Publicidade professor alexandre

1,185 views

Published on

1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
1,185
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
25
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Publicidade professor alexandre

  1. 1. : Comunicação O que é comunicação? COMMUNICATIO MUNIS (raiz) – Estar encarregado de CO (prefixo) – simultaneidade TIO (terminação) – atividade ―atividade realizada conjuntamente‖ No cristianismo antigo, onde a vida eclesiástica era marcada pela contemplação e isolamento, considerada na época como uma condição para conhecer Deus, duas tendências interpretavam este isolamento de maneira diferente: os ANACORETAS e os CENOBITAS. Os primeiros cultivavam a solidão mais radical e viviam de forma completamente individual, ao contrário destes últimos, que optaram por uma vida em comunidade em conventos e mosteiros. Nestes lugares aparece então uma prática que recebeu o nome de COMMUNICATIO, que é o ato de ―tomar a refeição da noite em comum‖, cuja peculiaridade obviamente não recai sobre a banalidade do ato de ―comer‖, mas de fazê-lo ―junto aos outros‖. A originalidade dessa prática fica por conta da ideia de ―romper o isolamento‖. Qual a diferença existente então entre a communicatio eclesiástica e o simples jantar da comunidade primitiva? ROMPER O ISOLAMENTO DE FORMA PROPOSITAL. 2
  2. 2. COMUNICAR NÃO É TER COISAS EM COMUM NEM PARTICIPAR DE UMA MESMA COISA E SIM, TORNAR ALGO COMUM Conceitos de comunicação encontrados no dicionário 1. Fato de estabelecer uma relação com alguém, com alguma coisa ou entre coisas 2. Transmissão de signos através de um código 3. Capacidade ou processo de troca de pensamentos, sentimentos, ideias ou informações através da fala, gestos, imagens, seja de forma direta ou através de meios técnicos 4. Ação de utilizar meios tecnológicos (comunicação telefônica) 5. A mensagem, a informação (ex.: tenho uma comunicação a fazer) 6. Comunicação entre espaços (passagem de um lugar a outro) 7. Disciplina, saber, ciência ou grupo de ciências. O processo de comunicação Foi o modelo de comunicação eletrônica desenvolvido pelos engenheiros de telecomunicações Shannon e Weaver que serviu de base para o cientista social Wilbur Schramm elaborar a sua representação esquemática do processo comunicacional, considerada uma das melhores análises neste sentido. • FONTE: Pode ser uma pessoa ou uma organização •MENSAGEM: Pode assumir a forma de tinta no papel, de ondas sonoras no ar, de impulsos de corrente elétrica, de um gesto ou de qualquer outro sinal. Estes sinais, para serem transmitidos, precisam ser codificados (ordenados em algum sistema de sinais, por exemplo, um idioma). •DESTINO: Pode ser uma pessoa, um grupo de pessoas, uma audiência de milhões de pessoas, etc., no ato de captar a mensagem (na qualidade de ouvinte, leitor, telespectador). 3
  3. 3. Emissor e receptor devem estar sintonizados para que se efetive o fluxo de informações, assim como dois aparelhos de rádio numa mesma onda. É preciso que haja uma linguagem comum (código) conhecida pelos dois e também um mesmo canal. • CANAIS: Um canal é um meio pelo qual levamos ao receptor a mensagem. Os canais podem ser: - Naturais (visão, tato, audição, olfato) - Tecnológicos (extensões dos canais naturais) E ainda... > Temporais: livros, filmes, gravações, fotografias > Espaciais: rádio, telefone, tv, internet Emissor e receptor precisam compartilhar algum campo de experiência em comum para que a mensagem possa ser codificada pelo primeiro e interpretada pelo segundo. Quanto mais superpostos estiverem os campos de experiência, mais facilidade de comunicação haverá entre as duas partes. Em geral, toda comunicação é uma via de duas mãos, onde o receptor e o emissor trocam de lugar em um segundo momento. É o que se chama de FEEDBACK, ou seja, um RETORNO sobre a mensagem enviada anteriormente. Sobre a MENSAGEM, é importante observar a sua CONOTAÇÃO (emocional) e DENOTAÇÃO (sentido lato). - A mensagem precisa: > Estar ajustada ao destinatário > Possuir conteúdos significativos > Apresentar sentido claro > Ser completa > Ser objetiva e inserida na realidade > Ser oportuna 4
  4. 4. Anúncio da Coca Cola criado pela Wieden + Kennedy Amsterdam cuja versão no Brasil teve como slogan ―Viva o Lado Coca-Cola da Vida‖ Comunicação de massa O que é massa?  É um grupo espontâneo, formado por indivíduos que estão separados, porém homogêneos quanto a sua conduta como parte da massa.  É quando várias pessoas, distantes geograficamente, participam de um mesmo comportamento coletivo, frente a um evento excitante, escolhendo as mesmas soluções e agindo paralelamente. Principais características da massa:  É preciso o aparecimento de um acontecimento;  Os indivíduos podem ser de todos os níveis sociais e de diferentes culturas;  Cada indivíduo dentro da massa procura suprir as suas próprias necessidades;  A ação desses indivíduos é incerta e confusa, mas pode ser conduzida por aqueles líderes capazes de sentir os vagos sentimentos da massa. 5
  5. 5. Exemplo: Grupo espontâneo (de livre vontade), formado por indivíduos anônimos (desconhecidos entre o grupo), que participam de um mesmo comportamento coletivo (expressam-se contra a guerra dos EUA e Iraque), porém sem apresentar organização e unidade, e que convergem para um acontecimento importante (a guerra), à base principalmente de considerações emocionais. O que é comunicação de massa? Aquela que utiliza os meios de comunicação de massa e que tem por finalidade transmitir ou conduzir informações para estabelecer uma comunicação rápida, universal e transitória com um grande número de pessoas heterogêneas e anônimas. Um exemplo para saber a diferença entre MEIO E VEÍCULO de comunicação: MEIO = televisão VEÍCULO = Rede Globo CARACTERÍSTICAS DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Jornal • atende uma grande diversidade de públicos • tem grande presença por ponto de venda, é fácil de encontrar • possui credibilidade • apresenta possibilidades diversas para a publicidade • oferece assinaturas • apresenta segmentação (por região ou público-alvo) • exige uma atitude ativa do leitor – manuseio • pode dispersar pelo acúmulo de informações • não possui tanto imediatismo quanto os meios eletrônicos • o consumidor tem de saber ler • qualidade de impressão (papel) ainda é baixa • sua cobertura local/regional Revista • tem grande durabilidade • apresenta ótima qualidade de impressão • alta segmentação • exige uma atitude ativa do leitor – manuseio • oferece assinaturas • pode se tornar objeto de coleção • possui cobertura nacional com possibilidades regionais • permite textos grandes, expositivos • tem maior porcentagem de leitores por exemplar • publicação apresenta intervalos maiores do que o jornal 6
  6. 6. Rádio • é instantâneo • exige alta frequência de anúncios • permite que o consumidor faça outra coisa ao mesmo tempo • pode ser portátil • possui 13 horas de horário nobre • apresenta interatividade com ouvinte • mexe com a imaginação • o consumidor não precisa saber ler • pode ser dispersivo, ficando como ―fundo‖ para outras atividades • em geral apresenta baixa cobertura • apresenta falta de percepção visual • cobertura local Televisão • som + imagem • é instantânea • cobertura de massa, baixa seletividade na TV aberta • o consumidor não precisa saber ler • apresenta ação, movimento, dinamismo • trabalha diretamente com a emoção • possui flexibilidade geográfica • pode ser dispersiva, ficando como ―fundo‖ para outras atividades • possibilidade de segmentação na TV por assinatura • horário nobre menor que o do rádio (3h) • possui uma maior inflexibilidade operacional Comercial do Fiat Idea Adventure para TV 7
  7. 7. Cinema • é uma mídia de complemento • Considerada atualmente como a mídia com o menor grau de dispersão e de grande impacto. • A mídia cinema é um excelente meio de atingir um público de elevado nível cultural, alto poder aquisitivo e formador de opinião por excelência, que busca constantemente novas opções de entretenimento e lazer. • Além da mídia na tela, o anunciante poderá utilizar as salas de cinema para fazer merchandising de seus produtos e serviços, sessões especiais, veiculação de spots, painéis e ações comerciais diferenciadas. • Tem precisão de audiência demográfica e geográfica, podendo ser direcionada local, regional ou nacionalmente. • Impacto • Sua audiência é a mais cativa • Zapping zero • Imersão total • Qualidade de projeção é excelente • Ambientação • Oferece grande poder de convencimento Outdoor • Todo outdoor é uma propaganda ao ar livre, mas nem toda propaganda ao ar livre é um outdoor. Existem outros formatos também considerados mídia exterior, mas possuem diferentes nomes e dimensões, como: front light, placa de estrada, placa de esquina, busdoor, etc. • O outdoor é um meio de grande impacto – especialmente sobre as crianças, já que possuem maior percepção visual. • O outdoor é um dos meios que mais exibe o produto. E que menos explica. Portanto, não devemos entrar em detalhes sobre o produto, o ideal é sintetizar a mensagem e não abusar das informações visuais. • O outdoor é quinzenal – ideal para anunciar liquidações, promoções e eventos, pela sua relativa rapidez. • O outdoor é um enorme display – quando bem colocado, pode servir como um enorme material de ponto-de-venda (na frente de um supermercado, por exemplo). • O outdoor faz parte da paisagem urbana – perfeito para usar e abusar do contraste de cores. PARA VER BEM: um layout de 48 x 16 cm, colocado a uma distância de 5,5 metros, proporcionará a mesma visibilidade de um outdoor avistado de 100 metros, numa via pública. 8
  8. 8. Comunicação individual e Comunicação em ambiente virtual Hoje dispomos de uma grande facilidade no acesso à informação, que está conservada e disponível nos mais variados suportes, especialmente na Internet, permitindo a expressão individual em distintos discursos. A comunicação em ambiente virtual nos permite emitir e receber informações através de uma série de meios: sites, e-mails, chats (coletivos e individuais, como MSN), etc. www.youtube.com - um dos sites que simbolizam a expressão individual no ambiente virtual A noção de rede é o conceito chave para caracterizar este episódio comunicativo. Passando do âmbito técnico para o social, este conceito significa que estamos perante um universo comunicativo em que tudo está ligado, em que o valor é dado pelo estabelecimento de uma conexão, de uma relação. - acesso a locais fechados (através de logins e senhas) aqui se estabelece uma rede de conversação onde se trocam reclamações e compromissos, ofertas e promessas, aceitações e recusas, consultas e resoluções. Não transitam, portanto, simples informações, mas atos de comunicação onde o mundo privado da experiência pessoal daqueles que os praticam é projetado no interior do mundo interpessoal e grupal das interações. 9
  9. 9. Reside aqui a grande diferença entre a era televisiva e a era da informática: enquanto a televisão traz o mundo público para dentro de casa, a informática, conectada em rede, leva o mundo interior de cada indivíduo para o espaço público. Isso pode ser exemplificado através dos sites pessoais, redes sociais e outros locais onde o indivíduo pode expressar-se de maneira independente. Internet como mídia A internet traz os elementos que faltavam para que a comunicação one-to-one (marketing direto) se fortalecesse no mercado brasileiro e se tornasse altamente atrativa. A seguir, você vai encontrar dez pontos que demonstram claramente o potencial deste meio: 1. Essência interativa — A internet é ao mesmo tempo um meio de comunicação e um canal de vendas. É o único ambiente onde o consumidor pode ser envolvido pelo conteúdo, receber o impacto de uma mensagem publicitária e efetuar a compra de um produto. É o sonho de todo profissional de marketing direto. 2. Métricas — Na internet, tudo pode ser testado antes da implementação. E o melhor: com mais rapidez e com custos e riscos infinitamente menores do que em qualquer outro tipo de mídia. Fora isso, do clique à satisfação do cliente, tudo o que acontece na internet pode ser medido. Ou seja, 100% de todas as atividades on-line de uma marca podem ser avaliados com base em métricas confiáveis e relativamente simples. 3. Flexibilidade — Obviamente, a partir da disponibilidade em tempo real dos números, as possibilidades de mudanças, correções ou incrementos de uma ação de comunicação ganham um dinamismo muito maior. Os números que aparecem na tela do computador formam um desenho fiel e imediato das respostas dos consumidores. A performance passa a depender mais da ação do que da informação. 4. Custos — Uma vez amortizados os investimentos em infra-estrutura, o custo por contato entre a marca e o cliente tende a ser zero. Portanto, a performance financeira de ações de aquisição, retenção e fidelização está em constante evolução. 5. Conhecimento sobre o consumidor — Na web, o processo de captura de informações e enriquecimento da base de dados é constante. Cada vez que o consumidor visita um site e utiliza um determinado serviço on-line, deixa suas pegadas, que podem ser transformadas em preciosas informações de marketing. 6. Simplificação dos processos — Na internet, a taxa de resposta e a participação do consumidor são normalmente potencializadas em função da facilidade: o cliente não precisa sair de casa para postar um e-mail e o preenchimento de questionários pode ser substituído por diversos outros mecanismos. 7. Performance — A web oferece uma grande quantidade de pontos de contato entre a marca e o consumidor: site, site de parceiros, sites de relacionamento, 10
  10. 10. portais, vídeos online, hot site, banners, e-mail, celular, games, etc. Essa diversidade não só aumenta a possibilidade de sucesso de uma campanha como amplia as alternativas para uma marca fugir da saturação e lutar pela atenção de seus consumidores. 8. Segmentação — A internet é a primeira mídia eletrônica com real potencial de segmentação: ―mostre este banner apenas para homens de Porto Alegre, com mais de 30 anos e que pretendam alugar um imóvel nos próximos dois meses‖. Finalmente, podemos ver a materialização da promessa de personalização das mensagens: em banners, em sites, em e-mails, etc. 9. Poder de convergência — Só a internet pode ser integrada em tempo real com outros canais, como o telefone. Mas isso é apenas um exemplo. A grande notícia é que em pouquíssimo tempo veremos a web como catalisadora na convergência das mídias. A TV interativa já é uma realidade. 10. Um novo estímulo no mercado — A internet fez surgir uma nova categoria de anunciantes que precisam de soluções one-to-one da mesma forma que nós necessitamos do ar para respirar: as empresas ponto com. Além disso, o meio interativo obrigou grandes empresas a mudar o composto de mídia, que era 100% voltado para mídia de massa. Para estar por dentro da mídia on line, acesse o site da Interactive Advertising Bureau Brasil: www.iabbrasil.org.br Comunicação dirigida O que é o público?  É uma coleção abstrata de pessoas com interesses comuns para com a organização  Qualquer grupo que tem interesse ou impacto real/potencial sobre as condições da empresa para atingir seus objetivos. Tipos de públicos:  Interno: funcionários, diretores e familiares;  Misto: acionistas, fornecedores e revendedores;  Externo: consumidores, imprensa, comunidade, poderes públicos, concorrentes, escolas, sindicatos, bancos, etc. O público FACILITA ou IMPEDE os objetivos de uma empresa. 11
  11. 11. O que é Comunicação Dirigida? É o processo que tem por finalidade transmitir ou conduzir informações para estabelecer comunicação limitada, orientada e frequente com determinado número de pessoas homogêneas e identificadas. Proporciona um feedback mais rápido o que permite uma análise imediata dos efeitos produzidos. Esta é a grande vantagem com relação à Comunicação e Massa. Instrumentos dirigida: da comunicação Meios de comunicação Comunicação interpessoal: a)Comunicação oral: palestras, seminários, painéis, fóruns, debates, conferências, reuniões, simpósios, mesas-redondas, discursos, demonstrações e telefone. b)Comunicação escrita: cartas comerciais, memorandos, relatórios, manuais, quadros de aviso, newsletter, jornal mural, mala-direta, publicações empresariais (revista, jornal, boletim, folheto), envelopes de pagamento, telegrama cartão postal, caixas de sugestões e fax. c)Comunicação audiovisual: filmes, projeção de slides, sistemas de autofalantes, videotape, terminal de computador, videotexto. Comunicação humana: conversa pessoal. Newsletter da TIM: falando com um público específico Promoção de Eventos Open-day (dias de visita para famílias dos funcionários); tour dirigidos para grupos de empregados; festas de Natal; planos de bolsas de estudo; clubes desportivos de empregados; concursos; associações recreativas de empregados; inaugurações de benfeitorias; exposições; convenções; cooperação dos empregados em iniciativas de benemerência da comunidade; colônia de férias; excursões; comemorações de datas cívicas; cooperativas de consumo; instituição de datas promocionais e patrocínio de eventos. 12
  12. 12. Comunicação integrada Composto da comunicação empresarial, onde Relações Públicas, Jornalismo e Publicidade, além de cumprirem seus papéis específicos inerentes, funcionam e interagem de forma sinérgica e complementar. A comunicação planejada numa organização deve ir além da interdependência linear entre Relações Públicas, Jornalismo e Publicidade. A Comunicação Integrada supõe múltiplas possibilidades de interposição, de fusão e reescalonamentos circunstanciais, na aplicação das funções das três atividades. Comunicação Integrada numa organização social, portanto, é simplificadamente, a atuação conjunta e harmônica dos profissionais das três habilitações. Em termos de macrovisão aplicada ao planejamento global da comunicação organizacional, Comunicação Integrada significa a utilização de técnicas e métodos específicos de cada área, construindo uma linguagem única para a Comunicação Coorporativa. RELAÇÕES PÚBLICAS Ainda tem gente que não sabe exatamente qual é a função de um relaçõespúblicas, mas a verdade é que esse profissional nunca foi tão valorizado quanto hoje. Longe de ser apenas um promotor de eventos ou porta-voz, o RP ajuda a empresa a traçar estratégias de atuação e ainda cuida de sua imagem. É também o responsável pelo bom relacionamento das companhias com diferentes públicos: empregados, clientes, fornecedores, governo e comunidade. JORNALISMO O verdadeiro jornalista está atento ao que se passa à sua volta a todo momento, observando fatos que possam se transformar em reportagens ou artigos. O que ele faz hoje terá importante papel no futuro: o material publicado em jornais e revistas ou veiculado nas televisões e rádios se transforma em fonte de pesquisa para historiadores. PUBLICIDADE Seja para vender mais refrigerantes de laranja para jovens ou para que a mensagem de um candidato a presidente alcance o público de forma mais eficaz, é preciso ser um técnico e ao mesmo tempo um artista. Conhecendo os dois lados dessa linguagem, os publicitários são responsáveis por encontrar o mais rápido caminho entre seu cliente e o público. Fontes: HOHLFELDT, Antonio (org.). Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2003. BARBOSA, Gustavo; RABAÇA, Carlos Alberto. Dicionário de Comunicação. Ática.1987. www.portoimagem.com www.kaneoya.com.br www.nea.fe.usp.br 13
  13. 13. : A história da Publicidade no Brasil 1800 a 1930 - - - - O 1º anúncio foi publicado no Jornal Gazeta do Rio de Janeiro em 1808 e era sobre a venda de uma casa. Alguns dos primeiros produtos: Pós da Pérsia / Bálsamo Maravilhoso / Óleo de Fígado de Bacalhau. Em 1821 surge no RJ o Diário do Rio de Janeiro, que se apresentava como um jornal de anúncios. Os textos desta época são feitos por poetas e a arte por artistas famosos. No começo do século, surgem as revistas – Vida Paulista era uma delas. As propagandas da época eram basicamente de remédios. Usava-se imagem de políticos nos anúncios – caricaturas, diálogos com muito humor, irreverência e ingenuidade. Eram usados por serem personalidades conhecidas e simpáticas aos leitores. Surgem anunciantes como Antarctica, Charutaria do Comércio, Vinho Baruel, Leiteria Mandaqui, além de produtos como cabeleiras postiças, corpetes, cigarros e teatro de variedades. Em 1913/14 nasce em São Paulo a primeira agência de publicidade – a Eclética. Na época da Primeira Guerra Mundial já havia 5 agências em SP: a Eclética, A Pettinati, a Edanée, a de Valentin Haris e a de Pedro Didier e Antônio Vaudagnoti. Farinha Láctea Nestlé, Colgate-Palmolive e Bayer, mostrando-se esta grande anunciante e de bom-gosto. Na década de 20, vários temas foram abordados. Propagandas sobre sabonete e moda mostravam a preocupação com a beleza e a estética. Chegam ao Brasil as marcas e a técnica americana de fazer propaganda. A GM tem seu próprio departamento de propaganda. Monteiro Lobato cria para o Biotônico Fontoura o menino Jeca Tatu. O livrinho vende até 1941 10 milhões de exemplares. 14
  14. 14. Exemplos de peças publicitárias feitas no Brasil até 1930 15
  15. 15. 1930 a 1940 - - - - - - A propaganda no Brasil se antecipa e começa a analisar o mercado como porto de partida. Começou-se a usar técnicas e métodos norte-americanos aprendidos na General Motors, que trouxe para cá o primeiro escritório da J. Walter Thompson. O cinema começa a exibir propaganda. Começa a primeira fase na propaganda no rádio (musicais, rádionovelas) – Cassino do Chacrinha. Os anunciantes eram lojas de departamentos, restaurantes, lanchonetes, xaropes, entre outros. Vem para o Brasil a N.W.Ayer, agência grande e inovadora, destacando-se no rádio e seguindo princípios de rigorosa ética. Tinha como clientes a Ford, a Gessy, a General Eletric, a Light, o Departamento Nacional do Café, entre outros. Surgem os primeiros jingles. Neste cartaz do Leite Moça (1937), já percebe-se no design a influência norte-americana na publicidade brasileira 16
  16. 16. 1940 a 1950 - - - - - - - - Há um decréscimo violento no movimento de anúncios, em virtude da 2ª Guerra Mundial. No período de 45 a 50, o país começa a corrigir as falhas no desenvolvimento econômico e social pós-guerra. Radionovelas (Sítio do Pica-pau Amarelo) , radioteatros e programas de auditório em evidência. Os produtos anunciados viravam brindes para o auditório, artistas e apresentadores anunciavam produtos e as vitrines se sofisticavam para atrair o consumidor. Grandes empresas e os grandes anúncios se multiplicavam, como por exemplo, a Coca-Cola. A guerra influenciava muito na propaganda – imagens e textos ligados à bombas e destruição - logicamente com humor. Surgem os slogans, as promoções e o crediário. As agências tinham trabalho acumulado, trabalhando por 23 horas. Não havia tempo para pesquisas, e muitos saíam trabalhos parecidos. Esse crescimento fez com que o mercado publicitário tivesse necessidade de organização, disciplina e conceitos. Surge a Associação Brasileira de Propaganda (ABA), o Conselho Nacional de Imprensa (CNI), e tempos depois, a Associação Brasileira de Agências de Propaganda (Abap). 1950 – nasce a primeira emissora de TV, a Tupi de São Paulo. Inicia-se a discussão sobre marketing, promoção e pesquisa de mercado. 17
  17. 17. 1950 a 1960 - A Coca-cola e as pin-ups dos anos 50 - - Nova era eletrônica – o Brasil importa filmes em latas. As agências McCann Erikson e J.K.Thopson trazem o know-how, criando, redirigindo e produzindo programas. Comerciais ao vivo – erros! Surgem as garotas-propaganda. Não existia o lado criativo, só se mostrava as razões de compra. 1951 – Surge a primeira Escola Superior de Propaganda. Eletrodomésticos – GE, Walita, entre outros. Automóveis – Volkswagen, Ford, Jeep, Chevrolet. Marcas fortes – Gillette, Leite Ninho, Leite Moça, Palmolive e Maizena. Com tanto crescimento, ficava difícil saber quais das propagandas eram de qualidade – os anúncios eram comuns. Kolynos – ―Ah!... Gente dinâmica prefere Kolynos‖ - Há uma quebra de paradigmas, com criatividade e polêmica. 1957 – Nasce a MPM no RS. Elizabeth Taylor estrela a campanha do sabonete Lever 18
  18. 18. 1960 a 1970 - - - - Os Cobertores Parahyba marcam a propaganda brasileira em 1962 com seu jingle que lembra uma canção de ninar - 1964 – Golpe Militar – o governo passa a ser um grande anunciante, dando valor a agências nacionais – Neste mesmo ano nasce a Globo. 1965 - Lei nº 4680 – assegurava margens estáveis de remuneração – 20% da mídia, Código de Ética e um conjunto de normas-padrão para prestação de serviços. Renovação de approach e linguagem. A criação tira o foco da informação objetiva e passa a trabalhar o conceito, associando a marca à psicologia do consumidor. Inauguração de Brasília – começa uma descentralização do mercado, mas não vinga, pois os anunciantes ainda estão em SP e no RJ. A profissão ganha uma certa aura de sofisticação. 1968 – Nasce a Veja. 1969 – Surge o Jornal Nacional. A Coleção Jovem Guarda com Roberto Carlos em 1966 19
  19. 19. 1970 a 1980 - - - - - A propaganda incorpora os movimentos de protesto da época. Até mesmo a ousadia do casal Lennon & Yoko serve para vender toalhas. - - O ―milagre brasileiro‖ eleva as classes média e alta a patamares de consumo antes inimaginados. O marketing deixa para segundo plano as vendas e parte para atender as necessidades do consumidor. Cresce a utilização das pesquisas de mercado. A mulher ganha atenção do marketing e o jovem, diferentemente da década passada, trazia valores muito semelhantes aos de seus familiares. A mídia ganha força e se utiliza cada vez mais do planejamento. A Salles foi a primeira agência a trabalhar com um minicomputador. Em 1972, é inaugurada a cor na TV brasileira. O rádio ganha a opção FM. Em 1978, é aprovado o Código Brasileiro de AutoRegulamentação Publicitária, do qual nasceria em 80, o CONAR. Surge o garoto-propaganda mais aclamado dos últimos tempos: o Garoto Bom Bril (foto). A linguagem coloquial ganha força e há a quebra de alguns estereótipos. 20
  20. 20. 1980 a 1990 - - - Uma das primeiras peças gráficas brasileiras a dispensar o título e o texto tradicionais. O conceito assume todo o anúncio dispensando maiores explicações. 1980. - A indústria da comunicação se viu aturdida diante da inflação e de tantos planos econômicos. A inflação (que chegou em 1988 a quase 1000%) impossibilitava o planejamento de mídia e alguns planos criaram explosões de consumo e os anunciantes não tinham interesse em anunciar. A abertura política foi um fato positivo para a propaganda, que participou dessa democratização com a agência paranaense Exclam criando o slogan ―Diretas Já‖. Surge a W/Brasil, antes W/GGK, em 1996. O marketing cultural marca presença com a Lei Sarney, primeira lei de incentivo à cultura no País. Surge em 1981 o SBT, concorrente maior da Globo. A segmentação aumenta com o número cada vez maior de veículos. Chega em 1989 a tv por assinatura. ―Primeiro Soutien‖ é um dos mais sensíveis comerciais da história da propaganda brasileira. Criado pela W/GGK e dirigido por Julio Xavier para Valisère, é uma pequena obraprima. 1987. 21
  21. 21. 1990 a 2000 - - - A campanha ―Mamíferos‖, da DM9/DDB, colocou a Parmalat entre as marcas mais lembradas da década. 1996. - - - - O bom humor da campanha ―Tio Sukita‖ , da agência Carillo, Pastore, trouxe o refrigerante de volta à mídia em 1999. - A globalização da comunicação consolida-se com o aumento do apetite das multinacionais pelo mercado local. Em 1990 é promulgado o Código de Defesa do Consumidor. No goveno Collor, chegam com força os produtos importados – cujo expoente seriam os automóveis. O Brasil une-se ao Mercosul. Surge a MTV em 1990 - a primeira emissora segmentada do País. Impõe-se com força o modelo de agências comandadas por profissionais, especialmente, os criativos. A recessão econômica imprimiu para a tentativa de conquista de um consumidor altamente arredio – marketing promocional. Guerra das margarinas – promoções milionárias. As classes populares foram absorvidas pelas estratégias de marketing, quando foi implantado, em 1994, o Plano Real. A Globo e a Abril engrossam a TV por assinatura. A Internet explode – em apenas 4 anos ela atinge cerca de 2,5 milhões de internautas. 22
  22. 22. : Publicidade e Propaganda Embora sejam usados como sinônimos, PUBLICIDADE E PROPAGANDA não significam rigorosamente a mesma coisa. PUBLICIDADE deriva de público (do latim publicus) e designa a qualidade do que é público. Significa o ato de TORNAR PÚBLICO um fato, uma ideia. PROPAGANDA é definida como a propagação de PRINCÍPIOS E TEORIAS. Foi traduzida pelo Papa Clemente VII, em 1597, quando fundou a Congregação da Propaganda com a intenção de propagar a fé católica pelo mundo. Deriva do latim propagare, que por sua vez, deriva de pangere, que quer dizer ―enterrar‖, ―mergulhar‖, ―PLANTAR‖. Seria então a propagação de doutrinas religiosas ou princípios políticos de algum partido. A palavra PUBLICIDADE significa divulgar, tornar público e PROPAGANDA compreende a ideia de implantar uma ideia. Contudo, hoje as palavras são usadas indistintamente e podemos chegar às seguintes conclusões: - A publicidade é um meio de tornar conhecido um produto, um serviço ou uma empresa. Seu objetivo é despertar, na massa consumidora, o desejo pela coisa anunciada, ou criar prestígio ao anunciante. Que faz isso abertamente, sem encobrir o nome e intenções do anunciante Que os anúncios são matéria paga. 23
  23. 23. A agência de comunicação Conceito ―A Agência de Propaganda é pessoa jurídica especializada na arte e técnica publicitária que, através de especialistas, estuda, concebe, executa e distribui propaganda aos veículos de divulgação, por ordem e conta de clientesanunciantes, com o objetivo de promover a venda de produtos e serviços, difundir ideias ou informar o público a respeito de organizações ou instituições colocadas a serviço deste mesmo público.‖ Lei Federal nº 4.680 de 18/06/1965 regulamentada pelo Decreto nº 57.690 de 1º/02/1966 Funções da agência - Planejar, confeccionar e distribuir publicidade; Planejar campanhas de promoção de vendas, no todo ou em parte, e preparar o material para as mesmas; Aconselhar e assistir em problemas de RP e de marketing; Fazer ou superintender pesquisas de mercado; Planejar ou confeccionar vitrinas e stands para feiras e exposições; Organizar programas de rádio e TV; Confeccionar e planejar materiais gráficos, fotos, filmes e audiovisuais; Confeccionar material de ajuda para vendedores; Assistir a criação ou renovação de embalagens e encarregar-se dos desenhos das mesmas. Porque utilizar uma agência de propaganda Uma agência tem maior independência de opinião. Por não ser empregado direto do cliente, tem melhor posição para transmitir uma opinião isenta sobre suas ideias e seus problemas. Por não ter ligação acionária com nenhum veículo de comunicação, é muito mais imparcial em suas análises. A agência também tem ampla visão de mercado, dispondo de recursos, pesquisas, dados e informações sobre diversos veículos de comunicação, e pode fazer planejamentos de mídia mais eficientes e econômicos, racionalizando investimentos publicitários. Quem paga a conta é a própria propaganda. É que a agência recebe uma comissão dos veículos de comunicação, definida por lei federal. Utilizando os serviços de uma agência, quem paga a conta é o veículo e não a empresa. O trabalho da agência é financiado pela comissão que é concedida pelo veículo. Você paga a sua propaganda. Quem paga o trabalho da agência é o veículo. 24
  24. 24. O que é uma conta publicitária Chama-se conta publicitária o acordo comercial entre uma agência de propaganda e seu cliente, pelo qual todo o trabalho relativo à publicidade e propaganda é promovido através de seus serviços. Todos os trabalhos passam a ser atendidos pela agência, o que facilita os contatos de uma empresa e permite maior atenção dos seus profissionais para outras áreas em que possam ser mais produtivos. Uma agência de propaganda é remunerada por comissão, a que só ela tem direito por lei, concedida pelos veículos de comunicação sobre os seus preços de tabela. Com relação a serviços de produção, ela é remunerada com percentual também fixado por lei sobre os trabalhos a serem desenvolvidos. Todas as ações e serviços administrativos são facilitados e racionalizados com a utilização de uma agência de propaganda. Visite: www.wbrasil.com.br www.almapbbdo.com.br www.africa.com.br www.neogama.com.br www.leoburnet.com.br www.fnazca.com.br www.talent.com.br www.dpz.com.br www.dpto.com.br www.loducca.com.br www.touchepropaganda.com.br www.fulljazz.com.br www.jwt.com.br www.agnelo.com.br www.dm9.com.br www.fischeramerica.com.br www.mccann.com.br www.wunderman.com.br www.giacometti.com.br www.escalamk.com.br www.agenciamatriz.com.br www.dcsnet.com.br www.dezpropaganda.com.br www.globalcomm.com.br www.competence.com.br 25
  25. 25. Atendimento Dentro do cliente, ele é a agência, dentro da agência, ele é o cliente. Ele não é somente um intermediário, é o orientador do jogo. Ele traz as primeiras informações, os objetivos e metas através do briefing, uma das duas mais poderosas ferramentas. O atendimento precisa conhecer um pouco de tudo para orientar corretamente o cliente e os colegas de agência. Quanto mais noções de áreas diversas ele obtiver, melhor: relações humanas, psicologia, sociologia, marketing, propaganda, promoção de vendas, relações públicas, marketing direto, mídia, criação, produção gráfica e RTVC, economia de mercados, pesquisa, ética, artes e cultura geral. Atributos de um profissional de atendimento: GENERALISTA SUPERVISOR ESTRATEGISTA NEGOCIADOR PLANEJADOR VENDEDOR COORDENADOR ADMINISTRADOR Prospecção : a aquisição de novas contas Tarefa geralmente destinada a alguém com qualidade de VENDEDOR além de sólidos conhecimentos gerais e técnicos. É um dos mais delicados trabalhos da agência. Requer inteligência, tato e senso de oportunidade. É preciso: - conhecer o que a agência oferece - estudar o mercado, oportunidades, descobrir prováveis clientes - informações sobre esse cliente em potencial - realizar pesquisa de mercado e fazer clipping (clipagem) - reunir fatos que sejam de interesse dos dirigentes dessa empresa (prospecção racional) - falar a mesma língua e conduzir a fatos e ideias que realmente interessem à empresa Em ação: - Apresentar a agência (história, métodos de trabalho, habilidades do quadro de pessoal, campanhas de êxito que lançou, provas de trabalhos e situação atual) - Convencer que deseja conquistas, que conhece as particularidades do negócio e seus problemas de divulgação, estando portanto apto a lhe apresentar soluções de comunicação adequadas. - Obedecer regras e critérios de regra profissional. Competir com base em seus próprios méritos. - Fazer um relatório do prospect: • Introdução – como chegou no cliente 26
  26. 26. • Contexto – como se procedeu a reunião • Impressões – o que o cliente ―passou‖ em seu comportamento, qual foi o tipo de tratamento • Próximo passo – o que fazer a partir dessa reunião AS 20 REGRAS DE OURO DO ATENDIMENTO (elaborado pela agência Escala) 1. Mantenha-se envolvido no negócio do cliente. O negócio do cliente é o seu negócio. Você deve saber tanto quanto ele sobre seu produto, mercado, concorrência, etc. Isso o fará respeitado e um sócio no negócio do cliente. Os mais bem sucedidos profissionais de atendimento em todas as grandes agências devem seu sucesso ao profundo envolvimento no negócio de seus clientes. 2. Mantenha em alta as vendas dos clientes. Bons anúncios geralmente andam de mãos dadas com boas vendas, mas às vezes outras coisas andam erradas. Identifique os fatores chave do sucesso do seu cliente e trabalhe em cima deles. Uma má fase de vendas prejudica a melhor campanha. 3. Comece ganhando o respeito do seu cliente. Depois virá o amor. Os clientes não gostam de bajuladores ou pessoas do tipo ―sim senhor‖. Eles preferem uma séria opinião do ponto de vista externo da agência. Faça seu trabalho diário, prepare seu ponto de vista e o apresente com convicção. Mas esteja preparado para admitir que está errado quando a lógica estiver do outro lado. Você precisa ser respeitado pelo cliente em primeiro lugar. Divertimento é a sobremesa, não o prato principal de sua resolução com o cliente. Bons clientes desconfiam de publicitários que gastam demais. Se você não é cuidadoso com o dinheiro da sua agência, não o será com o dinheiro dele. 4. Respeite seu cliente. Aprenda a analisar os problemas do seu cliente, seu lado de ver as coisas, sua maneira de fazê-las. Dê-lhe o benefício da dúvida quando os problemas surgirem. Não há maneira mais rápida de matar um bom relacionamento do que ter um contato que faz comentários desfavoráveis ao cliente na agência ou mostre que não o respeita. Não exponha o lado fraco da organização do seu cliente, a não ser em casos extremos. 27
  27. 27. 5. Cuide da imagem do seu cliente. Ajude seu cliente a ter uma imagem positiva. Quanto melhor ele parecer, será melhor para você e para a agência. A partir disso ele começará a ser um bom amigo para você. 6. Mantenha-se à frente do seu cliente. Antecipe-se. Lidere. Conserve a iniciativa. Pensar adiante é tão ou mais importante do que resolver um urgente problema do dia. 7. Fique afastado da política interna. Evite tomar partidos nas disputas internas do seu cliente. Seja objetivo e honesto. Apegue-se aos negócios, não às pessoas. Evite a tentação de apoiar uma facção em detrimento da outra. É um caminho curto e a sujeira pra cima acabará caindo em seus olhos. 8. Ideias são o seu negócio. Não apenas ideias publicitárias, mas produto, embalagem, promoções e outras ideias que melhoram vendas. Novas ideias de produto mostram ao cliente que você está comprometido com o negócio. Você nunca será grande no trabalho de atendimento se limitar-se a ser um administrador. 9. Tenha peito. Esteja sempre disposto a cometer um erro em nome de uma ideia ou de um ponto de vista impopular. Sem riscos, não há grandes lucros. Ponha seu ego na mesa quando seu instinto lhe disser que sua ideia tem potencial ou que a maioria está errada. 10. Seja responsável. Assuma tudo que está errado com sua conta é por sua causa. Ou que poderia ser evitado se você tivesse feito melhor o seu trabalho. Nunca espere que as coisas aconteçam, a não ser que você esteja certo de que tudo foi feito para que assim seja. Vá fundo nos detalhes. Verifique e verifique. Treine. Acompanhe. Preocupese. 11.Trabalhe duro com urgência competitiva. As pessoas morrem de tédio, não de excesso de trabalho. Quanto mais você trabalha, mais aumenta sua capacidade. Quanto mais você relaxa, mais difícil conseguir alguma coisa feita certa e a tempo. Há muita gente esperta na publicidade. Os que dão duro tem sucesso. Faça agora. Tão importante como bem feito é feito logo. Os trabalhadores que dão duro normalmente são as pessoas que sabem se divertir. Trabalhe duramente mas divirta-se, tire suas férias e faça sua conta se agradável para a equipe que trabalha duro como você. 28
  28. 28. 12. Seja orientado pelo trabalho, não pelas pessoas. Suas relações com as pessoas são um meio e não uma finalidade. Identifique o que deve ser feito e faça-o cuidadosamente. Se os seus motivos são bons e suas maneiras agradáveis, suas relações humanas tomarão conta de si mesmas. 13. Mantenha-se em contato com o seu mercado. Não relegue seu mercado para segundo plano. Fale com consumidores, trabalhe com vendedores, aproxime-se dos revendedores ou distribuidores. Um papo sobre copos de Martini em um bar sofisticado com seu cliente poderá melhorar sua imagem, mas não ajudará em nada a compreender um problema de vendas em São Miguel do Oeste. Cuidado com a ―miopia do asfalto‖ ou a crença de que o consumidor é uma besta. 14. Informe e envolva a agência em sua conta. Encoraje cada membro da sua equipe a contribuir com generalidades mais do que com sua capacidade especializada. Esta é a melhor contribuição para as reuniões. Boas ideias de mídia frequentemente vêm do redator, boas ideias de promoção, do mídia ou boas ideias de texto, do pesquisador. Não tente pensar tudo sozinho, o que será necessário, se mantiver seus companheiros ausentes de tudo além da sua obrigação específica. 15. Ganhe a confiança dos seus colegas da criação. Ajude a boa publicidade em sua conta construindo um bom relacionamento com seus colegas da criação. Você precisa sentir as necessidades do redator e do profissional de arte. Você deve protegê-los das dificuldades do atendimento. Encoraje-os nas horas difíceis como nas horas de sucesso. Você deve criar um clima no qual eles possam fazer o melhor trabalho. 16. Aprenda a ser bom vendedor. Você precisa ser capaz de vender suas próprias ideias e pontos de vista. Uma grande ideia não é nada até ser vendida. Aprenda a persuadir. Não use truques em suas apresentações. Geralmente a linha de raciocínio que leva você a um ponto de vista, fará o mesmo por seu cliente. Não existe substituto para a convicção. 17. Aprenda a ser um excelente comunicador. Você deve aprender a ser capaz de escrever e apresentar bem. Estas qualidades são adquiridas, não herdadas. Pratique. Treine. 18. Ponha no papel, mas seja breve. Ninguém gosta de excesso de papel para ler. Mas não há melhor disciplina para pensar um problema do que um curto memo (longos e detalhados documentos são fáceis de escrever – duro é resumir tudo em uma página). Coloque suas 29
  29. 29. recomendações aos clientes por escrito. Se está documentado, é porque é importante. 19. Você fala pela agência, não por você mesmo. Seu cliente está contratando sua agência e não você. O cliente entenderá que suas recomendações são as da agência. Você deve trabalhar com todos os departamentos e usar o consenso da equipe. É fácil dizer que não existem opiniões monolíticas. Mas também é justo para o cliente apresentar as recomendações da agência o mais clara e convincentemente possível. 20. Se você quer crescer, deixe crescer. Empregue os melhores profissionais que você puder encontrar. Deixe-os voar. Aprenda a esperar que o cliente chame a eles e não a você. Na medida que eles crescerem, você crescerá também. 30
  30. 30. O briefing Um bom briefing é o primeiro passo para o sucesso. Texto de Rafael Sampaio, vice-presidente da Associação Brasileira de Anunciantes – ABA , para o livro Propaganda de A a Z. O briefing ocorre todas as vezes que uma informação passa de um ponto para outro e o propósito de organizá-lo corretamente é o de assegurar a passagem da informação certa – da pessoa certa para a pessoa certa – na hora certa, da maneira certa com o custo certo. O sucesso ou fracasso dessa operação depende, é claro, de saber o que é certo no contexto, pois o que é certo para uma situação pode não ser certo para outra. Um parêntesis sobre o texto de Rafael Sampaio – Ele vai falar diversas vezes nas pessoas abaixo mencionadas. GERENTE DE MARKETING – Fica dentro do cliente, é o responsável por toda a área de marketing, abrangendo a propaganda GERENTE DE PROPAGANDA – Também fica dentro do cliente, no caso, dentro do marketing, e é o responsável pelas informações específicas para a agência. 31
  31. 31. 1. A importância de um bom briefing. Em seu termo mais simples, briefing significa a passagem de informação de uma pessoa para outra. Colocado dessa forma, essa tarefa parece fácil. E, frequentemente, é. Quando a propaganda tem um papel pequeno ou simples no plano de marketing, o briefing não apresenta problema algum. Mas onde a propaganda é um fator principal, como por exemplo no marketing de produtos de consumo doméstico ou no lançamento em grande escala de um novo produto, um briefing correto torna-se muito importante. É nesse tipo de situação que estamos interessados aqui. Obviamente, devemos visar o método mais simples, mas eficácia e objetividade são ainda mais importantes. Onde o método é falho, erros tanto de omissão quanto de ênfase levam ao desperdício de tempo e dinheiro. Isso faz a propaganda ficar muito mais cara e dificulta que os objetivos sejam atingidos. Por isso, em primeiro lugar, vamos dar uma boa olhada em alguns erros e tentar ver onde as coisas dão erradas e porquê. 2. Quando as coisas dão erradas. Um bom briefing deve ser tão curto quanto possível mas tão longo quanto necessário. Em outras palavras, a extensão do briefing é indefinível previamente, contendo todas as informações que sejam relevantes e nenhuma que assim não seja. Os erros mais comuns encontrados nos briefings que se vê no mercado são os seguintes: Briefing muito extenso. Ele é caracterizado pela extensão, por ser excessivamente elaborado, abarrotado de todos os fatos que possivelmente podem ser do uso de alguém. Desperdiça-se tempo (e consequentemente dinheiro) na sua preparação e leitura. Ele tende a confundir e não a esclarecer. Ele não é errado somente porque é longo, mas porque não é seletivo. Briefing demasiadamente sistematizado. Aqui o perigo é que o sistema se torna mais importante que a informação que deveria ser resumida e transmitida. Consequentemente, ele tende a atrapalhar e não a ajudar, a confundir e não a esclarecer. Um exemplo típico é um questionário excessivamente elaborado que tenta dar a todos os aspectos uma importância igual, quer sejam relevantes ou não. 32
  32. 32. Briefing curto demais. Isso significa um briefing com deficiências de informação, deixando muito espaço para o pensamento ilimitado do pessoal criativo. Como resultado, suas ideias podem não ser direcionadas para o foco correto, causando preocupações para os dois lados: a agência fica naturalmente aborrecida quando uma ideia brilhante tem de ser rejeitada porque a ênfase está errada ou porque ela não considera uma parte importante da estratégia de marketing; e o anunciante – que é o responsável pelos custos – fica frustrado pelo atraso do processo, pois tudo precisa ser refeito. Briefing muito dogmático. Isso pode ocorrer, por exemplo, quando alguém na organização do cliente tem ideias fortes, pré-concebidas sobre qual deve ser o approach da propaganda. Pode também ocorrer quando as conclusões da pesquisa são interpretadas muito literalmente. Briefing na hora e da maneira erradas. A falta de coordenação leva a ideias confusas e até conflitantes. Muitas reuniões, poucas reuniões. Muito tempo gasto com coisas secundárias. Pouquíssimo tempo para o desenvolvimento criativo – ou talvez até muito, tornando o interesse e o entusiasmo menores. Um bom e correto briefing não é tão simples quanto parece. Ele raramente ―acontece‖ pura e simplesmente. Ele tem que ser adequadamente organizado. E o gerente de propaganda, como o principal instrumento através do qual as informações são levadas das áreas de marketing para as agências, é a pessoa chave nesse processo. 3. Briefing e planejamento de propaganda. É normalmente aceito que a propaganda deve ser planejada para se atingir objetivos claros e bem definidos. Assim, o processo de planejamento total tem como meta chegar a conclusões sobre:  quem estamos tentando influenciar?  como queremos influenciá-los?  quando? e  a que custo? Para se chegar a conclusões baseadas em fatos, são envolvidas a passagem e a troca de informações entre as áreas de marketing e propaganda do anunciante e sua agência (incluindo as respectivas áreas de pesquisa). O processo é uma investigação sistemática e uma troca meticulosa de informações, análise e exame, mantendo o que for relevante e descartando o que não for, até que o objetivo de propaganda apareça, tão claro e preciso quanto possível. Portanto, o briefing é um processo contínuo e cumulativo através de todos os estágios do planejamento de propaganda. Se cada estágio for corretamente realizado, o passo seguinte torna-se muito mais claro, fácil, certo e preciso. 33
  33. 33. 4. Encontrando a informação certa. No processo de determinação de quais influências queremos exercer sobre quais pessoas, quando e a que custo, as informações mais relevantes devem ser as seguintes: a) o produto; b) o mercado; c) as pessoas que devem comprar ou influenciar a compra do produto. A primeira pergunta, então, é: como saber qual é a informação certa? O melhor e mais rápido método conhecido é pelo questionamento seletivo através de pessoas com experiência em propaganda. Ou seja, fazer perguntas com um objetivo definido em vista. Isso é importante porque se o gerente de marketing ou de produto escrevessem o briefing pensando apenas em suas tarefas dentro da empresa, ele seria elaborado com informações que só seriam parcialmente relevantes e do ponto de vista da propaganda poderiam, até, confundir e desperdiçar tempo. Então, o gerente de propaganda (ou o profissional que estiver desempenhando essa função) deve extrair as informações pertinentes fazendo perguntas direcionadas, orientando propositalmente a discussão para o rumo certo e estreitando o campo de investigação a todo momento de forma que o que for relevante para a questão da propaganda apareça claramente no final. Questionários: vantagens e desvantagens. Uma forma de obter informações é através de um questionário-padrão que agrupa informações requeridas em vários tópicos – como, por exemplo, mercado, produto, compradores – e que é preenchido por gerentes de produto ou pelos responsáveis pelo marketing. Esse método tem algumas vantagens, pois ele pode estabelecer uma formapadrão de investigação e simplificar razoavelmente o trabalho da área de produto. Entretanto, ele não é, em nossa opinião, tão efetivo na extração das informações certas no menor espaço de tempo quanto o método de discussão seletiva advogado aqui. Por esse método, a investigação é continuamente restrita ao que é realmente relevante, enquanto que o questionário não pode ser tão seletivo e tende a dar importância igual para todos os fatos, relevantes ou não. Em grande parte, é claro, isso depende (em qualquer caso) de como o método é executado e do follow-up subsequente. Os check-lists com perguntas podem certamente ser úteis, mas seu valor está muito mais na sua capacidade de estimular a investigação e assegurar que nada importante seja negligenciado. Mas há um perigo no método recomendado, sobre o qual o gerente de propaganda deve estar constantemente atento: uma vez que ele tem a 34
  34. 34. responsabilidade de conduzir a discussão, ele deve tomar cuidado para não dominá-la. Seu trabalho é o de coletar o ponto de vista das outras pessoas e não o de expressar o seu próprio, de fazer questões e não o de respondê-las. Ele está lá para escutar. 5. Quem deve brifar quem?   A resposta a esta questão depende de uma série de variáveis – de organização e sistemas de trabalho individual. Mas dois pontos básicos devem ser salientados: O briefing deve ser um diálogo – um vaivém – contínuo entre o anunciante e a agência; e cada parte deve claramente entender e aceitar suas responsabilidades para com a outra. Após o briefing inicial (feito pelo anunciante para a agência, via atendimento e/ou direção geral), briefings específicos e complementares são recomendados para áreas especializadas da agência tais como mídia, criação, pesquisa, promoção etc. isso é normalmente muito mais satisfatório que um único briefing geral. Deve-se pedir ao profissional de atendimento da agência que participe da elaboração desses briefings específicos (ou até mesmo que faça esse trabalho e o submeta ao anunciante), a partir do planejamento estratégico definido. Profissionais das áreas especializadas até mesmo podem participar da discussão e redação desses briefings complementares, mas a responsabilidade por sua execução cabe ao atendimento (e/ou anunciante) e sua aprovação é tarefa que o gerente de propaganda não pode delegar a ninguém. Responsabilidade das áreas de marketing a) Tornar acessíveis para a área de propaganda todas as informações relevantes sobre seus produtos e mercados. b) Ajudar a área de propaganda a formular objetivos de propaganda adequados aos objetivos de marketing e de rentabilidade do produto/empresa. c) Aprovar os objetivos, planos e custos preparados pela área de propaganda, bem como tomar – nos casos necessários – a decisão final sobre planejamento estratégico. Responsabilidade das áreas de propaganda a) Assegurar que as ações de propaganda sejam uma contribuição favorável ao plano de marketing. b) Obter das áreas de marketing as necessárias informações relevantes para a formulação dos objetivos de propaganda. Conseguir informações adicionais de fontes externas (agência, institutos de pesquisa, dados publicados) 35
  35. 35. c) Formular objetivos de propaganda compatíveis às verbas, custos e retornos previsíveis, ajustando-os com as áreas de marketing e a agência. d) Preparar um briefing básico (e por escrito) para a agência, contendo as informações essenciais sobre o produto, o mercado e o consumidor, além de uma definição clara dos objetivos de propaganda. e) Tornar acessíveis – para a agência – todas as informações adicionais necessárias para possibilitar a preparação e execução do planejamento feito para alcançar os objetivos aprovados. f) Aprovar em primeira instância o planejamento geral estratégico e os planos de trabalho feitos pela agência, submetendo-os – nos casos necessários – à aprovação final pela área de marketing. Responsabilidade da agência de propaganda a) Aconselhar e assistir a área de propaganda na formulação dos objetivos de propaganda. b) Obter da área de propaganda (ou através dela) e de suas próprias fontes todas as informações necessárias para a execução do planejamento estratégico, dos planos de trabalho e levantamento dos custos para alcançar os objetivos. c) Executar o planejamento estratégico, os planos de trabalho e o orçamento, para submetê-los ao anunciante. d) Executar as tarefas aprovadas, sob a direção da área de propaganda de seu cliente. 6. O briefing na hora certa. Há dois aspectos importantes neste ponto: a) O tempo requerido para reunir todas as informações relevantes das áreas de marketing antes da formulação dos objetivos de propaganda. b) O tempo para brifar a agência e desse momento até o início da campanha. Obviamente, muito depende da natureza do trabalho. O tempo requerido antes do lançamento de um produto é muito maior do que, por exemplo, para um anúncio impresso com a continuação de uma linha de campanha. Em todos os casos, é responsabilidade do gerente de propaganda estabelecer datas realísticas, mas menos extensas possíveis, para as pessoas trabalharem. No primeiro caso acima, ele tem que fazer um mix razoável entre o tempo concedido para a produção de um bom trabalho e o tempo necessário para a obtenção das melhores e mais recentes informações. Pouco tempo leva a pensamentos apressados e superficiais. Pressões desnecessárias afetam a qualidade do trabalho. 36
  36. 36. Por outro lado, muito tempo pode levar à estagnação e redução de interesse. Um grande número de criadores está acostumado a trabalhar sob pressão e precisa do estímulo do prazo curto para produzir seu melhor trabalho. É fundamental, então, o julgamento do gerente de propaganda sobre as circunstâncias individuais e sobre as pessoas envolvidas. 7. O briefing da maneira certa. Embora o método da execução do briefing seja importante, ele não é tudo. Depende-se muito da maneira como o briefing é executado, dos relacionamentos individuais e do interesse e entusiasmo que podem ser estimulados. Uma confiança demasiada no briefing de ―papel‖, isto é, na troca frequente de memorandos e relatórios sem uma mescla certa de contatos individuais, é um exemplo típico e muito frequente de passar um briefing na maneira errada. Porque isso não falha somente por enfraquecer o interesse, mas frequentemente leva a um dispendioso desperdício de tempo por concentrar a atenção em aspectos equivocados e por levar o trabalho criativo para um beco sem saída. Quando se está brifando o pessoal criativo, é particularmente importante cultivar relacionamentos e atmosferas adequadas, pois o objetivo não é somente passar informações mas criar interesse e estimular ideias, além de encorajar a área criativa da agência a descobrir mais por eles mesmos, com seus próprios olhos, ouvidos e mentes. Pois cabe a eles sondar profundamente assuntos que sejam de seu interesse para, talvez, descobrirem um approach especialmente interessante ou originalmente criativo. É responsabilidade do gerente de propaganda organizar e controlar esse processo. No caso de uma campanha nova, ou do lançamento de um produto, ele deve começar mandando para a agência um briefing escrito básico contendo o plano de mercado, os objetivos de propaganda e o material de conhecimento prático suficiente para eles entenderem o produto, as pessoas que vão comprá-lo e o mercado aonde ele será vendido. Esse documento deve ser o foco para todas as reuniões de informação subsequentes, o ponto de checagem e referência constante que mantém todos, com suas responsabilidades individuais diferentes, movendo-se na mesma direção para o mesmo fim. Quando a agência já teve tempo de ―digerir‖ esse documento inicial, o gerente de propaganda marcará uma reunião que deve ser de natureza exploratória, como uma sessão de perguntas-e-respostas. Isso ajuda a estabelecer um relacionamento individual e coloca os alicerces dos fatos. 37
  37. 37. Depois disso ele vai preparar um programa de reuniões de briefing entre as pessoas apropriadas colocando, onde e quando necessário, pessoal de criação e mídia em contato direto com o pessoal de produto. O profissional de atendimento da agência deve ser envolvido em todas as etapas, uma vez que é sua função manter tudo na direção certa e cuidar para que o trabalho progrida eficientemente. Os pontos-chave dessas reuniões devem ser registrados pela agência e enviados para o cliente, para confirmação. A decisão sobre se o gerente de propaganda deve participar ou não dessas reuniões vai depender do seu julgamento sobre as pessoas envolvidas. Na maioria das vezes, isso é aconselhável para assegurar que as discussões serão mantidas na direção correta, que o tempo não será desperdiçado ou que os criadores não venham a submergir em detalhes irrelevantes. Mas é importante que o pessoal criativo sinta-se livre para procurar suas próprias fontes de informação. Às vezes, isso pode até significar visitas à fábrica, a um distribuidor ou ao ponto-de-venda. 8. O custo do briefing. Esse aspecto da questão envolve os custos das reuniões de informação (incluindo pesquisas) e as despesas gerais envolvidas tanto no anunciante quanto na agência nas etapas subsequentes. No campo da pesquisa, por exemplo, mais dinheiro poderia ser utilizado e gasto particularmente em pré-testes – quando isso ajudar a prevenir propaganda dispendiosa e mal-direcionada, ou aumentar sua efetividade. Mas o dinheiro gasto com pesquisa pode ser desperdiçado se ela for empreendida apenas para confirmar conceitos pré-existentes ou sem que haja um propósito claramente definido e justificável. Antes de começar qualquer pesquisa, deve-se fazer a pergunta: ―Exatamente como os resultados serão usados?‖ – ou, PARA QUÊ SERVE TUDO ISSO? PARA EVITAR O DESPERDÍCIO:   Evite o briefing extenso e muito amplo que pode ser dispendioso em tempo e dinheiro (para ser feito e ser compreendido). Reserve o briefing escrito para as informações de relevância essencial para todos os envolvidos. 38
  38. 38.    Garanta a participação nas reuniões de briefing das pessoas certas para transmitir e receber informações em profundidade – pois esse, como anteriormente descrito, é um processo de vaivém. Mantenha o número de reuniões no mínimo possível e assegure que elas não se prolonguem tanto. Quem presidir ou coordenar a reunião deve assegurar isso. Assegure que cada participante tenha uma necessidade real de estar lá e que essa necessidade justifique o custo do seu tempo e as despesas gerais. As pequenas reuniões são normalmente mais produtivas e mais objetivas que as grandes. Hoje, as condições de mercado cada vez mais difíceis fazem com que os anunciantes e suas agências tenham que mais e mais conseguir seus lucros com economia e eficácia de operação. É preciso cuidado com as falsas economias e somente os executivos que conseguirem moldar seus métodos para obter ganho de efetividade vão alcançar o sucesso. 9. Algumas “regras” para os gerentes de propaganda.      Reconheça que o procedimento correto de briefing pode economizar tempo e dinheiro, simplificar o trabalho de todos e aumentar muito a efetividade da propaganda. Mas isso precisa de organização, não ―acontece‖ simplesmente. Associe o briefing ao planejamento de propaganda desde o início. O briefing é parte do processo de planejamento. Ambos são contínuos. O propósito de ambos é o de definir objetivos claros de propaganda e traçar estratégias eficazes para atingí-los. Verifique se o procedimento adotado está adaptado às necessidades do trabalho específico. Onde a simplicidade for possível, mantenha as coisas simples. Por outro lado, para objetivos maiores, métodos de briefing mais complexos e abrangentes podem economizar tempo e dinheiro a longo prazo. Assegure que as responsabilidades de briefing estejam claramente entendidas por todos os envolvidos – nas áreas de marketing e propaganda e na agência. Geralmente, as áreas de marketing são responsáveis pela produção de todas as informações requeridas para o produto e seu mercado; o gerente de propaganda é responsável pela organização da passagem da informação, pela preparação de um briefing escrito – frequentemente com a cooperação da agência – e subsequentemente pela aprovação dos planos e das ideias criativas submetidas, consultando o pessoal de produto; a agência deve sentir-se responsável, até certo ponto, por informar-se (e às vezes até mesmo informar o cliente) sobre os dados públicos de mercado, além de sugerir pesquisas e estudos especiais. Dirija seus esforços para um mix correto entre briefing oral e escrito. Muito ―papel‖ tende a confundir. Mas um documento de referência conciso, demostrando os objetivos de propaganda, os principais pontos do produto e uma avaliação do mercado é necessário para começar. 39
  39. 39.        Mantenha os custos do briefing e das reuniões de informação constantemente revisados. A qualidade da informação é mais importante que a quantidade. Molde o processo para reduzir despesas gerais. Mantenha as reuniões tão curtas quanto possível. Depois de uma sessão preliminar geral, briefings específicos para grupos especializados da agência são recomendados. Controle a tendência que algumas agências têm de trazer muitas pessoas para as reuniões. Coloque o pessoal da agência em contato direto, quando viável e necessário, com os vendedores, distribuidores, compradores e operadores da sua empresa. A empresa anunciante deve facilitar e a agência deve pedir isso. Não faça apenas um longo e amplo briefing. Pessoas diferentes precisam de diferentes tipos de informação e em diferentes graus de detalhe. Não confie nos questionários escritos. Eles são uma forma não-seletiva de obter informações. Fatos importantes podem ser perdidos, ou a ênfase relativa pode estar errada. Não seja inflexível. Os procedimentos de briefing devem ser considerados como guias e não como regras. Deve haver uma folga para mudança de curso, caso seja aconselhável, no decorrer das discussões. Embora os princípios do briefing sejam constantes, eles devem ser re-interpretados para diferentes tipos de situação. Um procedimento estritamente funcional anula seu propósito. Não permita que o briefing se torne chato, ao contrário: use-o como uma oportunidade para estimular. A propaganda precisa motivar as pessoas. O entusiasmo é contagiante. O pessoal criativo, particularmente, responde muito bem a isso.] 40
  40. 40. Check-list das informações necessárias para fazer o briefing Estes são os pontos mais prováveis de serem questionadas e discutidos durante o processo de reunião de informações. Nem todos serão relevantes ou igualmente relevantes numa situação particular. Os pontos de maior relevância vão se tornar claros à medida que o trabalho for sendo feito. O Produto (ou Serviço)  Nome  Descrição  Propriedades  Histórico  Aparência física  Embalagem  Preço e tendência – Aumento, estabilização, redução  Custo x benefício  Vantagens – Única, principal, secundária  Desvantagens (e efeitos colaterais)  Como é usado? – Local e forma  Frequência de compra e uso  Local de fabricação  Capacidade de produção  Disponibilidade – No presente e futuro  Concorrentes  Vantagens e desvantagens relativas aos concorrentes  Diferencial  Imagem e marca O Mercado  Canal(is) de venda da categoria  Importância relativa (se vendido em mais de um canal)  Como o produto é vendido (unidade, pacotes, grandes quantidades, varejo tradicional, auto-serviço, distribuidores exclusivos, revendas etc)? Como o serviço é prestado (direta ou indiretamente, de forma centralizada ou descentralizada, pessoalmente, via telefone/internet etc)?  Tamanho do mercado – Em volume e valor  Sobreposições de mercado  Influência e atitudes do atacado e varejo  Tendência das vendas – Do produto/serviço; da categoria; do mercado total  Influências: regionais (geográficas); sazonais; demográficas (raça, sexo, idade, profissões, padrão sócio-cultural etc)  Distribuição  Organização do mercado  Influência da força de vendas (para a rede de distribuição e para os consumidores)  Efeitos da propaganda (promoção, merchandising etc) no mercado  Investimentos em comunicação (total e de cada concorrente) 41
  41. 41.   Concorrência:  Participação e tendências de evolução do share-of-market  Grau de organização (de cada um)  Participação e tendências de evolução do share-of-voice  Objetivos e estratégias de marketing e comunicação percebidas  Táticas de marketing e comunicação empregadas  Imagem de cada concorrente Pesquisa – Disponíveis, regulares (que podem ser compradas) e ad hoc (específicas - que podem ser contratadas) Os Consumidores Atuais, da Concorrência e Potenciais (Os itens a seguir se aplicam a cada um dos três grupos acima, quando essa separação tiver sentido no caso específico)  Ocupação, profissão  Posição social e cultural  Quantidade  Nível de escolaridade média  Localização (onde moram, trabalham, passeiam etc)  Grupos de idade  Sexo  Nível de renda  Segmentação psicodemográfica  Decisores de compra (formais e informais)  Influenciadores da compra (dentro da casa/empresa e fora delas)  Necessidade do produto/serviço (para o consumidor)  Atitudes racionais e emocionais com relação a preço, qualidade, utilidade, conveniência  Hábitos de compra e uso  Frequência da compra e uso Os Objetivos  Objetivos estratégicos da empresa  Objetivos de marketing (da empresa, linha, marca, produto ou serviço) em termos de volume, valor, participações, ampliação de mercado e rentabilidade  Objetivos de comunicação (quem e quantos atingir, o que comunicar, que atitudes e respostas se deseja motivar a curto e longo prazos)  Problemas (que dificultam atingir os objetivos)  Oportunidades (que facilitam atingir os objetivos) A Estratégia Básica  Ferramentas de comunicação sugeridas  Peças sugeridas e conteúdo básico  Posicionamento (como a empresa, linha, produto, serviço ou marca quer ser percebida no mercado)  Approach criativo (sugestões)  Pontos obrigatórios a serem destacados ou evitados 42
  42. 42.       Target primário ou secundário Mercados (regiões e segmentos) a serem cobertos Meios de comunicação e veículos sugeridos Período de veiculação desejado Estilo (da empresa, linha, marca) a ser seguido Verba disponível Até uma escada rolante pode ser utilizada de maneira criativa. 43
  43. 43. Planejamento Imagine uma moeda. Se uma das faces é o BRIEFING, a outra se chama PLANEJAMENTO. O planejamento é a resposta ao briefing. Agora imagine uma bússola. O planejamento é como ela: indica o caminho, dá um norte para a campanha. O Planejamento pode ser visto hoje como o processo que indica um MODO DE AÇÃO, que mostra como as ideias, o tempo e o espaço publicitário serão usados para atingir os objetivos de publicidade e marketing. É DECIDIR UM OBJETIVO (o que eu quero que aconteça) E PENSAR NO QUE É NECESSÁRIO FAZER PARA ATINGI-LO (como devo fazer, que recursos usar, etc.). 44
  44. 44. As palavras mais mal compreendidas do vocabulário do planejamento são: objetivo, estratégia e tática. OBJETIVO é simplesmente uma descrição sobre a tarefa que se deseja executar. ESTRATÉGIA compreende os meios determinados para atingir os objetivos. TÁTICA são as atividades específicas e detalhadas para implementar a estratégia. Então, os objetivos constituem o mais alto preceito do planejamento, a estratégia o 2° e a tática o 3°. Sendo que as estratégias derivam diretamente do objetivo e as táticas, por sua vez, derivam das estratégias. Ex: Você decidiu viajar para a Europa. OBJETIVO = Viagem Como você vai viajar? De navio, de avião, etc.? ESTRATÉGIA = Meio de transporte Então você decidiu viajar de avião. Após decidir como você vai viajar, terá que se preocupar com os planos específicos da viagem. TÁTICA = Planos específicos de viagem. Que companhia aérea escolher? Voar de 1° classe, ou classe econômica? Em que época do ano viajar? E que hotéis fazer reserva? As múltiplas escolhas que devem ser feitas, baseadas na estratégia traçada. Planejamento de comunicação O que deve constar no planejamento de comunicação? Situação Descrever os problemas a serem enfrentados e/ou as oportunidades a serem aproveitadas. Uma exposição sintética sobre os motivos que levaram a empresa a fazer propaganda é um bom complemento desta primeira etapa, em que também se poderá fazer uma breve análise da concorrência, do target e pequeno histórico dos esforços publicitários anteriores. Objetivo de comunicação É o conceito ou imagem que queremos que fique na cabeça dos consumidores. Exemplo: Cliente - Claro Digital Conceito - empresa com vanguarda/tecnologia no atendimento e produtos. O planejamento estuda o produto, o cliente, a cabeça do consumidor e decide O QUE DIZER. A criação vai decidir COMO DIZER (com que palavras, com que imagens). No caso acima, a criação traduziu o conceito da seguinte forma: ―Claro Digital - Inovando sempre‖. 45
  45. 45. Ações de comunicação A comunicação deve agir de maneira integrada, ou seja, uma complementando a outra. Agindo de forma conjunta ou isoladamente, todos os mecanismos (RP, merchandising, assessoria de imprensa, eventos e propaganda) devem informar, seduzir e relembrar as mesmas pessoas (consumidores) dizendo a mesma coisa (o mesmo conceito). PLANEJAR Estar atento às necessidades e transformações do mercado Avaliar situações favoráveis (pontos fortes) e desfavoráveis (pontos fracos) Antecipar ameaças e oportunidades Definir o conceito Definir as ações -------- Assessoria de imprensa Relações Públicas Merchandising Eventos Propaganda Marketing direto etc. Definir/dirigir a verba Definir os prazos Para uma campanha de grande porte, planejar pensando em todos os detalhes é fundamental. Para uma peça isolada, como um panfleto para um cliente que já se conhece bem, por exemplo, não é necessário fazer toda uma lista de ameaças, oportunidades, pontos fortes e fracos. Só não esqueça de que, mesmo assim, TODA E QUALQUER PEÇA, por menor e mais simples que seja, necessita de um objetivo, conceito e noção de verba a ser investida. Em suma: planejar é preciso. SEMPRE! 46
  46. 46. Vamos ver um exemplo prático? Cliente: Alvex – marca de produtos de limpeza Objetivo: Divulgar a marca ALVEX de forma institucional, fortalecendo a lembrança no consumidor. Estratégia: - Fixar marca através de exposição em mídia eletrônica de forma repetitiva e contagiante. Táticas:  Criar jingle ALVEX veiculando em rádios de grande audiência. Jingle inspirado no verão, em clima de alegria e de fácil memorização. Desenvolver a ideia de que o produto limpa mais e é muito mais econômico que a concorrência mais barata. Ação de Verão Rádio: No mês de janeiro, vamos integrar a marca ALVEX com seu público em seu maior pólo comercial – o litoral. O consumidor, veranista ou não, está em momento de descontração, fazendo planos para o ano que inicia, pronto para absorver/assimilar novas ideias, marcas e produtos, principalmente se este estiver em sintonia com seu objetivo no momento – o relax. ALVEX penetrará nas praias e na casa do consumidor com o bom humor próprio do verão, expresso no ritmo contagiante do jingle institucional. Aliado a este planejamento, já se solicita ao profissional de mídia, um plano de mídia adequado: os veículos indicados, sua grade de horários, número de inserções e verba investida. Os planos podem ser reajustados, mesmo durante a execução, no caso de fracasso ou sucesso inesperados. O planejamento deve ser altamente flexível. O Planejamento - Agência Talent, São Paulo ―Fazer planejamento significa ter uma visão ampla e contribuir com o negócio do cliente, indo além da propaganda e da comunicação, se necessário. Existem áreas de oportunidade de negócio, fora da área de marketing das empresas. Cabe ao profissional de planejamento estar com a mente aberta para visualizar essas oportunidades. 47
  47. 47. Não acreditamos, portanto, em planejamento como forma de justificar e explicar caminhos criativos de campanhas. Também não acreditamos em planejamento como forma de promover o aumento do conhecimento da agência ou do cliente sobre determinado mercado, por mais sofisticado que seja. O valor do planejamento para o cliente está em solucionar os problemas, não em explicar as soluções. Está em provocar a ação, não em prover informação. Isso significa na prática que a função do profissional de planejamento vai além de orientar a criação da agência com insights que congreguem o objetivo do cliente, a expectativa do consumidor e as características da oferta. A função do profissional de planejamento é mudar a história do cliente. E isso pode ser alcançado tanto através de campanhas quanto em propostas que impliquem em mudanças no negócio. Para isso um profissional de planejamento deve atuar com postura de ―detetive‖: ter espírito investigativo, fazer perguntas, apaixonar-se pelos problemas, enigmas e mistérios que envolvem o negócio do cliente. Além disso, deve pensar sempre com a cabeça de empresário, e não com a cabeça de um fornecedor de serviços de comunicação. Um bom profissional de planejamento é aquele que tem seu foco, atenção e trabalho orientados para o negócio do cliente e não para o seu próprio. Planejamento não é um ato dedutivo, mas um ato criativo. O ato de criar soluções.‖ Copo descartável como mídia: criatividade aplicada ao dia-a-dia. 48
  48. 48. Um simples cartão de visita se transforma em algo absolutamente criativo: cartão de um advogado especialista em divórcios. Criação “A criação é a recombinação de elementos já existentes de maneira inusitada com o fim de resolver um problema.” Aristóteles Em uma agência de propaganda, sempre deve haver alguém que seja responsável pela concepção das peças de propaganda que vão ser veiculadas nos meios de comunicação. É o pessoal da criação. Alguns deles lidam melhor com imagens (desenhos, fotografias, cores, famílias de letras, proporções, etc.) e outros se identificam mais com as palavras (têm alta capacidade associativa ao 49
  49. 49. escrever, conhecem muito bem a língua portuguesa, etc.). Respectivamente, denominamos estas duas funções de DIREÇÃO DE ARTE E REDAÇÃO. Como a maior parte das peças de publicidade tende a combinar textos e imagens, eles tendem a trabalhar conjuntamente, um complementando o outro. Desta combinação surgiu o termo ―dupla de criação‖. Até bem pouco tempo, nas grandes agências havia várias duplas de criação. Cada dupla trabalhava de forma independente. Hoje, porém, em muitos lugares a ideia de dupla é considerada ultrapassada. Em um mesmo ambiente trabalhavam vários diretores e vários redatores. Os grupos de trabalho se formam espontaneamente, podendo envolver, por exemplo, vários redatores em um mesmo trabalho. Na maioria dos casos, a presença de um diretor de arte, por razões óbvias, se tornará necessária. Partes gráficas (aspectos visuais) + DIRETOR DE ARTE Partes escritas REDATOR = DUPLA DE CRIAÇÃO A IDEIA – A “forma” da comunicação Uma vê feito o planejamento, a criação passa a ter parâmetros para criar: o briefing, o planejamento em si e a solicitação de serviço. O diretor de arte e o redator sabem o prazo, sabem se a verba de produção (dinheiro para contratar um fotógrafo, por exemplo) é generosa ou não, sabem quais mídias serão utilizadas (rádio, tv, jornal, etc). Sabem também o conceito que deve ser passado. Com base em tudo isso é que eles vão criar a campanha ou peça de propaganda. São eles que vão dar forma ao conceito definido pelo planejamento, isto é, transformá-lo em uma ideia. A criação ―pega‖ o conceito (o que dizer) e ―transforma-o‖ em ideia ( como dizer). EMPRESA Claro Digital Universitário CONCEITO Vanguarda/Tecnologia Vestibular fácil para quem estuda nele. Brastemp Sinônimo de qualidade IDEIA Inovando sempre. Difícil mesmo é a vida. Vestibular a gente dá um jeito. Não é nenhuma Brastemp 50
  50. 50. Campanha da Adidas contra a falsificação: ―Falsos machucam de verdade‖ CAMINHOS FAMOSOS NA HORA DE CRIAR Problema/Solução: É um dilema tão antigo como a própria propaganda e continua presente naqueles casos onde realmente existe um problema e onde o produto que a empresa elabora (oferece) uma boa solução. Primeiro, levanta-se o problema, de modo que o espectador possa familiarizar-se facilmente com ele, e depois se mostra a forma de resolvê-lo, utilizando o produto em questão que foi concebido para isto. Demonstração: É ideal quando o produto supera em eficácia o dos concorrentes e, também, quando é capaz de maravilhar o espectador; às vezes, é a criatividade promocional que converte em surpreendentes as características do produto. Uma demonstração não pode ser aborrecida, visto que pode ser imaginativa, espetacular ou profunda. 51
  51. 51. Estimulação: Esse é o caminho praticamente obrigatório para os produtos alimentícios e as bebidas. Consiste em mostrar o produto, bem em primeiro plano, sublimado, de modo que o espectador sinta "água na boca". O movimento, se possível, também excita, como por exemplo o chocolate quente sendo derramado sobre o sorvete, ou as gotinhas d’água correndo pela garrafa de um refrigerante bem gelado. O som também é um estímulo ideal: o tilintar dos blocos de gelo caindo no copo e, depois, o líquido chocando-se neles aumenta substancialmente a eficácia do anúncio da bebida. Informação: Quando o produto possui uma grande dose de criatividade, reforçar a mensagem é uma redundância. Por exemplo: se um fabricante de automóveis inventasse um novo modelo que funcionasse com água em vez de gasolina, bastaria informar seriamente sobre isto – com toda a dose de credibilidade que as notícias podem ter – para que o público alvo se interessasse imediatamente por ele. O publicitário inglês David Abbot afirma: "surpreenda o consumidor somente uma vez para captar sua atenção". Depois, venda-lhe o produto dando-lhe toda informação necessária". Se o produto constitui por si mesmo uma surpresa, é melhor não aumentar a capacidade de assombro na mensagem publicitária. Informar que o seu produto é o número um do mercado, ou seja, o preferido pela maioria dos consumidores, funciona bem em certas ocasiões. Ninguém gosta de apostar em perdedor. Há campanhas informativas que, além de explicar a serventia do produto mostram também as situações em que ele não é indicado. Tais campanhas gozam de grande credibilidade. Comparação: O ser humano, como animal racional e impulsivo, passa boa parte de sua vida tomando decisões, isto é, realizando uma série de comparações sucessivas em sua mente. Por isso, a comparação como caminho criativo, quando oferece elementos de contrastes válidos, facilita a decisão dos compradores. A comparação não exige que se mencionem expressamente as marcas da concorrência com as quais se disputa o mercado. Não interessa mencioná-las para dar-lhes publicidade. Mencionar os dados do seu produto para cortejá-los com os dos concorrentes, exige uma objetividade, uma serenidade e uma ética fora de toda dúvida. Mas este caminho não se encerra com a comparação entre produtos ou marcas competidoras. A comparação pode envolver outras áreas e dar-se até entre produtos diferentes. Um bom exemplo é a campanha da Bombril: "A champanha subiu, mas o que limpa a taça, não". Também nessa direção, o desafio pode ser de grande utilidade, desde que o criador não caia no fácil erro da soberba. 52
  52. 52. Analogia: É a relação de semelhança entre duas coisas diferentes, ou seja, a comparação de uma nova ou desconhecida com outra conhecida ou familiar ao consumidor: "O amaciante X é para suas toalhas o que o fermento Y é para as bolachas; deixa-as suaves e esponjosas, tanto que aumenta seu volume". Símbolo Visual: Muitos produtos utilizam nomes e marcas de animais, de figuras ou coisas. Isso tem dupla finalidade: primeiro, que o produto anunciado pelo rádio seja facilmente identificado no ponto de venda; e, segundo, que todo mundo recorde mais facilmente seu nome. Esse caminho baseia-se na simbolização do produto, de seu nome ou do que se faz, pois se recorda melhor o concreto que o abstrato. Um nome que signifique algo é sempre melhor do que um que não tenha significado. "Uma imagem vale mais do que mil palavras". Apresentador: Este caminho consiste simplesmente na figura de um produto. Sua força reside em três elementos: o apresentador, o que diz do produto e como o diz. O apresentador deve ser adequado ao produto, já que, além de comunicar suas vantagens, lhe transfere sua própria imagem. Assim, um apresentador pode conseguir que o produto seja percebido como sério, simpático, amável, eficaz, atraente, etc. Testemunho: Contratar alguém célebre para que fale do produto tem suas vantagens e inconvenientes. Uma das vantagens é que se consegue notoriedade imediata. O maior inconveniente é que o público possa fixar-se mais na celebridade do que no produto. Para aproveitar as vantagens e superar os inconvenientes, é preciso selecionar muito bem a pessoa famosa. Quando se trata do testemunho de pessoas comuns, a mensagem pode comunicar algo racional ou transmitir um impacto emocional; em ambos os casos, a figura de um consumidor dirigindo-se ao público, com suas palavras, para falarlhe do produto, pode mostrar-se extraordinariamente confiável e, portanto, eficaz. 53
  53. 53. Os sósias: A utilização de sósias de personagens famosos produz nos espectadores diversas reações, desde a simpatia pelo senso de humor do anúncio até a sensação de fraude. Este é, por conseguinte, um caminho delicado, para o qual se deve tomar todo o tipo de precauções. Também se manipulam trechos de filmes famosos, dublando os atores ou fazendo-os falar do produto em questão. As falsas dublagens só funcionam bem quando revelam um elevado senso de humor. Campanha da Bombril: o garoto-propaganda muitas vezes vira um personagem famoso. Cena da vida real: É um dos caminhos mais antigos. Realiza-se apresentando uma cena que parece tirada da própria vida, onde algumas pessoas falam do produto. Normalmente, uma das pessoas, a cética, acaba por ser persuadida. A maior parte dos publicitários odeia esse caminho pelo péssimo uso que se faz dele. Apesar de tudo, setores inteiros – detergentes, materiais de limpeza, etc. – continuam utilizando-o por sua grande eficácia, demonstrada na curva de vendas do produto em questão. Tendo o produto como protagonista, a propaganda mostra uma forma de ser ou de viver, com a qual os espectadores podem sentir-se identificados. É de grande utilidade quando o uso do produto tende a ser social. 54
  54. 54. Emoção: Nada comunica ou causa um impacto mais profundo do que apelo emocional aos sentimentos das pessoas. Os anúncios emotivos e humanos calam muito mais fundo do que os frios e impessoais, porque as pessoas reagem melhor quando se lhes fala ao coração, do que à razão. Nostalgia: Os anúncios com forte conteúdo nostálgico podem ser muito eficazes. A origem do produto – a videira para o vinho, a árvore para a madeira, etc. – está nesta linha. Da mesma forma, a história de uma companhia, ou a tradição herdada são temas que podem dar à imagem do produto o impacto necessário. Ecologia: É inegável a importância que estão assumindo no mundo os movimentos ecológicos, e a propaganda não ficou insensível a esse fato. Por isso, desde os refrigerantes enlatados, que se apregoam defensores da limpeza nas ruas, até as grandes companhias petrolíferas, que não podem esconder sua participação na poluição dos ambientes, todos levantam a bandeira da defesa da natureza. O verde, o natural e o ecológico converteram-se em importante caminho publicitário. ―A gente espera nunca ter que lançar esta embalagem. O verão está aí. Use água com consciência.‖ Esporte: Com as transmissões por televisão, os grandes acontecimentos esportivos transpuseram suas próprias fronteiras de acontecimento e espetáculo, para converter-se em um tema de autêntica transcendência política, econômica e social. O esporte, como caminho criativo de propaganda, está em alta e não só para os produtos diretamente relacionados com ele, mas também para muitos outros, interessados na imagem jovem, atual, poderosa e atraente que ele pode transmitir. 55
  55. 55. Sex-Appeal: A atração física é outra das vias utilizadas na história da propaganda. Colocar uma bela jovem com pouca roupa sentada em cima de um carro dá a impressão de algo inadequado e ultrapassado. Contudo, o sex-appeal tem sua razão de ser para alguns produtos: roupas, perfumes, cosméticos, etc. Humor: O humor é um dos caminhos criativos de eficácia mais comprovada, porque as pessoas apreciam o humor, venha de onde vier. Um anúncio pode comunicar perfeitamente coisas sérias de maneira humorística, conseguindo além disso uma corrente de simpatia para o produto e, assim, notoriedade. Tem, contudo, uma limitação: a propaganda humorística queima-se com rapidez. Uma piada não desperta a mesma hilaridade depois da primeira vez. Por isso, quando se lança mão de um humor muito sutil, que pretenda apenas despertar um leve sorriso no espectador, o anúncio pode ser repetido normalmente; no caso de um humor mais contundente, deve-se mudar com frequência as peças publicitárias. ―Não existe nada pior que a sujeira disfarçada. Contra qualquer tipo de sujeira. Bombril.‖ Música: Provavelmente, a música é um dos caminhos publicitários mais completos, participativos e eficazes que existem. Embora maltratada por um grande número de clientes que se limitam a encomendar um jingle a um compositor e indicar-lhe apenas a duração que deva ter, a música serve para comunicar coisas que não se podem transmitir de outra forma: um estilo, uma classe, a procedência de um produto, um estado de ânimo. Por isso, não serve qualquer música para cada produto e circunstância. A escolha 56
  56. 56. do tipo de música exige tanto tempo como a escolha do tipo de imagem que se quer dar ao produto. A música contribui para reforçar o elemento de recordação indelével da mensagem, e por isso ajuda a manter vivas as campanhas durante mais tempo. A música permite a repetição de uma frase, de um nome ou de uma marca, muitas vezes mais do que se poderia repetir de forma falada, sem irritar o espectador. Com a música é possível segmentar determinado público dentro de uma grande audiência sem necessidade de explicitá-lo em imagens ou nas palavras, de modo que o resto dos ouvintes não se sintam automaticamente excluídos. Por outro lado, a música converteu-se no idioma internacional dos jovens e talvez no único caminho para preencher sua atenção, em meio à ingente massa de anúncios emitidos pelas cadeias de rádio e televisão. As músicas bem empregadas podem converter-se em verdadeiras super-vendas para os produtos. A célebre produtora da televisão americana Tina Raver disse: "uma imagem vale mais do que mil palavras. Acrescente-lhe música e valerá mais do que um milhão". Combinação de caminhos É possível combinar vários caminhos e realizar campanhas que utilizem mais de um deles. Assim, pode-se ter um filme, por exemplo, contendo estímulos visuais, um texto de humor, cores e música, que seja capaz de destacar, prender a atenção, ser memorizável, falar a linguagem do público e criar um ativo de comunicação publicitária. Tudo isso em benefício do produto e da marca que anuncia. De todas as fórmulas para criar, a mais importante é essa: esqueça as fórmulas para criar. Descubra quais são OS SEUS CAMINHOS. Faça caminhos NOVOS. Alguns fatores importantes para isso: - auto-conhecimento - combater o medo do erro - ousar, não se acomodando a regras. AS DIFERENTES MÍDIAS X VOLUME DE INFORMAÇÃO QUE COMPORTAM: OUT-DOOR CARTAZ TV/RÁDIO REVISTA/JORNAL MALA-DIRETA ---------------------------------------------------------------------------------------- MENOR (VOLUME) MAIOR 57
  57. 57. CRIANDO PARA... JORNAL/REVISTA - permitem textos maiores, justamente por serem lidos com mais calma pelo consumidor – mas não queira concorrer com as matérias (a não ser que seja este o objetivo do anúncio!) - título, texto e arte devem formar um conjunto que chame a atenção em meio a tantos outros anúncios no veículo - se o orçamento permitir, ouse na forma - revistas têm o poder da imagem. Abuse dela neste meio. - jornais permitem falar de HOJE. Este é o meio ideal para falar de promoções. Use o tempo presente para ganhar força. 58
  58. 58. OUTDOOR - out (fora) door (porta) – ―lado de fora da porta‖, ou ―ao ar livre‖ - pense que ele é grande, mas como é visto de longe, parece pequeno - concorre com a paisagem urbana - normalmente é visto em movimento (de dentro do carro, do ônibus) - exige mensagens curtas e grande objetividade - devem chamar atenção e comunicar rapidamente - possui 32 folhas de 1,10 x 0,75 m, totalizando 8,80 x 3 m. Quando trabalhamos o layout, devemos dimensioná-lo no arquivo com 48 x 16 cm. - de uso mais recente, existem os outdoors LONADOS, cujo painel (base) é o mesmo que de um outdoor comum, porém no lugar de folhas, é usada uma lona impressa. Como a lona é um material muito mais resistente, ela é ideal para a veiculação com prazos estendidos. - não confundir outdoor com: • FRONT LIGHT (painéis impressos em lona, com iluminação frontal exterior) • BACK LIGHT (painéis impressos em lona, com iluminação interna) 59
  59. 59. • ROLLER (painéis confeccionados em lona, com acionamento mecânico. A lona gira sobre si mesma, fazendo com que a imagem e/ou mensagem se modifique em intervalos regulares de tempo.) • PLACAS PUBLICITÁRIAS (a mensagem é pintada diretamente sobre a base, permitindo um grande tempo de exposição, como as que vemos nas estradas) RÁDIO • SPOT (peça com locuções, trilha, efeitos) ou JINGLE (comercial em forma de música/cantado) • o único recurso de que dispomos é o SOM, portanto o elemento mais importante a ser explorado é a IMAGINAÇÃO do ouvinte • é uma espécie de situação que em geral ocorre em um ambiente que é caracterizado por efeitos sonoros (barulho de recreio na escola, por exemplo), envolve personagens (que devem ser interpretados por atores) e possui trilha musical para acentuar o clima. Pode apresentar também o que se chama de TEXTO STANDARD, que é um texto lido por um locutor, eventualmente com trilha ao fundo. 60
  60. 60. COMERCIAL DE TV • pode ser chamado de FILME ou VT • é a forma de exibir propaganda que mais possibilita/facilita a comunicação porque dispõe dos recursos mais próximos da natureza humana: SOM, IMAGEM E MOVIMENTO. • ideal para demonstrar produtos ROTEIRO DE SPOT E DE COMERCIAL DE TV É através de um roteiro que a criação dá forma à ideia do spot e do comercial. Uma vez (bem) passada para o papel, a ideia não se perderá quando apresentada ao cliente e a quem for orçar ou produzir a peça. Junto ao roteiro, o comercial de TV ainda conta com o STORY BOARD, que é uma sequência de quadros (fotos, desenhos) que procuram simular graficamente como deverá ficar o comercial depois de pronto. Deve-se mostrar apenas as ideias e planos essenciais. O story board facilita o entendimento da ideia, o levantamento de custos e a direção do comercial. Para poder explicar melhor o que se imagina em um spot, sempre é bom saber alguns termos técnicos: TRILHA PESQUISADA – trilha sonora já composta e gravada por alguém. É necessário saber se está liberada para o uso ou se é preciso pagar pelos direitos autorais. TRILHA COMPOSTA – trilha sonora feita especialmente para o comercial. BACKGROUND (B.G.) – a trilha fica de fundo, em volume mais baixo que a locução. FADE-IN (F.I.) – Aumento gradual do volume do som. FADE-OUT (F.O.) – Diminuição gradual do volume do som. 61
  61. 61. Para poder explicar melhor o que se imagina em um comercial de TV, conheça os termos: SEQUÊNCIA – Conjunto de cenas que se referem a uma mesma ação. CENA – unidade de ação de um filme, caracteriza-se geralmente pelo mesmo cenário e personagens. Abrange uma série de planos. PLANO (OU TOMADA) – SHOT - é um fragmento da cena sem interrupção pelo corte. É também um ponto de vista da câmera em relação ao assunto. Tipos de planos: GPG – Grande Plano Geral – Plano de Grande Conjunto – Extreme Long Shot - enquadramento geral da paisagem. Abrange todo o local da ação. PG – Plano Geral – Plano de Conjunto – Long Shot – Focaliza os personagens dentro do local da ação e apresenta uma parte do cenário ou paisagem. PM – Plano médio – Plano de meio conjunto - Medium Shot – Focaliza especialmente os personagens, de corpo inteiro. PA – Plano americano – enquadramento dos personagens a meio-corpo PP – Primeiro Plano – Grande Plano – Close-up – A câmera destaca apenas uma parte do assunto. PPP – Primeiríssimo plano – Grande Primeiro Plano – Big Close Up – Tomada bem próxima que isola um pequeno detalhe. É também chamado Plano de Detalhe. Plano de arquivo – stock shot – Plano aproveitado na montagem de um filme, mas não rodado especialmente para ele. Qualquer cena filmada anteriormente e retirada de uma filmoteca ou arquivo. Plano de corte – Plano usado na montagem para separar duas cenas que se encadeiam mal. Ex.: o close de um letreiro, em um retrato ou em qualquer outro objeto, intercalado na mudança de uma cena para outra em que há um corte brusco na ambientação. Pack-shot – Close do produto ou da marca que está sendo promovida no comercial. Entra geralmente no fim do comercial acompanhado de um letreiro e/ou locução em off (locutor que não se vê na cena) com o tema/slogan da campanha ou marca. 62
  62. 62. Câmera alta – ângulo obtido com a câmera filmando de cima para baixo. O objeto ou personagem filmado parece inferior ou dominado. Também é chamado de plongê. Câmera baixa – ângulo obtido com a câmera situada num ponto mais baixo, filmando para cima. O objeto ou personagem filmado parece superior, engrandecido, dominador. Também é chamado de contra-plongée. Travelling – Deslocamento da câmera em qualquer direção ou sentido para se aproximar, se afastar ou acompanhar o objeto, cena ou pessoa que está sendo filmada. Panorâmica – Movimento de câmera (da esquerda para a direita, ou vice-versa) que mostra uma tomada geral de um objeto, cena ou pessoa que está sendo filmada. Exemplo de ROTEIRO DE SPOT Ouvimos o som de chamada telefônica seguido pelo som do telefone sendo atendido. Atendente eletrônica: Digite-o-número-de-sua-agência-e-conta. (Som eletrônico das teclas sendo digitadas.) Atendente eletrônica: Digite-sua-senha. (Som eletrônico das teclas sendo digitadas.) Atendente eletrônica: O saldo de sua conta corrente é... Hahahahaha... Locutor: O mês do seu salário é sempre mais curto que o seu? Leia o “Seu Dinheiro” no JT. Tudo o que você precisa saber para administrar melhor o que é seu, explicado de forma simples toda terça nas bancas. Leia o Jornal da Tarde. Título: Saldo Agência Talent Redator: Eduardo Andrietta Fonte: Anuário do Clube de Criação de São Paulo, 2005. 63

×