. Jean Baudrillard <ul><li>Para uma Crítica da economia política do signo – 1972; </li></ul><ul><li>Forma/signo x Forma/mercadoria; - objeto é mercadoria e signo indissociavelmente </li></ul><ul><li>O leilão da obra de arte; - riqueza manifesta + destruição da riqueza manifesta </li></ul><ul><li>Os “novos” signos; - signo se transformando em objeto em si e se materializando em fetiche </li></ul>
  27. 27. Jean Baudrillard <ul><li>A arte para Baudrillard - pós-moderno é uma simulação - interculturalidade é uma ilusão - perda da memória - arte banal, pretensões de realismo - rendição à realidade tecnológica - arte perde valor em si mesma - signos se sobrepõe à singularidade - fim dos ideais estéticos - a arte já não transforma a realidade </li></ul>

×