Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Intoxicação Exógena por Carbamatos

2,247 views

Published on

Trabalho sobre IEC e uma breve Apresentação sobre SNC e Diagnósticos de enfermagem.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Intoxicação Exógena por Carbamatos

  1. 1. Escola Estadual De Educação Profissional Mário Alencar Intoxicação Exógena Por Carbamatos Curso: Tec. Enfermagem Orientador: Everton Lavor Fortaleza, fevereiro de 2015
  2. 2. Equipe: ANA CAROLINA DA SILVA RABELO ANA KARINE DE SOUSA MATIAS Intoxicação exógena Por Carbamatos TRABALHO APRESENTADO AO CURSO TECNICO DE ENFERMAGEM DA E.E.E.P Mário Alencar dedicado a conclusão de curso. Orientador: Everton Lavor
  3. 3. Introdução • Conceito Sobre Intoxicação Exógena
  4. 4. Estatísticas  Algumas estatísticas  95% dos episódios cursam com pequenas consequências ou nenhuma.  92% dos casos são por ingestão aguda, e não crônica.  92% dos casos ocorrem por substância única.  85% dos casos ocorrem de modo não intencional.  59% dos casos ocorrem em indivíduos de 20 a 49 anos.  52% dos casos ocorrem em crianças menores de 6 anos.  47% dos casos envolvem farmacêuticos.
  5. 5. Estatísticas  Nos Estados Unidos (2004)  2-3 milhões de intoxicações agudas por ano  5-10% dos atendimentos de emergência  Mais de 5% das internações em UTI (adultos)  Aproximadamente 5% dos casos com internação hospitalar
  6. 6. OBJETIVO  VERIFICAR AS COMPLICAÇÕES REFERENTES A INTOXICAÇÃO EXOGENA POR CARBAMATOS DENOMINAR A FISIOLOGIA, PATOLOGIA E SUA TERAPEUTICA VINCULADA A INTERVENÇÃO DE ENFERMAGEM.
  7. 7. Fundamentação teórica  Revisão Sistema Nervoso e Ação de neurotransmissores  Fisiopatologia da intoxicação por Carbamatos  Sintomatologia  Terapêutica mais comum
  8. 8. • Fundamentação teórica Sistema Nervoso Sistema Nervoso SNP somático autônomo SNC Simpático Parassimpático
  9. 9. • Fundamentação teórica Sistema Nervoso  SOMATICO AUTONÔMO  SIMPATICO  PARASSIMPATICO ach Rec. Nicotínicos ach Rec.N Rec. Adrenérgicos (B1-B2-B3) ach Rec.N Rec. Muscarinicos (M1-M2-M3-M4-M5)
  10. 10. fisiopatologia da intoxicação por carbamatos CARBAMATOS
  11. 11. ACETILCOLINA  Sistema colinérgico. • Antagonista da Adrenalina
  12. 12. ACETILCOLINA  Receptores Nicotínicos, Muscarinicos e SN. Receptores colinérgicos muscarinicos SNC CORAÇÃO nicotínicos UNIÃO NEUROMUSCULARMUSCULATURA LISA GANGLIOS AUTONOMICOS SNC MEDULA ADRENAL
  13. 13. Sintomatologia  Sinais e Sintomas.
  14. 14. MUSCARINICOS CORAÇÃO TRATO RESPIRATORIO TRATO GASTRO INTESTINAL OLHOS TRATO URINARIO BRADCARDIA/FC-CC DISPNEIA/TOSSE-SECREÇÃO BRONQUICA EXCESSIVA/broncoconstricção VOMITOS/DOR ABDOMINAL- DIARREIA(relaxa os esfíncter + Aumenta o peristaltismo)) MIOSE INCONTINENCIA URINARIA SUDERESE INTENSA-SIALORREIA NICOTINICOS HIPERATIVIDADE SIMPATICA DISFUNÇÃO NEUROMUSCULAR TAQUICARDIA HIPERTENSÃO PUPILAS DILATADAS/MIDRIASE FASCICULAÇÃO/MUSCULATURA ESQUELETICA FRAQUEZA MUSCULAR PALIDEZ CAIMBRAS SNC AGITAÇÃO PSICOSES CONFUSÃO COMA CONVULSOES CEFALEIA LABILIDADE EMOCIONAL TREMORES SONOLENCIA ATAXIA
  15. 15. Terapia medicamentosa  Atropinização
  16. 16. Terapia medicamentosa  Carvão Ativado
  17. 17. Terapia medicamentosa Classificação do Pct intoxicado  GRAU 0- Sem sintomatologia 2hrs após a ingestão. Observação por 6 horas  GRAU 1- Um dos sinais menores até 2hrs após a ingestão.  Lavagem gástrica (LG) com 6 litros ou mais de SF a 0,9%(enquanto sair o agente tóxico);  - Observação por 12 horas. Mantendo-se assintomático, liberar o paciente. Caso apresente sintomatologia, reclassificar e proceder à conduta.
  18. 18. Terapia medicamentosa Classificação do Pct. GRAU 2- Sinais menores, acompanhados de um sinal maior.  Lavagem gástrica (LG) com 6 litros ou mais de SF a 0,9% (enquanto sair o agente toxico);  - Carvão ativado (CA) via sonda nasogástrica (SNG), por lavagem, em dose única de 25g em 250ml de SF a 0,9% para adulto, e 0,5g/kg para crianças.  - Catártico salino Hidróxido de magnésio - 30 ml via SNG 1 hora após CA;  - Atropina - 1mg, EV, de 15/15 min;  - Telerradiografia de tórax - quando houver suspeita de broncoaspiração;  - Reavaliação de 2/2 horas, com nova classificação, quando necessário;  - Observação por pelo menos 12 horas, após término da atropinização.
  19. 19. Terapia medicamentosa Classificação do Pct.  GRAU 3- Sinais menores, acompanhados de dois sinais maiores com comprometimento respiratório.  LG com 8 litros de SF a 0,9% ou mais;  - CA via SNG, de 6/6 horas, até 24 horas  - Catártico salino, 1 hora após cada dose do carvão;  - Atropina - 1,5mg, EV, de 15/15 min, para adultos e 0,03mg/kg/dose, de 15/15 min, para crianças;  - Telerradiografia de tórax;  - Medidas sintomáticas e de suporte;  - Reavaliação e nova classificação, se necessário, de 2/2 horas  - Observação por pelo menos 18 horas, após término da Atropinização.  - Cuidado com a Atropinização destes pacientes, pois ao mesmo tempo que pode ter uma melhora rápida, devendo haver a diminuição da dose da atropina, pode evoluir com comprometimento respiratório, necessitando aumentar a dose.
  20. 20. Terapia medicamentosa Classificação do Pct.  GRAU 4- Sinais menores, acompanhados de três ou mais sinais maiores com comprometimento respiratório.  LG com 10L de SF a 0,9% ou mais;  - Atropina - 2,0 mg, EV, de 10/10 min, em adultos, e 0,05mg/kg/dose, de 10/10 min,em crianças;  - CA, via SNG, de 6/6 horas, por 24 horas;  - Catártico salino;  - Telerradiografia de tórax;  - Monitorização cardíaca;  - Medidas sintomáticas e de suporte;  - Reavaliação de 1/1 hora  - Observação por no mínimo 24h após término da atropinização.  - Avaliar indicação de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pelo risco de desenvolver Insuficiência Respiratória.
  21. 21. Terapia medicamentosa Classificação do Pct.  GRAU 5- Quadro completo, com pelo menos um sinal de gravidade.  Atropina - 2mg, EV, de 10/10min, em adultos, e 0,05mg/kg/dose, de 10/10min, em crianças;  - Em casos muito graves pode ser aumentada a dose;  - Observação por 24 e 48h, no mínimo, após término da atropinização  - Indicação de UTI.  Contra-Indicações Drogas que causam depressão do Sistema Nervoso Central, como Morfina, Barbitúricos, Reserpina, Fenotiazínicos; Aminofilina, Teofilina; e Insulina. O Contrathion está contra-indicado em intoxicação por Carbamatos, a não ser quando:caso onde haja associação entre carbamato e OF.
  22. 22. Estudo de Caso Histórico • Anamnese • Exame Físico(evolução) Principais Diagnósticos de Enfermagem Planejamento pretende Implementação fazer Avaliação
  23. 23. Histórico Anamnese  14.01.2015 Pct A.S.S Id:24anos sexo:Feminino; Admitida na unidade de tratamento urgente por intoxicação exógena pelo uso de carbamatos; SIC, nega uso de drogas , medicações, e usou chumbinho para suicídio após desilusão amorosa ; pct, Inconsciente , agitação psicomotora, sialorreia intensa, bradicardia e brandpeia, SP02: 70%. FC:53bpm; PA:100x60mmhg; Puncionado AVP em MSD para hidratação venosa rigorosa em uso de SRL; Iniciado esquema de Atropinização com 15amp de atropina a 0,25mg/ml ; iniciado analgesia com Fentanil 2ml EV; Realizado I.O.T tubo de n°7,5.
  24. 24. Histórico exame físico  21.01.2015 ás 17:00 –Pct; A.S.S, Id: 24anos sexo: Feminino; 7°D.I.H por intoxicação exógena por carbamatos, em sedoanalgesia, ECG2=o6t,pupilas(PIRF)T.O.T, em VM modo SIMV, VC(v) FR: 12 rpm, Fio2:32%,Peep= 5 Sto2=99% ausculta normal MVU presentes e uniformes S/RA; tórax simétrico, expande bilateralmente, ACV= Bradicardia. FC=52 bpm. BCNF com RCR em RT, hemodinamicamente estável, mantendo PA=125x63mmhg,sem uso de DVA, TGI; em dieta com SNG em Aspiração, RG abundante de aspecto escuro, realizado teste da catalase; resultado negativo; ausência de vômitos; abdome; plano, flácido RHA positivo, sem massas ou VMG; SVD, diurese presente com aspecto turvo; Evacuações presentes com aspecto pastoso e quantidade moderada; edemas na face e nos MMSS; AVP, em MSE, ulceras por pressão de 1°grau; MID; calcâneo lateralizado exterior ,embalanço hídrico; uso de SRL 2000 ml; KCL 10% com 1 amp a cada soro de 500; vazão 100ml/h; Cefepine 2g iv 8/8 h dipirona 2ml+ 18AD 6/6h; hidrocortisona 100mg; NB:SF0,9% berotec 10mgotas + atrovent 30gotas; segue sobre cuidados de enfermagem.~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~Ana Rabelo; Ana Karine.
  25. 25. Principais diagnósticos de enfermagem Risco de integridade da pele prejudicada relacionado à: (x) fragilidade da pele pela desidratação ( x) pressão sobre a pele (x) infecção.
  26. 26. Principais diagnósticos de enfermagem  Risco de aspiração relacionado à:  (X)alimentação por sonda ( ) presença de TQT (X) nível de consciência reduzido.
  27. 27. Principais diagnósticos de enfermagem  Déficit no auto cuidado-banho e higiene relacionado à: (X) fraqueza ( ) dor ( )fadiga, evidenciado por: (X) incapacidade de fazer a própria higiene (X)intolerância a atividade.
  28. 28. Principais diagnósticos de enfermagem  Mobilidade física prejudicada relacionada à: ( )utilização de equipamentos externos (X) força insuficiente para movimentar- se ( ) fadiga ( )cirurgias, evidenciado à: ( ) pós- operatórios ( X) restrições imposta ao movimento (X) capacidade motora prejudicada.
  29. 29. Principais diagnósticos de enfermagem  Padrão respiratório ineficaz relacionado à: ( ) ansiedade, evidenciado por: (X) dispnéia ( ) tosse (X)saturação de O2 alterada.
  30. 30. Planejamento Risco de integridade da pele prejudicada  Aplicar compressas frias ou mornas;  - Realizar mudança de decúbito;  - Supervisionar a pele;  Passar óleo de milho  creme, após o banho;  - Colocar coxins em proeminências ósseas; manter colchão piramidal;  - Hidratar região perianal com Creme para assaduras após troca de fraldas;  - Observar e anotar edemas;  - Observar e anotar estado de consciência; Implementação Aplicar compressas ( ) frias ( ) mornas;  - Realizar mudança de decúbito; (X)  - Supervisionar a pele (X)  - Passar (X) óleo de milho ( ) creme, após o banho;  - Colocar coxins em proeminências ósseas;  - ( ) Instalar ( ) manter colchão piramidal;  - Hidratar região perianal com creme para assaduras após troca de fraldas;  - Observar e anotar edemas (X)  - Observar e anotar estado de consciência(X) AVALIAÇÂO
  31. 31. Planejamento Risco de aspiração  Manter cabeceira elevada;  - Aspirar secreções;  - Orientar -auxiliar -realizar higiene oral;  - Estimular -oferecer -auxiliar na ingesta oral;  - Observar e anotar estado de consciência; Implementação  - Manter cabeceira elevada (X)  - Aspirar secreções (X)  - ( ) Orientar ( ) auxiliar ( ) realizar higiene oral;  - ( ) Estimular ( ) oferecer ( ) auxiliar na ingesta oral;  -Observar e anotar estado de consciência (X) AVALIAÇÃO
  32. 32. Planejamento Déficit no auto cuidado-banho e higiene relacionado  - Encaminha -auxiliar-realizar banho;  -Orientar-auxiliar-realizar higiene oral;  - Realizar tricotomia na região;  - Realizar e anotar troca de fraldas;  - Hidratar região perianal com creme para assaduras após troca de fraldas;  - Observar e anotar estado de consciência; Implementação  ( ) Encaminhar ( ) auxiliar (X) realizar banho;  - ( ) Orientar ( ) auxiliar (X) realizar higiene oral;  - Realizar tricotomia na região;  - Realizar e anotar troca de fraldas;  - Hidratar região perianal com creme para assaduras após troca de fraldas;  - Observar e anotar estado de consciência(X) AVALIAÇÃO
  33. 33. Planejamento Mobilidade física prejudicada  Realizar mudança de decúbito;  - Estimular paciente a sentar na poltrona;  - Estimular-auxiliar -supervisionar a deambulação;  - Encaminhar-auxiliar-realizar banho;  - Observar e anotar edemas;  - Observar e anotar estado de consciência; Implementação  - Realizar mudança de decúbito(X)  - Estimular paciente a sentar na poltrona;  - ( ) Estimular ( ) auxiliar ( ) supervisionar a deambulação;  - ( ) Encaminhar ( ) auxiliar ( X)realizar banho;  - Observar e anotar edemas(X)  - Observar e anotar estado de consciência(X) AVALIAÇÃO
  34. 34. Planejamento Padrão respiratório ineficaz  Manter cabeceira elevada;  - Verificar saturação de O2;  - Incentivar paciente a tossir;  - Observar e anotar padrão respiratório: -tosse-expectoração- dispneia;  - Atentar para presença de -cianose periférica- perioral;  - Observar e anotar estado de consciência; Implementação  - Manter cabeceira elevada(X)  - Verificar saturação de O2(X)  - Incentivar paciente a tossir;  - Observar e anotar padrão respiratório: ( ) tosse ( ) expectoração (X) dispnéia;  - Atentar para presença de (X) cianose periférica ( ) perioral;  - Observar e anotar estado de consciência(X) AVALIAÇÂO
  35. 35. Atento Para Medicamentos Em uso.  SRL 2000 ml; KCL 10% com 1 amp a cada soro de 500; vazão 100ml/h; Cefepine 2g iv 8/8 h - antibiótico  dipirona 2ml+ 18AD 6/6h;- analgésico e antitérmico  hidrocortisona 100mg;- anti-inflamatório  NB:SF0,9% berotec 10mgotas + atrovent 30gotas;- bronco dilatador  Sedoanalgesia-Fentanil e dormonid
  36. 36. Atento Para Quadro da Pct  SVD  AVC  AVP
  37. 37. Considerações Finais Este trabalho é de suma importância para esclarecimento dos futuros profissionais de enfermagem e dos ouvintes presentes sobre o tema abordado, e dos perigos que os carbamatos ocasiona na sociedade se mal manuseado, assim podemos realizar a promoção e prevenção da saúde.
  38. 38. Referências  1.Snell RS. Neuroanatomia Clínica.7th ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.  2.Machado ABM. Neuroanatomia Funcional. 2nd ed. São Paulo: Atheneu, 2006.  3. Baehr M, Frotscher M. Duus Diagnóstico Topográfico em Neurologia,4th ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.  4.Netter FH.Atlas de Anatomia Humana 5th ed.rio de janeiro: elsevier; 2011.  5.Rubin M, Safdieh JE. Netter Neuroanatomia Essencial. 1st ed.Rio de Janeiro: Elsevier;2008
  39. 39. agradecimentos

×