Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A Guerra Fria

73,667 views

Published on

Guerra Fria e coexistência pacífica

  • Be the first to comment

A Guerra Fria

  1. 1. DO SEGUNDO PÓS-GUERRA AOS DESAFIOS DO NOSSO TEMPO
  2. 2. Reconstituição e política de blocos E.U.A. U.R.S.S. Países da Europa Ocidental Países da Europa Oriental CAPITALISTAS COMUNISTAS Crise do pós-guerra Domínio político Plano Marshall (1947): - Visa a recuperação económica da Europa ocidental; - Procura limitar a expansão das ideias comunistas. COMECON (1949): - Visa a recuperação económica da Europa de leste; - Procura agregar o maior número de países às ideias comunistas. A GUERRA FRIA
  3. 3. A GUERRA FRIA Inicialmente, representava a tensão que se vivia no pós-guerra. Posteriormente, passou a designar o confronto político, ideológico, militar e económico que se vivia entre os EUA e a URSS e seus respectivos aliados. Corrida ao armamento nuclear Desenvolvimento de uma Política de espionagem e Contra-espionagem O “Equilíbrio do terror” e o período McCarthy
  4. 4. A GUERRA FRIA Criação de Organizações militares NATO (1949) Pacto de Varsóvia (1955)
  5. 5. A GUERRA FRIA Principais momentos (1ª fase): 1948/49: Bloqueio de Berlim
  6. 6. A GUERRA FRIA Principais momentos (1ª fase): 1950/53: Guerra da Coreia
  7. 7. A COEXISTÊNCIA PACÍFICA <ul><li>Entre 1955-1973, os EUA e a URSS empreenderam uma política de entendimento e cooperação, com o objectivo de aliviar as tensões e os conflitos da “guerra fria”. </li></ul><ul><li>O equilíbrio entre os dois blocos era uma realidade, visível quando estes se enfrentaram na guerra da Coreia. </li></ul><ul><li>A morte de Estaline e a consequente ascensão ao poder por Krutchev (1953) irão aligeirar a oposição comunista aos EUA. </li></ul><ul><li>Da mesma forma, nos EUA vive-se um momento de reacção governamental contra o movimento anticomunista liderado pelo novo presidente, o general Eisenhower. Mais tarde, a eleição do presidente Kennedy - democrata liberal - irá consolidar esta situação. </li></ul><ul><li>O reconhecimento da República Federal Alemã e a desanexação da Áustria contribuiu para desenvolver uma política de abertura, rumo à coexistência pacífica. </li></ul><ul><li>Estabelece-se uma política de abertura entre os EUA e a URSS com a visita de Krutchev aos EUA em 1959. </li></ul>
  8. 8. A GUERRA FRIA Principais momentos (2ª fase): Finais da década de 50, inícios da década de 60: Agravamento da política de espionagem e de armamento C.I.A. K.G.B .
  9. 9. A GUERRA FRIA Principais momentos (2ª fase): 1961 – Construção do Muro de Berlim: divisão da Alemanha em RDA e RFA
  10. 10. A GUERRA FRIA Principais momentos (2ª fase): A crise dos mísseis de Cuba (1962/63)
  11. 11. A GUERRA FRIA Principais momentos (2ª fase): A crise dos euromísseis (década de 80) Durante a década de 70, a União Soviética começa a instalar mísseis nucleares de médio alcance nos seus países-satélites do Leste Europeu. A resposta norte-americana salda-se na colocação de mísseis Pershing e Cruise em território da Europa Ocidental. Esta situação apenas será ultrapassada graças aos acordos de desarmamento nuclear estabelecidos entre o Presidente Americano – Regan – e o seu homólogo russo – Gorbatchev.
  12. 12. A LIBERTAÇÃO DAS COLÓNIAS Embora o movimento da descolonização se tenha iniciado na Ásia, acabou por se espalhar às colónias de todo o mundo, com especial incidência no conti-nente Africano.
  13. 13. OS MOVIMENTOS DE AUTODETERMINAÇÃO O aparecimento de Burguesias nacionais e minorias intelectuais que lideraram os movimentos de descolonização. A participação na II Guerra Mundial em defesa da democracia, o que despertou o desejo de liberdade e independência. O apoio dos EUA e da URSS às lutas pela libertação – reforço da sua área de influência – e pressão da ONU: todo o povo tem o direito de escolher livremente a sua forma de governo (autodeterminação).
  14. 14. O MOVIMENTO DOS NÃO-ALINHADOS Os novos países cedo tomaram consciência da sua importância nível político. Assim, em 1955 reúnem-se na Indonésia (Conferência de Bandung), marcando uma oposição ao colonialismo que ainda existia em alguns países (Portugal, Rodésia ou República da África do Sul...). Foi ainda decidida a independência dos países participantes face aos dois blocos que se haviam constituído no pós- -guerra. Seis anos mais tarde, surge o movimento dos Não-Alinhados, tendo esta política sido seguida pela maioria dos países do “Terceiro Mundo”.

×